Prova Concurso - Pedagogia - 2006-PREFEITURA-DE-FLORIANOPOLIS-SC-PROFESSOR-SERIES-INICIAIS-2 - FEPESE - PREFEITURA - 2006

Prova - Pedagogia - 2006-PREFEITURA-DE-FLORIANOPOLIS-SC-PROFESSOR-SERIES-INICIAIS-2 - FEPESE - PREFEITURA - 2006

Detalhes

Profissão: Pedagogia
Cargo: 2006-PREFEITURA-DE-FLORIANOPOLIS-SC-PROFESSOR-SERIES-INICIAIS-2
Órgão: PREFEITURA
Banca: FEPESE
Ano: 2006
Nível: Superior

Downloads dos Arquivos

prova.pdf
gabarito.pdf

Provas relacionadas

PEDAGOGOUFPA2018
PEDAGOGOUNIFESSPA2018
PEDAGOGOEBSERH2018

Gabarito

fepese-2006-prefeitura-de-florianopolis-sc-professor-series-iniciais-2-gabarito.pdf-html.html

Secretaria Municipal de Educação

Edital 002/2006

Gabaritos das Provas

Conhecimentos Gerais

1

2

3

4

5

6

7

8

9 10

d

b

e

c

d

a

b

e

c

a

Conhecimentos Específi cos

Educação Infantil na Rede Municipal 
de Ensino e Entidades Conveniadas

Educação Infantil (9929)

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

b

e

d

a

c

e

b

d

c

a

Séries Iniciais do Ensino Fundamental e 
Educação de Jovens e Adultos na 
Rede Municipal de Ensino e Entidades Conveniadas

Séries Iniciais (9914)

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

b

c

d

a

e

b

a

d

e

c

Educação Especial na Rede Municipal 
de Ensino e Entidades Conveniadas

Educação Especial (9915)

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

e

a

e

b

c

b

d

c

a

d

Intérprete de LIBRA (9972)

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

d

b

c

a

a

e

c

e

a

b

Instrutor de LIBRA (9973)

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

d

a

e

b

c

e

b

c

d

a

Auxiliar de Ensino (9974)

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

c

d

e

a

c

e

b

d

a

b

Educação Básica na Rede Municipal 
de Ensino e Entidades Conveniadas

Ciências (9907)

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

e

a

d

a

b

e

b

e

c

d

Ed. Artística • Artes Cênicas (9943)

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

a

c

b

d

e

d

e

a

b

a

Ed. Artística • Artes Plásticas (9945)

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

c

a

d

b

e

c

a

b

e

d

Ed. Artística • Música (9942)

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

e

c

a

b

d

b

d

c

b

e

Educação Física (9912)

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

b

e

d

c

b

e

c

a

a

c

Espanhol (9930)

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

d

b

a

e

b

c

c

a

d

e

Geografi a (9905)

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

e

b

a

d

b

c

a

d

c

e

História (9904)

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

e

c

e

d

b

a

b

d

a

c

Inglês (9902)

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

b

e

a

d

c

e

d

c

a

b

Português (9901)

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

c

a

e

d

e

b

a

c

d

b

Português e Inglês (9903)

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

d

a

e

c

b

e

a

d

b

c

Matemática (9908)

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

b

d

a

c

e

d

b

e

c

d

Dança Escolar (9975)

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

a

c

b

a

d

e

c

e

b

a

fepese-2006-prefeitura-de-florianopolis-sc-professor-series-iniciais-2-gabarito.pdf-html.html

Secretaria Municipal de Educação

Edital 002/2006

Gabaritos das Provas
(Disciplina 2)

Conhecimentos Específi cos

Educação Infantil na Rede Municipal 
de Ensino e Entidades Conveniadas

Educação Infantil (9929)

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

b

e

d

a

c

e

b

d

c

a

Séries Iniciais do Ensino Fundamental e 
Educação de Jovens e Adultos na 
Rede Municipal de Ensino e Entidades Conveniadas

Séries Iniciais (9914)

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

b

c

d

a

e

b

a

d

e

c

Educação Especial na Rede Municipal 
de Ensino e Entidades Conveniadas

Educação Especial (9915)

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

e

a

e

b

c

b

d

c

a

d

Intérprete de LIBRA (9972)

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

d

b

c

a

a

e

c

e

a

b

Instrutor de LIBRA (9973)

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

d

a

e

b

c

e

b

c

d

a

Auxiliar de Ensino (9974)

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

c

d

e

a

c

e

b

d

a

b

Educação Básica na Rede Municipal 
de Ensino e Entidades Conveniadas

Ed. Artística • Artes Plásticas (9945)

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

c

a

d

b

e

c

a

b

e

d

Ed. Artística • Música (9942)

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

e

c

a

b

d

b

d

c

b

e

Espanhol (9930)

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

d

b

a

e

b

c

c

a

d

e

Geografi a (9905)

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

e

b

a

d

b

c

a

d

c

e

História (9904)

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

e

c

e

d

b

a

b

d

a

c

Inglês (9902)

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

b

e

a

d

c

e

d

c

a

b

Português e Inglês (9903)

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

d

a

e

c

b

e

a

d

b

c

Matemática (9908)

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

b

d

a

c

e

d

b

e

c

d

Dança Escolar (9975)

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

a

c

b

a

d

e

c

e

b

a

Prova

fepese-2006-prefeitura-de-florianopolis-sc-professor-series-iniciais-2-prova.pdf-html.html

Secretaria Municipal de Educação

Processo Seletivo (edital 002/2006)

Caderno

de Prova

Séries Iniciais do Ensino Fundamental e Educação de Jovens e 
Adultos na Rede Municipal de Ensino e Entidades Conveniadas

Séries Iniciais (9914)

Disciplina 2

fepese-2006-prefeitura-de-florianopolis-sc-professor-series-iniciais-2-prova.pdf-html.html

Conhecimentos Específi cos

Página 2

Conhecimentos Específi cos

Dia: 19 de novembro de 2006 • Horário de início: 8:30 h

Duração: 3 horas (para o candidato que optou por uma área/disciplina), 

4 horas (para o candidato que optou por duas áreas/disciplinas), 
incluído o tempo para o preenchimento do cartão-resposta.

Instruções

Para fazer a prova você usará:

um 

caderno de conhecimentos gerais;

um 

caderno de conhecimentos específi -

cos para cada área/disciplina escolhida;
uma 

folha de redação;

um 

cartão-resposta que contém o seu 

nome, número de inscrição e espaço para 
assinatura.



Confi ra o número que você obteve 
no ato da inscrição com o que está 
indicado no cartão-resposta.

Verifi que, nos cadernos de provas, se faltam folhas, se a seqüência de questões, no total de 10 
(dez) para cada caderno, está correta e se há imperfeições gráfi cas que possam causar dúvidas.

Comunique imediatamente ao fi scal qualquer irregularidade.

Não é permitido qualquer tipo de consulta 
durante a realização da prova.

Para cada questão são apresentadas 5 
(cinco) alternativas diferentes de respostas 
(a, b, c, d, e). Apenas uma delas constitui a 
resposta correta em relação ao enunciado 
da questão.

A interpretação das questões é parte 
integrante da prova, não sendo permitidas 
perguntas aos fi scais. 

Não destaque folhas da prova.

Ao terminar a prova, entregue ao fi scal os cadernos de provas completos, a folha de redação e o 
cartão-resposta devidamente preenchido e assinado.

O gabarito da prova será divulgado no site

http://pspmf.fepese.ufsc.br

fepese-2006-prefeitura-de-florianopolis-sc-professor-series-iniciais-2-prova.pdf-html.html

Secretaria Municipal de Educação

Página 3

Conhecimentos Específi cos

(10 questões)

21. Conforme Magda Soares (2001), na segunda 

metade dos anos 80, o Brasil passou a enfrentar uma 
nova realidade social em que não basta apenas ler e 
escrever. Surge então, entre os especialistas brasileiros 
das áreas de Educação e das Ciências Lingüísticas, o 
termo letramento que designa:

(  )  o estado ou condição de quem sabe ler e 

escrever, sem contudo responder adequada-
mente às demandas sociais.

( X )  o estado ou a condição que adquire um gru-

po social ou um indivíduo que passam a fazer 
uso social da leitura e da escrita, envolvendo-
se nas práticas sociais decorrentes dessa apro-
priação.

(  )  a mera aquisição da tecnologia do ler e escre-

ver, sem a devida inserção nas práticas sociais 
de leitura e escrita.

(  )  a simples presença da habilidade de transcre-

ver em linguagem escrita o sistema fonográfi -
co, sem inseri-la nas práticas sociais de leitura 
e escrita.

(  )  aquele que apenas aprendeu a ler e a escre-

ver, não aquele que adquiriu o estado ou a 
condição de quem se apropria da leitura e da 
escrita.

a.

b.

c.

d.

e.

22. Conforme Leda Verdiani Tfouni(2000) o processo 
de difusão e adoção do sistema escrito pelas socieda-
des foi lento e sujeito a fatores político-econômicos. 

Levando isso em conta, pode-se dizer que:

(  )  os códigos escritos criados pelo homem, quer 

simbolizem diretamente os referentes concre-
tos ou os sons da fala, são produtos neutros, 
expressando somente os códigos da escrita 
que operam nas sociedades.

(  )  os códigos escritos criados pelo homem ex-

pressam suas ações cotidianas que, por sua 

vez, são desvinculadas das condições político-
econômicas.

( X )  os códigos escritos criados pelo homem, quer 

simbolizem diretamente os referentes con-
cretos, ou os sons da fala, não são produtos 
neutros, mas, antes, expressam as relações de 
poder e dominação constituintes da sociedade.

(  )  os fatores político-econômicos infl uenciam a 

construção dos códigos da escrita, mas não 
operam ou expressam a constituição ideoló-
gica das sociedades.

(  )  as relações de poder e dominação presentes 

nas sociedades não repercutem na constitui-
ção dos elementos que confi guram a escrita.

a.

b.

c.

d.

e.

fepese-2006-prefeitura-de-florianopolis-sc-professor-series-iniciais-2-prova.pdf-html.html

Conhecimentos Específi cos

Página 4

23. Os direitos educativos dos jovens e adultos estão 
assegurados no Capítulo III, Seção I – Da Educação da 
Constituição Federal, Artigo 208, inciso I, que garante 
a provisão pública de “ensino fundamental obrigatório 
e gratuito, assegurada, inclusive, sua oferta para todos 
os que a ele não tiveram acesso na idade pró

o tiveram acesso na idade pr

o tiveram acesso na idade pr pria”. Em 

pria”

pria”

2000, o Conselho Nacional de Educação aprovou o 

Parecer 11 e a Resolução 1 que fi xaram Diretrizes Cur-
riculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adul-
tos, regulamentando alguns aspectos da LDB, dentre 
eles, a faixa etária de acesso deste grupo. Com relação 
a esse assunto, pode-se afi rmar:

(  )  A qualidade da escolaridade é garantida pe-

las campanhas para jovens e adultos e não 
requer a continuidade de estudos em níveis 
mais elevados.

(  )  Esta Resolução delimitou a idade mínima para 

ingresso na educação de jovens e adultos aos 

13 anos, para a etapa Fundamental do ensino, 

e aos 17, para o Ensino Médio.

(  )  Esta Resolução delimitou a idade mínima para 

ingresso na educação de jovens e adultos aos 

14 anos, para a etapa Fundamental do ensino, 

e aos 16, para o Ensino Médio.

( X )  Esta Resolução delimitou a idade mínima para 

ingresso na educação de jovens e adultos aos 

14 anos, para a etapa Fundamental do ensino, 

e aos 17, para o Ensino Médio.

(  )  A não inclusão desta faixa etária nos progra-

mas nacionais de renda mínima, livro didático, 
alimentação, transporte e saúde escolar não 
comprometerá o acesso deste grupo etário à 
educação.

a.

b.

c.

d.

e.

24. Conforme Maira Clara Di Pierro (2003), o Cadastro 
das Instituições de Educação Superior organizado 

pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educa-
cionais Anísio Teixeira – INEP, dos 1.306 cursos de Pe-
dagogia existentes no Brasil em 2003, apenas 16 deles 
ofereciam habilitação específi ca para a modalidade 
educação de jovens e adultos. Desse modo, pode-se 
considerar que:

( X )  em virtude da ausência de políticas que arti-

culem organicamente a educação de jovens 
e adultos às redes públicas de ensino básico, 
não há carreira específi ca para educadores 
desta modalidade educativa. Como a forma-
ção específi ca é inexpressiva, a situação mais 
comum é que os docentes que atuam com os 
jovens e adultos sejam os mesmos do ensino 
regular.

(  )  independente da área de atuação dos pro-

fi ssionais da educação seu reconhecimento 

profi ssional, sua valorização social e sua for-
mação acadêmica são somente responsabili-
dade do professor e ocorrem paralelamente 
às políticas educacionais vigentes.

(  )  as estatísticas nacionais registram a existência 

de quase 190 mil professores/as atuando na 
educação básica de jovens e adultos, sendo 
que todos tem formação superior;

(  )  essas informações expressam o numeroso 

contingente de educadores populares – mu-

lheres, em sua esmagadora maioria – que 

com a devida habilitação acadêmica atuam 
voluntária ou profi ssionalmente em projetos 
desenvolvidos por igrejas, movimentos e 
organizações sociais diversas, sobre os quais 
os estudos disponíveis são escassos e pouco 
abrangentes

(  )  estes dados não impedem a formação de um 

corpo técnico especializado ou tão pouco 
difi cultam a organização de projetos pedagó-
gicos específi cos para esta modalidade, mas 
antes ampliam e solidifi cam ações governa-
mentais, possibilidades e resultados qualitati-
vos para iniciativas de formação docente.

a.

b.

c.

d.

e.

fepese-2006-prefeitura-de-florianopolis-sc-professor-series-iniciais-2-prova.pdf-html.html

Secretaria Municipal de Educação

Página 5

25. Quanto às vagas para os diferentes níveis do 
ensino publico e conforme Maria Clara Di Pierro 
(2003) temos hoje para a primeira etapa do Ensino 

Fundamental o poder público municipal com 64,58%, 
enquanto os governos estaduais encarregam-se prio-
ritariamente pela etapa fi nal do Ensino Fundamental 

(57,51%) e pelo Ensino Médio (83,77%). Na Educação 

de Jovens e Adultos, 46,55% das matrículas estão sob 
a responsabilidade dos governos estaduais, enquanto 
os municípios respondem por 45% dos alunos inscri-
tos nessa modalidade. Tendo como referencias estes 
dados pode-se compreender que:

(  )  estes percentuais correspondem ao que é de-

terminado pela legislação nacional no que diz 
respeito a oferta gratuita do ensino público e 
seu compartilhamento entre as esferas gover-
namentais e particulares, dividindo com estes 
a responsabilidade pela Educação Infantil e 
pelo Ensino Fundamental e Médio.

(  )  estes percentuais correspondem ao que é de-

terminado pela legislação nacional no que diz 
respeito a oferta gratuita do ensino público 
e seu compartilhamento entre as esferas de 
governo cobrindo a totalidade da demanda 
apresentada na Educação Infantil e no Ensino 
Fundamental e Médio.

(  )  estes percentuais correspondem em parte ao 

que é determinado pela legislação nacional 
no que diz respeito a oferta do ensino pú-
blico e privado na Educação Infantil, Ensino 
Fundamental e Médio.

(  )  estes percentuais correspondem ao acele-

rado processo de municipalização ocorrido 
no País a partir de 2001, quando entrou em 

vigor o Fundo de Desenvolvimento do Ensino 
Fundamental e Valorização do Magistério 

- FUNDEF

( X )  estes percentuais correspondem ao que é de-

terminado pela legislação nacional no que diz 
respeito a oferta gratuita do ensino público e 
seu compartilhamento entre as esferas de go-
verno, atribuindo aos municípios a responsa-
bilidade pela Educação Infantil e pelo Ensino 
Fundamental, e aos estados os encargos do 
Ensino Fundamental e Médio.

a.

b.

c.

d.

e.

26. Conforme dados do IBGE em 2000, o analfabetis-

mo absoluto atingia mais de 16 milhões de pessoas 
com mais de 15 anos (13,6% desse grupo etário). Na 
Região Nordeste este índice elevava-se para 26,2%, 
enquanto no Sul era de 7,7%. Nas zonas rurais do 
País, 29,8% dos jovens e adultos eram analfabetos 
absolutos, enquanto nas zonas urbanas o índice era 
de 10,2%. A zona rural nordestina registrava índice 
de analfabetismo absoluto de 42,6%, o maior do País. 
Frente a estes dados e conforme Di Pierro (2003)

(  )  é considerado analfabeto absoluto aquele 

que apenas aprendeu ler e escrever.

( X )  é considerado analfabeto absoluto a pessoa 

que não sabe ler e escrever um bilhete simples.

(  )  é considerado analfabeto absoluto aquele 

que responde às exigências de leitura e de 
escrita que a sociedade faz continuamente.

(  )  é considerado analfabeto absoluto aquele 

que aprendeu a ler e escrever um bilhete 
simples.

(  )  é considerado analfabeto absoluto aquele 

que tem capacidade de utilizar a leitura, a es-
crita e o cálculo para fazer frente às demandas 
de seu contexto social.

Considere o excerto abaixo, do conto Casa Velha de 

Casa Velha

Casa Velha

Machado de Assis, para responder as questões 17 e 18.

“A casa, cujo lugar e direção não é preciso dizer, tinha 

entre o povo o nome de Casa Velha, e era-o realmen-
te: datava dos fi ns do outro século. Era uma edifi ca-
ção sólida e vasta, gosto severo, nua de adornos. Eu, 
desde criança, conhecia-lhe a parte exterior, a grande 
varanda da frente, os dois portões enormes, um espe-
cial às pessoas da família e às visitas, e outro destina-
do ao serviço, às cargas que iam e vinham, às seges, 
ao gado que saia a pastar. Alem dessas duas entradas, 
havia, do lado oposto, onde fi cava a capela, um cami-
nho que dava acesso às pessoas da vizinhança, que ali 
iam ouvir missa aos domingos, ou rezar a ladainha aos 
sábados.”

a.

b.

c.

d.

e.

fepese-2006-prefeitura-de-florianopolis-sc-professor-series-iniciais-2-prova.pdf-html.html

Conhecimentos Específi cos

Página 6

27.  Assinale a alternativa correta, de acordo com o 
excerto apresentado na página anterior.

( X )  Na linha 1, o termo cujo classifi ca-se como 

pronome relativo, tendo como antecedente o 
sintagma a casa.

(  )  Na oração Era uma edifi cação sólida e vasta, 

gosto severo, nua de adornos, o sujeito do ter-
mo em destaque é indeterminado.

(  )  Na linha 5, os termos às pessoas e ás visitas 

exercem a função de adjunto adnominal do 
adjetivo especial.

(  )  Nas linhas 7 e 8, o sujeito do verbo havia é o 

sintagma um caminho que dava acesso às pes-
soas da vizinhança.

(  )  Na oração que ali iam ouvir missa aos domin-

gos ou rezar a ladainha aos sábados, o termo 
em destaque pode ser substituído pelo pro-
nome onde.

28.  Assinale a alternativa correta, de acordo com o 
excerto apresentado na página anterior.

(  )  O substantivo ladainha não se acentua grafi -

camente porque é uma palavra proparoxítona.

(  )  O substantivo sege signifi ca uma espécie de 

animal.

(  )  Nas linhas 8 e 9, os termos aos domingos e aos 

sábados exercem a função de objeto indireto.

( X )  Em um caminho que dava acesso às pessoas 

da vizinhança, o termo em destaque exerce a 

função de sujeito.

(  )  Na oração que saia a pastar, o termo em des-

taque funciona como oração fi nal reduzida de 
particípio.

a.

b.

c.

d.

e.

a.

b.

c.

d.

e.

29. Leia a frase abaixo:

“A alfabetização matemática poderia ajudar as pessoas 

a reorganizar suas visões sobre instituições, ações 
políticas e tradições”

Segundo esta frase de Ole Skovsmose (2001), a função 
do ensino de Matemática é:

(  )  Ensinar a técnica de fazer contas de maneira 

ágil.

(  )  Reproduzir a vida antiga, pois os mais velhos 

sabem fazer contas melhor do que as crianças 
de hoje.

(  )  Ajudar a formar organizações sociais e políticas
(  )  Formar crianças preparadas a fazer pesquisas 

inovadoras sobre as novas ciências exatas que 
estão se desenvolvendo no mundo contem-
porâneo.

( X )  Instrumentalizar o sujeito para que este 

compreenda como os números afetam seu 
cotidiano e poder posicionar-se e agir, usando 
estas ferramentas, de maneira autônoma e 
consciente no mundo.

a.

b.

c.
d.

e.

fepese-2006-prefeitura-de-florianopolis-sc-professor-series-iniciais-2-prova.pdf-html.html

Secretaria Municipal de Educação

Página 7

30. Em seu livro “Educação Matemática Crítica - a 
questão da democracia” Ole Skovsmose (2001) escre-
ve que “quando estão elaborando projetos os estu-
dantes tem de trabalhar em grupo e para tornar seu 

trabalho um trabalho de pesquisa “real” eles devem 
ter seus espaços de trabalho, coletar material, receber 
supervisão, etc.” Com isto o autor propõe:

(  )  A aprendizagem signifi cativa se dá através 

da repetição de problemas e exercícios que 
visem fi xar determinado conteúdo. Com isto o 
aluno aprende não se esquecendo mais como 
realizar determinado tipo de conta. Assim, este 
conteúdo adquire signifi cado para este aluno.

(  )  O aprendizado signifi cativo da matemática 

acontece quando o professor explica onde 
usar tal conteúdo, dando o seu signifi cado. 
Posteriormente o professor dá alguns exem-
plos e então os alunos passam a reproduzir os 
exercício propostos.

( X )  Que a matemática é uma linguagem e que 

como tal deve ser compreendida conside-
rando os espaços sociais cotidianos dos 
estudantes,ou seja, é preciso trazer para a sala 
de aula problemas reais, adequados a cada 

faixa etária e sobre eles desenvolver os con-

ceitos e conteúdos escolares.

(  )  Que os alunos devem escolher livremente o 

que estudar e quando estudar. Não é preciso 

forçar, pois a matemática vai aparecer nos 
interesses dos alunos e eles mesmos irão 

construir o saber matemático.

(  )  Que os projetos de pesquisa são importantes 

para os educandos que chegam ao Ensino 

Superior, pois deste modo vão concluir seu 

processo de formação e um trabalho assim dá 
signifi cado a toda a caminhada escolar destes 
sujeitos.

a.

b.

c.

d.

e.

fepese-2006-prefeitura-de-florianopolis-sc-professor-series-iniciais-2-prova.pdf-html.html

Secretaria Municipal de Educação
Rua Conselheiro Mafra, 656 • Centro
88010-300 • Florianópolis • SC
http://www.pmf.sc.gov.br/educa

FEPESE • Fundação de Estudos e Pesquisas Sócio-Econômicos
Campus Universitário • 88040-900 • UFSC • Florianópolis • SC
Fone/Fax: (48) 3233-0737
http://www.fepese.ufsc.br