Prova Concurso - Pedagogia - 2003-MEC-TECNICO-DE-NIVEL-SUPERIOR-PLANEJAMENTO-E-GESTAO-EDUCACIONAL-III - CESPE - MEC - 2003

Prova - Pedagogia - 2003-MEC-TECNICO-DE-NIVEL-SUPERIOR-PLANEJAMENTO-E-GESTAO-EDUCACIONAL-III - CESPE - MEC - 2003

Detalhes

Profissão: Pedagogia
Cargo: 2003-MEC-TECNICO-DE-NIVEL-SUPERIOR-PLANEJAMENTO-E-GESTAO-EDUCACIONAL-III
Órgão: MEC
Banca: CESPE
Ano: 2003
Nível: Superior

Downloads dos Arquivos

prova.pdf
gabarito.pdf

Provas relacionadas

PEDAGOGOUFPA2018
PEDAGOGOUNIFESSPA2018
PEDAGOGOEBSERH2018

Gabarito

cespe-2003-mec-tecnico-de-nivel-superior-planejamento-e-gestao-educacional-iii-gabarito.pdf-html.html

 

U

 

N

 

I

 

V

 

E

 

R

 

S

 

I

 

D

 

A

 

D

 

E

   

D

 

E

   

B

 

R

 

A

 

S

 

Í

 

L

 

I

 

A

 

(U

N

B)

 

CENTRO

 

DE

 

SELEÇÃO

 

E

 

DE

 

PROMOÇÃO

 

DE

 

EVENTOS

 

(CESPE)

 

 

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 

Processo Seletivo  

Aplicação: 25 e 26/10/2003 

 

 

GABARITOS OFICIAIS DEFINITIVOS DAS PROVAS OBJETIVAS 

 

 

O Centro de Seleção e de Promoção de Eventos (CESPE) da Universidade de Brasília (UnB) divulga os 

gabaritos oficiais definitivos das provas objetivas aplicadas nos dias 25 e 26 de outubro de 2003. 

 

 

NÍVEL MÉDIO 

C

LASSIFICAÇÃO 

I

 

/

 

Á

REA

:

 

A

DMINISTRAT IVA

 

10 

11 

12 

13 

14 

15 

16 

17 

18 

19 

20 

21 

22 

23 

24 

25 

C  C  E  C  E  E  E  E  C  C  E  C  E  C  E  C  E  C  C  C  C  C  C  C  E 

26 

27 

28 

29 

30 

31 

32 

33 

34 

35 

36 

37 

38 

39 

40 

41 

42 

43 

44 

45 

46 

47 

48 

49 

50 

E  E  E  C  C  E  E  E  E  C  C  E  C  C  E  E  E  E  C  C  C  C  C  C  E 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

E  E  C  E  E  C  C  C  E  E  E  C  E  C  E  E  C  C  E  E  C  E  E  C  E 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

E  C  E  E  C  E  C  C  C  C  E  C  E  E  C  E  C  E  E  E  E  C  E  C  C 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

E  E  E  E  C  E  E  C  C  C  E  C  C  E  E  E  E  C  C  E  E  C  E  C  E 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

E  E  C  C  C  E  C  E  E  C  C  C  C  E  C  C  C  E  E  C  E  C  E  C  E 

 

C

LASSIFICAÇÃO 

II

 

/

 

Á

REA

:

 

I

NFORMÁTICA

 

10 

11 

12 

13 

14 

15 

16 

17 

18 

19 

20 

21 

22 

23 

24 

25 

C  C  E  C  E  E  E  E  C  C  E  C  E  C  E  C  E  C  C  C  C  C  C  C  E 

26 

27 

28 

29 

30 

31 

32 

33 

34 

35 

36 

37 

38 

39 

40 

41 

42 

43 

44 

45 

46 

47 

48 

49 

50 

E  E  E  C  C  E  E  E  E  C  C  E  C  C  E  E  E  E  C  C  C  C  C  C  E 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

E  E  C  E  E  C  C  C  E  E  E  C  E  C  E  E  C  C  E  E  C  E  E  C  E 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

C  C  E  C  E  C  C  C  C  E  E  C  E  E  C  E  E  E  C  C  C  C  C  E  E 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

E  E  E  E  C  C  E  C  E  C  E  E  E  E  C  C  C  C  C  C  E  E  E  C  E 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

C  C  E  C  E  C  E  C  C  E  E  C  C  E  C  E  C  E  C  E  C  E  E  E  C 

 
 

 

Observações:

 

+

  I

TEM 

A

NULADO

 

 

 

 

 

 

I

TEM COM 

G

ABARITO 

A

LTERADO

/A

TUALIZADO

 

cespe-2003-mec-tecnico-de-nivel-superior-planejamento-e-gestao-educacional-iii-gabarito.pdf-html.html

 

NÍVEL SUPERIOR 

CONHECIMENTOS BÁSICOS 

PARA AS CLASSIFICAÇÕES III, IV e V / TODAS AS ÁREAS 

10 

11 

12 

13 

14 

15 

16 

17 

18 

19 

20 

21 

22 

23 

24 

25 

C  E  E  C  E  E  E  E  C  C  E  C  E  C  E  C  C  C  E  E  E  C  E  E  C 

26 

27 

28 

29 

30 

31 

32 

33 

34 

35 

36 

37 

38 

39 

40 

41 

42 

43 

44 

45 

46 

47 

48 

49 

50 

E  C  C  C  E  C  C  E  E  C  C  E  E  C  E  E  C  E  C  E  C  E  C  C  E 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

C  E  C  C  E  E  C  C  C  E  E  E  C  E  E  C  C  C  C  E  C  E  E  E  E 

 
 
 

CONHECIMENTOS

 

ESPECÍFICOS 

C

LASSIFICAÇÃO 

III

 

/

  

Á

REA

:

 

A

DMINISTRATIVA 

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

E  C  C  E  C  E  E  C  C  C  C  E  E  E  C  E  E  C  E  C  C  E  E  C  C 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

C  C  C  C  C  E  E  E  E  E  C  C  E  E  E  C  E  C  C  C  C  C  E  E  C 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

C  E  C  E  C  C  E  C  C  E  E  E  E  E  E  E  C  C  C  E  C  E  C  E  C 

 

 

 

 

 

C

LASSIFICAÇÃO 

IV

 

/

  

Á

REA

:

 

A

DMINISTRATIVA

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

E  C  C  E  C  E  E  C  C  C  C  E  E  E  C  E  E  C  E  C  C  E  E  C  C 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

C  C  C  C  C  E  C  E  E  C  C  E  E  C  C  E  E  E  E  C  E  C  E  C  C 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

C  E  C  E  C  E  C  E  C  C  E  C  E  E  E  E  C  C  E  C  C  E  C  E  C 

 

 

 

 

 

C

LASSIFICAÇÃO 

V

 

/

  

Á

REA

:

 

A

DMINISTRATIVA

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

E  C  C  E  C  E  E  C  C  C  C  E  E  E  C  E  E  C  E  C  C  E  E  C  C 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

C  C  C  C  C  E  E  E  E  C  E  C  E  C  C  E  C  E  E  C  E  E  E  C  C 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

C  E  C  E  C  E  E  C  C  C  C  E  C  E  C  E  E  C  E  E  C  E  C  E  C 

 

 

Observações:

 

+

  I

TEM 

A

NULADO

 

 

 

 

 

 

I

TEM COM 

G

ABARITO 

A

LTERADO

/A

TUALIZADO

 

cespe-2003-mec-tecnico-de-nivel-superior-planejamento-e-gestao-educacional-iii-gabarito.pdf-html.html

 

C

LASSIFICAÇÃO 

III

 

/

  

Á

REA

:

 

C

OMUNICAÇÃO 

S

OCIAL

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

C  C  C  E  C  E  C  C  C  C  C  E  E  C  C  E  E  C  E  E  E  E  C  C  C 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

E  E  C  E  C  C  C  E  E  E  C  E  E  C  C  C  E  E  C  E  E  C  E  C  E 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

C  C  E  C  E  E  E  E  C  C  C  C  E  E  C  E  E  E  C  C  E  C  C  E  E 

 

 

 

 

 

C

LASSIFICAÇÃO 

IV

 

/

  

Á

REA

:

 

C

OMUNICAÇÃO 

S

OCIAL

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

C  E  E  C  C  C  C  E  E  E  E  C  C  C  C  C  C  E  E  E  C  E  E  E  C 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

E  E  C  C  C  C  E  E  E  E  E  C  E  E  C  E  C  C  C  E  C  E  C  E  C 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

C  C  C  E  C  E  E  E  E  C  E  C  C  E  E  C  E  E  C  C  E  C  C  E  E 

 

 

 

 

 

C

LASSIFICAÇÃO 

V

 

/

  

Á

REA

:

 

C

OMUNICAÇÃO 

S

OCIAL

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

C  C  E  E  E  E  C  C  C  C  C  C  C  E  C  E  E  E  E  E  C  C  C  C  E 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

C  E  E  E  E  E  C  E  E  C  C  C  E  E  E  C  E  E  C  E  C  C  C  E  C 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

E  C  C  C  E  C  E  E  E  C  E  C  C  E  E  C  E  E  C  C  E  C  C  E  E 

 

C

LASSIFICAÇÃO 

III

 

/

  

Á

REA

:

 

D

OCUMENTAÇÃO

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

C  E  E  C  C  C  C  C  E  E  C  E  E  E  C  C  C  C  E  E  E  E  C  C  C 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

C  E  C  E  E  C  E  C  C  C  +

 

E  C  E  C  C  E  E  E  E  E  E  E  E  C 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

C  E  C  E  E  C  E  C  C  C  E  E  C  C  C  E  C  E  E  E  C  E  E  C  E 

 

C

LASSIFICAÇÃO 

III

 

/

  

Á

REA

:

 

F

INANCEIRA

,

 

O

RÇAMENTÁRIA E 

L

ICITAÇÃO

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

C  C  E  E  C  E  C  C  E  C  E  E  E  E  C  E  E  E  E  E  C  E  E  E  E 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

C  C  C  E  C  C  E  C  C  C  C  E  C  C  C  C  E  C  E  E  E  E  C  C  E 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

C  C  E  E  C  E  C  C  E  C  E  C  E  E  E  C  E  C  C  C  C  E  C  C  E 

 

 

Observações:

 

+

  I

TEM 

A

NULADO

 

 

 

 

 

 

I

TEM COM 

G

ABARITO 

A

LTERADO

/A

TUALIZADO

 

cespe-2003-mec-tecnico-de-nivel-superior-planejamento-e-gestao-educacional-iii-gabarito.pdf-html.html

 

C

LASSIFICAÇÃO 

IV

 

/

  

Á

REA

:

 

F

INANCEIRA

,

 

O

RÇAMENTÁRIA E 

L

ICITAÇÃO

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

E  C  E  C  C  C  E  E  E  C  E  C  C  E  E  E  E  E  E  E  C  E  E  E  E 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

C  C  C  E  C  C  E  C  C  C  C  E  C  C  C  C  E  E  E  C  C  E  E  E  C 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

C  E  C  E  E  E  E  C  C  E  C  E  C  E  E  E  C  E  C  C  C  C  E  C  C 

 

 

 

 

 

C

LASSIFICAÇÃO 

V

 

/

  

Á

REA

:

 

F

INANCEIRA

,

 

O

RÇAMENTÁRIA E 

L

ICITAÇÃO

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

E  C  E  C  C  E  E  C  E  C  E  E  E  E  C  E  E  E  E  E  C  E  E  E  E 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

C  C  C  E  C  C  E  C  C  C  C  E  C  C  C  C  E  E  E  C  C  E  C  E  E 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

E  E  C  E  C  E  E  C  C  E  C  E  C  E  E  E  C  E  C  C  C  C  E  C  C 

 

C

LASSIFICAÇÃO 

III

 

/

  

Á

REA

:

 

I

NFORMÁTICA

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

C  E  C  C  E  E  E  C  E  C  E  E  C  E  E  C  E  C  C  E  C  C  E  E  E 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

C  E  C  C  E  E  C  E  E  C  C  C  C  E  C  E  E  E  E  E  C  E  C  E  E 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

C  C  C  E  E  C  E  C  E  C  C  C  E  E  C  E  E  E  E  C  C  C  C  E  C 

 

 

 

 

 

C

LASSIFICAÇÃO 

IV

 

/

  

Á

REA

:

 

I

NFORMÁTICA

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

E  C  C  E  E  C  E  C  C  E  E  C  E  E  C  E  C  C  E  C  C  E  E  E  C 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

E  C  C  E  E  C  E  E  C  E  E  C  C  C  E  C  E  E  E  E  E  C  E  C  E 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

E  C  C  C  C  C  E  E  C  E  C  E  C  C  C  E  C  C  E  C  E  E  C  E  C 

 

C

LASSIFICAÇÃO 

III

 

/

  

Á

REA

:

 

I

NFRAESTRUTURA

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

E  C  E  C  E  C  E  C  E  C  E  E  E  C  E  E  C  E  C  E  C  E  E  C  C 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

C  C  C  E  E  C  C  C  C  C  C  E  C  E  E  E  C  E  C  C  C  E  E  E  C 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

C  C  C  E  E  C  C  C  E  E  E  C  E  C  C  C  E  E  C  E  E  E  C  E  E 

 

 

Observações:

 

+

  I

TEM 

A

NULADO

 

 

 

 

 

 

I

TEM COM 

G

ABARITO 

A

LTERADO

/A

TUALIZADO

 

cespe-2003-mec-tecnico-de-nivel-superior-planejamento-e-gestao-educacional-iii-gabarito.pdf-html.html

 

C

LASSIFICAÇÃO 

IV

 

/

  

Á

REA

:

 

I

NFRAESTRUTURA

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

E  C  E  C  E  E  E  C  C  E  C  E  C  E  C  C  E  E  C  C  C  C  C  C  C 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

C  C  C  E  E  C  E  C  C  C  C  E  E  E  E  C  E  C  C  C  C  E  E  C  C 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

C  C  E  E  C  C  E  E  C  C  E  E  E  E  E  E  E  E  C  E  C  C  E  E  E 

 

C

LASSIFICAÇÃO 

III

 

/

  

Á

REA

:

 

J

URÍDICA

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

C  C  E  C  E  E  C  E  C  E  C  C  E  C  C  E  C  E  E  E  E  E  C  C  C 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

C  E  E  E  C  E  C  E  C  E  E  C  C  C  C  C  C  E  E  C  E  E  E  C  E 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

E  C  E  E  C  C  E  C  E  E  E  C  C  C  C  C  E  C  E  E  C  E  C  E  C 

 

 

 

 

 

C

LASSIFICAÇÃO 

IV

 

/

  

Á

REA

:

 

J

URÍDICA

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

C  C  C  C  E  E  C  E  E  E  C  C  E  E  E  E  C  E  E  E  C  E  C  E  C 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

C  E  E  C  C  C  E  E  C  E  E  C  C  C  C  C  C  E  C  C  E  E  E  C  C 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

E  C  E  E  E  C  E  E  C  E  E  E  C  C  C  C  C  C  E  E  C  E  C  E  C 

 

C

LASSIFICAÇÃO 

III

 

/

  

Á

REA

:

 

P

EDAGÓGICA

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

E  E  C  C  E  E  E  E  C  E  C  C  C  E  C  E  E  C  E  C  C  E  E  C  E 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

C  C  C  C  C  E  C  C  C  C  C  E  C  C  E  E  E  E  C  C  C  C  E  E  C 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

E  C  E  C  C  E  C  C  C  C  E  C  E  C  E  E  C  E  E  E  C  C  C  C  E 

 

C

LASSIFICAÇÃO 

IV

 

/

  

Á

REA

:

 

P

EDAGÓGICA

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

E  E  E  C  E  E  E  E  C  E  C  C  C  E  C  E  E  C  E  C  C  E  E  C  E 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

C  C  C  C  C  E  E  E  E  C  C  E  C  C  E  C  E  E  C  C  C  C  E  E  C 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

E  C  C  C  E  C  C  C  C  C  E  C  E  C  E  E  C  E  C  E  C  C  C  E  E 

 

 

Observações:

 

+

  I

TEM 

A

NULADO

 

 

 

 

 

 

I

TEM COM 

G

ABARITO 

A

LTERADO

/A

TUALIZADO

 

cespe-2003-mec-tecnico-de-nivel-superior-planejamento-e-gestao-educacional-iii-gabarito.pdf-html.html

 

C

LASSIFICAÇÃO 

V

 

/

  

Á

REA

:

 

P

EDAGÓGICA

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

E  E  C  C  E  E  E  E  C  E  E  C  C  E  C  E  E  C  E  C  C  E  E  C  E 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

C  C  C  C  C  E  C  E  E  C  C  E  C  C  E  E  E  E  C  C  C  C  E  E  C 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

E  C  C  C  C  C  C  C  E  C  E  C  E  C  E  E  C  E  C  E  C  C  C  E  E 

 

C

LASSIFICAÇÃO 

III

 

/

  

Á

REA

:

 

P

LANEJAMENTO E 

G

ESTÃO 

E

DUCACIONAL

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

E  E  E  C  E  C  C  E  C  E  C  E  E  E  E  C  C  E  E  C  C  E  E  C  C 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

C  C  E  E  E  E  E  C  C  E  E  C  C  E  E  C  E  C  C  C  E  E  C  C  E 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

E  E  C  C  C  C  C  C  E  C  E  E  E  E  E  C  E  C  C  C  C  E  C  C  C 

 

 

 

 

C

LASSIFICAÇÃO 

IV

 

/

  

Á

REA

:

 

P

LANEJAMENTO E 

G

ESTÃO 

E

DUCACIONAL

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

E  C  C  C  C  C  E  E  E  C  E  C  C  E  E  C  C  E  E  C  C  E  E  C  C 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

C  C  C  C  C  C  E  C  C  E  E  C  C  E  E  C  E  C  C  C  E  E  C  C  E 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

E  E  C  C  E  E  E  E  E  C  E  E  E  E  E  C  E  C  C  C  C  E  C  C  C 

 

 

 

C

LASSIFICAÇÃO 

IV

 

/

  

Á

REA

:

 

E

STATÍSTICA

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

C  E  E  C  C  E  E  E  C  C  E  E  C  E  E  C  C  E  C  C  C  C  E  C  C 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

C  C  C  E  E  C  C  C  E  E  E  E  E  E  C  E  E  E  C  C  C  C  C  C  C 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

C  E  E  E  E  C  C  C  E  E  E  C  C  C  E  E  E  E  E  C  E  C  C  E  E 

 

 

 

 

C

LASSIFICAÇÃO 

IV

 

/

  

Á

REA

:

 

S

OCIOLÓGICA

 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100 

E  E  C  E  E  E  E  C  E  C  E  C  C  C  E  C  C  C  C  E  E  C  E  C  C 

101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125 

C  E  C  C  C  E  E  C  C  C  C  E  C  E  C  C  C  E  C  C  C  E  C  E  C 

126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150 

E  E  E  E  E  E  E  E  C  E  E  E  C  E  C  E  C  C  E  C  C  C  E  C  E 

 

 

Observações:

 

+

  I

TEM 

A

NULADO

 

 

 

 

 

 

I

TEM COM 

G

ABARITO 

A

LTERADO

/A

TUALIZADO

 

 

 
 
 
 
 

cespe-2003-mec-tecnico-de-nivel-superior-planejamento-e-gestao-educacional-iii-gabarito.pdf-html.html

RAZÕES PARA ANULAÇÃO/ALTERAÇÃO DE GABARITO 

 

NÍVEL

 

MÉDIO

 

 

CLASSIFICAÇÕES

 

I

 

E

 

II

 

 

  ITEM

 

63

 

 

gabarito

 

alterado, pois o valor de a

1

 está entre -0,2 e  -0,1. 

 
NÍVEL

 

SUPERIOR

 

 

ÁREA:

 

ADMINISTRATIVA

 

 

CLASSIFICAÇÕES

 

III

 

E

 

IV

 

 

  ITEM

 

141

 

 

gabarito alterado tendo em vista a exceção expressa na alínea “e”, inciso II, art. 61 da 

Constituição da República, quanto à extinção dos órgãos públicos via decreto. 

 
NÍVEL

 

SUPERIOR

 

 

ÁREA:

 

DOCUMENTAÇÃO

 

 

CLASSIFICAÇÃO

 

III 

  ITEM

 

111

 

 

anulado tendo em vista que a palavra “terra” foi erroneamente digitada em lugar “tema”. 

 
NÍVEL

 

SUPERIOR

 

 

ÁREA:

 

FINANCEIRA,

 

ORÇAMENTÁRIA

 

E

 

LICITAÇÃO

 

 

CLASSIFICAÇÃO

 

IV 

  ITEM

 

122

 

 

gabarito alterado considerando que a atitude do administrador público de que trata o item não 

violou o dispositivo contido no parágrafo único do art. 8.º da Lei de Responsabilidade Fiscal. 

 
NÍVEL

 

SUPERIOR

 

 

ÁREA:

 

FINANCEIRA,

 

ORÇAMENTÁRIA

 

E

 

LICITAÇÃO

 

 

CLASSIFICAÇÃO

 

  ITEM

 

117

 

 

gabarito alterado considerando que a atitude do administrador público de que trata o texto não 

violou o dispositivo contido no parágrafo único do art. 8.º da Lei de Responsabilidade Fiscal. 

 
NÍVEL

 

SUPERIOR

 

 

ÁREA:

 

INFORMÁTICA

 

 

CLASSIFICAÇÃO

 

III 

  ITEM

 

109

 

 

gabarito alterado considerando que na terminologia de banco de dados, além da integridade de 

domínio, existe a integridade de vazio que podem ser ambas afetadas pela alteração em atributos que não 
sejam chaves primárias ou estrangeiras. 

 
NÍVEL

 

SUPERIOR

 

 

ÁREA:

 

INFORMÁTICA

 

 

CLASSIFICAÇÃO

 

IV 

  ITEM

 

108

 

 

gabarito alterado considerando que na terminologia de banco de dados, além da integridade de 

domínio, existe a integridade de vazio que podem ser ambas afetadas pela alteração em atributos que não 
sejam chaves primárias ou estrangeiras. 

 
NÍVEL

 

SUPERIOR

 

 

ÁREA:

 

INFRAESTRUTURA

 

 

CLASSIFICAÇÃO

 

III 

  ITEM

 

76

 

 

gabarito alterado considerando que não há, necessariamente, a exigência referida no enunciado 

do item. 

  ITEM

 

98

 

 

gabarito alterado devido a unidade de medida do diâmetro mínimo da areia. 

  ITEM

 

100

 

 

gabarito alterado por erro na divulgação do gabarito oficial preliminar. 

  ITEM

 

122

 

 

gabarito alterado porque as coordenadas dos comandos e do desenho não são as mesmas. 

  ITEM

 

123

 

 

gabarito alterado considerando que os comandos não estão na seqüência do desenho 

apresentado. 

  ITEM

 

137

 

 

gabarito alterado considerando que o item está realmente certo, de acordo com a legislação 

vigente. 

 
NÍVEL

 

SUPERIOR

 

 

ÁREA:

 

INFRAESTRUTURA

 

 

CLASSIFICAÇÃO

 

IV 

  ITEM

 

76

 

 

gabarito alterado considerando que não há, necessariamente, a exigência referida no enunciado 

do item. 

  ITEM

 

78

 

 

gabarito alterado por erro na divulgação do gabarito oficial preliminar. 

  ITEM

 

93

 

 

gabarito alterado devido a unidade de medida do diâmetro mínimo da areia. 

  ITEM

 

94

 

 

gabarito alterado por erro na divulgação do gabarito oficial preliminar. 

  ITEM

 

113

 

 

gabarito alterado porque as coordenadas dos comandos e do desenho não são as mesmas. 

  ITEM

 

114

 

 

gabarito alterado considerando que os comandos não estão na seqüência do desenho 

apresentado. 

 
NÍVEL

 

SUPERIOR

 

 

ÁREA:

 

PEDAGÓGICA

 

 

CLASSIFICAÇÃO

 

III 

  ITEM

 

84

 

 

gabarito alterado tendo em vista que o PNE trata da ampliação da duração do ensino 

fundamental obrigatório para nove anos. 

cespe-2003-mec-tecnico-de-nivel-superior-planejamento-e-gestao-educacional-iii-gabarito.pdf-html.html

  ITEM

 

90

 

 

gabarito alterado tendo em vista que a aplicação da legislação educacional no que diz respeito 

ao processo ensino-aprendizagem, pode ser um dos problemas da educação básica. 

 
NÍVEL

 

SUPERIOR

 

 

ÁREA:

 

PEDAGÓGICA

 

 

CLASSIFICAÇÃO

 

IV 

  ITEM

 

84

 

 

gabarito alterado tendo em vista que o PNE trata da ampliação da duração do ensino 

fundamental obrigatório para nove anos. 

  ITEM

 

90

 

 

gabarito alterado tendo em vista que a aplicação da legislação educacional no que diz respeito 

ao processo ensino-aprendizagem, pode ser um dos problemas da educação básica. 

  ITEM

 

91

 

 

gabarito alterado, pois cabe à Câmara de Educação Superior a atribuição de deliberar sobre os 

relatórios. 

  ITEM

 

118

 

 

gabarito alterado considerando a nova redação do inciso II, do art. 208 da Constituição da 

República estabelecida pela Emenda Constitucional n.º 14/1996.  

 
NÍVEL

 

SUPERIOR

 

 

ÁREA:

 

PEDAGÓGICA

 

 

CLASSIFICAÇÃO

 

  ITEM

 

84

 

 

gabarito alterado tendo em vista que o PNE trata da ampliação da duração do ensino 

fundamental obrigatório para nove anos. 

  ITEM

 

90

 

 

gabarito alterado por erro na divulgação do gabarito oficial preliminar.  

  ITEM

 

118

 

 

gabarito alterado considerando a nova redação do inciso II, do art. 208 da Constituição da 

República estabelecida pela Emenda Constitucional n.º 14/1996.  

 
NÍVEL

 

SUPERIOR

 

 

ÁREA:

 

PLANEJAMENTO

 

E

 

GESTÃO

 

EDUCACIONAL

 

 

CLASSIFICAÇÃO

 

III 

  ITEM

 

89

 

 

gabarito alterado tendo em vista que as matrículas na pré-escola não são consideradas para 

efeito do cálculo da distribuição dos recursos do FUNDEF. 

 
NÍVEL

 

SUPERIOR

 

 

ÁREA:

 

SOCIOLÓGICA

 

 

CLASSIFICAÇÃO

 

IV 

  ITEM

 

98

 

 

gabarito alterado tendo em vista que o item contradiz o que está explícito no texto. 

  ITEM

 

111

 

 

gabarito alterado uma vez que o item reitera as idéias apresentadas no texto. 

  ITEM

 

136

 

 

gabarito alterado uma vez que o texto não afirma que no contato interétnico, a sociedade tribal 

mantém relações de cooperação com a sociedade nacional. 

 

Prova

cespe-2003-mec-tecnico-de-nivel-superior-planejamento-e-gestao-educacional-iii-prova.pdf-html.html

UnB / CESPE – MEC

Processo Seletivo – Aplicação: 25/10/2003

Classificação III / Área: Planejamento e Gestão Educacional – 1 / 5

É permitida a reprodução apenas para fins didáticos e desde que citada a fonte.

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Introduzidas no ordenamento jurídico pela Constituição Federal

de 1988 e reforçadas em suas atribuições pela Lei de

Responsabilidade Fiscal, as Leis de Diretrizes Orçamentárias

(LDO) vêm desempenhando relevante papel na normatização da

atividade financeira do Estado, por vezes até preenchendo lacunas

na legislação permanente acerca da matéria. Com base no conteúdo

da LDO prescrito pela norma constitucional e nas ações do

governo federal nos últimos anos relativas a orçamento, julgue os

itens que se seguem.

De regra, a lei de diretrizes orçamentárias tem  trazido,

explicitamente, a forma de se calcular o valor mínimo da

reserva de contingência a ser estabelecida na lei orçamentária

anual para o exercício ao qual se refere. Tal disposição, em

que pese ainda não ter tido a inconstitucionalidade argüida,

fere o texto constitucional.

Pela definição constitucional de seu conteúdo, é correto inferir

que a LDO entra em vigor na mesma data em que a lei

orçamentária anual a que se refere iniciar sua vigência.

A LDO compreende, de forma regionalizada, as metas e

prioridades da administração pública federal, incluindo as

despesas de capital para o exercício financeiro subseqüente.

A LDO estabelece a política de aplicação das agências

financeiras oficiais de fomento.

Após a Emenda Constitucional n.

o

 32, ficou definido que o

projeto de lei relativo às diretrizes orçamentárias será

apreciado separadamente pelas duas Casas do Congresso

Nacional, na forma de seus respectivos regimentos internos.

A Lei de Responsabilidade Fiscal, no que se refere ao controle e

avaliação da execução orçamentária, alterou substancialmente a

atuação dos tribunais de contas, atribuindo-lhes

a competência de verificar os cálculos dos limites da despesa

total com pessoal de cada poder e órgão.

o dever de não entrarem em recesso enquanto existirem contas

de poder ou órgão pendentes de parecer prévio.

o dever de emitir parecer prévio conclusivo acerca das contas

prestadas pelo chefe do Poder Executivo no prazo de sessenta

dias do recebimento. 

a competência de dar parecer prévio, separadamente, às  contas

prestadas pelos chefes do Poder Executivo, dos presidentes

dos órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário e do chefe do

Ministério Público.

o dever de alertarem os poderes ou órgãos  quando

constatarem que o montante da despesa total com pessoal

ultrapassou o limite prudencial.

A educação, por ser considerada bem semipúblico ou meritório,

possui regras particulares de financiamento no país. Com

relação a esse tema, julgue os itens subseqüentes.

Os recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento

do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério

(FUNDEF) devem ser obrigatoriamente aplicados na

manutenção e desenvolvimento do ensino fundamental

público e na valorização do magistério, sendo vedada sua

utilização como garantia de operações de crédito internas

e externas, admitida somente sua utilização como

contrapartida em operações de financiamento de projetos

e programas de ensino fundamental.

O FUNDEF é composto por 15% das receitas provenientes

de cada uma das seguintes fontes: CPMF, ICMS, FPE,

FPM e IPI exportação. A União complementa essas

receitas para alcançar determinado valor mínimo a ser

definido anualmente.

A instituição do FUNDEF desobriga os estados e os

municípios da aplicação constitucional de 25% da receita

resultante de impostos, compreendida a proveniente de

transferências, na manutenção do ensino. 

A distribuição dos recursos do FUNDEF no âmbito de  cada

estado e do Distrito Federal (DF) deve dar-se entre o

governo estadual e os governos municipais, na proporção

do número de alunos matriculados anualmente nas escolas

cadastradas das respectivas redes de ensino,

considerando-se, para esse fim, as matrículas na pré-escola

e da 1.

a

 à 8.

a

 séries do ensino fundamental.

A parcela da arrecadação de impostos transferida pela

União aos estados, DF e aos municípios ou pelos estados

aos respectivos municípios é considerada, para efeito do

cálculo do percentual a ser gasto com manutenção e

desenvolvimento do ensino, receita do governo que a

transferir.

cespe-2003-mec-tecnico-de-nivel-superior-planejamento-e-gestao-educacional-iii-prova.pdf-html.html

UnB / CESPE – MEC

Processo Seletivo – Aplicação: 25/10/2003

Classificação III / Área: Planejamento e Gestão Educacional – 2 / 5

É permitida a reprodução apenas para fins didáticos e desde que citada a fonte.

A Instrução Normativa STN n.

o

 01/1997, com as alterações

posteriores à sua publicação, é a norma que disciplina a celebração
de convênios de natureza financeira que tenham por objeto a
execução de projetos ou a realização de eventos. Com base no
estatuído por essa norma, julgue os itens seguintes.

A descentralização da execução mediante convênio ou
portaria somente se efetivará para entes que disponham de
condições para consecução do seu objeto e tenham atribuições
regimentais ou estatutárias relacionadas com o mesmo.

Deve integrar o plano de trabalho a especificação completa do
bem a ser produzido ou adquirido e, no caso de obras,
instalações ou serviços, o projeto básico, entendido como tal
o conjunto de elementos necessários e suficientes para
caracterizar, de modo preciso, a obra, instalação ou serviço
objeto do convênio, sua viabilidade técnica, custo, fases ou
etapas e prazos de execução, devendo conter os elementos
discriminados na legislação que versa sobre licitações e
contratos administrativos.

A contrapartida dos estados, do DF, dos municípios e das
entidades de direito privado pode ser atendida somente por
meio de recursos financeiros e deve ser estabelecida de modo
compatível com a capacidade financeira da respectiva unidade
beneficiada, tendo por limites os  percentuais estabelecidos na
LDO.

Para valores até R$ 100.000,00, o convênio com a União ou
com entidade da administração pública federal pode ser
verbal.

A liberação de recursos financeiros por força de convênio, nos
casos em que o convenente não integre os orçamentos fiscal e
da seguridade social, constitui despesa do concedente, e o
recebimento, receita do convenente.

A transferência de recursos financeiros destinados 

ao

cumprimento do objeto do convênio deve obedecer ao plano
de trabalho previamente aprovado, tendo por base o
cronograma de desembolso, cuja elaboração terá como
parâmetro para a definição das parcelas o detalhamento da
execução física do objeto e a programação financeira do
governo federal.

Quando da conclusão, denúncia, rescisão ou extinção do
convênio, os saldos financeiros remanescentes, salvo os
provenientes das receitas obtidas em aplicações financeiras
realizadas, serão devolvidos ao órgão ou entidade concedente,
no prazo improrrogável de 180 dias do evento, sob pena da
imediata instauração de inquérito policial contra o
responsável, providenciada pela autoridade competente do
órgão ou entidade concedente.

Os bens materiais e equipamentos adquiridos com recursos de
convênios com estados, DF ou municípios serão devolvidos ao
órgão ou entidade concedente, no prazo improrrogável de 180
dias do evento, sob pena da imediata instauração de inquérito
policial contra o responsável, providenciada pela autoridade
competente do órgão ou entidade concedente.

Aprovada a prestação de contas final, o ordenador de
despesa da unidade concedente deve efetuar o devido
registro da aprovação da prestação de contas no cadastro
de convênios do SIAFI fazer constar, do processo,
declaração expressa de que os recursos transferidos tiveram
boa e regular aplicação.

Quando a prestação de contas não for encaminhada no
prazo convencionado, o concedente assinará o prazo
máximo de trinta dias para sua apresentação, ou
recolhimento dos recursos, incluídos os rendimentos da
aplicação no mercado financeiro, acrescidos de juros e
correção monetária, na forma da lei, devendo comunicar o
fato ao órgão de controle interno de sua jurisdição ou
equivalente.

Constatada irregularidade ou inadimplência  

na

apresentação da prestação de contas parcial, o ordenador
de despesas suspenderá imediatamente a liberação de
recursos e notificará o convenente, assegurando-lhe o prazo
máximo de trinta dias para sanar a irregularidade ou
cumprir a obrigação.

Acerca do projeto de lei que dispõe sobre o Plano Plurianual
para o período de 2004-2007, julgue os seguintes itens.

As codificações de programas e ações do plano serão
observadas nas leis de diretrizes orçamentárias, nas leis
orçamentárias anuais e nos projetos que os modifiquem.

O Poder Executivo deve enviar ao Congresso Nacional, até
o dia 15 de junho de cada exercício, relatório de avaliação
do Plano Plurianual, que deve conter, entre outras
informações, no mínimo, o demonstrativo, por programa e
para cada indicador, do índice alcançado ao término do
exercício anterior, comparado com o índice final previsto
e a avaliação, por programa, da possibilidade de alcance do
índice final previsto para cada indicador e de cumprimento
das metas físicas e da previsão de custos para cada ação,
relacionando, se for o caso, as medidas corretivas
necessárias.

A exclusão ou alteração de programas constantes da Lei do
Plano Plurianual para o período de 2004/2007 ou a
inclusão de novo programa serão propostas pelo Poder
Executivo exclusivamente nos projetos de LDO.

A inclusão, exclusão ou alteração de ações orçamentárias
e de suas metas, quando envolverem recursos dos
orçamentos da União, poderão ocorrer por intermédio da
lei orçamentária anual ou de seus créditos adicionais,
alterando-se, na mesma proporção, o valor do respectivo
programa.

Ao Poder Executivo é vedado efetuar a alteração de
indicadores de programas e incluir, excluir ou alterar outras
ações e respectivas metas, exclusivamente nos casos em
que tais modificações envolvam recursos dos orçamentos
da União.

cespe-2003-mec-tecnico-de-nivel-superior-planejamento-e-gestao-educacional-iii-prova.pdf-html.html

UnB / CESPE – MEC

Processo Seletivo – Aplicação: 25/10/2003

Classificação III / Área: Planejamento e Gestão Educacional – 3 / 5

É permitida a reprodução apenas para fins didáticos e desde que citada a fonte.

Acerca das transformações ocorridas na estruturação da máquina
administrativa no Brasil desde 1930, julgue os itens a seguir.

Com base no suposto gigantismo do Poder Executivo federal,
o governo Castelo Branco iniciou uma grande transformação
das estruturas administrativas, extinguindo e modificando o
status de diversos órgãos públicos. A proposta do governo
Castelo Branco emergiu em um cenário de forte crítica ao
modelo de Estado intervencionista e empresarial, tomando o
modelo de administração até então vigente como um obstáculo
à modernização do Estado e da economia.

A década de trinta caracterizou-se por uma significativa
centralização no nível político e econômico, expressão de uma
forma de Estado autoritário que conduziu o início do processo
de modernização e industrialização do país. Nesse período,
assistiu-se à superação do Estado voltado para a regulação da
vida social e econômica por um Estado intervencionista, mais
ativo na promoção do desenvolvimento econômico do país.
Consolidou-se, assim, o Estado administrativo.

O foco das ações de reforma do período Collor concentrou-se
no projeto de privatização das empresas estatais. Do ponto de
vista da administração direta, embora se ressalte o papel de
destaque dado ao processo de descentralização da gestão dos
serviços públicos, notadamente no setor de saúde — o que
possibilitou a continuidade de ações fundadas no princípio
instituído já na Constituição de 1988 —, não havia uma
orientação orgânica de reforma, a não ser a extinção de órgãos
e o corte de pessoal. Em relação a inovação de procedimentos
gerenciais, pode-se destacar a experiência pioneira do contrato
de gestão implantado no Hospital de Reabilitação Sarah
Kubitscheck, em Brasília.

Durante o governo de Getúlio Vargas, algumas ações de
reforma destacam-se, tais como: elaboração de anteprojeto de
reforma geral da administração pública federal, no qual se
mencionava pela primeira vez o projeto de descentralização;
criação da Comissão de Simplificação Burocrática (COSB),
objetivando reformas globais; criação de meios para a
descentralização dos serviços, bem como fixação de
responsabilidades e prestação de contas à autoridade; criação
da Comissão de Estudos e Projetos Administrativos (CEPA),
visando mudanças nos processos administrativos e reformas
ministeriais; criação do Conselho do Desenvolvimento como
órgão centralizador da política econômica e do Conselho
de Política Aduaneira e da SUDENE; criação da EBAP,
vinculada à FGV, para a implantação do ensino sistematizado
de administração pública no país.

Durante o governo de Juscelino Kubitscheck, o planejamento
tornou-se um princípio dominante e, em decorrência, a
Secretaria de Planejamento (SEPLAN) adquiriu o 

status de

agência central, passando a controlar o sistema de
planejamento e o sistema de contabilidade e auditoria interna.

O DASP constituiu-se no órgão central de políticas pautadas
pelos princípios da administração científica e do modelo
weberiano de burocracia. Com base em uma orientação de
incisiva separação entre atividades-fim e atividades-meio,
difundiu-se o princípio da departamentalização, o formalismo
técnico e o caráter prescritivo da ação governamental.

Os eixos gerais dos projetos de reforma administrativa
atualmente em curso em nível internacional incluem

a concentração do governo central na realização de um
processo eficiente de formulação, avaliação e
retroalinhamento das políticas públicas, diretriz que
demanda o aperfeiçoamento das funções de coordenação
e o desenvolvimento de sistemas de informação
intergovernamental.

a concentração da ação do Estado, acompanhada da
institucionalização de mecanismos de controle da
sociedade baseado na tecnologia da informação.

o desenho de um Estado em pirâmide, buscando-se
otimizar os recursos escassos mediante o seu
gerenciamento via rígidas estruturas hierárquicas.

o desenvolvimento de capacidades para a administração
intergovernamental, mediante o gerenciamento em redes
pelo governo central e a conexão entre estados e
municípios em uma perspectiva mais orgânica.

os modelos organizacionais do tipo linha e assessoria.

um novo estilo gerencial público que demanda a formação
de profissionais com aptidões para o relacionamento e a
negociação com os diversos atores e instituições e com
capacidade para identificar problemas estratégicos e
delegar competências.

o desenvolvimento dos recursos humanos pela via da
capacitação profissional permanente, do estímulo ao
trabalho em equipe, da avaliação pelo rendimento e do
estabelecimento de padrões competitivos de remuneração.

a focalização no cidadão, dando-se poder real aos clientes
ou beneficiários dos serviços públicos.

Uma organização ou burocracia é um sistema social racional, ou
um sistema social em que a divisão do trabalho é racionalmente
realizada tendo em vista os fins a que se visa. O gênero próximo
é o da organização como um tipo de sistema social, de conjunto
de indivíduos que mantêm entre si relações sociais. Julgue
os itens que se seguem, relativos às características das
organizações burocráticas.

A autoridade, em uma burocracia, deriva de normas
tradicionais.

As normas são escritas, porém pouco detalhadas, para dar
margem de decisão aos gerentes.

Cada superior tem sob suas ordens determinado número de
subordinados, os quais, por sua vez, têm sob si outros
subordinados, e assim por diante.

A burocracia apresenta uma divisão horizontal do  trabalho,
em que as diferentes atividades são distribuídas de acordo
com os objetivos a serem atingidos.

As organizações devem ser dirigidas por  administradores
politicamente indicados.

O administrador burocrático normalmente possui os meios
de administração e produção.

O mandato do administrador não tem tempo definido de
duração.

O administrador burocrático segue uma carreira, tendo
direito, no final, à aposentadoria.

cespe-2003-mec-tecnico-de-nivel-superior-planejamento-e-gestao-educacional-iii-prova.pdf-html.html

UnB / CESPE – MEC

Processo Seletivo – Aplicação: 25/10/2003

Classificação III / Área: Planejamento e Gestão Educacional – 4 / 5

É permitida a reprodução apenas para fins didáticos e desde que citada a fonte.

A gestão da qualidade é um método gerencial que se fundamenta em
uma visão sistêmica das organizações. Ela parte do princípio de que
todo processo produtivo pode ser concebido como um sistema e que
a qualidade perpassa todos os componentes do sistema e do
ambiente em que o processo produtivo está inserido. A respeito
desse tema, julgue os itens a seguir.

Na visão da qualidade total, gerenciam-se sistemas. A gerência
não deve ser de pessoas ou processos apenas. Deve estar
centrada em resultados.

O papel primordial da gerência é, de um lado, evitar problemas
e, de outro, dispor de meios para aferir que resultados do
sistema são considerados indesejáveis pelos usuários ou
clientes, ou seja, quais são os problemas e as causas objetivas
geradoras dos resultados indesejáveis.

Os clientes externos são a razão de ser da organização.
No interior do sistema, se estabelecem relações entre setores e
pessoas com as mesmas características. Os clientes externos
caracterizam-se por serem afetados pelo produto ou processo,
mas não serem membros da empresa. Compõem esse conjunto
os compradores, os órgãos governamentais e o público em
geral, os quais podem vir a ser afetados em conseqüência de
aspectos de segurança dos produtos ou dos processos
produtivos.

Gerenciamento da rotina significa permanecer no rumo atual,
obedecer às normas e evitar mudanças, ou seja, ter o controle
da organização dentro dos níveis planejados e esperados, dentro
das previsibilidades. À medida que a organização detém esse
controle, em plena segurança, ela pode e deve passar a praticar
o segundo nível do gerenciamento da qualidade, que é o
gerenciamento das melhorias.

A padronização consiste no estabelecimento e registro de todos
os fluxos e procedimentos operacionais necessários à execução
das atividades para a elaboração de um bem ou para a prestação
de um serviço. Nesse sentido, devem ser desenvolvidos os
materiais básicos para o processo de educação e treinamento.

O plano de ação pública geralmente desenvolve-se nas complexas
redes de organizações públicas, quase-públicas e privadas. É aceito
hoje em dia que essas redes determinam limites à capacidade de
administração do governo. Acerca desse tema, julgue os itens
subseqüentes.

Na ciência política, há interesse crescente na idéia de redes de
comunicação como conceito para descrever e analisar a
estrutura na qual a política pública se desenvolve e é executada.
A conclusão lógica desse conceito é que, quando um
participante do governo tenta administrar os processos da
política, ele não necessariamente tem de levar em conta as
características dessa rede.

Um projeto é uma série contínua e consecutiva de ações entre
os diferentes participantes, conduzidas e guiadas de acordo com
regras formais e informais que se originam nos assuntos ou
decisões pelos quais os participantes têm interesse. O bom
resultado do projeto depende do plano de ação. O efeito
acumulativo de todos os projetos separados resulta no
desenvolvimento de certos padrões. A rede forma, então, uma
estrutura mais permanente para os projetos seguintes.

As redes de comunicação são caracterizadas pelos  seus

participantes e pelas relações entre eles. Uma condição

importante para essas relações nascerem e não deixarem

de existir é a independência. Assim, os participantes

independem um do outro, pois são capazes de concluir

projetos de maneira satisfatória sem a cooperação de

outros participantes. 

Uma rede é caracterizada também pelas  

regras

predominantes. As regras, procedimentos generalizados

usados nos projetos, são sempre claras e limitadas, o que

significa que fica imediatamente claro para os

participantes quais regras são aplicáveis e como as regras

deveriam ser interpretadas. Além do mais, essas regras

são estáveis. 

No que se refere ao empreendedorismo no setor público,

julgue os itens que se seguem.

Governo catalisador é aquele que rema em vez de pilotar,

o que, em outras palavras, significa um governo que é

forte porque não deixa a execução para outrem.

A participação da população no governo se dá mediante

a transferência do poder decisório da burocracia para as

comunidades. Nesse caso, os governos transferem o

controle dos serviços públicos às comunidades, para

depois transferir também a responsabilidade final de

garantir que os serviços sejam prestados. Trata-se de

remover os obstáculos existentes ao controle social,

encorajar as comunidades organizadas a dirigirem os

serviços que lhes são prestados, oferecer estímulos

necessários e transferir os recursos requeridos para

enfrentar os problemas no nível de cada comunidade.

O governo orientado por missões surge em associação às

organizações públicas rigidamente dirigidas por normas

e regulamentos. As organizações orientadas por missões

são menos racionais, eficazes, criativas, embora possuam

maior flexibilidade operativa e moral mais elevado.

No governo de resultados, privilegiam-se os resultados a

atingir e não simplesmente os recursos. Isso significa

dispor de um efetivo sistema de avaliação das ações do

governo que considere não apenas a concretização física

e financeira dos projetos, mas também o seu sucesso no

cumprimento dos objetivos socialmente colimados.

A ênfase do governo no cliente, também denominada de

clientelismo, consiste em aproximar os órgãos

governamentais dos usuários de serviços públicos, de

modo a identificar os seus anseios e incorporar as críticas,

a fim de moldar a prestação de serviços conforme as suas

reais necessidades. Isso é obtido por meio de nomeações

de pessoas de confiança dos clientes para os postos de

gerência e supervisão das organizações públicas.

cespe-2003-mec-tecnico-de-nivel-superior-planejamento-e-gestao-educacional-iii-prova.pdf-html.html

UnB / CESPE – MEC

Processo Seletivo – Aplicação: 25/10/2003

Classificação III / Área: Planejamento e Gestão Educacional – 5 / 5

É permitida a reprodução apenas para fins didáticos e desde que citada a fonte.

A presente administração do governo federal brasileiro estabeleceu,

entre seus objetivos, a construção de um Estado ágil, transparente,

eficiente e eficaz, voltado para as necessidades e expectativas do

cidadão. Julgue os itens seguintes, acerca do que se pretende

desenvolver para atingir esse objetivo.

Pretende-se aprimorar e racionalizar as 

estruturas

organizacionais da administração pública federal, definir

políticas e diretrizes para recursos humanos e fomentar, no

governo federal e também nos estados e municípios, por meio

de diversas linhas de atuação, ações de desburocratização e de

melhoria da qualidade dos serviços prestados à população.

O projeto Comunidade Brasil, voltado para a inclusão digital de

comunidades com alto índice de exclusão social, contemplará

a participação ativa de órgãos dos governos federal, estadual,

municipal, iniciativa privada e terceiro setor. O foco será a

implantação de telecentros que promovam a alfabetização

digital e o acesso à Internet. A sua gestão deverá ficar sob a

responsabilidade de organizações do terceiro setor integradas

por representantes das comunidades atendidas.

Na área de compras, serão priorizadas a consolidação e a

expansão do ComprasNet, que compreende um conjunto de

sistemas, serviços e informações de interesse da administração

pública, dos fornecedores e da sociedade em geral utilizado na

gestão das compras e contratações governamentais, permitindo

aos órgãos fiscalizadores e à sociedade maior controle e

acompanhamento dos gastos públicos.

Na relação com o cidadão usuário, o governo deverá reforçar

a ação do Programa Nacional de Desburocratização, para

garantir o respeito e a credibilidade das pessoas e protegê-las

dos excessos burocráticos, mediante a simplificação de

procedimentos e a redução da interferência na vida do cidadão.

A recomposição da força de trabalho terá início com a

adoção de medidas voltadas para a terceirização em áreas

erroneamente consideradas como de atividades típicas, de

modo a garantir a eficiência do gasto público, impedir a

ocorrência de desvios e promover a valorização do

contribuinte.

Serão realizadas ações de ordenamento urbano e

regularização fundiária, mediante cessão de áreas urbanas

e rurais para assentamentos de comunidades,

compreendendo a destinação de imóveis a programas de

reforma agrária, implementação de projetos de assistência

social, programas sociais de habitação para populações de

baixa renda e outros.

O aumento da arrecadação de receitas patrimoniais para

o exercício de 2003 contribuirá para a geração de novos

recursos que poderão ser destinados à ampliação da ação

do Estado na área social. Deverá também incrementar a

meta estabelecida a alienação de bens públicos

incorporados ao patrimônio da União, os oriundos da

extinção do Departamento Nacional de Estradas de

Rodagem (DNER) ou os não-necessários ao uso do

serviço público.

Visando emprestar total transparência aos gastos  públicos

e à execução de seus programas e projetos, o governo

promoverá o acesso da sociedade, por meio da Internet, às

informações do Sistema Integrado de Administração

Financeira (SIAFI). Complementarmente, deverá ser

elaborada, publicada e distribuída a Cartilha do Combate

à Corrupção, para orientar a população acerca dos

mecanismos institucionais postos à sua disposição para

fiscalização dos atos do poder público.