Lições de quem chegou ao topo

Você está enganado se pensa que o desafio de um trainee termina quando ele vence a concorrência e consegue ser aprovado num disputado processo seletivo.
Ao longo de sua trajetória, ele passará por inúmeras provas de resistência e jogo de cintura - das quais depende sua permanência e também sua ascensão na empresa que o acolheu.
Os relatos trazem lições valiosas sobre como se destacar e crescer na companhia após o término do programa de trainee. Conheça hoje um pouco da história de Caio Ibrahim David, VP Executivo do Itaú Unibanco.
 
Quando ingressou na empresa como trainee?

Em 1987, na área de finanças. Na época, ainda estava no 2º ano da faculdade de engenharia e precisou conciliar a grade de disciplinas do curso, que era integral, com o trabalho.

Como foi o processo até chegar à diretoria?

Um ano depois de entrar na empresa como trainee, Caio foi promovido a analista júnior. Ao final da graduação, já era analista pleno. Nos anos seguintes, ele buscou complementar sua formação acadêmica. Fez pós-graduação em economia e finanças e um mestrado em controladoria, ambos na USP (Universidade de São Paulo), além de um MBA na New York University. O investimento em qualificação foi a chave para desenvolver sua carreira no banco e chegar até a posição atual.

O que diria aos jovens que sonham com a mesma trajetória?

Vice-presidente executivo do Itaú Unibanco aos 48 anos de idade, Caio diz que sua carreira é fruto do investimento constante da empresa no desenvolvimento de seus talentos.
 
Embora não enxergue uma única “fórmula” para o sucesso, ele destaca algumas posturas essenciais para qualquer trainee que sonha em crescer dentro da empresa em que ingressou. “É necessário gostar muito do que se faz, identificar-se com os valores éticos e com a cultura da empresa e vislumbrar oportunidades de se diferenciar, sempre com disposição para fazer o seu melhor”, afirma o executivo.

Fonte: Exame
ATENDIMENTO: Seg. a Sex.: 09h-18h | (71) 3023-2707 | atendimento@editora2b.com.br