2B Educação

Resumo de Administração e Gestão Social para concursos

19/06/2019

Resumo de Administração e Gestão Social para concursos

Com o crescimento das instituições sociais, intensificou-se a necessidade de profissionalização e organização das ferramentas de gestão, cujo planejamento realizado de forma coerente possibilita assertivas nas respostas elaboradas às demandas apresentadas pelo público-alvo, assim como permite valorosos apoios e parcerias.

 

Confira materiais de estudos para Gestão Social em concursos

 

O planejamento nas organizações pode ser demarcado desde a década de 60, quando se exigiu a democratização das empresas e da sociedade através da imposição dos modelos de autogestão e cogestão, implementado por meio do planejamento por objetivos, articulando-se o poder público ao técnico (AVANCINNI, s/d).

 

Atualmente, existe a tendência de utilização do planejamento estratégico nas organizações, pois este apresenta-se como uma ferramenta da administração que ganhou visibilidade no enfretamento de ameaças e oportunidade encontradas nas organizações.

 

Tendo como objetivo auxiliar na escolha de decisões, bem como acompanhar as constantes mudanças conjunturais, sendo um instrumento flexível, estimula o pensamento e a concentração sobre assuntos que consideram características e medidas relevantes a serem tomadas.

 

Logo, a sua utilização numa gestão organizacional produz a eficácia na obtenção dos resultados. É um processo contínuo e interativo que possui como finalidade manter a organização “como um conjunto integrado a seu ambiente” (ALDAY, 2000, p. 13).

 

Planejar é a forma fundamental de pensar no futuro, estabelecer o que fazer, como, quando, e com quais recursos. Através deste processo, previamente são fixadas as finalidades, objetivos, atividades e recursos necessários para alcançá-los, sendo a projeção do futuro necessária para dominar as ondas de choque, explorando os acontecimentos do ambiente, gerindo e monitorando através de indicadores críticos a fim de se adaptar as consequências das estratégias de ação.

 

Desta forma, a projeção futura e o planejamento se completam à medida que se divide uma estratégia de ação e a traduz numa meta ou alvo. A utilização de ambos tornará a organização bem-sucedida (ALDAY, 2000).

 

Concursos abertos em Serviço Social

 

As organizações que desenvolvem a administração estratégica de forma correta possuem vários benefícios, que é o resultado da eficiência e eficácia nos processos de implementação da Administração Estratégica. O processo de administração estratégica possui cinco etapas:

  • a execução de uma análise do ambiente (movimento de identificação de riscos e oportunidades presentes e futuras)

  • o estabelecimento de uma matriz (o que a empresa quer ser no futuro e suas metas)

  • formulação de uma estratégia (como alcançar os objetivos)

  • implementação estratégica (execução)

  • controle estratégico (monitoramento e avaliação do que deu certo ou errado) (ALDAY, 2000).

 

Outro ponto importante são as operações internacionais que influenciam no futuro das organizações e a responsabilidade social, que consiste em ações que promovam o bem-estar tanto dentro da empresa, que visam determinar como a administração estratégica é realizada no ambiente interno da organização diante da atual conjuntura social e econômica; ou em ambiente externo, isto é, a sociedade em geral, como ações que viabilizam acessos à cultura, saúde, educação.

 

Pensar em sustentabilidade, planejamento, acertos nas ações com projeção de futuro, são elementos essenciais para profissionais que almejam sucesso nos pro contrapartida, nesse mesmo período, o Brasil engatinhava rumo a materialização da democracia, participação popular e consolidação da cidadania.

 

Dúvidas sobre como estudar para o seu concurso público? Mande um Whatsapp pra gente!

 

Os atores sociais institucionalizavam, e, assim, surgiam novos contextos de trabalho e implementação das dimensões teórico-metodológica, técnico-operativa e ético-política do profissional do Serviço Social.

 

O terceiro setor, sem margem a dúvidas, é um campo de trabalho envolto de complexidades e desafios, que requisita novas práticas e habilidades no cotidiano do exercício da profissão, solicitando atuações competentes, propositivas, capazes de negociar com a instituição os seus projetos e defender suas qualificações e atribuições profissionais.

 

Um profissional capaz de ir além das rotinas institucionais, que apreenda no movimento da realidade as tendências e possibilidades passíveis a transformação e desenvolvimento (IAMAMOTO, 2009).

 

Os profissionais contratados muitas vezes possuem contratos fragilizados, baixos salários, vivenciam a polivalência, precarização das condições de trabalho, a relativa autonomia enquanto profissional assalariado, subordinado, precisa responder às demandas para além daquelas apresentadas pelos usuários.

 

Outro rebatimento sobre a categoria é a prática do voluntariado, em que muitos profissionais, por não conseguirem a inserção no mercado formal de trabalho, veem nas ações voluntaristas uma via para alcançar experiência ou acreditam que serem inseridos numa organização facilitaria a contratação.

 

A Lei 8.662/1993, no artigo 5º, orienta quanto as Competências Privativas do Assistente Social, qualificando a atuação profissional. Objetivando dialogar com o ordenamento jurídico legal e a atuação no terceiro setor, é possível identificar bases profissionais nos incisos:

  • “I – coordenar, elaborar, executar, supervisionar e avaliar estudos, pesquisas, planos, programas e projetos na área de Serviço Social;

  • XII – dirigir serviços técnicos de Serviço Social em entidades públicas ou privadas”.

 

A atuação do Assistente Social no terceiro setor solicita a apreensão da realidade social, execução da pesquisa, conhecimento institucional e legislação atual que fundamenta a prática, legitimando o trabalho voltado para a garantia dos direitos da população atendida, que, por muitas vezes, tem exclusivamente os serviços disponibilizados pelas organizações sociais como via de acesso a essencialidade à vida humana, e tendo como baliza da atuação do Projeto Ético-político do Serviço Social (FILHO, 2015). Seguem alguns aspectos relacionados a atuação do Assistente Social junto ao terceiro setor:

 

Quer conferir o resumo completo? Clique aqui e confira o material de estudo.