Prova Concurso - Pedagogia - 2007-PREFEITURA-DE-JOAO-PESSOA-PB-PROFESSOR-EDUCACAO-BASICA-I-TIPO-A - MOVENS - PREFEITURA - 2007

Prova - Pedagogia - 2007-PREFEITURA-DE-JOAO-PESSOA-PB-PROFESSOR-EDUCACAO-BASICA-I-TIPO-A - MOVENS - PREFEITURA - 2007

Detalhes

Profissão: Pedagogia
Cargo: 2007-PREFEITURA-DE-JOAO-PESSOA-PB-PROFESSOR-EDUCACAO-BASICA-I-TIPO-A
Órgão: PREFEITURA
Banca: MOVENS
Ano: 2007
Nível: Superior

Downloads dos Arquivos

prova.pdf
gabarito.pdf

Provas relacionadas

PEDAGOGOUFPA2018
PEDAGOGOUNIFESSPA2018
PEDAGOGOEBSERH2018

Gabarito

movens-2007-prefeitura-de-joao-pessoa-pb-professor-educacao-basica-i-tipo-a-gabarito.pdf-html.html

 

ESTADO DA PARAÍBA 

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA 

SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO 

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DA 

CARREIRA DOS PROFISSIONAIS EM EDUCAÇÃO 

 

GABARITO OFICIAL DEFINITIVO DAS PROVAS OBJETIVAS 

Aplicação: 16/12/2007 

 

 

 
 
Agenda 
 
I – 23 a 25/1/2008 – Período de entrega dos documentos referentes à avaliação de títulos. 
II  –  13/2/2008  –  Data  provável  para  a  divulgação  do  resultado  provisório  da  avaliação  de 
títulos. 

 
 

CARGO 1: ASSISTENTE SOCIAL ESCOLAR – TIPO A 

Questão 

10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25 

Gabarito 

Questão 

26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50 

Gabarito 

 

CARGO 2: ORIENTADOR ESCOLAR – TIPO A 

Questão 

10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25 

Gabarito 

X

 

Questão 

26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50 

Gabarito 

 

CARGO 3: PSICÓLOGO ESCOLAR – TIPO A 

Questão 

10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25 

Gabarito 

X

 

Questão 

26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50 

Gabarito 

 

CARGO 4: SUPERVISOR ESCOLAR – TIPO A 

Questão 

10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25 

Gabarito 

X

 

Questão 

26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50 

Gabarito 

 

CARGO 5: PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA II   

DISCIPLINA: ARTES CÊNICAS – TIPO A 

Questão 

10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25 

Gabarito 

X

 

Questão 

26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50 

Gabarito 

 

movens-2007-prefeitura-de-joao-pessoa-pb-professor-educacao-basica-i-tipo-a-gabarito.pdf-html.html

 

ESTADO DA PARAÍBA 

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA 

SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO 

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DA 

CARREIRA DOS PROFISSIONAIS EM EDUCAÇÃO 

 

GABARITO OFICIAL DEFINITIVO DAS PROVAS OBJETIVAS 

Aplicação: 16/12/2007 

 

 

 

CARGO 6: PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA II 

DISCIPLINA: ARTES VISUAIS – TIPO A 

Questão 

10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25 

Gabarito 

X

 

Questão 

26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50 

Gabarito 

 

CARGO 7: PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA II  

DISCIPLINA: CIÊNCIAS – TIPO A 

Questão 

10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25 

Gabarito 

X

 

X

 

X

 

Questão 

26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50 

Gabarito 

X

 

X

 

X

 

 

CARGO 8: PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA II  

DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA – TIPO A 

Questão 

10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25 

Gabarito 

X

 

Questão 

26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50 

Gabarito 

 

CARGO 9: PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA II 

DISCIPLINA: GEOGRAFIA – TIPO A 

Questão 

10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25 

Gabarito 

X

 

Questão 

26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50 

Gabarito 

 

CARGO 10: PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA II 

DISCIPLINA: HISTÓRIA – TIPO A 

Questão 

10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25 

Gabarito 

X

 

Questão 

26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50 

Gabarito 

 

CARGO 11: PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA II 

DISCIPLINA: INGLÊS – TIPO A 

Questão 

10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25 

Gabarito 

X

 

Questão 

26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50 

Gabarito 

 

movens-2007-prefeitura-de-joao-pessoa-pb-professor-educacao-basica-i-tipo-a-gabarito.pdf-html.html

 

ESTADO DA PARAÍBA 

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA 

SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO 

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DA 

CARREIRA DOS PROFISSIONAIS EM EDUCAÇÃO 

 

GABARITO OFICIAL DEFINITIVO DAS PROVAS OBJETIVAS 

Aplicação: 16/12/2007 

 

 

CARGO 12: PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA II 

DISCIPLINA: MATEMÁTICA – TIPO A 

Questão 

10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25 

Gabarito 

X

 

Questão 

26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50 

Gabarito 

 

CARGO 13: PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA II 

DISCIPLINA: MÚSICA – TIPO A 

Questão 

10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25 

Gabarito 

X

 

Questão 

26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50 

Gabarito 

 

CARGO 14: PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA II 

DISCIPLINA: PORTUGUÊS – TIPO A 

Questão 

10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25 

Gabarito 

Questão 

26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50 

Gabarito 

 

CARGO 15: PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA I – TIPO A 

Questão 

10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25 

Gabarito 

Questão 

26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50 

Gabarito 

 

CARGO 15: PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA I – TIPO B 

Questão 

10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25 

Gabarito 

Questão 

26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50 

Gabarito 

 

Legenda: 
 
     X      = questão anulada  
 
 

= questão com gabarito alterado 

 

Prova

movens-2007-prefeitura-de-joao-pessoa-pb-professor-educacao-basica-i-tipo-a-prova.pdf-html.html

C O N C U R S O P Ú B L I C O

I N S T R U Ç Õ E S

CRONOGRAMA

ETAPA

DATA

Divulgação do gabarito oficial preliminar das provas objetivas, no endereço eletrônico
www.movens.org.br, a partir das 17 horas.

18/12/2007

Prazo para entrega de recursos contra o gabarito oficial preliminar das provas objetivas

19 e 20/12/2007

Data provável para divulgação do resultado final das provas objetivas e convocação para entrega dos
documentos referentes à avaliação de títulos

22/1/2008

Período de entrega dos documentos referentes à avaliação de títulos

23 a 25/1/2008

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA/PB

Confira seus dados pessoais na sua folha de

respostas. Verifique também se o nome do cargo e o tipo de
prova impressos neste caderno correspondem aos
indicados na sua folha de respostas. Em seguida, verifique
se este caderno contém

questões,

corretamente ordenadas de a

. As provas objetivas são

constituídas de questões com cinco opções (A, B, C, D e E) e

.

Em caso de divergência de dados e/ou de defeito

no caderno de provas, solicite providências ao fiscal de sala
mais próximo.

Transcreva as respostas das questões para a sua

folha de respostas, que é o

para

a correção das provas e cujo preenchimento é de sua
exclusiva responsabilidade. Serão consideradas marcações
indevidas as que estiverem em desacordo com o
estabelecido no edital de abertura ou na folha de respostas,
tais como marcação rasurada ou emendada, ou campo de
marcação não-preenchido integralmente. Em hipótese
alguma haverá substituição da folha de respostas por erro
de preenchimento por parte do candidato.

cinqüenta

1 50

uma única resposta correta

único documento válido

Recomenda-se não marcar respostas ao acaso, pois

cada questão cuja resposta divirja do gabarito oficial, além de
impossibilitar pontuação, acarretará apenação, conforme
consta no edital de abertura.

Para a marcação na folha de respostas, utilize

somente caneta esferográfica de tinta

. Não é permitida

a marcação na folha de respostas por outra pessoa,
ressalvados os casos de atendimento especial previamente
deferidos.

É vedado amassar, molhar, dobrar, rasgar ou, de

qualquer modo, danificar a sua folha de respostas, sob pena de
arcar com os prejuízos decorrentes da impossibilidade de
realização da leitura óptica.

A duração das provas é de

horas. Você deverá

permanecer obrigatoriamente em sala por, no mínimo, uma
hora após o início das provas e poderá levar este caderno
somente no decurso dos últimos quinze minutos anteriores ao
horário determinado para o seu término.

A desobediência a qualquer uma das determinações

constantes no presente caderno ou na folha de respostas
implicará a anulação das suas provas.

preta

quatro

TIPO A

CARGO 15

PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA I

TARDE

movens-2007-prefeitura-de-joao-pessoa-pb-professor-educacao-basica-i-tipo-a-prova.pdf-html.html

Concurso Público - PMJP -  Carreira dos Profissionais em Educação

2

PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA I

U t i l i z e   e s t e   e s p a ç o   p ar a   r a s c u n h o

movens-2007-prefeitura-de-joao-pessoa-pb-professor-educacao-basica-i-tipo-a-prova.pdf-html.html

Concurso Público - PMJP -  Carreira dos Profissionais em Educação

3

PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA I

CONHECIMENTOS

BÁSICOS

Leia o texto a seguir para responder às questões de
1 a 9.

O que sabemos sobre as crianças?

Das crianças, esses seres alados, sabemos muito

pouco. Por mais que estudemos Piaget, Vygotsky, Freinet
ou criemos novas teorias sobre o desenvolvimento da
criança, mesmo assim, continuamos num saber pouco,
muito pouco. As crianças não entendem nossa língua. E,
pelo que me parece, os adultos não querem aprender a
linguagem da infância. Muito pelo contrário. Nossa
preocupação primeira é alfabetizar o jardim da infância.
Nossa preocupação inteira é fazer com que a criança
deixe de ser criança o quanto antes. Que ela veja o
mundo não mais com seus olhos, mas com os olhares
de seus pais e de seus professores.

Para que tanta pressa? Se a criança não anda com

um ano de idade, compramos logo um “andajá” — aquele
saco com rodas. Se ela sai do jardim da infância sem
conhecer as vogais e o alfabeto, ficamos preocupados e
contratamos uma professora de reforço escolar.
Compramos um caderno de caligrafia. Compramos
cartilhas, mas não compramos literatura. Mandamos fazer
a tarefa escolar, mas não brincamos com ela.
Reclamamos de quase tudo o que ela faz, mas não
contamos histórias nem cantamos acalanto. É triste, mas
parece que criamos nossas crianças sem sentir a sua
infância. Olhamos para elas e só pensamos como pode
ser sua vida adulta e profissional. Matriculamos nossos
filhos no maternal já pensando na competição do
vestibular. E as crianças? Alguém já perguntou o que
elas pensam disso tudo? Quem é doido de perguntar?
Quem é mais doido ainda de ouvi-las?

Então, é melhor comprarmos presentes e mais

presentes. E nada de jogos educativos ou brinquedos
artesanais. Compremos bonecas barbies, digimons,
pokemons e outros mons. Se não for assim, não terá
graça quando ela for assistir à TV ou mostrar seus
presentes para os amigos. Outro troço! Compramos os
presentes das crianças não apenas para se divertirem,
mas para esbanjarem o preço e a etiqueta. (...)

Mas, espera aí. Este texto está ficando muito amargo.

Então, voltemos para o olhar da criança. Olhemos para
ela brincando na poeira com uma pedra que lhe cabe na
mão; vendo as coisas sempre pela primeira vez; sentindo
o tato do mundo de pés descalços e vendo as coisas ao
redor com o olhar distraído; cultivando as coisas
aparentemente insignificantes e miúdas. Um olhar
despojado de qualquer esquema codificado de ler o
mundo. Apenas um olhar de criança que brinca e inventa;
que ainda tem a capacidade de se admirar com as coisas
do mundo; que o vivencia não como uma coisa
absolutamente normal — como faz a maioria dos
adultos —, mas como algo enigmático, perene e
brincante.

No mais, não pense só no brinquedo, pense também

na brincadeira e na aventura. Ela pode ser do tamanho
de um universo e durar uma vida inteira. Pode ser uma
coisa cara qual o quê. Mas pode ser também uma coisa
miúda como uma pedrinha engraçada ou cócegas no
ouvido. Pode ser um riso, um salto, uma corrida. Quem
sabe um colo, um acalanto, um sonho. Talvez uma
cambalhota, um abraço, um vagar. Sei lá! Um dedo de
criança apontando para as pedras como se cada pedra
fosse todo um universo.

Fabiano dos Santos. Internet: http://www.patio.com.br/labirinto.

Acesso em 28/11/2007 (com adaptações).

Q

UESTÃO

 1

A respeito das idéias e da tipologia do texto, assinale

a opção correta.

(A) As advertências aos adultos quanto à educação das

crianças caracterizam o texto como descritivo.

(B) O texto é uma narração, e o emprego da primeira

pessoa do plural sinaliza que o narrador também é

personagem do enredo.

(C) A idéia central do texto é a de que, apesar de

estudarem o comportamento das crianças, os

adultos ainda ignoram o universo infantil.

(D) O texto é essencialmente argumentativo, e sua tese

central refere-se ao descaso e à banalização dos

adultos em relação à educação infantil.

(E) Ao retratar um problema de socialização das

crianças devido ao avanço tecnológico, o narrador

emite julgamentos que condenam o comportamento

adulto.

Q

UESTÃO

 2

Quanto aos aspectos morfológicos e semânticos do

texto, assinale a opção correta.

(A) O uso das aspas na palavra “andajá” (linha 14)

indica que este é um termo técnico.

(B) A expressão “Outro troço!” (linha 35) pode ser

substituída por Outrora! sem que haja mudança

de significado do texto.

(C) O verbo “esbanjarem” (linha 37) poderia ser

perfeitamente substituído por desperdiçarem,

mantendo-se o sentido e as idéias do texto.

(D) A palavra “amargo” (linha 38) está empregada com

sentido conotativo.

(E) No último parágrafo, a expressão “um vagar” (linha

59) está empregada com o sentido oposto à idéia

de caminhar.

Q

UESTÃO

 3

Das palavras do texto listadas nas opções a seguir,

assinale a que segue a mesma regra de acentuação

de “distraído”.

(A) “andajá”

(B) “enigmático”

(C) “também”

(D) “cócegas”

(E) “miúdas”

Q

UESTÃO

 4

Assinale a opção em que a expressão do texto pode

ser substituída pela forma proposta em destaque sem

que haja mudança de sentido ou ocorra erro

gramatical.

(A) “mesmo assim” (linha 4) por sendo assim.

(B) “mas” (linha 19) por pois.

(C) “já” (linha 26) por mesmo.

(D) “Se não for assim” (linha 33) por Caso contrário.

(E) “No mais” (linha 52) por Ainda que.

1

5

10

15

20

25

30

35

40

45

50

55

60

movens-2007-prefeitura-de-joao-pessoa-pb-professor-educacao-basica-i-tipo-a-prova.pdf-html.html

Concurso Público - PMJP -  Carreira dos Profissionais em Educação

4

PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA I

Q

UESTÃO

 5

Acerca das idéias apresentadas no texto, julgue os
itens a seguir.

I

– As crianças são seres inabilitados e

menosprezados pelos adultos.

I I – Na infância, existe um universo particular e rico

ignorado pelos adultos.

III – Adultos se comportam como crianças quando

compram presentes para seus filhos.

I V – Na infância, mais do que a diversão, o consumismo

é incentivado pelos adultos.

Estão certos apenas os itens

(A) I e II.
(B) I e III.
(C) II e III.
(D) II e IV.
(E) III e IV.

Q

UESTÃO

 6

No texto, há várias frases nas quais são empregadas
expressões em sentido figurado, cuja significação
não é literal e extrapola o que está realmente
explícito. Nas frases a seguir, julgue se as expressões
em destaque estão ou não em sentido figurado.

I

– “As crianças não entendem nossa língua”.

II – “Compramos cartilhas, mas não compramos

literatura”.

III – “Olhemos para ela brincando na poeira com uma

pedra que lhe cabe na mão”.

I V – “Sentindo o tato do mundo de pés descalços e

vendo as coisas ao redor com o olhar distraído”.

Os itens em que as expressões em destaque estão
em sentido figurado são:

(A) I e II.
(B) I e IV.
(C) II e III.
(D) II e IV.
(E) III e IV.

Q

UESTÃO

 7

A respeito dos aspectos lingüísticos do texto, assinale
a opção INCORRETA.

(A) Na oração “As crianças não entendem nossa língua”,

o sujeito é simples.

(B) Em “Das crianças, esses seres alados, sabemos

muito pouco”, a palavra alados tem valor adjetivo.

(C) Na oração “Mandamos fazer a tarefa escolar, mas

não brincamos com ela” (linhas 19 e 20), o pronome
ela refere-se a criança.

(D) Na frase “não pense só no brinquedo, pense

também na brincadeira e na aventura”, as palavras
não, só e também têm valor adverbial.

(E) Em “mas como algo enigmático, perene e

brincante”, enigmático e brincante são

substantivos primitivos.

Q

UESTÃO

 8

Quanto à pontuação do texto, assinale a opção

INCORRETA.

(A) Na oração “compramos logo um ‘andajá’ — aquele

saco com rodas”, o travessão poderia ser substituído

por vírgula, sem prejuízo do significado e da

correção gramatical.

(B) O emprego do ponto de exclamação em “Outro

troço!” e “Sei lá!” justifica-se porque as frases

expressam um valor emocional.

(C) Na oração “Compremos bonecas barbies, digimons,

pokemons e outros mons”, as vírgulas poderiam ser

substituídas por ponto-e-vírgula sem acarretar

prejuízo à correção gramatical.

(D) Na oração “Então, voltemos o olhar para a criança”,

a vírgula é facultativa.

(E) Na oração “mas para esbanjarem o preço e a

etiqueta” (linha 37), a inserção de vírgula logo após

“esbanjarem” acarretaria erro no período.

Q

UESTÃO

 9

E nem mesmo as lições diárias que a vida nos ensina

e que fragilizam uma a uma das nossas certezas, como

peças de um jogo de dominó que vão se sucedendo, nos

fazem compreender que a realidade é dinâmica e ainda

sabemos pouco sobre as crianças e suas culturas. É

provável que elas saibam bem mais sobre nós, adultos,

sobre as instituições que ajudamos a construir, embora

ainda não tenhamos parado para escutá-las, para

compreender suas idéias acerca das nossas pedagogias,

ou sobre o que elas pensam de nós, das escolas infantis,

das creches e pré-escolas que criamos pensando nelas

e nas suas necessidades.

Ana Cristina Coll Delgado. O que nós adultos sabemos sobre

infâncias, crianças e suas culturas? In: Revista Espaço Acadêmico,

n.° 34, mar./2004 (com adaptações).

Comparando o texto acima com o texto O que sabemos

sobre as crianças?, assinale a opção correta.

(A) Os dois textos retratam a dificuldade que os adultos

têm em compreender o universo infantil.

(B) Apesar de contraditórios, os textos apresentam uma

temática comum: as dificuldades de compreender

os problemas da infância.

(C) O segundo texto traz possíveis soluções para os

problemas apontados no primeiro.

(D) Os dois textos abordam o mesmo tema, sendo que

o primeiro apresenta enfoque mais formal quanto à

escrita.

(E) Apesar de serem textos científicos, ambos prezam

por uma linguagem informal e tipicamente coloquial.

movens-2007-prefeitura-de-joao-pessoa-pb-professor-educacao-basica-i-tipo-a-prova.pdf-html.html

Concurso Público - PMJP -  Carreira dos Profissionais em Educação

5

PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA I

Q

UESTÃO

 10

Assinale a opção que NÃO apresenta erro gramatical.

(A) Nos acostumamos a pensar, nas crianças, enquanto

alunas e alunos, geralmente em escolas ou espaços

educativos formais, ou ainda nas crianças dentro

de creches e pre-escolas.

(B) Temos pesquisado, e produzido muito pouco sobre

outros espaços, educativos como a televisão, os

jogos de vídeo-game, as salas da internet etc.

(C) Enfim, pouco nos interessamos pelas crianças e suas

culturas quando estas interagem em espaços que

nós, adultos, ainda desconhecemos, ou pelos quais

temos passado sem refletir de forma mais

prolongada.

(D) No Brasil temos um longo caminho a percorrer, no

que se referem as pesquisas sobre as crianças, suas

experiências e culturas. O campo da sociologia da

infância têm nos ensinado que as crianças são atores

sociais por que interagem com as pessoas, com as

instituições, reagem frente à adultos e desenvolvem

estratégias de luta para participar no mundo social.

(E) Mesmo assim, ainda necessitamos construir

referenciais de análise, que nos permitem conhecer

estes atores sociais, que nos coloca inúmeros

desafios, quer seja na vida privada, ou seja, na

vida pública.

(Opções adaptadas de Ana Cristina Coll Delgado. O que nós

adultos sabemos sobre infâncias, crianças e suas culturas? In:

Revista Espaço Acadêmico, n.° 34, mar./2004.)

Q

UESTÃO

 11

Segundo a Lei de Diretrizes e Bases da Educação

Nacional (LDB — Lei n.º 9.394/1996), a educação

abrange os processos formativos que se

desenvolvem na vida familiar, na convivência

humana, no trabalho, nas instituições de ensino e

pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da

sociedade civil e nas manifestações culturais, e é

concebida como um dever:

(A) exclusivo do Estado, inspirada nos princípios de

liberdade e nos ideais de solidariedade humana.

(B) da família, inspirada nos princípios de liberdade e

compaixão.

(C) da família e do Estado, inspirada nos princípios de

liberdade, soberania e dignidade da pessoa

humana.

(D) da família e do Estado, inspirada nos princípios de

liberdade e nos ideais de solidariedade humana.

(E) do Estado, inspirada nos princípios de liberdade,

soberania e compaixão.

Q

UESTÃO

 12

A LDB disciplina a educação escolar, que se

desenvolve, predominantemente, por meio do

ensino, em instituições próprias, devendo vincular-

se ao mundo do trabalho e à prática social. A respeito

dos fins da educação nacional previstos na LDB,

assinale a opção correta.

(A) A educação tem por finalidade proporcionar o pleno

desenvolvimento do educando, o seu preparo para

o exercício da cidadania e a sua qualificação para o

trabalho.

(B) A educação tem por finalidade primordial preparar

o indivíduo para o trabalho.

(C) A educação tem por finalidade proporcionar o pleno

desenvolvimento do educando, prioritariamente para

a sua participação na obra do bem comum.

(D) A educação tem por finalidade preparar o jovem

para o domínio dos recursos científicos e

tecnológicos que lhe permitam utilizar as

possibilidades e vencer as dificuldades do meio.

(E) A educação tem por finalidade desenvolver o

educando e suas potencialidades como elemento

de auto-realização.

movens-2007-prefeitura-de-joao-pessoa-pb-professor-educacao-basica-i-tipo-a-prova.pdf-html.html

Concurso Público - PMJP -  Carreira dos Profissionais em Educação

6

PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA I

Q

UESTÃO

 13

Considere a seguinte situação hipotética.

Uma escola situada na área rural de um município da

Paraíba atende a 180 alunos, que estão divididos nas
quatro primeiras séries do Ensino Fundamental. Pelo fato
de a maioria desses alunos trabalharem na monocultura
do arroz, um dos problemas enfrentados pela diretoria
da escola é manter a freqüência do corpo discente no
período da colheita do grão, tendo muitos alunos repetido
o ano várias vezes, por não conseguirem o mínimo
exigido de freqüência e por apresentarem dificuldades
em acompanhar a turma. Além disso, existe mais uma
agravante: o aumento de dias letivos previsto na LDB
vigente.

A respeito dos temas apresentados na situação acima
e com base no que preceitua a LDB, assinale a opção
correta.

(A) Em razão das peculiaridades econômicas e climáticas

locais, a diretoria da escola poderá adequar o
calendário escolar, reduzindo o número de horas
letivas previsto na lei.

(B) A diretoria da escola deverá adotar a carga horária

mínima anual de oitocentas horas, distribuídas por
um mínimo de cento e oitenta dias de efetivo trabalho
escolar.

(C) A avaliação do desempenho dos alunos deve ser

contínua e cumulativa, com prevalência dos aspectos
quantitativos sobre os qualitativos, verificados
somente nos resultados das provas finais.

(D) O controle da freqüência fica a cargo da escola e,

portanto, a diretoria deve exigir freqüência mínima
de cinqüenta e cinco por cento do total de horas
letivas para aprovação e de pelo menos 4 horas de
trabalho efetivo em sala de aula.

(E) Para os casos de baixo rendimento escolar, a escola

deve promover obrigatoriamente  estudos de
recuperação, de preferência paralelos ao período
letivo, bem como a possibilidade de aceleração de
estudos para alunos com atraso escolar.

Q

UESTÃO

 14

Considerando a LDB, assinale a opção correta acerca
dos currículos do Ensino Fundamental.

(A) Os currículos não precisam abranger,

obrigatoriamente, o estudo da Língua Portuguesa e
Matemática na sua base comum.

(B) O ensino das Artes e da Educação Física escolar

constituem componentes curriculares obrigatórios
da Educação Básica.

(C) A Educação Física é componente curricular

obrigatório para todos os alunos da Educação
Básica, incluídos aqueles com mais de 30 anos de
idade e os que têm prole.

(D) No ensino de História do Brasil não é necessário

levar em consideração as contribuições da cultura
indígena para a formação do povo brasileiro.

(E) Os conteúdos curriculares da Educação Básica

devem observar a orientação para o trabalho e a
promoção do desporto educacional,
desconsiderando, no entanto, as condições de
escolaridade dos alunos em cada estabelecimento.

Q

UESTÃO

 15

Em relação à Educação Infantil, primeira etapa da
Educação Básica, assinale a opção correta, com base
nos dispositivos da LDB.

(A) Tem como finalidade o desenvolvimento integral da

criança de até oito anos de idade, em seus aspectos
físico, psicológico, intelectual e social, completando
a ação da família e da comunidade.

(B) Tem caráter obrigatório e gratuito na escola pública.
(C) A avaliação se faz mediante aplicação de testes

com o objetivo de promover o acesso da criança ao
Ensino Fundamental.

(D) A avaliação é feita por acompanhamento e por

registro do desenvolvimento das crianças, sem o
objetivo de promoção, mesmo para o acesso ao
Ensino Fundamental.

(E) Atende somente crianças de até três anos de idade

e é oferecida, exclusivamente, em creches.

Q

UESTÃO

 16

Considere que a Diretora de uma escola pública de
João Pessoa enviou um ofício à Secretaria de
Educação do seu município explicando o motivo pelo
qual não aceitou a matrícula dos irmãos portadores
de deficiência auditiva na primeira série. Leia a
seguir a comunicação.

Confesso que fico com pena, mas analise a realidade

de nossa escola, que atende a 130 alunos no Ensino
Fundamental e que estão assim distribuídos: duas turmas
de primeira série, uma com 37 e a outra com 40 alunos;
uma turma de segunda série com 18 alunos; uma turma
de 3.

a

 série com 15 alunos e uma turma de 4.

a

 série com

20 alunos. A superlotação nas primeiras séries é
agravada pelo número de alunos repetentes, pois a
maioria está na mesma série há três anos consecutivos.
Para o próximo ano, tendo em vista que muitos
continuarão repetindo a primeira série, não sei como
farei para aceitar os alunos normais da comunidade.
Reitero a impossibilidade de aceitar a matrícula dessas
crianças, contando com a sua compreensão.

  A Direção.

Tendo como fundamento as disposições da LDB
acerca da Educação Especial, é correto afirmar que
a decisão da Diretora

(A) apóia-se no fato de que não cabe ao poder público

assegurar educação escolar para educandos
portadores de necessidades especiais.

(B) é procedente, tendo em vista que o atendimento

educacional para educandos portadores de
necessidades especiais deve ser feito
preferencialmente em classes, escolas ou serviços
especializados e não no ensino regular.

(C) tem por base o fato de que a oferta da educação

especial, apesar de ser dever constitucional do
Estado, tem início no Ensino Médio.

(D) está de acordo com a legislação brasileira, que

prevê que alunos portadores de deficiência, por não
apresentarem capacidade de inserção no mercado
de trabalho competitivo, devem ser atendidos em
serviços especializados.

(E) contraria a legislação brasileira, que prevê que o

poder público assegurará espaços adequados e
facilitados, currículos próprios, métodos, técnicas e
recursos pedagógicos e tecnológicos para atender
aos educandos com necessidades especiais,
preferencialmente na rede regular de ensino.

movens-2007-prefeitura-de-joao-pessoa-pb-professor-educacao-basica-i-tipo-a-prova.pdf-html.html

Concurso Público - PMJP -  Carreira dos Profissionais em Educação

7

PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA I

Q

UESTÃO

 17

Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) estão

alicerçados na Constituição Federal de 1988, na Lei

de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) e,

por conseguinte, comprometidos com a cidadania

defendida nessas Leis, apresentando como princípios

para orientar a educação escolar do país:

I

– dignidade da pessoa humana.

II – igualdade de direitos.

III – participação.

I V – co-responsabilidade pela vida social.
V

– solidariedade humana.

Estão certos apenas os itens

(A) I, II, III e IV.

(B) I, II, IV e V.

(C) II, III, IV e V.

(D) II, III e V.

(E) III, IV e V.

Q

UESTÃO

 18

Os Parâmetros Curriculares Nacionais têm como

função orientar e garantir a coerência dos

investimentos no sistema educacional, socializando

discussões, pesquisas e recomendações, subsidiando

a participação de técnicos e professores brasileiros,

principalmente daqueles que se encontram mais

isolados, com menor contato com a produção

pedagógica atual.  Assinale a opção correta a

respeito dos PCNs.

(A) É uma referência curricular e não um currículo

obrigatório, homogêneo e impositivo.

(B) Além das disciplinas tradicionais, como Língua

Portuguesa e Matemática, Geografia e Ciências, os

PCNs incluem novas áreas, por meio dos chamados

temas transversais, que contemplam Orientação

Sexual, Meio Ambiente, Educação Especial e

Educação de Jovens e Adultos.

(C) Para cada disciplina, há um parâmetro, que contém

uma exposição sobre seus fundamentos e os

diferentes elementos curriculares, que são dois:

Caracterização das Áreas e Avaliação.

(D) A orientação proposta nos PCNs reconhece a

importância da participação construtiva do aluno e

considera a aprendizagem como um processo que

se desenvolve por etapas.

(E) Para que se possa discutir uma prática escolar que

realmente atinja seus objetivos, os PCNs apontam

questões de tratamento didático apenas por ciclos.

Q

UESTÃO

 19

Considere o seguinte relato de uma professora de

uma turma do 1.º ano do Ensino Fundamental, que

tem observado Esaú, um aluno de seis anos de idade

que, por repetidas vezes, tem a mesma atitude na

hora das brincadeiras.

“Esaú estava brincando de boneca e com uma bolsa

a tiracolo, quando sua avó chegou para buscá-lo. Ela

imediatamente alterou a voz, pedindo-lhe que largasse

aqueles objetos. Em seguida, sua fisionomia mostrava

preocupação.”

Sabendo que a vivência da sexualidade para cada

indivíduo inclui fatores oriundos de ordens distintas

(aprendizado, descoberta e invenção), um bom

trabalho de educação sexual que a professora

poderia fazer, tendo por base os Parâmetros

Curriculares Nacionais de Orientação Sexual, deveria

considerar

(A) a relevância sociocultural, isto é, conteúdos que

correspondem às questões apresentadas pela

sociedade ocidental do século passado.

(B) as dimensões psíquica e ambiental da sexualidade.

(C) a possibilidade de se trabalhar com transformações

do corpo, iniciação sexual, pornografia, prostituição,

abuso sexual, desejo sexual e masturbação, sem

ter em conta a faixa etária, preocupando-se

eminentemente com a cultura regional.

(D) a organização dos conteúdos em três blocos —

corpo como matriz da sexualidade, relações de

gênero e prevenção às doenças sexualmente

transmissíveis/AIDS —, a serem necessariamente

trabalhados e relacionados aos tópicos eleitos pelos

educandos.

(E) a flexibilidade dos conteúdos, de forma a abranger

as necessidades específicas de cada turma, a cada

momento, sem precisar de um currículo mínimo ou

parâmetros e sem garantir informações e

discussões básicas sobre sexualidade.

movens-2007-prefeitura-de-joao-pessoa-pb-professor-educacao-basica-i-tipo-a-prova.pdf-html.html

Concurso Público - PMJP -  Carreira dos Profissionais em Educação

8

PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA I

Q

UESTÃO

 20

Acerca das contribuições apresentadas pelos

Parâmetros Nacionais de Qualidade para a Educação

Infantil, assinale a opção INCORRETA.

(A) Considerando o objetivo de estabelecer padrões

de referência orientadores para o sistema

educacional, no que se refere à organização e ao

funcionamento das instituições de Educação Infantil,

os Parâmetros Nacionais de Qualidade para a

Educação Infantil surgem como forma de

contribuição a este nível da Educação Básica.

(B) A sociogenética, que recebe contribuições

significativas de autores como Vygostsky, considera

o desenvolvimento da personalidade como de

natureza social. Considerando esse aspecto, é

correto afirmar que umas das premissas dos

referidos parâmetros baseia-se nessa perspectiva,

levando em consideração que o grupo cultural no

qual a criança se desenvolve lhe fornece formas de

perceber e organizar o real.

(C) Os Parâmetros Nacionais de Qualidade para a

Educação Infantil são fundamentais por se

caracterizarem como um avanço à LDB, pois

discutem a importância da formação da criança na

primeira etapa da Educação Básica, especialmente

no que se refere aos aspectos psicológico e social,

não abarcados na LDB.

(D) Os resultados das pesquisas sobre os fatores

associados a resultados obtidos por crianças em seu

desempenho cognitivo e socioemocional que estão

ligados a características dos estabelecimentos de

Educação Infantil freqüentados se tornam

importantes à medida que sugerem quais seriam

as dimensões de qualidade estratégicas a serem

priorizadas para se obter os resultados mais

positivos no desempenho presente e futuro das

crianças.

(E) A discussão acerca desses parâmetros aponta para

a necessidade de desenvolvimento de algumas

habilidades importantes pelos profissionais de

Educação Infantil, tais como captar necessidades

que bebês evidenciam antes que consigam falar,

observar suas reações e iniciativas, interpretar

desejos e motivações, a fim de subsidiar as decisões

sobre as atividades desenvolvidas, o formato de

organização do espaço, do tempo, dos materiais e

dos agrupamentos de crianças.

CONHECIMENTOS

ESPECÍFICOS

Q

UESTÃO

 21

Leia o texto a seguir.

Durante o Conselho de Classe, um professor e um

supervisor iniciaram uma discussão:

— As causas das reprovações e dos fracassos devem

ser buscadas em outro lugar, não na criança!

— Que lugar?
— Nos mecanismos secretos da escola!
— Secretos? “Pera aí”...
— Apesar de toda a boa vontade e de todo o esforço

de alguns professores, a realidade é que o próprio
funcionamento da escola que seleciona o elimina!

E o professor continuou...
— A escola é uma máquina, programada de tal

maneira que, em geral, acaba promovendo e valorizando
o filho de um professor, por exemplo, e rejeitando o filho
de um operário! A escola atua no aperfeiçoamento da
ordem social vigente e aplica a tecnologia
comportamental!

O supervisor escolar exclamou:
— Essa não, essa é forte! Quero provas, evidências,

fatos...

Babette Harper, et al. Cuidado, Escola!Desigualdades, domesticação

e algumas saídas, 35.ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1994

(com adaptações).

Assinale a opção que apresenta a tendência
pedagógica condizente com a postura adotada pela
escola referida no diálogo acima.

(A) Tendência liberal tradicional
(B) Tendência liberal renovada não-diretiva
(C) Tendência tecnicista
(D) Tendência liberal renovada progressista
(E) Tendência progressista crítico-social dos conteúdos

Q

UESTÃO

 22

Acerca dos processos de alfabetização e letramento,
e do papel da escola nesse sentido, julgue os itens
que se seguem como Verdadeiros (V) ou Falsos (F)
e assinale a opção correta.

I

– A alfabetização envolve um complexo processo

de elaboração de hipóteses acerca da
representação lingüística.

II – A pessoa que sabe ler e escrever pensa melhor

do que aquela que não teve acesso ao ensino
escolar, porque o certo é falar do jeito que o livro
ensina.

III – Os novos estudos acerca de letramento tendem a

romper a segregação tradicional entre o sujeito
que aprende e o professor que ensina,
possibilitando a alteração das práticas de
alfabetização.

I V – Os estudos sobre letramento permitem

compreender a dimensão sociocultural da língua
escrita e de sua apreensão pelos sujeitos
envolvidos na aprendizagem.

A seqüência correta é

(A) V, F, V, F.
(B) V, V, F, V.
(C) V, F, V, V.
(D) V, F, F, V.
(E) F, F, V, F.

movens-2007-prefeitura-de-joao-pessoa-pb-professor-educacao-basica-i-tipo-a-prova.pdf-html.html

Concurso Público - PMJP -  Carreira dos Profissionais em Educação

9

PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA I

Q

UESTÃO

 23

Leia o texto a seguir.

Felipe é veemente ao narrar certos episódios de sua

vida escolar, que traduzem aspectos da filosofia

educacional da época. Mesmo depois de passados mais

de trinta anos, lembra das posturas e metodologias

adotadas pelas professoras: (…) eu me lembro que na

4.

a

 série a professora me chamou para resolver uns

problemas de matemática na lousa. Eu era bom aluno,

mas não sei por que na hora eu não consegui resolver.

Sabe quando te dá um branco? Me lembro que a

professora usava uns tamancos altos, sabe? Ela tirou o

tamanco para me bater! Só não me bateu porque na

hora eu me lembrei (risos).

Teresa C. Rego. Memórias da Escola. Cultura escolar e

constituição de singularidade. Rio de Janeiro: Vozes, 2003

(com adaptações).

Com base no relato apresentado acima e

considerando as questões referentes à didática em

relação às tarefas do professor, julgue os itens a

seguir como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e assinale

a opção correta.

I

– A sala de aula é espaço-tempo no qual se dão as

relações diretas e imediatas do ensinar e do

aprender, além da abrangência das relações

educativas e dos conteúdos da aprendizagem.

II – Torna-se rica a sala de aula que não tem memória,

isto é, que não registra seu processo, os temas

tratados, as atividades desenvolvidas, as

discussões e as sistematizações.

III – É pré-condição para a autoridade do professor a

sua inserção no coletivo da profissão, por meio

da formação adequada em que se articulem as

dimensões ética, política e técnica.

I V – Na concepção emancipadora e dialógica, o

professor pode se ocupar com a mera transmissão

de conhecimentos, pois ensinar é repetir, é não

reconstruir as aprendizagens.

V

– A educação autêntica não se faz de A para B ou

de A sobre B, mas de A com B, mediatizados pelo

mundo.

A seqüência correta é

(A) V, F, F, V, F.

(B) V, F, V, F, V.

(C) F, F, V, V, V.

(D) F, V, F, F, V.

(E) V, V, F, V, F.

Q

UESTÃO

 24

Leia o relato a seguir.

Minha filha traz para casa sua prova bimestral de

Matemática. Juliana cursa a 2.

a

 série. Eu observo uma

das questões:

“Leonora tem 15 balas. Leonel tem 8 balas. Quantas

balas Leonora tem a mais que Leonel?” Juliana responde:
“Leonora tem 7 balas a mais que Leonel.”

E resolve da seguinte maneira: “8+7=15”.
O professor traça uma cruz vermelha grande na

operação para a resolução do problema efetuada por
Juliana. Considera absolutamente errada a questão.
Corrige ao lado com a operação: “15-8=7”.

Percebo, entretanto, que Juliana, segundo um princípio

de reversibilidade (realizar operações inversas),
encontrou outra alternativa de solução. Analiso, por outro
lado, a expressão “a mais” presente no exercício e me
reporto a pesquisas que comprovam dificuldades das
crianças na compreensão dessas expressões.

Jussara Hoffmann. Avaliação: mito e desafio. Uma perspectiva

construtivista. Porto Alegre: Mediação, 2003

(com adaptações).

Esse episódio revela a arbitrariedade na
interpretação de uma resposta formulada pelo aluno,
o que leva a considerar-se que esse professor

(A) entende o conhecimento como um fenômeno

complexo e integrado, em permanente construção
e reconstrução conceitual.

(B) compreende a educação escolar como prática social

mediadora.

(C) considera o conhecimento dialético, supondo

continuidade e ruptura.

(D) acredita que o conhecimento universal acumulado

é histórico e vai se construindo, mas acredita que
não é algo absoluto e acabado.

(E) apresenta postura não comprometida com a

concepção de erro construtivo nem com a
construção do conhecimento do educando como
processo de superação.

Q

UESTÃO

 25

Considere a seguinte situação hipotética.

Na hora do recreio, a diretora de uma escola municipal

de João Pessoa avisou aos professores que, naquela
semana, receberiam a visita de dois consultores da
Secretaria de Educação para coordenar o processo de
elaboração do Projeto Político-Pedagógico (PPP) da
escola. A Diretora Jane, na ocasião, alertou que os
professores deveriam trazer suas contribuições, pois,
como consta na LDB, a participação dos profissionais na
elaboração do PPP é um princípio da gestão democrática.

Tendo o texto acima como referência inicial, assinale
a opção correta a respeito do tema da construção
do PPP.

(A) Sem desconsiderar que a preocupação da escola

deve ser o melhor atendimento ao aluno, o PPP deve
partir da avaliação objetiva das necessidades e das
expectativas somente dos professores; deve ser
considerado como um processo inconcluso.

(B) O PPP, por ser um processo concluso, não é

suscetível às mudanças necessárias durante sua
concretização.

(C) O projeto deve proporcionar a melhoria da

organização exclusivamente pedagógica; as demais
dimensões (administrativa e financeira) não são
citadas nessa construção.

(D) O PPP deve ser elaborado a médio e a longo prazos

e deve garantir a avaliação periódica da ação
planificada para o redimensionamento das
propostas.

(E) A reflexão sobre a prática pedagógica dos

professores e as teorias que as embasam devem
ser uma prática estanque, cristalizada na unidade
escolar, e o PPP ajuda nessa tarefa.

movens-2007-prefeitura-de-joao-pessoa-pb-professor-educacao-basica-i-tipo-a-prova.pdf-html.html

Concurso Público - PMJP -  Carreira dos Profissionais em Educação

10

PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA I

Q

UESTÃO

 26

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei

n.º 9.394/1996) estabelece, pela primeira vez na

história do Brasil, a Educação Infantil como a primeira

etapa da Educação Básica. Com relação à Educação

Infantil, assinale a opção correta.

(A) A Educação Infantil, instituída como a primeira etapa

da Educação Fundamental, tem como finalidade o

desenvolvimento parcial da criança até doze anos

de idade.

(B) Na Educação Infantil, consideram-se as

especificidades afetivas, emocionais, sociais e

cognitivas das crianças de 0 a 7 anos.

(C) Nas últimas décadas, os debates em nível nacional

e internacional apontam para a necessidade de que

as instituições de Educação Infantil incorporem de

maneiras distintas as funções de educar e cuidar.

(D) O grande desafio da Educação Infantil e de seus

profissionais é compreender, conhecer e reconhecer

o jeito particular das crianças serem e estarem no

mundo.

(E) As novas funções para a Educação Infantil devem

estar dissociadas de padrões de qualidade.

Q

UESTÃO

 27

Acerca da Educação Infantil, assinale opção

INCORRETA.

(A) A expansão da escolaridade, em geral, e o

surgimento das creches e das pré-escolas, em

particular, historicamente obedeceram às

transformações na forma de organização da

sociedade e à nova divisão social do trabalho

instaurada com a urbanização, a industrialização e

o capitalismo.

(B) Ao longo da infância, a criança manifesta

possibilidades de desenvolvimento, condicionada

pelos meios social, cultural e econômico.

(C) Entre o reconhecimento formal, as declarações

internacionais e nacionais, os avanços científicos, o

progresso da prática pedagógica e a efetiva

concretização de um sistema de educação de

qualidade para todas as crianças de 0 a 6 anos,

tem-se aí uma longa distância.

(D) Como sujeito social, a criança é parte intrínseca de

uma família, membro de uma comunidade e inserida

numa sociedade, mas seu desenvolvimento e sua

educação acontecem, exclusivamente, no ambiente

escolar.

(E) O educador deve considerar a criança de forma

integrada nos seus aspectos cognitivos, afetivos,

expressivos, motores e simbólicos, criando

situações para que ela possa construir significados,

explorar o meio a sua volta e, dessa forma,

apropriar-se da realidade.

Q

UESTÃO

 28

Em relação à psicologia do desenvolvimento, julgue

os itens que se seguem.

I

– Os educadores devem estudar o desenvolvimento

do comportamento humano.

II – Os estágios de desenvolvimento, para Piaget, são

divididos em sensório-motor, pré-operacional,

operacional concreto e operacional formal.

III – A psicologia do desenvolvimento apresenta

interface com a psicologia da personalidade, a

psicologia da aprendizagem, a psicologia social, a

psicopatologia, a percepção, a psicologia fisiológica

e, ainda, as ciências afins, como a genética, a

antropologia e a sociologia.

I V – Na psicologia do desenvolvimento o tempo não

serve de escala para analisar comportamentos e

mudanças nem funciona como variável psicológica.

Estão certos apenas os itens

(A) I, II e III.

(B) I, III e IV.

(C) II, III e IV

(D) II e IV.

(E) III e IV.

Q

UESTÃO

 29

No que se refere à legislação aplicada à educação

especial, assinale a opção INCORRETA.

(A) A Constituição Brasileira garante atendimento

educacional especializado aos portadores de

deficiência, preferencialmente na rede regular de

ensino.

(B) O Conselho Nacional de Educação coloca para os

sistemas de ensino o desafio de se organizar para

incluir os alunos e atender às suas necessidades

educacionais especiais.

(C) A educação especial não é considerada integrante

do sistema regular de ensino, e seus fundamentos

são diferentes dos fundamentos da educação geral.

(D) A oferta de educação especial é obrigação do

Estado, definida na Constituição Federal de 1988,

tendo início na Educação Infantil.

(E) A política de inclusão de alunos que apresentam

necessidades educacionais especiais na rede regular

de ensino não consiste apenas na permanência física

desses alunos junto aos demais, mas representa a

ousadia de rever concepções e paradigmas, bem

como desenvolver o potencial deles, respeitando

suas diferenças e atendendo às suas necessidades.

movens-2007-prefeitura-de-joao-pessoa-pb-professor-educacao-basica-i-tipo-a-prova.pdf-html.html

Concurso Público - PMJP -  Carreira dos Profissionais em Educação

11

PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA I

Q

UESTÃO

 30

A denominação educação de jovens e adultos é
recente no País. Desde o Brasil Colônia, quando se
falava em educação para a população não-infantil,
fazia-se referência apenas à população adulta, que
também necessitava ser doutrinada e iniciada nos
ensinamentos cristãos. Considerando essas
informações e os estudos desenvolvidos no âmbito
da alfabetização de jovens e adultos, assinale a
opção correta.

(A) A primeira experiência extensiva com o método

Paulo Freire na educação de jovens e adultos foi
implantada na Paraíba. Realizada com recursos
provenientes do próprio Estado, a experiência atingiu
cerca de 800 alunos.

(B) A metodologia de Paulo Freire, que tem o educando

na condição de objeto do ensino, preconiza a adoção
de cartilhas e promove um ensino mecanizado.

(C) Em 1940, no Brasil, a educação de adultos tornou-

se relevante, apesar dos baixos índices de
analfabetismo no país.

(D) Na percepção de Paulo Freire, os conceitos de

alfabetização e educação estão distanciados e são
bem distintos.

(E) As dificuldades com a educação em massa são

acompanhadas de propostas técnicas pedagógicas
para a educação de adultos que não se limitam à
escolarização, consolidando uma nova pedagogia
de alfabetização de jovens e adultos que tem como
referência Paulo Freire.

Q

UESTÃO

 31

Acerca das tendências pedagógicas, julgue os itens
a seguir como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e em
seguida assinale a opção correta.

I

– As tendências pedagógicas podem ser organizadas

em dois grupos: pedagogia liberal e pedagogia
progressista.

II – Genericamente, pode-se dizer que a perspectiva

redentora se traduz pelas pedagogias liberais, e
a perspectiva transformadora pelas pedagogias
progressistas.

III – O papel da escola na tendência liberal tradicional

consiste na expectativa de que a escola exerça
uma transformação na personalidade dos alunos,
num sentido libertário e autogestionário.

I V – A pedagogia liberal concebe a escola como

mediação entre o individual e o social, exercendo,
nesse contexto, a articulação entre a transmissão
dos conteúdos e a assimilação ativa por parte do
aluno, da qual resulta o saber criticamente
reelaborado.

V

– As tendências pedagógicas, em alguns casos, se

complementam; em outros, divergem.

A seqüência correta é

(A) V, F, F, F, V.
(B) F, V, F, V, F.
(C) V, V, V, F, F.
(D) V, V, F, F, V.
(E) F, F, V, V, F.

Q

UESTÃO

 32

O educador Paulo Freire afirmava que, se a educação
sozinha não transformar a sociedade, sem ela a
sociedade não muda. Considerando a prática escolar
nesse contexto, assinale a opção INCORRETA.

(A) A reflexão crítica sobre a prática é,

indispensavelmente, uma exigência da relação
teoria/prática.

(B) A prática pedagógica é um processo que não

necessita de avaliação.

(C) É necessário respeitar os saberes do educando e

discutir com ele a razão de ser de alguns desses
saberes e sua relação com os conteúdos.

(D) Na formação permanente dos professores, o

momento fundamental é o da reflexão crítica sobre
a prática.

(E) Mais do que transferir conhecimento, a tarefa de

ensinar cria possibilidades para a sua produção.

Q

UESTÃO

 33

A respeito da pedagogia liberal, é correto afirmar
que

(A) o termo “liberal”, nessa tendência, tem sentido de

avançado, democrático, aberto.

(B) se refere à fase de acumulação primitiva de capitais

e de preponderância do capital mercantil sobre a
produção.

(C) sustenta a idéia de que a escola tem por função

preparar o indivíduo para o desempenho de papéis
sociais, de acordo com as aptidões individuais.

(D) é marcada por autoritarismo, supressão dos direitos

constitucionais, perseguição policial e militar, prisão
e tortura dos opositores.

(E) foi o movimento mais importante da história do Brasil

do século XX, porque representou o fim da
hegemonia da burguesia do café.

Q

UESTÃO

 34

Relativamente à pedagogia progressista, julgue os
itens a seguir como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e
assinale a opção correta.

I

– É extraída da problematização da prática de vida

dos educandos.

II – Caracteriza-se por acentuar o ensino humanístico,

de cultura geral, no qual o aluno é educado para
atingir, pelo próprio esforço, sua plena realização
como pessoa.

III – Subordina a educação à sociedade, tendo como

função a preparação de recursos humanos.

I V – Manifesta-se sob três tendências: a libertadora,

a libertária e a crítico-social dos conteúdos.

A sequência correta é

(A) V, V, F, V.
(B) V, F, V, F.
(C) V, V, F, F.
(D) F, F, F, V.
(E) F, F, V, V.

movens-2007-prefeitura-de-joao-pessoa-pb-professor-educacao-basica-i-tipo-a-prova.pdf-html.html

Concurso Público - PMJP -  Carreira dos Profissionais em Educação

12

PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA I

Q

UESTÃO

 35

Com referência à prática profissional do professor
da Educação Infantil, julgue os itens a seguir como
como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e assinale a
opção correta.

I

– Ao se trabalhar com crianças, deve-se estar atento

à difícil passagem ou à  caminhada da heteronomia
para a autonomia.

II – A formação do professor de Educação Infantil

encerra-se com a concretização do seu curso, pois,
uma vez que irá ensinar crianças, não necessita
de formação continuada.

III – Ao desenvolver seu trabalho, o educador deve

possuir uma diversidade de propostas e atividades
que incluam a dimensão lúdica e imaginativa do
pensamento, ter sempre um objetivo claro a ser
atingido e ter a flexibilidade como regra.

I V – O professor tem como papel principal ser o

mediador entre a criança e o objeto do seu
conhecimento, cabendo-lhe as tarefas de lançar
a pergunta à qual a criança ainda não foi exposta,
instigar a sua curiosidade das mais diferentes
maneiras e definir uma ação pedagógica em
consonância com o desenvolvimento da criança.

V

– Na Educação Infantil, o professor deve propiciar

que a criança adquira os primeiros preparos para
o convívio social, tenha as primeiras noções de
valores morais e desenvolva atividades
apropriadas, por meio das quais aprimora suas
capacidades cognitivas e motoras.

A seqüência correta é

(A) V, F, F, V, V.
(B) F, V, F, F, V.
(C) V, F, F, F, V.
(D) V, F, V, V, F.
(E) V, F, V, V, V.

Q

UESTÃO

 36

Com relação ao perfil do profissional de Educação
Infantil, assinale a opção correta.

(A) O trabalho direto com crianças pequenas dispensa

que o professor tenha uma competência polivalente.

(B) A implementação e/ou implantação de uma

proposta curricular de qualidade independe dos
professores que trabalham nas instituições.

(C) A idéia que preside a construção de um projeto

educativo é a de que se trata de um processo
acabado, fixo, mas que demanda reflexão e debates
constantes com todas as pessoas envolvidas e
interessadas.

(D) O comprometimento com a prática educacional é

irrelevante para os profissionais de Educação
Infantil.

(E) A Educação Infantil exige do docente formação

ampla, que deve torná-lo capaz de refletir
constantemente sobre sua prática, debater com seus
pares, dialogar com as famílias e a comunidade e
buscar informações necessárias para o trabalho que

desenvolve.

Q

UESTÃO

 37

O trabalho com o lúdico, representado por

brincadeiras e jogos, tem sido integrado aos

programas de Educação Infantil. Acerca desse

assunto, assinale a opção INCORRETA.

(A) A brincadeira é prazerosa, divertida. Mesmo quando

não é acompanhada de sinais expressivos de

alegria, ainda assim é avaliada, positivamente, por

seus envolvidos.

(B) A criança brinca para conhecer a si própria e aos

outros em suas relações recíprocas, para aprender

as normas sociais de comportamento e os hábitos

determinados pela cultura, para conhecer os objetos

em seu contexto, ou seja, o uso cultural dos objetos,

para desenvolver a linguagem e a narrativa, para

trabalhar com o imaginário, para conhecer os

eventos e os fenômenos que ocorrem a sua volta.

(C) Brincar é uma atividade universal encontrada nos

vários grupos humanos, em diferentes períodos

históricos e estágios de desenvolvimento

econômico. Evidentemente, as várias modalidades

lúdicas não existem em todas as épocas e também

não permanecem imutáveis através dos tempos.

Assim, é correto afirmar que os jogos e as

brincadeiras são transformados continuamente.

(D) Por não desenvolver a aprendizagem, a brincadeira

é considerada uma atividade de lazer que não pode

fazer parte das práticas na Educação Infantil.

(E) A brincadeira faz parte da vida da criança, seja na

escola ou fora dela, funcionando tanto como fonte

de lazer quanto de conhecimento.

Q

UESTÃO

 38

A respeito do ensino de Ciências Sociais e Natureza,

julgue os itens a seguir.

I

– O ensino de Ciências Naturais tem sido praticado

de acordo com diferentes propostas educacionais

que se sucedem ao longo das décadas como

elaborações teóricas e que, de diversas maneiras,

expressam-se nas salas de aula.

II – No contexto da aprendizagem significativa, os

alunos são espectadores dos procedimentos

realizados, observando os modelos fornecidos pelo

professor.

III – O ensino de Ciências Naturais tem como objetivo

a memorização de conteúdos debatidos em sala

pelos estudantes e a repetição automática de

textos que serão cobrados em provas.

I V – No ensino de Ciências Naturais, não há

preocupação em desenvolver atividades práticas

ou projetos.

A quantidade de itens certos é igual a

(A) 0.

(B) 1.

(C) 2.

(D) 3.

(E) 4.

movens-2007-prefeitura-de-joao-pessoa-pb-professor-educacao-basica-i-tipo-a-prova.pdf-html.html

Concurso Público - PMJP -  Carreira dos Profissionais em Educação

13

PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA I

Q

UESTÃO

 40

Crianças aprendem a se comunicar e a organizar

idéias participando de rodas de conversas bem

planejadas. Essa torrente de falas da garotada cria um

espaço de aprendizagem e interação. Saber aproveitá-

la no desenvolvimento da oralidade, da socialização e

da construção de sentidos e conhecimentos é um desafio.

Para que se tenha sucesso, é decisiva a concepção

do educador sobre o pensamento e a linguagem infantis.

Quando a escola busca referenciais teóricos nessa

área e proporciona experiências significativas aos

pequenos, dá-lhes a oportunidade de vivenciar a língua

em seu uso real e fluente.

Amanda Polato. Linguagem: um bate-papo sem fim. In: Revista

Nova Escola. Edição 202, maio/2007, Editora Abril (com

adaptações).

Considerando o texto e a linguagem oral e escrita,

assinale a opção INCORRETA.

(A) A linguagem é responsável pela organização do

pensamento, pela compreensão do mundo e pela

comunicação.

(B) Ler e escrever numa sociedade letrada significa

apropriar-se de um valioso instrumento de

informação e poder que permite a participação na

coletividade e o exercício pleno da cidadania.

(C) Linguagem e conhecimento do mundo estão

intimamente relacionados e ambos passam pela

mediação do outro, do interlocutor.

(D) Para Vygotsky, a linguagem é duplamente

importante: além de ser o principal instrumento de

intermediação do conhecimento entre os seres

humanos, tem relação direta com o próprio

desenvolvimento psicológico.

(E) As linguagens oral e escrita são dispensáveis para

o desenvolvimento social e econômico, uma vez que

isso depende, cada vez mais, de cidadãos críticos.

Q

UESTÃO

 41

O ensino e a aprendizagem são tão antigos quanto à

própria humanidade. Nas tribos primitivas, os filhos

aprendiam com os pais. No decorrer da história da

humanidade, o ensino e a aprendizagem foram

adquirindo cada vez mais importância. Acerca desse

processo, julgue os seguintes itens.

I

– As situações de aprender e ensinar estão limitadas

à sala de aula. Em casa, na rua, no trabalho, no

lazer, em contato com os produtos da tecnologia

ou em contato com a natureza, esse processo não

ocorre.

II – A aprendizagem não é meramente a aquisição de

conhecimentos, conteúdos ou informações, mas

um processo no qual estes elementos adquiridos

passam por um processamento muito complexo,

a fim de se tornarem significativos para a vida

das pessoas.

III – Não existe qualquer relação entre motivação e

aprendizagem.

I V – A aprendizagem pode ser descrita como um

processo de aquisição e assimilação mais ou menos

consciente de novos padrões e novas formas de

perceber, pensar, ser e agir.

V

– O professor é visto como um mediador que auxilia

na aprendizagem do aluno. Essa aprendizagem,

por sua vez, depende do próprio aluno e de outros

fatores.

Estão certos apenas os itens

(A) I, II e IV.

(B) I, III e V.

(C) II, IV e V.

(D) II, III e IV.

(E) III, IV e V.

Q

UESTÃO

 39

Leia a história em quadrinhos a seguir, que faz referência às brincadeiras dramáticas, ao jogo dramático ou
sociodramático, ou faz-de-conta, e assinale a opção correta.

(A) A promoção de atividades que favorecem o envolvimento em brincadeiras, principalmente aquelas que promovem

a criação de situações imaginárias, não exerce uma função pedagógica.

(B) O jogo de dramatização é elaborado sem ser regido por regras.
(C) As brincadeiras dramáticas são uma tendência universal das crianças, que criam um micromundo de papéis e

relações sociais.

(D) O jogo dramático não interfere no processo de desenvolvimento socioemocional e cognitivo.
(E) No jogo dramático, as crianças desenvolvem um entendimento do mundo por meio das representações de papéis,

por isso não se deve utilizar objetos para representar coisas.

movens-2007-prefeitura-de-joao-pessoa-pb-professor-educacao-basica-i-tipo-a-prova.pdf-html.html

Concurso Público - PMJP -  Carreira dos Profissionais em Educação

14

PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA I

Q

UESTÃO

 42

Hoje, em todos os setores da atividade humana, fala-

se muito em planejamento. Se qualquer atividade

exige planejamento, a educação não foge a essa

exigência. A respeito dessa temática, assinale a

opção correta.

(A) É correto afirmar que planejar é estudar; portanto,

planejar é assumir uma atitude séria e curiosa diante

de um problema, refletir para decidir quais as opções

de ação para se alcançar determinados objetivos a

partir de certa realidade.

(B) Na educação, as etapas do planejamento de ensino

são duas: elaborar e executar.

(C) A educação prevê os seguintes tipos de

planejamento: formal e informal.

(D) Para planejar, o conhecimento da realidade que

cerca a comunidade educativa é dispensável, uma

vez que os conteúdos são iguais para todos.

(E) O planejamento deve ser realizado conforme as

necessidades do professor e em função dele.

Q

UESTÃO

 43

Quanto à relação professor/aluno, julgue os itens

seguintes como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e em

seguida assinale a opção correta.

I

– O professor como líder é o grande responsável

pelo relacionamento; sua influência na sala de aula

é muito grande, e a criação de um clima

psicológico que favoreça ou desfavoreça a

aprendizagem depende principalmente dele.

II – Quando o professor exerce uma liderança

democrática, os alunos tedem a ser mais

responsáveis e espontâneos no desenvolvimento

de suas tarefas.

III – Ao professor, é mais sensato sugerir em vez de

impor aos alunos. Dessa forma, o trabalho

pedagógico terá um bom desenvolvimento.

IV – O professor de Educação Infantil deve procurar as

causas de determinados comportamentos infantis

de maneira objetiva e racional, em vez de reprimir

a criança e forçá-la a mudanças para as quais

não está preparada.

V

– Cabe ao professor fazer com que os alunos

trabalhem com ele, e não para ele.

A seqüência correta é

(A) V, F, V, F, F.

(B) F, V, V, F, V.

(C) F, F, F, V, V.

(D) V, V, V, V, V.

(E) V, V, V, V, F.

Q

UESTÃO

 44

Acerca dos componentes do processo de ensino,

assinale a opção correta.

(A) Uma vez selecionados os conteúdos, não se faz

necessária sua organização e adaptação à realidade

educacional.

(B) O conteúdo abrange a organização do

conhecimento, razão pela qual não há necessidade

de que contemple as experiências educativas.

(C) Como um dos critérios que devem ser estabelecidos

ao se selecionar conteúdos, destaca-se a

inflexibilidade, pois os conteúdos selecionados não

podem estar sujeitos a modificações, adaptações e

inovações.

(D) Para a seleção dos conteúdos, é preciso, em função

dos objetivos propostos, considerar aqueles que são

mais importantes e significativos para determinada

realidade e época.

(E) As novas pesquisas no campo da educação mostram

que o mais importante é fornecer ao aluno o maior

número possível de informações.

Q

UESTÃO

 45

No que diz respeito aos procedimentos, à estratégia,

aos métodos e às técnicas de ensino, julgue os itens

a seguir.

I

– A escolha adequada dos métodos e das técnicas

didáticas é uma etapa importante do planejamento

de ensino.

II – Os recursos de ensino são utilizados para tornar

a aula atrativa, não havendo, portanto,

necessidade de estarem vinculados ao tema da

aula.

III – A televisão não pode ser considerada um recurso

de ensino.

I V – A lousa, ou quadro-de-giz, não é um recurso de

ensino.

V

– A escolha do método de ensino deve levar em

conta a experiência didática do professor, as

características dos alunos, os objetivos

educacionais, as condições físicas, o tempo

disponível, a estrutura do assunto e o tipo de

aprendizagem envolvido.

Estão certos apenas os itens

(A) I e III.

(B) I e V.

(C) II e IV.

(D) III e V.

(E) IV e V.

movens-2007-prefeitura-de-joao-pessoa-pb-professor-educacao-basica-i-tipo-a-prova.pdf-html.html

Concurso Público - PMJP -  Carreira dos Profissionais em Educação

15

PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA I

Q

UESTÃO

 46

Considerando o compromisso social e ético do

profissional na área de educação, julgue os itens a

seguir como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e assinale

a opção correta.

I

– A questão ética restringe-se ao plano da aceitação

das normas socialmente estabelecidas e

reduz-se ao problema da criação dos valores por

uma liberdade solitária.

II – A moral situa-se acima da ética porque é capaz

de questioná-la.

III – Postura ética na profissão significa não assumir

uma postura crítica diante da realidade.

A sequência correta é

(A) V, V, V.

(B) F, F, F.

(C) V, F, V.

(D) V, F, F.

(E) F, V, V.

Q

UESTÃO

 47

No que tange ao desenvolvimento humano, a teoria

de Piaget define o período entre 2 e 7 anos de idade

como período

(A) sensorial.

(B) de latência.

(C) pré-operatório.

(D) das operações concretas.

(E) mental.

Q

UESTÃO

 48

É preciso ressaltar que alfabetizar vai muito além

da decodificação de letras, ou seja, do usual

aprender a ler e escrever. É função do professor usar

a metodologia da Língua Portuguesa no processo da

alfabetização, orientando o aluno ao uso da escrita

e da leitura de modo interpretativo, para que seja

possível à criança não só ler e escrever, mas

compreender o que foi lido e saber fazer uso da

palavra. A partir dessas informações, assinale a

opção INCORRETA quanto aos processos de

alfabetização e letramento.

(A) Um indivíduo alfabetizado é necessariamente um

indivíduo letrado, versado nas letras, leitor freqüente

e estudioso.

(B) Alfabetização designa a ação de ensinar e aprender

a ler e a escrever.

(C) Nos âmbitos social e cultural, a pessoa que se torna

letrada adquire novas condições sociais e

perspectivas culturais.

(D) Letramento é o estado ou a condição de quem não

apenas sabe ler e escrever, mas cultiva e exerce as

práticas sociais que usam a escrita.

(E) O indivíduo letrado responde adequadamente às

demandas sociais da leitura e da escrita.

Q

UESTÃO

 49

Julgue os itens subseqüentes no que se refere aos

aspectos que devem ser considerados no

planejamento de uma aula expositiva.

I

– Características dos alunos.

II – Predileção do professor pelo conteúdo ministrado.

III – Duração da aula.

I V – Conhecimento prévio dos alunos sobre o conteúdo.

A quantidade de itens certos é igual a

(A) 0.

(B) 1.

(C) 2.

(D) 3.

(E) 4.

Q

UESTÃO

 50

De acordo com os PCNs, julgue os itens como

Verdadeiros (V) ou Falsos (F) em relação ao ensino

da Matemática nas primeiras séries no Ensino

Fundamental.

I

– No ensino da Matemática, é importante que o

professor identifique as principais características

dessa ciência, os seus métodos, as suas

ramificações e as suas aplicações.

II – Para o aluno, o significado da atividade matématica

é resultante de conexões que ele estabelece entre

seu cotidiano e a disciplina, bem como desta com

as demais áreas do conhecimento.

III – Aos docentes, não se faz necessário conhecer a

história dos conceitos matemáticos; basta que

tenham elementos para demonstrar aos alunos

que a Matemática é uma ciência que trata de

verdades eternas, infalíveis e imutáveis.

I V – Conhecer os obstáculos envolvidos no processo

de construção de conceitos no ensino da

Matemática é de grande utilidade para que o

professor compreenda melhor alguns aspectos da

aprendizagem dos alunos.

V

– Para o ensino da Matemática, é necessário que o

professor tenha clareza de suas próprias

concepções sobre a disciplina, uma vez que a

prática em sala de aula, as escolhas pedagógicas,

a definição de objetivos e conteúdos de ensino e

as formas de avaliação estão intimamente ligadas

a essas concepções.

A seqüência correta é

(A) F, F, V, F, V.

(B) V, V, F, V, V.

(C) V, F, V, V, V.

(D) V, F, F, V, F.

(E) F, F, V, F, F.