Prova Concurso - Administração - 2009-TERMOMACAE-ADMINISTRADOR - CESGRANRIO - TERMOMACAE - 2009

Prova - Administração - 2009-TERMOMACAE-ADMINISTRADOR - CESGRANRIO - TERMOMACAE - 2009

Detalhes

Profissão: Administração
Cargo: 2009-TERMOMACAE-ADMINISTRADOR
Órgão: TERMOMACAE
Banca: CESGRANRIO
Ano: 2009
Nível: Superior

Downloads dos Arquivos

prova.pdf
gabarito.pdf

Provas relacionadas

AGENTE-ADMINISTRATIVO-PREVIDENCIARIOCONCURSOS2018
ASSISTENTE-DE-ADMINISTRACAOFUNPAPA2018
AUXILIAR-DE-ADMINISTRACAOFUNPAPA2018

Gabarito

cesgranrio-2009-termomacae-administrador-gabarito.pdf-html.html

 

TERMOCEARÁ LTDA. 

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO – EDITAL 01/2009 

 

GABARITOS DO DIA 13/09/2009 

 

NÍVEL SUPERIOR 

LÍNGUA PORTUGUESA II 

(PARA TODOS OS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR)

1 – E 

2 – B 

3 – A 

4 – E 

5 – C 

6 – B 

7 – D 

8 – A 

9 – C 

10 – B 

LÍNGUA INGLESA II 

(PARA TODOS OS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR)

 

11 – E 

12 – D 

13 – D 

14 – B 

15 – C 

RACIOCÍNIO LÓGICO II 

(PARA TODOS OS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR)

 

16 – E 

17 – B 

18 – C 

19 – A 

20 – D 

21 – B 

22 – D 

23 – A 

24 – D 

25 – E 

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

ADMINISTRADOR(A) 

JÚNIOR 

ENGENHEIRO(A) 
DE SEGURANÇA 

JÚNIOR 

ENGENHEIRO(A) 

DE TERMELÉTRICA 

JÚNIOR 

(ELETRÔNICA) 

ENGENHEIRO(A) 

DE TERMELÉTRICA 

JÚNIOR 

(MECÂNICA) 

QUÍMICO(A) 

JÚNIOR

 

26 – B 

26 – D 

26 – B 

26 – A 

26 – B 

27 – D 

27 – B 

27 – C 

27 – B 

27 – E 

28 – B 

28 – C 

28 – C 

28 – C 

28 – B 

29 – E 

29 – E 

29 – A 

29 – B 

29 – A 

30 – D 

30 – C 

30 – B 

30 – C 

30 – D 

31 – A 

31 – C 

31 – E 

31 – B 

31 – C 

32 – E 

32 – C 

32 – D 

32 – E 

32 – C 

33 – A 

33 – D 

33 – E 

33 – C 

33 – D 

34 – E 

34 – C 

34 – D 

34 – D 

34 – B 

35 – C 

35 – A 

35 – A 

35 – D 

35 – E 

36 – C 

36 – B 

36 – B 

36 – D 

36 – B 

37 – A 

37 – A 

37 – B 

37 – A 

37 – A 

38 – E 

38 – B 

38 – A 

38 – E 

38 – C 

39 – B 

39 – A 

39 – A 

39 – C 

39 – A 

40 – B 

40 – C 

40 – C 

40 – B 

40 – D 

41 – D 

41 – A 

41 – D 

41 – D 

41 – D 

42 – B 

42 – B 

42 – D 

42 – E 

42 – B 

43 – C 

43 – E 

43 – E 

43 – B 

43 – A 

44 – E 

44 – E 

44 – B 

44 – E 

44 – B 

45 – D 

45 – B 

45 – C 

45 – C 

45 – C 

46 – C 

46 – D 

46 – D 

46 – A 

46 – C 

47 – D 

47 – B 

47 – C 

47 – A 

47 – A 

48 – A 

48 – E 

48 – E 

48 – C 

48 – E 

49 – A 

49 – D 

49 – D 

49 – D 

49 – E 

50 – A 

50 – D 

50 – C 

50 – B 

50 – D 

 

Prova

cesgranrio-2009-termomacae-administrador-prova.pdf-html.html

ADMINISTRADOR(A) JÚNIOR

1

TERMOMACAÉ LTDA.

ADMINISTRADOR(A) JÚNIOR

LEIA  ATENTAMENTE  AS  INSTRUÇÕES  ABAIXO.

01    -

Você recebeu do fiscal o seguinte material:

a) este caderno, com o enunciado das 50 questões objetivas, sem repetição ou falha, com a seguinte distribuição:

b) 1 CARTÃO-RESPOSTA destinado às respostas às questões objetivas formuladas nas provas.

02    -

Verifique se este material está em ordem e se o seu nome e número de inscrição conferem com os que aparecem no CARTÃO-
RESPOSTA
. Caso contrário, notifique IMEDIATAMENTE o fiscal.

03    -

Após a conferência, o candidato deverá assinar no espaço próprio do CARTÃO-RESPOSTA, preferivelmente a
caneta esferográfica transparente, de tinta na cor azul.

04    -

No CARTÃO-RESPOSTA, a marcação das letras correspondentes às respostas certas deve ser feita cobrindo a letra e
preenchendo todo o espaço compreendido pelos círculos, a caneta esferográfica transparente de preferência de tinta
na cor preta
, de forma contínua e densa. A LEITORA ÓTICA é sensível a marcas escuras; portanto, preencha os
campos de marcação completamente, sem deixar claros.

Exemplo:

05    -

Tenha muito cuidado com o CARTÃO-RESPOSTA, para não o  DOBRAR,  AMASSAR  ou  MANCHAR.
CARTÃO-RESPOSTA SOMENTE poderá ser substituído caso esteja danificado em suas margens superior ou inferior -
BARRA DE RECONHECIMENTO PARA LEITURA ÓTICA.

06    -

Para cada uma das questões objetivas, são apresentadas 5 alternativas classificadas com as letras (A), (B), (C), (D) e (E);
só uma responde adequadamente ao quesito proposto. Você só deve assinalar UMA RESPOSTA: a marcação em
mais de uma alternativa anula a questão, MESMO QUE UMA DAS RESPOSTAS ESTEJA CORRETA.

07    -

As questões objetivas são identificadas pelo número que se situa acima de seu enunciado.

08    -

SERÁ ELIMINADO do Processo Seletivo Público o candidato que:

a) se utilizar, durante a realização das provas, de máquinas e/ou relógios de calcular, bem como de rádios gravadores,

headphones, telefones celulares ou fontes de consulta de qualquer espécie;

b) se ausentar da sala em que se realizam as provas levando consigo o Caderno de Questões e/ou o CARTÃO-RESPOSTA;
c) se recusar a entregar o Caderno de Questões e/ou o CARTÃO-RESPOSTA quando terminar o tempo estabelecido.

09    -

Reserve os 30 (trinta) minutos finais para marcar seu CARTÃO-RESPOSTA. Os rascunhos e as marcações assinaladas no

Caderno de Questões NÃO SERÃO LEVADOS EM CONTA.

10    -

Quando terminar, entregue ao fiscal  O CADERNO DE QUESTÕES E O CARTÃO-RESPOSTA e ASSINE A LISTA DE
PRESENÇA.
Obs. 
O candidato só poderá se ausentar do recinto das provas após 1 (uma) hora contada a partir do efetivo início das
mesmas. Por motivo de segurança, o candidato NÃO poderá levar o CADERNO DE QUESTÕES, a qualquer momento.

11    -

O   T E M P O   D I S P O N Í V E L   P A R A   E S T A S   P R O V A S   D E   Q U E S T Õ E S   O B J E T I V A S  É   D E   3 (TRÊS) HORAS

E 30 (TRINTA) MINUTOS, findo o qual o candidato deverá, obrigatoriamente, entregar o  CARTÃO-RESPOSTA.

12   -

As questões e os gabaritos das Provas Objetivas serão divulgados no primeiro dia útil após a realização das

mesmas, no endereço eletrônico da FUNDAÇÃO CESGRANRIO (http://www.cesgranrio.org.br).

A

C

D

E

SETEMBRO/ 2009

01

LÍNGUA PORTUGUESA II

Questões

1 a 5

 6 a 10

Pontos

1,5

2,5

Questões

11 a 15

Pontos

2,0

LÍNGUA INGLESA II

Questões

16 a 20

21 a 25

Pontos

1,0

2,0

CONHECIMENTOS

ESPECÍFICOS

Questões

26 a 30

31 a 35

36 a 40

Pontos

1,4

1,8

2,2

Questões

41 a 45

46 a 50

Pontos

2,6

3,0

RACIOCÍNIO LÓGICO II

CONHECIMENTOS GERAIS

TERMOMACAÉ LTDA.

cesgranrio-2009-termomacae-administrador-prova.pdf-html.html

ADMINISTRADOR(A) JÚNIOR

2

TERMOMACAÉ LTDA.

cesgranrio-2009-termomacae-administrador-prova.pdf-html.html

ADMINISTRADOR(A) JÚNIOR

3

TERMOMACAÉ LTDA.

LÍNGUA PORTUGUESA II

Texto I

A grandiosidade do conhecimento

O conhecimento transforma a vida do ser huma-

no, levando-o à aprendizagem e à mudança. A valori-
zação do saber cresce conforme se entende a sua
relevância no desenvolvimento. Conhecemos, gosta-
mos e avançamos. Assim procedemos. Queremos
sempre mais. A sociedade, por sua vez, envolvida por
este movimento da busca pelas informações e os seus
benefícios, cobra, com vigor, a permanente fidelidade
neste tipo de empreendimento.

Percebe-se, no entanto, que a obsessão sobre o

consumo do conhecimento toma conta do que ape-
nas deveria permanecer na saudável condição de há-
bito. Avança-se de forma extremada numa direção que
inevitavelmente nos reconduzirá ao equilíbrio.

O exagero faz parte do desenvolvimento huma-

no, todavia ele deve encontrar o seu meio termo, a fim
de proporcionar o prazer causado pelo conhecimento,
e não o pesar que tem imputado àqueles que se em-
penham mais em acumulá-lo do que em usufruí-lo.

NETO, Armando Correa de Siqueira

Disponível em: http://www.velhosamigos.com.br/Ilustres/jeobruno.html

Acesso em: jul. 2009.

1

“A grandiosidade do conhecimento” para o ser humano está
em
(A) fazer com que este busque, cada vez mais, conquistar

seu espaço na sociedade.

(B) fazer com que perceba que, sem conhecimento, não

terá sucesso profissional.

(C) avaliar a capacidade de superar limites quanto às con-

quistas sociais.

(D) testar sua capacidade de conquista.
(E) impulsionar a vida, conjugando saber com prazer.

2

Em relação às ideias do Texto I, é correto afirmar que a
(A) pressão social leva o homem ao aprimoramento técni-

co e mental.

(B) valorização do conhecimento está relacionada à sua

significância para o homem.

(C) aquisição de conhecimento depende do grau de equi-

líbrio de cada um.

(D) aquisição de conhecimento nem sempre opera mudan-

ça na vida do ser humano.

(E) busca obsessiva de conhecimento é uma contingência

do mundo moderno para o crescimento social.

3

Em “...que tem imputado àqueles que se empenham...”
(A.18-19), ocorre o acento grave, indicativo da crase, no
vocábulo destacado. Assinale a opção cujo “a” também
deve receber o acento grave, indicativo da crase.
(A) Referiu-se a busca exagerada por conhecimento.
(B) Dia a dia buscava informações diversas.
(C) Nada falava a respeito da valorização do saber.
(D) O conhecimento atinge a todos.
(E) O equilíbrio é necessário a quem busca o saber.

4

Assinale a opção em que há ERRO de pontuação.
(A) Pensando no que você me disse, resolvi, agora, agir.
(B) Chegou, porém, à conclusão de que ele não a fazia

feliz.

(C) Só tinha um único pensamento: viver os momentos in-

tensamente.

(D) Ela, chorando de alegria, entendeu o que é a verdadei-

ra felicidade.

(E) O estado mágico, a alegria e o sonho, fazem bem à

alma.

Texto II

Falar de si

Falar mal do outro parece fácil de entender. Mais

que fazer uma crítica negativa, é intensificar a crítica
ao ponto de, por meio dela, destruir o objeto criticado.
Porém aquele que fala, mal ou bem, sempre fala de si
mesmo. Se falo mal do outro, realizo meu desejo vio-
lento em relação ao outro. Afirmo que não simpatizo,
não gosto, mas, sobretudo, que preciso me expressar
de modo negativo porque o outro me sugere aspectos
negativos.

Porém quem se expressa sou eu. O elemento mais

importante do gesto de falar mal é a autoexpressão
negativa. Falo de mim mesmo ao falar do outro. Por
outro lado, falando mal do outro, me sinto melhor co-
migo mesmo. Há ainda a ilusão da autocompensação:
ao falar mal do outro, mostro a mim mesmo que sou
melhor que ele.

TIBURI, Márcia. Revista vida simples. dez. 2008,

pp.62-63. (Fragmento).

5

Segundo o Texto II, quem fica em evidência no ato de falar
mal é o(a)
(A) alvo da crítica.
(B) teor da crítica.
(C) autor da crítica.
(D) autocompensação provocada pela crítica feita.
(E) repercussão da crítica para o objeto criticado.

5

10

15

5

10

15

cesgranrio-2009-termomacae-administrador-prova.pdf-html.html

ADMINISTRADOR(A) JÚNIOR

4

TERMOMACAÉ LTDA.

6

Ao falar mal do outro, falo mal de mim mesmo porque
(A) evidencio minha imparcialidade crítica.
(B) deixo entrever, com a crítica feita, meus traços negativos.
(C) torno evidente minha supremacia em relação ao outro.
(D) denuncio uma característica negativa desse outro.
(E) comprovo minha capacidade de avaliação crítica.

7

Segundo o Texto II, a “autocompensação” é ilusória porque
(A) não tem, muitas vezes, a repercussão esperada por

quem critica.

(B) atinge somente quem é criticado.
(C) ressalta positivamente a intenção da pessoa que faz a

crítica.

(D) provoca uma falsa sensação de supremacia em quem

critica.

(E) aumenta o contraste entre quem faz a crítica e quem é

criticado.

8

O vocábulo destacado está em DESACORDO com o re-
gistro culto e formal da língua, quanto à flexão de gênero
ou número, em
(A) Havia menas ilusões no seu comportamento.
(B) É necessário calma para falar do outro.
(C) Entre mim e você há divergências bastantes.
(D) Ela permanecia meio preocupada consigo mesma.
(E) Como falavam mal de todos, ficavam sós.

9

Porém aquele que fala, mal ou bem, sempre fala de si
mesmo.” (A. 4-5).

Por qual conector a conjunção destacada acima pode ser
substituída sem que haja alteração de sentido?
(A) Logo.
(B) Pois.
(C) Entretanto.
(D) Porquanto.
(E) Quando.

10

As razões _________ não simpatizo com você são muitas.

Não faça críticas negativas,  _________ se arrependerá.

O que eu disser poderá ser _________ interpretado.

A opção cuja sequência completa, corretamente, as sen-
tenças acima é
(A) por quê – senão – mal
(B) por que – senão – mal
(C) porquê – se não – mal
(D) porque – se não – mau
(E) porque – senão – mau

LÍNGUA INGLESA II

Beyond petroleum?

Vernon Gibson is a chief chemist at an important oil
company. Below are extracts from his interview to Nature
on his new job and the company’s energy policies.

What does your role in the company involve?
My role as chief chemist is to look at research involving
chemistry and chemicals wherever they occur in the
company. I also maintain connections with academic
projects and industrial partners outside the company.

What do you say to critics, such as Jim Hansen
[the NASA scientist and environmentalist], who
criticize building new coal-fired power stations?
If we just stopped burning coal the lights would go out.
Period. We’re going to need coal for the foreseeable
future, but we have to capture the carbon-dioxide
emissions. It’s not as if it’s dirty old coal, it’s new clean
coal.

How do you see our energy use changing in the
future?
The International Energy Agency projected in 2007 that
world energy demand would rise 45% by 2030. If you
project forward the predicted growth in renewable
energy, you only get to 17% of the energy mix by 2030
coming from renewables. As I said, “If we just stopped
burning coal the lights would go out. Period.”
So we’re going to need a broad mix of conventional
and alternative energy sources. There are substantial
global fossil resources. Then there are at least
equivalent further reserves yet to find, and
unconventional harder-to-get sources — oil sands [tar
sands], oil shale, shale gas — on top of that.
In terms of clean energy, right now we need to get after
energy efficiency very hard, and develop nuclear, wind,
biofuels and carbon capture and storage (CCS) —
these are the near-term technologies that satisfy the
criteria of scale and readiness for deployment.
Longer term solutions are using the sun’s energy to
produce electricity or hydrogen; concentrated solar
thermal energy; geothermal energy, and working on
improved power transmission and storage. We need
to be working very hard on those now, but we shouldn’t
kid ourselves that we are ready for deployment on the
scale that the others are ready for.

Where is your company investing in clean energy?
We are investing US$8 billion over 10 years to 2015.

5

10

15

20

25

30

35

40

cesgranrio-2009-termomacae-administrador-prova.pdf-html.html

ADMINISTRADOR(A) JÚNIOR

5

TERMOMACAÉ LTDA.

Our four big planks are biofuels, solar, wind and CCS.
We hope to commercialise cellulosic biofuels in the next
few years. We have plans to develop 20 gigawatts of
wind capacity over 24 states in the United States. Then
in CCS, we have been running a storage project since
2004 in Algeria. We are developing a 400-megawatt
hydrogen energy plant with carbon capture in Abu
Dhabi.
Solar conversion is longer term: our projects here are
not expected to deliver on the ten-year horizon. We
are industrial partners with a team of researchers at
the California Institute of Technology, who are using
nanorods of silicon to capture sunlight and split water.
At Imperial College, London, we are supporting a
project to develop organic photovoltaics that can be
processed in solution, to provide flexible plastic solar
cells.
We made a statement that we will look ‘beyond
petroleum’ and we are on track: so far we have invested
$3 billion in alternative energies and are on track to
invest $8 billion by 2015, as we said we were going to.

Richard Van Noorden.

Nature. Published online 7 July 2009.

http://www.nature.com/news/2009/090707/full/news.2009.645.html

11

Vernon Gibson believes that
(A) there are no new alternatives for energy generating

plants.

(B) all power stations using coal as fuel should be closed

down.

(C) petroleum-powered energy stations are the only

substitute for dirty coal plants.

(D) wind, nuclear and CCS are poor alternatives for

immediate and large scale use.

(E) a wide range of energy sources, conventional or not,

will be necessary in the future.

12

Mark the only alternative that correctly expresses what the
statistics refer to.
(A) 45% (line 17) – the rise of world energy demand in 2007.
(B) 17% (line 19) – the increase of energetic demands

predicted for 2030.

(C) US$8 billion over 10 years (line 41) – the sum of

investments in coal-fired power stations until 2015.

(D) 20 gigawatts (line 44) – the energy that can be

generated from wind power in 24 American states.

(E) $3 billion (line 61) – the amount of investments in

conventional energies until the present time.

45

50

55

60

13

Gibson’s statement “If we just stopped burning coal the lights
would go out. Period.” (lines 9-10) means that
(A) coal is not an efficient energy source to meet the world’s

present needs.

(B) it is necessary to stop consuming so much electricity in

the winter periods.

(C) the use of coal as an energy source should be

condemned in the near future.

(D) the world must continue producing coal-based energy

to avoid the shortage of power.

(E) the energy generated from dirty old coal will not be useful

to prevent blackout periods.

14

The company Vernon Gibson works for has been
(A) building a huge wind energy project in Algeria since

2004.

(B) investing in research projects to develop alternative

clean energy sources.

(C) reducing its contributions to the 400-megawatt hydrogen

energy plant in Abu Dhabi.

(D) working on a biofuel project with researchers at the

California Institute of Technology.

(E) competing with the Imperial College in London to

develop flexible plastic solar cells.

15

Check the only item in which the boldfaced item introduces
a consequence.
(A) “What do you say to critics, such as Jim Hansen…”

(line  6)

(B) “If you project forward the predicted growth in renewable

energy,” (lines 17-19)

(C) “So we’re going to need a broad mix of conventional

and alternative energy sources.” (lines 22-23)

(D) “We need to be working very hard on those now, but

we shouldn’t kid ourselves…” (lines 36-38)

(E) “... we ... are on track to invest $8 billion by 2015, as we

said we were going to.” (lines 60-62)

Cont inua

cesgranrio-2009-termomacae-administrador-prova.pdf-html.html

ADMINISTRADOR(A) JÚNIOR

6

TERMOMACAÉ LTDA.

RACIOCÍNIO LÓGICO II

16

Um feirante utiliza uma balança de dois pratos para fazer
as suas vendas. Entretanto, ele possui apenas um peso
de 1 kg, um peso de 3 kg e um peso de 5 kg. O feirante
pode usar um ou mais pesos em cada pesagem. Neste
último caso, ele pode colocar os pesos em um único prato
ou distribuí-los pelos dois pratos. Quantos valores inteiros
positivos pode ter a massa de uma mercadoria a ser pesa-
da, para que o feirante consiga determiná-la com uma úni-
ca pesagem?
(A) 3

(B) 4

(C) 6

(D) 7

(E) 9

17

A negação da proposição “Se o candidato estuda, então
passa no concurso” é
(A) o candidato não estuda e passa no concurso.
(B) o candidato estuda e não passa no concurso.
(C) se o candidato estuda, então não passa no concurso.
(D) se o candidato não estuda, então passa no concurso.
(E) se o candidato não estuda, então não passa no con-

curso.

18

Como o ano de 2009 não é bissexto, ou seja, tem 365 dias,
houve um dia que caiu exatamente no “meio” do ano. As-
sim, as quantidades de dias do ano de 2009 antes e de-
pois dessa data são iguais. Esse data foi
(A) 30 de junho.
(B) 1 de julho.
(C) 2 de julho.
(D) 3 de julho.
(E) 4 de julho.

19

Dulce é mãe de Paulo e Dirce é filha única e é mãe de
Pedro. Pedro é filho de José e primo de Paulo. João é pai
de Paulo e é filho único. Conclui-se que
(A) Dulce é irmã de José.
(B) Dirce é irmã de José.
(C) José é primo de Paulo.
(D) Paulo não tem irmãos.
(E) Pedro é filho de Dulce.

20

Ana, Bruna, Cecília, Dora e Elisa são cinco meninas. Na
tabela acima, os sinais de “+”, “–” e “=” significam que a
menina indicada na linha é, respectivamente, maior, me-
nor ou da mesma altura que a menina indicada na coluna.
Ao analisar a tabela, conclui-se que
(A) Bruna é a mais alta.
(B) Elisa é a mais alta.
(C) Dora é a mais baixa.
(D) Cecília é a mais baixa.
(E) Ana tem a mesma altura de Dora.

21

Considere verdadeiras as proposições a seguir.

-

Se Roberto casar, seu irmão Humberto será convidado.

-

Humberto não fala com seu primo Gilberto. Por isso,
se Gilberto for convidado para o casamento de Roberto,
Humberto não irá.

-

Gilberto é orgulhoso e, por isso, só comparece em ca-
samentos quando é convidado.

Sabendo que Humberto compareceu ao casamento de
Roberto, conclui-se que
(A) Gilberto foi convidado para o casamento. Por isso, com-

pareceu.

(B) Gilberto não foi convidado para o casamento. Por isso,

não compareceu.

(C) Gilberto não foi convidado para o casamento, mas,

mesmo assim, compareceu.

(D) Gilberto não compareceu, ainda que tenha sido convi-

dado.

(E) Humberto não foi convidado, ainda que tenha compa-

recido.

22

Três dados comuns são lançados sobre uma mesa forne-
cendo três resultados diferentes. O maior dentre os núme-
ros obtidos é, respectivamente, igual à soma e menor do
que o produto dos outros dois. A partir dessas informações,
é possível concluir que o
(A) maior dos três números é 6.
(B) maior dos três números é 5.
(C) menor dos três números é 3.
(D) menor dos três números é 2.
(E) menor dos três números é 1.

Ana

Bruna

Cecília

Dora

Elisa

Ana

=

+

=

Bruna

+

=

+

+

Cecília

+

+

=

+

+

Dora

=

Elisa

=

+

=

cesgranrio-2009-termomacae-administrador-prova.pdf-html.html

ADMINISTRADOR(A) JÚNIOR

7

TERMOMACAÉ LTDA.

Sentido horário

1

2

9

8

3

7

4

6

5

CONECTIVO
e
ou
se ... então
se, e somente se
não

NOTAÇÃO

~

DENOMINAÇÃO
conjunção
disjunção
condicional
bicondicional
negação

23

Para participar de um jogo, nove pessoas formam uma roda em que cada uma delas é numerada, como ilustrado abaixo.

A partir de uma delas, excluindo-a da contagem, contam-se 5 pessoas no sentido horário. Essa 5

a

 pessoa continua na roda, mas

é eliminada do jogo, não participando das próximas contagens. A partir dessa 5

a

 pessoa, excluindo-a da contagem, contam-se,

no sentido horário, 5 pessoas que ainda estão no jogo. Essa 5

a

 pessoa continua na roda, mas é eliminada do jogo, não partici-

pando das próximas contagens e assim por diante, até que reste apenas uma pessoa, que será declarada a vencedora.

Abaixo estão ilustradas as etapas do jogo, no caso de este ser iniciado pela pessoa de número 1. Note que a pessoa de
número 9 é a vencedora.

Se o jogo começar pela pessoa de número 3, a vencedora será aquela de número

(A) 2

(B) 3

(C) 5

(D) 6

(E) 9

O enunciado a seguir refere-se às questões de n

os

 24 e 25.

Proposição é toda sentença declarativa que pode ser classificada, unicamente, como verdadeira ou como falsa. Portanto,
uma proposição que não possa ser classificada como falsa será verdadeira e vice-versa. Proposições compostas são
sentenças formadas por duas ou mais proposições relacionadas por conectivos.

24

Sejam p e q proposições e ~p e ~q, respectivamente, suas
negações. Se p é uma proposição verdadeira e q, uma pro-
posição falsa, então é verdadeira a proposição composta
(A)

p   q

(B) ~p   q

(C) ~p   q

(D) ~p   ~q

(E) ~p 

 ~q

25

Duas proposições compostas são equivalentes se têm a
mesma tabela de valores lógicos. É correto afirmar que a
proposição composta p 

 q é equivalente à proposição

(A)

p   q

(B)

p   q

(C) p 

 ~q

(D) ~p 

 ~q

(E) ~q 

 ~p

1

2

9

8

3

7

4

6

5

1

2

9

8

3

7

4

6

5

1

2

9

8

3

7

4

6

5

1

2

9

8

3

7

4

6

5

1

2

9

8

3

7

4

6

5

1

2

9

8

3

7

4

6

5

1

2

9

8

3

7

4

6

5

1

2

9

8

3

7

4

6

5

1

2

9

8

3

7

4

6

5

cesgranrio-2009-termomacae-administrador-prova.pdf-html.html

ADMINISTRADOR(A) JÚNIOR

8

TERMOMACAÉ LTDA.

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

26

As camadas hierárquicas fazem parte das organizações
formais. Em decorrência, são gerados tipos de
departamentalização, que vêm a ser um meio para se obter
homogeneidade de tarefas em cada órgão. Entre os vários
tipos existentes, encontra-se a departamentalização por
projetos, que tem como uma de suas características a
diferenciação e o agrupamento das atividades,

(A) de acordo com as funções e tarefas principais desen-

volvidas dentro das empresas.

(B) de acordo com as saídas e os resultados relativos a

um ou vários projetos da empresa.

(C) de acordo com o local onde o trabalho será desempe-

nhado ou a área de mercado a ser servida pela empresa.

(D) de acordo com o resultado da organização, ou seja, o

produto ou o serviço realizado.

(E) a partir da sequência ou por meio do arranjo e da dis-

posição racional do equipamento a ser utilizado no pro-
cesso produtivo ou operacional.

27

Na literatura que trata da gestão de pessoas, é comum
encontrar a tipificação de sistemas administrativos. Quatro
são mais comumente mencionados: autoritário-coercitivo,
autoritário-benevolente, consultivo e participativo.
Dentre as descrições abaixo, qual está relacionada ao sis-
tema administrativo participativo?
(A) Sistema de comunicações que privilegia informações

verticais, descendentes e que comportam ordens.

(B) Sistema de recompensas com ênfase nas medidas dis-

ciplinares, gerando obediência estrita aos regulamen-
tos internos.

(C) Relações interpessoais toleradas com condescendên-

cia em meio a uma organização informal incipiente.

(D) Relações interpessoais que privilegiam o trabalho em

equipes, a criação de grupos informais, a confiança
mútua e o envolvimento grupal.

(E) Processo decisorial centralizado na cúpula, permitindo

a delegação de decisões simples e rotineiras.

28

A liderança é um fenômeno tipicamente social, relaciona-
do à influência interpessoal e ao processo de comunica-
ção humana para a consecução de um ou mais objetivos
específicos. Vários estudiosos se manifestam sobre esti-
los de liderança, destacando-se a autocrática, a liberal e a
democrática.
Qual das afirmações abaixo descreve uma característica
da liderança liberal?
(A) A divisão das tarefas fica a critério do próprio grupo e

cada membro tem liberdade de escolher seus colegas
de atividades.

(B) A participação do líder no debate limita-se à apresen-

tação ao grupo de alternativas variadas, e ao esclare-
cimento de que pode fornecer informações, desde que
sejam pedidas.

(C) O líder é quem decide e fixa as diretrizes, prescindindo

da participação do grupo na tomada de decisões.

(D) O líder determina as providências para a execução das

tarefas, de forma gradativa e previsível, à medida que
se tornam necessárias.

(E) O líder determina qual tarefa cada um deverá executar

e qual deverá ser o seu companheiro de trabalho.

29

A avaliação de desempenho nas organizações estima o
aproveitamento do potencial individual das pessoas no tra-
balho e, consequentemente, o potencial humano de toda a
empresa, constituindo-se, assim, num forte instrumento de
gerenciamento.
Dentre as características do indivíduo, a serem analisadas
em um processo de avaliação, destaca-se a maneira pela
qual o funcionário estabelece seus contatos com superio-
res, subordinados, clientes e fornecedores, procurando-se,
assim, avaliar a(o) sua(seu)
(A) liderança.
(B) imparcialidade.
(C) segurança pessoal.
(D) relação com a organização.
(E) relacionamento pessoal.

30

Diversas técnicas de seleção podem ser desenvolvidas em
um processo de escolha de candidatos ao ingresso na or-
ganização, tais como: entrevista preliminar, entrevista téc-
nica, testes de seleção e técnicas de simulação.
Um exemplo de técnica de simulação é a
(A) verificação de dados pessoais e profissionais do can-

didato por meio de indagações sobre seu curriculum
vitae
 e levantamento de características básicas de per-
sonalidade pela avaliação de seu comportamento pes-
soal.

(B) verificação de conhecimentos e experiência profissio-

nal do candidato em relação às exigências do cargo
vago, o que se pode dar individualmente ou em entre-
vista coletiva, na qual vários entrevistadores conver-
sam com o candidato.

(C) avaliação dos traços de personalidade e das aptidões

que o candidato possui para garantir uma adequação
pessoal às exigências do cargo, requerendo uma pes-
quisa psicológica por meio de testes de personalidade
ou de aptidões.

(D) realização de sociodrama, enfatizando aspectos

comportamentais, nível de satisfação no relacionamen-
to com outras pessoas ou condições de liderança pes-
soal.

(E) identificação das características pessoais para o car-

go a ser preenchido e de suas exigências de conheci-
mento e de aptidões.

31

O planejamento de carreiras é parte essencial de uma con-
sistente política de remuneração, que se desenvolve des-
de o recrutamento interno.
O conceito de planejamento de carreiras consiste em
(A) estabelecimento das metas e da trajetória de carreira

dos funcionários.

(B) instrumento que define as trajetórias de carreiras exis-

tentes nas empresas.

(C) objetivos futuros quanto aos cargos a serem ocupados

por um indivíduo.

(D) sucessão de cargos ocupados por um indivíduo em sua

vida profissional.

(E) sucessão de cargos de uma mesma família, que exi-

gem requisitos crescentes tendo em vista a carreira
individual.

cesgranrio-2009-termomacae-administrador-prova.pdf-html.html

ADMINISTRADOR(A) JÚNIOR

9

TERMOMACAÉ LTDA.

32

A teoria motivacional mais conhecida é a de Maslow, base-
ada na hierarquia das necessidades humanas. Para ele,
as necessidades estão arranjadas em uma pirâmide de
importância e influenciação do comportamento humano,
na qual se destaca a de estima, que envolve necessidades
que
(A) orientam a vida humana desde o momento do nascimen-

to, como a alimentação, o sono, o repouso, o abrigo etc.

(B) levam a pessoa a se proteger de qualquer perigo real

ou imaginário, físico ou abstrato.

(C) levam cada pessoa a realizar o seu próprio potencial e

buscar se desenvolver continuamente ao longo da vida.

(D) se relacionam à associação do indivíduo a outras pes-

soas, vinculadas à participação, à aceitação por parte
dos colegas, à troca de amizade e amor.

(E) se relacionam à maneira como a pessoa se vê e se

avalia, compreendendo a auto-apreciação, a
autoconfiança, a necessidade de reconhecimento, de
prestígio e de consideração.

33

Dentre os elementos componentes da cultura
organizacional podem ser destacados: valores, crenças e
pressupostos, ritos, rituais e cerimônias, estórias e mitos,
tabus, heróis, normas e comunicação.

Qual das afirmações abaixo define corretamente valores
organizacionais?
(A) Explicitação daquilo que é importante para a organiza-

ção atingir o sucesso.

(B) Aspectos que são tidos como verdades nas organiza-

ções.

(C) Atividades planejadas que têm consequências práticas

e expressivas.

(D) Narrativas baseadas em eventos ocorridos, informan-

do sobre a organização.

(E) Demarcações de áreas de proibições, evidenciando

aspectos disciplinares da cultura.

34

O valor presente líquido de um fluxo financeiro de recebi-
mentos e pagamentos futuros é
(A) sempre positivo.
(B) sempre positivo ou nulo.
(C) maior que a taxa interna de retorno.
(D) igual ao valor do primeiro recebimento no fluxo finan-

ceiro.

(E) nulo, se a taxa de desconto usada no cálculo for a taxa

interna de retorno.

35

Com relação à taxa interna de retorno de um fluxo finan-
ceiro de recebimentos e pagamentos futuros, afirma-se que
(A) diminui quando a taxa de juros de mercado aumenta.
(B) é sempre superior à taxa de juros de mercado.
(C) é um critério para a comparação de fluxos financeiros

alternativos.

(D) é o único critério para a escolha entre fluxos financei-

ros alternativos.

(E) é o custo de capital para o investimento corresponden-

te àquele fluxo financeiro.

36

A avaliação do risco de um investimento de retorno futuro
incerto pode ser feita calculando o
(A) valor total investido.
(B) valor presente dos retornos esperados.
(C) desvio padrão dos retornos.
(D) coeficiente de correção dos retornos.
(E) retorno médio.

37

O índice de liquidez seca obtido do balanço de uma em-
presa é igual à razão
(A) (ativo circulante – valor dos estoques) ÷ passivo

circulante.

(B) contas a pagar ÷ contas a receber.
(C) exigível a curto prazo ÷ exigível total.
(D) exigível a curto prazo ÷ patrimônio líquido.
(E) exigível total ÷ ativo total.

38

No planejamento financeiro de uma empresa é ERRADO
considerar, entre suas fontes de fundos, a(o)
(A) venda de equipamentos.
(B) aumento das dívidas.
(C) aumento do capital.
(D) reinvestimento do lucro.
(E) pagamento de dividendos.

39

O cenário das taxas de juros na economia aponta para
uma provável futura queda. Diante disso, o diretor finan-
ceiro de uma empresa deveria
(A) aumentar a captação de recursos de longo prazo, re-

duzindo a de curto prazo.

(B) aumentar a captação de recursos de curto prazo, re-

duzindo a de longo prazo.

(C) alterar a estrutura de capital da empresa, no sentido

de maior participação de capital próprio.

(D) antecipar o pagamento das dívidas da empresa com

juros pós-fixados.

(E) aplicar as disponibilidades financeiras da empresa com

juros pós-fixados.

40

Um administrador financeiro elabora um orçamento anual
de caixa para uma empresa, estimando o fluxo de recebi-
mentos e pagamentos devidos mês a mês, e verifica que,
em vários meses, o caixa acumulado se tornou negativo.
Assim, conclui-se que a empresa, necessariamente,
(A) deve aumentar seu capital.
(B) deve captar fundos para os períodos de caixa negativo.
(C) deve reduzir seus investimentos para resolver seu pro-

blema de caixa.

(D) terá lucro no ano apenas se o caixa acumulado em

dezembro for positivo.

(E) terá prejuízos em vários meses do ano.

cesgranrio-2009-termomacae-administrador-prova.pdf-html.html

ADMINISTRADOR(A) JÚNIOR

10

TERMOMACAÉ LTDA.

41

As necessidades de ativo circulante de uma empresa
variam durante sua operação. Por isso, seu administrador
decide financiar todo o ativo fixo e o valor máximo do ativo
circulante com empréstimos de longo prazo e com
patrimônio líquido. Tal abordagem de financiamento do
capital de giro
(A) aumenta o lucro da empresa no período.
(B) aumenta o valor da empresa no mercado.
(C) aumenta os dividendos a serem distribuídos.
(D) reduz ao mínimo o risco de falta de caixa.
(E) reduz excessivamente o índice de liquidez corrente da

empresa.

42

Dentre as estratégias de curto prazo mais utilizadas no pla-
nejamento agregado da produção estão a política de acom-
panhamento da demanda e a gestão da demanda. A esse
respeito, analise as afirmações que se seguem.

I

– A política de acompanhamento da demanda utiliza a

diminuição dos preços nos momentos de baixa de-
manda.

II

– A política de acompanhamento da demanda ajusta

a quantidade de recursos de produção de acordo
com a demanda momentânea.

III – A gestão da demanda inclui a subcontratação, as

admissões e as demissões para ajustar os recursos
às necessidades de produção.

IV – A gestão da demanda utiliza o aumento dos preços

nos momentos de baixa demanda.

Está(ão) correta(s) APENAS a(s) afirmação(ões)
(A) I.
(B) II.
(C) I e II.
(D) III e IV.
(E) I, III e IV.

43

Para diminuir os riscos e as consequências dos acidentes
de trabalho, existem os equipamentos de proteção deno-
minados EPC e EPI. Assinale a associação correta entre a
sigla EPC ou EPI e o(s) exemplo(s) citado(s).
(A) EPI – colocação de aterramento elétrico nas máquinas

e equipamentos.

(B) EPI – isolamento de áreas internas ou externas com

sinalização vertical e horizontal.

(C) EPI – luvas e mangotes protetores.
(D) EPC – perneiras, botas ou sapatos de segurança.
(E) EPC – protetores auditivos tipo concha ou plugs de in-

serção.

44

Analise as afirmações a seguir.

A amostragem é uma técnica de Controle Estatístico de
Processos (CEP) usada para realizar inspeções em todos

os produtos fabricados.

PORQUE

A inspeção de 100% das unidades produzidas é um requi-
sito para certificação ABNT NBR ISO 9001:2000.

A esse respeito, conclui-se que

(A) as duas afirmações são verdadeiras e a segunda justi-

fica a primeira.

(B) as duas afirmações são verdadeiras e a segunda não

justifica a primeira.

(C) a primeira afirmação é verdadeira e a segunda é falsa.
(D) a primeira afirmação é falsa e a segunda é verdadeira.

(E) as duas afirmações são falsas.

45

O trabalho desenvolvido por David A. Garvin (2002) des-

dobrou o conceito de qualidade em elementos básicos para
facilitar a avaliação de produtos e serviços. Nessa pers-

pectiva, relacione os aspectos apresentados na coluna da
esquerda ao respectivo conceito, entre aqueles indicados

na coluna da direita.

MARSHALL JUNIOR, I. et alGestão da Qualidade. 7

a

 ed.

Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006. p. 35.

Está correta a associação:

(A) I – P, II – S e III – Q
(B) I – Q, II – P e III – S

(C) I – R, III– P e IV – Q

(D) II – P, III– S e V – Q
(E) II – R, III– S e IV – P

ASPECTO

I – Confiabilidade
II – Conformidade
III – Durabilidade
IV– Atendimento
V – Qualidade percebida

CONCEITO

P – Reflete o grau em que as

características de um pro-
duto estão de acordo com
padrões de projeto.

Q – Relaciona-se à opinião

subjetiva do usuário acer-
ca do produto.

R – Reflete a probabilidade do

mau funcionamento de um
produto.

S – Refere-se à vida útil de um

produto, considerando
suas dimensões econômi-
cas e técnicas.

cesgranrio-2009-termomacae-administrador-prova.pdf-html.html

ADMINISTRADOR(A) JÚNIOR

11

TERMOMACAÉ LTDA.

1

Aéreo

Custos

2

3

Ferroviário

Rodoviário

Legenda:
Curva 1 - custo de estocagem
Curva 2 - custo de transporte
Curva 3 - custo total

46

A gestão da distribuição física e os sistemas de estoque de
múltiplos estágios são muito utilizados pelas empresas. Na
rede de suprimentos, os armazéns e centros de distribui-
ção têm, entre outras, as funções abaixo, EXCETO a de
(A) simplificar o sistema de comunicação.
(B) reduzir o número de rotas de transporte.
(C) proteger as cargas embarcadas contra furtos.
(D) prover pontos para fracionamento de volumes.
(E) melhorar a coordenação entre a oferta e a demanda.

47

A figura a seguir representa a rede de um projeto no qual a
duração das atividades está cotada em dias úteis. O proje-
to deve ser executado no prazo do caminho crítico.

Com base no Método do Caminho Crítico conclui-se que,
após o início do projeto, o número de dias úteis para o
início
(A) mais cedo da atividade “D”é 5.
(B) mais cedo da atividade “F” é 6.
(C) mais tarde da atividade “D” é 6.
(D) mais tarde da atividade “E” é 4.
(E) mais tarde da atividade “F” é 10.

48

A técnica do Lote Econômico de Compra é usada para
determinar a quantidade do pedido de reposição de um
item de estoque. Ela tem como objetivo encontrar o ponto
de custo mínimo entre as classes de custos de
(A) aquisição, da falta e de manutenção de estoques.
(B) energia, de espaço e dos equipamentos de movimen-

tação.

(C) fracionamento de volumes, de cross-docking e de em-

balagem.

(D) armazenagem, de serviços de estocagem e da falta de

estoques.

(E) transportes, do custo unitário do item e do

processamento do pedido de compra.

49

A figura abaixo representa as curvas de custos de trans-
porte e de estocagens para determinado produto.

BALLOU, R. H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística

Empresarial. 5

a

 Ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. p. 57. (Adaptado)

Uma empresa está formulando diretrizes para o transporte
do produto, referenciando-se no custo total. Baseando-se
na figura, identifique o argumento correto.
(A) O uso de transporte ferroviário acarreta um custo maior

de estocagem.

(B) O uso do transporte aéreo implica um maior custo de

estocagem.

(C) O transporte rodoviário apresenta custo de transporte

maior que o aéreo.

(D) O transporte ferroviário é o de maior custo dentre os

demais.

(E) Os transportes aéreo e rodoviário têm os menores cus-

tos de transporte.

50

A monitoração e o controle da produção são atividades do
Planejamento e Controle da Produção (PCP). Dentre os
métodos de controle mais usados pelas empresas, estão
o controle puxado e o controle empurrado, sobre os quais
foram feitas as afirmações que se seguem.

I

– No controle puxado, o posto de trabalho a jusante é

o que determina o ritmo de produção dos postos de
trabalho anteriores.

II

– No controle puxado, o posto de trabalho passa os

seus itens ao posto de trabalho seguinte, conforme
termina a produção do lote programado.

III – O controle empurrado faz com que as ordens de pro-

dução de itens sejam colocadas para produção quan-
do o estoque de segurança começa a ser usado.

IV – O controle empurrado está relacionado ao momen-

to da entrada do pedido de um cliente na área co-
mercial.

É(São) correta(s) APENAS a(s) afirmação(ões)
(A) I.

(B) III.

(C) I e II.

(D) II e IV.

(E) III e IV.

0

0

3

2

4

5

Tf

Tf

Tf

Ti

Ti

Ti

Ti

Tf

A
5

B
4

C 2

D
1

E
8

F
3

0