Prova Concurso - Pedagogia - 2012-SEE-MG-ESPECIALISTA-EM-EDUCACAO-BASICA - FCC - SEE - 2012

Prova - Pedagogia - 2012-SEE-MG-ESPECIALISTA-EM-EDUCACAO-BASICA - FCC - SEE - 2012

Detalhes

Profissão: Pedagogia
Cargo: 2012-SEE-MG-ESPECIALISTA-EM-EDUCACAO-BASICA
Órgão: SEE
Banca: FCC
Ano: 2012
Nível: Superior

Downloads dos Arquivos

prova.pdf
gabarito.pdf

Provas relacionadas

PEDAGOGOUFPA2018
PEDAGOGOUNIFESSPA2018
PEDAGOGOEBSERH2018

Gabarito

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-gabarito.pdf-html.html

 

Governo do Estado de Minas Gerais 

 

Secretaria de Estado de Educação – SEE-MG 

 

Relação dos gabaritos 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção A - ATE-I-A-ASSISTENTE TÉCNICO EDUCACIONAL 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção B - ATB-I-A-ASSISTENTE TÉCNICO DE EDUCAÇÃO BÁSICA 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção C - ANE-I-A-ANALISTA EDUCACIONAL 

Tipo gabarito 1 

 

 
 
 
 
 
 
 

001 - C 
002 - A
003 - D
004 - A
005 - B 
006 - D
007 - A
008 - C 
009 - D
010 - B 

 

011 - C 
012 - C 
013 - D
014 - B 
015 - C 
016 - A
017 - B 
018 - B 
019 - D
020 - A

 

021 - A
022 - D
023 - D
024 - B 
025 - C 
026 - C 
027 - B 
028 - C 
029 - A
030 - D

 

031 - C 
032 - B 
033 - C 
034 - A
035 - D
036 - A
037 - D
038 - A
039 - B 
040 - C 

 

041 - B 
042 - A
043 - D
044 - B 
045 - D
046 - B 
047 - D
048 - A
049 - C 
050 - D

 

051 - C 
052 - A
053 - B 
054 - D
055 - B 
056 - D
057 - A
058 - C 
059 - B 
060 - A

 

001 - C 
002 - A
003 - D
004 - A
005 - B 
006 - D
007 - A
008 - C 
009 - D
010 - B 

 

011 - C 
012 - C 
013 - D
014 - B 
015 - C 
016 - A
017 - B 
018 - B 
019 - D
020 - A

 

021 - A
022 - D
023 - D
024 - B 
025 - C 
026 - C 
027 - B 
028 - C 
029 - A
030 - D

 

031 - C 
032 - B 
033 - C 
034 - A
035 - D
036 - A
037 - D
038 - A
039 - B 
040 - C 

 

041 - B 
042 - A
043 - D
044 - B 
045 - D
046 - B 
047 - D
048 - A
049 - C 
050 - D

 

051 - C 
052 - A
053 - B 
054 - D
055 - B 
056 - D
057 - A
058 - C 
059 - B 
060 - A

 

001 - A
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - C 
006 - D
007 - A
008 - B 
009 - D
010 - C 

 

011 - B 
012 - A
013 - B 
014 - D
015 - A
016 - D
017 - B 
018 - C 
019 - C 
020 - D

 

021 - A
022 - D
023 - B 
024 - C 
025 - B 
026 - A
027 - B 
028 - C 
029 - D
030 - C 

 

031 - D
032 - A
033 - C 
034 - B 
035 - A
036 - D
037 - B 
038 - C 
039 - A
040 - D

 

041 - C 
042 - D
043 - A
044 - B 
045 - A
046 - A
047 - C 
048 - D
049 - A
050 - C 

 

051 - B 
052 - A
053 - D
054 - C 
055 - A
056 - C 
057 - D
058 - B 
059 - D
060 - B 

 

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-gabarito.pdf-html.html

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção D - ANE-IE-I-A-ANALISTA EDUCACIONAL-INSPEÇÃO ESCOLAR 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção E - EEB-I-A-ESPEC. EDUC. BÁSICA-ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção F - EEB-I-A-ESPEC. EDUC. BÁSICA-SUPERVISÃO PEDAGÓGICA 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção G - PEB-I-A-ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 

Tipo gabarito 1 

 

 

001 - A
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - C 
006 - D
007 - A
008 - B 
009 - D
010 - C 

 

011 - B 
012 - A
013 - B 
014 - D
015 - A
016 - D
017 - B 
018 - C 
019 - C 
020 - D

 

021 - A
022 - D
023 - C 
024 - C 
025 - B 
026 - D
027 - B 
028 - A
029 - C 
030 - A

 

031 - C 
032 - D
033 - B 
034 - B 
035 - A
036 - A
037 - C 
038 - A
039 - D
040 - C 

 

041 - C 
042 - D
043 - B 
044 - B 
045 - D
046 - C 
047 - A
048 - D
049 - C 
050 - B 

 

051 - C 
052 - D
053 - B 
054 - A
055 - B 
056 - A
057 - B 
058 - C 
059 - D
060 - A

 

001 - A
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - C 
006 - D
007 - A
008 - B 
009 - D
010 - C 

 

011 - B 
012 - A
013 - B 
014 - D
015 - A
016 - D
017 - B 
018 - C 
019 - C 
020 - D

 

021 - A
022 - D
023 - B 
024 - C 
025 - B 
026 - A
027 - B 
028 - C 
029 - D
030 - C 

 

031 - A
032 - B 
033 - C 
034 - D
035 - B 
036 - B 
037 - D
038 - A
039 - C 
040 - B 

 

041 - C 
042 - A
043 - B 
044 - D
045 - C 
046 - A
047 - B 
048 - D
049 - C 
050 - A

 

051 - C 
052 - A
053 - D
054 - B 
055 - D
056 - C 
057 - A
058 - B 
059 - A
060 - D

 

001 - A
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - C 
006 - D
007 - A
008 - B 
009 - D
010 - C 

 

011 - B 
012 - A
013 - B 
014 - D
015 - A
016 - D
017 - B 
018 - C 
019 - C 
020 - D

 

021 - A
022 - D
023 - B 
024 - C 
025 - B 
026 - A
027 - B 
028 - C 
029 - D
030 - C 

 

031 - A
032 - B 
033 - C 
034 - D
035 - B 
036 - B 
037 - D
038 - A
039 - C 
040 - B 

 

041 - C 
042 - A
043 - B 
044 - D
045 - C 
046 - A
047 - B 
048 - D
049 - C 
050 - A

 

051 - C 
052 - A
053 - D
054 - B 
055 - D
056 - C 
057 - A
058 - B 
059 - A
060 - D

 

001 - B 
002 - A
003 - D
004 - B 
005 - C 
006 - A
007 - D
008 - C 
009 - B 
010 - D

 

011 - A
012 - C 
013 - B 
014 - C 
015 - D
016 - D
017 - A
018 - B 
019 - C 
020 - B 

 

021 - A
022 - C 
023 - B 
024 - A
025 - D
026 - B 
027 - C 
028 - A
029 - D
030 - C 

 

031 - A
032 - D
033 - B 
034 - A
035 - B 
036 - D
037 - B 
038 - D
039 - C 
040 - C 

 

041 - B 
042 - B 
043 - D
044 - C 
045 - D
046 - A
047 - D
048 - A
049 - B 
050 - C 

 

051 - B 
052 - C 
053 - D
054 - A
055 - B 
056 - C 
057 - A
058 - C 
059 - D
060 - A

 

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-gabarito.pdf-html.html

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção H - PEB-I-A-ARTE/ARTES 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção I - PEB-I-A-BIOLOGIA 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção J - PEB-I-A-EDUCAÇÃO FÍSICA 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção K - PEB-I-A-FILOSOFIA 

Tipo gabarito 1 

 

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - B 
022 - C 
023 - A
024 - B 
025 - A
026 - C 
027 - D
028 - D
029 - B 
030 - C 

 

031 - A
032 - D
033 - C 
034 - B 
035 - A
036 - C 
037 - C 
038 - B 
039 - A
040 - B 

 

041 - A
042 - D
043 - C 
044 - D
045 - A
046 - B 
047 - A
048 - D
049 - D
050 - A

 

051 - C 
052 - B 
053 - D
054 - C 
055 - C 
056 - B 
057 - D
058 - B 
059 - A
060 - D

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - D
022 - B 
023 - A
024 - C 
025 - B 
026 - A
027 - C 
028 - C 
029 - B 
030 - C 

 

031 - A
032 - B 
033 - D
034 - C 
035 - B 
036 - D
037 - D
038 - C 
039 - A
040 - D

 

041 - C 
042 - A
043 - D
044 - B 
045 - D
046 - A
047 - D
048 - B 
049 - D
050 - C 

 

051 - A
052 - C 
053 - A
054 - B 
055 - C 
056 - B 
057 - A
058 - C 
059 - B 
060 - D

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - D
022 - B 
023 - A
024 - D
025 - C 
026 - A
027 - C 
028 - B 
029 - A
030 - B 

 

031 - C 
032 - D
033 - A
034 - B 
035 - D
036 - C 
037 - A
038 - D
039 - C 
040 - B 

 

041 - B 
042 - A
043 - C 
044 - A
045 - D
046 - C 
047 - A
048 - D
049 - B 
050 - C 

 

051 - D
052 - B 
053 - D
054 - A
055 - B 
056 - A
057 - D
058 - B 
059 - C 
060 - B 

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - C 
022 - D
023 - B 
024 - C 
025 - A
026 - B 
027 - A
028 - D
029 - A
030 - B 

 

031 - D
032 - B 
033 - D
034 - A
035 - C 
036 - B 
037 - D
038 - A
039 - D
040 - C 

 

041 - B 
042 - A
043 - C 
044 - B 
045 - D
046 - A
047 - D
048 - B 
049 - B 
050 - C 

 

051 - A
052 - B 
053 - C 
054 - D
055 - C 
056 - A
057 - D
058 - B 
059 - A
060 - C 

 

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-gabarito.pdf-html.html

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção L - PEB-I-A-FÍSICA 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção M - PEB-I-A-GEOGRAFIA 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção N - PEB-I-A-HISTÓRIA 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção O - PEB-I-A-LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA: ESPANHOL 

Tipo gabarito 1 

 

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - D
022 - A
023 - C 
024 - B 
025 - C 
026 - D
027 - C 
028 - B 
029 - D
030 - B 

 

031 - A
032 - B 
033 - A
034 - B 
035 - C 
036 - A
037 - D
038 - D
039 - C 
040 - A

 

041 - B 
042 - D
043 - C 
044 - A
045 - B 
046 - C 
047 - D
048 - A
049 - A
050 - C 

 

051 - D
052 - B 
053 - A
054 - B 
055 - D
056 - C 
057 - D
058 - B 
059 - A
060 - C 

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - B 
022 - D
023 - A
024 - D
025 - A
026 - A
027 - C 
028 - B 
029 - A
030 - C 

 

031 - B 
032 - D
033 - B 
034 - A
035 - B 
036 - D
037 - A
038 - C 
039 - D
040 - A

 

041 - D
042 - C 
043 - B 
044 - A
045 - D
046 - C 
047 - D
048 - C 
049 - B 
050 - D

 

051 - A
052 - B 
053 - C 
054 - B 
055 - C 
056 - D
057 - A
058 - D
059 - B 
060 - C 

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - B 
022 - C 
023 - B 
024 - D
025 - C 
026 - A
027 - D
028 - B 
029 - D
030 - C 

 

031 - A
032 - D
033 - B 
034 - A
035 - D
036 - A
037 - C 
038 - C 
039 - B 
040 - A

 

041 - A
042 - D
043 - A
044 - C 
045 - B 
046 - D
047 - C 
048 - A
049 - C 
050 - B 

 

051 - D
052 - B 
053 - A
054 - D
055 - B 
056 - C 
057 - B 
058 - C 
059 - A
060 - D

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - C 
022 - B 
023 - D
024 - A
025 - C 
026 - A
027 - D
028 - B 
029 - A
030 - C 

 

031 - D
032 - B 
033 - A
034 - B 
035 - C 
036 - C 
037 - B 
038 - D
039 - A
040 - C 

 

041 - D
042 - A
043 - D
044 - B 
045 - C 
046 - D
047 - C 
048 - C 
049 - D
050 - A

 

051 - B 
052 - B 
053 - D
054 - B 
055 - A
056 - A
057 - D
058 - B 
059 - A
060 - C 

 

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-gabarito.pdf-html.html

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção P - PEB-I-A-LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA: INGLÊS 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção Q - PEB-I-A-LÍNGUA PORTUGUESA 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção R - PEB-I-A-MATEMÁTICA 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção S - PEB-I-A-QUÍMICA 

Tipo gabarito 1 

 

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - D
022 - C 
023 - D
024 - A
025 - C 
026 - B 
027 - A
028 - B 
029 - C 
030 - D

 

031 - C 
032 - B 
033 - C 
034 - A
035 - D
036 - A
037 - B 
038 - C 
039 - D
040 - A

 

041 - B 
042 - C 
043 - A
044 - B 
045 - A
046 - D
047 - B 
048 - C 
049 - D
050 - D

 

051 - A
052 - D
053 - A
054 - C 
055 - C 
056 - B 
057 - A
058 - C 
059 - D
060 - B 

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - C 
022 - A
023 - D
024 - C 
025 - B 
026 - A
027 - C 
028 - C 
029 - B 
030 - D

 

031 - A
032 - D
033 - B 
034 - D
035 - C 
036 - A
037 - B 
038 - A
039 - D
040 - B 

 

041 - C 
042 - D
043 - A
044 - B 
045 - D
046 - B 
047 - C 
048 - A
049 - D
050 - C 

 

051 - D
052 - B 
053 - A
054 - C 
055 - B 
056 - C 
057 - C 
058 - A
059 - A
060 - B 

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - B 
022 - D
023 - A
024 - B 
025 - A
026 - B 
027 - C 
028 - D
029 - D
030 - C 

 

031 - B 
032 - C 
033 - A
034 - B 
035 - A
036 - B 
037 - D
038 - C 
039 - B 
040 - A

 

041 - C 
042 - A
043 - C 
044 - A
045 - D
046 - A
047 - D
048 - B 
049 - D
050 - C 

 

051 - B 
052 - C 
053 - B 
054 - C 
055 - A
056 - D
057 - C 
058 - D
059 - A
060 - D

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - D
022 - B 
023 - D
024 - A
025 - C 
026 - A
027 - D
028 - C 
029 - B 
030 - A

 

031 - B 
032 - C 
033 - B 
034 - C 
035 - D
036 - A
037 - D
038 - B 
039 - C 
040 - D

 

041 - A
042 - B 
043 - C 
044 - D
045 - A
046 - C 
047 - A
048 - B 
049 - D
050 - B 

 

051 - C 
052 - D
053 - A
054 - C 
055 - A
056 - B 
057 - A
058 - C 
059 - D
060 - B 

 

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-gabarito.pdf-html.html

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção T - PEB-I-A-SOCIOLOGIA 

Tipo gabarito 1 

 

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - C 
022 - A
023 - B 
024 - D
025 - B 
026 - A
027 - D
028 - C 
029 - A
030 - D

 

031 - C 
032 - B 
033 - C 
034 - A
035 - D
036 - B 
037 - C 
038 - A
039 - D
040 - B 

 

041 - A
042 - C 
043 - D
044 - B 
045 - D
046 - A
047 - C 
048 - D
049 - B 
050 - A

 

051 - C 
052 - D
053 - D
054 - B 
055 - C 
056 - A
057 - B 
058 - C 
059 - B 
060 - A

 

Prova

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-prova.pdf-html.html

N do Caderno

o

N de Inscrição

o

ASSINATURA DO CANDIDATO

N do Documento

o

Nome do Candidato

Março/2012

Especialista em Educação Básica - EEB - Nível I - Grau A

Orientação Educacional

Concurso Público para provimento do cargo de

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG
E SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO - SEE

Conhecimentos Gerais
Conhecimentos Específicos

P R O V A

INSTRUÇÕES

VOCÊ DEVE

ATENÇÃO

- Verifique se este caderno:

- corresponde a sua opção de cargo.

- contém 60 questões, numeradas de 1 a 60.

Caso contrário, reclame ao fiscal da sala um outro caderno.

Não serão aceitas reclamações posteriores.

- Para cada questão existe apenas UMA resposta certa.

- Você deve ler cuidadosamente cada uma das questões e escolher a resposta certa.

- Essa resposta deve ser marcada na FOLHA DE RESPOSTAS que você recebeu.

- Procurar, na FOLHA DE RESPOSTAS, o número da questão que você está respondendo.

- Verificar no caderno de prova qual a letra (A,B,C,D) da resposta que você escolheu.

- Marcar essa letra na FOLHA DE RESPOSTAS, conforme o exemplo:

- Marque as respostas primeiro a lápis e depois cubra com caneta esferográfica de tinta preta.

- Marque apenas uma letra para cada questão, mais de uma letra assinalada implicará anulação dessa questão.

- Responda a todas as questões.

- Não será permitida qualquer espécie de consulta, nem o uso de máquina calculadora.

- A duração da prova é de 4 horas, para responder a todas as questões e preencher a Folha de Respostas.

- Ao término da prova, devolva este caderno de prova ao aplicador, juntamente com sua Folha de Respostas.

- Proibida a divulgação ou impressão parcial ou total da presente prova. Direitos Reservados.

A

C D

Caderno de Prova ’E’, Tipo 001

MODELO

0000000000000000

MODELO1

00001−0001−0001

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-Conhecimentos Gerais4

 

 

CONHECIMENTOS GERAIS 

 

Língua Portuguesa 

 

Atenção:    

As questões de números 1 a 7 referem-se ao texto seguinte. 

 

Texto 

I

 

 

No fim do século 

XIV

, Portugal, vitimado por uma sucessão de administrações perdulárias, se convertera em um reino 

endividado. Sem alternativas para produzir riquezas em seu território, a coroa voltou os olhos para o mar. Essa epopeia em busca de 

riquezas é narrada pelo jornalista mineiro Lucas Figueiredo em Boa Ventura!. Calcada sobre um minucioso levantamento histórico, a 

obra traça um quadro desolador da penúria em que então vivia Portugal e retrata as adversidades que enfrentou para achar uma 

solução: a chamada Corrida do Ouro brasileira, que se deu entre os anos de 1697 e 1810. 

Foi o sonho dourado português que levou dom Manuel a ordenar, em março de 1500, a viagem de Pedro Álvares Cabral ao 

desconhecido. Depois de atingir o arquipélago de Cabo Verde, o jovem navegador voltou a proa de sua caravela para o Ocidente, 

com a missão de salvar a coroa da falência. O rei apostou nas terras ermas e inexploradas do Novo Mundo. Para ele, poderia estar ali 

a fonte rápida e repleta de riquezas que guindariam Portugal à fartura. 

A pressão de Lisboa levou o governador-geral Tomé de Sousa a organizar a primeira expedição oficial em busca do metal, 

seduzido pelos rumores sobre a existência de uma montanha dourada margeada por um lago também de ouro 

 local fantástico que 

os nativos chamavam de Sabarabuçu. A comitiva partiu de Pernambuco em 5 de novembro de 1550, e os homens que se 

embrenharam na floresta nunca mais foram vistos. Mas o mito de Sabarabuçu levaria à organização de outras dezenas de expedições 

no decorrer dos 121 anos seguintes 

 todas fracassadas. 

Em 1671, o paulista Fernão Dias, uma das maiores fortunas da região, aceitou o pedido de Lisboa para empreender mais uma 

missão em busca de Sabarabuçu. Ao contrário de seus antecessores, porém, o bandeirante não partiu sem antes analisar os erros 

daqueles que haviam perecido na floresta, devorados por animais ferozes ou índios e mortos eles próprios pela fome e pelas 

adversidades naturais. Os preparativos levaram três anos. Ciente de que era impossível que centenas de homens sobrevivessem sem 

uma linha de abastecimento, Dias ordenou que, à medida que se embrenhassem na floresta, os pioneiros providenciassem a 

plantação de lavouras e a criação de animais. Ao longo de toda a rota que interligava a vila de São Paulo ao que hoje é o Estado de 

Minas Gerais, Dias montou a infraestrutura necessária para o que seria a primeira experiência bem sucedida dos portugueses na 

busca de riquezas. Em sete anos de trabalhos, ele percorreu 900 quilômetros entre São Paulo e Minas. Morreu no caminho de volta 

para casa, sem jamais ter alcançado a lendária Sabarabuçu. Mas fizera algo ainda mais extraordinário: havia inaugurado a primeira 

via de interligação entre o litoral e o interior do país em um terreno antes intransponível.  

Doze anos depois da morte de Fernão Dias, surgiram as primeiras notícias dando conta da localização de ouro onde hoje é 

Minas Gerais. Com a descoberta de novas lavras, o sonho de ouro continuava a mover os aventureiros. Em 1700, o bandeirante 

Borba Gato deu as boas novas ao governador: havia encontrado Sabarabuçu. Festas e missas foram celebradas para comemorar a 

"providência divina". 

Localizada onde hoje é a cidade de Sabará, a terra batizada com o nome mítico por Borba Gato incendiou a imaginação dos 

europeus. Dessa forma, a corrida do ouro levou um dos lugares mais hostis de que se tinha notícia a abrigar o embrião do que viria a 

ser o estado de governança no Brasil. 

(Leonardo Coutinho. Veja, 30 de março de 2011, pp. 134-136, com adaptações) 

 
 
1. O 

texto 

 
(A)  expõe, com argumentos, a tese do enriquecimento da coroa portuguesa, levado a efeito pelos destemidos colonizadores. 
 
(B)  apresenta teor informativo, com base em fatos históricos narrados em uma obra que aborda a procura do ouro pelos 

portugueses no Novo Mundo. 

 
(C)  adquire forma de crônica histórica, em que o autor expõe sua própria opinião a respeito dos fatos abordados sobre a busca 

do ouro no Brasil Colônia. 

 
(D)  se desenvolve sob viés narrativo, em que as personagens dos fatos referentes à colonização surgem tanto como heróis 

quanto como aventureiros fracassados. 

Caderno de Prova ’E’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-Conhecimentos Gerais4

 

2. 

A afirmativa que sintetiza em linhas gerais e de modo claro e correto o 4

o

 parágrafo, respeitando o sentido original, é: 

 
(A)  O bandeirante paulista, apesar de não haver logrado atingir a lendária região do ouro, abriu caminho para outras 

expedições ao cuidar da infraestrutura necessária para enfrentar percurso tão longo e inóspito, possibilitando o acesso ao 
interior do país. 

 
(B)  O paulista Fernão Dias, embora os cuidados com os homens de sua comitiva e com as lavouras e animais necessários para a 

caminhada pela floresta, acabou fracassando em seus objetivos, do mesmo modo que os responsáveis pelas expedições 
anteriores. 

 
(C)  Sem a infraestrutura, que não existia na época no interior do país, o bandeirante, como não conseguiu terminar sua 

caminhada, também não conseguiu, pelo menos, descobrir o ouro que o rei de Portugal o demandava. 

 
(D)  Fernão Dias, apesar de que se precaveu contra os índios e as feras da floresta, e plantou lavouras para abastecer seus 

homens naquela empreitada, morrendo na volta, antes de chegar, com a notícia do que tinha feito. 

 
 
3. 

No fim do século 

XIV

, Portugal, vitimado por uma sucessão de administrações perdulárias, se convertera em um reino 

endividado. Sem alternativas para produzir riquezas em seu território, a coroa voltou os olhos para o mar. 

 
É correto afirmar que a articulação lógica entre as afirmativas iniciais do texto se estabelece com base na noção de 
 
(A) finalidade 

explicação. 

 
(B) constatação 

causa. 

 
(C) consequência 

finalidade. 

 
(D) causa 

consequência. 

 
 
4. 

O emprego da expressão Essa epopeia, no 1

o

 parágrafo,  

 
(A)  se refere às condições precárias da vida na Colônia, que obrigavam os aventureiros que nela se instalavam a se precaver 

constantemente contra ataques de índios e de animais ferozes. 

 
(B)  se justifica pela extraordinária aventura empreendida pela coroa portuguesa desde a conquista dos mares e da Nova Terra 

até a descoberta do ouro em Minas Gerais, já no século 

XVII

 
(C)  realça as dificuldades dos colonizadores portugueses em convencer as autoridades do reino de que haveria ouro no sertão 

ainda a ser desbravado, protegido por ferozes tribos indígenas. 

 
(D)  designa o esforço empreendido pelo rei de Portugal para saldar as dívidas acumuladas, buscando, de todas as maneiras 

possíveis, gerar riquezas dentro e fora de seu território. 

 
 
5. 

O segmento que traduz uma opinião e não simplesmente um fato, considerando-se o contexto, é: 
 
(A)  Morreu no caminho de volta para casa, sem jamais ter alcançado a lendária Sabarabuçu. 
 
(B)  A comitiva partiu de Pernambuco em 5 de novembro de 1550, e os homens que se embrenharam na floresta nunca mais 

foram vistos. 

 
(C)  Mas fizera algo ainda mais extraordinário: havia inaugurado a primeira via de interligação entre o litoral e o interior do país 

em um terreno antes intransponível. 

 
(D)  Em 1700, o bandeirante Borba Gato deu as boas novas ao governador: havia encontrado Sabarabuçu. 

 
 
6. 

Para ele, poderia estar ali a fonte rápida e repleta de riquezas que guindariam Portugal à fartura. (2

o

 parágrafo) 

 

É correto depreender da afirmativa acima, especialmente em relação ao emprego da forma verbal grifada,   
 
(A)  hipótese provável, por não haver, até aquele momento, nenhuma evidência da existência de ouro no novo território. 
 
(B)  afirmativa concreta, em razão da certeza que a coroa portuguesa tinha de encontrar grande quantidade de minas de ouro. 
 
(C)  fato habitual, que se estenderia de maneira constante e repetitiva por um tempo bastante longo durante a colonização. 
 
(D)  constatação imediata, a partir da necessidade sentida pelo reino de Portugal em relação ao pagamento de suas dívidas. 

Caderno de Prova ’E’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-Conhecimentos Gerais4

 

7. 

Festas e missas foram celebradas para comemorar a "providência divina". (5

o

 parágrafo) 

 

É correto depreender do emprego das aspas que isolam a expressão grifada acima 

 

(A)  sentido especial e particular atribuído aos desígnios divinos, onipresentes na época, na justificativa dos resultados da ação 

humana. 

 
(B)  recurso estilístico para realçar, com intenção pejorativa, a participação da Igreja nas decisões da coroa portuguesa durante 

a época colonial. 

 
(C)  justificativa aceitável em razão da enorme influência da religião entre aqueles que se aventuravam pelo sertão à procura 

de riquezas. 

 
(D)  intenção irônica, a partir das informações sobre todo o trabalho humano e o sacrifício dos que se envolveram na saga da 

descoberta do ouro. 

 
 
Atenção: 

Para responder às questões de números 8 a 10, considere as estrofes seguintes (Texto 

II

), em correlação com o 

Texto 

I

 

Texto 

II

 

 

O caçador de esmeraldas 

 

Foi em março, ao findar das chuvas, quase à entrada 

Do outono, quando a terra, em sede requeimada, 

Bebera longamente as águas da estação, 

 Que, em bandeira, buscando esmeraldas e prata, 

À frente dos peões filhos da rude mata, 

Fernão Dias Paes Leme entrou pelo sertão. 

 

Ah! quem te vira assim, no alvorecer da vida,  

Bruta Pátria, no berço, entre as selvas dormida, 

No virginal pudor das primitivas eras, 

Quando, aos beijos do sol, mal compreendendo o anseio 

Do mundo por nascer que trazias no seio, 

Reboavas ao tropel dos índios e das feras! 

.............. 

Ah! mísero demente! o teu tesouro é falso! 

Tu caminhaste em vão, por sete anos, no encalço 

De uma nuvem falaz, de um sonho malfazejo! 

Enganou-te a ambição! mais pobre que um mendigo, 

Agonizas, sem luz, sem amor, sem amigo,  

Sem ter quem te conceda a extrema-unção de um beijo! 

............. 

Morre! morrem-te às mãos as pedras desejadas, 

Desfeitas como um sonho, e em lodo desmanchadas ... 

Que importa? dorme em paz, que o teu labor é findo! 

Nos campos, no pendor das montanhas fragosas, 

Como um grande colar de esmeraldas gloriosas, 

As tuas povoações se estenderão fulgindo! 

(Olavo Bilac. O caçador de esmeraldas, in: Obra reunida. Rio de 
Janeiro: Nova Aguilar, 1996, pp. 227, 233, 234) 

Caderno de Prova ’E’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-Conhecimentos Gerais4

 

8. 

É correto afirmar que o 4

parágrafo do Texto 

I

 e os versos do Texto 

II

 

 
 
(A)  abordam de maneira subjetiva o tema recorrente na época colonial sobre lugares fantásticos cheios de riquezas, cuja 

procura se tornou o centro das expedições pelo sertão adentro. 

 
 
 
(B)  mostram que Fernão Dias, impelido pelo sonho de riquezas a entrar pelo sertão, foi vencido por ataques de índios e pelas 

precárias condições então existentes na colônia. 

 
 
 
(C)  atestam a importância de Fernão Dias que, apesar de não haver descoberto as riquezas que desejava encontrar, 

desempenhou marcante papel no desenvolvimento do então inexplorado interior do Brasil. 

 
 
 
(D)  exaltam simplesmente a figura de um aventureiro, como tantos outros que se aproveitavam da ingenuidade de peões para 

enriquecer com a conquista de pedras e de metais preciosos. 

 
 
9. 

Dessa forma, a corrida do ouro levou um dos lugares mais hostis de que se tinha notícia a abrigar o embrião do que viria a ser o 

estado de governança no Brasil. (final do Texto 

I

 
 

A expressão grifada acima tem sentido correspondente ao dos versos do Texto 

II

 transcritos em: 

 
 
(A)  quando a terra, em sede requeimada, 

Bebera longamente as águas da estação ... (1

a

 estrofe) 

 
 
 
(B)  quem te vira assim, no alvorecer da vida,  

Bruta Pátria, no berço, entre as selvas dormida ... (2

a

 estrofe) 

 
 
 
(C)  Tu caminhaste em vão, por sete anos, no encalço 

De uma nuvem falaz, de um sonho malfazejo! (3

a

 estrofe) 

 
 
 
(D)  morrem-te às mãos as pedras desejadas, 

Desfeitas como um sonho, e em lodo desmanchadas ... (4

a

 estrofe) 

 
 
10.  Como um grande colar de esmeraldas gloriosas, 

As tuas povoações se estenderão fulgindo! (versos finais do Texto 

II

 
 

A imagem presente nos versos acima faz referência à seguinte informação constante do Texto 

I

 
 
(A) ... 

o paulista Fernão Dias (...) aceitou o pedido de Lisboa para empreender mais uma missão em busca de Sabarabuçu. 

 
 
 
(B) ... 

o bandeirante não partiu sem antes analisar os erros daqueles que haviam perecido na floresta, devorados por animais 

ferozes ou índios e mortos eles próprios pela fome e pelas adversidades naturais. 

 
 
 
(C)  Os preparativos levaram três anos.  
 
 
 
(D)  ... Dias ordenou que, à medida que se embrenhassem na floresta, os pioneiros providenciassem a plantação de lavouras e 

a criação de animais. 

Caderno de Prova ’E’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-Conhecimentos Gerais4

 

 

Matemática 

 

11.  Uma empresa de arquitetura, ao elaborar um projeto para um salão de festas, desenhou um piso no formato da figura abaixo. A 

parte sombreada da figura representa o local onde o piso será coberto por mármore. Foram tomadas as medidas da base e da 
altura dos triângulos nela representados, para calcular a quantidade necessária de mármore a ser colocada.  
 

 

 
Considerando que os triângulos sombreados são congruentes e que a base de cada triângulo mede 2,4 m e a altura 1,6 m, a 
área total a ser coberta pelo mármore é 
 
(A) 10,56 

m

2

 
(B) 11,52 

m

2

 
(C) 18,78 

m

2

 
(D) 23,04 

m

2

 
 
12.  O polinômio que permite calcular a área da parte sombreada da figura abaixo é 

 

3x

5

x

x

4

2x

 

 
(A) 9x

2

 

+

 21x 

 
(B) 12x

2

 

+

 31x 

+

 20 

 
(C) 3x

2

 

+

 10x 

+

 20 

 
(D) 9x

2

 

+

 31x 

 
 
13.  Em um telejornal transmitido por uma emissora de televisão, o apresentador propôs durante a duração do programa, uma 

votação através do site sobre qual o melhor meio de transporte para se locomover de casa para o trabalho. Dos internautas que 
responderam à pesquisa, foi obtido o seguinte quadro de opções de respostas: 
 

Meio de Transporte 

Fração de internautas 

Metrô 

20

3

 

Ônibus 

20

7

 

Automóvel 

10

3

 

Outros 

5

1

 

 
Cada internauta votou em apenas uma opção. Está correto afirmar que foi escolhido como o melhor meio de transporte o 

 

(A) metrô. 

(B) ônibus. 

(C) automóvel. 

(D) outros. 

Caderno de Prova ’E’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-Conhecimentos Gerais4

 

14.  Para realizar uma viagem de 600 quilômetros utilizou-se um veículo cujo consumo médio de combustível era de 12 km por litro. 

No início da viagem o tanque continha 60 litros de combustível. Ao término da viagem, o número de litros de combustível  
restante no tanque era 

 

(A) 18. 
 
(B) 15. 
 
(C) 12. 
 
(D) 10. 

 
 
15.  Um atleta ingeriu, antes do seu treino de corrida, um lanche composto de um sanduíche com duas fatias de pão integral e duas  

fatias de mussarela, 1 copo de suco de laranja e uma barra de chocolate de 30 g. Sabe-se que em 100 minutos de corrida, em 
um determinado ritmo, ele consome 550 kcal.  

 

Tipo e quantidade de alimento 

Valor energético em kcal 

Queijo mussarela 

 1 fatia (15 g) 

48 

Iogurte 85 g 

92 

Bolacha cream cracker 1 unidade 

25 

Suco de laranja 

 1 copo (240 ml) 

172 

Batata frita 

 100 g 

249 

Chocolate 

 30 g 

165 

Leite integral 

 1 copo (250 ml) 

90 

Pão integral 

 1 fatia (30 g) 

75 

 

Mantendo o mesmo ritmo de corrida e baseando-se na tabela abaixo, o tempo mínimo para consumir a energia assimilada nesse 
lanche será de 

 

(A) 106 

minutos. 

 
(B) 105 

minutos. 

 
(C) 104 

minutos. 

 
(D) 103 

minutos. 

 
 
16.  Hoje, o salário bruto de uma funcionária de uma empresa é de R$ 1.000,00. Como essa empresa reajusta trimestralmente os 

salários de seus funcionários em 4

%

, após 2 trimestres essa funcionária passará a ganhar um salário bruto de  

 

(A) R$ 

1.004,40. 

 
(B) R$ 

1.008,10. 

 
(C) R$ 

1.080,00. 

 
(D) R$ 

1.081,60. 

 
 
17.  Um cliente parcelou o valor total a ser pago por um determinado produto. Verificou que no boleto bancário informava-se que 

haveria multa por atraso. A tabela abaixo indica o valor da multa dependendo do número de dias em atraso. 

 

Número de dias 

em atraso 

Multa em R$ 

1 35 
2 42 
3 49 
4 56 

 

Considerando  y como sendo a multa a ser paga em reais e x o número de dias em atraso, a função que representa 
corretamente a situação descrita é 

 

(A) y 

=

 35x 

 

(B) y 

=

 28 

+

 7x 

 

(C) 

7

5

_

x

y

=

 

 

(D) y 

=

 _ 7x 

+

 28 

Caderno de Prova ’E’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-Conhecimentos Gerais4

 

18.  O gráfico mostra a divisão percentual de acordo com o grau de instrução, do mercado de trabalho para deficientes no período de 

2007 a 2010. 

 

 

47%

15%

44%

46%

44%

40%

42%

0%

10%

20%

30%

40%

50%

2007

2008

2009

2010

16%

12%

12%

44%

38%

Até ensino médio
incompleto

Médio a superior
incompleto

Superior, mestrado
e doutorado

 

(Rais - Relação Anual de Informações Sociais

 

 

Está correto afirmar que, no período considerado, a participação no mercado de trabalho para deficientes 

 

(A)  aumentou 1 ponto percentual em 2009, em relação a 2007, para as pessoas que não haviam completado o ensino médio. 
 
 
(B)  decresceu em todo o período considerado para as pessoas com ensino médio a superior incompleto. 
 
 
(C)  é menor para as pessoas com maior grau de instrução. 
 
 
(D)  manteve-se constante em todo o período para as pessoas com ensino médio completo. 

 
 
19.  Em uma lanchonete há 5 sabores diferentes de sorvete, 6 sabores diferentes de sucos e 3 tipos diferentes de coberturas, sendo 

uma de sabor chocolate. Um cliente deseja escolher 1 suco, 1 sorvete e cobertura de chocolate. Nessas condições, a 
quantidade de formas distintas que pode realizar seu pedido é 

 

(A) 90. 
 
 
(B) 60. 
 
 
(C) 30. 
 
 
(D) 10. 

 
 
20.  Em uma pesquisa realizada com 100 jovens, 40 são loiros, 30 usam óculos e 20 são loiros e usam óculos. Escolhendo um 

desses jovens ao acaso, a probabilidade de que ele não use óculos é de 

 

(A) 30

%

 
 
(B) 35

%

 
 
(C) 50

%

 
 
(D) 70

%

Caderno de Prova ’E’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-EEB-Nível 

I

-Grau A-Orient.Educacional

 

 

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 

 

21.  Marco Aurélio estava digitando um documento na sala dos professores da escola ABCD quando uma queda de energia fez com 

que o computador que usava desligasse. Após o retorno da energia elétrica, Marco Aurélio ligou o computador e percebeu que 
havia perdido o documento digitado, pois não o havia gravado. Como tinha conhecimentos gerais sobre informática, concluiu 
que perdera o documento porque, enquanto estava digitando, ele estava armazenado em um dispositivo de hardware que perde 
seu conteúdo quando o computador desliga. O nome desse dispositivo é 

 

(A) memória 

RAM. 

(B) HD. 
(C) memória 

ROM. 

(D)  pen drive

 
 

22.  É um repositório de informações que modelam entidades do mundo real, como produto, cliente, funcionário etc. Nesse 

repositório é possível introduzir, modificar, remover, selecionar e organizar as informações armazenadas por meio de uma 
linguagem universal para gerenciamento de informações chamada SQL (Structured Query Language). 

 

O texto fala de 

 

(A)  unidade de disco fixa. 
(B)  unidade lógica aritmética. 
(C) planilha 

eletrônica. 

(D)  banco de dados. 

 
 
23.  É um formato de arquivo, desenvolvido pela empresa Adobe Systems, para representar documentos de maneira independente 

do aplicativo, do hardware e do sistema operacional usado para criá-los. É possível gerar arquivos nesse formato a partir de 
vários softwares como o Microsoft Word, Excel, PowerPoint, BrOffice Impress etc. 

 

O texto fala do formato 

 

(A) SWF. 
(B) PDF. 
(C) DOC. 
(D) XLS. 

 
 
24.  Com relação à segurança da informação nos ambientes computacionais, está correto afirmar: 
 

(A)  As senhas secretas devem ser anotadas em papel para a rápida recuperação em caso de esquecimento. 
 
(B)  As senhas secretas devem conter informações fáceis de memorizar, como nomes e datas de nascimento. 
 
(C) Os 

links ou anexos recebidos de endereços de e-mails desconhecidos não devem ser abertos. 

 
(D)  Os arquivos com vírus recebidos por e-mail podem ser abertos com segurança, pois o sistema operacional se encarrega 

de eliminar as ameaças. 

 
 
25.  Para desinstalar corretamente a maioria dos softwares

 

instalados no ambiente Windows

 

é necessário 

 

(A)  selecionar a pasta onde o software

 

foi instalado e pressionar a tecla delete

 
(B)  entrar no Painel de Controle e selecionar a opção adequada para desinstalar programas. O nome exato dessa opção 

depende da versão do Windows

 
(C)  entrar no Painel de Controle e selecionar a opção Ferramentas Administrativas. 
 
(D)  selecionar a opção Todos os Programas no menu Iniciar e em seguida a opção Desinstalar Programas. 

 
 
26. No 

Internet Explorer 9 o Gerenciador de Downloads mantém uma lista dos arquivos baixados e notifica quando um arquivo pode 

ser um malware  (software mal-intencionado). Ele também permite fazer a pausa e reinício de um download, além de mostrar 
onde encontrar os arquivos baixados no computador. Para abrir o Gerenciador de Download clica-se no menu 

 

(A)  Ferramentas e na opção Exibir downloads
(B)  Exibir e na opção Gerenciador de Downloads
(C)  Ferramentas, na opção Opções da Internet, na guia Conexões e na opção Gerenciador de Downloads
(D)  Arquivo e na opção Gerenciador de Downloads

Caderno de Prova ’E’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-prova.pdf-html.html

 

10 

SPGMG-EEB-Nível 

I

-Grau A-Orient.Educacional

 

27.  É usado para centralizar um ponto de acesso para Internet em uma rede e/ou criar uma rede de computadores com ou sem 

cabos para conectá-los. Pode ser utilizado em lugares como aeroportos e escolas com redes sem fio. 

 

O texto refere-se ao dispositivo de redes chamado 

 

(A)  switch. 
 

(B)  roteador wireless. 
 

(C)  WI-FI hub. 
 

(D)  cable modem wireless. 

 
 
28.  Paulo trabalha na escola ABCD. Em uma conversa com professores dessa escola, observou que eles acessam frequentemente 

a Internet na busca dos mais variados conhecimentos. Teve então a ideia de disponibilizar o conteúdo das aulas nas páginas de 
um  site. Para isso, ensinou aos professores uma linguagem de marcação (que utiliza tags) de uso universal para apresentar 
conteúdo em páginas Web

 

A linguagem ensinada por Paulo foi: 

 

(A)  Hipertext Preprocessor (PHP). 
 

(B)  Cascading Style Sheets (CSS). 
 

(C)  HyperText Markup Language (HTML). 
 

(D)  Visual Basic Web (VBW). 

 
 
29.  Analise a planilha de controle de gastos criado no Microsoft Excel ou BrOffice Calc apresentada abaixo. 
 
 

 

A B 

Controle de Gastos 

2  

Água 

Luz 

Total 

3  Janeiro 

 R$      97,67    R$       350,00   R$     447,67  

4 Fevereiro   R$    156,43    R$       678,56   R$     834,99  

5  Março 

 R$    110,90    R$       145,20   R$      256,10  

6  Total 

 R$    365,00    R$    1.173,76   R$   1.538,76  

 
 
 

Na célula D6 encontra-se uma função que está somando apenas os valores das células D3, D4 e D5, ou seja, está fazendo a 
soma dos gastos dos meses de Janeiro, Fevereiro e Março. A função correta presente na célula D6 é 

 

(A) =SOMASEQ(D3+D4+D5) 
 

(B) =SOMA(D3;D5) 
 

(C) =CALC(D3+D4+D5) 
 

(D) =SOMA(D3:D5) 

 
 
30.  João Paulo criou um documento confidencial e o gravou no HD do computador de Alice. Ao terminar o documento, fez uma 

cópia para seu pen drive e o excluiu do computador de Alice pressionando a combinação de teclas SHIFT + DELETE para que o 
arquivo 

 

(A)  ficasse armazenado na lixeira como cópia de segurança. 
 

(B)  fosse gravado com senha de leitura e gravação. 
 

(C)  fosse excluído, de forma a não ser depositado na lixeira. 
 

(D)  fosse marcado para exclusão, porém não excluído de fato do HD. 

Caderno de Prova ’E’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-EEB-Nível 

I

-Grau A-Orient.Educacional

 

11 

31.  Entende-se alfabetização como o processo específico e indispensável de apropriação do sistema de escrita e a conquista dos 

princípios alfabético e ortográfico que possibilitam ao aluno ler e escrever com autonomia. 

Entende-se letramento como o processo de inserção e participação na cultura escrita; um processo que tem início quando a 

criança começa a conviver com as diferentes manifestações da escrita na sociedade (placas, rótulos, embalagens comerciais, 

revistas, etc.) e se prolonga por toda a vida, designando o conjunto de conhecimentos, atitudes e capacidades necessários para 

usar a língua em práticas sociais

 

Diante dessas afirmações, a proposta da Secretaria Estadual de Educação de Minas Gerais para os diferentes momentos do 
Ciclo Inicial de Alfabetização no contexto do Ensino Fundamental de nove anos é 

 

(A) considerar 

alfabetização e letramento como processos diferentes, cada um com suas especificidades, mas comple-

mentares e inseparáveis, sendo ambos indispensáveis. 

 
(B)  entender que a ação pedagógica mais adequada e produtiva é aquela que  primeiramente contempla a alfabetização, para 

em um segundo momento, contemplar o letramento

 
(C) focar-se 

no 

letramento,  uma vez que grande parte dos indicadores do SAEB mostra que muitas crianças, embora 

alfabetizadas, não são letradas ou manifestam diferentes graus de analfabetismo funcional. 

 
(D)  dedicar sempre a maior ênfase à alfabetização, por ser o mecanismo pelo qual a criança se apropria do sistema alfabético, 

já que este envolve aprendizados muito específicos e totalmente independentes do letramento e dos componentes do 
sistema fonológico da língua. 

 
 
32.  Uma professora da 2

a

 série trabalhou com a profissão do pai de um aluno da classe para ensinar as primeiras noções de 

unidades de medida. Ela considerou importante trazer situações cotidianas da comunidade para a sala de aula, integrando o 
trabalho pedagógico com a vivência cultural dos alunos. Esta professora 
 
(A)  deixa de resgatar o interesse dos alunos da sala, pois a vivência cultural não representa desafios apropriados a serem 

assumidos e transpostos durante o aprendizado. 

 
(B)  segue os avanços teóricos que comprovam que a aprendizagem não se dá pelo treino mecânico descontextualizado, ou 

pela exposição exaustiva do professor. 

 
(C)  preocupa-se mais com o que ensinar e menos com os modos pelos quais os alunos aprendem. 
 
(D)  segue por avanços estratégicos, sem levar em conta o conteúdo e a proposta curricular pré-estabelecidos. 

 
 
33.  Sabe-se que vários pesquisadores, como Emília Ferreiro, Celéstin Freinet, Paulo Freire e Howard Gardner, partem do princípio 

de que é preciso compreender e valorizar a ação do sujeito em seu processo de aquisição do conhecimento. A partir deste 
princípio, está correto afirmar: 
 
(A)  Emilia Ferreiro e Ana Teberosky (no livro "Psicogênese da Língua Escrita" de 1979) defendem que não é necessário 

diagnosticar o quanto os alunos já sabem antes de iniciar o processo de alfabetização. 

 
(B)  Paulo Freire, grande pensador e educador, opunha-se ao que chamava de educação libertadora, onde o professor é o 

depositante e o aluno o depositário da educação, o que o torna incapaz de ler o mundo criticamente. 

 
(C)  Célestin Freinet, desde os anos 20 do século passado, já defendia e utilizava práticas ainda hoje presentes em muitas 

escolas, quais sejam: construção de jornal escolar, troca de correspondências, cantinhos pedagógicos, trabalhos em 
grupo, aulas-passeio. 

 
(D)  Howard Gardner, no livro “Estruturas da Mente: Teoria das Inteligências Múltiplas”, defende a existência de onze 

inteligências, e destaca a Inteligência musical  no comentário: "Ter aulas de música garante aos estudantes desenvolver a 
inteligência musical, a noção espacial e as linguagens escrita, verbal e gestual”. 

 
 
34.  Paralelamente à construção dos conceitos das operações matemáticas e mediante a compreensão dos seus significados, faz-se 

necessário que o professor  trabalhe com seus alunos uma base de apoio para o desenvolvimento da habilidade de cálculo. Esta 
base consiste 
 
(A)  no desenvolvimento do pensamento lógico/racional e no domínio da contagem, em uma perspectiva de refinar os primeiros 

conceitos decimais e binários. 

 
(B)  na percepção das diferentes dimensões (altura, largura e profundidade) e na construção das combinações numéricas 

básicas. 

 
(C)  na aquisição das unidades básicas de medida e na adição de números de um dígito e seus correspondentes inversos da 

subtração. 

 
(D)  no domínio da contagem, na construção das combinações numéricas básicas, na adição de números de um dígito e seus 

correspondentes inversos da subtração, em uma perspectiva de trabalhar com resolução de situações problema. 

Caderno de Prova ’E’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-prova.pdf-html.html

 

12 

SPGMG-EEB-Nível 

I

-Grau A-Orient.Educacional

 

35.  A partir da concepção de que o erro é elemento intrínseco ao processo de aprendizagem, é fundamental que o professor 

 
(A)  analise os resultados, em uma concepção classificatória, para identificar quais alunos serão aprovados e quais serão re-

provados. 

 
(B)  conheça melhor os alunos de modo que possa identificar quais intervenções são adequadas e necessárias para propiciar 

novas aprendizagens. 

 
(C)  identifique o que os alunos sabem e em que precisam melhorar em relação às práticas de leitura em uma avaliação espe-

cífica de domínio da Língua Portuguesa. 

 
(D)  questione constantemente “se os alunos devem passar de ano sem saber”. 

 
 
36.  O princípio da gestão democrática hoje substitui a organização burocrática, herança do modelo clássico de administração 

escolar. Nessa perspectiva, é correto afirmar que 

 
(A)  o olhar da escola deve estar voltado para o que lhe é externo, aguardando as diretrizes a serem executadas e incluídas no 

seu Projeto Político-Pedagógico. 

 
(B)  a escola deve ser concebida como uma organização social, inserida em um contexto local e que possui identidade e 

cultura próprias, e seu Projeto Político-Pedagógico deve ser construído com a participação da coletividade. 

 
(C)  o Projeto Político-Pedagógico da escola reúne as diretrizes definidas pelo gestor para orientar as ações que devem ser 

assumidas como prioritárias pelos educadores. 

  
(D)  as equipes escolares devem obedecer às decisões centrais na definição e avaliação do Projeto Político-Pedagógico de sua 

unidade educacional. 

 
 
37.  Transformar as atividades escolares em situações que contribuam efetivamente para a formação integradora dos alunos é uma 

meta de todo educador. Para isso, é essencial que o professor tenha clareza de alguns princípios coerentes com essa prática, 
como, dentre outros: 

 
(A)  No cotidiano escolar deve-se saber diferenciar os momentos para ensinar, em que os alunos devem saber ouvir e 

aprender, e os momentos voltados para a discussão de valores como a solidariedade e respeito. 

 
(B)  Uma pergunta desafiadora, um limite proposto no momento adequado ou mesmo um elogio encorajador durante as 

atividades de sala de aula frequentemente prejudicam o planejamento do professor e interferem negativamente na 
aprendizagem dos alunos. 

 
(C)  Diferentes dimensões da formação não podem coexistir em atividades tão diferenciadas quanto observar um fenômeno 

científico e apreciar um poema. 

 
(D)  Para considerar as várias ações como intervenções pedagogicamente apropriadas, é preciso que todo educador reveja 

constantemente seus valores, seus conhecimentos e consequentemente suas ações para transformar as atividades 
escolares em situações de formação individual e coletiva. 

 
 
38.  A escola inclusiva baseia-se na defesa de princípios e valores éticos, nos ideais de cidadania, justiça e igualdade para todos. 

Para que se torne realidade, a escola precisa responder às necessidades dos alunos. Nesse sentido, é fundamental 

 
(A)  uma transformação e democratização da educação que envolva o compromisso de pais, professores, especialistas, 

agentes do poder público e de outros atores sociais. 

 
(B)  que a escola seja um espaço que receba todas as crianças indistintamente e possa se adaptar de tal forma que não 

precise de aparelhamento específico, professores especializados e nem reformas do espaço físico. 

 
(C)  evitar discussões na sala de aula que possam evidenciar posicionamentos diferenciados, pois cada grupo deve garantir 

sua identidade podendo se defender da perda de suas características, mantendo-as intactas. 

 
(D)  um currículo diferenciado para cada segmento da sociedade, adaptando os conteúdos escolares às especificidades dos 

alunos, sejam elas de fundo social, econômico, cultural, étnico, religioso, político, físico ou intelectual. 

 
 
39.  Sabe-se que o que dá sentido aos processos de aprendizagem é o grau de comprometimento emocional que o grupo de alunos 

e professores atribui aos atos de ensinar e aprender. Sabe-se ainda que a emoção tem papel fundamental nas relações que se 
estabelecem dentro da sala de aula e na construção de vínculos entre as pessoas do grupo, o que favorece o desabrochar do 
interesse pelo conhecimento. Partindo dessa premissa, cabe ao  professor 

 
(A)  solicitar que os alunos se coloquem de maneira passiva diante da aprendizagem e que aguardem que o professor os 

oriente sobre o que devem fazer para garantir altos níveis de concentração. 

 
(B)  explicar para os alunos, no início do ano escolar, as diferentes aprendizagens e  conhecimentos que terão no espaço 

escolar, despertando seu interesse em diversificar os aprendizados, alternando aqueles obtidos no cotidiano  com os 
construídos na escola. 

 
(C)  colocar-se disponível para os alunos, saber escutar o grupo e compreender as demandas de conhecimento que surgem 

entre eles, através da observação, das conversas, da investigação das expressões corporais e das brincadeiras. 

 
(D)  intervir sempre que o grupo de crianças apresentar perguntas do tipo: "Por que chove? O que tem dentro do nosso corpo? 

Por que os homens fazem guerra?", informando que haverá um momento propício para responder às indagações. 

Caderno de Prova ’E’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-EEB-Nível 

I

-Grau A-Orient.Educacional

 

13 

40.  Os pressupostos de uma gestão participativa fundamentam-se em valores inquestionáveis subjacentes a todos os desdo-

bramentos da gestão. É um desses pressupostos: 
 
(A)  A realidade e o conhecimento são construídos individualmente conforme as habilidades de cada membro do grupo. 
 
(B)  O reconhecimento de que os grupos sociais são pluralistas, e que eles constituem sistemas de pessoas e grupos 

heterogêneos. 

 
(C)  O poder de influência de um indivíduo é vinculado apenas ao papel que ele desempenha na gestão escolar. 
 
(D)  O condicionamento de todos a uma participação em atividades promovidas pelos gestores da unidade escolar. 

 

 
41.  Na atualidade, um dos assuntos mais discutidos no mundo da educação são as COMPETÊNCIAS. Para Philippe Perrenoud, 

sociólogo suíço, especialista em práticas pedagógicas e instituições de ensino, COMPETÊNCIA em educação é 
 
(A)  o currículo que defende o agrupamento de assuntos para serem memorizados e uma sequência de exercícios a serem 

praticados até serem dominados pelos alunos. 

 
(B)  o referencial de conteúdos curriculares que os alunos precisam aprender para se assumirem como cidadãos capazes de 

desenvolver e expressar opiniões, analisar e julgar comportamentos e fatos do cotidiano. 

 
(C)  a faculdade de mobilizar simultaneamente um conjunto de recursos cognitivos 

 como saberes, habilidades e informações 

 para se posicionar com clareza e solucionar com pertinência e eficácia variadas situações de aprendizagem. 

 
(D)  a capacidade indispensável da escola de constituir-se em um lugar no qual as gerações transmitam umas às outras o 

acervo dos conhecimentos historicamente construídos. 

 

 
42.  O Fórum Mineiro de Educação Infantil 

 FMEI vem discutindo, aprofundando concepções, intervindo na mobilização de gestores, 

conselheiros, técnicos e educadores para a construção de consensos e práticas que efetivem os direitos das crianças pequenas. 
Para avaliar os principais aspectos que integram esta política, o FMEI faz uma leitura do cenário do Estado seguindo alguns 
passos para serem analisados: 
 
(A)  Diagnóstico, Planejamento, Regulamentação, Gestão, Financiamento, Formação de Profissionais, Proposta Pedagógica. 
 
(B)  Avaliação de viabilidade do plano de carreira dos professores, da estratégia de reforma arquitetônica das escolas, bem 

como da relação entre as unidades escolares e a Secretaria de Educação. 

 
(C)  Aprofundamento do diagnóstico psicológico das crianças pequenas e de suas famílias, objetivando compreender as 

dificuldades de adaptação da criança ao meio escolar. 

 
(D)  Envolvimento da comunidade de educadores em um estudo que investigue se a evasão e o fracasso no ensino fun-

damental são consequências de repetências consecutivas por conta da idade inapropriada da criança pequena matriculada 
no 1

o

 ano. 

 

 
43.  Os conselhos tutelares foram criados no Brasil a partir da Constituição Federal de 1988 e estão descritos no artigo 227 que diz: 

É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à 
saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência 
familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade 
e opressão
.  

 

 
Neste sentido, a intervenção das escolas com relação às crianças e adolescentes que estiverem sob a tutela do Estado deverá 
atender aos seguintes aspectos: 
 
(A)  Incluir as crianças e os adolescentes com problemas comportamentais e cognitivos em programas comunitários e/ou 

oficiais de auxílio à família, à criança e ao adolescente. 

 
(B)  Garantir e monitorar a matrícula e a frequência de crianças e adolescentes à escola e garantir que a equipe gestora faça o 

acompanhamento e o correto encaminhamento dos casos de maus-tratos, de evasão escolar ou de índices elevados de 
repetência. 

 
(C)  Encaminhar imediatamente casos de violência à criança ou ao adolescente para entidades de atendimento como medida 

provisória, comunicando posteriormente à autoridade judiciária para que acompanhe o caso. 

 
(D)  Garantir à criança e ao adolescente a sobrevivência, o desenvolvimento pessoal e social, a integridade física, psicológica e 

moral em todos os locais e segmentos de sua vivência cotidiana, seja ela familiar, escolar, profissional ou social, assim 
como assegurar-lhe a formação para o trabalho. 

Caderno de Prova ’E’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-prova.pdf-html.html

 

14 

SPGMG-EEB-Nível 

I

-Grau A-Orient.Educacional

 

44.  A escola é um terreno fértil para construir conhecimento sobre o Eu e o Outro e fazer desse conhecimento novas formas de 

intervenção no mundo. Sabendo disso, pensar as relações escolares a partir de uma perspectiva geracional significa considerar 
que 
 
(A)  o trabalho com a diversidade deve ser específico e reservado para momentos devidamente planejados para atender à 

tamanha exigência. Bons exemplos seriam as datas comemorativas, festa junina, natal, momentos em que o trabalho 
educativo flui naturalmente. 

 
(B)  o trabalho com a diversidade não significa apenas listar as diferenças físicas, culturais ou religiosas entre as crianças, mas 

pressupõe o trato isolado com as diferenças e com as semelhanças, para que a escola construa uma única proposta 
pedagógica na qual todos os envolvidos possam se sentir “iguais”. 

 
(C)  a existência da diversidade entre as gerações deve ser contemplada na construção do currículo escolar, salientando, 

porém, que as normas, processos de avaliação e regimentos internos deverão ser os mesmos para todos os estudantes, 
desde a alfabetização até o final do ensino fundamental. 

 
(D)  a idade da criança deve ser entendida como um tempo de formação humana específico, reconhecendo que cada geração 

revela momentos muito distintos envolvendo sujeitos que são diferentes não apenas pela idade, mas por estarem 
dialogando com valores, conflitos e interesses distintos. 

 
 
45.  Segundo CURY (1997), as bases da educação nacional definidas na Lei n

o

 9.394/1996 

 atual LDB 

 avançaram 

consideravelmente em três grandes eixos da organização do sistema educacional: Autonomia, Avaliação e Cooperação. 
Nesta perspectiva, cabe às escolas 
 
(A)  atribuir aos professores participação ativa na elaboração da proposta pedagógica da escola e colaboração na articulação. 

A organização deve ser seriada e a avaliação tanto dos alunos como dos professores deverá ser classificatória, sendo que 
estes últimos devem estar habilitados em nível superior. 

 
(B)  ampliar a duração do ano letivo (250 dias) e da carga horária anual de efetivo trabalho escolar (900 h), podendo flexibilizar 

esta carga horária após ouvir a comunidade. A avaliação deve ser realizada nos estabelecimentos de Ensino Fundamental 
de forma integrada ao Sistema Nacional de Avaliação Escolar. 

 
(C)  responsabilizar-se pela elaboração e execução de propostas pedagógicas próprias e com uma atuação integrada com a 

comunidade. Incentivar o espírito de cooperação dos agentes educacionais entre si e com a comunidade. A avaliação deve 
revisar as aprendizagens básicas necessárias a todos os cidadãos. 

 
(D)  criar momentos de estudos para os alunos que apresentam atraso escolar 

 programas de aceleração de estudos 

 com o 

cuidado de não avançar o tempo determinado para a conclusão dos cursos. Essa avaliação deve ser realizada pelo 
professor desde as séries iniciais, incluindo alfabetização, até o ensino médio. 

 
 
46.  Considerando que a escola ocupa um espaço e um lugar que são transformados pelas relações ali estabelecidas e, portanto, 

não é neutra, e que carrega signos, símbolos e vestígios da condição e das relações sociais entre todos os que o habitam, os 
educadores devem 
 
(A)  repensar na organização interna da escola para que esta seja coerente com sua concepção de ensino-aprendizagem e 

com a proposta de gestão participativa, e buscar outros espaços formadores na cidade e no campo para planejar sua ação 
pedagógica. 

 
(B)  saber organizar os espaços para que os adultos possam controlar todas as situações, previsíveis ou não, e atuar para 

além da transmissão de conhecimentos. 

 
(C)  planejar estudos do meio para suas crianças, transformando o território em um livro aberto. A experiência com múltiplas 

linguagens e com diversidade pode deixar as crianças confusas, demandando maior atenção dos educadores. 

 
(D)  acompanhar detalhadamente o que os alunos estão aprendendo e, para isso, o centro das atenções do grupo deve ser o 

quadro negro. 

 
 
47.  Segundo os PCN's, para o aluno descrever e representar o mundo em que vive, ele precisa saber se localizar no espaço, 

movimentar-se nele, dimensionar sua ocupação, perceber a forma e o tamanho de objetos e a relação disso com o seu uso. 
Neste contexto, cabe ao professor das séries iniciais do Ensino Fundamental 
 
(A)  saber que a criança inicia sua fase escolar possuindo muitas noções matemáticas incompletas e informais e que parte do 

ponto zero em relação à construção das noções espaciais. 

 
(B)  considerar que, enquanto a criança observa, compara e manipula objetos, ela vai descobrindo formas, percebendo 

dimensões, observando semelhanças e diferenças, já trabalhando com a geometria. 

 
(C)  conduzir a criança a explorar, descobrir e construir conceitos geométricos por meio de aulas visuais e de uma boa 

literatura, para que ela possa trabalhar a habilidade que organiza a percepção espacial: a coordenação motora visual

 
(D)  trabalhar a linguagem geométrica correta desde o momento inicial em que  a criança chega à escola ouvindo a 

nomenclatura correta dos objetos, a criança trabalha sua memória auditiva. 

Caderno de Prova ’E’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-EEB-Nível 

I

-Grau A-Orient.Educacional

 

15 

48.  A respeito da responsabilidade de educar as crianças, está correto afirmar: 

 

(A)  É importante ter a clareza de que hoje as crianças e jovens estão sem parâmetros e sem saber “quem educa quem”. No 

entanto, é preciso reconhecer que, em meio a tantas dúvidas, o melhor é deixar a “poeira abaixar”, pois não é fácil nem 
para os pais e nem para escola assumir alguma posição neste momento. 

 
(B)  Cabe aos pais colocar os limites necessários às crianças, pois a criança que cresce sem entender a importância dos 

limites necessários para a convivência social torna-se, na maioria das vezes, um indivíduo com desvio de comportamento. 
Os bancos escolares são responsáveis somente pela educação informativa. 

 
(C)  O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) deixa claro que "é dever da família, da comunidade, da sociedade em geral 

e do Poder Público assegurar, com absoluta prioridade a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, 
à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e a convivência 
familiar e comunitária." Quanto à educação propriamente dita, a responsabilidade fica somente para a escola. 

 
(D)  Com relação aos valores que vão orientar e formar o indivíduo em sua trajetória de vida, é de responsabilidade da família 

assumir o papel na formação do indivíduo. A função da escola é assegurar a continuidade dessa formação paralelamente 
ao desenvolvimento intelectual e deixar claro para os pais e para todos envolvidos que a formação ética faz parte das 
atribuições de todo educador, sendo necessária a imposição de alguns valores, principalmente no que se refere à 
qualidade do convívio social escolar. 

 

 

49.  O planejamento é uma ferramenta que facilita ou possibilita um bom trabalho. Neste caso, para a escola organizar suas ações, 

ela deve trabalhar com o planejamento 
 
(A)  estratégico, voltado a uma Gestão da Qualidade Total na Escola, que incentiva a participação dos educadores na sua 

totalidade e motiva todos os envolvidos a construírem o Projeto Político-Pedagógico. 

 
(B)  administrativo, que estabelece níveis de prioridades, funções detalhadas, metas a serem atingidas; para isso, o gestor da 

escola deve esclarecer que conta com a colaboração de todos para execução do trabalho cotidiano e o bom 
funcionamento da unidade. 

 
(C)  participativo, que contenha uma proposta bem determinada, uma filosofia, conceitos e modelos próprios, e instrumentos e 

técnicas próprios. Pretende servir para o planejamento político, não apenas estratégico para a instituição, mas também 
para o planejamento administrativo a serviço deste planejamento político, contribuindo para a construção de uma 
determinada sociedade. 

 
(D)  coletivo, que contenha a missão da escola e desenvolva um processo educativo ligado ao bem comum e voltado à 

informação de todos. Para isso, a equipe gestora se compromete a avaliar o processo percorrido ao longo do ano letivo, 
dando devolutivas sistematicamente nas reuniões pedagógicas. 

 

 

50.  Entende-se por avaliação formativa aquela que 

 

(A)  é voltada à compreensão dos processos sociocognitivos dos alunos; ela permite ao professor aproximar-se dos processos 

de aprendizagem do aluno, compreender como ele está elaborando seu conhecimento e fazer as mediações necessárias 
para que as aprendizagens aconteçam. 

 

(B)  exige do professor uma correta elaboração técnica, pois tem como finalidade o controle total da aprendizagem escolar e 

permite com isso constatar quais foram os reais avanços de seus alunos e ainda tomar decisões com relação à 
aprovação/reprovação. 

 

(C)  recupera os fatos nas memórias individuais e coletivas dos alunos e possibilita avaliar os conceitos apreendidos, devendo 

partir sempre de uma avaliação inicial.  

 

(D)  parte da premissa de que a escola deve avaliar somente a dimensão cognitiva e, para isso, o instrumento mais adequado 

a ser utilizado são as provas escritas. 

 

 

51.  O problema do analfabetismo é alvo de discussões e estudos desde a independência do Brasil, quando apenas 0,20% da 

população era alfabetizada. Desde então, sabe-se quais grupos sociais não têm acesso à escolarização. Os dados do SAEB são 
exemplos disso e apontam que o problema do analfabetismo, na escola ou fora dela, é parte de problemas maiores, de natureza 
política, que são o da 

 

(A)  igualdade social, o da injustiça social e o da exclusão social. 

(B)  igualdade social, o da justiça social e o da exclusão social. 

(C)  desigualdade social, o da injustiça social e o da exclusão social. 

(D)  desigualdade social, o da injustiça social e o da inclusão social. 

Caderno de Prova ’E’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-prova.pdf-html.html

 

16 

SPGMG-EEB-Nível 

I

-Grau A-Orient.Educacional

 

52.  A compreensão e valorização das funções sociais da escrita é uma aprendizagem que deve acontecer desde os primeiros 

momentos da chegada da criança à escola e deve continuar até o final de sua formação estudantil. O professor orientará seus 
alunos para a compreensão e a valorização dos diferentes usos e funções da escrita, em diferentes gêneros e suportes, quando 
ler em voz alta 
 
(A)  histórias, notícias, propagandas, trazendo para a sala de aula textos escritos de diferentes gêneros, em diversos suportes 

ou portadores, fazendo uso da escrita com diferentes finalidades, envolvendo os alunos. 

 
(B)  histórias que tenham mais ilustrações do que textos escritos, trazendo para sala de aula exercícios grafo-motores como 

copiar o próprio nome e fazer uso da escrita individual ou coletiva de diferentes textos. 

 
(C)  histórias, notícias, propagandas, trazendo para a sala de aula diferentes tipos de textos e atividades de escrita com textos 

de memórias, músicas, listas e nomes envolvendo os alunos. 

 
(D)  textos de memórias, músicas, quadrinhas e propor atividades com exercícios grafo-motores como copiar o próprio nome e 

usar textos escritos de diferentes gêneros e com diferentes suportes, fazendo uso da escrita com a finalidade de ler para 
aprender. 

 

 
53.  Há situações sociais que requerem planejamento do que e como falar. A escola pode desenvolver as capacidades necessárias 

para se ter sucesso nestas circunstâncias, a partir de proposta como 
 
(A)  produção escrita de um texto para publicação no mural da escola, debates na comunidade escolar e extraescolar, 

produção escrita de uma carta ao leitor para ser publicada na revista de circulação nacional, apresentação em eventos 
escolares que envolvam outras turmas e outros turnos, escrita de um folheto informativo sobre a dengue, por exemplo. 

 
(B)  realização de entrevistas com pessoas da comunidade escolar e extraescolar, produção de jornais escritos, debates e 

entrevistas na TV e no rádio, escrita de uma carta ao leitor para ser publicada em revistas de circulação nacional, 
apresentação em eventos escolares que envolva a turma da sala de aula (jograis, entrevistas,etc). 

 
(C)  criação de jornais falados, entrevistas e debates na TV e rádio, realização de entrevistas com pessoas da comunidade 

escolar e extraescolar, escrita de uma carta ao leitor para ser publicada em revistas de circulação nacional, produção 
escrita de um folheto informativo sobre a importância da vacina contra a raiva. 

 
(D)  simulação de jornais falados, entrevistas e debates na TV e rádio, realização de entrevistas com pessoas da comunidade 

escolar e extraescolar,  apresentação em eventos escolares que envolvam outras turmas e outros turnos (festas, desfiles, 
sorteios, torneios esportivos), campanhas públicas de convencimento a serem efetivados pelos alunos junto a outras 
turmas e outros turnos, nas vizinhanças da escola e em outros bairros. 

 

 
54.  O conceito de número é elaborado por meio de um processo longo. Segundo Piaget, desde muito pequena, a criança tem 

percepções numéricas e os conhecimentos matemáticos não passam de um nível perceptivo a um nível conceitual de forma 
espontânea e imediata e sim gradativamente, conduzindo-se por sucessivos momentos de avanços e retrocessos. 
Com base nas investigações de Piaget, está correto afirmar que o conceito de número depende do desenvolvimento dos 
processos de 
 
(A)  classificação, interação e inclusão. 
 
(B)  conservação, classificação e seriação. 
 
(C)  memorização, organização e transmissão. 
 
(D)  inclusão, conservação e condução. 

 

 

55.  Uma professora do 2

o

 ano (1

a

 série) elaborou algumas atividades com o objetivo de identificar os progressos e as dificuldades 

dos seus alunos e levantar o que eles sabem e não sabem. Os alunos deveriam escrever uma lista de animais. A partir desta 
avaliação inicial, a professora planejará suas ações educativas acompanhando os processos dos alunos para que eles possam 
avançar no seu desenvolvimento e nas suas aprendizagens. Esta avaliação realizada por esta professora denomina-se 
 
(A) classificatória. 
 
(B) verificadora. 
 
(C)  do rendimento escolar. 
 
(D) formativa. 

Caderno de Prova ’E’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-especialista-em-educacao-basica-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-EEB-Nível 

I

-Grau A-Orient.Educacional

 

17 

56.  Lúcia é professora em uma escola pública e ministra aulas no Ensino Fundamental no 2

o

 ano (1

a

 série). Rachel, sua colega de 

turno, solicitou sua ajuda para montar os agrupamentos e reagrupamentos com sua sala, com o objetivo de fornecer a 
aprendizagem de todos os seus alunos com relação à leitura. Rachel tem algumas informações sobre o perfil dos seus alunos e, 
também, registros sobre as hipóteses de escrita das crianças.  Lúcia ofereceu as seguintes orientações a Rachel para que o 
planejamento dos agrupamentos seja produtivo e atinja os objetivos de aprendizagem dos alunos: 

 
(A)  realizar uma atividade diferente com cada aluno, tendo o professor como o único informante durante o desenvolvimento da 

atividade. 

 
(B)  desenvolver atividades com pouco desafio, intervir da mesma maneira com todos os alunos e definir o número de 

participantes nos agrupamentos. 

 
(C)  organizar atividades em pequenos grupos, definir o número de participantes em cada grupo e estabelecer critérios de 

seleção dos participantes. 

 
(D)  planejar os agrupamentos junto com os alunos, sendo que eles devem escolher com quem desejam realizar a atividade. 

 
 
57.  Therrién (1995) salienta o quanto os estudos sobre a formação do professor ainda persistem em uma dissociação entre a 

formação e a prática cotidiana, não enfatizando os saberes da experiência. Segundo o autor, esses saberes da experiência, que 
se caracterizam por serem originados na prática cotidiana da profissão, podem refletir tanto a dimensão da razão 
 
(A)  instrumental, que implica um saber-fazer ou saber-agir, quanto a dimensão da razão interativa, que permite supor, julgar, 

decidir e modificar de acordo com os condicionamentos das situações complexas. 

 
(B)  instrumental, que implica a transmissão do saber pelo professor, que detém todo o conhecimento a ser repassado pelo 

aluno, quanto a dimensão da razão interativa, que implica num saber-fazer ou saber-agir. 

 
(C)  interativa, que implica um saber-fazer ou saber-agir, quanto a dimensão instrumental, que permite supor, julgar, decidir, 

modificar de acordo com os condicionamentos de situações complexas. 

 
(D)  interativa, que implica a transmissão do saber pelo professor que detém todo o conhecimento a ser repassado pelo aluno, 

quanto a dimensão da razão instrumental que permite supor, julgar, decidir, modificar de acordo com os condicionamentos 
de situações complexas. 

 
 
58.  O alfabeto da Língua Portuguesa é composto por 26 letras, que possibilitam a escrita de todas as palavras da língua. O 

professor deve apresentá-lo aos alunos seguindo a ordem, o que facilita a compreensão do todo e a distinção de cada unidade, 
além de dar condição aos alunos de ampliarem sua compreensão sobre 
 
(A)  os nomes das letras, familiarizando-se com a ortografia, pontuação, paragrafação na ordem alfabética. 

 
(B)  a cultura escrita, familiarizando-se com um conhecimento de grande utilidade social, visto que muitos dos nossos escritos 

se organizam pela ordem alfabética. 

 
(C)  a cultura escrita, familiarizando-se com o conhecimento de escrita de palavras, frases e textos. 

 
(D)  o conhecimento de ortografia, pontuação, paragrafação e sua compreensão sobre como escrever palavras e frases sem 

erros ortográficos. 

 
 
59.  A inclusão escolar, que visa a reverter o percurso de exclusão de qualquer natureza e ampliar as possibilidades de inserção de 

crianças, jovens e adultos em escolas regulares, tem sido defendida em conferências, convenções e documentos internacionais. 
A Declaração de Salamanca, em 1994,  propôs a escola inclusiva como aquela 
 
(A)  aberta às diferenças, na qual as crianças, jovens e adultos devem aprender juntos, independentemente de suas caracte-

rísticas, origens, condições físicas, sensoriais, intelectuais, linguísticas ou emocionais, econômicas ou socioculturais. 

 
(B)  na qual se desenvolva uma pedagogia centrada no professor e capaz de educar as crianças com diferentes necessidades, 

reordenando o trabalho pedagógico para as classes que irão receber estas crianças com suas características, origens, 
condições físicas, sensoriais, intelectuais, linguísticas ou emocionais, econômicas ou socioculturais. 

 
(C)  que reconhece e responde às diversas necessidades de seus alunos, assegurando um currículo capaz de educá-los em 

espaços criados exclusivamente para os alunos com necessidades educacionais especiais, reordenando e adaptando o 
trabalho pedagógico para as classes que acolherão as crianças com estas características. 

 
(D)  que tem como princípio o direito incondicional à escolarização de todos os alunos em espaços educativos diferenciados; 

para isso a escola deve transformar-se para receber estes alunos e isto deve constar no Projeto Político-Pedagógico da 
escola, construído pela equipe gestora. 

 
 
60.  Muitos estudos foram realizados com relação à organização do espaço que a escola ocupa e utiliza, e que vai sendo 

transformado nas relações estabelecidas. Segundo Zabala (1998), as salas precisam de um mobiliário que permita um 
deslocamento temporário conforme as propostas metodológicas, além do trabalho individual. Esta forma de organização seria 
 
(A)  o deslocamento da centralidade da aprendizagem para o ensino. 
(B)  a oportunidade de centrar no ensino a transmissão do conhecimento. 
(C)  a oportunidade de se ter o controle da sala de aula. 
(D)  o deslocamento da centralidade do ensino para a aprendizagem. 

Caderno de Prova ’E’, Tipo 001