Prova Concurso - Engenharia - 2004-POLICIA-FEDERAL-PERITO-CRIMINAL-ENGENHARIA-CIVIL - CESPE - POLICIA - 2004

Prova - Engenharia - 2004-POLICIA-FEDERAL-PERITO-CRIMINAL-ENGENHARIA-CIVIL - CESPE - POLICIA - 2004

Detalhes

Profissão: Engenharia
Cargo: 2004-POLICIA-FEDERAL-PERITO-CRIMINAL-ENGENHARIA-CIVIL
Órgão: POLICIA
Banca: CESPE
Ano: 2004
Nível: Superior

Downloads dos Arquivos

prova.pdf
gabarito.pdf

Provas relacionadas

ENGENHEIRO-NUCLEARAMAZUL2018
ENGENHEIRO-AREA-MECANICAUFPA2018
ENGENHEIRO-ENGENHARIA-MECANICAUFPA2018

Gabarito

cespe-2004-policia-federal-perito-criminal-engenharia-civil-gabarito.pdf-html.html

 

U N I V E R S I D A D E   D E   B R A S Í L I A (UnB)

 

CENTRO DE SELEÇÃO E DE PROMOÇÃO DE EVENTOS (CESPE)

 

 

DEPARTAMENTO

 

DE

 

POLÍCIA

 

FEDERAL 

Concurso Público 

Aplicação: 9 e 10/10/2004 

 
 

 

    O Centro de Seleção e de Promoção de Eventos (CESPE) da Universidade de Brasília (UnB) divulga os 
gabaritos oficiais definitivos das provas objetivas aplicadas nos dias 9 e 10 de outubro de 2004.  

 

GABARITOS OFICIAIS DEFINITIVOS DAS PROVAS OBJETIVAS

 

 

 
 

 

 

C

ARGO 

1:

 

DELEGADO

 

DE

 

POLÍCIA

 

FEDERAL

 

 CADERNO

 

DE

 

PROVAS

 

AZUL

 

1

 

 

10 

11 

12 

13 

14 

15 

16 

17 

18 

19 

20 

21 

22 

23 

24 

25 

26 

27 

28 

29 

30 

C  E  E  C  C  C  C  E  C  E  E  E  C  E  E  E  E  C  E  E  E  C  E  C  C  E  E  C  E  E 

31 

32 

33 

34 

35 

36 

37 

38 

39 

40 

41 

42 

43 

44 

45 

46 

47 

48 

49 

50 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

C  E  C  E  C  E  E  C  E  C  E  C  E  C  C  C  C  C  C  E  E  E 

+

  C  E  E  E  C  E  C 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

E  C  E 

+

  C  E  E  C  E  C  E  C  C  E  C  E  E  C  E  C  E  E  E  E  E  C  E  C  E  E 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99 

100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119 

120 

C  C  C  E  E  C  C  E  E  C  C  E  E  E  E  E  C  C  E  C  C  E  E  E  C  C 

+

 

+

  E  E 

C

ARGO 

1:

 

DELEGADO

 

DE

 

POLÍCIA

 

FEDERAL

 

 CADERNO

 

DE

 

PROVAS

 

BRANCO

 

1

 

 

10 

11 

12 

13 

14 

15 

16 

17 

18 

19 

20 

21 

22 

23 

24 

25 

26 

27 

28 

29 

30 

C  E  E  C  C  C  C  C  E  E  E  E  E  C  E  E  E  C  E  E  C  E  E  C  C  E  E  E  C  E 

31 

32 

33 

34 

35 

36 

37 

38 

39 

40 

41 

42 

43 

44 

45 

46 

47 

48 

49 

50 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

C  E  E  C  C  E  E  C  C  E  E  E  C  C  C  C  C  C  E  C  E  E 

+

  C  E  E  E  C  C  E 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

C  E 

+

  E  C  E  E  C  E  E  C  C  C  C  E  E  E  C  E  C  E  E  E  E  E  C  E  E  C  E 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99 

100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119 

120 

C  C  E  C  E  C  C  E  E  C  C  E  E  E  E  E  C  C  C  E  C  E  E  E 

+

  E  E  C  C 

+

 

C

ARGO 

1:

 

DELEGADO

 

DE

 

POLÍCIA

 

FEDERAL

 

 CADERNO

 

DE

 

PROVAS

 

VERMELHO

 

1

 

 

10 

11 

12 

13 

14 

15 

16 

17 

18 

19 

20 

21 

22 

23 

24 

25 

26 

27 

28 

29 

30 

C  E  E  C  C  C  C  E  E  C  E  E  E  E  C  E  E  C  E  E  E  C  E  C  C  E  E  C  E  C 

31 

32 

33 

34 

35 

36 

37 

38 

39 

40 

41 

42 

43 

44 

45 

46 

47 

48 

49 

50 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

E  E  E  C  C  E  E  C  E  E  C  C  C  E  C  C  C  C  C  E  C  E  E  E 

+

  E  E  C  E  C 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

C  E 

+

  E  C  C  E  E  E  C  C  E  C  C  E  E  E  C  E  C  E  E  E  E  E  C  E  E  C  E 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99 

100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119 

120 

C  C  C  E  E  C  E  C  C  E  E  C  E  E  C  C  E  E  C  E  C  E  E  E 

+

  E  C  E  C 

+

 

cespe-2004-policia-federal-perito-criminal-engenharia-civil-gabarito.pdf-html.html

 

 

PERITO CRIMINAL FEDERAL 

CONHECIMENTOS BÁSICOS  PARTE COMUM PARA TODAS AS ÁREAS  

(TODOS OS TIPOS DE CADERNOS – AZUL, BRANCO E VERMELHO) 

1

 

 

10 

11 

12 

13 

14 

15 

16 

17 

18 

19 

20 

21 

22 

23 

24 

25 

C  E  E  C  C  C  C  C  E  E  E  E  E  C  E  E  E  C  E  E  E  E  C  C  C 

26 

27 

28 

29 

30 

31 

32 

33 

34 

35 

36 

37 

38 

39 

40 

41 

42 

43 

44 

45 

46 

47 

48 

49 

50 

C  C  C  E  E  E  C  C  E  E  C  C  E  E  C  C  E  E  C  C  E  C  C  E  C 

CONHECIMENTOS

 

ESPECÍFICOS  

C

ARGO 

2:

 

P

ERITO 

C

RIMINAL 

F

EDERAL

REA 

1

 

 C

ADERNO DE 

P

ROVAS 

A

ZUL

 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

+

 

+

  E 

+

  E  E 

+

 

+

  C 

+

  C  E C C C 

+

 

+

 

+

 

+

  C E C 

+

  E  E  E 

+

  E  E  C C C  E C  E 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116 117  118  119  120 

E  C  E  E C  C C E  E  E C  E C C  E C  E C  E  C C  E  C E  E  E  E C  E  E C E  E C  C 

 

Observação: 

+

 

ITEM ANULADO

.

 

O

 

CESPE

 CONSIDEROU SER IDÊNTICO A ITEM USADO EM CONCURSO RECENTE

 

C

ARGO 

3:

 

P

ERITO 

C

RIMINAL 

F

EDERAL

REA 

2

 

 

 C

ADERNO DE 

P

ROVAS 

A

ZUL

 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

C  C C E  E  E E C  E  E C  E  E E C C  E E C  E  E  C  E  C  E  E  C C  E  E 

+

  E  C  E  C 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120 

E  E 

+

  C C  E E C  C C C C  C C  E C  C C  E  E  E  E  E  C  E  C  E E  E C C E  C  E  C 

 

C

ARGO 

4:

 

P

ERITO 

C

RIMINAL 

F

EDERAL

REA 

3

 

 C

ADERNO DE 

P

ROVAS 

A

ZUL

 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

E  E C  E  E  C C C  E C  E  E  E C 

+

  C  E E C C  E  E  C E  E  E  E 

+

  E C C E  C C  C 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120 

E  C  E  E  E  E E E  E C C  E  E E  E  E  E E C  E  E  C  E  C  E  C  E C  C  E C C  C C  C 

 

C

ARGO 

5:

 

P

ERITO 

C

RIMINAL 

F

EDERAL

REA 

4

  

 C

ADERNO DE 

P

ROVAS 

A

ZUL

 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

C  E  E C C  E E E  E C C C  E E  E C  C E  E 

+

  E  C  E  C  E  E  C E  C  E C E  E  E  C 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120 

E  C C  E  E  C C E  E C  E  E  E E C C  E C  E  E  E  C  E  E  C  E  E C  E C C C  C  E  E 

 

C

ARGO 

6:

 

P

ERITO 

C

RIMINAL 

F

EDERAL

REA 

5

  

 C

ADERNO DE 

P

ROVAS 

A

ZUL

 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

C  E  E E  E  E C  E C  C C  C  E C E  E C C  E  E C  C  C  E  C  E E  E  E  C C  E C  C E 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120 

C  E  C E  E  C C  E  E  C C  E  E C E  E C C  E  E E  C  C  C E  E E  E  E  C E C  E  C E 

 

C

ARGO 

7:

 

P

ERITO 

C

RIMINAL 

F

EDERAL

REA 

6

  

 C

ADERNO DE 

P

ROVAS 

A

ZUL

 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

+

  C E  E C  E E  E C C C  E E  E  E  C E  C C  E  E  E  C  C  E E  E  E  C E  E C  C E 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120 

C C  E C  C C  E C  C C  E C  E E C  E  E E  C C  E  E  E  C  E  E C  E  E  C C  E  E  C E 

 
 

C

ARGO 

8:

 

P

ERITO 

C

RIMINAL 

F

EDERAL

REA 

7

 

 C

ADERNO DE 

P

ROVAS 

B

RANCO

 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

E C  E E 

+

  E E C  E  E 

+

  C C  E E  C  E  E  E  E E  C  C  E  C  C C  E C  E E C  E  C C 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120 

E  E  C C C  E E C C  E E  C C  E E 

+

  E  E  E  C C  E  C  E  C  C C  E  E  E E C C  C E 

 
 

cespe-2004-policia-federal-perito-criminal-engenharia-civil-gabarito.pdf-html.html

 

C

ARGO 

9:

 

P

ERITO 

C

RIMINAL 

F

EDERAL

REA 

8

 

 C

ADERNO DE 

P

ROVAS 

B

RANCO

 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

E  E  E 

+

  C  E E E  C  E  E C  E C  E  E  E C  E C  E  C  E  C  E  C  C E  E  E C E  C C  C 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120 

C  E C C  E  C E E  E C  E C  C E  E  E  E C C  E  E  E  C E  E  C  E C  C  E 

+

  C  C C  E 

 
 

C

ARGO 

10:

 

P

ERITO 

C

RIMINAL 

F

EDERAL

REA 

9

  

 C

ADERNO DE 

P

ROVAS 

B

RANCO

 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

C  C C  E  E  E E C  C  E  E C  C E  E C 

+

 

+

  E  E  C C  E  C  E  C  E E  E C C E  E C  E 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120 

C  E C C  E  E 

+

  C 

+

  E  E  E  E E  E  E  E E C  E  C E  C E  C C  E C  E C C C  E  E  C 

 
 

C

ARGO 

11:

 

P

ERITO 

C

RIMINAL 

F

EDERAL

REA 

10

 

 C

ADERNO DE 

P

ROVAS 

B

RANCO

 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

E  C 

+

  C C  E C E  E C C C  E E C  E  E E C  E  E  C  E  C  C C  E C  E C  E E  C  E  E 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120 

C  C  E  E 

+

  E C E  C C C  E  E E C C  E E C C  E  E  C C  E  E  C E  E  E C C  E  E  C 

 
 

C

ARGO 

12:

 

P

ERITO 

C

RIMINAL 

F

EDERAL

REA 

11

 

 C

ADERNO DE 

P

ROVAS 

B

RANCO

 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

E C  E C  C C C E  C C C C  E E C C  C C  E C  C 

+

 

+

  E  E  E C C C  C 

+

  E C  C E 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120 

E  E  C 

+

  E C  E E  C  E  E C  C C  E C  C E  C C  E  E  E  C  C C E  E  E  E C C C  E E 

 
 

C

ARGO 

13:

 

P

ERITO 

C

RIMINAL 

F

EDERAL

REA 

12

 

 C

ADERNO DE 

P

ROVAS 

B

RANCO

 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

C  E  E  E C  C 

+

  E  C  E  E C  E C  E  E  C C  E  E  C E  C C  C  E  E C  C C  E E  E  E  C 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120 

E  E C C  E  E C C  E  E  E C  E C  E  E  C E C  E  C E  E  E  E  E  E E  E  E C C  C  E  C 

 

 

C

ARGO 

14:

 

P

ERITO 

C

RIMINAL 

F

EDERAL

REA 

13

 

 C

ADERNO DE 

P

ROVAS 

V

ERMELHO

 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

E  C C C C  E E C  E  E C C  E C  E C  C C C  E  C E  E  E  C  E  E C  C  E  E E  E  E  C 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120 

E  E C  E C  E C E  C C C  E  E C C  E  C C  E C  E  C  E  E  E  E  E E  E  E  E C  C C  C 

 

 

C

ARGO 

15:

 

P

ERITO 

C

RIMINAL 

F

EDERAL

REA 

14

 

 C

ADERNO DE 

P

ROVAS 

V

ERMELHO

 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

C  C  E  E C  E C C  C  E  E C  E C  E C  E C  E 

+

  E  E  C E  E  E  C C  C  E  E C  C C 

+

 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120 

C  E C  E 

+

  C E C  C  E C C  E E C  E  C C  E C  C E  E 

+

  E  E  C C  E C C E  E C  C 

 
 

C

ARGO 

16:

 

P

ERITO 

C

RIMINAL 

F

EDERAL

REA 

15

 

 C

ADERNO DE 

P

ROVAS 

V

ERMELHO

 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

E  E  C C  E C  E C  E C C  E  E C C  E  C E C C  E  C  C C  E  C C C  E  C C  E  E  E C 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120 

C C  E C  C  E  E C  E C  E C  E C  E  E  E C  E  E  E  E  C C  C  E C C  E  E C  E  E  C  E 

 

 

C

ARGO 

17:

 

P

ERITO 

C

RIMINAL 

F

EDERAL

REA 

16

 

 C

ADERNO DE 

P

ROVAS 

V

ERMELHO

 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

E  E  E C C  C E C  C C  E C 

+

  E  E  E  E C C  E  C C  E  C  E  C  E C  C  E C E  E C 

+

 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120 

E  E C C  E  E E C  C  E  E C  C E  E  E  E E  E  E  C C  C E  C C  C E  C  E C E  E C  C 

 

cespe-2004-policia-federal-perito-criminal-engenharia-civil-gabarito.pdf-html.html

 

 

C

ARGO 

18:

 

P

ERITO 

C

RIMINAL 

F

EDERAL

REA 

17

 

 C

ADERNO DE 

P

ROVAS 

V

ERMELHO

 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84  85 

C  E  E C  E C  E C  E E C  E  E C C  E C  E  E  C C  E  E  C  E  C E C  E  C E  E  E C C 

86 

87 

88 

89 

90 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119

12

E  E  E E  E C C  E  C C C C  E C C  E  E  E C  C E  E  E  C  E  C E C  E  C C  E  E C E 

 
 

 

 

 
 

 

 

C

ARGO 

19:

 

AGENTE

 

DE

 

POLÍCIA

 

FEDERAL

 

 CADERNO

 

DE

 

PROVAS

 

AZUL

 

1

 

 

10 

11 

12 

13 

14 

15 

16 

17 

18 

19 

20 

21 

22 

23 

24 

25 

26 

27 

28 

29 

30 

E  C  C  C  C  E  C  E  E  E  E  C  E  C  C  E  C  E  C  E  E  C  E  E  C  E  C  E  E  C 

31 

32 

33 

34 

35 

36 

37 

38 

39 

40 

41 

42 

43 

44 

45 

46 

47 

48 

49 

50 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

E  E  C  E  C  C  E  C  E  E  E  C  C  E  C  E  E  E  E  C  C  E  E  E  C  E  E  E  C 

+

 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

C  C 

+

  C  E  C  E  E  C  E  C  C  C  E  E  E  C  C  E  C  C  E  C  E  E  C  E  E  E  C 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99 

100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119 

120 

C  C  C  E  C  E  C  E  C  E  C  E 

+

  C  C  E  C  E  E  E  C  E  C  E  E  C  C  C  E  E 

C

ARGO 

19:

 

AGENTE

 

DE

 

POLÍCIA

 

FEDERAL

 

 CADERNO

 

DE

 

PROVAS

 

BRANCO

 

1

 

 

10 

11 

12 

13 

14 

15 

16 

17 

18 

19 

20 

21 

22 

23 

24 

25 

26 

27 

28 

29 

30 

C  C  E  C  E  C  C  E  E  E  E  E  C  C  C  E  C  E  C  E  C  E  E  E  C  E  C  E  C  E 

31 

32 

33 

34 

35 

36 

37 

38 

39 

40 

41 

42 

43 

44 

45 

46 

47 

48 

49 

50 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

E  E  E  C  C  C  C  E  E  E  C  E  C  C  E  E  E  E  E  C  E  C  E  E  C  E  E  C  E 

+

 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

C  C 

+

  C  C  E  E  C  E  E  C  C  C  E  E  E  C  C  E  C  C  C  E  E  E  E  C  E  E  C 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99 

100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120 

C  C  C  C  E  C  E  E  C  E  C 

+

  E  C  E  C  C  E  E  E  C  C  C  E  E  C  E  C  E  E 

C

ARGO 

19:

 

AGENTE

 

DE

 

POLÍCIA

 

FEDERAL

 

 CADERNO

 

DE

 

PROVAS

 

VERMELHO

 

1

 

 

10 

11 

12 

13 

14 

15 

16 

17 

18 

19 

20 

21 

22 

23 

24 

25 

26 

27 

28 

29 

30 

C  E  C  C  C  E  C  E  E  E  C  E  E  C  E  C  E  C  C  E  E  C  E  E  C  E  C  E  E  C 

31 

32 

33 

34 

35 

36 

37 

38 

39 

40 

41 

42 

43 

44 

45 

46 

47 

48 

49 

50 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

E  E  C  E  C  C  E  C  E  E  C  E  E  E  C  C  E  E  E  C  E  E  E  C  C  E  E  C  E 

+

 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

C  C 

+

  E  E  C  C  C  E  E  C  C  C  E  E  E  C  C  E  C  C  E  C  E  E  E  E  E  C  C 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99 

100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120 

C  C  C  C  E  C  E  E  C  E  C 

+

  C  E  E  C  E  C  E  E  C  C  E  C  E  E  C  C  E  E 

C

ARGO 

20:

 

ESCRIVÃO

 

DE

 

POLÍCIA

 

FEDERAL

 

 CADERNO

 

DE

 

PROVAS

 

AZUL

 

1

 

 

10 

11 

12 

13 

14 

15 

16 

17 

18 

19 

20 

21 

22 

23 

24 

25 

26 

27 

28 

29 

30 

C  E  E  E  E  E  C  E  C  C  C  C  E  C  C  E  C  E  E  C  C  C  E  C  E  C  E  C  C  E 

31 

32 

33 

34 

35 

36 

37 

38 

39 

40 

41 

42 

43 

44 

45 

46 

47 

48 

49 

50 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

E  E  E  C  C  E  E  E  C  E  C  C  C  C  E  C  E  E  E  C  E  E  C  E  C  E  C  C  C  C 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

C  E  E  E  E  E  E  C 

+

  C  C  C  E  E  E  C  C  E  C  E  E  E  E  C  C  C  C  C  C  E 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99 

100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120 

E  E  E  E  C  E 

+

  E  E  C  C  E  C  C  E  E  E  E  E  E  C  E  E  C  C  C  E  C  C  E 

cespe-2004-policia-federal-perito-criminal-engenharia-civil-gabarito.pdf-html.html

 

 

 
 

 

Observação: 

+

 

ITEM ANULADO

 

 

 

ITEM COM GABARITO ALTERADO

/

ATUALIZADO

 

 
 

 

C

ARGO 

20:

 

ESCRIVÃO

 

DE

 

POLÍCIA

 

FEDERAL

 

 CADERNO

 

DE

 

PROVAS

 

BRANCO

 

1

 

 

10 

11 

12 

13 

14 

15 

16 

17 

18 

19 

20 

21 

22 

23 

24 

25 

26 

27 

28 

29 

30 

E  E  E  E  C  C  E  C  E  C  C  C  E  C  E  C  C  E  E  C  C  C  C  E  E  C  E  C  C  E 

31 

32 

33 

34 

35 

36 

37 

38 

39 

40 

41 

42 

43 

44 

45 

46 

47 

48 

49 

50 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

C  C  E  E  E  E  E  E  C  C  E  C  C  E  C  C  E  E  E  C  E  E  C  C  E  E  C  C  C  C 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

C  E  E  E  E  C 

+

  E  E  C  C  C  E  E  E  C  C  E  C  E  E  E  E  C  C  C  C  C  C  E 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99 

100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120 

E  E  E  C  E 

+

  E  E  E  C  C  E  C  C  E  E  E  E  E  E  C  E  C  C  E  C  E  E  C  C 

C

ARGO 

20:

 

ESCRIVÃO

 

DE

 

POLÍCIA

 

FEDERAL

 

 CADERNO

 

DE

 

PROVAS

 

VERMELHO

 

1

 

 

10 

11 

12 

13 

14 

15 

16 

17 

18 

19 

20 

21 

22 

23 

24 

25 

26 

27 

28 

29 

30 

E  E  E  E  C  E  C  C  E  C  C  C  C  E  C  E  E  C  E  C  C  C  C  E  C  E  E  C  C  E 

31 

32 

33 

34 

35 

36 

37 

38 

39 

40 

41 

42 

43 

44 

45 

46 

47 

48 

49 

50 

51 

52 

53 

54 

55 

56 

57 

58 

59 

60 

C  C  E  E  E  E  E  C  E  C  C  E  C  C  E  C  E  E  E  C  C  E  E  E  E  C  C  C  C  C 

61 

62 

63 

64 

65 

66 

67 

68 

69 

70 

71 

72 

73 

74 

75 

76 

77 

78 

79 

80 

81 

82 

83 

84 

85 

86 

87 

88 

89 

90 

C  E  E  E  E  C  E 

+

  E  C  C  C  E  E  E  C  C  E  C  E  E  E  E  C  C  C  C  C  E  C 

91 

92 

93 

94 

95 

96 

97 

98 

99 

100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120 

E  E  C  E  E 

+

  E  E  C  E  E  C  C  C  E  E  E  E  E  E  C  E  C  C  E  C  E  E  C  C 

Prova

cespe-2004-policia-federal-perito-criminal-engenharia-civil-prova.pdf-html.html
cespe-2004-policia-federal-perito-criminal-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

UnB / CESPE – DPF / DGP – Concurso Público Nacional – Aplicação: 9/10/2004

É permitida a reprodução apenas para fins didáticos, desde que citada a fonte.

Cargo 8: Perito Criminal Federal / Área 7

 

– 1 –

 

– CADERNO BRANCO –

De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo

designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com o código E, caso julgue o item ERRADO.
A ausência de marcação ou a marcação de ambos os campos não serão apenadas, ou seja, não receberão pontuação negativa. Para as
devidas marcações, use a folha de rascunho e, posteriormente, a folha de respostas, que é o único documento válido para a correção
das suas provas.

Nos itens que avaliam Conhecimentos de Informática, a menos que seja explicitamente informado o contrário, considere que

todos os programas mencionados estão em configuração-padrão, em português, que o mouse está configurado para pessoas destras
e que expressões como clicar, clique simples e clique duplo referem-se a cliques com o botão esquerdo do mouse. Considere também
que não há restrições de proteção, de funcionamento e de uso em relação aos programas, arquivos, diretórios e equipamentos
mencionados.

CONHECIMENTOS BÁSICOS

O homem, como ser histórico, é o construtor da

1

sociedade e o responsável pelo rumo que ela venha a tomar.
Tornamo-nos seres humanos na dialética mesma da
hominização, ao produzirmos e transformarmos

4

coletivamente a cultura e nos construirmos como sujeitos. 

A nossa cultura atual, eivada de violências físicas e

simbólicas, tem levado os seres humanos à massificação, à

7

desumanização e à autodestruição. Fazendo frente a essa
crise, a Cultura da Paz surge como uma proposta da ONU
que tem por objetivo conscientizar a todos — governos e

10

sociedades civis — para que se unam em busca da superação
da falência do nosso paradigma atual, conclamando para a
construção de um novo modelo substitutivo, assentado em

13

ações, valores e princípios calcados em uma nova ética
social, no respeito à diversidade cultural e na diminuição das
desigualdades e injustiças.

16

Editorial. Revista da Faculdade de Educação do Estado
da Bahia. Ano 10, n.º 14, jan./jun., 2001 (com adaptações).

Julgue os itens seguintes, acerca do texto acima.

O aposto “como ser histórico” (

R

.1) esclarece ou justifica as

razões das características de homem que o período sintático
apresenta a seguir.

A idéia de hipótese que o emprego de “venha” (

R

.2) confere

ao texto pode ser alternativamente expressa por porventura
vem, sem prejuízo da argumentatividade e da correção
gramatical do texto.

Preservam-se a correção gramatical e a coerência do texto
ao se substituir o aposto “eivada (...) simbólicas” (

R

.6-7)

pela seguinte oração subordinada: de que foi infectada por
violências físicas e simbólicas.

A inserção de uma vírgula logo depois de “ONU” (

R

.9)

respeitaria as regras gramaticais, mas provocaria
ambigüidade de interpretação sobre quem teria “por objetivo
conscientizar” (

R

.10).

As expressões “paradigma atual” (

R

.12) e “novo modelo”

(

R

.13) correspondem a duas possibilidades diferentes de

éticas sociais: a primeira leva à desumanização e à
autodestruição; a segunda busca a superação da violência
pela paz.

Texto I – itens de 6 a 16

A polêmica sobre o porte de armas pela população

1

não tem consenso nem mesmo dentro da esfera jurídica, na
qual há vários entendimentos como: “o cidadão tem direito
a reagir em legítima defesa e não pode ter cerceado seu

4

acesso aos instrumentos de defesa”, ou “a utilização da força
é direito exclusivo do Estado”ou “o armamento da população
mostra que o Estado é incapaz de garantir a segurança

7

pública”. Independente de quão caloroso seja o debate, as
estatísticas estão corretas: mais armas potencializam a
ocorrência de crimes, sobretudo em um ambiente em que

10

essas sejam obtidas por meios clandestinos. A partir daí,
qualquer fato corriqueiro pode tornar-se letal. O porte de
arma pelo cidadão pode dar uma falsa sensação de

13

segurança, mas na realidade é o caminho mais curto para os
registros de assaltos com morte de seu portador.

Internet: <http://www.serasa.com.br/guiacontraviolencia>.
A c e s s o   e m   2 8 /9/2004 (com   a d a p t a ç õ e s ) .

A respeito do texto I, julgue os itens a seguir.

Na linha 1, o emprego da preposição por, que rege
“população”, estabelece a relação entre “porte” e
“população”.

A retirada da expressão “nem mesmo” (

R

.2) preservaria a

coerência e a correção gramatical do texto, mas
enfraqueceria o argumento que mostra a fragilidade do
consenso.

O emprego das aspas indica vozes que representam opiniões
paradigmáticas a respeito do porte de armas.

No período de que faz parte, o termo “Independente” (

R

.8)

exerce a função de adjetivo e está no singular porque se
refere a “debate” (

R

.8).

De acordo com o desenvolvimento das idéias no texto, o
advérbio “daí” (

R

.11) marca o momento do debate.

Pelo tema, impessoalidade e clareza, o texto poderia
constituir parte de um documento oficial — como, por
exemplo, um relatório ou um parecer —, mas o emprego das
aspas lhe confere uma coloquialidade que o torna
inadequado às normas da redação oficial.

cespe-2004-policia-federal-perito-criminal-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

UnB / CESPE – DPF / DGP – Concurso Público Nacional – Aplicação: 9/10/2004

É permitida a reprodução apenas para fins didáticos, desde que citada a fonte.

Cargo 8: Perito Criminal Federal / Área 7

 

– 2 –

 

– CADERNO BRANCO –

Os itens abaixo apresentam opiniões ou relatos acerca do porte de
armas, extraídos e adaptados de publicações recentes da imprensa
nacional. Julgue cada item como certo se a idéia nele contida
enfraquece o argumento defendido no texto I.

O fácil acesso às armas deu um novo status aos pequenos
delitos, que passaram a ser letais, além de aumentar
consideravelmente o poderio da marginalidade frente ao dos
policiais.

Embora as camadas de menor poder aquisitivo sejam mais
afetadas pelos efeitos da violência, é claro que os jovens das
classes A e B também não estão livres dessa ameaça.
Na ânsia de dar um basta à situação, a maioria deles defende
medidas como a redução da idade penal para menos de
18 anos e a proibição de venda de armas.

Com o desarmamento civil, irá se conseguir apenas privar a
população do seu legítimo direito à autodefesa, verdadeiro
atentado a um princípio consagrado pela lei natural do
homem. Vários países tentaram reduzir o nível de violência
por meio do desarmamento da população, creditando às
armas de fogo portadas pela sociedade civil a
responsabilidade final pelo aumento do número de atentados
contra a vida humana. Nada mais falacioso.

Menos de duas horas depois da abertura de um posto de
recolhimento de armas, às 9 h, a Polícia Federal já havia
recebido 15 revólveres e três espingardas. Cada pessoa que
devolvia uma arma ganhava uma rosa.

“A gente tem de refletir se a arma em casa serve para alguma
coisa”, afirmou o chefe do Serviço Nacional de Armas da
Polícia Federal. “Onde os bandidos compraram essas armas?
No mercado negro, que, por sua vez, roubou das pessoas de
bem, porque nenhum ladrão jamais comprou arma em loja.”

Acerca do direito administrativo, julgue o item a seguir.

As sociedades de economia mista podem ser empresas
públicas, caso em que integram a administração indireta do
ente federativo a que pertencem, mas também podem ser
empresas privadas, caso em que não fazem parte da
administração pública.

Em cada um dos itens que se seguem, é apresentada uma situação
hipotética, seguida de uma assertiva a ser julgada.

Um perito oficial, ocupante de cargo público federal,
acusado de ter recebido dinheiro para emitir um laudo falso,
sofreu investigação mediante processo administrativo
disciplinar que resultou em sua demissão. Posteriormente,
ele foi julgado penalmente pela prática da conduta que
motivou sua demissão, tendo sido absolvido por falta de
provas. Nessa situação, o resultado da ação penal em nada
repercutirá na penalidade administrativa anteriormente
aplicada.

No curso de determinado processo penal, o juiz da causa
verificou que um laudo pericial não havia observado uma
formalidade definida em lei e, por isso, determinou o
suprimento da formalidade. Nessa situação, a determinação
é ilícita porque, como são absolutamente nulos os laudos
periciais que não cumprem todas as formalidades legais, o
juiz deveria ter nomeado outros peritos para realizarem novo
exame pericial.

Marcelo é um perito oficial que participou da realização de
exame pericial ocorrido no curso de um inquérito que
apurava determinado crime. Posteriormente, no curso da
ação penal relativa a esse crime, Marcelo foi convocado pelo
juiz da causa a prestar esclarecimentos acerca de alguns
pontos da referida perícia. Nesse caso, seria vedado a
Marcelo prestar os referidos esclarecimentos porque ele é
impedido de atuar em julgamentos relativos a crimes
apurados em inquéritos policiais dos quais ele tenha
participado na qualidade de perito.

Um exame de corpo de delito foi realizado, conjuntamente,
por dois peritos oficiais, mas, posteriormente, verificou-se
que um deles era impedido de atuar no caso. Nessa situação,
o laudo permanece válido, pois a legislação somente exige
a participação de ao menos dois peritos nos exames
realizados por peritos não-oficiais.

Na qualidade de perito criminal federal, Oscar avaliou a
autenticidade da assinatura de um dos indiciados em
inquérito que apurava caso de lavagem de dinheiro. Apesar
de considerar que a assinatura era autêntica, Oscar estava
convencido de que o indiciado havia sido coagido a assinar
o referido documento, motivo pelo qual, em seu laudo
pericial, atestou a falsidade da assinatura. Nessa situação,
Oscar cometeu crime de condescendência criminosa.

Lindomar foi recentemente contratado por uma autarquia
federal para exercer função que envolve exercício de poder
de polícia, sendo que tal contratação se deu mediante
contrato por tempo determinado para atender necessidade
temporária de excepcional interesse público. Posteriormente,
ele praticou conduta penalmente tipificada como peculato.
Nessa situação, apesar de não ocupar cargo nem emprego
públicos, Lindomar poderá vir a ser penalmente condenado
por crime de peculato.

Roberto foi julgado por ter ferido uma pessoa, mas foi
absolvido porque agiu em legítima defesa. Descrevendo esse
fato, um jornalista afirmou que Roberto foi julgado
penalmente inimputável pelo crime de lesões corporais que
lhe era atribuído, porque feriu seu agressor em legítima
defesa. Nessa situação, o jornalista utilizou de maneira
equivocada o conceito de imputabilidade penal.

Um policial militar prendeu em flagrante um traficante de
drogas e prometeu libertá-lo imediatamente, em troca do
pagamento de cinqüenta mil reais. Nesse caso, o policial é
sujeito ativo do crime de corrupção passiva.

Durante a condução de um criminoso em uma viatura
policial, ocorreu uma colisão automobilística que causou
lesões corporais a todos os ocupantes da viatura. Nessa
situação hipotética, para ter direito a receber do Estado
indenização por danos materiais decorrentes do acidente, o
criminoso não precisa comprovar que a colisão foi causada
culposamente pelo agente público que dirigia a viatura.

cespe-2004-policia-federal-perito-criminal-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

UnB / CESPE – DPF / DGP – Concurso Público Nacional – Aplicação: 9/10/2004

É permitida a reprodução apenas para fins didáticos, desde que citada a fonte.

Cargo 8: Perito Criminal Federal / Área 7

 

– 3 –

 

– CADERNO BRANCO –

Em meio a tanta notícia ruim, acaba de aparecer uma que

ainda consegue ser pior, porque ameaça não apenas o presente,
mas o futuro de nosso futuro, ou seja, as crianças e os
adolescentes. Se hoje suas vidas já são o que são, a perspectiva
para os próximos anos é de aumento da violência e da
desnutrição, e de queda na qualidade da educação. No relatório
divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU), essa
talvez seja a revelação mais inquietante. O que será o amanhã em
que meninos e meninas estarão mais desnutridos, menos educados
e mais violentos?

O diagnóstico foi elaborado por 27 ONGs que

monitoram políticas públicas nessa área — entre as quais
UNESCO, UNICEF, fundações ORSA e ABRINQ — depois de
analisarem o cumprimento das 21 metas do plano Um Mundo
para Crianças, ratificadas pelo Brasil e por mais 188 países.
Quanto à educação, há pelo menos duas previsões desanimadoras:
taxa de escolarização no ensino médio 15,73% abaixo do
prometido e atendimento na primeira infância aquém do
esperado. Em relação à violência, o quadro é até previsível.
De 1992 a 2002, os homicídios de pessoas de até 17 anos de
idade aumentaram 136% — de 3 para 7,1 mortes por 100 mil
habitantes.

Zuenir Ventura. O que será o amanhã? In: O Globo, 11/8/2004, p. 7 (com adaptações).

A partir do texto acima e considerando as múltiplas implicações
do tema por ele abordado, julgue os itens subseqüentes.

O texto reporta-se a trabalho realizado por organizações não-
governamentais, as quais traduzem um modo de atuação na
sociedade muito próprio do mundo contemporâneo, cuja
presença em escala planetária afirma-se de maneira
crescente, em especial a partir das últimas décadas do
século XX.

Provavelmente pela forte demanda, materializada sobretudo
nos países emergentes, nos quais o quadro de desigualdade
tende a ser maior, as ONGs concentram sua atuação no
campo social, em particular nos setores da educação e da
saúde.

Exaustivos estudos técnicos demonstram que a baixa
incidência de ONGs em países em desenvolvimento, como
o Brasil, e sua conseqüente inoperância decorrem da
dificuldade — até agora intransponível — que encontram
para firmar parcerias com o setor governamental, o que
praticamente inviabiliza seu acesso a recursos públicos.

Dois órgãos especializados da ONU — a UNESCO e o
UNICEF — são citados no texto. Embora ambos estejam
voltados para a área social, nenhum deles tem na educação
um dos alvos centrais de sua atuação.

O quadro de vulnerabilidade social a que o texto alude, em
larga medida responsável pelo considerável aumento do
número de homicídios de brasileiros com menos de 17 anos
de idade, exclui as deficiências educacionais, a
desestruturação familiar e as reduzidas possibilidades de
acesso aos bens culturais, ao lazer e ao mercado de trabalho,
explicando-se pelo cenário de violência presente na periferia
dos centros urbanos.

Entre as razões de desânimo que o autor do texto demonstra
sentir em relação ao porvir, está a precária assistência
prestada pelo Brasil à primeira infância. De fato, sabe-se
que, entre outros aspectos, a deficiência alimentar, cognitiva
e afetiva nessa faixa etária evidenciará seus efeitos negativos
ao longo da vida.

A existência de um plano assinado por quase duas centenas
de países, como o citado no texto, independentemente do
grau de êxito ou de insucesso que possa apresentar,
configura um cenário mundial relativamente novo, em que
temas eminentemente sociais são alçados ao primeiro plano
da agenda política internacional contemporânea.

“Em meio a tanta notícia ruim”, há também aspectos
positivos aos quais o texto confere o devido destaque, como
o fato de que, ao longo da década focalizada no estudo, o
número de brasileiros que conseguiu concluir a educação
básica correspondeu ao universo de estudantes que teve
acesso ao ensino fundamental.

Uma das principais razões pelas quais o Brasil não tem
conseguido cumprir as metas propostas no plano Um
Mundo para Crianças é a instabilidade financeira vivida
pelo país de 1992 a 2002, o que comprometeu sua
credibilidade externa.

A indagação feita pelo texto logo ao final do primeiro
parágrafo permite as mais diversas respostas, entre as quais
a possibilidade de que as múltiplas formas de carência que
envolvem “meninos e meninas” de hoje os tornem presas
fáceis das diversificadas formas de redes criminosas, a
exemplo do narcotráfico.

Além do impressionante aumento do número de mortes
violentas envolvendo brasileiros com menos de 17 anos de
idade, que o texto aponta ao falar de homicídios, pode-se
agregar a tragédia — quanto a vidas humanas e prejuízos
materiais — em que se têm transformado os acidentes com
veículos automotores, quer nas rodovias, quer nas vias
públicas urbanas.

Em 2002, em uma cidade de 1 milhão de habitantes, a
chance de um jovem de 16 anos de idade ser vítima de um
crime de homicídio era, de acordo com o texto, igual
a 0,071%.

Caso os números relativos à violência mencionados no
último período do texto estivessem em uma planilha Excel
2000 em execução, de forma que o conteúdo da célula 

D4

fosse “3” e o da célula 

D5

 fosse “7,1”, para se determinar,

por meio das ferramentas disponibilizadas pelo Excel, o
percentual de 136% de aumento de homicídios de pessoas de
até 17 anos de idade, mencionado no texto, seria suficiente
realizar a seguinte seqüência de operações na janela do

Excel 2000: clicar a célula 

D6

; clicar o botão 

 

(

Estilo de

porcentagem

); clicar a célula 

D4

; teclar 

«

; clicar

novamente a célula 

D6

; finalmente, clicar o botão

 

(

Diminuir casas decimais

).

A figura ao lado ilustra o que se vem denominando
de memória USB, também chamada de pendrive.
Com relação a esse tipo de hardware, julgue o item
a seguir.

Trata-se de dispositivo, normalmente do tipo
plug-in-play, a ser instalado em computador
que dispõe de porta USB. Possui capacidade
de armazenamento que pode superar 500 MB
de dados, cujo conteúdo pode ter o acesso
protegido por senha. Quando instalado em
computador com sistema operacional
Windows XP, a referida memória pode ser
acessível a partir do Windows Explorer e do
Internet Explorer e é possível que arquivos
armazenados em disquete ou no winchester do
computador possam ser para ela copiados.

cespe-2004-policia-federal-perito-criminal-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

UnB / CESPE – DPF / DGP – Concurso Público Nacional – Aplicação: 9/10/2004

É permitida a reprodução apenas para fins didáticos, desde que citada a fonte.

Cargo 8: Perito Criminal Federal / Área 7

 

– 4 –

 

– CADERNO BRANCO –

A figura acima ilustra a janela 

Gerenciador de dispositivos

 no

momento em que estava sendo executada em um computador cujo
sistema operacional é o Windows XP. A partir dessa figura,
julgue os itens subseqüentes.

A janela 

Gerenciador de dispositivos

, onde estão listados todos

os dispositivos de hardware instalados no computador, é
acessada por meio de opção encontrada na janela 

Painel de

controle

 do Windows XP.

O ícone 

 refere-se a um driver de

adaptação de vídeo, que deve estar sendo utilizado pelo
computador para a comunicação com o monitor de vídeo.
Um driver, programa residente na bios (basic input/output
system) do computador, é carregado para a memória sempre
que o computador é ligado. 

Considere que o setup  default do computador tenha sido
alterado manualmente pela introdução de uma senha de
identificação. É possível retornar à situação default anterior
a essa alteração por meio de opção encontrada ao se clicar o
ícone .

Considerando a janela do Outlook Express 6 (OE6) ilustrada
acima, julgue os itens a seguir.

Por meio do botão 

, é possível realizar pesquisa para

verificar se, na pasta

, existe mensagem

enviada por determinado remetente, identificado por seu
endereço eletrônico.

A partir de funcionalidades disponibilizadas ao se clicar o

botão 

, é possível que informações relativas a

determinado contato sejam inseridas no caderno de
endereços do OE6 referente à conta ativa. Por meio dessas
funcionalidades, é possível abrir janela do OE6 que permite
a edição e o envio de mensagens de correio eletrônico. 

A figura acima ilustra uma janela do Word 2000 contendo
parte de um texto extraído e adaptado do sítio
http://www.obrasileirinho.org.br. Considerando essa figura,
julgue os itens a seguir, a respeito do Word 2000.

Para se eliminar os marcadores de parágrafo mostrados, é
suficiente realizar o seguinte procedimento: clicar
imediatamente após “prolongado.”; pressionar e manter

pressionada a tecla 

; teclar 

; liberar a tecla 

;

clicar o botão 

.

A correção gramatical e as idéias do texto serão mantidas
caso, com o mouse, sejam realizadas as seguintes ações:
clicar imediatamente antes de “Efeitos crônicos”; pressionar
e manter pressionado o botão esquerdo; arrastar o ponteiro

até imediatamente após “prolongado. ”; liberar o botão

esquerdo; clicar o botão 

; clicar imediatamente antes de

“Efeitos agudos”; clicar o botão 

.

Por meio de opções encontradas no menu 

, é possível

alternar entre diferentes modos de exibição do documento
ativo. Essa alternância entre modos de exibição do
documento também pode ser realizada por meio do conjunto

de botões 

.

cespe-2004-policia-federal-perito-criminal-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

UnB / CESPE – DPF / DGP – Concurso Público Nacional – Aplicação: 9/10/2004

É permitida a reprodução apenas para fins didáticos, desde que citada a fonte.

Cargo 8: Perito Criminal Federal / Área 7

 

– 5 –

 

– CADERNO BRANCO –

Com o intuito de medir a velocidade de transmissão de dados em uma
conexão com a Internet realizada por meio de seu provedor de acesso,
um usuário obteve a janela do Internet Explorer 6 (IE6) ilustrada ao
lado. Considerando as informações contidas nessa janela e que a

conexão do usuário está referida por 

, julgue os itens

subseqüentes.

O usuário aumentaria a taxa de transmissão obtida em sua conexão
à Internet por meio de seu provedor atual, caso adotasse a
tecnologia bluetooth, que, além de permitir taxas da ordem de até
22,5 Mbps em acessos wireless, dispensa a necessidade de
provedor de acesso.

Considerando que o acesso acima testado tenha sido realizado por
meio de um computador que tenha ativado sistema antivírus e de
detecção de intrusão, se esse sistema fosse desativado, a velocidade
de transmissão medida poderia atingir valores maiores que o obtido
no teste  mencionado.

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Entre as principais ferramentas ou métodos utilizados para o
planejamento de obras de construção civil, podem ser citados os
diagramas de barras, as análises de rede PERT/CPM e as linhas
de balanço. Considerando esses aspectos do planejamento de
obras de construção civil, julgue os itens seguintes.

Os diagramas de barras, também conhecidos por diagramas
de Gantt, apresentam uma lista de atividades para as quais as
datas de início e término, assim como suas durações, são
apresentadas de modo gráfico como barras sobre uma escala
de tempo, sendo úteis exclusivamente para planejamentos
em escala macroscópica. 

Em redes PERT/CPM, o caminho crítico é definido pela
seqüência formada por atividades cujas datas mais breves e
tardias de começo ou término são coincidentes e, além disso,
estabelece o prazo estimado para a execução da obra sem
folgas. 

Em obras como rodovias, ferrovias e conjuntos
habitacionais, atividades de caráter repetitivo impedem a
utilização do método da linha de balanço no planejamento
das obras.

Em relação à construção de uma edificação de pequeno porte com
alvenaria de blocos, julgue os itens que se seguem.

Em solo de baixa resistência nas primeiras camadas, deve-se
usar sapata do tipo isolada rígida de concreto armado para a
fundação.

A alvenaria estará aprumada sempre que a noz (peça de
madeira) estiver encostada na parede e provocar um pequeno
afastamento do prumo (cilindro metálico) em relação à
parede.

Acerca das formas e linhas principais dos telhados, julgue o
seguinte item.

Rincão é um divisor de água horizontal que tem a mesma
característica e função da cumeeira.

Com relação à impermeabilização e aos produtos empregados
nessa atividade, julgue o item subseqüente.

Asfalto oxidado é um produto líquido oleoso que deve ser
utilizado à temperatura natural.

No que concerne aos aglomerantes, agregados e materiais
betuminosos, é importante o conhecimento de suas definições,
principais propriedades e ensaios. É necessário, ainda, que o
engenheiro saiba utilizar adequadamente esses materiais,
recomendando-se um determinado uso para cada um deles.
A respeito desses aspectos, julgue os itens seguintes. 

O gesso é um aglomerante aéreo que possui pega rápida,
obtido pela desidratação total ou parcial da gipsita.

A compacidade dos agregados é a relação entre o volume
total de vazios e o volume total aparente dos grãos.

A porosidade e a compacidade em um agregado sempre são
constantes, independentemente do grau de adensamento.

O adensamento da pedra britada faz que a sua massa unitária
aumente, o que deve ser levado em conta quando se medem
volumes em estoques.

O betume artificial ou alcatrão é recomendado para a
pintura de obras de madeira pelo seu grande poder
preservativo.

A penetração é uma medida da consistência do cimento
asfáltico, podendo ser obtida a partir do ensaio que consiste
de uma agulha padronizada de peso igual a 100 g aplicada
durante 5 s, sendo a sua penetração medida em décimos de
milímetros.

A preparação de estimativas de custos, principalmente
orçamentos, é uma atividade fundamental para uma empresa
construtora, que afeta diretamente sua competitividade e sua
longevidade no mercado. Acerca dos orçamentos, julgue os  itens
a seguir.

As composições analíticas unitárias estabelecem as
quantidades estimadas referentes a materiais, mão-de-obra e
equipamentos utilizados estritamente durante a realização de
uma unidade de serviço.

cespe-2004-policia-federal-perito-criminal-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

UnB / CESPE – DPF NACIONAL – Concurso Público – Aplicação: 9/10/2004

É permitida a reprodução apenas para fins didáticos, desde que citada a fonte.

Cargo 8: Perito Criminal Federal / Área 7

– 6 –

– CADERNO BRANCO –

A

B

C

 areia média compacta 

 argila dura

D

E

A taxa de benefícios e despesas indiretas (BDI) corresponde
à soma do total das despesas indiretas e do lucro esperado
para o empreendimento, dividida pelo custo total da obra. 

O cálculo correto dos encargos sociais trabalhistas considera
as peculiaridades da empresa construtora envolvida, tais
como rotatividade média da mão-de-obra, histórico do uso
de horas extras e trabalho noturno, índice de acidentes no
trabalho e percentual de empregados que obtêm aviso prévio
indenizado. 

O cálculo do custo unitário de equipamentos próprios deve
considerar sua depreciação, os juros referentes ao capital
investido, os custos de manutenção e os custos de materiais
e mão-de-obra utilizados especificamente em sua operação.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) é um
índice trimestral que contabiliza os custos e índices da
construção civil, a partir do levantamento de preços de
materiais e salários pagos na construção civil.

Fatores como perdas e produtividade de pessoal não devem
ser controlados por meio de apropriação de custos.

Para o levantamento de quantitativos do serviço referente à
alvenaria, nunca se deve proceder ao desconto dos vãos das
esquadrias, já que é necessária a sua requadração.

Sabe-se que os edifícios estão sujeitos a patologias de origens
diversas, como fissuras, trincas, eflorescências, entre outras. A
identificação, os métodos de análise e as soluções para cada tipo
de problema são, em geral, diferentes. A respeito de patologias
das obras de engenharia civil, julgue os itens a seguir.

A exsudação pode ser identificada por meio do aparecimento
de água na superfície logo após a pega do concreto.

A deformação da argamassa de assentamento em paredes
submetidas a uma carga vertical uniformemente distribuída
é uma das possíveis causas de fissuras verticais em alvenaria
estrutural de blocos vazados de concreto.

A infiltração de água por condensação ocorre devido à
absorção de umidade em fase gasosa.

Quando ocorre o ingresso de água, pura ou contendo íons
agressivos, oxigênio e dióxido de carbono no concreto, sua
durabilidade é extremamente afetada. Com relação a alguns
mecanismos de transporte desses fluidos no concreto, julgue os
itens que se seguem.

A permeabilidade do concreto é alta quando sua porosidade
é elevada, mesmo que seus poros não apresentem
continuidade.

A difusão é um processo no qual o fluido se desloca em
função de uma diferença de concentração.

Quanto menor o teor de umidade do concreto, maior a
permeabilidade desse material a gases.

O conhecimento das propriedades e dos comportamentos dos
solos é de fundamental importância para a estabilidade e o
desempenho de diversas obras civis. Com relação a esse assunto,
julgue os itens a seguir.

Entende-se por solo saprolítico aquele que mantém a
estrutura original da rocha-mãe, inclusive veios intrusivos,
fissuras e xistosidade, mas perdeu a consistência da rocha.

Um solo classificado como CH pela classificação unificada
de solos é especialmente indicado para utilização como
material drenante em obras geotécnicas.

Para um mesmo solo, o ensaio de compactação tipo proctor
modificado fornece uma umidade ótima menor que a do
ensaio proctor normal.

A curva de adensamento de uma argila obtida no ensaio de
adensamento unidimensional relaciona índice de vazios da
argila com a tensão vertical efetiva, o que permite o cálculo
de recalques de uma camada de argila por adensamentos
primário e secundário.

O gradiente crítico é o valor do gradiente hidráulico que
deve ser utilizado no dimensionamento de um filtro de terra
de forma a evitar a sua colmatação. 

Com referência ao dimensionamento estrutural de vigas de
estruturas usuais de edifícios, julgue o item abaixo.

O modelo clássico de viga contínua, simplesmente apoiada
nos pilares, pode ser utilizado para o estudo das cargas
verticais, desde que, entre outros aspectos, não se
considerem momentos positivos menores que os que se
obteriam se houvesse engastamento perfeito da viga nos
apoios internos.

A figura acima apresenta a seção transversal de uma barragem de
enrocamento com núcleo de argila proposta para a formação de
um reservatório. Com relação às condições apresentadas nessa
figura e considerando que as regiões identificadas pelas letras A
e B são constituídas de enrocamento, julgue os seguintes itens.

Quanto maior for o índice de vazios do solo de fundação em
relação ao seu valor de índice de vazios crítico, maiores
serão as condições de estabilidade da barragem no caso de
solicitações de origem sísmica.

Na seção transversal apresentada, não foi previsto cut-off.

O método de análise de estabilidade de Janbu pode ser
utilizado para o cálculo do fator de segurança para a
superfície de deslizamento indicada pela letra D ao final da
construção da barragem. 

O componente indicado pela letra C representa um filtro e
sua localização evita qualquer possibilidade de piping do
material do núcleo argiloso.

O componente E representa uma cortina de injeção e está
convenientemente posicionado de forma a reduzir
substancialmente a vazão de água através do solo de
fundação.

Caso as regiões A e B da barragem fossem constituídas de
material argiloso compactado e houvesse a necessidade de
um rebaixamento rápido e substancial do nível d’água do
reservatório, o talude a montante da barragem estaria mais
sujeito a romper devido a esse rebaixamento que o talude a
jusante.

cespe-2004-policia-federal-perito-criminal-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

UnB / CESPE – DPF NACIONAL – Concurso Público – Aplicação: 9/10/2004

É permitida a reprodução apenas para fins didáticos, desde que citada a fonte.

Cargo 8: Perito Criminal Federal / Área 7

– 7 –

– CADERNO BRANCO –

A

 

12 m

areia limpa compacta a
muito compacta

NA

2 m

A

M

q

A

C

 

-

+

-

 

-

+

-

 

Julgue os itens seguintes, relativos a pavimentação.

Destinada a resistir aos esforços verticais oriundos dos
veículos e a distribuí-los, a base é uma camada sobre a qual
se constrói um revestimento.

Ocorre cobertura do pavimento pelo tráfego quando todos os
pontos ao longo da trilha de rodas forem solicitados pelas
rodas do veículo pelo menos uma vez.

O módulo resiliente de um solo é obtido em ensaios de
adensamento a deformação controlada. 

Calcula-se a espessura de um pavimento pelo método do
DNER, atual DNIT, com base na carga por eixo dos
veículos, na pressão de calibragem e no grau de
compactação do solo a ser utilizado na construção do
pavimento.

Para fins de movimento de terra, considera-se a terra em
geral e a argila como materiais de primeira categoria.

O ensaio de frasco de areia pode ser utilizado para a
determinação da massa específica do solo no campo em
obras de pavimentação.

A figura abaixo esquematiza um sistema de drenagem de um
pavimento rodoviário em que o elemento indicado pela letra
A é uma geomembrana que envolve uma camada de brita e
serve como elemento de filtro do sistema.

O desenho acima esquematiza a seção transversal de uma
escavação a ser executada vizinha a um prédio de 8 andares.
A linha de elementos de fundação do prédio junto à escavação
dista 2 m desta. Com relação às condições apresentadas nessa
figura, julgue os itens subseqüentes.

O acréscimo de tensão horizontal sobre a parede no ponto A
devido à sapata da construção vizinha é calculado
multiplicando-se, pelo coeficiente de empuxo no repouso do
solo, a soma da tensão vertical na base da sapata com a
tensão vertical devida ao peso de solo acima do ponto A. 

O tipo de estrutura de contenção proposta não é apropriado,
pois pode provocar deslocamentos horizontais do terreno
que podem prejudicar o prédio vizinho.

No dimensionamento do tipo de estrutura de contenção
apresentado na figura, o equilíbrio é garantido pela
determinação do comprimento de ficha apropriado.

Com relação ao pórtico plano, com peso próprio desprezível e

submetido aos carregamentos indicados, esquematizado na figura

acima, julgue os seguintes itens.

A coluna sobre o apoio B apresentada na figura está

submetida à flexão composta.

Independentemente dos valores de M e q atuando nos

sentidos apresentados na figura, a tensão normal na seção

transversal da peça no ponto C é sempre de tração.

O desenho a seguir pode representar esquematicamente o

diagrama de momentos fletores no pórtico considerado.

O desenho mostrado abaixo pode representar

esquematicamente o diagrama de esforços cortantes no

pórtico em apreço.

cespe-2004-policia-federal-perito-criminal-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

UnB / CESPE – DPF NACIONAL – Concurso Público – Aplicação: 9/10/2004

É permitida a reprodução apenas para fins didáticos, desde que citada a fonte.

Cargo 8: Perito Criminal Federal / Área 7

– 8 –

– CADERNO BRANCO –

Na figura abaixo, a linha tracejada pode indicar
esquematicamente a linha elástica do trecho horizontal do
pórtico considerado sob a ação dos carregamentos.

Os sistemas de saneamento são importantes componentes da
infra-estrutura das cidades, tendo grande impacto nas
comunidades. Repercussões importantes nas áreas da saúde e da
economia, por exemplo, são assuntos bastante estudados. Acerca
desse assunto, julgue os itens seguintes.

A portaria editada pelo Ministério da Saúde que normatiza
os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle
e vigilância da qualidade da água para consumo humano
estabelece o teor mínimo de cloro residual livre para inibir
a liberação de cianotoxinas.

A pressão estática máxima na rede de distribuição de sistema
de abastecimento de água, em uma zona de pressão, deve ser
de 500 kPa.

Para o dimensionamento das redes coletoras de esgotos, em
final de plano, devem ser consideradas as vazões de esgoto
doméstico, de infiltração e singular.

Fundamentos de hidráulica e hidrologia permitem identificar
aspectos relevantes para o controle dos sistemas de saneamento.
A esse respeito, julgue os itens a seguir.

Tubulações que transportam água sob pressão têm perdas de
carga singulares nos trechos retilíneos, devido ao atrito ao
longo das tubulações.

A regionalização de curvas de probabilidade de vazões
máximas permite a transferência dessas informações de um
local para outro.

A legislação ambiental é a base para garantir a integração
harmônica entre as atividades antrópicas e a preservação do meio
ambiente. Com base nessa legislação, julgue os itens que se
seguem.

De acordo com a Resolução CONAMA n.º 237/1997, a
licença ambiental é ato administrativo que estabelece as
condições para o desenvolvimento do estudo de impacto
ambiental (EIA) de empreendimentos ou atividades que, sob
qualquer forma, possam causar degradação ambiental.

O EIA deve desenvolver atividade técnica de definição das
medidas mitigadoras dos impactos negativos, entre elas, as
relacionadas a equipamentos de controle e sistemas de
tratamento de despejos, bem como avaliar a eficiência de
cada uma dessas medidas.

No controle de obras e serviços de engenharia, o sistema
CONFEA/CREA tem papel importante no exercício da profissão
de engenheiro. Esse controle é feito com bases legais. A respeito
desse tópico, julgue os itens seguintes.

É considerado exercício ilegal da profissão de engenheiro
emprestar o nome para firmas ou empresas executoras de
obras e serviços sem estar participando desses trabalhos.

A anotação de responsabilidade técnica (ART) define
para os efeitos legais os responsáveis técnicos pelo
empreendimento de engenharia, arquitetura e agronomia.

O acompanhamento da execução de uma obra permite identificar
eventuais problemas que poderão comprometer o desempenho da
edificação. Nesse acompanhamento, os diversos ensaios
executados permitem a tomada de decisão. Com relação a esses
ensaios, julgue os itens subseqüentes.

O ensaio do abatimento para concreto é utilizado para se
determinar a resistência ao desgaste dos agregados
empregados.

Na confecção dos corpos de prova para ensaio do concreto,
adiciona-se enxofre à mistura para garantir distribuição das
tensões durante o ensaio.

Acerca das licitações e dos contratos da administração pública,
julgue os itens a seguir.

O projeto básico é um projeto que delineia genericamente o
objeto da licitação, sem entrar em detalhes acerca da obra ou
do serviço que ele define. Já o projeto executivo, elaborado
pela administração com base no projeto básico, tem como
função definir de maneira detalhada o objeto da licitação,
oferecendo aos licitantes elementos suficientes para que eles
elaborem as suas propostas.

A reforma de um edifício, por ser uma obra de engenharia,
somente pode ser objeto de licitação realizada na
modalidade concorrência pública.

A modalidade licitatória tomada de preços é compatível com
o tipo licitatório melhor técnica.

Em cada um dos itens a seguir, é apresentada uma situação
hipotética, seguida de uma assertiva a ser julgada.

A União pretende realizar concorrência pública para alienar
um imóvel que havia servido como sede de um órgão federal
que foi extinto. Nessa situação, a licitação deverá ser do tipo
“maior lance ou oferta”.

Uma empresa pública federal realizará tomada de preços
para a aquisição de lâmpadas. Nessa situação, o edital da
licitação deverá conter orçamento estimado que indique as
quantidades e os preços unitários dos bens a serem
adquiridos.

Em uma tomada de preços realizada por autarquia federal, as
duas propostas mais vantajosas para a administração pública
apontavam exatamente o mesmo preço. Para desempatar a
licitação, a autarquia realizou sorteio entre as duas
propostas, apesar de um dos licitantes empatados ter
insistido em abaixar imediatamente o preço ofertado. Nessa
situação, o sorteio é nulo, pois a autarquia deveria ter aberto
prazo aos dois licitantes para que oferecessem novas
propostas.

cespe-2004-policia-federal-perito-criminal-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

UnB / CESPE – DPF NACIONAL – Concurso Público – Aplicação: 9/10/2004

É permitida a reprodução apenas para fins didáticos, desde que citada a fonte.

Cargo 8: Perito Criminal Federal / Área 7

– 9 –

– CADERNO BRANCO –

 

PROVA DISCURSIVA 

Nesta prova — que vale cinco pontos — faça o que se pede, usando a página correspondente do presente caderno para rascunho.
Em seguida, transcreva o texto para a folha de TEXTO DEFINITIVO, no local apropriado, pois não serão
avaliados fragmentos de texto escritos em locais indevidos.

Qualquer fragmento de texto além da extensão máxima de trinta linhas será desconsiderado.

ATENÇÃO! Na folha de texto definitivo, identifique-se apenas no cabeçalho, pois não será avaliado texto que tenha qualquer
assinatura ou marca identificadora fora do local apropriado.

Observe as figuras a seguir.

Redija um texto dissertativo, posicionando-se a respeito do seguinte enunciado: CONTRA FATOS, NÃO HÁ ARGUMENTOS.

Em sua argumentação, refira-se, necessariamente, ao que expressam as figuras acima.

cespe-2004-policia-federal-perito-criminal-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

UnB / CESPE – DPF NACIONAL – Concurso Público – Aplicação: 9/10/2004

É permitida a reprodução apenas para fins didáticos, desde que citada a fonte.

Cargo 8: Perito Criminal Federal / Área 7

– 10 –

– CADERNO BRANCO –

RASCUNHO

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

cespe-2004-policia-federal-perito-criminal-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

Universidade de Brasília (UnB)