Prova Concurso - Pedagogia - 2009-TJ-AP-ANALISTA-JUDICIARIO-PEDAGOGIA - FCC - TJ - 2009

Prova - Pedagogia - 2009-TJ-AP-ANALISTA-JUDICIARIO-PEDAGOGIA - FCC - TJ - 2009

Detalhes

Profissão: Pedagogia
Cargo: 2009-TJ-AP-ANALISTA-JUDICIARIO-PEDAGOGIA
Órgão: TJ
Banca: FCC
Ano: 2009
Nível: Superior

Downloads dos Arquivos

prova.pdf
gabarito.pdf

Provas relacionadas

PEDAGOGOUFPA2018
PEDAGOGOUNIFESSPA2018
PEDAGOGOEBSERH2018

Gabarito

fcc-2009-tj-ap-analista-judiciario-pedagogia-gabarito.pdf-html.html

 

 

Tribunal de Justiça do Estado do Amapá  

Concurso Público - Analista e Técnico Judiciário 

Divulgação do Gabarito 

 

Português/Conhec. Específicos 

Cargo ou Opção: A01 - ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA 

Tipo Gabarito: 

 

001 - D  

002 - B  

003 - A  

004 - E  

005 - C  

006 - C  

007 - D  

008 - A  

009 - E  

010 - B  

 

011 - A 

012 - B 

013 - D 

014 - E 

015 - C 

016 - B 

017 - A 

018 - D 

019 - C 

020 - E 

 

021 - B 

022 - A 

023 - A 

024 - E 

025 - B 

026 - B 

027 - D 

028 - A 

029 - B 

030 - E 

 

031 - E 

032 - C 

033 - A 

034 - C 

035 - B 

036 - D 

037 - C 

038 - E 

039 - A 

040 - E 

 

041 - C 

042 - D 

043 - C 

044 - D 

045 - B 

046 - A 

047 - C 

048 - D 

049 - C 

050 - E 

 

051 - E 

052 - D 

053 - B 

054 - C 

055 - D 

056 - E 

057 - B 

058 - A 

059 - E 

060 - A 

 

 

Português/Conhec. Específicos 

Cargo ou Opção: B02 - AN JUD - ÁREA JUD - ESPEC EXECUÇÃO DE MANDADOS 

Tipo Gabarito: 

 

001 - D  

002 - B  

003 - A  

004 - E  

005 - C  

006 - C  

007 - D  

008 - A  

009 - E  

010 - B  

 

011 - A 

012 - B 

013 - D 

014 - E 

015 - C 

016 - B 

017 - A 

018 - D 

019 - C 

020 - E 

 

021 - D 

022 - A 

023 - C 

024 - E 

025 - C 

026 - E 

027 - D 

028 - B 

029 - B 

030 - A 

 

031 - C 

032 - E 

033 - B 

034 - C 

035 - A 

036 - D 

037 - E 

038 - D 

039 - D 

040 - C 

 

041 - B 

042 - A 

043 - B 

044 - E 

045 - A 

046 - B 

047 - C 

048 - D 

049 - A 

050 - B 

 

051 - A 

052 - E 

053 - A 

054 - B 

055 - C 

056 - E 

057 - D 

058 - E 

059 - D 

060 - C 

 

 

Português/Conhec. Específicos 

Cargo ou Opção: C03 - AN JUD - ÁREA APOIO ESPEC - ESPEC ADMINISTRAÇÃO 

Tipo Gabarito: 

 

001 - D  

002 - B  

003 - A  

004 - E  

005 - C  

006 - C  

007 - D  

008 - A  

009 - E  

010 - B  

 

011 - A 

012 - B 

013 - D 

014 - E 

015 - C 

016 - B 

017 - A 

018 - D 

019 - C 

020 - E 

 

021 - C 

022 - C 

023 - D 

024 - E 

025 - C 

026 - C 

027 - B 

028 - B 

029 - D 

030 - E 

 

031 - D 

032 - E 

033 - C 

034 - A 

035 - C 

036 - E 

037 - B 

038 - A 

039 - B 

040 - A 

 

041 - D 

042 - B 

043 - E 

044 - A 

045 - E 

046 - D 

047 - A 

048 - B 

049 - D 

050 - C 

 

051 - B 

052 - A 

053 - E 

054 - B 

055 - A 

056 - E 

057 - D 

058 - E 

059 - C 

060 - A 

 

fcc-2009-tj-ap-analista-judiciario-pedagogia-gabarito.pdf-html.html

Português/Conhec. Específicos 

Cargo ou Opção: D04 - AN JUD - ÁREA APOIO ESPEC - ESPEC ASSIST SOCIAL 

Tipo Gabarito: 

 

001 - D  

002 - B  

003 - A  

004 - E  

005 - C  

006 - C  

007 - D  

008 - A  

009 - E  

010 - B  

 

011 - A 

012 - B 

013 - D 

014 - E 

015 - C 

016 - B 

017 - A 

018 - D 

019 - C 

020 - E 

 

021 - D 

022 - C 

023 - C 

024 - A 

025 - B 

026 - B 

027 - E 

028 - C 

029 - A 

030 - A 

 

031 - E 

032 - C 

033 - B 

034 - A 

035 - C 

036 - D 

037 - C 

038 - E 

039 - A 

040 - B 

 

041 - A 

042 - C 

043 - D 

044 - E 

045 - D 

046 - A 

047 - B 

048 - E 

049 - B 

050 - A 

 

051 - C 

052 - E 

053 - B 

054 - C 

055 - A 

056 - D 

057 - E 

058 - A 

059 - D 

060 - B 

 

 

Português/Conhec. Específicos 

Cargo ou Opção: E05 - AN JUD - ÁREA APOIO ESPEC - ESPEC BIBLIOTECÁRIO 

Tipo Gabarito: 

 

001 - D  

002 - B  

003 - A  

004 - E  

005 - C  

006 - C  

007 - D  

008 - A  

009 - E  

010 - B  

 

011 - A 

012 - B 

013 - D 

014 - E 

015 - C 

016 - B 

017 - A 

018 - D 

019 - C 

020 - E 

 

021 - A 

022 - A 

023 - C 

024 - D 

025 - E 

026 - D 

027 - B 

028 - A 

029 - C 

030 - B 

 

031 - A 

032 - E 

033 - C 

034 - D 

035 - C 

036 - A 

037 - B 

038 - D 

039 - C 

040 - B 

 

041 - E 

042 - B 

043 - A 

044 - D 

045 - E 

046 - C 

047 - B 

048 - D 

049 - A 

050 - E 

 

051 - D 

052 - B 

053 - C 

054 - E 

055 - B 

056 - E 

057 - A 

058 - E 

059 - D 

060 - B 

 

 

Português/Conhec. Específicos 

Cargo ou Opção: F06 - AN JUD - ÁREA APOIO ESPEC - ESPEC CONTADOR 

Tipo Gabarito: 

 

001 - D  

002 - B  

003 - A  

004 - E  

005 - C  

006 - C  

007 - D  

008 - A  

009 - E  

010 - B  

 

011 - A 

012 - B 

013 - D 

014 - E 

015 - C 

016 - B 

017 - A 

018 - D 

019 - C 

020 - E 

 

021 - D 

022 - A 

023 - E 

024 - D 

025 - C 

026 - D 

027 - B 

028 - A 

029 - E 

030 - C 

 

031 - D 

032 - A 

033 - D 

034 - D 

035 - B 

036 - A 

037 - E 

038 - C 

039 - D 

040 - C 

 

041 - A 

042 - C 

043 - E 

044 - C 

045 - A 

046 - E 

047 - D 

048 - D 

049 - C 

050 - B 

 

051 - B 

052 - E 

053 - B 

054 - B 

055 - C 

056 - A 

057 - A 

058 - B 

059 - E 

060 - E 

 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 

fcc-2009-tj-ap-analista-judiciario-pedagogia-gabarito.pdf-html.html

Português/Conhec. Específicos 

Cargo ou Opção: G07 - AN JUD - ÁREA APOIO ESPEC - ESPEC ESTATÍSTICO 

Tipo Gabarito: 

 

001 - D  

002 - B  

003 - A  

004 - E  

005 - C  

006 - C  

007 - D  

008 - A  

009 - E  

010 - B  

 

011 - A 

012 - B 

013 - D 

014 - E 

015 - C 

016 - B 

017 - A 

018 - D 

019 - C 

020 - E 

 

021 - C 

022 - A 

023 - E 

024 - D 

025 - B 

026 - A 

027 - C 

028 - B 

029 - E 

030 - A 

 

031 - C 

032 - B 

033 - E 

034 - A 

035 - C 

036 - B 

037 - D 

038 - E 

039 - C 

040 - D 

 

041 - A 

042 - D 

043 - A 

044 - E 

045 - B 

046 - C 

047 - E 

048 - B 

049 - C 

050 - A 

 

051 - B 

052 - C 

053 - D 

054 - C 

055 - A 

056 - E 

057 - D 

058 - B 

059 - D 

060 - E 

 

 

Português/Conhec. Específicos 

Cargo ou Opção: H08 - AN JUD - ÁREA APOIO ESPEC - ESPEC FONOAUDIÓLOGO 

Tipo Gabarito: 

 

001 - D  

002 - B  

003 - A  

004 - E  

005 - C  

006 - C  

007 - D  

008 - A  

009 - E  

010 - B  

 

011 - A 

012 - B 

013 - D 

014 - E 

015 - C 

016 - B 

017 - A 

018 - D 

019 - C 

020 - E 

 

021 - B 

022 - E 

023 - B 

024 - A 

025 - D 

026 - E 

027 - B 

028 - A 

029 - E 

030 - D 

 

031 - E 

032 - B 

033 - D 

034 - A 

035 - C 

036 - B 

037 - C 

038 - C 

039 - B 

040 - C 

 

041 - B 

042 - A 

043 - E 

044 - A 

045 - B 

046 - D 

047 - C 

048 - E 

049 - D 

050 - A 

 

051 - A 

052 - B 

053 - D 

054 - C 

055 - E 

056 - C 

057 - D 

058 - E 

059 - A 

060 - C 

 

 

Português/Conhec. Específicos 

Cargo ou Opção: I09 - AN JUD - ÁREA APOIO ESPEC - ESPEC PEDAGOGO 

Tipo Gabarito: 

 

001 - D  

002 - B  

003 - A  

004 - E  

005 - C  

006 - C  

007 - D  

008 - A  

009 - E  

010 - B  

 

011 - A 

012 - B 

013 - D 

014 - E 

015 - C 

016 - B 

017 - A 

018 - D 

019 - C 

020 - E 

 

021 - D 

022 - B 

023 - C 

024 - D 

025 - D 

026 - A 

027 - D 

028 - A 

029 - A 

030 - B 

 

031 - E 

032 - C 

033 - E 

034 - C 

035 - D 

036 - A 

037 - C 

038 - A 

039 - E 

040 - B 

 

041 - B 

042 - C 

043 - A 

044 - D 

045 - A 

046 - E 

047 - E 

048 - C 

049 - E 

050 - E 

 

051 - B 

052 - C 

053 - D 

054 - B 

055 - C 

056 - A 

057 - B 

058 - D 

059 - E 

060 - B 

 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 

fcc-2009-tj-ap-analista-judiciario-pedagogia-gabarito.pdf-html.html

Português/Conhec. Específicos 

Cargo ou Opção: J10 - AN JUD - ÁREA APOIO ESPEC - ESPEC PSICÓLOGO 

Tipo Gabarito: 

 

001 - D  

002 - B  

003 - A  

004 - E  

005 - C  

006 - C  

007 - D  

008 - A  

009 - E  

010 - B  

 

011 - A 

012 - B 

013 - D 

014 - E 

015 - C 

016 - B 

017 - A 

018 - D 

019 - C 

020 - E 

 

021 - A 

022 - B 

023 - D 

024 - A 

025 - B 

026 - B 

027 - D 

028 - E 

029 - D 

030 - C 

 

031 - E 

032 - B 

033 - D 

034 - A 

035 - C 

036 - E 

037 - B 

038 - A 

039 - D 

040 - C 

 

041 - E 

042 - C 

043 - D 

044 - A 

045 - D 

046 - B 

047 - A 

048 - C 

049 - D 

050 - E 

 

051 - E 

052 - A 

053 - A 

054 - E 

055 - D 

056 - B 

057 - E 

058 - A 

059 - B 

060 - C 

 

 

Conhec. Básicos e Específicos 

Cargo ou Opção: K11 - TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA 

Tipo Gabarito: 

 

001 - E  

002 - C  

003 - B  

004 - D  

005 - C  

006 - A  

007 - B  

008 - D  

009 - E  

010 - A  

 

011 - C 

012 - A 

013 - E 

014 - B 

015 - C 

016 - D 

017 - B 

018 - A 

019 - D 

020 - E 

 

021 - D 

022 - A 

023 - C 

024 - B 

025 - E 

026 - A 

027 - D 

028 - E 

029 - C 

030 - A 

 

031 - D 

032 - B 

033 - E 

034 - C 

035 - D 

036 - E 

037 - E 

038 - B 

039 - A 

040 - C 

 

041 - D 

042 - E 

043 - C 

044 - B 

045 - A 

046 - C 

047 - E 

048 - D 

049 - A 

050 - B 

 

 

Conhec. Básicos e Específicos 

Cargo ou Opção: L12 - TÉC JUD - ÁREA APOIO ESPEC - ESPEC TÉC ENFERMAGEM 

Tipo Gabarito: 

 

001 - E  

002 - C  

003 - B  

004 - D  

005 - C  

006 - A  

007 - B  

008 - D  

009 - E  

010 - A  

 

011 - C 

012 - A 

013 - E 

014 - B 

015 - C 

016 - D 

017 - B 

018 - A 

019 - D 

020 - E 

 

021 - C 

022 - E 

023 - A 

024 - C 

025 - A 

026 - C 

027 - B 

028 - A 

029 - D 

030 - B 

 

031 - B 

032 - D 

033 - A 

034 - E 

035 - A 

036 - D 

037 - B 

038 - C 

039 - E 

040 - D 

 

041 - C 

042 - B 

043 - A 

044 - E 

045 - C 

046 - B 

047 - D 

048 - E 

049 - A 

050 - E 

 

 

Prova

fcc-2009-tj-ap-analista-judiciario-pedagogia-prova.pdf-html.html

N do Caderno

o

N de Inscrição

o

ASSINATURA DO CANDIDATO

N do Documento

o

Nome do Candidato

Português
Conhecimentos Específicos

P R O V A

INSTRUÇÕES

VOCÊ DEVE

ATENÇÃO

- Verifique se este caderno:

- corresponde a sua opção de cargo.

- contém 60 questões, numeradas de 1 a 60.

Caso contrário, reclame ao fiscal da sala um outro caderno.

Não serão aceitas reclamações posteriores.

- Para cada questão existe apenas UMA resposta certa.

- Você deve ler cuidadosamente cada uma das questões e escolher a resposta certa.

- Essa resposta deve ser marcada na FOLHA DE RESPOSTAS que você recebeu.

- Procurar, na FOLHA DE RESPOSTAS, o número da questão que você está respondendo.

- Verificar no caderno de prova qual a letra (A,B,C,D,E) da resposta que você escolheu.

- Marcar essa letra na FOLHA DE RESPOSTAS, conforme o exemplo:

- Marque as respostas primeiro a lápis e depois cubra com caneta esferográfica de tinta preta.

- Marque apenas uma letra para cada questão, mais de uma letra assinalada implicará anulação dessa questão.

- Responda a todas as questões.

- Não será permitida qualquer espécie de consulta, nem o uso de máquina calculadora.

- Você terá 3 horas para responder a todas as questões e preencher a Folha de Respostas.

- Ao término da prova, chame o fiscal da sala para devolver os Cadernos de Questões e a sua Folha de Respostas.

- Proibida a divulgação ou impressão parcial ou total da presente prova. Direitos Reservados.

A

C D E

Novembro/2009

Analista Judiciário - Área Apoio Especializado

Especialidade Pedagogo

Concurso Público para provimento de cargos de

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ

Caderno de Prova ’I09’, Tipo 001

MODELO

0000000000000000

MODELO1

00001−0001−0001

fcc-2009-tj-ap-analista-judiciario-pedagogia-prova.pdf-html.html

 

 

TJUAP-Português

1

 

 

PORTUGUÊS 

 
Atenção: 

As questões de números 1 a 12 referem-se ao texto 
seguinte. 

 

Os doutores do pessimismo 

 

Não é preciso ser um grande gênio para constatar que 

vivemos num mundo bárbaro, que o ser humano é capaz das 

maiores atrocidades, que a vida é feita de competição, inveja, 

egoísmo e crueldade. Ninguém precisa ter vivido num campo de 

prisioneiros na Sibéria nem ter sido moleque em região violenta 

de uma grande cidade para saber disso. Mas virou moda, entre 

muitos intelectuais e jornalistas, anunciar uma espécie de “visão 

trágica” do mundo, como se se tratasse da mais surpreendente 

novidade. 

Com certeza há nisso uma reação saudável contra o 

excesso de otimismo. Nada mais correto do que denunciar o 

horror. O que me parece estranho é que, mais que denunciar o 

horror, esses pensadores trágicos e jornalistas sombrios gostam 

de destruir as esperanças. O reconhecimento do Mal, a 

percepção de que ninguém é “bonzinho” e de que a realidade é 

uma coisa dura e feia vão-se transformando em algo próximo do 

fascínio. E, com diferentes níveis de elaboração e de cortesia 

pessoal, esses autores tendem a fazer do fascínio uma 

estratégia de choque. 

Quanto mais chocarem o pensamento corrente (que 

considera ruim bombardear crianças e bom defender a 

Amazônia, por exemplo) mais ganharão em originalidade, leitura 

e cartas de protesto. Parece existir uma competição nas 

páginas dos jornais e na Internet para ver quem conseguirá ser 

o mais “durão”, o mais “realista”, o mais desencantado. Será 

chamado de ingênuo ou nostálgico todo aquele que quiser algo 

melhor do que o mundo em que vive. Então, aquilo que deveria 

ser ponto de partida se torna ponto de chegada: o horror e a 

crueldade fazem parte da paisagem. Melhor assim, quem sabe: 

“nós, pelo menos, tiramos disso a satisfação de não sermos 

ingênuos”. Você está esperançoso com a vitória de Obama? 

Ouço um risinho: “que otário”. Você quer que se preservem as 

reservas indígenas da Amazônia? Mais um risinho: os militares 

brasileiros entendem mais do problema do que você, que pensa 

ser bonzinho mas é tão malvado como nós. “Pois o ser humano 

é mau, desgraçado e infeliz desde que foi expulso do Paraíso. 

Você não sabe disso?” 

O que sei é que algumas pessoas foram expulsas do 

Paraíso para morar numa mansão em Beverly Hills e outras 

para morar em Darfur (*). 

 

(Adaptado de Marcelo Coelho, Folha de S. Paulo, 21/01/2009) 

 

(*)  Beverly Hills 

=

 rica cidade da Califórnia; Darfu

=

 região 

pobre e conflituosa do Sudão. 

1. 

O autor do texto insurge-se contra intelectuais e jornalistas 
que 

 

(A)  desconfiam de quem dissemina um excesso de 

pessimismo. 

 
(B)  denunciam as grandes atrocidades perpetradas pelo 

homem. 

 
(C)  defendem com radicalismo a preservação das 

reservas indígenas da Amazônia. 

 
(D)  propagam seu fascínio por uma visão de mundo 

desencantada.  

 
(E)  usam o pessimismo como estratégia para a defesa 

de boas causas. 

_________________________________________________________ 

 

2. 

O autor faz ver que, no afã de defenderem suas con-
vicções, os doutores do pessimismo 

 

(A)  passam a se apoiar em valores do senso comum, na 

esperança de obterem um maior apoio de seus fiéis 
leitores. 

 
(B)  costumam ver na manifestação do horror um fato 

natural e consumado, em vez de tomá-la como 
estímulo a uma reação.  

 
(C)  acham desafortunadas tanto as pessoas que moram 

em Beverly Hill como as que moram em Darfur. 

 
(D)  posam de nostálgicos nas páginas dos jornais, para 

provocar polêmicas e cartas de protesto dos leitores. 

 
(E)  hesitam em considerar como boas as notícias que a 

maioria das pessoas não teve dúvida em julgar 
auspiciosas. 

_________________________________________________________ 

 

3. 

Atente para as seguintes afirmações: 

 
 

I

.  Embora ache saudável a denúncia das barbarida-

des do mundo, o autor se espanta com o prazer 
que isso dá a intelectuais e jornalistas que gostam 
de cultivar a desesperança.  

 
 

II

. Os 

doutores do pessimismo parecem atribuir a si 

mesmos, segundo o autor do texto, a qualidade de 
realistas, que fazem questão de se opor a quem 
alimenta esperanças de um mundo melhor. 

 
 

III

.  No último parágrafo, com alguma ironia, o autor 

apresenta uma réplica à ideia de que todos os 
seres humanos estão, igualmente, condenados à 
infelicidade. 

 

Em relação ao texto, está correto o que se afirma em 
 
(A) 

I

II

 e 

III

 
(B) 

I

 e 

II

, somente. 

 
(C) 

II

 e 

III

, somente. 

 
(D) 

I

 e 

III

, somente. 

 
(E) 

I

, somente. 

Caderno de Prova ’I09’, Tipo 001

fcc-2009-tj-ap-analista-judiciario-pedagogia-prova.pdf-html.html

 

 

TJUAP-Português

1

 

4. 

Considerando-se o contexto, traduz-se adequadamente o 
sentido de um segmento em: 

 

(A)  uma espécie de “visão trágica” (1

o

 parágrafo) 

=

 tipo 

uma perspectiva sinistra.  

 

(B)  diferentes níveis de elaboração (2

o

 parágrafo) 

=

 

incongruentes planos de efetivação. 

 

(C)  uma estratégia de choque (2

o

 parágrafo) 

=

 a tática 

de uma admoestação. 

 

(D)  tiramos disso a satisfação (3

o

 parágrafo) 

=

 excluímos 

assim o prazer. 

 

(E)  fazem parte da paisagem (3

o

 parágrafo) 

=

 estão 

integrados ao mundo. 

_________________________________________________________ 

 

5. 

Uma nova e correta redação da frase: 
 
(A)  Não é preciso ser um grande gênio para constatar 

que vivemos num mundo bárbaro será Ainda que 
não seja um grande gênio, pode-se verificar de 
que nosso mundo é bárbaro

 
(B)  Com certeza há nisso uma reação saudável contra o 

excesso de otimismo será  Há por isso, com cer-
teza, um salutar desvio ao excesso do otimismo

 
(C)  Quanto mais chocarem o pensamento corrente, mais 

ganharão em originalidade será Tanto mais forem 
de encontro às ideias que circulam, tanto mais 
serão criativos

 
(D)  Será chamado de ingênuo ou nostálgico todo aquele 

que quiser algo melhor do que o mundo em que vive 
será Ver-se-á como puro e saudoso qualquer um 
que pretender habitar o melhor dos mundos. 

 
(E)  Os militares brasileiros entendem mais do problema 

do que você, será Ao contrário de você, são os 
militares que entendem bem de tal problema. 

_________________________________________________________ 

 

6. 

A frase em que há incorreção quanto à concordância 
verbal é: 

 

(A)  Não espantarão as atrocidades do nosso mundo a 

quem já conhece as crueldades de que um homem é 
capaz. 

 
(B)  Nenhum de nós se obrigará a viver num campo de 

prisioneiros da Sibéria para poder avaliar quão 
bárbaro é este nosso mundo. 

 
(C)  Costumam chocar os pensamentos correntes todo 

aquele que esteja interessado em promover sua 
marca de originalidade. 

 
(D)  Assiste-se a tantos tristes espetáculos neste mundo 

que muitos passam a difundir uma visão inteira-
mente desesperançada de tudo. 

 
(E)  Interessou ao autor explorar os drásticos contrastes 

que há entre os que moram em Beverly Hills e os 
que vivem em Darfur. 

7. 

Está correto o emprego de ambos os elementos subli-
nhados na frase: 

 

(A)  Otário é você, que confia de que Obama faça um go-

verno competente, de cujo não há ainda qualquer 
indício. 

 
(B)  Prefira-se morar em Beverly Hills do que morar em 

Darfur; a esta região falta tudo o que aquela não 
falta. 

 
(C)  Esses doutores, de cujo pessimismo todos conhecem, 

estão sempre aplicados com a difusão fascinada dos 
horrores. 

 
(D)  É como se a barbárie e a crueldade, às quais esses 

doutores assistem com indiferença, fossem fenôme-
nos cujo horror devesse ser naturalizado. 

 
(E)  O autor está convicto que tais doutores representam 

um radical pessimismo, de cujo parecem orgulhar-se 
de ostentar. 

_________________________________________________________ 

 

8. 

Transpondo-se para a voz passiva a construção dada, 
chega-se à forma verbal indicada entre parênteses em: 
 
(A)  para constatar que vivemos num mundo bárbaro (...)  

(seja constatado

 
(B)  Quanto mais chocarem o pensamento corrente (...) 

(estiver chocando)  

 
(C)  bom defender a Amazônia (...) (tenha sido defen-

dida

 
(D)  virou moda anunciar uma espécie de visão trágica 

(...) (ter anunciado

 
(E)  Ouço um risinho (...) (foi ouvido

_________________________________________________________ 

 

9. 

Está clara e correta a redação deste livre comentário 
sobre o texto: 

 

(A)  Marcelo Coelho, jornalista, não hesitou a contrapor-

se com seus colegas de imprensa, nos quais 
surpreende uma dose exagerada de pessimismo, 
com o qual não haveria remissão possível. 

 
(B)  Provavelmente Marcelo Coelho já se havia sentido 

alvo de mofa ou de zombaria, por parte de colegas 
seus, que julgando ele um ingênuo, elegiam-se ao 
mesmo tempo enquanto mestres do pessimismo.  

 
(C)  O autor do texto promoveu uma espécie de diagnós-

tico, daqueles que, na imprensa, optando na estraté-
gia do pessimismo veem nela a reação saudável de 
quem não seja necessariamente ingênuo. 

 
(D)  A indiferença da Amazônia, bem como considerar 

admissível que crianças sejam bombardeadas, não 
são ingenuidades, para o autor, mas demonstração 
de quem não concorda com a barbárie. 

 
(E)  O autor do texto não hesita em alinhar-se entre 

aqueles que, embora cientes dos horrores deste 
mundo, cultivam a expectativa de uma vida melhor, 
anunciada por fatos promissores. 

Caderno de Prova ’I09’, Tipo 001

fcc-2009-tj-ap-analista-judiciario-pedagogia-prova.pdf-html.html

 

 

TJUAP-Português

1

 

10.  Está adequada a correlação entre tempos e modos 

verbais na frase: 

 

(A)  Será preciso manifestar-se um grande gênio para 

que se viesse a ter conhecimento dos males que 
assolam nosso mundo?  

 

(B)  Fosse preciso viver em Darfur para depois desfrutar 

do nível de vida de Beverly Hills, a muita gente 
ocorreria passar algum tempo naquela região.  

 

(C)  Ninguém precisará viver num campo de refugiados, 

se quisesse conhecer a fundo a miséria humana, 
com seu repertório de violências.  

 

(D)  A vitória de Obama passou a representar, para um 

sem-número de pessoas, uma perspectiva de 
mudança com que elas já não contassem. 

 

(E)  Aquele que vier a confundir esperança com 

ingenuidade provavelmente nunca se interessasse 
em distinguir entre oportunismo e pessimismo.  

_________________________________________________________ 

 

11.  O pessimismo não é raro, nem difícil; encontramos o 

pessimismo por toda parte, pois não faltam, em nosso 
cotidiano, razões para que se alimente o pessimismo em 
suas versões mais drásticas, assim como não fazem 
questão de abandonar o pessimismo aqueles que 
acabaram se acostumando com ele. 

 

Evitam-se as viciosas repetições do texto acima substituin-
do-se os elementos sublinhados, na ordem dada, por: 

 

(A)  encontramo-lo 

-  se o alimente 

-  abandoná-lo 

 

(B)  encontramo-lo 

-  se lhe alimente  -  o abandonar 

 

(C)  o encontramos 

-  se alimente-o 

-  lhe abandonar 

 

(D)  encontramos-lhe  -  alimente-se a ele  -  abandoná-lo 

 

(E)  lhe encontramos  -  se o alimente 

-  abandonar-lhe 

_________________________________________________________ 

 

12.  Quanto mais chocarem o pensamento corrente (...), mais 

ganharão em originalidade, leitura e cartas de protesto

 

A relação estabelecida pelos dois elementos sublinhados 
na frase acima mantém-se na que travam os elementos 
sublinhados em: 

 

(A) Ora você parece conservador, ora faz pose de 

revolucionário. 

 

(B)  Já dizia um desses velhos provérbios: maior a altura, 

maior o tombo. 

 

(C)  Ele é tão mais otimista que seus companheiros de 

geração... 

 

(D) Seja por excesso de escrúpulos, seja por falta deles, 

ela sempre age de modo estranho.  

 

(E) Assim 

como há pessimistas empedernidos, assim 

também não faltam otimistas ingênuos. 

Atenção: 

As questões de números 13 a 20 referem-se ao 
texto que segue. 

 

Entre ações e acionistas 

 

Nosso velho Machado de Assis não cansa de nos passar 

lições sobre a atualidade – ele, que morreu há mais de cem 

anos. Há mesmo quem diga que o velhinho está escrevendo 

cada vez melhor... Essa força vem, certamente, da atualização, 

sempre possível e vantajosa, dos escritos machadianos. 

Melancolicamente, isso também significa que a história da 

humanidade não avançou tanto, pelo menos não a ponto de 

desmentir conclusões a que Machado chegou em seu tempo. 

Num de seus contos, lembra-nos o escritor que os 

homens, sobretudo os de negócios, costumam reunir-se em 

associações empresariais, mas cada um dos acionistas não 

cuida senão de seus dividendos... A observação é ferina, pelo 

alcance que lhe podemos dar: é o egoísmo humano, afinal de 

contas, que está na origem de todas as nossas iniciativas de 

agrupamento e colaboração. É o motor do interesse pessoal 

que nos põe em marcha na direção de um objetivo 

supostamente coletivo. 

Haverá muito exagero, talvez, nessa consideração 

machadiana – mas ela não deixa de ser instigante, obrigando-

nos a avaliar os reais motivos pelos quais tantas vezes 

promovemos agrupamentos e colaborações. É como se 

Machado desconfiasse da pureza ética do nosso suposto 

desprendimento e preferisse vasculhar em nosso íntimo a razão 

verdadeira de cada ato. 

Com a referência às ações e aos acionistas, o escritor 

pôs a nu o sentido mesmo do capitalismo, esse sistema 

econômico ao qual todos aderem para garantir sua parte. A 

crise que se abateu recentemente sobre os Estados Unidos, 

com repercussão mundial, provou que, quando todos só querem 

ganhar, todos podem perder, e o decantado associacionismo 

acaba revelando seu rosto mais cruel. Talvez seja melhor 

torcermos para que Machado nem sempre tenha razão. 
 

(Júlio Ribamar de Castilho, inédito

 
13.  É correto afirmar, analisando o desenvolvimento do texto, 

que o autor, 

 

(A) no 

1

o

 parágrafo, refere-se com reverência a Macha-

do de Assis, embora não adiante ainda qualquer 
razão que a justifique. 

 
(B) no 

2

o

 parágrafo, ressalta a razão pela qual Machado 

de Assis julgou que seus contemporâneos eram 
homens piores que os de outras épocas.  

 
(C) no 

3

o

 parágrafo, ressalva a veracidade da observa-

ção machadiana sobre os acionistas, chegando a 
considerá-la inoportuna. 

 
(D) no 

4

o

 parágrafo, comprova afirmações suas ante-

riores, mostrando como o curso da História revigora 
a atualidade das convicções machadianas. 

 
(E)  em cada um dos parágrafos, acentua a importância 

de Machado de Assis para os estudos mais 
especulativos sobre Ética. 

Caderno de Prova ’I09’, Tipo 001

fcc-2009-tj-ap-analista-judiciario-pedagogia-prova.pdf-html.html

 

 

TJUAP-Português

1

 

14.  Atente para as seguintes afirmações: 

 
 

I

.  O egoísmo humano, segundo nos lembra um dos 

contos machadianos, exemplifica-se bem nas inicia-
tivas em que é a maior rentabilidade individual o 
motivo mesmo da criação de associações. 

 
 

II

.  O fato de serem excessivamente pessimistas as 

considerações machadianas sobre os interesses 
humanos acaba resultando em que suas lições 
despertam interesse diminuído a cada dia. 

 
 

III

.  Se as convicções de Machado se mostrarem cada 

vez mais acertadas, servirão de argumento para 
quem deseje sustentar o desprendimento pressu-
posto ao sistema capitalista. 

 

Em relação ao texto, está correto SOMENTE o que se afir-
ma em: 

 

(A) 

I

 e 

II

(B) 

I

 e 

III

(C) 

II

 e 

III

(D) 

II

(E) 

I

_________________________________________________________ 

 

15.  Depreende-se da leitura do texto que o autor, ao analisar 

a contribuição de Machado de Assis, conclui que é boa 
lição 

 

(A)  encararmos nossos defeitos, para tentarmos repará-

los contando com ajuda do próximo. 

 
(B)  esquecermos nossas fraquezas, para que melhor 

possamos nos concentrar em nossas virtudes. 

 
(C)  reconhecermos, por difícil que isso seja, os móveis 

reais da conduta que apreciamos dar como virtuosa. 

 
(D)  analisarmos, com o desprendimento que nos é 

habitual, as situações críticas em que podemos 
interferir positivamente. 

 
(E)  ponderarmos que as vantagens materiais não com-

pensam nossas mazelas espirituais, por lucrativa 
que seja uma atividade. 

_________________________________________________________ 

 

16.  Haverá muito exagero, talvez, nessa consideração macha-

diana 

 mas ela não deixa de ser instigante (...). 

 

Reescrevendo-se a frase acima, começando-se por Essa 
consideração machadiana não
  deixa de ser instigante, a 
correção e o sentido não serão prejudicados com esta 
complementação: 

 

(A)  por conta, talvez, de seu grande exagero. 

 
(B)  conquanto seja talvez bastante exagerada.  

 
(C)  haja vista seja, quem sabe, muito exagerada. 

 
(D)  até porque há nela bastante exagero. 

 
(E)  no caso de que nela possa haver exagero. 

_________________________________________________________ 

 

17.  Os dois segmentos destacados constituem, na ordem dada, 

a relação indicada entre parênteses na seguinte alternativa: 

 

(A)  A observação é ferina / pelo alcance que lhe pode-

mos dar (consequência e causa) 

 
(B)  não cansa de nos passar lições sobre a atualidade / 

ele, que morreu há mais   de cem anos. (hipótese e 
confirmação) 

 
(C)  a história da humanidade não avançou tanto / pelo 

menos não a ponto de desmentir conclusões a que 
Machado chegou em seu tempo. 
(tese e rejeição da 
tese) 

 
(D)  os homens costumam reunir-se em associações 

empresariais / mas cada um dos acionistas não 
cuida senão de seus dividendos 
(opinião e fato) 

 
(E)  Talvez seja melhor torcermos / para que Machado 

nem sempre tenha razão (causa e consequência) 

18.  O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se 

numa forma do singular para preencher de modo correto 
a lacuna da frase: 
 
(A)  A obra machadiana, com a qual  ......  (vir) instruindo-

se os leitores, tem um alcance analítico inexcedível. 

 
(B)  ......  (ter) impressionado a um sem-número de leitores 

suas implacáveis interpretações do comportamento 
humano. 

 
(C)  Talvez não se  ......  (adequar) ao espírito mesmo da 

obra de Machado os louvores agradecidos que lhe 
endereçam alguns leitores. 

 
(D)  Muitos creem que  ......  (comportar) cada um de 

seus pequenos contos incontáveis ensinamentos de 
vida. 

 
(E)  Entre os contos machadianos que mais se  ......  (ler

está, sem dúvida, o intitulado “Missa do galo”. 

_________________________________________________________ 

 

19.  A pontuação está inteiramente adequada na seguinte 

frase: 

 

(A)  Ai de quem por amor à ilusão, queira enxergar em si 

mesmo somente desprendimentos, quando Machado 
já nos alertou, para que vejamos se atrás de cada 
justificativa alegada, não vigora o motivo real. 

 
(B)  Ai de quem, por amor à ilusão queira enxergar em si 

mesmo, somente desprendimentos, quando Machado 
já nos alertou para que vejamos se atrás de cada 
justificativa, alegada, não vigora o motivo real. 

 
(C)  Ai de quem, por amor à ilusão, queira enxergar em si 

mesmo somente desprendimentos, quando Machado 
já nos alertou para que vejamos se, atrás de cada 
justificativa alegada, não vigora o motivo real. 

 
(D)  Ai de quem por amor, à ilusão, queira enxergar em si 

mesmo somente desprendimentos, quando Machado 
já nos alertou para que vejamos, se atrás de cada 
justificativa alegada não vigora o motivo real. 

 
(E)  Ai, de quem por amor à ilusão, queira enxergar em si 

mesmo, somente desprendimentos, quando Machado 
já nos alertou, para que vejamos se atrás de cada 
justificativa alegada, não vigora o motivo real. 

_________________________________________________________ 

 

20.  Está coerente, clara e correta a redação da frase: 
 

(A)  Já fazem mais de cem anos que Machado de Assis 

passa-nos lições que, longe de envelhecerem, ainda 
assim parecem atuais.  

 
(B)  Não se deve culpar a Machado por amiudados exa-

geros nas análises que tão implacável quanto 
ponderadamente exerce sobre nosso caráter. 

 
(C)  Os leitores que vão de encontro às ideias macha-

dianas só o fazem por que identificam-se quase de 
modo acrítico com as mesmas. 

 
(D)  Ao invés de condenar-se Machado pelo pessimismo 

de seu pensamento faria melhor quem o louvasse 
pelo discernimento do mundo real.  

 
(E)  O saldo das análises que faz Machado do nosso 

comportamento não é alentador para a alma, mas 
instiga nosso pensamento crítico. 

Caderno de Prova ’I09’, Tipo 001

fcc-2009-tj-ap-analista-judiciario-pedagogia-prova.pdf-html.html

 

TJUAP-Anal.Jud-Pedagogo-I09

 

 

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 

 

Atenção:    As questões de números 21 e 22 estão baseadas no texto a seguir. 
 
 

Atualmente, cerca de 300 milhões de pessoas pertencentes a quase duas centenas de grupos étnicos diferentes têm seu 

futuro ameaçado, mas na prática, nos materiais curriculares comercializados, já deixaram de existir, pois sua realidade muitas vezes é 

ignorada ou, em alguns casos, este tipo de temática continua sendo tratado como se fosse um circo ou algo exótico. 

 
 
21.  Na organização curricular escolar, os saberes socialmente reconhecidos são 
 

(A)  os construídos cientificamente e o saber popular é fruto do senso comum. 
 

(B)  os acumulados historicamente e os saberes populares que resultam da vivência do povo. 
 

(C)  resultados de uma escolha criteriosa realizada a partir da necessidade dos aprendizes. 
 

(D)  legitimados, enquanto os saberes populares são negados ou estigmatizados. 
 

(E)  escolhidos por critérios culturais, de acordo com o desenvolvimento cognitivo. 

 
 
22.  O currículo como espaço de reconhecimento de nossas identidades culturais precisa 
 

(A)  organizar os conteúdos em disciplinas, com o cuidado de não fragmentar os conhecimentos prioritários. 
 
(B)  examinar como determinados conceitos foram propostos historicamente, porque se tornaram ou não aceitos, porque 

permaneceram ou foram substituídos. 

 
(C)  reconhecer o desenvolvimento cognitivo das diversas faixas etárias para poder escolher os conhecimentos necessários à 

formação das pessoas. 

 
(D)  pesquisar metodologicamente como integrar as várias culturas existentes num determinado grupo social. 
 
(E)  selecionar imparcialmente os vários saberes existentes em cada grupo social a fim de organizar os conteúdos necessários 

à emancipação intelectual dos alunos. 

 
 
23.  A escola democrática não apenas deve estar permanentemente aberta à realidade contextual de seus alunos, para melhor 

compreendê-los, mas também para melhor exercer sua atividade docente. 

 
 

Para ser democrática, a escola precisa da mesma forma 

 

(A)  aprender a preparar seu projeto pedagógico a partir de sugestões dos pais e alunos. 
 
(B)  estar aberta à participação dos pais na tarefa de ensinar seus filhos. 
 
(C)  estar disposta a aprender também com os conhecimentos da comunidade escolar. 
 
(D)  apresentar qualidade técnica, com professores preparados para saber ouvir os alunos. 
 
(E)  ter competência técnica e política para saber lidar com os pais de “pouca” escolaridade. 

 
 
24.  A efetivação de uma educação multicultural pressupõe: 
 

(A)  reconhecer que existem múltiplas maneiras de entender o mundo e que todas elas são legítimas. 
 
(B)  um referencial de neutralidade, com base em direitos e oportunidades iguais para todos. 
 
(C)  apoiar-se em uma base ética e moral que reconheça como valores universais a democracia e a liberdade de mercado. 
 
(D)  identificar interesses comuns e gerais que façam um corte através da multiplicidade de interesses específicos dos 

educandos. 

 
(E)  uma concepção pedagógica multirreferencial que possibilite significados flexíveis. 

Caderno de Prova ’I09’, Tipo 001

fcc-2009-tj-ap-analista-judiciario-pedagogia-prova.pdf-html.html

 

TJUAP-Anal.Jud-Pedagogo-I09

 

25.  Enquanto a prática bancária (...) implica numa espécie de anestesia, inibindo o poder criador dos educandos, a educação 

problematizadora, de caráter autenticamente reflexivo, implica num constante ato de desvelamento da realidade. 

 
 

Reconhecer diferentes linhas de educação nesta concepção é fundamental para desenvolver uma prática que possibilite ao 
educando a 

 

(A)  imersão na própria cultura. 
(B)  reprodução dos valores universais. 
(C) inclusão 

multicultural. 

(D)  inserção crítica na realidade. 
(E)  superação do ensino conteudista. 

 
 
Atenção:   As questões de números 26 e 27 estão baseadas no texto a seguir. 
 
 

Se a educação libertadora fosse somente uma questão de métodos, então o problema seria mudar algumas metodologias 

tradicionais por outras mais modernas. Mas esse não é o problema. A questão é o estabelecimento de uma relação diferente com o 

conhecimento e com a sociedade. 
 
 
26.  Numa metodologia libertadora é preciso 
 

(A)  pensar o conhecimento como sendo produzido em determinadas condições históricas e sociais. 
 
(B)  utilizar de forma otimizada os recursos didáticos existentes. 
 
(C)  combater a degeneração dos valores universais e recuperar valores como o significado da aprendizagem na vida do 

homem. 

 
(D)  aprofundar o debate teórico-prático sobre as técnicas de aprendizagem. 
 
(E)  refletir sobre a relação entre criatividade, capacidade cognitiva e bagagem de conhecimentos. 

 
 
27.  Nessa perspectiva, o desafio fundamental para uma concepção de avaliação é a reflexão sobre 
 

(A)  o contexto social. 

(B) a 

desigualdade 

econômica. 

(C) o 

desequilíbrio 

cultural. 

(D)  o porquê avaliar. 

(E)  a competitividade na vida e na escola. 

 
 
28.  Dizer que o conhecimento é construído socialmente é dizer, em primeiro lugar, que o conhecimento é produto da concordância e 

do consentimento de indivíduos que vivem determinados tipos de relações sociais (como classe social, raça e gênero, por 
exemplo) em determinados momentos históricos.
 

 

Sob esta ótica, é correto afirmar que o conhecimento 
 
(A)  está indissoluvelmente ligado a questões de poder. 
(B)  tem construção e transmissão de idêntico significado social. 
(C)  é construído sem imposições e de forma não violenta. 
(D)  se dá num processo de caráter regional, sem universalismo. 
(E)  historicamente garante a ascensão social dos diferentes grupos sociais. 

 
 
29.  Formar o educador é criar condições para que o sujeito se prepare filosófica, científica, técnica e afetivamente para o tipo de 

ação que vai exercer. Para isso, é preciso não só aprendizagens cognitivas sobre os diversos campos de conhecimento que o 
auxiliem no desenvolvimento de seu papel, mas também o desenvolvimento de uma atitude crítica sobre o mundo e sua própria 
prática educacional, num amadurecimento que se faz no dia a dia.
 

 
 

É correto, portanto, afirmar que a ação docente exige do professor, fundamentalmente, 

 

(A) formação 

permanente. 

(B) competência 

técnica. 

(C)  organização de classes mais homogêneas. 
(D) maior 

titulação 

acadêmica. 

(E)  metodologias de autoajuda. 

Caderno de Prova ’I09’, Tipo 001

fcc-2009-tj-ap-analista-judiciario-pedagogia-prova.pdf-html.html

 

TJUAP-Anal.Jud-Pedagogo-I09

 

30.  O índice de adolescentes grávidas vem crescendo a cada dia no Amapá. Em 2005, foram registrados na Maternidade Mãe Luzia 

1.896 partos de mulheres entre 11 a 18 anos; em 2006, até o mês de novembro, foram computados 1.741 partos de meninas 
com a mesma faixa etária.
 

 
 

Ainda que os Parâmetros Curriculares Nacionais tenham como proposta o ensino do tema transversal sexualidade, este assun-
to é 

 

(A)  trabalhado na maioria das escolas de forma interdisciplinar. 
 
(B)  praticamente inexistente no interior das escolas. 
 
(C)  específico da área de Biologia ou Ciências, dada a sua competência técnica. 
 
(D)  parte integrante, atualmente, da área da Psicologia do Desenvolvimento. 
 
(E)  recusado por parte das alunas adolescentes. 

 
 
31.  O abandono dos estudos está diretamente relacionado à necessidade de trabalhar. 

 
 

De acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente 

 ECA (Lei n

o

 8.069/90), é dever do Estado assegurar a oferta de 

 

(A)  esporte e lazer de forma articulada à oferta de Educação de Jovens e Adultos. 
 
(B)  material pedagógico específico, voltado ao mundo do trabalho do adolescente. 
 
(C)  aprendizagem apropriada, pelo desenvolvimento de habilidades e competências para o trabalho. 
 
(D)  cursos técnicos profissionalizantes adequados à escolarização do adolescente. 
 
(E)  ensino noturno regular, adequado às condições do adolescente trabalhador. 

 
 
32.  Numa relação de diálogo, o educador deve 
 

(A)  não interferir, deixando o educando construir livremente o conhecimento. 
 
(B)  conduzir todos os passos do processo de aprendizagem do educando. 
 
(C)  assumir a intervenção e a diretividade do processo ensino-aprendizagem. 
 
(D)  esclarecer para o educando, de forma a não deixar dúvidas, qual a melhor forma de construir sua aprendizagem. 
 
(E)  mediar a construção do conhecimento do aluno e assumir uma postura imparcial em relação ao seu conhecimento. 

 
 
33.  Conhecer é captar e interpretar a realidade. 
 
 

O processo de conhecer e interpretar o mundo não é neutro, ele 

 

(A)  apresenta formas diferenciadas de olhar uma mesma situação. 
 
(B)  requer que o educador ensine ao educando o mundo real e abstrato. 
 
(C)  exige que a realidade seja interpretada de forma imparcial. 
 
(D)  demanda um estudo rigoroso e metódico do real implícito. 
 
(E)  está impregnado de visões políticas, morais, religiosas, raciais, de gênero. 

 
 
34.  Para Paulo Freire, a ideologia está relacionada 
 

(A)  diretamente ao conjunto de ideias, das crenças e valores de um determinado grupo em estudo. 
 
(B)  a um tratado de doutrinas organizado por meio de ideias abstratas. 
 
(C)  diretamente com a ocultação da verdade dos fatos ao mesmo tempo em que nos torna “míopes”. 
 
(D)  à ciência que explica politicamente a formação de determinadas ideias. 
 
(E)  indiretamente a um sistema que considera a sensação como fonte principal dos nossos conhecimentos. 

Caderno de Prova ’I09’, Tipo 001

fcc-2009-tj-ap-analista-judiciario-pedagogia-prova.pdf-html.html

 

TJUAP-Anal.Jud-Pedagogo-I09

 

35.  Até que chegou o dia em que lhe foi dito: 

 É preciso ir para a escola. Todos os meninos vão. Para se transformarem em gente. 

Deixar as coisas de criança. Em cada criança brincante dorme um adulto produtivo. É preciso que o adulto produtivo devore a 

criança inútil. E assim aconteceu. Há certos golpes do destino contra os quais é inútil lutar. 

 
 

Os estudos que resgatam as concepções de infância e adolescência na história da humanidade nos mostram que 

 

(A)  o desenvolvimento psicológico, intelectual e social da criança realizado na educação infantil permite que a criança se 

transforme num adulto preparado para o trabalho. 

 
(B)  a educação é ferramenta imprescindível para a formação do caráter das crianças e dos adolescentes, preparando-os para 

um futuro promissor no mercado de trabalho. 

 
(C)  o não acesso à educação formal não garante que a criança deixe seu mundo de fantasias, ela precisa ser convencida da 

importância de sua preparação para o mundo produtivo. 

 
(D)  as crianças sempre existiram, mas o sentimento de infância, de preocupação e investimento da sociedade sobre as 

crianças surgem na modernidade. 

 
(E)  a escola é o caminho garantido para que as crianças deixem sua vida de brincadeiras e assim se prepararem para uma 

vida útil. 

 

 
36.  Atualmente as palavras "outro", "respeito ao outro", "abertura ao outro" etc. começam a resultar um pouco enfadonhas. Há algo 

que se torna mecânico neste uso moralizante da palavra "outro". 

 
 

Uma política da diferença não pode traduzir apenas em uma atenção à diversidade. 

 
 

De acordo com o ECA, a criança e o adolescente com deficiência receberão atendimento 

 

(A)  educacional especializado, preferencialmente na rede regular de ensino. 
 
(B)  exclusivo no processo de ensino-aprendizagem, de acordo com sua patologia. 
 
(C)  adequado a cada deficiência de acordo com o projeto de inclusão de cada escola. 
 
(D)  distinto em locais próprios para cuidar de deficientes, para posterior inclusão na escola. 
 
(E)  educacional especial, visando um aprendizado que permita a integração em grupos normais. 

 

 
37.  Sem procurar conhecer a realidade em que vivem os alunos, os educadores 
 

(A)  não têm como organizar um currículo interdisciplinar multicultural. 

(B)  precisam definir os conteúdos escolares por meio da utilização dos PCNs. 

(C)  não têm acesso à maneira como eles pensam e dificilmente percebem o que sabem e como o sabem. 

(D)  devem utilizar os livros didáticos para não se desviarem dos conteúdos curriculares. 

(E)  podem não conseguir desenvolver todo o programa previsto no ano letivo. 

 

 
38.  Não se lê criticamente como se fazê-lo fosse a mesma coisa que comprar mercadoria por atacado. 
 
 

Nesse sentido estudar é 

 

(A)  ganhar a compreensão mais exata do objeto e perceber suas relações com os outros objetos. 

(B)  aplicar a inteligência para poder desvendar o sentido intrínseco do conhecimento. 

(C)  aprender a reconhecer o objeto estudado, de forma a deter a informação obtida. 

(D)  reter as informações alcançadas por uma leitura atenta e aplicada. 

(E)  adquirir informações exatas a respeito de um assunto que tenha utilidade para a vida concreta. 

Caderno de Prova ’I09’, Tipo 001

fcc-2009-tj-ap-analista-judiciario-pedagogia-prova.pdf-html.html

 

10 

TJUAP-Anal.Jud-Pedagogo-I09

 

39.  Muito se discute sobre as causas e a natureza dos erros dos alunos. Talvez inverter a perspectiva, e pensar no erro como 

sinônimo de inadequação da instituição escolar, é também uma necessidade, é talvez a questão crucial. 

 
 

Na sua tarefa de ensinar é possível supor que a escola erre por desconhecimento das 

 
 

I

.  características gerais do funcionamento mental humano nas várias fases do desenvolvimento do aluno. 

 

II

.  necessidades cognitivas e afetivas dos educandos sem poder aquisitivo. 

 

III

.  histórias de vida próprias de cada um. 

 

IV

.  especificidades culturais de seus aprendizes concretos. 

 

V

.  classificações que as avaliações nacionais e internacionais adotam. 

 
 

Estão corretas SOMENTE as afirmativas 

 

(A) 

I

II

 e 

V

(B) 

II

 e 

III

(C) 

I

 e 

IV

(D) 

I

III

 e 

V

(E) 

III

 e 

IV

 
 
40.  A aprendizagem cria uma área de desenvolvimento potencial, estimula e ativa processos internos no marco das inter-relações, 

que se transformam em aquisições internas. 

 
 

O conceito de área de desenvolvimento proximal, desenvolvido por Vygotsky, pode ser explicado como 

 

(A)  o conjunto de possibilidades cognitivas de uma criança em relação às condições contextuais. 

(B)  a distância entre o desenvolvimento real e o nível de desenvolvimento potencial da criança. 

(C)  a capacidade de uma criança em resolver problemas com autonomia. 

(D)  a relação complexa entre as diferentes experiências de aprendizagens de uma criança. 

(E)  o nível de desenvolvimento intelectual de uma criança em função das relações de proximidade com pessoas muito inteligentes. 

 
 
41.  Alguns pesquisadores brasileiros recomendam um modelo de relação escola-família que implica maior comunicação da escola 

com os pais via lição de casa; que os pais e principalmente as mães atuem como professores em casa e que controlem o 

desempenho dos professores. Se este modelo não levar em conta fatores que dificultam a atuação exigida da família, quando 

esta tem baixa renda, tais como emprego paterno e materno com longas jornadas, mães chefes de família e de baixa escolarida-

de, estresse familiar, entre outros, ele pode ter como consequência 

 

(A)  o fortalecimento da autonomia familiar e da liberdade de pais e mães. 

(B)  a acentuação das desigualdades de aprendizagem e resultados escolares. 

(C)  a desresponsabilização dos pais e mães pelo fracasso escolar dos alunos. 

(D)  que pais e mães de baixa renda e de classe média tenham o mesmo tipo de participação escolar. 

(E)  a atenuação da tradicional divisão de trabalho sexual na família. 

 
 
42.  Uma proposta metodológica baseada na problematização consiste em se detectar uma realidade determinada e tomar 

consciência crítica desta. 

 
 

Nesse sentido problematizar significa 

 

(A)  tomar conhecimento de um assunto determinado por meio de referencial teórico específico. 
 
(B)  proporcionar a abstração, sem se deixar influenciar pelas particularidades concretas da realidade. 
 
(C)  criar uma situação que desperte a necessidade de entender os fenômenos do cotidiano de outras perspectivas que não a 

do senso comum. 

 
(D)  gerar condições para a resolução de problemas surgidos a partir da realidade cotidiana, de forma a abranger a diversidade 

cultural do grupo. 

 
(E)  desenvolver dinâmicas motivacionais para o aprendiz se tornar sujeito da aprendizagem. 

Caderno de Prova ’I09’, Tipo 001

fcc-2009-tj-ap-analista-judiciario-pedagogia-prova.pdf-html.html

 

TJUAP-Anal.Jud-Pedagogo-I09

 

11 

43.  O currículo por competências expressa estreita vinculação entre educação e mundo produtivo, visando preparar o sujeito para 

viver em um mundo mais competitivo, onde o desenvolvimento da “empregabilidade” torna-se vital. O risco efetivo é de que tal 

perspectiva resulte no esvaziamento do espaço do conteúdo dos diferentes saberes disciplinares e/ou científicos em favor do 

saber técnico de como desenvolver a atividade, a partir da valorização do desempenho, do resultado e da eficiência social. 

 

A afirmação alerta para o fato de o currículo por competência 

 

(A)  estar fortemente vinculado à produtividade e à técnica, em detrimento dos saberes disciplinares e/ou científicos. 

(B)  ser a forma mais efetiva de desenvolver uma educação crítica e integral. 

(C)  garantir um processo permanente de construção do conhecimento e de preparo para o mercado de trabalho. 

(D)  ser a melhor forma de obter o máximo em termos de desempenho profissional e eficiência social. 

(E)  implicar em uma formação de habilidades desconectada do mundo moderno. 

 
 
44.  A construção do conhecimento se dá na escola, numa interação complexa e contraditória entre o planejado, o inesperado e o 

não reconhecido (ou o apenas vagamente reconhecido). 

 

O último elemento mencionado nesta afirmação diz respeito ao currículo 

 
(A) transversal. 

(B) em 

ação. 

(C) tradicional. 

(D) oculto. 

(E) crítico. 

 
 
45.  Considere as afirmativas: 
 
 

I

.  Planejamento é o processo de transformar ideias em ação. 

 
 

II

.  Uma ação planejada é uma ação não improvisada. 

 
 

III

.  As decisões sobre a ação devem ser tomadas por todos: os que planejam e os que agem. 

 
 

IV

.  Na execução do planejamento, acompanhar não é assistir: é poder interferir. 

 
 

V

.  Em um planejamento, quando os métodos vão se aperfeiçoando na prática, tornam-se tão importantes quanto a definição 

precisa de objetivos. 

 
 

Estão corretas SOMENTE as afirmativas 

 

(A) 

I

II

III

 e 

IV

(B) 

I

II

 e 

IV

(C) 

I

III

 e 

V

(D) 

II

III

IV

 e 

V

(E) 

I

III

IV

 e 

V

 
 
46.  O planejamento participativo enquanto estratégia de trabalho se caracteriza pela 
 

(A)  coordenação central do projeto e pela ação coletiva de todos os membros do grupo que participam do trabalho social 

humano. 

 
(B)  participação democrática de todos os membros do grupo e como meio para solucionar os problemas sociais da 

comunidade quando o Estado se omite. 

 
(C)  integração de todos os setores da atividade humana social, num processo global para a solução de problemas comuns. 
 
(D)  ação coletiva e cooperativa de todos os membros do grupo e pela tomada de decisões pelos dirigentes de setores numa 

perspectiva interdisciplinar. 

 
(E)  definição de um contrato social em que todos os membros do grupo se responsabilizam pelas definições de objetivos, exe-

cução e avaliação do trabalho. 

Caderno de Prova ’I09’, Tipo 001

fcc-2009-tj-ap-analista-judiciario-pedagogia-prova.pdf-html.html

 

12 

TJUAP-Anal.Jud-Pedagogo-I09

 

47.  A avaliação deve servir para subsidiar a tomada de decisões em relação à continuidade do trabalho pedagógico e NÃO para 
 

(A)  permitir que o aluno conheça suas dificuldades. 

 
(B)  verificar as possíveis falhas do ensino. 

 
(C)  checar as dificuldades de aprendizagem. 

 
(D)  possibilitar a retomada de alguns conhecimentos. 

 
(E)  decidir quem será excluído do processo. 

 
 
48.  Numa concepção de avaliação emancipatória, a avaliação deve e pode ser desencadeada 
 

(A)  por especialistas, na medida em que o projeto for multidisciplinar e exigir uma pessoa que coordene o processo de 

avaliação. 

 
(B)  de um lado, pela equipe gestora do projeto, de outro, pelos proponentes responsáveis politicamente pelo projeto. 

 
(C)  de um lado, por aqueles que estão dirigindo o projeto, de outro, pelos usuários, a quem as ações se dirigem. 

 
(D)  pelo conjunto das pessoas que participam do projeto: técnicos e comunidade usuária, desde que todos os envolvidos 

tenham competência para participar do processo formativo. 

 
(E)  pelo especialista em avaliação educacional, pois este apresenta o distanciamento necessário a um trabalho que exige 

neutralidade. 

 
 
49.  Segundo a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB 

 Lei n

o

 9.394/96), a educação abrange os processos 

formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos 
movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais. 

 
 

Em consequência, a educação escolar deverá vincular-se ao 

 

(A)  desenvolvimento integral e à vida produtiva. 

 
(B)  mercado de trabalho e à cidadania. 

 
(C)  exercício intelectual e à cultura. 

 
(D)  trabalho e à sociabilização. 

 
(E)  mundo do trabalho e à prática social. 

 
 
50.  A LDB prevê que o ensino fundamental terá por objetivo a formação básica do cidadão, mediante 
 

(A)  a aprendizagem da língua portuguesa e uma língua estrangeira. 

 
(B)  o desenvolvimento de habilidades e competências voltadas à preparação para a vida adulta. 

 
(C)  a aquisição de conhecimentos gerais voltados à preparação do ensino profissionalizante. 

 
(D)  o ensino presencial e o ensino à distância, para os casos de baixo rendimento escolar que necessitam de estudos de 

recuperação paralela. 

 
(E)  a inclusão obrigatória no currículo, de conteúdos que trate dos direitos das crianças e dos adolescentes, tendo como 

diretriz a Lei n

o

 8.069/90. 

 
 
51.  Sobre a educação indígena, a Constituição da República Federativa do Brasil (1988) determina que 
 

(A)  o Ministério da Educação em parceria com representantes das comunidades indígenas é o responsável pelo fornecimento 

dos subsídios e apoio técnico referente à educação escolar. 

 
(B)  o ensino fundamental regular será ministrado em língua portuguesa, assegurada às comunidades indígenas também a 

utlização de suas línguas maternas e processos próprios de aprendizagem. 

 
(C)  o ensino fundamental e o ensino médio destinados às comunidades indígenas utilizem suas línguas maternas como 

primeira língua, respeitando-se assim a cultura dessa população. 

 
(D)  o Ministério da Educação defina o funcionamento das escolas indígenas, respeitando-se a diversidade existente nas várias 

escolas indígenas do Brasil. 

 
(E)  a União apoiará técnica e financeiramente os sistemas de ensino das comunidades indígenas, cabendo a estas a 

organização curricular a ser adotada em suas comunidades. 

Caderno de Prova ’I09’, Tipo 001

fcc-2009-tj-ap-analista-judiciario-pedagogia-prova.pdf-html.html

 

TJUAP-Anal.Jud-Pedagogo-I09

 

13 

52.  Os dados de 2007 (IBGE) indicam a existência de 44,7 milhões de crianças e adolescentes com idade entre 05 e 17 anos de 

idade, no Brasil. Dentre estas, 4,8 milhões estavam trabalhando. 

 

De acordo com a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, é proibido qualquer trabalho 

 

(A)  noturno a menores de dezesseis anos e qualquer trabalho a menores de quatorze anos. 

 
(B)  perigoso, insalubre ou penoso a menores de dezesseis anos de idade. 

 
(C)  a menores de dezesseis anos, salvo na condição de aprendiz, a partir de quatorze anos. 

 
(D)  realizado em locais prejudiciais à formação de adolescentes menores de quatorze anos. 

 
(E)  que comprometa o desenvolvimento físico, psíquico ou moral do adolescente. 

 

 
53.  Trabalhar é melhor do que ficar na rua se drogando
 
 

A escola vista com a finalidade de formação do caráter pelo trabalho, desconsidera as seguintes finalidades da educação 
estabelecida pela LDB: 

 

(A)  formação técnica voltada ao pleno exercício da cidadania do educando. 

 
(B)  formação integral e desenvolvimento de habilidades e competências técnicas. 

 
(C)  formação profissionalizante de acordo com a realidade do educando. 

 
(D)  pleno desenvolvimento do educando e seu preparo para o exercício da cidadania. 

 
(E)  desenvolvimento intelectual e realização plena do educando. 

 

 
Atenção: 

As questões de números 54 e 55 estão relacionadas ao texto abaixo. 

 

A violência é uma forma de relação social; está inexoravelmente atada ao modo pelo qual os homens produzem e reproduzem 

suas condições sociais de existência. 

 
54.  A violência nesse sentido é um processo 
 

(A) cultural. 

 
(B) sócio-histórico. 

 
(C) intercultural. 

 
(D) criminal. 

 
(E) sócio-produtivo. 

 
 
55.  Em relação á violência doméstica, segundo o ECA, são medidas aplicáveis aos pais ou responsáveis: 
 
 

I

.  encaminhamento a programa oficial ou comunitário de promoção à família; 

 
 

II

.  inclusão em programa oficial ou comunitário de auxílio, orientação e tratamento a alcoólatras e toxicômanos; 

 
 

III

.  obrigação de matricular o filho ou pupilo e acompanhar sua frequência e aproveitamento na escola; 

 
 

IV

. advertência; 

 
 

V

.  processo de criminalização primária; 

 
 

VI

.  perda do pátrio poder. 

 
 

Estão corretas SOMENTE as afirmativas 

 

(A) 

I

II

 e 

IV

 
(B) 

II

III

 e 

V

 
(C) 

I

II

III

 e 

IV

 
(D) 

I

III

IV

 e 

VI

 
(E) 

I

III

V

 e 

VI

Caderno de Prova ’I09’, Tipo 001

fcc-2009-tj-ap-analista-judiciario-pedagogia-prova.pdf-html.html

 

14 

TJUAP-Anal.Jud-Pedagogo-I09

 

56.  Projetos de inclusão social devem prever ações 

 

(A)  voltadas às crianças e aos adolescentes e, também, às suas famílias. 
 
(B)  reeducativas por meio de orientação moral, social e psicológica. 
 
(C)  complementares à educação básica, como o resgate da autoestima. 
 
(D)  preventivas para assegurar o desenvolvimento saudável do adolescente. 
 
(E)  dirigidas à integração da criança e do adolescente na instituição social. 

 
 
57.  Cerca de 19% dos municípios brasileiros não têm uma biblioteca pública; cerca de 73% não dispõem de um museu; cerca de 

75% não contam com um teatro ou casa de espetáculo e em 64% deles não há uma livraria. 

 
 

Os indicadores sobre equipamentos culturais no Brasil justificam e reforçam a preocupação com a falta de 

 

(A)  crianças e adolescentes que compreendam a importância da leitura para o seu desenvolvimento global. 
 
(B)  espaços de lazer e de cultura para a população jovem, em especial para aqueles em situações de pobreza. 
 
(C)  preparo de alguns professores que não utilizam livros de leitura para a formação de seus alunos. 
 
(D)  gestores que utilizem a verba da escola na compra de livros e publicações para a concretização do projeto pedagógico. 
 
(E)  formação dos pais para uma escolha diferente dos espaços de lazer para seus filhos. 

 
 
58.  O ECA prevê que toda criança ou adolescente terá acesso às diversões e espetáculos públicos, no entanto 
 

(A)  as emissoras de rádio e televisão somente exibirão, em qualquer horário, programas com finalidades educativas e 

informativas. 

 
(B)  os responsáveis pela venda ou aluguel de fitas de programações em vídeo cuidarão para que não ocorram às pessoas 

menores de doze anos de idade. 

 
(C)  as revistas ou publicações contendo material impróprio ou inadequado a crianças e adolescentes deverão ser 

comercializadas apenas às pessoas maiores de dezoito anos. 

 
(D)  as revistas ou publicações destinadas ao público infanto-juvenil não poderão conter ilustrações, fotografias, legendas, 

crônicas ou anúncios de bebidas alcoólicas, tabaco. 

 
(E)  os responsáveis por estabelecimentos de bilhar, sinuca ou casas de jogo só permitirão a presença de adolescente quando 

acompanhados de responsável maior de dezoito anos. 

 
 
59.  São atribuições do Conselho Tutelar (ECA), dentre outras: 
 

(A)  autorizar a internação da criança e do adolescente infrator, quando a situação assim exigir. 
 
(B)  supervisionar o aproveitamento escolar de adolescentes alcoólatras ou toxicômanos em tratamento. 
 
(C)  verificar e proibir a entrada de crianças e adolescentes em boates ou casas noturnas. 
 
(D)  averiguar denúncias de abuso sexual impostos pelos pais ou responsáveis e determinar o afastamento do agressor da 

moradia em comum. 

 
(E)  determinar a matrícula e frequência obrigatórias em estabelecimento oficial de ensino fundamental. 

 
 
60.  As medidas socioeducativas, de acordo com o ECA, 
 

(A)  são destinadas fundamentalmente para casos de disciplinamento. 
 
(B)  são aplicáveis apenas a adolescentes e em caso de infração. 
 
(C)  têm o objetivo de educar a criança e o adolescente para uma convivência cidadã. 
 
(D)  são empregadas às crianças e aos adolescentes  que cometeram pequenos delitos. 
 
(E)  são determinadas para a reparação de danos, por parte do adolescente e dos pais. 

Caderno de Prova ’I09’, Tipo 001