Prova Concurso - Arquitetura - 2007-TRF-3-REGIAO-ANALISTA-JUDICIARIO-ARQUITETURA - FCC - TRF - 2007

Prova - Arquitetura - 2007-TRF-3-REGIAO-ANALISTA-JUDICIARIO-ARQUITETURA - FCC - TRF - 2007

Detalhes

Profissão: Arquitetura
Cargo: 2007-TRF-3-REGIAO-ANALISTA-JUDICIARIO-ARQUITETURA
Órgão: TRF
Banca: FCC
Ano: 2007
Nível: Superior

Downloads dos Arquivos

prova.pdf
gabarito.pdf

Provas relacionadas

ARQUITETOEBSERH2018
ESPECIALISTA-PORTUARIO-ARQUITETURAEMAP2018
ARQUITETOPREFEITURA2018

Gabarito

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-gabarito.pdf-html.html

03 - tipo 1
001 - D   011 - C   021 - A   031 - D   041 - B   051 - A
002 - C   012 - E   022 - C   032 - A   042 - D   052 - E
003 - D   013 - A   023 - B   033 - C   043 - C   053 - B
004 - A   014 - D   024 - E   034 - D   044 - B   054 - D
005 - B   015 - B   025 - D   035 - B   045 - E   055 - E
006 - A   016 - E   026 - D   036 - E   046 - C   056 - C
007 - C   017 - C   027 - B   037 - A   047 - A   057 - B
008 - E   018 - E   028 - E   038 - C   048 - E   058 - A

009 - B   019 - B   029 - A   039 - E   049 - D   059 - C
010 - D   020 - A   030 - C   040 - A   050 - B   060 - D

Prova

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS

Agosto/2007

I N S T R U Ç Õ E S

A

C D E

P R O V A

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3 REGIÃO

Analista Judiciário - Área Apoio Especializado

Especialidade Arquitetura

a

Concurso Público para provimento de cargos de

Conhecimentos Gerais

Conhecimentos Específicos

Discursiva

- Verifique se este caderno:

- corresponde a sua opção de cargo.
- contém 60 questões, numeradas de 1 a 60.
- contém a proposta e o espaço para rascunho das questões discursivas.
Caso contrário, reclame ao fiscal da sala um outro caderno.

Não serão aceitas reclamações posteriores.

- Para cada questão objetiva existe apenas UMAresposta certa.
- Você deve ler cuidadosamente cada uma das questões e escolher a resposta certa.
- Essa resposta deve ser marcada na FOLHADE RESPOSTAS que você recebeu.

VOCÊ DEVE:
- procurar, na FOLHADE RESPOSTAS, o número da questão que você está respondendo.
- verificar no caderno de prova qual a letra (A,B,C,D,E) da resposta que você escolheu.
- marcar essa letra na FOLHADE RESPOSTAS, conforme o exemplo:
- ler o que se pede na Prova Discursiva e utilizar, se necessário, o espaço para rascunho.

- Marque as respostas das questões objetivas primeiro a lápis e depois cubra com caneta esferográfica de tinta preta.
- Marque apenas uma letra para cada questão, mais de uma letra assinalada implicará anulação dessa questão.
- Responda a todas as questões.
- Não será permitida qualquer espécie de consulta, nem o uso de máquina calculadora.
- Você deverá transcrever a questão discursiva, a tinta, na folha apropriada. Os rascunhos não serão

considerados em nenhuma hipótese.

- Você terá o total de 4h30min para responder a todas as questões, preencher a Folha de Respostas e fazer a

Prova Discursiva (rascunho e transcrição).

- Ao término da prova devolva este caderno de prova ao aplicador, juntamente com a Folha de Respostas da

Prova Objetiva e a Folha de Respostas da Prova Discursiva.

- Proibida a divulgação ou impressão parcial ou total da presente prova. Direitos Reservados.

ATENÇÃO

____________________________________________________
 Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001
 0000000000000000

 00001−0001−001

Nº de Inscrição
        MODELO

  

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

2

TRF3R-Conhecimentos Gerais

2

CONHECIMENTOS GERAIS

PORTUGUÊS

Atenção:

As questões de números 1 a 15 referem-se ao texto
seguinte.

Os sonhos dos adolescentes

Se tivesse que comparar os jovens de hoje com os de

dez ou vinte anos atrás, resumiria assim: eles sonham pequeno.

É curioso, pois, pelo exemplo de pais, parentes e vizinhos,

nossos jovens sabem que sua origem não fecha seu destino:

sua vida não tem que acontecer necessariamente no lugar onde

nasceram, sua profissão não tem que ser a continuação da de

seus pais. Pelo acesso a uma proliferação extraordinária de

ficções e informações, eles conhecem uma pluralidade inédita

de vidas possíveis.

Apesar disso, em regra, os adolescentes e os pré-

adolescentes de hoje têm devaneios sobre seu futuro muito

parecidos com a vida da gente: eles sonham com um dia-a-dia

que, para nós, adultos, não é sonho algum, mas o resultado

(mais ou menos resignado) de compromissos e frustrações.

Eles são "razoáveis": seu sonho é um ajuste entre suas

aspirações heróico-ecológicas e as "necessidades" concretas

(segurança do emprego, plano de saúde e aposentadoria).

Alguém dirá: melhor lidar com adolescentes tranqüilos do

que com rebeldes sem causa, não é? Pode ser, mas, seja qual

for a qualidade dos professores, a escola desperta interesse

quando carrega consigo uma promessa de futuro: estudem para

ter uma vida mais próxima de seus sonhos. É bom que a escola

não responda apenas à "dura realidade" do mercado de

trabalho, mas também (talvez, sobretudo) aos devaneios de

seus estudantes; sem isso, qual seria sua promessa? "Estude

para se conformar"? Conseqüência: a escola é sempre

desinteressante para quem pára de sonhar.

É possível que, por sua própria presença maciça em

nossas telas, as ficções tenham perdido sua função essencial e

sejam contempladas não como um repertório arrebatador de

vidas possíveis, mas como um caleidoscópio para alegrar os

olhos, um simples entretenimento. Os heróis percorrem o

mundo matando dragões, defendendo causas e encontrando

amores solares, mas eles não nos inspiram: eles nos divertem,

enquanto, comportadamente, aspiramos a um churrasco no

domingo e a uma cerveja com os amigos.

É também possível (sem contradizer a hipótese anterior)

que os adultos não saibam mais sonhar muito além de seu

nariz. Ora, a capacidade de os adolescentes inventarem seu

futuro depende dos sonhos aos quais nós renunciamos. Pode

ser que, quando eles procuram, nas entrelinhas de nossas

falas, as aspirações das quais desistimos, eles se deparem

apenas com versões melhoradas da mesma vida acomodada

que, mal ou bem, conseguimos arrumar. Cada época tem os

adolescentes que merece.

(Adaptado de Contardo Calligaris. Folha de S. Paulo, 11/01/07)

1.

O autor considera que falta aos  jovens de hoje

(A)

um mínimo de discernimento entre o que é real e o
que é puro devaneio.

(B)

uma confiança maior nas promessas de futuro
acenadas pelo mercado de trabalho.

(C)

a inspiração para viver que lhes oferecem os que
descartaram as idealizações.

(D)

a aspiração de perseguir a realização dos sonhos
pessoais mais arrojados.

(E)

a disposição de se tornarem capazes de usufruir a
estabilidade profissional.

_________________________________________________________

2.

Atente para as seguintes afirmações:

I

.

As múltiplas ficções e informações que circulam no
mundo de hoje impedem que os jovens formulem
seus projetos levando em conta um parâmetro mais
realista.

II

.

As escolas deveriam ser mais conseqüentes diante
da dura realidade do mercado de trabalho  e
estimular os jovens a serem mais razoáveis em
seus sonhos.

III

.

As ficções que proliferam em nossas telas são
assimiladas como divertimento inconseqüente, e
não como sinalização inspiradora de uma plura-
lidade de
 vidas  possíveis.

Em relação ao texto, está correto o que se afirma em

(A)

I

II

 e 

III

.

(B)

I

 e 

II

, apenas.

(C)

III

, apenas.

(D)

II

, apenas.

(E)

I

, apenas.

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

TRF3R-Conhecimentos Gerais

2

3

3.

No segundo parágrafo, ao estabelecer uma relação entre
os jovens e os adultos de hoje, o autor faz ver que

(A)

os sonhos continuam sendo os mesmos, para uns e
para outros.

(B)

os adultos, quando jovens, eram mais conservado-
res que os jovens de hoje.

(C)

os jovens esperam muito mais do que os adultos já
obtiveram.

(D)

o patamar de realização de vida atingido pelos
adultos tornou-se uma meta para os jovens.

(E)

a resignação dos adultos constitui a razão de frus-
tração dos jovens.

_________________________________________________________

4.

A expressão  hipótese anterior, que surge entre parênte-
ses, faz referência à seguinte passagem do texto:

(A)

É possível que (...) as ficções tenham perdido sua
função essencial.

(B)

Conseqüência: a escola é sempre desinteressante
para quem pára de sonhar.

(C)

Pode ser que (...) eles se deparem apenas com
versões melhoradas da mesma vida (...)

(D)

Ora, a capacidade de os adolescentes inventarem
seu futuro depende dos sonhos aos quais nós
renunciamos.

(E)

(...) seja qual for a qualidade dos professores, a
escola desperta interesse quando carrega consigo
uma promessa de futuro (...).

_________________________________________________________

5.

Certa impropriedade que se verifica no uso da expressão
nas entrelinhas das nossas falas poderia ser evitada, sem
prejuízo para o sentido pretendido, caso o autor a tivesse
substituído por

(A)

entre os parênteses das nossas conversas.

(B)

no que não se explicita em nossas palavras.

(C)

nas assumidas reticências do nosso estilo.

(D)

na falta de ênfase de nossas declarações.

(E)

no que não se sublinha em nossos discursos.

_________________________________________________________

6.

Está adequada a correlação entre os tempos e os modos
verbais na frase:

(A)

Fosse qual fosse a qualidade dos professores, a
escola despertaria interesse quando carregasse con-
sigo uma promessa de futuro.

(B)

A capacidade de os adolescentes virem a inventar
seu futuro teria dependido dos sonhos aos quais nós
renunciaremos.

(C)

Seria desejável que a escola não apenas dê res-
sonância aos anseios pelo mercado de trabalho,
mas que também alimente as aspirações dos
estudantes.

(D)

À medida que os adolescentes procurassem, nas en-
trelinhas das nossas falas, as aspirações que ocul-
taríamos, irão se deparar com sonhos frustrados.

(E)

Quem vier a comparar os jovens de hoje com os da
geração passada haveria de concluir que os adoles-
centes de agora devam sonhar muito menos.

7.

As normas de concordância verbal estão plenamente
respeitadas na frase:

(A)

Não se imputem aos adolescentes de hoje a exclu-
siva responsabilidade pelo fato, lastimável, de aspi-
rarem a tão pouco.

(B)

A presença maciça, em nossas telas, de tantas fic-
ções, não nos devem fazer crer que sejamos capazes
de sonhar mais do que as gerações passadas.

(C)

Se aos jovens de hoje coubesse sonhar no ritmo das
ficções projetadas em nossas telas, múltiplos e ágeis
devaneios se processariam.

(D)

Ficaram como versões melhoradas da nossa vida
acomodada de hoje o vestígio dos nossos sonhos de
ontem.

(E)

Ao pretender que se mobilize os estudantes para as
exigências do mercado de trabalho, o professor de
nossas escolas impede-os de sonhar.

_________________________________________________________

8.

Devaneios, quem não tem devaneios? Têm devaneios as
crianças e os jovens, dão aos devaneios menos crédito os
adultos, mas é impossível abolir os devaneios completa-
mente.

Evitam-se as indesejáveis repetições da frase acima subs-
tituindo-se os elementos sublinhados, na ordem dada, por:

(A)

os tem

-

Têm-lhes

- dão-lhes

- abolir-lhes

(B)

tem eles

-

Têm-nos

- dão-lhes

- abolir-lhes

(C)

os tem

-

Têm eles

- dão-nos

- aboli-los

(D)

tem a eles -

Os têm

- dão a eles - abolir a eles

(E)

os tem

-

Têm-nos

- dão-lhes

- aboli-los

_________________________________________________________

9.

Está inteiramente correta a construção da seguinte frase:

(A)

É mais preferível lidar com adolescentes tranqüilos
do que ficar lidando com rebeldes em quem se
ignora a causa.

(B)

Prefira-se lidar com adolescentes tranqüilos a lidar
com rebeldes cuja causa eles próprios parecem
ignorar.

(C)

Dê-se preferência a lidar com adolescentes tranqüi-
los do que com os rebeldes cuja causa nem eles
suspeitam.

(D)

É preferível lidar com adolescentes tranqüilos em
vez de lidar com os rebeldes, onde a causa nem
para eles se explicita.

(E)

Há a preferência de lidar com adolescentes tranqüi-
los e não dos rebeldes, cuja a causa lhes perma-
nece incógnita.

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

4

TRF3R-Conhecimentos Gerais

2

10.

É preciso suprimir uma ou mais vírgulas na seguinte
frase:

(A)

É possível que, em vista da quantidade e de seu
poder de sedução, as ficções de nossas telas in-
fluenciem nossa conduta de forma determinante.

(B)

Independentemente do mérito dos professores, as
escolas devem, com denodo, estimular os sonhos
dos alunos.

(C)

É uma pena que, hoje em dia, tantos e tantos jovens
substituam os sonhos pela preocupação, com-
preensível, diga-se, de se inserir no mercado de
trabalho.

(D)

O fato de serem, os adolescentes de hoje, tão  “ra-
zoáveis”, faz com que a decantada rebeldia da ju-
ventude dê lugar ao conformismo e à resignação.

(E)

Se cada época tem os adolescentes que merece,
conforme opina o autor, há também os adolescentes
que não merecem os adultos de sua época.

_________________________________________________________

11.

Todas as formas verbais estão corretamente flexionadas
no contexto da seguinte frase:

(A)

Se não nos entretermos com as ficções de nossas
telas, dizem algumas pessoas, com que se preen-
cherá nosso tempo ocioso?

(B)

Quando finalmente convirmos em que os sonhos
são estimulantes e necessários, a eles recorreremos
para combater nosso excessivo pragmatismo.

(C)

Já que aos adolescentes de ontem aprouve cultivar
tantos sonhos, por que os de hoje terão abdicado do
direito a todos os devaneios?

(D)

Se as ficções não nos provissem de tantas imagens
e informações, teríamos mais tempo para criar nos-
sas próprias fantasias.

(E)

As sucessivas gerações já muito se contradizeram,
por força da diversidade de seus sonhos, ao passo
que a de hoje parece ter renunciado a todos eles.

_________________________________________________________

12.

É preciso suprimir um ou mais sinais de crase em:

(A)

À falta de coisa melhor para fazer, muita gente
assiste  à televisão sem sequer atentar para o que
está vendo.

(B)

Cabe  à juventude de hoje dedicar-se à substituição
dos apelos do mercado por impulsos que, em sua
verdade natural, façam jus à capacidade humana de
sonhar.

(C)

Os sonhos não se adquirem à vista: custa tempo
para se elaborar dentro de nós a matéria de que são
feitos, às vezes à revelia de nós mesmos.

(D)

Compreenda-se quem aspira à estabilidade de um
emprego, mas prestem-se todas as homenagens
àquele que cultiva seus sonhos.

(E)

Quem acha que agracia à juventude de hoje com
elogios ao seu pragmatismo não está à salvo de ser
o responsável pela frustração de toda uma geração.

13.

O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se
numa forma do plural para preencher corretamente a
lacuna da frase:

(A)

Para que não ...... (restringir) o sonho de um jovem,
as imposições do mercado de trabalho devem ter
sua importância relativizada.

(B)

Seria essencial que nunca ...... (faltar) aos adoles-
centes, mesmo em nossos dias pragmáticos, a
liberdade inclusa nos sonhos.

(C)

Entre as duas hipóteses que ...... (examinar), consi-
dera o autor que o elemento comum é redução da
capacidade de sonhar.

(D)

Não se ...... (delegar) às escolas a missão exclusiva
de preparar os jovens para sua inserção no mercado
de trabalho.

(E)

É pena que ...... (faltar) aos jovens a referência dos
sonhos que seus pais já  tenham alimentado em sua
época de adolescentes.

_________________________________________________________

14.

Considere as seguintes frases:

I

.

É muito restritivo o aspecto da “razoabilidade” dos
sonhos, de que o autor do texto analisa no segundo
parágrafo.

II

.

Talvez um dos “dragões” a que se deva dar com-
bate em nossos dias seja o império dos interesses
materiais.

III

.

Os sonhos em cuja perseguição efetivamente nos
lançamos podem transformar-se em conquistas
objetivas.

Está correto o emprego do elemento sublinhado APENAS
em

(A)

I

.

(B)

II

.

(C)

III

.

(D)

II

 e 

III

.

(E)

I

 e 

III

.

_________________________________________________________

15.

O emprego do elemento sublinhado compromete  a
coerência da frase:

(A)

Cada  época tem os adolescentes que merece, pois
estes são influenciados pelos valores socialmente
dominantes.

(B)

Os jovens perderam a capacidade de sonhar alto,
por conseguinte alguns ainda resistem ao pragma-
tismo moderno.

(C)

Nos tempos modernos, sonhar faz muita falta ao
adolescente, bem como alimentar a confiança em
sua própria capacidade criativa.

(D)

A menos que se mudem alguns paradigmas cultu-
rais, as gerações seguintes serão tão conformistas
quanto a atual.

(E)

Há quem fique desanimado com os jovens de hoje,
porquanto parece faltar-lhes a capacidade de sonhar
mais alto.

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

TRF3R-Conhecimentos Gerais

2

5

Atenção:

As questões de números 16 a 20 referem-se ao
texto seguinte.

Página de História

De uma História Universal editada no século 

XXXIII

: “Os

homens do século 

XX

, talvez por motivos que só a miséria

explicaria, costumavam aglomerar-se desconfortavelmente em

enormes cortiços de cimento. Alguns atribuem o fato a não se

sabe que misterioso pânico ao simples contato com a natureza;

mas isso é matéria de ficcionistas, místicos e poetas... O

historiador sabe apenas que chegou a haver, em certas grandes

áreas, conjuntos de cortiços erguidos lado a lado sem o

suficiente espaço e arejamento, que poderiam alojar vários

milhões de indivíduos. Era, por assim dizer, uma vida de insetos

– mas sem a segurança que apresentam as habitações

construídas por estes.”

(Mário Quintana 

 Caderno H. Porto Alegre: Globo, 1973, p. 14)

16.

Atente para as seguintes afirmações:

I

.

Sugere o texto que a um historiador não cabe
especular sobre conjecturas; ainda assim, o autor
dessa imaginária História Universal levanta algu-
mas suposições.

II

.

O texto levanta a possibilidade de que a supressão
dos vínculos do homem do século 

XX

 com a

natureza estaria numa inexplicável arrogância sua
diante do mundo natural.

III

.

Pode-se depreender que, na perspectiva do autor
do texto, em tempos futuros o homem terá supe-
rado modelos opressivos de habitação urbana.

Em relação ao texto, está correto o que se afirma em

(A)

II

 e 

III

, apenas.

(B)

II

, apenas.

(C)

I

II

 e 

III

.

(D)

I

 e 

II

, apenas.

(E)

I

 e 

III

, apenas.

_________________________________________________________

17.

Está clara e correta a seguinte reconstrução de uma frase
do texto:

(A)

Eram em enormes cortiços de cimento que os
homens do século 

XX

 se aglomeravam inconforta-

velmente em enormes cortiços de cimento, dado que
só a miséria o explicaria.

(B)

Talvez só a miséria pudesse explicar porque os ho-
mens do século 

XX

 vivessem aglomerados em cor-

tiços de cimento enormes e despossuídos de conforto.

(C)

É possível que a miséria seja a explicação para o
fato de os homens do século 

XX

 viverem aglome-

rados, sem nenhum conforto, em enormes cortiços
de cimento.

(D)

Uma vez que habitavam enormes e desconfortáveis
cortiços de cimento, deduz-se a explicação que os
homens do século 

XX

 deveriam de ter uma vida

miserável.

(E)

Os homens do século 

XX

, provavelmente devido à

fatores econômicos, se aglomeravam com descon-
forto nos enormes cortiços de cimento aonde
moravam.

18.

Alguns atribuem o fato a não se sabe que misterioso
pânico ao simples contato da natureza; mas isso é matéria
de ficcionistas, místicos e poetas...

Sem prejuízo para o sentido contextual e a correção da
frase acima, e sem que seja necessária qualquer outra
alteração, pode-se substituir

(A)

atribuem por cogitam.

(B)

atribuem por justificam.

(C)

mas isso por conquanto isso.

(D)

a não se sabe que por ignorar-se qual.

(E)

a não se sabe que por a sabe-se lá qual.

_________________________________________________________

19.

Está correto o emprego de ambas as expressões subli-
nhadas em:

(A)

As  áreas aonde os homens se concentravam exi-
biam edifícios em cujos não havia arejamento.

(B)

Em cortiços de cimento, a que faltavam espaço e
arejamento, comprimiam-se milhões de indivíduos
para quem a natureza parecia representar uma
ameaça.

(C)

Esse texto, de cujo o autor era também poeta, pro-
move um típico exercício de imaginação em que
muitos autores de ficção são tentados.

(D)

Os mistérios porque somos atraídos na ficção costu-
mam impressionar os leitores em cujos também não
falta a liberdade da imaginação.

(E)

Os espaços urbanos pelos quais se espanta o
imaginário narrador seriam testemunho de uma
civilização  à qual eram frouxos os laços com a
natureza.

_________________________________________________________

20.

Está correta a grafia de todas as palavras na frase:

(A)

A presunção de verossimilhança  é inerente aos
escritos ficcionais, mesmo aos que exploram as ro-
tas e as sendas mais fantasiosas da imaginação.

(B)

Deprende-se do texto que, no futuro, as civilizações
adotarão paradigmas que substituirão com vantajem
aqueles que regeram a vida do século 

XX

.

(C)

Distila-se nesse texto o humor sutil de Mário Quin-
tana, um autor gaúcho para quem a poesia e a vida
converjem de modo inelutável.

(D)

A apreenção  humana diante das forças da natureza
deriva de épocas préhistóricas, quando o homem
não dispunha de recursos técnicos para enfrentá-las.

(E)

As obsessões humanas pelo progresso parecem
ignorar que as leis da natureza não sofrem nenhum
processo de obsolecência, e custam caro para quem
as transgrida.

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

6

TRF3R-Conhecimentos Gerais

2

RACIOCÍNIO LÓGICO

21.

O esquema abaixo representa a multiplicação de um
número natural F por 8, resultando em um número G.

x 8

1

8

2

Os círculos representam algarismos, que satisfazem às
seguintes condições:

são distintos entre si;

são diferentes de zero;

o algarismo das centenas de F é maior do que o
algarismo das centenas de G.

Determinando-se corretamente esses cinco algarismos,
verifica-se que o algarismo

(A)

dos milhares de F  é  3.

(B)

das centenas de F  é  3.

(C)

das unidades de F  é  8.

(D)

das centenas de G  é  5.

(E)

das unidades de G  é  6.

_________________________________________________________

22.

Considere que, em um determinado instante, P
passageiros aguardavam seu vôo em uma sala de
embarque de certo aeroporto. Na primeira chamada
embarcaram os idosos, que correspondiam à metade de
P; na segunda, embarcaram as mulheres não idosas, cuja
quantidade correspondia à  metade  do  número de
passageiros que haviam ficado na sala; na terceira,
embarcaram alguns homens, em quantidade igual à
metade do número de passageiros que ainda restavam na
sala. Se, logo após as três chamadas, chegaram à sala
mais 24 passageiros e, nesse momento, o total de
passageiros na sala passou a ser a metade de P, então na

(A)

primeira chamada embarcaram 34 passageiros.

(B)

primeira chamada embarcaram 36 passageiros.

(C)

segunda chamada embarcaram 16 passageiros.

(D)

segunda chamada embarcaram 18 passageiros.

(E)

terceira chamada embarcaram 12 passageiros.

23.

Considere que as sentenças abaixo são verdadeiras.

Se a temperatura está abaixo de 5 

°

C, há nevoeiro.

Se há nevoeiro, os aviões não decolam.

Assim sendo, também é verdadeira a sentença:

(A)

Se não há nevoeiro, os aviões decolam.

(B)

Se não há nevoeiro, a temperatura está igual a ou
acima de 5 

°

C.

(C)

Se os aviões não decolam, então há nevoeiro.

(D)

Se há nevoeiro, então a temperatura está abaixo de

°

C.

(E)

Se a temperatura está igual a ou acima de 5 

°

C os

aviões decolam.

_________________________________________________________

24.

Nos Jogos Panamericanos de 1971, na cidade de Cali, um
quadro de resultados parciais apresentava os três países
com maior número de medalhas de ouro (105, 31 e 19),
de prata (73, 49 e 20) e de bronze (41, 40 25): Canadá,
Cuba e EUA. Em relação a esse quadro, sabe-se que

os EUA obtiveram 105 medalhas de ouro e 73 de
prata;

Cuba recebeu a menor quantidade de medalhas de
bronze;

Canadá recebeu um total de 80 medalhas.

Nessas condições, esse quadro informava que o número
de medalhas recebidas

(A)

por Cuba foi 120.

(B)

por Cuba foi 115.

(C)

pelos EUA foi 220.

(D)

pelos EUA foi 219.

(E)

pelos EUA foi 218.

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

TRF3R-Conhecimentos Gerais

2

7

DIREITO PENAL

25.

Na hipótese de crime de peculato culposo, a reparação do
dano, se precede à sentença irrecorrível,  ou  se  lhe  é
posterior, implica, respectivamente na

(A)

extinção da culpabilidade e redução de dois terços
da pena imposta.

(B)

redução de dois terços e de um terço da pena
imposta.

(C)

redução de metade e de dois terços da pena
imposta.

(D)

extinção da punibilidade e redução de metade da
pena imposta.

(E)

redução de três quartos e de um quarto da pena
imposta.

_________________________________________________________

26.

Funcionário que modifica ou altera sistema de informa-
ções, sem estar autorizado, e de cuja ação resulta danos
à Administração, está sujeito à pena de detenção de três
meses a dois anos, acrescida de

(A)

de dois terços até o dobro.

(B)

de um terço até o dobro.

(C)

de dois terços até metade.

(D)

um terço até metade.

(E)

de metade até três quartos.

_________________________________________________________

NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO

27.

Com relação acumulação de cargos públicos, considere
as seguintes assertivas:

I

.

A proibição de acumular estende-se a cargos, em-
pregos e funções em autarquias, fundações pú-
blicas, empresas públicas e sociedades de
economia mista da União.

II

.

Considera-se acumulação lícita a percepção de
vencimento de cargo público efetivo com proventos
da inatividade, independentemente dos cargos de
que decorram essas remunerações serem
acumuláveis ou não na atividade.

III

.

A acumulação de cargos, ainda que lícita, fica
condicionada à comprovação da compatibilidade de
horários.

IV

.

Em regra, o servidor poderá exercer mais de um
cargo em comissão, bem como ser remunerado
pela participação em órgão de deliberação coletiva.

De acordo com a Lei n

o

 8.112/90, está correto o que se

afirma APENAS em

(A)

I

II

 e 

III

.

(B)

I

 e 

III

.

(C)

I

 e 

IV

.

(D)

II

III

 e 

IV

.

(E)

II

 e 

IV

.

28.

O servidor que, injustificadamente, recusar-se a ser sub-
metido a inspeção médica determinada pela autoridade
competente, será punido com a penalidade de

(A)

suspensão, sendo que essa penalidade terá o seu
registro cancelado, após o decurso de 3 anos de
efetivo exercício, independentemente do servidor
praticar, nesse período, nova infração disciplinar.

(B)

advertência escrita, sendo que essa penalidade terá
o seu registro cancelado, após o decurso de 1 ano
de efetivo exercício, se o servidor não houver, nesse
período, praticado nova infração disciplinar.

(C)

demissão, incompatibilizando o ex-servidor para no-
va investidura em cargo público federal, pelo prazo
de 2 anos.

(D)

suspensão, sendo que essa penalidade terá o seu
registro cancelado, após o decurso de 3 anos de
efetivo exercício, se o servidor não houver, nesse
período, praticado nova infração disciplinar.

(E)

suspensão, sendo que essa penalidade terá o seu
registro cancelado, após o decurso de 5 anos de
efetivo exercício, se o servidor não houver, nesse
período, praticado nova infração disciplinar.

_________________________________________________________

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL

29.

O Juiz Federal que compõe o Conselho Nacional de
Justiça é indicado pelo

(A)

Superior Tribunal de Justiça.

(B)

Supremo Tribunal Federal.

(C)

Presidente da República.

(D)

Tribunal Regional Federal.

(E)

Senado Federal.

_________________________________________________________

30.

Considere as seguintes afirmativas sobre o processo
legislativo:

I

.

É vedada a edição de medidas provisórias que vise
a detenção ou seqüestro de bens, de poupança
popular ou qualquer outro ativo financeiro.

II

.

A Constituição pode ser emendada mediante pro-
posta de mais da metade das Assembléias
Legislativas das unidades da Federação, manifes-
tando-se, cada uma delas, pela maioria relativa de
seus membros.

III

.

São de iniciativa concorrente do Presidente da
República e do Congresso Nacional as leis que
disponham sobre servidores públicos da União e
Territórios, seu regime jurídico, provimento de
cargos, estabilidade e aposentadoria.

IV

.

Prorrogar-se-á uma única vez por igual período a
vigência de medida provisória que, no prazo de
sessenta dias, contado de sua publicação, não tiver
a sua votação encerrada nas duas Casas do
Congresso Nacional.

De acordo com a Constituição Federal de 1988, está cor-
reto o que se afirma APENAS em

(A)

I

 e 

II

.

(B)

I

II

 e 

III

.

(C)

I

II

 e 

IV

.

(D)

II

III

 e 

IV

.

(E)

III

 e 

IV

.

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

8

TRF3R-Anal. Jud-Arquitetura-03

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

31.

A planta do levantamento topográfico de uma gleba, cujos lados foram medidos com régua métrica comum, apresenta área de
100 cm

2

. Sabendo-se que o desenho está na escala 1:5000, sua área real, em m

2

, é de

(A)

   2.500

(B)

   5.000

(C)

  50.000

(D)

250.000

(E)

500.000

32.

A rampa de acesso dos automóveis em um edifício para garagem é circular com raio médio de 10,00 m e inclinação de 20%,
constante em toda sua extensão. Se o desnível a ser vencido entre o térreo e o primeiro pavimento é de 6,30 m, o percurso
correto da rampa, neste trecho, poderá ser melhor representado pela figura de um

(A)

semicírculo.

(B)

4

1

 de círculo.

(C)

4

3

 de círculo.

(D)

círculo completo.

(E)

8

5

 de círculo.

33.

Ao elaborar o projeto de uma escada deve-se considerar, para o conforto do usuário, diversos parâmetros tais como: dimensões
do piso (p) e espelho (h) dos degraus, inclinação (i) da escada, número de degraus em um único lance etc. Segundo a
conhecida fórmula de Blondel, a escada mais confortável é a que possui

(A)

=

 15 cm

e

=

 35 cm.

(B)

=

 17 cm

e

=

 28 cm.

(C)

=

 17,5 cm e

=

 28,5.

(D)

=

 19 cm

e

=

 27 cm.

(E)

=

 45º

e

=

 18 cm.

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

TRF3R-Anal. Jud-Arquitetura-03

9

34.

O Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1953), no Aterro do Flamengo, é um dos mais importantes exemplares da
arquitetura brasileira de todos os tempos. Analise o projeto do arquiteto Affonso Eduardo Reidy.

3

1

2

Vista externa do MAM

Esquema dos Blocos do Museu: 1. Galeria de Exposições;
2. Bloco Escola; 3. Teatro

0

5

10

Seções da Galeria de Exposições

Considere as seguintes características desta obra:

I

.

A estrutura principal é constituída por pórticos de concreto armado que sustentam as lajes dos pavimentos e da cobertura,
penduradas por meio de tirantes de ferro.

II

.

Os  pórticos são interligados entre si por meio de duas abas de concreto que exercem dupla função: estrutural de contra
ventamento e de conforto ambiental como pára-sol das fachadas opostas.

III

.

O programa é tratado por meio de grandes massas autônomas, cada uma correspondendo a uma das funções previstas.
O respeito pela paisagem da baía e a integração da arquitetura nela são qualidades primordiais da composição.

Está correto o que se afirma em

(A)

I

 e 

II

, apenas.

(B)

I

II

 e 

III

.

(C)

I

 e 

III

, apenas.

(D)

II

 e 

III

, apenas.

(E)

III

, apenas.

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

10

TRF3R-Anal. Jud-Arquitetura-03

35.

Em 2000 a empresa editora do New York Times organizou um concurso para a construção da nova sede do periódico em Nova
York. Considere o projeto vencedor do arquiteto Renzo Piano, previsto para ser inaugurado este ano.

Implantação

Planta

3

’-1

  1

3

/1

6

10

’-3

  3

/4

3

’-5

  1

/4

10

’-

7

  

3/

16

1’-6”

10

’-2

  

7

/8

3

’-1

  1

3

/1

6

FFL 7

97’6’’

5’-12  1/  ’’

10

’-

4

  

1

1

/1

6

’’

FFL 6

83’9’’

9

’-7

’’

13

’-9

’’

2

’-3

 3

/4

1

’-4

’’

0

’-6

 1

/4

’’

2

Seção com pormenor da fachada

Vista externa do pormenor cerâmico branco

Considere as seguintes características desta obra:

I

.

A localização dos serviços e das circulações verticais em núcleo central interiorizado é uma alternativa excelente para a
concepção estrutural mas prejudica a eficiência e flexibilidade da planta.

II

.

A expressão do edifício é composta por combinação de fachada de vidro e tela de cilindros cerâmicos brancos, que atua
como pára-sol, cuja tonalidade vai se modificando em função das variações atmosféricas.

III

.

Os elementos de proteção solar utilizados atendem aos princípios de sustentabilidade, impedindo a absorção excessiva
de energia, embora obstruam a vista dos usuários no interior dos escritórios.

Está correto o que se afirma em

(A)

II

 e 

III

, apenas.

(B)

II

, apenas.

(C)

I

 e 

III

, apenas.

(D)

I

II

 e 

III

.

(E)

I

 e 

II

, apenas.

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

TRF3R-Anal. Jud-Arquitetura-03

11

36.

Considere o segmento de planta e o respectivo corte do projeto executivo da estrutura metálica abaixo.

A

5

A

B

A

225

L2

V   3

M

V   1

M

P   4

M

C1

V   1

M

W310x21

720

C1

L2

V   3

M

W310x32,7

L4A

L4A

L4A

  17M

W

5

30x

66

  17M

W

5

30x

66

L2

V   3

M

V   1

M

P   5

M

22

5

102,05

25

30

CONECTORES
VER DETALHE

V   17

M

V   1

M

25

P   1  ao  P   9

M

M

H  250x62

P

PLANTA NÍVEL 102.05

CORTE C1-C1

Sabendo-se que a bitola dos perfis está expressa em mm (altura nominal) x kg/m, considere as seguintes características desta

estrutura:

I

.

A viga VM17 possui massa linear maior que o pilar PM4.

II

.

As vigas VM1 e VM3 possuem alturas semelhantes e a VM3 é mais pesada.

III

.

As vigas VM1 e VM3 estão apoiadas na viga VM17.

Está correto o que se afirma em

(A)

III

, apenas.

(B)

II

 e 

III

, apenas.

(C)

I

 e 

II

, apenas.

(D)

I

 e 

III

, apenas.

(E)

I

II

 e 

III

.

37.

Leis de Zoneamento são leis que dispõem sobre o parcelamento, disciplinam e ordenam o Uso e Ocupação do Solo. Para os
efeitos destas leis, considere a definição das seguintes expressões:

I

.

Pavimento térreo é aquele onde está situado o acesso principal da edificação, segundo critérios estabelecidos em lei.

II

.

Taxa de ocupação é a relação entre a área da projeção horizontal da edificação ou edificações e a área do lote.

III

.

Taxa de permeabilidade é a relação entre a área permeável, que permite a infiltração da água no solo, livre de qualquer
edificação ou pavimentação não drenante e a área não edificada do lote.

Está correto o que se afirma em

(A)

I

 e 

II

, apenas.

(B)

I

 e 

III

, apenas.

(C)

I

II

 e 

III

.

(D)

II

, apenas.

(E)

II

 e 

III

, apenas.

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

12

TRF3R-Anal. Jud-Arquitetura-03

38.

Uma edificação com 4.000 m

2

 de área construída divide-se em quatro pavimentos: térreo, superior e dois subsolos. O térreo e o

superior são dois pavimentos iguais, com 1.000 m

2

, sendo apenas 500 m

2

 computável em cada um deles. Os dois subsolos

juntos totalizam mais 2.000 m

2

 de área construída, entretanto não apresentam área computável. A área do terreno é

de 1.000 m

2

.

Considerando esses dados, é correto afirmar que

(A)

o coeficiente de aproveitamento é 4.

(B)

a taxa de ocupação é 2.

(C)

o coeficiente de aproveitamento é 1.

(D)

a taxa de ocupação é 100%.

(E)

o coeficiente de aproveitamento e a taxa de ocupação são iguais a 1.

39.

Dos instrumentos de política urbana, um deles confere ao Plano Diretor o poder de fixar áreas nas quais o direito de construir
poderá ser exercido acima do coeficiente de aproveitamento básico adotado, mediante contrapartida do beneficiário. No Estatuto
da Cidade, esse instrumento chama-se

(A)

direito de superfície.

(B)

direito de preempção.

(C)

operação urbana consorciada.

(D)

transferência do direito de construir.

(E)

outorga onerosa do direito de construir.

40.

O plano diretor, aprovado por lei municipal, é instrumento básico da política de desenvolvimento e expansão urbana. Segundo o
Estatuto da Cidade, o plano diretor

(A)

deverá conter a delimitação das áreas urbanas onde poderá ser aplicado o parcelamento, edificação ou utilização
compulsórios, considerando a existência de infra-estrutura e de demanda para utilização.

(B)

é obrigatório apenas para cidades com mais de trinta mil habitantes.

(C)

deverá englobar apenas o território urbano do Município.

(D)

deverá ter revista a lei que o instituiu pelo menos a cada vinte anos.

(E)

tem nele inserido, ou com ele compatível, o plano de transporte urbano integrado, obrigatório para cidades com mais de
um milhão de habitantes.

41.

A Norma Técnica Brasileira NBR 9050 fixa os padrões e critérios que visam propiciar às pessoas portadoras de deficiências
condições adequadas e seguras de acessibilidade autônoma a edificações, espaço, mobiliário e equipamento urbano. Segundo
essa norma, as áreas de circulação de cadeiras de rodas devem ter

(A)

inclinação transversal máxima das superfícies de até 4%.

(B)

largura mínima de 0,80 m para transposição de uma cadeira de rodas pelas portas e obstáculos fixos.

(C)

desnível máximo de até 3 cm para inserção de degrau sem a obrigatoriedade de associação de rampas ou equipamentos
eletromecânicos de circulação.

(D)

largura mínima de 1,10 m para circulação de uma pessoa e uma cadeira de rodas.

(E)

largura mínima de 1,40 m para circulação de duas cadeiras de rodas.

42.

Ao utilizar uma rampa, o conforto do usuário portador de deficiências está diretamente vinculado à relação entre os parâmetros
inclinação da rampa, desnível a ser vencido, número de segmentos e extensão de cada segmento. Segundo a NBR 9050, a
inclinação máxima permitida para a acessibilidade de pessoas portadoras de deficiências a edificações, espaço, mobiliário e
equipamento urbanos é

(A)

5,00% se o comprimento da rampa não ultrapassar a 40,00 m e só houver um único segmento.

(B)

6%.

(C)

8,33%.

(D)

10,00% se o desnível a ser vencido não ultrapassar a 75 cm e se o número de segmentos de rampa não exceder a 4.

(E)

12,50% se o desnível a ser vencido não ultrapassar a 20 cm.

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

TRF3R-Anal. Jud-Arquitetura-03

13

43.

Em relação aos diversos ambientes para visualização, manipulação, edição ou controle de plotagem do Autocad, é correto
afirmar:

(A)

Paper Space  é o ambiente mais apropriado para se construir ou modificar o modelo usando comandos de desenho e
edição.

(B)

Xref  é um modo de exibição que permite criar múltiplas vistas de um desenho, muito parecido com um programa de
diagramação de páginas.

(C)

O comando viewports divide a tela em portas de visualização dispostas lado a lado ou sobrepostas, podendo ser utilizado
no Model ou no Paper Space.

(D)

Model Space é utilizado para arranjar as vistas do modelo na tela, em preparação para plotagem.

(E)

O autocad apresenta duas divisórias  layout quando se abre o arquivo, sendo recomendável que não se ultrapasse esse
número.

44.

O Autocad oferece várias maneiras de reutilizar geometrias existentes, automatizando grande parte do trabalho repetitivo
geralmente associado ao desenho manual. Os Templates, da opção Drawing Template File, são

(A)

tabelas de estilo de plotagem, contendo configurações de penas, dimensões de papel e tipo de impressora.

(B)

gabaritos, arquivos de desenhos contendo configurações personalizadas projetadas para uma função específica.

(C)

ferramentas que permitem duplicar objetos rapidamente, podendo ser de padrão circular ou em matriz de colunas e linhas.

(D)

divisórias que abrem quantas vistas do desenho forem necessárias, dirigidas para otimização de impressões e plotagens.

(E)

recursos para rastrear documentos utilizados em desenhos para reutilização, tais como definições de camadas, estilos de
dimensão e layouts.

45.

O método de avaliação em que o valor das benfeitorias urbanas resulta de orçamento sumário ou detalhado da construção a ser
avaliada; baseia-se em projetos detalhados, em especificações e nos preços correntes de material e mão-de-obra especializada;
requerendo avaliadores com larga experiência de construção civil e resultados bastante precisos é denominado método

(A)

da Composição Unitária.

(B)

TCPO de Composição.

(C)

Descritivo.

(D)

do Custo de Reprodução.

(E)

do Custo de Reposição.

46.

O método mais recomendável para avaliação de terrenos urbanos sem benfeitorias é o comparativo. Por esse método o valor do
imóvel é obtido pela comparação de dados de mercado relativo a outros de características similares. Como os terrenos não são
absolutamente idênticos, deve-se homogeneizá-los para possibilitar a comparação. Nesse caso consideram-se os seguintes
fatores:

I

.

Correção da elasticidade da informação pelo fator de fonte.

II

.

Coeficiente de depreciação.

III

.

Cálculo do fator de transposição.

IV

.

Redução do preço à vista.

Está correto o que se afirma APENAS em

(A)

I

 e 

II

.

(B)

I

II

 e 

IV

.

(C)

I

III

 e 

IV

.

(D)

II

 e 

III

.

(E)

III

 e 

IV

.

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

14

TRF3R-Anal. Jud-Arquitetura-03

47.

Constituem medidas de segurança contra incêndio nas edificações e áreas de risco:

I

.

Controle de materiais de acabamento.

II

.

Brigada de incêndio.

III

.

Sistema fixo de gases limpos e dióxido de carbono (CO

2

).

IV

.

Sistema de proteção contra descargas atmosféricas.

Está correto o que se afirma em

(A)

I

II

III

 e 

IV

.

(B)

I

II

 e 

III

, apenas.

(C)

II

III

 e 

IV

, apenas.

(D)

II

 e 

IV

, apenas.

(E)

II

, apenas.

48.

Considere as seguintes definições quanto a regulamentos de segurança contra incêndio nas edificações:

I

.

Ático  é o volume compreendido entre dois pavimentos consecutivos, ou entre o pavimento e o nível superior à sua
cobertura.

II

.

Nível de Descarga é a soma das energias caloríficas possíveis de serem liberadas pela combustão completa de todos os
materiais combustíveis contidos em um espaço, inclusive o revestimento das paredes, divisórias, pisos e tetos.

III

.

Área de Risco é o ambiente externo à edificação que contém armazenamento de produtos inflamáveis, produtos
combustíveis e ou instalações elétricas e de gás.

Está correto o que se afirma em

(A)

I

II

 e 

III

.

(B)

I

 e 

II

, apenas.

(C)

I

 e 

III

, apenas.

(D)

II

 e 

III

, apenas.

(E)

III

, apenas.

49.

Em função da natureza do serviço e de ocorrência notificada, a Prefeitura Municipal de São Paulo fornecerá dados ou consentirá
a execução de obras emergenciais por meio da emissão de

(A)

Alvará de Execução.

(B)

Alvará de Autorização.

(C)

Alvará de Aprovação.

(D)

Comunicação.

(E)

Certificado de Liberação.

50.

A Prefeitura Municipal de São Paulo, mediante procedimento administrativo e a pedido do proprietário ou do possuidor do imóvel
emitirá Alvará de Aprovação para

I

.

Movimento de terra.

II

.

Edificação nova.

III

.

Pavimentação e obras de arte.

IV

.

Sistema de segurança.

Está correto o que se afirma APENAS em

(A)

I

II

 e 

III

.

(B)

I

II

 e 

IV

.

(C)

II

.

(D)

II

III

 e 

IV

.

(E)

II

 e 

IV

.

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

TRF3R-Anal. Jud-Arquitetura-03

15

51.

Quando o código de edificações não determina a necessidade de aeração e insolação naturais de um compartimento e areja-se
esse ambiente por meio de dutos de exaustão vertical adota-se o conceito de

(A)

aeração induzida.

(B)

aeração passiva.

(C)

pressão positiva.

(D)

aeração mecânica.

(E)

pressão negativa.

52.

Auditórios e teatros de grande porte requerem cuidados e projetos acústicos especiais. No caso de auditórios de
até 400 ocupantes como os de escolas, igrejas, empresas, alguns cuidados simples no projeto arquitetônico podem ser
suficientes para que essas salas, além de boa visibilidade, tenham também melhor inteligibilidade. Entre esses cuidados, é
correto destacar:

I

.

O teto deve ser absorvente nas proximidades do palco e refletor no fundo do auditório.

II

.

As paredes laterais devem ser paralelas e não ter divergência para não causar distorções na reflexão do som.

III

.

A parede de fundo não deve ser côncava e, se o for, deve ser revestida de material altamente absorvente para evitar
concentração de energia, formando focos indesejáveis.

Está correto o que se afirma APENAS em

(A)

I

.

(B)

I

 e 

II

.

(C)

II

.

(D)

II

 e 

III

.

(E)

III

.

53.

A quantidade de calor em Kcal/h a ser retirada de um ambiente, de modo a levar a sua temperatura e a sua umidade relativa a
valores recomendáveis e satisfatórios para o conforto humano, ou para resfriar um produto específico, é chamada de

(A)

unidade de conforto.

(B)

carga térmica.

(C)

carga calórica.

(D)

inércia térmica.

(E)

exaustão.

54.

O conforto humano nas edificações e a boa condição de ergonomia nos postos de trabalhos é princípio para uma boa saúde do
trabalhador.

H

10

5

45-53

>13

>28

40-48

5

H

cm

cm

28   2

Na figura, a dimensão “H” recomendada, é

(A)

59 cm 

 H 

 81 cm

(B)

60 cm 

 H 

 75 cm

(C)

62 cm 

 H 

 85 cm

(D)

65 cm 

 H 

 78 cm

(E)

67 cm 

 H 

 95 cm

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

16

TRF3R-Anal. Jud-Arquitetura-03

55.

Considere a planta de projeto de instalações elétricas e a representação dos circuitos e fiação:

centro de
medição

Na figura,

I

.

o sistema de alimentação é trifásico.

II

.

a  seção dos cabos varia de 1,0 a 8,0 mm

2

.

III

.

o cabo alimentador geral tem seção de 6,0 mm

2

.

IV

.

o circuito 7 alimenta um chuveiro com tensão provável de 220 V e possui fio terra.

Está correto o que se afirma APENAS em

(A)

I

 e 

III

.

(B)

I

III

 e 

IV

.

(C)

II

 e 

IV

.

(D)

III

.

(E)

IV

.

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

TRF3R-Anal. Jud-Arquitetura-03

17

56.

Considere a planta e os cortes A e B do projeto em alvenaria de blocos de concreto estrutural de 14 

×

 19 

×

 39 cm,  e  as

afirmativas abaixo.

Aterro

Ferro corrido de pequeno diâmetro

Laje de base

Corte AA

A

B

A

B

Laje de base

Cortina

Planta da 1   fiada

a

Corte BB

Laje de base

G

ig

ant

e

Arm

a

çã

o e

x

te

rn

a

Arm

a

çã

o i

n

te

rn

a

I

.

Trata-se de um muro de contenção/cortina com altura superior a 1,50 m, armado horizontalmente com ferros corridos
acomodados entre as fiadas.

II

.

Contrafortes (gigantes) também em alvenaria armada são engastados na base.

III

.

A estabilidade do conjunto é mantida pelo próprio peso do aterro sobre a base.

Está correto o que se afirma APENAS em

(A)

I

II

 e 

III

.

(B)

I

 e 

II

.

(C)

I

.

(D)

II

 e 

III

.

(E)

II

.

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

18

TRF3R-Anal. Jud-Arquitetura-03

57.

Partidos arquitetônicos que obtenham soluções com elevada inércia térmica, aberturas pequenas sem conveniência de
ventilação, construções compactas e agrupadas sombreando umas às outras, uso de água em pátios internos como elemento
de alteração de microclimas são elementos adequados aos climas

(A)

temperado.

(B)

quente e úmido.

(C)

quente e seco.

(D)

tropical com baixa amplitude térmica.

(E)

tropical de altitude com elevada amplitude térmica.

58.

Considere os seguintes conceitos relativos à escolha e execução de fundações:

I

.

Fundação em superfície, do tipo sapata e bloco, somente é econômica quando o nível de assentamento possa ser fixado
em profundidade inferior a 3,0 metros.

II

.

Nas fundações profundas as pressões se transmitem ao solo em duas parcelas: pela base e pelo atrito lateral da
fundação, tendo essas duas parcelas ordens de grandeza comparáveis.

III

.

A ocorrência de lençol d’água superficial elimina a hipótese de emprego de estacas tipo “Franki”, sendo recomendável
nesse caso o emprego de estacas pré-moldadas tipo “Strauss”.

Está correto o que se afirma APENAS em

(A)

I

.

(B)

I

 e 

II

.

(C)

I

 e 

III

.

(D)

II

 e 

III

.

(E)

III

.

59.

É elemento que NÃO pode ser exigido para habilitação, em uma licitação, nos termos da Lei n

o

 8.666/93:

(A)

prova de regularidade para com a Fazenda Federal, Estadual e Municipal do domicílio ou sede do licitante.

(B)

registro ou inscrição na entidade profissional competente.

(C)

comprovação de atividade ou de aptidão com limitações de tempo ou de época ou ainda em locais específicos.

(D)

certidão negativa de falência ou concordata expedida pelo distribuidor da sede da pessoa jurídica.

(E)

decreto de autorização, em se tratando de empresa ou sociedade estrangeira em funcionamento no País.

60.

Executado um contrato de obra, sujeito à Lei n

o

 8.666/93, o seu objeto

(A)

não estará sujeito a recebimento provisório, mas somente ao definitivo, que deve ocorrer apenas após o término do prazo
de garantia por vícios na obra.

(B)

estará sujeito a recebimento provisório, devendo o definitivo ocorrer apenas após o término do prazo de garantia por vícios
na obra.

(C)

estará sujeito a recebimento provisório, devendo o definitivo ocorrer apenas após o julgamento da regularidade do contrato
pelo Tribunal de Contas competente.

(D)

estará sujeito a recebimento provisório, devendo o definitivo ocorrer apenas após o decurso do prazo de observação, ou
vistoria que comprove a adequação do objeto aos termos contratuais.

(E)

não estará sujeito a recebimento provisório, mas somente ao definitivo, que deve ocorrer apenas após o decurso do prazo
de observação, ou vistoria que comprove a adequação do objeto aos termos contratuais.

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

TRF3R-Anal. Jud-Arquitetura-03

19

PROVA DISCURSIVA

Observação:

Conforme capítulo VIII, item 5, do Edital do Concurso, a folha de rascunho no caderno de provas é de preenchimento
facultativo. Em hipótese alguma o rascunho elaborado pelo candidato será considerado na correção da Prova
Discursiva pela Banca Examinadora.

Questão 1

Roger Sherwood em sua obra Modern Housing Prototypes organiza um criterioso levantamento de tipologias habitacionais

como base de dados para o trabalho de projeto dos arquitetos.

Sejam quais forem os constrangimentos culturais, econômicos e técnicos, todo arquiteto ao projetar conjuntos habitacionais,

será confrontado com as opções e questões sobre organização.

Como serão organizados individualmente os apartamentos? Como os diversos apartamentos serão acoplados? Qual o

sistema de circulação vertical e horizontal? Corredores ou hall de distribuição? Alto ou baixo? Enfileirados, lâminas ou torres?

Conclui no trabalho, após extensa exemplificação, que essas questões de organização não são infinitas como parece e, de

fato, não há tantas combinações existentes, sendo possível alguma categorização independentemente do lugar, das técnicas e dos

extremos culturais.

Considere:

Flamatt Terrace Housing - Berna - Atelier 5 - 1960

Apartamentos: 1  e 2  pavimentos 

o

o

Apartamentos duplex: 4  e 6  pavimentos 

o

o

Apartamentos duplex: 5  e 7  pavimentos 

o

o

Conjunto Pedregulho - Rio de Janeiro - Afonso Reidy - 1946

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

20

TRF3R-Anal. Jud-Arquitetura-03

Baseado nos dois exemplos extraídos do trabalho de Sherwood, sistematize, em um relatório, uma discussão comparativa
das variações tipológicas, da repetição de uma ou mais células, das relações entre circulações verticais e horizontais e do
sistema de acoplamento de unidades.

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

TRF3R-Anal. Jud-Arquitetura-03

21

Questão 2

Quando se analisam diversas obras de arquitetura, verifica-se que seus projetos receberam influências de outras obras

paradigmáticas que a precederam. Craig Ellwood admitiu a influência de Mies van der Rohe em seus trabalhos, entretanto, sempre
cuidou de apontar as diferenças entre ambos.

Considere:

I

.

Casa Farsnworth, em Illinois, de Mies Van der Rohe, 1945.

Vista do acesso

Vista posterior

Planta

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

22

TRF3R-Anal. Jud-Arquitetura-03

II

. Casa Rosen, em Los Angeles, de Craig Ellwood, 1961.

Vista do acesso

Vista posterior

Planta

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001

fcc-2007-trf-3-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

TRF3R-Anal. Jud-Arquitetura-03

23

Identifique e sintetize, em um relatório, os princípios ordenadores de cada uma das obras (

I

 e 

II

), explicitando os

eventuais pontos em comum.

MODELO − Caderno de Prova, Cargo 03, Tipo 001