Prova Concurso - Pedagogia - 2009-SEDUC-TO-PROFESSOR-DE-ENSINO-FUNDAMENTAL - CESGRANRIO - SEDUC - 2009

Prova - Pedagogia - 2009-SEDUC-TO-PROFESSOR-DE-ENSINO-FUNDAMENTAL - CESGRANRIO - SEDUC - 2009

Detalhes

Profissão: Pedagogia
Cargo: 2009-SEDUC-TO-PROFESSOR-DE-ENSINO-FUNDAMENTAL
Órgão: SEDUC
Banca: CESGRANRIO
Ano: 2009
Nível: Superior

Downloads dos Arquivos

prova.pdf
gabarito.pdf

Provas relacionadas

PEDAGOGOUFPA2018
PEDAGOGOUNIFESSPA2018
PEDAGOGOEBSERH2018

Gabarito

cesgranrio-2009-seduc-to-professor-de-ensino-fundamental-gabarito.pdf-html.html

 

 

Estado do Tocantins - Secretaria de Administração - Secretaria de Educação e Cultura 

- Concurso Público para Provimento de Cargo do Quadro de Profissionais do 

Magistério da Educação Básica 

Edital n

o

 001/Educação Básica/2009 

 

GABARITOS DO DIA 11/10/2009 

 

Língua Portuguesa (comum a todos os Cargos) 

1 - E 

2 - D 

3 - B 

4 - C 

5 - D 

6 - A 

7 - A 

8 - E 

9 - B 

10 - A 

Conhecimentos Gerais (comum a todos os Cargos) 

11 - D 

12 - D 

13 - A 

14 - B 

15 - E 

16 - A 

17 - C 

18 - E 

19 - D 

20 - A 

Conhecimentos Específicos: Professor (de) 

 Ar

te

 

B

io

logia

 

Ed. Física

 

Filoso

fia

 

Física

 

Geografia

 

Histór

ia

 

L.

 E

str. 

-E

sp

an

ho

L. Es

tr

. -

Inglê

L. P

ortugues

Matem

ática

 

Química

 

Sociol

ogia

 

do

s A

nos

 In

ici

ais

 

do

 En

s. 

Fu

nd

In

st

ru

to

r de 

Libra

Inté

rp

re

te de Li

br

as

 

21 - D  21 - E  21 - B  21 - B  21 - E  21 - B  21 - C  21 - D  21 - A  21 - D  21 - B  21 - B  21 - E  21 - D  21 - D  21 - D 
22 - B  22 - C  22 - C  22 - A  22 - A  22 - D  22 - A  22 - E  22 - D  22 - A  22 - B  22 - D  22 - A  22 - C  22 - E  22 - E 
23 - A  23 - D  23 - E  23 - A  23 - D  23 - C  23 - B  23 - B  23 - B  23 - B  23 - A  23 - B  23 - E  23 - C  23 - B  23 - B 
24 - E  24 - B  24 - E  24 - B  24 - A  24 - A  24 - A  24 - E  24 - D  24 - A  24 - E  24 - E  24 - C  24 - A  24 - E  24 - E 
25 - D  25 - C  25 - B  25 - E  25 - B  25 - A  25 - A  25 - A  25 - E  25 - E  25 - C  25 - D  25 - D  25 - A  25 - E  25 - D 
26 - E  26 - D  26 - E  26 - A  26 - A  26 - E  26 - B  26 - C  26 - E  26 - C  26 - D  26 - A  26 - C  26 - C  26 - C  26 - C 
27 - A  27 - D  27 - D  27 - C  27 - B  27 - E  27 - C  27 - A  27 - D  27 - E  27 - E  27 - C  27 - C  27 - D  27 - A  27 - A 
28 - D  28 - E  28 - D  28 - A  28 - E  28 - B  28 - E  28 - C  28 - B  28 - B  28 - A  28 - E  28 - D  28 - B  28 - C  28 - C 
29 - B  29 - A  29 - A  29 - D  29 - A  29 - C  29 - B  29 - D  29 - A  29 - D  29 - A  29 - D  29 - A  29 - E  29 - A  29 - A 
30 - D  30 - E  30 - A  30 - E  30 - E  30 - D  30 - D  30 - C  30 - C  30 - C  30 - A  30 - A  30 - C  30 - E  30 - B  30 - B 
31 - A  31 - D  31 - B  31 - B  31 - C  31 - B  31 - D  31 - A  31 - B  31 - C  31 - A  31 - E  31 - C  31 - C  31 - B  31 - B 
32 - A  32 - A  32 - A  32 - C  32 - C  32 - D  32 - E  32 - E  32 - E  32 - A  32 - A  32 - B  32 - E  32 - A  32 - C  32 - C 
33 - E  33 - B  33 - C  33 - B  33 - D  33 - C  33 - B  33 - D  33 - C  33 - B  33 - C  33 - E  33 - D  33 - C  33 - A  33 - A 
34 - C  34 - A  34 - E  34 - C  34 - B  34 - A  34 - B  34 - E  34 - C  34 - D  34 - D  34 - D  34 - E  34 - A  34 - D  34 - D 
35 - C  35 - B  35 - B  35 - D  35 - C  35 - D  35 - C  35 - D  35 - E  35 - E  35 - E  35 - B  35 - D  35 - D  35 - B  35 - B 
36 - E  36 - E  36 - E  36 - C  36 - E  36 - E  36 - E  36 - C  36 - B  36 - D  36 - D  36 - B  36 - B  36 - E  36 - A  36 - A 
37 - A  37 - C  37 - A  37 - B  37 - A  37 - D  37 - A  37 - A  37 - C  37 - E  37 - B  37 - E  37 - B  37 - E  37 - D  37 - D 
38 - E  38 - E  38 - D  38 - E  38 - B  38 - E  38 - A  38 - B  38 - B  38 - D  38 - D  38 - B  38 - B  38 - C  38 - D  38 - D 
39 - B  39 - A  39 - D  39 - E  39 - E  39 - B  39 - D  39 - B  39 - C  39 - C  39 - C  39 - E  39 - B  39 - C  39 - E  39 - E 
40 - E  40 - A  40 - C  40 - A  40 - A  40 - D  40 - E  40 - D  40 - A  40 - B  40 - D  40 - E  40 - B  40 - D  40 - B  40 - E 
41 - B  41 - C  41 - E  41 - B  41 - B  41 - E  41 - E  41 - A  41 - C  41 - A  41 - B  41 - A  41 - B  41 - D  41 - E  41 - C 
42 - B  42 - D  42 - D  42 - D  42 - D  42 - A  42 - C  42 - B  42 - A  42 - D  42 - C  42 - C  42 - D  42 - B  42 - C  42 - D 
43 - E  43 - C  43 - A  43 - E  43 - B  43 - D  43 - C  43 - D  43 - E  43 - C  43 - E  43 - A  43 - C  43 - B  43 - C  43 - E 
44 - C  44 - D  44 - D  44 - C  44 - E  44 - C  44 - D  44 - C  44 - D  44 - E  44 - E  44 - C  44 - E  44 - B  44 - D  44 - E 
45 - C  45 - B  45 - D  45 - E  45 - C  45 - C  45 - D  45 - A  45 - C  45 - C  45 - D  45 - D  45 - B  45 - B  45 - D  45 - B 
46 - B  46 - B  46 - E  46 - D  46 - D  46 - B  46 - E  46 - B  46 - B  46 - A  46 - B  46 - C  46 - A  46 - B  46 - E  46 - C 
47 - D  47 - E  47 - A  47 - A  47 - E  47 - D  47 - E  47 - D  47 - B  47 - E  47 - B  47 - D  47 - D  47 - A  47 - A  47 - B 
48 - D  48 - D  48 - C  48 - D  48 - D  48 - B  48 - C  48 - E  48 - E  48 - C  48 - B  48 - C  48 - D  48 - C  48 - A  48 - A 
49 - C  49 - A  49 - C  49 - C  49 - C  49 - E  49 - C  49 - E  49 - D  49 - E  49 - C  49 - D  49 - A  49 - E  49 - B  49 - D 
50 - D  50 - E  50 - C  50 - E  50 - D  50 - C  50 - D  50 - C  50 - A  50 - B  50 - B  50 - A  50 - A  50 - D  50 - E  50 - A 

 

Prova

cesgranrio-2009-seduc-to-professor-de-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO

ENSINO FUNDAMENTAL

OUTUBRO / 2009

14

ESTADO DO TOCANTINS

SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO

DO QUADRO DOS PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO

DA EDUCAÇÃO BÁSICA

LEIA  ATENTAMENTE  AS  INSTRUÇÕES  ABAIXO.

01    -

Você recebeu do fiscal o seguinte material:

a) este caderno, com o enunciado da questão da Prova de Redação e das 50 questões das Provas Objetivas,

sem repetição ou falha, com a seguinte distribuição:

b)  Um Caderno de Respostas para o desenvolvimento da Prova de Redação, grampeado ao  CARTÃO-RESPOSTA

destinado às respostas às questões objetivas formuladas nas provas.

02    -

Verifique se este material está em ordem e se o seu nome e número de inscrição conferem com os que aparecem no CARTÃO-
RESPOSTA
. Caso contrário, notifique IMEDIATAMENTE o fiscal.

03    -

Após a conferência, o candidato deverá assinar no espaço próprio do CARTÃO-RESPOSTA, preferivelmente a
caneta esferográfica de tinta na cor preta, fabricada em material transparente.

04    -

No CARTÃO-RESPOSTA, a marcação das letras correspondentes às respostas certas deve ser feita cobrindo a letra e
preenchendo todo o espaço compreendido pelos círculos, a caneta esferográfica de tinta na cor preta, de forma
contínua e densa. A LEITORA ÓTICA é sensível a marcas escuras; portanto, preencha os campos de marcação
completamente, sem deixar claros.

Exemplo:

05    -

Tenha muito cuidado com o CARTÃO-RESPOSTA, para não o  DOBRAR,  AMASSAR  ou  MANCHAR.
CARTÃO-RESPOSTA SOMENTE poderá ser substituído caso esteja danificado em suas margens superior ou inferior -
BARRA DE RECONHECIMENTO PARA LEITURA ÓTICA.

06    -

Para cada uma das questões objetivas, são apresentadas 5 alternativas classificadas com as letras (A), (B), (C), (D) e (E);
só uma responde adequadamente ao quesito proposto. Você só deve assinalar UMA RESPOSTA: a marcação em
mais de uma alternativa anula a questão, MESMO QUE UMA DAS RESPOSTAS ESTEJA CORRETA.

07    -

As questões objetivas são identificadas pelo número que se situa acima de seu enunciado.

08    -

SERÁ ELIMINADO do Concurso Público o candidato que:

a) se utilizar, durante a realização das provas, de máquinas e/ou relógios de calcular, bem como de rádios gravadores,

headphones, telefones celulares ou fontes de consulta de qualquer espécie;

b) se ausentar da sala em que se realizam as provas levando consigo o Caderno de Questões e/ou o CARTÃO-RESPOSTA

grampeado ao Caderno de Respostas da Prova de Redação;

c) se recusar a entregar o Caderno de Questões e/ou o CARTÃO-RESPOSTA grampeado ao Caderno de Respostas da

Prova de Redação quando terminar o tempo estabelecido.

09    -

Reserve os 30 (trinta) minutos finais para marcar seu CARTÃO-RESPOSTA. Os rascunhos e as marcações assinaladas no

Caderno de Questões NÃO SERÃO LEVADOS EM CONTA.

10    -

Quando terminar, entregue ao fiscal  O CARTÃO-RESPOSTA grampeado ao Caderno de Respostas da Prova de Redação
e ASSINE A LISTA DE PRESENÇA.
Obs. 
O candidato só poderá se ausentar do recinto das provas após 1 (uma) hora contada a partir do efetivo início das
mesmas. Por motivo de segurança, o candidato somente poderá levar o Caderno de Provas, a partir de 1(uma) hora antes
do término das mesmas.

11    -

O  TEMPO  DISPONÍVEL  PARA ESTAS PROVAS DE QUESTÕES OBJETIVAS E DE REDAÇÃO É DE

4 (QUATRO) HORAS, findo o qual o candidato deverá, obrigatoriamente, entregar o Caderno de Questões e o
CARTÃO-RESPOSTA grampeado ao Caderno de Respostas da Prova de Redação, respeitada a observação do item 10.

12   -

As questões e os gabaritos das Provas Objetivas serão divulgados no primeiro dia útil após a realização das

mesmas, no endereço eletrônico da FUNDAÇÃO CESGRANRIO (http://www.cesgranrio.org.br).

A

C

D

E

LÍNGUA PORTUGUESA

Questões

1 a 10

Pontos

1,0

CONHECIMENTOS GERAIS

Questões

11 a 20

Pontos

1,0

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Questões

21 a 50

Pontos

1,0

cesgranrio-2009-seduc-to-professor-de-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

2

cesgranrio-2009-seduc-to-professor-de-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

3

PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

R E D A Ç Ã O

TEXTO I (fragmento)

Em  O Grande Ditador, Charles Chaplin disse: “Pensamos demais e sentimos muito pouco.

Mais do que inteligência, precisamos de bondade e compreensão”. A capacidade da liderança
traz consigo essa possibilidade. O professor-líder é ainda aquele que acredita no poder do sonho —
o sonho que livra da domesticação imposta pela rotina. Para isso, ele compromete as pessoas,
e elas passarão a seguir o sonho, não mais o líder.

Disponível em: http://www.profissaomestre.com.br/php/verMateria.php?cod=1482.

TEXTO II

“A educação faz com que as pessoas sejam fáceis de guiar, mas difíceis de arrastar; fáceis de

governar, mas impossíveis de escravizar.”

PETER, Henry

Com base nos textos acima e considerando também o Texto I da prova teórico-objetiva,

construa um texto em prosa, dissertativo-argumentativo, com o mínimo de 30 e o máximo
de 35 linhas, sobre o seguinte tema:

A importância, nos dias atuais, das escolas que são asas e dos professores que

acreditam no poder do sonho.

Os textos referenciais devem ser utilizados, apenas, como base para uma reflexão sobre o

tema, não podendo ser transcrita qualquer passagem dos mesmos.

Dê um título à sua redação e utilize caneta esferográfica, preferencialmente de tinta

na cor preta.

cesgranrio-2009-seduc-to-professor-de-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

4

LÍNGUA PORTUGUESA

Texto I

Há escolas que são gaiolas

e há escolas que são asas.

Escolas que são gaiolas existem para que os

pássaros desaprendam a arte do voo. Pássaros
engaiolados são pássaros sob controle. Engaiolados, o
seu dono pode levá-los para onde quiser. Pássaros
engaiolados sempre têm um dono. Deixaram de ser
pássaros. Porque a essência dos pássaros é o voo.

Escolas que são asas não amam pássaros

engaiolados. O que elas amam são pássaros em voo.
Existem para dar aos pássaros coragem para voar.
Ensinar o voo, isso elas não podem fazer, porque o voo
já nasce dentro dos pássaros. O voo não pode ser
ensinado. Só pode ser encorajado.

ALVES, Rubem

Disponível em: http://www.pensador.info/p/

_cronica_escolas_gaiolas_escolas_asas_rubem_alves/1/

1

No primeiro parágrafo do Texto I, o único período cujo
sentido NÃO caracteriza uma educação castradora é o
(A) 2

o

(B) 3

o

(C) 4

o

 

(D) 5

o

(E) 6

o

2

Considerando o 1

o

 parágrafo do Texto I, os elementos

destacados a seguir que apresentam, entre si, uma
relação semântica de oposição são:

3

No segundo parágrafo do Texto I, o 2

o

 período, em relação

ao 1

o

, caracteriza-se, semanticamente, como uma

(A) retificação.

(B) justificativa.

(C) alternativa.

(D) restrição.

(E) comparação.

4

Que passagem do 2

o

 parágrafo do Texto I repete, semanti-

camente, a passagem “...a essência dos pássaros é o voo.”
(A. 6)?
(A) “Escolas que são asas não amam pássaros

engaiolados.” (A. 7-8)

(B) “O que elas amam são pássaros em voo.” (A. 8)
(C) “...o voo já nasce dentro dos pássaros.” (A. 10-11)
(D) “O voo não pode ser ensinado.” (A. 11-12)
(E) “Só pode ser encorajado.” (A. 12)

“escolas”

 (1

o

 período)   -

“engaiolados”  (2

o

 período)   -

“sob controle”  (2

o

 período)   -

“pássaros”       (4

o

 período)   -

“essência”        (6

o

 período)   -

“gaiolas”             (1

o

 período).

(sob) “controle”  (2

o

 período).

“dono”                (3

o

 período).

“pássaros”          (5

o

 período).

“voo”                   (6

o

 período).

(A)
(B)
(C)
(D)
(E)

Quais os sonhos das crianças que moram em

comunidades carentes? Uma casinha para a família
com flores no jardim? Uma piscina para a vizinhança?
Ou uma bicicleta? Não importa qual seja, o projeto Paint
a Future
 (Pinte um Futuro) vai, de certa forma, realizá-lo.
A ideia surgiu com a pintora holandesa Hetty van der
Linden, em 2003.

Dona de uma simpatia contagiante e com um

grande círculo de amigos artistas plásticos interna-
cionais, Hetty pensava na melhor maneira de aliar a
arte a um fim social. Ela queria, além disso, que todos
se divertissem com esse trabalho. Então imaginou
reunir vários pintores em um lugar paradisíaco para que
eles fizessem quadros que depois seriam leiloados em
benefício das comunidades carentes. Mais: essas telas
seriam feitas a partir dos desenhos que retratavam os
sonhos das crianças de lugares pobres, recolhidos por
voluntários numa etapa anterior.

Assim todos ficavam contentes: as crianças por

terem expressado seus sonhos, os artistas por traba-
lharem em lugares lindos, as pousadas que os acolhem
de graça e as galerias que vendem suas obras sem
comissão por colaborarem com um fim social sem sair
dos seus ramos de atividade. E os compradores, por
ajudar a realizar sonhos infantis. “Ela conseguiu um
milagre: deixar todo mundo satisfeito sem ter de criar
uma ONG que onere o processo. Tudo é fruto de um
trabalho voluntário e prazeroso”, diz Myrine Vlavianos,
sócia da galeria Multipla, que faz as exposições do
Paint a Future em São Paulo e Florianópolis. E, assim,
sonhos ganham cores e formas.

ALVES, Liane

Disponível em: http://vidasimples.abril.uol.com.br

/edicoes/073/mente_aberta/conteudo_399745.shtml

10

5

10

5

15

20

25

30

Texto II

Pinte o sonho

5

Em “Porque a essência dos pássaros é o voo.” (A. 6), o
sentido sofre ALTERAÇÃO, ao substituirmos o vocábulo
destacado por
(A) Visto que.
(B) Porquanto.
(C) Pois.
(D) À medida que.
(E) Já que.

cesgranrio-2009-seduc-to-professor-de-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

5

PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

6

O conector “além disso,” (A. 11) introduz um enunciado que,
em relação ao período anterior, caracteriza-se como um(a)
(A) acréscimo.
(B) explicação.
(C) conclusão.
(D) restrição.
(E) alternativa.

7

A passagem “sonhos ganham cores e formas.” (A. 31)
refere-se, semanticamente, à(ao)
(A) expressão e concretização dos desejos infantis.
(B) ideia da pintora Hetty van der Linden de desenvolver

um projeto.

(C) conjugação dos fatores social e artístico envolvidos no

projeto.

(D) trabalho dos artistas plásticos engajados no evento.
(E) empenho conjunto dos órgãos possibilitadores da

realização do evento.

8

Quanto ao gênero e à tipologia, o Texto II classifica-se,
respectivamente, como
(A) sermão e injunção.
(B) romance e narração.
(C) conto e descrição.
(D) conferência e exposição.
(E) notícia jornalística e argumentação.

9

 ‘Ela conseguiu um milagredeixar todo mundo satisfeito
sem ter de criar uma ONG que onere o processo. Tudo é
fruto de um trabalho voluntário e prazeroso’, (A. 25-28)

Na passagem transcrita acima, o emprego dos dois pontos
e das aspas justifica-se por anteceder e transcrever,
respectivamente, um(a)
(A) conceito e o depoimento de um especialista.
(B) explicação e a opinião de um empresário.
(C) exemplificação e o julgamento crítico de um jornalista.
(D) enumeração e o juízo de valor de um pintor.
(E) citação e a opinião de um leitor.

10

Nos trechos a seguir, o que destacado DIFERE dos
demais, quanto à categoria gramatical, em:
(A) “que todos se divertissem com esse trabalho.” (A. 11-12)
(B) “...que depois seriam leiloados...” (A. 14)
(C) “...que os acolhem de graça...” (A. 21-22)
(D) “...que onere o processo.” (A. 27)
(E) “que faz as exposições do Paint a Future...” (A. 29-30)

CONHECIMENTOS GERAIS

11

A Lei n

o

 1.360 de 31/12/2002, que dispõe sobre o Sistema

Estadual de Ensino do Estado do Tocantins, disciplinando a
organização da educação escolar, especifica como se
dará a gestão democrática do ensino público. Com base
nessa Lei, analise as proposições a seguir.

I

- As Associações de Apoio terão participação indireta

na gestão escolar, por meio de participantes indica-
dos pelo Poder Público Estadual.

II

- O programa Escola Comunitária de Gestão Compar-

tilhada, criado na Secretaria de Educação e Cultura,
visa ao fortalecimento do processo de autonomia da
escola e à descentralização de recursos.

III - A gestão compartilhada se efetiva com a criação da

Associação de Apoio à Escola, constituída pelos
alunos representantes de turma e gestores das
unidades educacionais.

IV - Os recursos financeiros repassados são destinados

à manutenção das unidades escolares e ao suporte
de suas ações pedagógicas.

É(São) determinação(ões) sobre a gestão democrática do
ensino público, de acordo com a referida lei, APENAS a(s)
proposição(ões)
(A) I.
(B) II.
(C) II e III.
(D) II e IV.
(E) III e IV.

12

As Diretrizes Curriculares Nacionais, que apresentam
princípios, fundamentos e procedimentos para a
educação, visam a
(A) propor atividades que deverão constar do núcleo

comum dos níveis de Ensino Fundamental, Médio
e da educação profissional brasileira.

(B) fixar os conteúdos e temas transversais que

constituirão parâmetros mínimos para a garantia da
unidade do ensino no território nacional.

(C) oferecer princípios didáticos que assegurem a adoção

de metodologias ativas e o uso consciente de
tecnologias de informação e comunicação.

(D) orientar as escolas dos diferentes sistemas de ensino

na articulação, desenvolvimento e avaliação de suas
propostas pedagógicas.

(E) apresentar normas para a elaboração de currículos e

programas, em cada unidade escolar, que estejam
voltados para a gestão democrática.

cesgranrio-2009-seduc-to-professor-de-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

6

13

Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) para o
Ensino Médio propõem que o conhecimento escolar seja
dividido em áreas, denominadas:

 

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias,

• Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias e
• Ciências Humanas e suas Tecnologias.
Essa estruturação é justificada, segundo os PCN, pelo fato
de assegurar uma educação
(A) de base científica e tecnológica, na qual conceito,

aplicação e solução de problemas concretos são
combinados com uma revisão dos componentes
socioculturais orientados para uma visão
epistemológica que concilie humanismo e tecnologia.

(B) de qualidade, que proporcione estabilidade econô-

mica, política e social proveniente do fornecimento de
mão de obra qualificada para a agricultura e para a
indústria, diante das crescentes demandas nacionais
nesses setores produtivos.

(C) que promova um aprofundamento de saberes de

campos do conhecimento diferenciados, de forma a
que o estudante seja capaz de dominar conheci-
mentos segmentados e oriundos de uma tradição
enciclopédica própria desse nível de ensino.

(D) que prepare o educando para participar de exames

nacionais que avaliam o desempenho individual e das
instituições de ensino, tendo em vista a estruturação
de um ranking que conduza a um aprimoramento da
educação em um cenário global competitivo.

(E) que esteja voltada para os interesses reais do jovem

contemporâneo, caracteristicamente familiarizado com
os mais recentes desenvolvimentos tecnológicos e
com uma cultura urbana, cosmopolita e afetada pelo
fenômeno da globalização.

14

“Em setembro, cerca de 600 representantes de comuni-
dades e dos governos federal, estadual e municipal se
reunirão em Brasília para a 1

a

 Conferência Nacional de

Educação Escolar Indígena. A ideia é discutir qual é o
modelo de educação adequado para esses povos.”

Portal UOL Educação, 14 abr. 2009.

O trecho da reportagem informa a respeito da necessidade
de discutir um modelo adequado à educação indígena
de qualidade, amparado pela Lei de Diretrizes e Bases
da Educação Nacional (LDB 9.394/96). Nos artigos 78 e 79,
a LDB garante que
(A) sejam elaborados materiais didáticos compatíveis

com os que são adotados em todo o território nacional
e referenciados pelo Ministério da Educação.

(B) sejam desenvolvidos currículos e programas específi-

cos em que estejam incluídos os conteúdos culturais
correspondentes às respectivas comunidades.

(C) haja apoio técnico e financeiro proveniente dos

e s t a dos para o provimento de uma educação
intercultural, por meio de programas integrados
de ensino e pesquisa.

(D) haja fortalecimento de práticas socioculturais por

meio de uma educação inclusiva que abrigue alunos
índios e não índios nas mesmas unidades educacionais.

(E) prevaleça a reafirmação da identidade étnica

mediante o ensino de conteúdos históricos ministrados
necessariamente na língua materna dos índios.

15

“No processo de universalização e democratização do
ensino, especialmente no Brasil, onde os déficits
educativos e as desigualdades regionais são tão
elevados, os desafios educacionais existentes podem ter,
na educação a distância, um meio auxiliar de indiscutível
eficácia. Além do mais, os programas educativos podem
desempenhar um papel inestimável no desenvolvimento
cultural da população em geral.”

Plano Nacional de Educação (Lei n

o

 10.172/2001)

Qual das metas do Plano Nacional de Educação relaciona
o trecho e a charge acima?
(A) Promover imagens estereotipadas de homens e

mulheres na TV Educativa e na Internet, incorporando
nas programações temas que confirmem a igualdade
de direitos entre homens e mulheres, assim como a
adequada abordagem de temas referentes à etnia.

(B) Instalar 2.000 núcleos de tecnologia educacional que

deverão atuar como centros de orientação para as
escolas e para os órgãos administrativos dos sistemas
de ensino, no acesso aos programas informatizados e
vídeos educativos.

(C) Substituir gradualmente as relações de comunicação

e interação direta entre educador e educando pela
eficácia da televisão, do vídeo, do rádio e do computador,
que constituem importantes instrumentos pedagógicos
auxiliares.

(D) Ampliar a oferta de programas de formação a distância

para a Educação de Jovens e Adultos, especialmente
no que diz respeito à oferta de Ensino Fundamental,
com especial consideração para o potencial dos canais
radiofônicos e para o atendimento da população rural.

(E) Equipar todas as escolas de Nível Médio, e todas as

de Ensino Fundamental com mais de 100 alunos, com
computadores e conexões na Internet que possibilitem
a instalação de uma Rede Nacional de Informática na
Educação e o desenvolvimento de programas
educativos apropriados.

cesgranrio-2009-seduc-to-professor-de-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

7

PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

16

Em abril de 2009, o presidente dos Estados Unidos,

B a r a c k   O b a m a ,   e l o g i o u   p u b l i c a m e n t e   o   B r a s i l .

Em entrevista ao canal de TV CNN Español, afirmou

ser o Brasil uma potência.

O líder norte-americano referia-se a uma potência no

plano da

(A) dinâmica econômica.

(B) riqueza natural.

(C) produção cultural

(D) inovação institucional.

(E) composição demográfica.

17

Em 2009, o mundo se preocupa com um novo vírus,

causador da denominada gripe suína, a influenza A(H1N1),

que não distingue barreiras sociais, econômicas, político-

geográficas. Vários governos recomendaram a seus

cidadãos que evitassem viagens a um determinado país

latino-americano, pois nele, até maio, registravam-se os

números mais elevados de casos letais e em observação.

O país latino-americano no foco das preocupações, por

apresentar, inicialmente, o maior número de infectados,

foi o

(A) Chile.

(B) Equador.

(C) México.

(D) Panamá.

(E) Paraguai.

18

A crise internacional desencadeada no final de 2008 afeta

o turismo no Brasil, uma atividade econômica responsável

pela movimentação de cerca de US$ 5 bilhões anuais.

A redução das vendas de pacotes de viagem, sobretudo

para o exterior, é apontada como a pior consequência da

crise, segundo empresários do setor.

De acordo com analistas da crise, o principal fator que

provoca essa redução é a

(A) ausência de políticas para o setor.

(B) desarticulação entre agentes de viagem.

(C) ineficácia de agências reguladoras.

(D) instabilidade política do país.

(E) volatilidade do câmbio do dólar.

19

Alguns alunos do Ensino Fundamental, ao pesquisarem a
história da criação do Estado do Tocantins, fizeram em seus
cadernos as anotações abaixo:
Lucas: Desde o final do século XIX se discutia a criação
do Tocantins, mas a concretização da ideia só ocorreu com
a Constituição Federal de 1988, com sua criação pelo
desmembramento do Estado de Goiás.
Francisco: Na criação do Estado teve papel de destaque
a União Tocantinense, que mobilizou o povo do norte de
Goiás para a luta revolucionária em favor do separatismo.
Renata: Após a criação do Estado do Tocantins, a primeira
capital foi Palmas, localizada na região central do novo
Estado.
Fátima: A capital, sede do governo, foi construída no
centro geográfico do Estado, em uma área de 1.024 Km

2

,

desmembrada do município de Porto Nacional.

Dentre os quatro alunos, fez(fizeram) anotações corretas
em seu(s) caderno(s) APENAS
(A) Lucas.

(B) Francisco.

(C) Francisco e Renata.

(D) Lucas e Fátima.

(E) Renata e Fátima.

20

A charge expressa uma situação lamentada em todo o pla-
neta: a crescente devastação da região amazônica, onde
também se encontra o Estado do Tocantins, que precisa
do compromisso de cada cidadão para a sua preservação.
Sobre os aspectos geográficos e geopolíticos do estado, é
INCORRETA a informação de que o Tocantins
(A) vem perdendo áreas de preservação, como as unida-

des de conservação e as bacias hídricas.

(B) possui mais de 80% de cerrado, que divide espaço com

a floresta de transição.

(C) possui o encontro de três ecossistemas: o amazônico,

o pantaneiro e o cerrado.

(D) abriga sete etnias indígenas distribuídas em reservas

que totalizam cerca de dois milhões de hectares.

(E) é onde se encontra a maior bacia hidrográfica inteira-

mente situada em território brasileiro.

Disponível em: blogs.agostinianosaojose.com.br/2007/Alpha.

cesgranrio-2009-seduc-to-professor-de-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

8

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

21

Na abordagem sociointeracionista, a aprendizagem se
caracteriza por
(A) resultar do esforço de atribuir e encontrar significados

para o mundo, o que implica a construção e revisão de
hipóteses.

(B) resultar do processo de desequilíbrio-equilíbrio proposto

por J. Piaget na psicogênese do conhecimento.

(C) resultar da atividade de pensamento do sujeito e

depender do desenvolvimento de suas estruturas
cognitivas.

(D) atribuir especial importância ao meio social e ao adulto

educador nos processos de ensinar e aprender.

(E) colocar o sujeito como centro, ao vincular-se à sua

maturação biopsicológica.

22

Um dos objetivos de trabalho, nos anos iniciais do ensino
fundamental, está relacionado ao conhecimento e à
integração das crianças às regras de convívio em sociedade.
Alguns conteúdos escolares são trabalhados pelos
professores desde o início da escolarização, tais como

• respeitar uma opinião diversa da sua;
• falar na sua vez durante um debate;
• cuidar do bem-estar da classe;
• considerar as diferenças como possibilidade de cresci-

mento.

O rol acima é definido como uma listagem de conteúdos
(A) factuais.
(B) conceituais.
(C) atitudinais.
(D) procedimentais.
(E) contextuais.

23

Segundo Vygotsky, as crianças menores tendem a nomear
seus desenhos somente após realizá-los e vê-los, enquanto
as crianças mais velhas falam o que vão desenhar.
Essas proposições mostram que, para Vygotsky,
(A) a fala tem uma função memorística, já que após a

atividade, a criança estabelece uma nova relação com
a ação.

(B) a fala tem uma função intermediária, que é a de fazer

a transição entre o discurso socializado e o interior.

(C) a fala tem uma função planejadora, pois a criança,

já mais velha, utiliza-a para planejar uma ação futura.

(D) o papel da fala na estruturação do pensamento é

anterior às possibilidades de planejamento por parte
da criança.

(E) os desenhos das crianças precedem a sua organi-

zação interna do pensamento, o que levará à organi-
zação da fala.

24

A professora Ana, que atua com alunos entre 8 e 9 anos
de idade, propõe às crianças, diariamente, situações de
desafio e de resolução de problemas. A prática da profes-
sora promove o desenvolvimento adequado do raciocínio
lógico-matemático de seus alunos porque
(A) coloca na situação-problema o ponto de partida da ati-

vidade matemática por meio da interpretação de enun-
ciados, exigindo transferências, retificações e rupturas.

(B) coloca em evidência os resultados a serem obtidos, as

definições subjacentes e as demonstrações próprias
dos processos matemáticos envolvidos em problemas.

(C) envolve uma concepção de ensino e de aprendizagem

baseada no mimetismo, que é a forma mais genuína
de construção de conceitos.

(D) situa a resolução de problemas como uma atividade a

ser desenvolvida para tornar mecânico um processo
operatório, tendo em vista a autonomia intelectual.

(E) busca ensinar conceitos, procedimentos ou técnicas

para a aplicação em situações-problema que permi-
tem avaliar a capacidade de emprego do que foi
ensinado.

25

Pedagogos como Froebel, Montessori e Decroly
chamaram a atenção para o valor educativo do jogo e
fizeram com que muitos educadores reconhecessem a
importância de tal atividade. Ainda hoje, os sistemas
pré-escolares discutem se o jogo infantil é um ato de
expressão livre, um fim em si mesmo ou um recurso
pedagógico.
Brincar na escola é diferente de brincar em casa.
Os brinquedos são da instituição; as possibilidades de
brincadeiras em grupo são maiores, e crianças da mesma
idade costumam ficar sob a responsabilidade de poucos
adultos. Todos esses fatores influenciam os modos de
brincar e exigem reflexão por parte dos educadores.

PORTO, Cristina Laclette. O brinquedo como objeto de cultura.

Disponível em: http://www.redebrasil.tv.br/salto/boletins2003/jbdd/tetxt2.htm

A partir da leitura do texto acima, é correto afirmar que
(A) é preciso compreender a especificidade e a importân-

cia de brincadeiras ou jogos, o que não significa que
devam ser todos de cunho pedagógico.

(B) para toda e qualquer brincadeira, os educadores

devem encontrar um recurso pedagógico para
estimular a aprendizagem.

(C) os jogos e brincadeiras são de livre expressão das

crianças e, na escola, devem ser utilizados como um
fim em si mesmos.

(D) toda e qualquer brincadeira tem um cunho pedagógico,

seja na escola, em casa, na rua ou no clube.

(E) todas as brincadeiras das crianças, apesar de terem

um cunho pedagógico, devem ser respeitadas em sua
livre expressão.

cesgranrio-2009-seduc-to-professor-de-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

9

PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

26

Em uma entrevista para lecionar nos anos iniciais do ensino

fundamental (1

o

 ao 5

o

 ano), uma candidata é questionada

quanto a alguns dos conteúdos básicos de Matemática para

esse nível de ensino, que são

(A) números fracionários, números relativos e algoritmo de

divisão e multiplicação.

(B) números percentuais, algoritmo da adição e subtração

e números negativos.

(C) algoritmo da adição e subtração, números fracionários

e sistema de numeração.

(D) sistema de numeração, algoritmo da divisão, subtra-

ção e números relativos.

(E) medidas de quantidade, adição, subtração e números

absolutos e complexos.

27

Ao trabalhar essa notícia em sala de aula com seus alunos

do quarto ano do ensino fundamental, a professora Camila

está querendo, dentre outras coisas, ensinar que há

instâncias administrativas públicas em um país, tal como a

da notícia acima, que se refere à administração pública

(A) federal.

(B) regional.

(C) estadual.

(D) municipal.

(E) distrital.

28

Uma professora propôs que seus alunos construíssem

uma rosa dos ventos. Após a atividade de dobradura, a

professora solicitou que as crianças utilizassem a rosa

dos ventos em uma atividade com o mapa do município.

A descrição da atividade denota que a professora tem como

objetivo trabalhar com seus alunos conteúdos relativos a

(A) escalas e legendas nos mapas.

(B) pontos cardeais e localização cardeal.

(C) medidas e escalas geográficas.

(D) relevo, clima e vegetação.

(E) divisão política e climática.

29

Em um congresso sobre disciplina e indisciplina na escola,
os professores palestrantes deram as contribuições
apresentadas a seguir.
Maria: O barulho, a agitação e a movimentação em sala
de aula devem ser catalisadores do ato de conhecer,
tornando a indisciplina um movimento estruturado em
torno de ideias, conceitos e proposições.
Paulo: O professor precisa ter uma conduta dialógica, dis-
posta à intervenção pedagógica, à negociação constante
em relação às estratégias de ensino e de avaliação, aos
objetivos e até mesmo aos conteúdos preconizados.
Helena: A saída para as situações de indisciplina está na
relação professor-aluno, nos vínculos estabelecidos, pois,
guardadas as especificidades de atribuições, ambos são
parceiros de um mesmo jogo, cujo rival é a ignorância.

A plateia que assistiu às palestras fez vários comentários.
Identifique aquele que analisou corretamente uma ou mais
das contribuições dos professores.
(A) A concepção de disciplina de Maria está identificada

com uma visão institucional voltada para a vigilância e
a punição.

(B) A visão de atuação docente que Paulo apresenta

conduz a um enfraquecimento da figura de autoridade
simbólica desempenhada pelo professor.

(C) A proposta de Helena desconsidera o foco dos proble-

mas de indisciplina, que está na ausência de interven-
ção familiar no âmbito escolar e em problemas psico-
lógicos dos alunos.

(D) As ideias dos três palestrantes são vinculadas a um

modelo de escola que vigorou na Modernidade e que foi
superado por concepções pragmáticas de educação.

(E) As colocações de Maria, Paulo e Helena consideram

a indisciplina como fenômeno transversal, que é
superado com o foco no conhecimento e nas regras a
ele subjacentes.

30

Em um conselho de classe, uma professora disse:

— Meus alunos não cometem erros, mas me dão indícios

de aprendizagem.

Essa professora demonstra ter, em relação à avaliação da
aprendizagem de seus alunos, uma postura que
(A) tolera os erros de seus alunos, mesmo que sejam

cometidos em prol da aprendizagem.

(B) identifica qualidades nos alunos, mesmo quando

cometem erros em seus exercícios.

(C) considera os alunos como seres passíveis de comete-

rem erros em seus processos de aprendizagem.

(D) pontua para seus alunos os erros que cometem ao

longo das situações de aprendizagem propostas.

(E) compreende a avaliação como mais um elemento do

processo de ensino e aprendizagem.

“Vereadores insistem no projeto de

construção do lixão da cidade!”

cesgranrio-2009-seduc-to-professor-de-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

10

31

Uma turma de 1

o

 ano do Ensino Fundamental tem a seguinte rotina:

Analisando o quadro acima, em relação à organização de tempo e espaço dessa classe, foram feitas as seguintes afirmações:

I

- o espaço e o tempo estão organizados de modo a garantir a participação da criança no seu processo formativo;

II

- a multiplicidade de atividades gera ansiedade na criança por deixar de prever tempo para o repouso;

III - as áreas de conhecimento são trabalhadas de forma interdisciplinar;
IV - a variedade da organização mascara a falta de integração entre áreas do conhecimento;
V

- as crianças estão sendo tratadas como sujeitos de direitos.

São corretas APENAS as afirmações
(A) I, II e III.

             (B) I, II e IV.

        (C) I, III e V.

        (D) II, III e IV.

           (E) II, III e V.

32

Analise as descrições de atividades na tabela e identifique aquela que corresponde ao método de trabalho independente.

Segunda-feira

Terça-feira

Quarta-feira

Quinta-feira

Sexta-feira

Roda de conversa

Roda de conversa

Roda de conversa

Roda de conversa

Roda de leitura

Elaboração

conjunta das

atividades do dia

Elaboração

conjunta das

atividades do dia

Elaboração

conjunta das

atividades do dia

Elaboração

conjunta das

atividades do dia

Elaboração

conjunta das

atividades do dia

Leitura

compartilhada de

fábulas

Leitura

compartilhada de

poemas

Leitura

compartilhada de

notícias

Leitura

compartilhada de

contos

Leitura

compartilhada de
textos escolhidos

pelas crianças

Lanche

Lanche

Lanche

Lanche

Lanche

Brincadeiras no

pátio

Brincadeiras

dirigidas no pátio

Brincadeiras no

pátio

Jogos de regras no

pátio

Brincadeiras no

pátio

Atividades ligadas

ao

desenvolvimento

de um projeto

interdisciplinar

Visita à biblioteca

da escola

Jogos de mesa

Oficina de artes

plásticas

Atividade de

escrita

Resolução de

problemas

Oficina de música

Trabalho com a

horta da escola

Oficina de
atividades

corporais

                           O(A) Professor(a)

propõe a atividade e orienta os educandos.

faz demonstrações usando diferentes materiais.

desafia os educandos com uma pergunta geradora.

divide os alunos em pequenos grupos.

conduz os alunos a um ambiente diferenciado.

                               Os(As) Alunos(as)

trabalham de forma livre e criativa com conhecimentos

adquiridos, aplicando-os a situações novas.

observam o que é demonstrado, fazem perguntas e

respondem às que são formuladas pelo docente.

buscam respostas em conjunto em meio a uma conversa-

ção didática.

cooperam entre si para a realização de uma tarefa a

partir de um tema dado.

exploram o meio e coletam objetos que serão analisados

posteriormente em sala de aula.

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

cesgranrio-2009-seduc-to-professor-de-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

11

PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

33

NUNES, Terezinha (org). Aprender pensando.

Petrópolis/RJ, Vozes, 1986, p. 13.

Por trás das metodologias adotadas pelo professor,
existe um conjunto de ideias sobre aprendizagem.
A postura da professora caricaturizada na charge
expressa uma concepção de aprendizagem na qual o
conhecimento é
(A) circulante e multifacetado para a descrição de uma

realidade complexa.

(B) fruto dos diferentes saberes  expressos pelos estudan-

tes e suas famílias.

(C) incorporado de forma linear e objetiva pelo sujeito.
(D) construído coletivamente por alunos e professores.
(E) compreendido como objeto da cultura dos aprendizes.

34

Giovana tem quatro anos e visitará a casa de uma tia com
sua mãe. Ela sabe que o nome da rua da tia é Rua das
Amendoeiras. Ela e sua mãe vão a pé e, ao chegar a
uma esquina, veem uma placa em um muro.
Giovana ainda não sabe ler e escrever, mas sabe que na
placa está escrito um nome de rua. Ela pede à sua mãe
para ler o nome que está escrito.
Esse caso demonstra que Giovana
(A) percebe a função social da escrita, mesmo sem saber

ler e escrever.

(B) ignora que as letras e os números são uma represen-

tação.

(C) é letrada sem ser alfabetizada.
(D) sabe ler mesmo sem estar devidamente escolarizada.
(E) está alfabetizada no sentido amplo do conceito de

alfabetização.

Considere a descrição abaixo para responder às
questões de n

os

 35 e 36.

Jorge é professor de uma turma de alunos de 9 a 10 anos.
Após uma discussão em sua classe sobre educação
ambiental, Jorge levou seus alunos a uma excursão pela
localidade onde a escola está situada, a fim de que
fizessem observações, tirassem fotografias e coletassem
elementos, como a água de um rio, por exemplo. De volta
à escola, os alunos desenharam um mapa do percurso.
No dia seguinte, estudaram aspectos da história da locali-
dade, a fim de que os alunos pudessem perceber a origem
dos problemas ambientais que encontraram. Nas aulas
posteriores, fizeram análise da água coletada, estudaram
formas de purificação da água e opções de tratamento do
esgoto. Em grupos, os alunos fizeram croquis e maquetes
que previam uma reordenação urbanística, de acordo com
princípios de sustentabilidade. Ao final, redigiram um
pequeno jornal, que foi impresso e divulgado na comuni-
dade, relatando a experiência e estimulando ações de
conservação ambiental.

35

A prática desenvolvida pelo professor Jorge está calcada
em uma concepção transversal de ensino e de aprendiza-
gem, estimulada pelos Parâmetros Curriculares Nacionais
e pelo Referencial Curricular do Estado do Tocantins
porque
(A) constituiu uma nova área de conhecimento com o

suporte das diversas disciplinas.

(B) foi possível isolar cada área em torno de um tema

comum que atravessou a estrutura curricular.

(C) direcionou o trabalho pedagógico para as atividades,

em vez de focar nos objetivos das disciplinas.

(D) houve uma integração do tema às áreas convencio-

nais, rompendo com o confinamento das disciplinas.

(E) tornou o trabalho naturalmente integrado, em função

de o tema explorado ser próprio das especificidades
das disciplinas.

36

O professor Jorge pesquisou a diferença entre
transversalidade e interdisciplinaridade, concluindo que a
interdisciplinaridade
(A) está fundamentada na crítica a uma concepção de

conhecimento que encara a realidade como um
conjunto de dados cambiantes que devem ser perma-
nentemente questionados.

(B) está associada à dimensão didática na contribuição

para um fazer pedagógico que estimule a relação
entre aspectos díspares e contraditórios.

(C) questiona a visão compartimentada da realidade e do

conhecimento, com a qual a escola rompeu historica-
mente desde o advento da modernidade.

(D) diz respeito à possibilidade de se estabelecer uma

relação entre aprender conhecimentos teoricamente
sistematizados e as questões da vida real.

(E) se refere a uma abordagem epistemológica dos obje-

tos de conhecimento, implicando a necessidade de
considerar a teia de relações entre diferentes aspectos.

cesgranrio-2009-seduc-to-professor-de-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

12

37

Em uma turma de 2

o

 ano do Ensino Fundamental, o

professor Felipe procedia da forma a seguir.

I

- A lista com o nome dos alunos era utilizada para

fazer a chamada.

II

- Textos eram produzidos coletivamente durante os

projetos de leitura e escrita.

III - O conjunto de letras do alfabeto servia de material

de apoio nas atividades de escrita.

IV - Os rótulos dos alimentos que as crianças traziam de

casa eram trabalhados em aula.

V

- Textos de jornais eram lidos em voz alta pelo professor.

VI - Bilhetes eram escritos para os pais e colegas das

outras classes.

As práticas desse professor tornavam a sala de aula um
ambiente alfabetizador porque
(A) os alunos eram incentivados a produzir textos em suas

casas.

(B) proporcionava a interação entre o material exposto e

os textos.

(C) incentivava a cópia como mecanismo de apoio aos que

ainda não liam e escreviam.

(D) estimulava os alunos a investigar os fenômenos

físicos.

(E) explorava a diversidade de gêneros textuais.

38

“A questão central que serve de pano de fundo para qual-
quer teoria do currículo é a de saber qual conhecimento
deve ser ensinado. De forma mais sintética, a questão
central é: o quê? (...)
Nas teorias do currículo, entretanto, a pergunta ‘o quê?’
nunca está separada de uma outra importante pergunta:
‘o que eles ou elas devem ser?’”

SILVA, Tomaz Tadeu. Documentos de Identidade.

Uma introdução às teorias do currículo.

Belo Horizonte: Autêntica, 2002, pp. 14-15.

Na perspectiva desta citação, a teoria curricular
multiculturalista propõe que o educando venha a ser um
sujeito que
(A) conviva com a homogeneização cultural própria do

movimento de globalização social e econômica.

(B) critique o contexto social e possa transformar as estru-

turas injustas e excludentes nele contidas.

(C) reconheça a diversidade social e respeite as diferen-

ças presentes no mundo plural contemporâneo.

(D) desenvolva plenamente suas aptidões cognitivas e a

capacidade de praticar valores universais.

(E) assuma uma cidadania responsável por meio da

apreensão de conhecimentos de múltiplas áreas.

39

Um grupo de professores observou a seguinte sequência
de aprendizagem:

1

o

escrever = desenhar;

2

o

escrever = letras e números;

3

o

só letras (o número de letras e seu tamanho dependem
das características do objeto que nomeiam);

4

o

tantas letras quantas sílabas tem o nome;

5

o

tantas letras quanto fonemas.

Em seguida, os professores fizeram considerações
sobre a  s e q u ê n c i a .   Q u a l   a   ú n i c a   c o n s i d e r a ç ã o
INCORRETA?
(A) A sequência se refere ao sistema alfabético e revela

as etapas pelas quais a criança passa para desenvol-
ver a escrita.

(B) Muitas vezes coexistem elementos de várias destas

etapas, já que as crianças formulam hipóteses que
pressupõem dinamismo.

(C) Cada etapa se estrutura segundo uma sequência

temporal fixa em que as aprendizagens de cada nível
escolar se desenvolvem.

(D) O processo de aprendizagem se organiza como uma

espiral que vai sendo aberta progressivamente.

(E) Uma sequência de aprendizagem não é um critério

universal e nem pode se tornar um critério de classifi-
cação e de progressão.

40

O currículo, compreendido em suas dimensões mais
amplas, para além de uma listagem de conteúdos, ajuda
a entender questões da prática pedagógica essenciais
para a organização do trabalho docente.
Nesta perspectiva, relacione as dimensões curriculares
da coluna da esquerda às práticas pedagógicas corres-
pondentes na coluna da direita.

A relação correta é

(A) I – P; II – T;   III – S; IV – Q

(B) I – Q; II – P;  III – R; IV – S

(C) I – R; II – Q; III – P; IV – T

(D) I – R; II – S;  III – P; IV – Q

(E) I – S; II – R;  III – T;   IV – P

  (P) Problematização dos conteúdos

  (Q) Sequenciação dos conteúdos

  (R) Seleção dos conteúdos

  (S) Metodologia dos conteúdos

  (T) Revisão dos conteúdos

I - O que ensinar

II - Como ensinar

III - Por que ensinar

IV - Quando ensinar

cesgranrio-2009-seduc-to-professor-de-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

13

PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

41

A avaliação formativa diz respeito
(A) ao somatório das aprendizagens realizadas pelos alunos.
(B) ao processo de formação moral do aluno.
(C) aos conhecimentos prévios do aluno.
(D) aos percursos individuais de aprendizagem dos alunos.
(E) à avaliação do final do bimestre ou semestre.

42

O quadro abaixo apresenta duas colunas com concepções
e maneiras contrapostas de se conceber o trabalho com a
leitura.

De acordo com o quadro acima, analise as afirmativas
apresentadas a seguir.

I

- A coluna 2 traz aspectos da dimensão freiriana de

leitura e alfabetização.

II

- A perspectiva de leitura expressa na coluna 1

contempla o conceito de letramento.

III - A concepção de leitura como produção de cultura

está presente na coluna 2.

IV - A ideia de que letramento e alfabetização caminham

juntos aparece na coluna 1.

São corretas APENAS as afirmativas
(A) I e II.
(B) I e III.
(C) II e III.
(D) II e IV.
(E) III e IV.

43

Uma equipe de professores do ensino fundamental
se reuniu para preparar o plano de curso do ano letivo.
Ao pesquisarem diferentes concepções curriculares para
o ensino da Matemática, os professores se detiveram
nas seguintes afirmações:

I

- a seleção e a organização de conteúdos devem ter

como critério central a lógica interna da Matemática
em um processo permanente de construção;

II

- a matemática escolar deve estar aliada à Matemática

pura, fazendo uso de uma linguagem unificadora e
focando o ensino nas estruturas;

III - o conhecimento matemático deve ser apresentado

aos educandos como historicamente construído e
em contínua evolução, contribuindo para o reconhe-
cimento de seu lugar no contexto social;

IV - a Etnomatemática é uma vertente curricular a ser

considerada para demonstrar que as habilidades de
contar, medir, representar etc. são restritas a grupos
sociais que obtiveram níveis de desempenho
intelectual mais acentuado.

Para que essa equipe possa estruturar seu plano de curso
atendendo as recomendações dos PCN de Matemática
para o Ensino Fundamental e o Referencial Curricular do
Ensino Fundamental do Estado do Tocantins, deve levar
em conta APENAS a(s) afirmação(ões)
(A) I.

(B) III.

(C) I e II.

(D) II e III.

(E) II, III e IV.

44

Paulo tem 17 anos e não completou o Ensino Fundamental
na idade própria. Interessado em se integrar à Educação
de Jovens e de Adultos (EJA), ele conseguiu as seguintes
informações:

I

- os sistemas de ensino deverão assegurar aos

jovens e adultos oportunidades educacionais
apropriadas, por meio de cursos e exames totalmente
gratuitos;

II

- os exames para conclusão do ensino fundamental

deverão estar focados em conhecimentos e habili-
dades formais adquiridos durante o período de
escolarização;

III - ao término dos exames supletivos é possível dar

prosseguimento aos estudos em caráter regular;

IV - alunos trabalhadores ficam dispensados de frequen-

tar aulas em cursos supletivos.

São corretas APENAS as informações
(A) I e II.

(B) I e III.

(C) II e III.

(D) II e IV.

(E) III e IV.

               Coluna 1

Só alfabetizados podem ler.

Crianças só entendem tex-
tos fáceis.

Livros são os únicos objetos
para leitura.

Todas as crianças devem
ler o mesmo livro.

Leitura deve ensinar con-
teúdo pedagógico.

              Coluna 2

Crianças leem antes de
serem alfabetizadas.

Crianças compreendem
textos complexos e palavras
difíceis.

Vários suportes de textos –
bulas, revistas, receitas,
embalagens  – podem ser
usados para leitura.

Crianças devem ler livros
diferentes.

Leitura deve divertir.

Revista Criança. MEC, Brasil, n

o

 41, nov. 2006. (Adaptado)

cesgranrio-2009-seduc-to-professor-de-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

14

45

A  E s c o l a   E s t a d u a l   S o n h o   R e a l   é   u m   e x e m p l o
d e  cumprimento do Plano Nacional de Educação
(Lei n

o

 101.172/2001), no que diz respeito a ações

que visam à universalização do ensino e à minimização
da repetência, como demonstra o fato de ter
(A) criado núcleos unidocentes e investido na formação

de professores.

(B) implantado progressivamente o turno integral e classes

de aceleração.

(C) oferecido merenda escolar e elevado para três o número

de livros didáticos adotados.

(D) adaptado instalações para portadores de necessida-

des especiais e criado classes específicas para eles.

(E) ampliado os turnos escolares para três e assegurado

20 horas de efetivo trabalho escolar em cada turno.

46

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional
(Lei n

o

 9.394/1996) já recebeu uma série de alterações,

dentre elas a que inclui no currículo oficial da rede de
ensino temáticas que envolvam a “História da Cultura
Afro-brasileira e Indígena”. Isso implica um(a)
(A) desdobramento temático nas aulas de História e de

Geografia, dadas as especificidades.

(B) estudo sistemático da luta dos negros e dos povos

indígenas no âmbito de todo o currículo escolar.

(C) implantação gradual de aspectos relativos à cultura

desses povos na grade curricular, em um prazo de dez
anos.

(D) adoção facultativa de temas que envolvam aspectos

culturais dos povos indígenas e afrodescendentes.

(E) abordagem do tema, por meio de eventos e atividades

festivas de periodicidade anual.

47

A notícia faz um alerta em relação à proximidade do
ano de 2010, em que se tornará obrigatório matricular
alunos
(A) a partir de seis anos de idade.
(B) em creches e pré-escolas.
(C) sem qualquer escolaridade prévia.
(D) portadores de necessidades especiais em classes

regulares.

(E) fora da idade limite para cursar o ensino fundamental

regular.

Leia a descrição abaixo para responder às questões
de n

os

 48 e 49.

Em determinado dia ocorreria um eclipse do sol.
Sabendo disso, a professora Marlene planejou uma série
de atividades para que seus alunos compreendessem o
fenômeno. Providenciou uma lanterna, que representaria
o sol, e uma bola de isopor, que simularia a lua. Os próprios
alunos, segurando os materiais, fizeram os movimentos
dos astros. Desse modo, no dia do eclipse todos puderam
compreender o que estava acontecendo.

48

O procedimento adotado pela professora Marlene é
classificado como
(A) saberes de referência, pois as regras de um estatuto

científico foram tornadas palatáveis para os alunos.

(B) projeto de trabalho, pois envolveu um tema e um

desdobramento em atividades sistematizadas.

(C) transposição didática, pois um conhecimento científico

foi transformado em conteúdo didático.

(D) conhecimento legitimado, pois constituiu o ensino de

um saber historicamente estruturado.

(E) plano de ensino, pois partiu de um planejamento

prévio que se desdobrou até uma culminância.

49

A atividade descrita demonstra que a professora Marlene
criou uma unidade didática (Coll, 2002) em torno do tema
de estudo. Sobre essa modalidade de programação de
ensino, foram feitas as seguintes afirmações:

I

- trata-se de um processo completo de ensino-

aprendizagem, sem duração temporal fixa, podendo
abranger várias aulas;

II

- no que diz respeito ao planejamento, as unidades

didáticas definem objetivos, blocos elementares
de conteúdos, atividades de aprendizagem e de
avaliação;

III - em uma unidade didática, os conteúdos são

sequenciados de acordo com os princípios da
aprendizagem significativa, em que se parte do
mais geral e mais simples para o mais específico
e complexo.

É(São) correta(s) a(s) afirmação(ões)
(A) I, apenas.
(B) II, apenas.
(C) I e II, apenas.
(D) II e III, apenas.
(E) I, II e III.

Disponível em: http//aprendiz.uol.com.br

Acessado em: 23 abr. 2009.

“Mais de 800 municípios em 17 estados
brasileiros ainda não implantaram o ensino
fundamental de nove anos.

cesgranrio-2009-seduc-to-professor-de-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

15

PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

50

Sobre essa história em quadrinhos foram feitas as seguintes considerações:

I

- o uso da calculadora conduz os discentes a uma acomodação e à perda da capacidade operatória, sendo recomen-

dado, no entanto, aos que já atingiram o estágio cognitivo operatório formal;

II

- a calculadora permite um estudo das representações decimais em atividades em que os alunos dividem

1 por 2, 1 por 3 etc., por meio das quais podem levantar hipóteses sobre as escritas que aparecem no visor;

III - o manuseio da calculadora possibilita o estabelecimento de relações entre as representações referentes ao sistema

monetário e aos sistemas de medida;

IV - as regras do sistema de numeração decimal, utilizadas para representar números naturais, podem ser aplicadas,

com o uso da calculadora, para se obter a escrita dos racionais na forma decimal, acrescentando-se novas ordens
à direita da unidade (a primeira ordem) e de forma decrescente.

Tendo por base as orientações didáticas para o ensino da Matemática apresentadas pelos PCN e pelo Referencial Curricular
do Ensino Fundamental do Estado do Tocantins, são corretas as considerações
(A) I e II, apenas.
(B) I e III, apenas.
(C) II e III, apenas.
(D) II, III e IV, apenas.
(E) I, II, III e IV.