Prova Concurso - Administração - 2009-PGE-RJ-TECNICO-SUPERIOR-ADMINISTRADOR - FCC - PGE - 2009

Prova - Administração - 2009-PGE-RJ-TECNICO-SUPERIOR-ADMINISTRADOR - FCC - PGE - 2009

Detalhes

Profissão: Administração
Cargo: 2009-PGE-RJ-TECNICO-SUPERIOR-ADMINISTRADOR
Órgão: PGE
Banca: FCC
Ano: 2009
Nível: Superior

Downloads dos Arquivos

prova.pdf
gabarito.pdf

Provas relacionadas

AGENTE-ADMINISTRATIVO-PREVIDENCIARIOCONCURSOS2018
ASSISTENTE-DE-ADMINISTRACAOFUNPAPA2018
AUXILIAR-DE-ADMINISTRACAOFUNPAPA2018

Gabarito

fcc-2009-pge-rj-tecnico-superior-administrador-gabarito.pdf-html.html

  

Divulgação do Gabarito 

  

Número do 
Caderno:
  

0012271 

Cargo ou 
Opção:
  

RJ01 - TÉCNICO SUPERIOR 
ADMINISTRADOR
  

Tipo Gabarito:   2  

 

 

 

Português/Conhec. Específicos  

001 - D  

002 - B  

003 - C  

004 - A  

005 - E  

006 - A  

007 - E  

008 - D  

009 - E  

010 - C  

 

011 - E  

012 - A  

013 - D  

014 - C  

015 - B  

016 - A  

017 - C  

018 - D  

019 - E  

020 - E  

 

021 - C 

022 - D 

023 - A 

024 - B 

025 - B 

026 - E 

027 - B 

028 - B 

029 - A 

030 - A 

 

031 - C 

032 - E 

033 - E 

034 - D 

035 - B 

036 - E 

037 - C 

038 - B 

039 - A 

040 - E 

 

041 - E 

042 - C 

043 - D 

044 - D 

045 - A 

046 - B 

047 - E 

048 - B 

049 - E 

050 - A 

 

051 - A  

052 - E  

053 - B  

054 - A  

055 - E  

056 - D  

057 - A  

058 - C  

059 - D  

060 - B  

 

061 - C  

062 - B  

063 - E  

064 - B  

065 - D  

066 - A  

067 - E  

068 - C  

069 - D  

070 - A  

 

 

  

  

 

Prova

fcc-2009-pge-rj-tecnico-superior-administrador-prova.pdf-html.html

INSTRUÇÕES

VOCÊ DEVE

ATENÇÃO

- Verifique se este caderno:

- corresponde a sua opção de cargo.

- contém 70 questões, numeradas de 1 a 70.

Caso contrário, reclame ao fiscal da sala um outro caderno.

Não serão aceitas reclamações posteriores.

- Para cada questão existe apenas UMA resposta certa.

- Você deve ler cuidadosamente cada uma das questões e escolher a resposta certa.

- Essa resposta deve ser marcada na FOLHA DE RESPOSTAS que você recebeu.

- Procurar, na FOLHA DE RESPOSTAS, o número da questão que você está respondendo.

- Verificar no caderno de prova qual a letra (A,B,C,D,E) da resposta que você escolheu.

- Marcar essa letra na FOLHA DE RESPOSTAS, conforme o exemplo:

- Marque as respostas primeiro a lápis e depois cubra com caneta esferográfica de tinta preta.

- Marque apenas uma letra para cada questão, mais de uma letra assinalada implicará anulação dessa questão.

- Responda a todas as questões.

- Não será permitida consulta de qualquer natureza ou espécie.

- Você terá 3 horas e 30 minutos para responder a todas as questões e preencher a Folha de Respostas.

- Ao término da prova, chame o fiscal da sala para devolver este caderno e sua Folha de Respostas.

- Proibida a divulgação ou impressão parcial ou total da presente prova. Direitos Reservados.

A

C D E

N do Caderno

o

N de Inscrição

o

ASSINATURA DO CANDIDATO

N do Documento

o

Nome do Candidato

Abril/2009

PROCURADORIA GERAL
DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Técnico Superior

Administrador

Concurso Público para provimento de cargos de

Português

Conhecimentos Específicos

P R O V A

Caderno de Prova ’01’, Tipo 002

MODELO

0000000000000000

MODELO1

00001−0001−001

fcc-2009-pge-rj-tecnico-superior-administrador-prova.pdf-html.html

 

PGERJ-Português1

 

 

PORTUGUÊS 

 

Atenção:    As questões de números 1 a 10 referem-se ao texto 

que segue. 

 

Interesse público e direitos individuais 

 

Hoje em dia, as relações humanas são fugazes, surgem 

e desaparecem sem deixar vestígios. O Direito não pode ignorar 

essa realidade, sob pena de não cumprir sua função: manter a 

ordem jurídica. O grande desafio é compatibilizar a realização 

do interesse público com as garantias e os direitos individuais, 

que têm o fundamental papel de defender o cidadão contra o 

Estado. 

Nesse quadro, os avanços tecnológicos acabam repre-

sentando uma dificuldade especial. De um lado, as tecnologias 

à disposição dos particulares muitas vezes são instrumentos 

para desvios de conduta. De outro lado, para coibir ou punir tais 

comportamentos, o Estado tem que recorrer a similares tecnolo-

gias que invadem a privacidade dos cidadãos. 

A questão é como conciliar as imprescindíveis ferramen-

tas de investigação à disposição do Estado com o direito à 

defesa e ao contraditório, garantias constitucionais. A regra ge-

ral é que o direito à defesa e ao contraditório devem ser 

garantidos aos particulares antes que eles sejam afetados por 

atos estatais. 

Em alguns casos, porém, o oferecimento de oportunida-

de de defesa antes da atuação estatal é incompatível com o 

interesse público que ela visa tutelar. É o caso, por exemplo, da 

apreensão de alimentos contaminados para impedir sua 

comercialização. Não teria sentido permitir que o comerciante 

continuasse vendendo alimentos contaminados ao público 

apenas para que ele pudesse exercer previamente o direito de 

defesa; a oportunidade de manifestação prévia representaria 

definitivo prejuízo para o interesse público. Daí porque, em 

hipóteses excepcionalíssimas, o direito de defesa pode ser 

flexibilizado, mas apenas no limite indispensável à preservação 

do interesse público e de forma a representar o menor ônus ao 

particular. 

No caso de escutas telefônicas autorizadas por ordem 

judicial para fins investigatórios, é possível afirmar com segu-

rança que sua realização não é compatível com o exercício 

prévio do direito de defesa, pois, do contrário, elas seriam 

destituídas de qualquer sentido útil ou prático. Em razão da 

natureza específica dessa operação, o direito de defesa deve 

ser garantido após o término do período da quebra de sigilo 

telefônico. 

(Adaptado de Pedro Paulo de Rezende Porto Filho. 10/01/2009. 
www.conjur.com.br ) 

 
 
1. 

De acordo com o texto, na complexa relação entre inte-
resse público e direitos individuais, a manutenção da or-
dem jurídica 
 
(A)  pode ser sacrificada, no caso de haver flagrante in-

compatibilidade entre essas duas instâncias. 

 
(B)  pode vir em segundo plano, caso esteja em risco a 

garantia do interesse público. 

 
(C)  dependerá sempre da sobreposição dos direitos in-

dividuais ao interesse público. 

 
(D)  pode implicar a inobservância temporária de direitos 

individuais, para salvaguardar o interesse público. 

 
(E)  dependerá sempre da análise de caso, à falta de 

qualquer princípio geral que proporcione um nortea-
mento. 

_________________________________________________________ 

 

2. 

No desenvolvimento do texto, o autor coloca em sequên-
cia as seguintes operações: 
 
(A)  diagnóstico da crise atual do Direito – proposta para 

a eliminação do direito ao contraditório – crítica ao 
exercício prévio do direito de defesa. 

 
(B)  explicitação de um conflito desafiador – identificação 

de um parâmetro geral de orientação – exempli-
ficação de casos excepcionais. 

 
(C)  denúncia da instabilidade da ordem jurídica – expo-

sição de medidas paliativas – promoção das vanta-
gens das ferramentas tecnológicas. 

 
(D)  reconhecimento dos avanços tecnológicos – avalia-

ção de uma crise institucional – proposição de um 
parâmetro geral. 

 
(E)  resumo das instabilidades do quadro jurídico atual – 

proposição de medidas excepcionais – recusa das 
intervenções tecnológicas. 

_________________________________________________________ 

 

3. 

Os dois casos apresentados como exemplos (o do co-
merciante e o da escuta telefônica) servem à demonstra-
ção de que 
 
(A)  a eliminação dos direitos individuais é uma prer-

rogativa do Estado no caso de flagrante corrupção. 

 
(B)  ordens judiciais não podem flexibilizar-se em função 

de situações particulares. 

 
(C)  ocorrências específicas inviabilizam o exercício pré-

vio do direito de defesa. 

 
(D) ferramentas

 

tecnológicas

 

constituem

 

intolerável

 

amea-

ça ao interesse público e ao direito individual de de-
fesa. 

 
(E)  a preservação do interesse público não justifica a 

inobservância do exercício prévio de um direito. 

Caderno de Prova ’01’, Tipo 002

fcc-2009-pge-rj-tecnico-superior-administrador-prova.pdf-html.html

 

PGERJ-Português1

 

4. 

Considere as seguintes afirmações: 

 
 

I

.  Os avanços tecnológicos instam os agentes do 

Direito a admitir o recurso a ferramentas modernas 
de investigação, para garantir a manutenção da 
ordem jurídica. 

 
 

II

.  A utilização, por parte do Estado, de ferramentas 

tecnológicas de investigação só se justifica quando 
foram estas mesmas que possibilitaram um desvio 
de conduta. 

 
 

III

.  Uma rigorosa e inflexível observância dos direitos 

individuais pode ter como consequência um pre-
juízo irreparável para o interesse público. 

 

Em relação ao texto, está correto o que se afirma 
APENAS em 

 

(A) 

I

 e 

III

(B) 

I

 e 

II

(C) 

III

(D) 

II

(E) 

I

_________________________________________________________ 

 

5. 

O Direito não pode ignorar essa realidade, sob pena de 
não cumprir sua função: manter a ordem jurídica

 

Na frase acima, pode-se substituir o segmento sublinhado, 
sem prejuízo para a correção e a coerência do enunciado, 
por: 

 

(A)  ressalvando-se o desvio de sua missão. 
(B)  conquanto deixe de observar sua prerrogativa. 
(C)  ainda que não se prenda ao seu desígnio. 
(D)  salvo se não quiser fraudar o que dele se espera. 
(E)  a menos que se omita de exercer seu papel. 

_________________________________________________________ 

 

6. 

As normas de concordância verbal estão plenamente 
observadas na frase: 

 

(A)  Deve-se às frequentes quebras de sigilo telefônico 

uma sucessão de embates na justiça, sobretudo nos 
casos em que há mera suspeição. 

 
(B)  A utilização de modernas ferramentas tecnológicas, 

imprescindíveis em muitas investigações, acabam 
por propiciar alguns conflitos jurídicos. 

 
(C)  Assistem a comerciantes inescrupulosos ou a indi-

víduos corruptos o direito de defesa prévia, en-
quanto continuam a praticar graves delitos? 

 
(D)  O autor do texto é muito cuidadoso no que tange à 

preservação de direitos individuais, quando podem 
feri-los iniciativa de atos estatais. 

 
(E)  Deve-se tolerar que pessoas continuem a ser con-

taminadas por alimentos, para que se garanta ao 
cruel comerciante todas as prerrogativas da defesa? 

_________________________________________________________ 

 

7. 

Está correto o emprego do elemento sublinhado na frase: 

 

(A)  A quebra de sigilo telefônico é uma providência à 

qual só se deve lançar mão em casos excepcionais. 

 
(B)  O Direito não pode ignorar uma realidade como a 

nossa, em cuja as relações humanas são fugazes e 
imprevisíveis. 

 
(C)  São muitos os avanços tecnológicos, dos quais se 

pode recorrer, por exemplo, no caso de uma inves-
tigação sigilosa. 

 
(D)  São considerados mais graves aqueles prejuízos onde o 

mal,

 

uma

 

vez

 

desencadeado,

 

gera

 

efeitos irreversíveis. 

 
(E)  As escutas telefônicas, para cuja autorização foi con-

sultado um juiz, constituem casos em que há muita 
polêmica. 

8. 

Estão corretos o emprego e a flexão de todas as formas 
verbais na frase: 

 

(A)  No caso de um direito individual se sobrepuser ao 

interesse público, prefigura-se uma situação de con-
flito no interior da ordem jurídica. 

 

(B)  Se um cidadão for irresponsável e não reter sua 

ambição criminosa, poderá ficar privado do exercício 
prévio do direito de defesa. 

 

(C)  As informações que forem aprendidas por meio de 

quebra de sigilo telefônico podem estar suprindo um 
direito individual. 

 

(D)  A autoridade que se propuser a acessar informações 

sigilosas deverá respaldar essa medida com a ob-
tenção de ordem judicial. 

 

(E)  Os efeitos que advirem de uma escuta telefônica só 

se legitimarão quando tenha sido autorizada por um 
juiz de direito. 

_________________________________________________________ 

 

9. 

Considere as seguintes frases: 

 
 
 

I

.  É preciso ter cautela com as ordens judiciais, que 

constituem desrespeito a um direito individual. 

 

 

II

.  Em alguns casos de quebra de sigilo telefônico, há 

evidente abuso de autoridade. 

 

 

III

.  Frequentemente, os jornais noticiam casos polêmi-

cos de quebra de sigilo telefônico. 

 
 

A supressão da vírgula provocará alteração de sentido 
tão-somente no que se afirma em 

 

(A) 

II

 e 

III

 

(B) 

I

 e 

II

 

(C) 

III

 

(D) 

II

 

(E) 

I

_________________________________________________________ 

 

10.  Está INADEQUADO o emprego de um pronome em: 
 

(A)  Se Vossa Excelência pretende emitir a autorização, 

afianço-lhe que recorrerei de sua decisão. 

 

(B)  Ele não viu por que autorizar, num caso como 

aquele, a quebra do sigilo telefônico. 

 

(C)  Não lhe pareceu necessário explicar a ninguém o 

por quê de haver dado aquela autorização. 

 

(D)  Ele chamou para si toda a responsabilidade pela 

quebra do sigilo telefônico. 

 

(E)  Não me peças que concorde com tua posição só 

porque és mais versado em assuntos jurídicos. 

Caderno de Prova ’01’, Tipo 002

fcc-2009-pge-rj-tecnico-superior-administrador-prova.pdf-html.html

 

PGERJ-Português1

 

Atenção:   As questões de números 11 a 19 referem-se ao 

texto que segue. 

 

Cronistas 

 

Profissão das mais invejáveis, a de cronista. Regular-

mente, deve escrever e enviar um pequeno texto para um jor-

nal, tratando de qualquer coisa com alguma graça, ou com 

melancolia, ou com desbragado humor, ou mesmo com solene 

poesia. Se não lhe ocorre qualquer assunto, sempre pode dis-

correr sobre a falta de assunto. E se uma grande ideia de re-

pente o assalta, ótimo, ela bem poderá render uma sequência 

de três ou quatro crônicas. A imaginação entra em greve? Puxa 

uma revista ou jornal e faz uma disfarçada paráfrase da matéria 

que um repórter levou tempo para apurar. Ou que tal vingar-se 

da amada que o abandonou, colocando-a como protagonista de 

uma cena tão imaginária como ridícula? 

Não se ganha muito dinheiro, em geral, mas sempre dá 

para

 

pagar

 

as

 

pequenas

 

dignidades.

 

E há também quem alimen-

te a esperança de que o exercício da crônica leve ao do conto, 

e este ao romance, de tal forma que, de repente, passe a ser re-

conhecido como um escritor de verdade. Esta é a ambição de 

um

 

cronista

 

não-convicto:

 

começar

 

a

 

ser

 

considerado

 

um

 

Escritor. 

Mas essa condição de Escritor, vista sob outra 

perspectiva, pode não ser tão invejável como a de um cronista: 

aquele tem que tratar, em centenas de páginas, dos grandes 

dramas humanos, das aflições intensas de um ou mais indi-

víduos, das paixões profundas, dos amplos painéis sociais etc. 

E aí ele não consegue mais ver sentido em escrever trinta 

linhas sobre, por exemplo, o prazer que é abrir numa manhã a 

janela e ver passar na calçada a beleza distraída de uma moça 

apressada, que vira a esquina e desaparece para sempre. 

Talvez para não perder a oportunidade de registrar o encanto 

do efêmero, talvez por preguiça, há cronistas, como Rubem 

Braga, que jamais deixam de ser tão-somente cronistas. “Tão-

somente”, aliás, não se aplica, em absoluto, a esse admirável 

Escritor de crônicas. Quem as conhece não recusará ao velho 

Braga esse E maiúsculo, que o identifica como um dos maiores 

autores da nossa literatura. 

(Eleutério Damásio, cronista inédito)  

11.  A afirmação de que a profissão de cronista é das mais 

invejáveis 
 
(A)  justifica-se pelo fato de que uma crônica se limita ao 

que é efêmero, o que a desobriga de ser bem ela-
borada. 

 

(B)  constitui tão-somente uma observação preliminar, já 

que não integra o núcleo temático do texto. 

 

(C)  representa uma convicção plena do autor, já que em 

nenhum

 

momento

 

ele

 

relativiza

 

o

 

valor

 

de

 

uma

 

crô-

nica. 

 

(D)  deve-se ao fato de que a crônica demove aquele 

que a escreve da tentação de ser um contista ou 
romancista. 

 

(E)  prende-se à variedade de assuntos, recursos e tons 

que se oferecem a quem se dedica a esse gênero. 

_________________________________________________________ 

 

12.  Considere as seguintes afirmações: 

 

 

 

I

.  A referência a Rubem Braga constitui um incentivo 

aos que se exercitam na crônica para depois se 
dedicarem a textos mais nobres. 

 

 

II

.  A um grande romancista pode faltar motivação para 

expressar o encantamento poético de uma cena 
rápida e casual do cotidiano. 

 

 

III

.  Ao reconsiderar o emprego da expressão “tão-

somente”, o autor do texto está admitindo que a 
restrição fora, no caso, inadequada. 

 

 

Em relação ao texto, está correto APENAS o que se 
afirma em 
 

(A) 

II

 e 

III

 

(B) 

I

 e 

II

 

(C) 

III

 

(D) 

II

 

(E) 

I

_________________________________________________________ 

 

13.  Considerando-se o contexto, traduz-se corretamente o 

sentido de um segmento do texto em: 
 
(A)  não se aplica, em absoluto 

=

 não se converte, inte-

gralmente. 

 

(B)  com desbragado humor 

=

 com insinuante ironia. 

 

(C)  colocando-a como protagonista 

=

 inibindo sua atua-

ção. 

 

(D)  tão imaginária como ridícula 

=

 fantasiosa e risível, 

num mesmo grau. 

 

(E)  dos  amplos painéis sociais 

=

 de largos espectros 

populares. 

Caderno de Prova ’01’, Tipo 002

fcc-2009-pge-rj-tecnico-superior-administrador-prova.pdf-html.html

 

PGERJ-Português1

 

14.  Não se ganha muito dinheiro, / mas sempre dá para pagar 

as pequenas dignidades. 

 
Preserva-se a relação de sentido entre os segmentos 
destacados na frase acima em: 
 
(A)  Haja vista que sempre dá para pagar as pequenas 

dignidades, não se ganha muito dinheiro. 

 

(B)  Não se ganha muito dinheiro, uma vez que sempre 

dá para pagar as pequenas dignidades. 

 

(C)  Sempre dá para pagar as pequenas dignidades, 

conquanto não se ganhe muito dinheiro. 

 

(D)  Desde que não se ganhe muito dinheiro, sempre dá 

para pagar as pequenas dignidades. 

 

(E)  Sempre dá para pagar as pequenas dignidades, por 

conseguinte não se ganha muito dinheiro. 

_________________________________________________________ 

 

15.  Está INADEQUADA a correlação entre os tempos e mo-

dos verbais na frase: 
 
(A)  Ele se notabilizou por escrever belos romances, mas 

já havia criado inspiradas crônicas da vida cotidiana. 

 

(B)  Se não viesse a ocorrer-lhe qualquer assunto, sem-

pre poderia ter discorrido sobre a falta deste. 

 

(C)  E havia a esperança de que o exercício da crônica o 

levasse ao do conto, e este o levasse ao do 
romance. 

 

(D)  Quando uma grande ideia o assaltar, talvez venha a 

lhe render uma sequência de três ou quatro 
crônicas. 

 

(E)  No caso de se tornar um grande romancista, talvez 

passe a não enxergar a beleza das pequenas coisas 
transitórias. 

_________________________________________________________ 

 

16.  Está inteiramente correta a pontuação da seguinte frase: 
 

(A)  Sempre haverá cronistas que, a despeito de certa 

má-vontade contra o gênero, ou até por isso mesmo, 
dedicar-se-ão exclusivamente a ele. 

 

(B)  Algumas profissões são invejáveis como a de cro-

nista: mas sempre há quem costume diminuir por 
despeito, o valor desse escritor. 

 

(C) Por

 

esta, ou aquela razão, há muitos críticos que dian-

te de uma crônica, veem-na como um gênero menor. 

 

(D)  São, de fato, várias as razões, para que não se 

deprecie o valor literário, de crônicas regularmente 
publicadas num jornal. 

 

(E)  Não cabe ao leitor mais rigoroso, alimentar qualquer 

preconceito diante de um gênero literário, que explo-
ra a poesia das coisas pequenas. 

17.  Crônicas? Muita gente está habituada a ler crônicas, mas 

nem todos concedem às crônicas um valor equivalente ao 
de outros gêneros; alegam faltar às crônicas a altitude de 
um romance, e deixam de reconhecer as crônicas como 
vias de acesso imediato à poesia do dia-a-dia. 
 

Evitam-se as viciosas repetições do texto acima subs-
tituindo-se os segmentos sublinhados, na ordem dada, 
por: 
 

(A)  as ler  

  concedem-lhes  

  lhes faltar  

  reconhe-

cer-lhes 

 

(B)  as ler  

  lhes concedem  

  faltar-lhes  

  lhes reco-

nhecer 

 

(C) lê-las 

 

  lhes concedem  

  faltar-lhes  

  reconhecê-

las 

 

(D)  ler a elas  

  as concedem  

  lhes faltar  

    reco-

nhecê-las 

 

(E) lê-las 

 

  concedem-nas  

  faltar a elas  

  as reco-

nhecer 

_________________________________________________________ 

 

18.  NÃO admite transposição para a voz passiva o seguinte 

segmento do texto: 
 

(A)  (...) faz uma disfarçada paráfrase da matéria (...) 
 

(B)  (...) deve escrever e enviar um pequeno texto para 

um jornal (...) 

 

(C)  Talvez para não perder a oportunidade (...) 
 

(D)  (...) jamais deixam de ser tão somente cronistas. 
 

(E)  (...) esse E maiúsculo, que o identifica como um dos 

maiores autores da nossa literatura. 

_________________________________________________________ 

 

19.  O verbo indicado entre parênteses deverá ser flexionado 

numa forma do singular para preencher corretamente a 
lacuna da frase: 
 

(A)  O grande mérito de Rubem Braga, pelo qual se ...... 

(consagrar) seus livros de crônicas, está sobretudo 
no apuro e na poesia de sua linguagem. 

 

(B)  Não obstante ...... (poder) faltar à crônica as ambi-

ções de um romance, ela atrai o interesse de 
inúmeros leitores. 

 

(C)  Por que razão não se ...... (reconhecer) no grande 

cronista de jornal os mesmos méritos de outros 
escritores? 

 

(D)  O fato de que ...... (costumar) interessar a um cro-

nista os aspectos triviais da vida cotidiana em nada 
diminui o valor das crônicas. 

 

(E)  Não ...... (assistir) aos leitores ou aos críticos 

literários o direito de alimentar preconceitos em 
relação a qualquer gênero. 

Caderno de Prova ’01’, Tipo 002

fcc-2009-pge-rj-tecnico-superior-administrador-prova.pdf-html.html

 

PGERJ-Português1

 

Atenção:   As questões de números 20 a 25 referem-se ao 

texto que segue. 

 

Segredo 

 

Há muitas coisas que a psicologia não nos explica. 

Suponhamos que você esteja em um 12

o

 andar, em companhia 

de amigos, e, debruçando-se à janela, distinga lá embaixo, ines-
perada naquele momento, a figura de seu pai, procurando atra-
vessar a rua ou descansando em um banco diante do mar. Só 
isso. Por que, então, todo esse alvoroço que visita a sua alma 
de repente, essa animação provocada pela presença distante 
de uma pessoa de sua intimidade? Você chamará os amigos 
para mostrar-lhe o vulto de traços fisionômicos invisíveis: “Aque-
le ali é papai”. E os amigos também hão de sorrir, quase 
enternecidos, participando um pouco de sua glória, pois é 
inexplicavelmente tocante ser amigo de alguém cujo pai se 
encontra longe, fora do alcance de seu chamado. 

Outro exemplo: você ama e sofre por causa de uma 

pessoa e com ela se encontra todos os dias. Por que, então, 
quando essa pessoa aparece à distância, em hora desco-
nhecida aos seus encontros, em uma praça, em uma praia, 
voando na janela de um carro, por que essa ternura dentro de 
você, e essa admirável compaixão? 

Por que motivo reconhecer uma pessoa ao longe sempre 

nos induz a um movimento interior de doçura e piedade? (...)  
Até para com os nossos inimigos, para com as pessoas que nos 
são antipáticas, a distância em relação ao desafeto atua sempre 
em sentido inverso. Ver um inimigo ao longe é perdoá-lo 
bastante. 

(Paulo Mendes Campos – Crônicas escolhidas. S.Paulo:  
Ática, 1981, p.p. 49-50)

 

 
 
20.  O segredo anunciado no título da crônica ganha espe-

cificidade como tema central do texto na seguinte for-
mulação: 

 

(A)  Ver um inimigo ao longe é perdoá-lo bastante. 

 
(B)  Há muitas coisas que a psicologia não nos explica. 

 
(C)  (...) você ama e sofre por causa de uma pessoa e 

com ela se encontra todos os dias. 

 
(D)  E os amigos também hão de sorrir, quase enter-

necidos, participando um pouco de sua glória (...) 

 
(E)  Por que motivo reconhecer uma pessoa ao longe 

sempre nos induz a um movimento interior de 
doçura e piedade?
 

_________________________________________________________ 

 

21.  O sentimento inexplicável de que trata o cronista vincula-

se a uma aparente contradição, que pode ser assim 
formulada: 

 

(A)  O distanciamento faz reconhecer qualidades em 

quem não parecia tê-las. 

 
(B)  A virtude da compaixão induz-nos a perdoar nossos 

maiores inimigos. 

 
(C)  A percepção do inalcançável pode converter-se em 

afetiva aproximação. 

 
(D)  Todas as hostilidades sucumbem a um gesto sincero 

de aproximação. 

 
(E)  Não há distância que não possa ser suprimida pelo 

amor. 

22.  Considere as seguintes afirmações: 

 
 

I

. Na 

frase 

“Aquele ali é papai” (1

o

 parágrafo), expres-

sam-se, em sequência: índice de proximidade, ín-
dice de distanciamento e identificação carinhosa. 

 
 

II

. Em 

voando na janela de um carro (2

o

 parágrafo), é 

um índice de velocidade que traduz a percepção do 
inalcançável. 

 
 

III

. A 

expressão 

atua sempre em sentido inverso (3

o

 

parágrafo) refere-se ao fato de que, diante do ini-
migo, ocorre o oposto de uma animação  provo-
cada pela presença distante

 

Em relação ao texto, está correto APENAS o que se 
afirma em 

 

(A) 

III

(B) 

I

(C) 

I

 e 

II

(D) 

II

(E) 

II

 e 

III

_________________________________________________________ 

 

23.  Por que motivo reconhecer uma pessoa ao longe sempre 

nos induz a um movimento interior de doçura e piedade

 

Numa reconstrução da frase acima, iniciando-a pelo seg-
mento Por que sempre somos induzidos a um movimento 
interior de doçura e piedade
, uma complementação 
correta e coerente será: 

 

(A)  assim que reconhecemos uma pessoa ao longe?  

 
(B)  tendo motivo para reconhecer uma pessoa ao longe? 

 
(C)  em vista de se haver reconhecido uma pessoa ao 

longe? 

 
(D)  caso reconhecêssemos uma pessoa ao longe? 

 
(E)  toda vez em que reconhecermos uma pessoa ao 

longe? 

_________________________________________________________ 

 

24.  É adequado o emprego e correta a grafia de todas as 

palavras da frase: 

 

(A)  Os poetas românticos eram obsecados por imagens 

que, figurando a distância, expressavam com ela a 
gososa inatingibilidade de um ideal. 

 
(B)  É prazeroso o reconhecimento de uma pessoa que, 

surgindo longínqua, parece então mais próxima que 
nunca – paradoxo pleno de poesia. 

 
(C)  A abstensão da proximidade de alguém não impede, 

segundo o cronista, que nossa afetividade aflore e 
haja para promover uma aproximação. 

 
(D)  Nenhuma distância dilui o afeto, pelo contrário: o 

reconhecimento da amada longeva avisinha-a de 
nós, fá-la mais próxima que nunca. 

 
(E)  O cronista ratifica o que diz um velho provérbio: a 

distância que os olhos acusam não exclue a 
proximidade que o nosso coração promove. 

_________________________________________________________ 

 

25. A 

expressão 

de que preenche corretamente a lacuna da 

frase: 

 

(A)  A compaixão humana é um sentimento ...... o 

cronista deseja dividir com o leitor. 

 
(B)  A compaixão humana é um sentimento ...... o cro-

nista recusa a se distanciar. 

 
(C)  O sentimento da compaixão é uma virtude humana 

...... o cronista não se furta a valorizar. 

 
(D)  A compaixão humana é um sentimento ...... o cro-

nista não se esquiva de enaltecer. 

 
(E)  O sentimento da compaixão é uma virtude humana 

...... o cronista sabe reconhecer e valorizar. 

Caderno de Prova ’01’, Tipo 002

fcc-2009-pge-rj-tecnico-superior-administrador-prova.pdf-html.html

 

 

PGERJ-Téc.Sup-Administrador-01

 

 

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 

 

Administração 

 

Instruções:  

Nas questões de números 26 a 32 utilize a chave a 
seguir: 

 

(A)  Estão corretas APENAS as afirmativas 

I

 e 

II

(B)  Estão corretas APENAS as afirmativas 

I

II

 e 

V

(C)  Estão corretas APENAS as afirmativas 

II

III

 e 

IV

(D)  Estão corretas APENAS as afirmativas 

III

 e 

IV

(E)  Estão corretas APENAS as afirmativas 

III

IV

 e 

V

 
26.  Na primeira fase de desenvolvimento das teorias da admi-

nistração predominaram as abordagens mecanicistas, 
como as de Taylor e Fayol. Com relação às abordagens 
que criticaram esses paradigmas: 

(A) 

  (B) 

  (C) 

 (D) 

  (E) 

   

 

I

.  A Teoria Comportamental afirma, em oposição às 

abordagens Clássica e Científica, que os conflitos 
entre objetivos individuais e organizacionais não são 
incontornáveis e podem ser evitados através de 
técnicas de condicionamento. 

 
 

II

.  Ao contrário da Teoria Clássica de Fayol, a Teoria 

dos Sistemas enfatiza uma visão anatômica e estru-
tural da empresa, entendida como uma síntese de 
diferentes órgãos que compõem a estrutura organi-
zacional. 

 
 

III

.  A Teoria das Relações Humanas criticou a Teoria 

Clássica da Administração, afirmando que trabalha-
dores em melhores condições psicossociais e emo-
cionais alcançam melhores níveis de produtividade, 
independentemente das condições físicas e técnicas. 

 
 

IV

.  A Teoria do Desenvolvimento Organizacional rejeita a 

ênfase na remuneração como única motivação do tra-
balhador e propôs novos modelos de gestão que com-
patibilizassem objetivos individuais e organizacionais. 

 
 

V

.  Em contraposição às teorias Clássica e Científica, a 

Teoria da Contingência afirma que existe uma rela-
ção de dependência entre as condições ambientais e 
as técnicas gerenciais adequadas a cada objetivo 
organizacional. 

_________________________________________________________ 

 

27.  Com relação às características da burocracia segundo 

Max Weber: 

(A) 

  (B) 

  (C) 

 (D) 

  (E) 

   

 

I

.  Existência de regras abstratas, às quais estão vin-

culados os detentores do poder, o aparelho admi-
nistrativo e os dominados define a dominação ra-
cional-legal, é o fundamento do modelo burocrático. 

 
 

II

.  Toda organização burocrática se baseia na hierar-

quia, na divisão do trabalho, na separação entre 
pessoa, cargo e funções exercidas de modo conti-
nuado e com base em documentos escritos.  

 
 

III

.  O domínio burocrático é legitimado pelo reconheci-

mento dos poderes e das qualidades excepcionais 
do chefe, e o seu aparelho consiste, tipicamente, no 
grupo dos ‘discípulos’, isto é, dos indivíduos esco-
lhidos pelo chefe entre os membros da comunidade. 

 
 

IV

.  A burocracia, segundo Weber, é uma instituição 

política bem sucedida na medida em que seu 
quadro administrativo mantenha com êxito a preten-
são ao monopólio efetivo da coação física para a 
manutenção da ordem vigente. 

 
 

V

.  O pessoal empregado por uma estrutura adminis-

trativa burocrática submete-se a uma relação con-
tratual e, em virtude de suas específicas qualifica-
ções técnicas, é recompensado através de um salá-
rio estipulado em dinheiro, tem uma carreira regula-
mentada e considera o próprio trabalho como uma 
ocupação em tempo integral.  

28.  Em relação às três visões sobre a gestão de conflitos nas 

organizações, expressas por ROBBINS, Stephen Paul 
(Comportamento Organizacional. 9

a

 ed. São Paulo): 

(A) 

  (B) 

  (C) 

 (D) 

  (E) 

   

 

I

.  De acordo com a visão tradicional, todo conflito é 

negativo e, portanto, deve ser evitado, pois resulta 
de uma falha de comunicação ou falta de confiança 
entre as pessoas. 

 

 

II

.  A visão interacionista propõe que o conflito pode ser 

uma força positiva, defendendo abertamente a tese 
de que algum conflito é absolutamente necessário 
para o desempenho eficaz de um grupo. 

 

 

III

.  Segundo a perspectiva humanista, os conflitos sur-

gem por falta de abertura e de confiança entre as 
pessoas, resultante de um fracasso dos administra-
dores em atender às necessidades e às aspirações 
de seus funcionários. 

 

 

IV

.  A principal contribuição da abordagem tradicional é 

encorajar os líderes dos grupos a manter um nível 
mínimo constante de conflito, o suficiente para 
manter o grupo viável, autocrítico e criativo. 

 

 

V

.  A abordagem das relações humanas argumenta que 

o conflito é uma consequência natural e inevitável 
em qualquer grupo, não sendo necessariamente 
ruim, podendo ter o potencial de ser uma força 
positiva na determinação do desempenho do grupo. 

_________________________________________________________ 

 

29.  Em relação à Adhocracia, expressão da autoria de Alvin 

Toffler e popularizada por Robert Waterman com o livro 
"Adhocracy 

 The Power to Change": 

(A) 

  (B) 

  (C) 

 (D) 

  (E) 

   

 

I

.  O objetivo da Adhocracia é a identificação de novas 

oportunidades por meio do incentivo à criatividade 
individual enquanto caminho para a renovação or-
ganizacional. 

 
 

II

.  É a estrutura que mais estimula a inovação, pois é 

a que respeita menos os princípios clássicos de 
gestão, e especialmente a unidade de comando. 

 
 

III

.  Pode ser definida como qualquer forma de organi-

zação que conta com todos os procedimentos típicos 
das organizações burocráticas relacionados com a 
resolução de problemas e a obtenção de resultados. 

 
 

IV

.  Essa estrutura exige uma especialização horizontal 

reduzida, impedindo a formação de grupos de es-
pecialistas em unidades funcionais autônomas. 

 
 

V

.  É caracterizada pelo elevado grau de descen-

tralização, além de uma precisa definição de pa-
péis, embora com alguma dificuldade no fluxo de 
comunicação informal. 

_________________________________________________________ 

 

30.  Sobre os atributos criatividade e capacidade de inovação 

em uma organização dinâmica: 

(A) 

  (B) 

  (C) 

 (D) 

  (E) 

   

 

I

.  A invenção do balão pelos irmãos Montgolfier, no 

século 

XVIII

, é um exemplo de inovação. 

 

 

II

.  Nem sempre a inovação é o resultado da criação de 

algo totalmente novo mas, com muita frequência, é o 
resultado da combinação original de coisas já existen-
tes. 

 

 

III

.  Uma organização que estimula a criatividade valori-

za, acima de tudo, a disciplina, a pontualidade, a 
economia, a racionalidade e a ordem. 

 

 

IV

.  Criatividade é a habilidade de aplicar soluções cria-

tivas e valiosas a problemas e oportunidades, compre-
endendo também a implementação destas soluções. 

 

 

V

.  Inovação é a habilidade de desenvolver novas ideias e 

de descobrir novas formas de compreender proble-
mas e vislumbrar oportunidades. 

Caderno de Prova ’01’, Tipo 002

fcc-2009-pge-rj-tecnico-superior-administrador-prova.pdf-html.html

 

 

PGERJ-Téc.Sup-Administrador-01

 

31.  Em relação aos impactos das mudanças na tecnologia da 

informação sobre as organizações: 

(A) 

  (B) 

  (C) 

 (D) 

  (E) 

   

 

I

.  A tecnologia da informação altera a dinâmica do 

sistema de informação na empresa, fornecendo 
informações rápidas e precisas aos diversos pontos 
da organização, tornando impossível que uma pes-
soa ou grupo controle as informações que podem 
influenciar a definição das situações organizacionais. 

 

 II

.  As alterações no conteúdo e natureza das tarefas, 

quando deixam os métodos manuais e passam a 
utilizar os eletrônicos ou escritórios virtuais, geram 
reações comportamentais como resistências e 
medos. 

 

 III

.  A principal mudança ocorre na natureza da tarefa, 

que antes era manual, com contato direto e físico, e 
agora eletrônico, abstrato e por meio de um sistema 
de informação. 

 

 IV

.  A implantação da tecnologia de informação pode 

alterar drasticamente as estruturas de poder das 
organizações, acrescentando níveis hierárquicos, 
fortalecendo a supervisão, centralizando o poder na 
alta direção, provocando mudanças nas relações 
de poder entre os indivíduos ou grupos, forta-
lecendo a influência de um e eliminando a fonte de 
poder de outro. 

 

 

V

.  Em relação às habilidades do trabalhador, os im-

pactos geralmente são insignificantes, independen-
temente do ramo da empresa, porém todos os tra-
balhadores deverão sofrer os impactos negativos 
da nova tecnologia em relação a ganhos salariais. 

_________________________________________________________ 

 

32.  Sobre liderança situacional:  

(A) 

  (B) 

  (C) 

 (D) 

  (E) 

   

 

I

.  O líder é aquele que procura adequar a situação ao 

seu estilo de comando. 

 

 

II

.  Quando as tarefas são rotineiras e repetitivas, a 

liderança é limitada e sujeita ao controle pelos 
subordinados, que passam a atuar num padrão 
autocrático. 

 

 

III

.  Para um mesmo subordinado, o líder pode assumir 

diferentes padrões de liderança, conforme a 
situação envolvida. 

 

 IV

.

 

A Teoria de Liderança Situacional de Hersey e 
Blanchard propõe um modelo de liderança ade-
quado para cada nível de maturidade dos liderados, 
no qual o líder deve identificar em que nível se 
encontram os liderados para, então, optar por um 
dos quatro estilos de liderança. 

 

 

V

.  Um problema da Teoria de Liderança Situacional de 

Hersey e Blanchard é a ideia de que os subordina-
dos “imaturos” devem ser tratados com o “pulso 
forte”, pois esse tipo de comportamento por parte 
da liderança não estimularia o desenvolvimento dos 
subordinados. 

_________________________________________________________ 

 

33.  As organizações públicas, confrontadas com a dinâmica 

das mudanças ambientais, se veem diante de desafios 
para os quais não há soluções prontas. O processo geren-
cial que visa incrementar fatores motivacionais do cargo 
por meio da ampliação das tarefas e aumento de sua 
variedade é conhecido como 

 

(A)  balanced scorecard
(B)  brainstorming
(C)  downsizing
(D)  reengenharia de processos. 
(E)  job enrichment

34.  Os modelos tradicionais de gestão de competências 

enfatizam o conhecimento técnico e a capacidade ope-
racional que um profissional deve ter como requisito mínimo 
para ocupar um cargo. A partir dos estudos feitos por Daniel 
Goleman na década de 90, ficou comprovado que os profis-
sionais mais bem sucedidos são aqueles que possuem 

 

(A)  capacidade de suportar ofensas pessoais. 
(B)  elevado quociente de inteligência. 
(C)  capacidade de liderança situacional. 
(D)  elevada competência comportamental. 
(E)  capacidade de evitar conflitos organizacionais. 

_________________________________________________________ 

 

35.  Em uma organização, o planejamento 

 

(A)  operacional é menos genérico e mais detalhado, tem um 

prazo longo de tempo e aborda cada unidade da 
empresa ou cada conjunto de recursos separadamente. 

 

(B)  estratégico é realizado nas funções mais elevadas 

da empresa (diretoria), tem um maior alcance de 
tempo e as decisões envolvidas englobam a 
organização como um todo. 

 

(C)  tático deve ser capaz de combinar as oportunidades 

ambientais com a capacidade empresarial a patamar 
de equilíbrio ótimo entre o que a empresa quer e o 
que ela realmente pode fazer. 

 

(D)  tático é aquele que coloca em prática os planos 

gerais dentro de cada setor da empresa. 
Normalmente demanda curto alcance de tempo. 

 

(E)  operacional é realizado pelos executivos (gerentes), 

traduz e interpreta as decisões da direção e as 
transforma em planos concretos dentro dos 
departamentos da empresa. Geralmente tem um 
médio alcance de tempo. 

_________________________________________________________ 

 

36.  Três gestores, cumprindo o planejamento estratégico de 

sua organização, implantaram o mesmo projeto em três 
localidades diferentes. O primeiro realizou o planejado no 
tempo estipulado; o segundo, também cumpriu seu obje-
tivo, mas o fez a um custo 30% menor que o primeiro. 
Finalmente, o terceiro consumiu os recursos previstos, mas 
alcançou um resultado superior ao do plano. Nesse caso, 

 

(A)  apenas o primeiro foi eficaz, pois cumpriu estrita-

mente o que foi solicitado no planejamento do projeto. 

 

(B)  todos foram igualmente eficazes e eficientes, pois 

cumpriram a meta estabelecida no planejamento da 
organização. 

 

(C)  o primeiro foi o mais eficiente, o segundo o mais 

efetivo e o terceiro o mais eficaz. 

 

(D)  apenas o terceiro foi eficaz e eficiente, o primeiro foi 

ineficiente e o segundo, ineficaz. 

 

(E)  o primeiro foi eficaz, o segundo foi o mais eficiente e 

o terceiro o mais efetivo. 

_________________________________________________________ 

 

37.  A gestão participativa é um dos campos mais complexos da 

moderna teoria geral da administração, envolvendo diver-
sos conceitos, técnicas e experiências práticas. Quando os 
empregados têm direito a comissões sobre vendas, abonos 
ou salários adicionais por resultados ou atendimento de me-
tas, prêmios por sugestões que resultem em economias ou 
ganhos e distribuição de ações, trata-se de um modelo de 
gestão baseado 

 

(A) em 

equipes 

autogerenciadas. 

(B) na 

autogestão. 

(C)  na participação nos resultados. 
(D)  no envolvimento no processo decisório. 
(E) 

na participação na direção. 

Caderno de Prova ’01’, Tipo 002

fcc-2009-pge-rj-tecnico-superior-administrador-prova.pdf-html.html

 

 

PGERJ-Téc.Sup-Administrador-01

 

38.  “Uma Empresa descobriu que sua concorrente utilizava 

cinco vezes menos empregados para operar o seu 
departamento de contabilidade de forma eficiente. A 
solução apresentada pelos consultores foi: 'jogar fora' os 
atuais processos e começar de novo, utilizando o poder da 
moderna tecnologia da informação para redesenhar 
completamente os processos, de forma a alcançar profun-
dos melhoramentos na sua performance.” O método ge-
rencial escolhido pelos consultores foi 

 

(A) o 

Empowerment

(B) a 

Reengenharia. 

(C) o 

Balanced scorecard. 

(D)  a Qualidade Total. 
(E) o 

Kaizen. 

_________________________________________________________ 

 

39.  O modelo de gestão orientado para processos é adequado 

para promover maior efetividade organizacional porque 

 

(A)  há uma eliminação de barreiras dentro da empresa, 

possibilitando a visualização da organização como 
um todo e uma maior interrelação entre os diferentes 
agentes da cadeia de valor: clientes, fornecedores e 
gestores do processo. 

 
(B)  elimina a estrutura vertical de comando, descen-

tralizando o fluxo de decisões, estimulando a partici-
pação e o envolvimento dos funcionários com os 
objetivos estratégicos da empresa. 

 
(C)  cada atividade pode ser controlada de forma inde-

pendente, e não como uma série de tarefas sequen-
cialmente interrelacionadas e organizadas com a 
finalidade de produzir resultados específicos. 

 
(D)  favorece a formação de equipes de trabalho, é com-

posto por profissionais com diferentes compe-
tências, orientados para o desenvolvimento de proje-
tos específicos. 

 
(E)  permite que os esforços da empresa estejam 

direcionados para uma integração entre processos e 
funções, tornando a divisão do trabalho de cada 
setor mais precisa e estável. 

_________________________________________________________ 

 

40.  O macroambiente das organizações é constituído por 
 

(A)  um conjunto amplo de variáveis demográficas que 

inclui: o tamanho da população, a estrutura etária, a 
distribuição geográfica, a composição étnica e os 
níveis de renda dos potenciais consumidores. 

 
(B)  um conjunto de fatores culturais, institucionais e 

psicossociais que influenciam de forma mais ampla 
a construção da identidade de uma organização. 

 
(C)  um conjunto de insumos de recursos e informações, 

bem como suas saídas ou resultados; compreen-
dendo consumidores, usuários, fornecedores, con-
correntes e grupos regulamentadores. 

 
(D)  uma estrutura setorial que influencia a intensidade 

da competição entre as empresas que dele fazem 
parte, impondo algumas restrições em suas 
operações e oferecendo várias oportunidades para 
que as empresas bem administradas obtenham 
vantagens sobre suas concorrentes. 

 
(E)  um conjunto amplo e complexo de variáveis tecno-

lógicas, políticas, econômicas, legislativas, sociais, 
demográficas e ecológicas que envolvem e influen-
ciam as empresas. 

 

Administração Pública 

 
Instruções:  

Para responder às questões de números 41 e 42 
utilize a chave a seguir. 

 

(A)  Estão corretas APENAS as afirmativas 

I

 e 

II

(B)  Estão corretas APENAS as afirmativas 

I

II

 e 

V

(C)  Estão corretas APENAS as afirmativas 

II

III

 e 

IV

(D)  Estão corretas APENAS as afirmativas 

III

 e 

IV

(E)  Estão corretas APENAS as afirmativas 

III

IV

 e 

V

 
41.  A implantação do paradigma pós-burocrático no Brasil 

orientou-se para o aumento da capacidade de governo, 
por meio da adoção dos princípios da administração 
gerencial. Em relação a esses princípios: 

(A) 

  (B) 

  (C) 

 (D) 

  (E) 

   

 

I

.  A principal forma de controle sobre as unidades 

executoras de políticas públicas é o controle social 
direto: através da participação em conselhos. 

 

 

II

.  O núcleo estratégico das atividades típicas de Esta-

do deve ser convertido em cargos de nomeação 
política, passando a controlar de forma exclusiva a 
formulação e a gestão de políticas públicas. 

 

 

III

.  As secretarias formuladoras de políticas e as unidades 

executoras dessas políticas devem ser separadas e a 
relação entre elas operada por meio de contratos de 
gestão baseados no desempenho de resultados. 

 

 

IV

.  O Estado deve orientar suas ações para o cidadão-

usuário de seus serviços. 

 

 

V

.  Um dos princípios centrais do paradigma pós-

burocrático é a ênfase no controle de resultados por 
meio dos contratos de gestão. 

_________________________________________________________ 

 

42.  Sobre a redefinição do papel do Estado, iniciada com as 

reformas administrativas do governo Fernando Henrique 
Cardoso: 

(A) 

  (B) 

  (C) 

 (D) 

  (E) 

   

 

I

.  O Estado brasileiro deixou gradualmente de se 

orientar para a intervenção direta, deixando que as 
atividades econômicas e as políticas sociais fossem 
operadas por mecanismos típicos de mercado 
baseados na livre concorrência. 

 

 

II

.  As Agências Reguladoras passaram a regular parte 

importante dos setores econômicos privatizados. 

 

 

III

.  A principal inovação proposta pelo Plano Diretor de 

Reforma do Aparelho de Estado foi a criação das 
Agências Executivas, que iriam substituir as 
estruturas de implementação de políticas públicas 
subordinadas aos ministérios. 

 

 

IV

.  O Núcleo Estratégico foi revalorizado através de 

políticas de recomposição salarial e concursos 
dirigidos às carreiras de estado. 

 

 

V

.  As Organizações Sociais, impostas aos ministérios 

da Saúde, Educação e Cultura, substituíram as 
Autarquias e Fundações, a partir de 1995. 

_________________________________________________________ 

 

43.  O Plano Diretor para a Reforma do Aparelho do Estado de 

1995 definiu novos modelos de organização para a Admi-
nistração Pública Federal. São eles: 

 

(A)  as parcerias público-privadas, as autarquias e as 

fundações. 

 

(B)  os consórcios públicos, as organizações federais e 

as autarquias executivas. 

 

(C)  as organizações sociais, as agências reguladoras e 

as parcerias público-privadas. 

 

(D)  as organizações sociais, as agências executivas e 

as agências reguladoras. 

 

(E)  as agências executivas, as fundações e as organiza-

ções públicas não-estatais. 

Caderno de Prova ’01’, Tipo 002

fcc-2009-pge-rj-tecnico-superior-administrador-prova.pdf-html.html

 

 

10 

PGERJ-Téc.Sup-Administrador-01

 

44.  Dentre as práticas orientadas para a modernização da Ad-

ministração Pública, a mais adequada ao aumento da trans-
parência e eficiência dos serviços públicos para o cidadão é 

 

(A)  a descentralização dos serviços para as burocracias 

municipais. 

 

(B)  a privatização das políticas sociais para organiza-

ções com fins lucrativos. 

 

(C)  a redução de custos e racionalização dos serviços 

por meio de técnicas de downsizing. 

 

(D)  o oferecimento de serviços públicos por meio de 

políticas de governança eletrônica. 

 

(E)  a implementação de políticas de valorização das 

carreiras estratégicas em todas as áreas da 
Administração Pública. 

_________________________________________________________ 

 

45.  Entre as práticas estabelecidas pela Constituição Federal 

de 1988, orientadas para a modernização da gestão públi-
ca no Brasil, aquela que mais contribui para a profissiona-
lização da Administração Pública é a 

 

(A)  obrigatoriedade de realização de concursos públicos. 

 

(B)  obrigatoriedade de licitações em todas as compras 

da Administração Federal. 

 

(C)  privatização de empresas estatais, fundações e au-

tarquias federais. 

 

(D)  descentralização dos serviços públicos para os go-

vernos municipais. 

 

(E)  terceirização de funções auxiliares no âmbito da 

Administração Direta. 

_________________________________________________________ 

 

46.  O controle social é entendido como a participação do cida-

dão na gestão pública, na fiscalização, no monitoramento 
e no controle das ações da Administração Pública. Trata-
se de importante mecanismo de prevenção da corrupção e 
de fortalecimento da cidadania. Dentre os principais meca-
nismos de controle social instituído nos três níveis da 
federação, a partir da Constituição Federal de 1988, estão 

 

(A)  as Centrais de Atendimento do Cidadão. 
(B)  os Conselhos Gestores. 
(C)  as Controladorias Gerais. 
(D)  as Assembleias Populares. 
(E)  as Comissões Paritárias. 

_________________________________________________________ 

 

47.  Dentre os meios utilizados pela Administração Pública 

para garantir a excelência nos serviços públicos está a 
elaboração de compromissos periódicos entre o Estado e 
órgãos públicos para a realização de metas por meio de 

 

(A) contratos 

de 

serviço. 

(B) auditorias 

contratuais. 

(C)  termos de ajustamento de conduta. 
(D) pactos 

gerenciais. 

(E) contratos 

de 

gestão. 

_________________________________________________________ 

 

48.  A gestão por competências, alternativa aos modelos ge-

renciais tradicionalmente utilizados, constitui um processo 
contínuo que tem como etapa inicial 

 

(A)  a implementação de instrumentos de gestão do de-

sempenho. 

 

(B)  a formulação da estratégia organizacional. 

 

(C)  a definição de indicadores de desempenho no nível 

corporativo. 

 

(D)  a identificação do seu gap ou lacuna de competências. 

 

(E)  o planejamento de ações para captar e desenvolver 

as competências necessárias. 

49.  O novo paradigma gerencial adotado pela Administração 

Pública enfatiza o lugar central do cidadão como cliente 
dos serviços públicos. Em relação à diferença entre o 
cliente-cidadão e o consumidor de serviços privados é 
correto afirmar que 
 
(A)  o cliente-cidadão consome serviços públicos apenas 

mediante um contrato formal com os órgãos pú- 
blicos. 

 
(B)  os dois são equivalentes, pois ambos consomem 

serviços mediante o pagamento de taxas. 

 
(C)  o cliente só assume a condição de cidadão quando 

utiliza serviços exclusivamente fornecidos pela 
Administração Pública. 

 
(D)  o consumidor de serviços privados pode reclamar da 

qualidade do atendimento nos órgãos autorizados, 
enquanto o cidadão só pode agir por meio do voto. 

 
(E)  o cliente-cidadão consome serviços públicos na 

condição de portador de direitos e deveres, por meio 
dos quais pode avaliar e até mesmo elaborar 
políticas públicas. 

_________________________________________________________ 

 

50.  No Brasil, os sistemas de avaliação de desempenho na gestão 

pública ainda são incipientes. A gestão por resultados poderia 
ser priorizada pela iniciativa de 
 
(A)  adotar princípios, tais como: tratar o cidadão como 

cliente, controle por objetivos e metas ou governo por 
parcerias. 

 
(B)  redirecionar o sistema de avaliação dentro da admi-

nistração governamental para uma ação centrada no 
eixo da avaliação de custo do serviço prestado. 

 
(C)  elaborar e divulgar sistemas de indicadores de pro-

dutividade dos servidores públicos, punindo os im-
produtivos com demissão ou redução salarial. 

 
(D)  garantir uma ampla divulgação e acompanhamento 

dos princípios e valores promovidos pelos órgãos 
públicos, permitindo o controle pela sociedade. 

 
(E)  orientar as políticas de recursos humanos pelos parâme-

tros de avaliação de pesquisas de opinião pública. 

_________________________________________________________ 

 

Administração Financeira e Orçamentária 

 
51.  Em relação ao estatuto legal da LOA 

 Lei Orçamentária 

Anual no Brasil é correto afirmar: 

 
(A)  O orçamento é uma lei formal, que apenas prevê as 

receitas públicas e autoriza os gastos, não criando 
direitos subjetivos nem modificando as leis 
tributárias e financeiras.  

 
(B)  A LOA é uma lei temporária com vigência limitada a 

quatro anos, assim como o PPA e a LDO. 

 
(C)  Sendo uma lei formal, a mera previsão de despesa 

na lei orçamentária anual cria direito subjetivo, 
sendo possível se exigir, por via judicial, que uma 
despesa específica prevista no orçamento seja 
realizada. 

 
(D)  Por ser uma lei ordinária, a LOA não pode ser 

considerada uma lei especial, isto é, não possui 
processo legislativo diferenciado nem trata de 
matéria específica. 

 
(E)  Como todas as demais leis orçamentárias, a LOA é 

uma lei complementar. 

Caderno de Prova ’01’, Tipo 002

fcc-2009-pge-rj-tecnico-superior-administrador-prova.pdf-html.html

 

 

PGERJ-Téc.Sup-Administrador-01

 

11 

52.  Segundo especialistas, o ciclo orçamentário compreende 

um conjunto de oito grandes fases, cuja materialização se 
estende por um período de vários anos. A terceira fase 
compreende a 

 

(A)  execução dos orçamentos aprovados. 

 

(B)  elaboração da proposta de orçamento pelo Executivo. 

 

(C)  formulação do Plano Plurianual pelo Executivo. 

 

(D)  apreciação e adequação do Plano Plurianual pelo 

Legislativo. 

 

(E)  proposição de metas e prioridades para a adminis-

tração e a política de alocação de recursos pelo 
Executivo. 

_________________________________________________________ 

 

53.  Receita Corrente Líquida 

 

(A)  corresponde aos ingressos provenientes da arreca-

dação de impostos, taxas e contribuições de 
melhorias. 

 

(B)  é o somatório das receitas tributárias, de contri-

buições, patrimoniais, industriais, agropecuárias, de 
serviços, transferências correntes e outras receitas 
correntes, consideradas as deduções conforme o ente 
(União, Estados, DF e Municípios). 

 

(C)  foi definida pela LRF (Lei Complementar n

o

 101), 

como a receita realizada nos doze meses anteriores 
ao mês que se estiver apurando, excluídas as 
receitas provenientes de operações de crédito e de 
alienação de bens. 

 

(D)  foi estabelecida pela Resolução do Senado Federal 

n

96, de 15/12/1989, como a receita resultante da 

diferença entre a receita bruta e as deduções. 

 

(E)  é a soma dos ingressos de recursos financeiros 

oriundos de atividades operacionais, visando a atingir 
objetivos traçados nos programas e ações do 
governo. 

_________________________________________________________ 

 

54.  Para a classificação da despesa quanto à sua natureza 

deve ser analisada a categoria econômica, o grupo ao 
qual pertence, a modalidade de aplicação e o objeto de 
gasto. Quanto à modalidade de aplicação, pode ser 
classificada como despesa 

 

(A)  direta ou por transferência. 

 

(B)  corrente ou de capital. 

 

(C)  com pessoal, encargos sociais ou da dívida. 

 

(D) com investimentos, inversões financeiras ou 

amortização de dívida. 

 

(E)  de custeio, transferências correntes, investimentos 

ou transferências de capital. 

_________________________________________________________ 

 

55.  Com relação aos créditos suplementares é correto afirmar 

que 

 

(A)  o Poder Executivo deve encaminhar projeto de lei ao 

Legislativo e, somente após a aprovação e publi-
cação da lei, será editado o decreto de abertura do 
crédito. 

 

(B)  são destinados a despesas para as quais não haja 

dotação ou categoria de programação orçamentária 
específica. 

 

(C)  o Poder Legislativo não pode autorizar o Poder Exe-

cutivo a abrir créditos suplementares. 

 

(D)  destinam-se a atender despesas urgentes e imprevi-

síveis. 

 

(E)  são aqueles destinados a reforçar a dotação 

orçamentária já existente. 

56.  As receitas orçamentárias no Brasil são classificadas por 

categoria econômica, de acordo com o artigo 11 da Lei 
n

o

 4.320/64, em 

 
(A)  Receitas Tributárias e Receitas Patrimoniais. 
 
(B)  Receitas Correntes e Operações de Crédito. 
 
(C)  Receitas Orçamentárias e Receitas Extra-Orçamen-

tárias. 

 
(D)  Receitas Correntes e Receitas de Capital. 
 
(E)  Receitas Tributárias e Receitas de Serviço. 

_________________________________________________________ 

 

57.  O tipo de orçamento adotado pelos governos no Brasil, 

cujo principal objetivo é a articulação com o planejamento, 
denomina-se  

 

(A) orçamento-programa. 
 
(B) orçamento 

participativo. 

 
(C)  orçamento por desempenho. 
 
(D) orçamento 

clássico. 

 
(E)  orçamento de base zero. 

_________________________________________________________ 

 

Instruções:  

Para responder às questões de números 58 a 60 
utilize a chave a seguir. 

 

 

 

(A)  Estão corretas APENAS as afirmativas 

III

IV

 e 

V

 
(B)  Estão corretas APENAS as afirmativas 

I

 e 

II

 
(C)  Estão corretas APENAS as afirmativas 

I

II

 e 

V

 
(D)  Estão corretas APENAS as afirmativas 

II

III

 e 

IV

 
(E)  Estão corretas APENAS as afirmativas 

III

 e 

IV

 
 
58.  Sobre os modelos de Orçamento Público: 

(A) 

  (B) 

  (C) 

  (D) 

 (E) 

   

 

I

.  O orçamento de base zero é uma técnica utilizada 

para a confecção do orçamento-programa, consis-
tindo basicamente em uma análise crítica de todos 
os recursos solicitados pelos órgãos governamentais 
e no questionamento acerca das reais necessidades 
de cada área, não havendo compromisso com 
qualquer montante inicial de dotação. 

 

 II

.  O orçamento tradicional ou clássico é aquele em que 

constam apenas a fixação da despesa e a previsão 
da receita, sem nenhuma espécie de planejamento 
das ações do governo. 

 

 III

.  O orçamento de desempenho ou por realizações pode 

ser entendido como um plano de trabalho, um instru-
mento de planejamento da ação do governo, por meio 
da identificação dos seus programas de trabalho, 
projetos e atividades, além do estabelecimento de 
objetivos e metas a serem implementados, bem como 
a previsão dos custos relacionados. 

 

 IV

.  Apesar de ser um passo importante, o orçamento-

programa ainda se encontra desvinculado de um 
planejamento central das ações do governo. 

 

 

V

.  No orçamento de desempenho ou por realizações o 

gestor se preocupa com o resultado dos gastos e 
não apenas com o gasto em si, ou seja, preocupa-
se em saber o que o governo faz e não o que 
governo compra. 

Caderno de Prova ’01’, Tipo 002

fcc-2009-pge-rj-tecnico-superior-administrador-prova.pdf-html.html

 

 

12 

PGERJ-Téc.Sup-Administrador-01

 

59.  Com relação aos componentes do Ciclo Orçamentário 

estabelecido pela Constituição Federal de 1988: 

(A) 

  (B) 

  (C) 

  (D) 

 (E) 

   

 

I

.  A proposta da LOA compreende os três tipos distin-

tos de orçamentos da União, a saber: Orçamento 
Fiscal, Orçamento de Investimento das Empresas 
Estatais e Orçamento Plurianual. 

 

 II

.  Na esfera federal, o Governo ordena suas ações 

com a finalidade de atingir objetivos e metas por 
meio do PPA, um plano de médio prazo elaborado 
no primeiro ano de mandato do presidente eleito, 
para execução nos quatro anos seguintes. O PPA é 
instituído por lei, estabelecendo, de forma regio-
nalizada, as diretrizes, objetivos e metas da Admi-
nistração Pública para as despesas de capital, e 
outras delas decorrentes e para aquelas referentes 
a programas de duração continuada. 

 

 III

.  A LDO tem a finalidade precípua de orientar a ela-

boração dos orçamentos fiscal, da seguridade 
social e de investimento das empresas estatais, 
compreendendo as metas e prioridades da adminis-
tração pública, incluindo as despesas de capital pa-
ra o exercício financeiro subsequente. 

 

 IV

.  O Orçamento Fiscal compreende os poderes da 

União, os Fundos, os Órgãos, as Autarquias, inclu-
sive as especiais, e as Fundações instituídas e 
mantidas pela União; abrangendo, também, as 
empresas públicas e sociedades de economia mista 
em que a União, direta ou indiretamente, detenha a 
maioria do capital social com direito a voto. 

 

 

V

.  O Orçamento de Seguridade Social é parte inte-

grante da Lei de Diretrizes Orçamentárias e com-
preende todos os órgãos e entidades a quem com-
pete executar ações nas áreas de saúde, previdên-
cia e assistência social, quer sejam da Adminis-
tração Direta ou Indireta, bem como os fundos e 
fundações instituídos e mantidos pelo Poder Público. 

_________________________________________________________ 

 

60.  Com relação à chamada "regra de ouro" da LRF (Lei 

Complementar n

o

 101, de 4/5/2000): 

(A) 

  (B) 

  (C) 

  (D) 

 (E) 

   

 

I

.  Segundo a CF (art. 167, inciso 

III

), o Poder 

Legislativo pode autorizar, por maioria absoluta e 
finalidade precisa, a realização de operações de 
créditos (empréstimos) de valor superior ao das 
despesas de capital fixadas na Lei Orçamentária 
Anual – LOA, mas a LRF não prevê essa exceção.  

 

 II

.  A aplicabilidade da "regra de ouro" ainda é 

obrigatória, pois essa previsão encontra-se também 
inserida na Constituição Federal. 

 

 III

.  A "regra de ouro", atualmente em vigência, inserida 

no § 2

o

 do art. 12 da LRF, dispõe que o montante 

previsto para as receitas de operações de crédito 
não poderá ser superior ao das despesas de capital 
constantes do projeto de lei orçamentária. 

 

 IV

.  A aplicação do parágrafo 2

o

 do art. 12 da LRF foi 

questionada por meio de uma Ação Direta de 
Inconstitucionalidade, mas esta não foi aceita pelo 
STF. 

 

 

V

.  A "regra de ouro" da LRF, atualmente suspensa pelo 

STF, inserida no § 2

o

 do art. 12, dispõe que o 

montante previsto para as receitas de operações de 
crédito não poderá ser superior ao das despesas de 
capital constantes do projeto de lei orçamentária, 
ressalvadas as autorizadas mediante créditos espe-
ciais com finalidade precisa, aprovados pelo Poder 
Legislativo por maioria absoluta. 

 

Direito Administrativo 

 
61.  Há dois princípios constitucionais fundamentais para o 

Direito Administrativo. A partir deles constroem-se todos 
os demais. São eles: 

 

(A)  prescrição de veracidade e publicidade. 

(B) impessoalidade 

legalidade. 

(C)  legalidade e supremacia do interesse público. 

(D) publicidade 

moralidade. 

(E)  especialidade e supremacia do interesse público. 

_________________________________________________________ 

 

62.  A respeito da organização da Administração Federal, é 

correto afirmar: 

 

(A)  É traço comum às empresas públicas e sociedades 

de economia mista a composição de seu capital. 

 

(B)  Pessoas jurídicas de direito privado não integram a 

Administração Pública direta. 

 

(C)  Nas autarquias não há gestão administrativa des-

centralizada. 

 

(D)  As empresas públicas são pessoas jurídicas de direi-

to público. 

 

(E)  As fundações públicas podem ter fins lucrativos. 

_________________________________________________________ 

 

63.  É condição para a eficácia do contrato administrativo 
 

(A)  a publicação do inteiro teor do instrumento na 

Imprensa Oficial no prazo de quinze dias úteis após 
sua assinatura. 

 

(B)  a sua lavratura em Cartório de Notas, de tudo 

juntando-se cópia ao processo que lhe deu origem. 

 

(C)  verbal, a sua comunicação à autoridade que homo-

logou a licitação no prazo de vinte e quatro horas. 

 

(D)  a publicação do inteiro teor do instrumento no prazo 

de trinta dias contados de sua assinatura. 

 

(E)  a publicação resumida do ajuste que deverá ser 

providenciada até o quinto dia útil do mês seguinte 
ao de sua assinatura. 

_________________________________________________________ 

 

64.  Considere os itens abaixo: 
 
 

I

.  A licitação é inexigível quando houver inviabilidade 

de competição. É o caso, por exemplo, da exis-
tência de um único fornecedor. 

 
 

II

.

  Os casos de licitação dispensável estabelecidos em 

lei são taxativos e não exemplificativos. 

 
 

III

.

  A licitação destina-se a selecionar a proposta mais 

vantajosa para a Administração Pública, mesmo 
contrariando o princípio da isonomia. 

 
 

IV

.

  A licitação é obrigatória quando o vínculo jurídico 

com o terceiro configurar cargo ou emprego público. 

 

Está correto o que se afirma APENAS em 

 

(A) 

III

 e 

IV

.

 

(B) 

I

 e 

II

(C) 

I

 

III

.

 

(D) 

II

 

III

(E) 

II

 e 

IV

Caderno de Prova ’01’, Tipo 002

fcc-2009-pge-rj-tecnico-superior-administrador-prova.pdf-html.html

 

 

PGERJ-Téc.Sup-Administrador-01

 

13 

65.  Quando a rescisão do contrato administrativo se verifica 

independentemente da vontade de qualquer das partes, 
diante da só ocorrência de fato extintivo do contrato pre-
visto em lei, no regulamento ou no próprio corpo do ajuste, 
está-se diante da rescisão 

 

(A) amigável. 
(B)  por cumprimento irregular de cláusula contratual. 
(C) unilateral. 
(D) de 

pleno 

direito. 

(E)  por supressão de obras ou serviços. 

_________________________________________________________ 

 

66.  Quanto à previdência dos servidores, é correto afirmar: 

 

(A)  A pensão por morte será devida a partir do mês em 

que ocorrer o falecimento do segurado. 

 

(B)  No caso de aposentadoria compulsória por idade, o 

segurado afastar-se-á do exercício de seu cargo no 
dia imediatamente anterior à data em que completar 
setenta anos. 

 

(C)  A pensão por morte será devida a partir do mês em 

que for requerida pelo beneficiário. 

 

(D)  O direito à pensão por morte prescreverá em cinco anos 

contados da data em que forem devidas as prestações. 

 

(E)  Para fins de receber o auxílio-reclusão consideram-

se segurados de baixa renda aqueles que recebem 
remuneração ou subsídio mensal igual ou inferior a 
R$ 1.500,00 (hum mil e quinhentos reais). 

_________________________________________________________ 

 

67.  Quando se afirma que o bem público não admite a pos-

sibilidade de aquisição de seu domínio por via de 
usucapião está-se referindo à hipótese de 

 

(A) titularidade. 
(B) inalienabilidade. 
(C) impenhorabilidade. 
(D)  identificação como de uso comum. 
(E) imprescritibilidade. 

_________________________________________________________ 

 

68.  Aos Procuradores do Estado do Rio de Janeiro são asse-

gurados direitos, garantias e prerrogativas concedidos aos 

 

(A)  ministros do Tribunal de Contas. 
(B)  juízes do Poder Jucidiário. 
(C)  advogados em geral. 
(D)  integrantes do Ministério Público. 
(E)  servidores do Poder Legislativo. 

_________________________________________________________ 

 

69.  No processo administrativo é permitida, em caráter 

excepcional e por motivos relevantes devidamente justifi-
cados, a 

 

(A)  avocação temporária de competência exclusiva do 

órgão ou autoridade superior. 

 

(B)  avocação definitiva de competência atribuída a 

órgão da mesma hierarquia. 

 

(C)  delegação de competência para a edição de atos de 

caráter normativo. 

 

(D)  avocação temporária de competência atribuída a 

órgão hierarquicamente inferior. 

 

(E)  delegação de competência para a decisão de 

recursos administrativos. 

_________________________________________________________ 

 

70.  Quanto ao procedimento licitatório é correto afirmar: 

 

(A)  A revogação por interesse público exige a ocorrência 

de fato superveniente e de motivação. 

 

(B)  A anulação do procedimento licitatório sempre gera 

obrigação de indenizar. 

 

(C)  A licitação não pode ser anulada parcialmente. 

 

(D)  A anulação por ilegalidade do procedimento depen-

de de determinação judicial. 

 

(E)  Sempre que existir ilegalidade, o procedimento deve 

ser revogado. 

Caderno de Prova ’01’, Tipo 002