Prova Concurso - Pedagogia - 2012-SEE-MG-PROFESSOR-DE-EDUCACAO-BASICA-ANOS-INICIAIS-DO-ENSINO-FUNDAMENTAL - FCC - SEE - 2012

Prova - Pedagogia - 2012-SEE-MG-PROFESSOR-DE-EDUCACAO-BASICA-ANOS-INICIAIS-DO-ENSINO-FUNDAMENTAL - FCC - SEE - 2012

Detalhes

Profissão: Pedagogia
Cargo: 2012-SEE-MG-PROFESSOR-DE-EDUCACAO-BASICA-ANOS-INICIAIS-DO-ENSINO-FUNDAMENTAL
Órgão: SEE
Banca: FCC
Ano: 2012
Nível: Superior

Downloads dos Arquivos

prova.pdf
gabarito.pdf

Provas relacionadas

PEDAGOGOUFPA2018
PEDAGOGOUNIFESSPA2018
PEDAGOGOEBSERH2018

Gabarito

fcc-2012-see-mg-professor-de-educacao-basica-anos-iniciais-do-ensino-fundamental-gabarito.pdf-html.html

 

Governo do Estado de Minas Gerais 

 

Secretaria de Estado de Educação – SEE-MG 

 

Relação dos gabaritos 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção A - ATE-I-A-ASSISTENTE TÉCNICO EDUCACIONAL 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção B - ATB-I-A-ASSISTENTE TÉCNICO DE EDUCAÇÃO BÁSICA 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção C - ANE-I-A-ANALISTA EDUCACIONAL 

Tipo gabarito 1 

 

 
 
 
 
 
 
 

001 - C 
002 - A
003 - D
004 - A
005 - B 
006 - D
007 - A
008 - C 
009 - D
010 - B 

 

011 - C 
012 - C 
013 - D
014 - B 
015 - C 
016 - A
017 - B 
018 - B 
019 - D
020 - A

 

021 - A
022 - D
023 - D
024 - B 
025 - C 
026 - C 
027 - B 
028 - C 
029 - A
030 - D

 

031 - C 
032 - B 
033 - C 
034 - A
035 - D
036 - A
037 - D
038 - A
039 - B 
040 - C 

 

041 - B 
042 - A
043 - D
044 - B 
045 - D
046 - B 
047 - D
048 - A
049 - C 
050 - D

 

051 - C 
052 - A
053 - B 
054 - D
055 - B 
056 - D
057 - A
058 - C 
059 - B 
060 - A

 

001 - C 
002 - A
003 - D
004 - A
005 - B 
006 - D
007 - A
008 - C 
009 - D
010 - B 

 

011 - C 
012 - C 
013 - D
014 - B 
015 - C 
016 - A
017 - B 
018 - B 
019 - D
020 - A

 

021 - A
022 - D
023 - D
024 - B 
025 - C 
026 - C 
027 - B 
028 - C 
029 - A
030 - D

 

031 - C 
032 - B 
033 - C 
034 - A
035 - D
036 - A
037 - D
038 - A
039 - B 
040 - C 

 

041 - B 
042 - A
043 - D
044 - B 
045 - D
046 - B 
047 - D
048 - A
049 - C 
050 - D

 

051 - C 
052 - A
053 - B 
054 - D
055 - B 
056 - D
057 - A
058 - C 
059 - B 
060 - A

 

001 - A
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - C 
006 - D
007 - A
008 - B 
009 - D
010 - C 

 

011 - B 
012 - A
013 - B 
014 - D
015 - A
016 - D
017 - B 
018 - C 
019 - C 
020 - D

 

021 - A
022 - D
023 - B 
024 - C 
025 - B 
026 - A
027 - B 
028 - C 
029 - D
030 - C 

 

031 - D
032 - A
033 - C 
034 - B 
035 - A
036 - D
037 - B 
038 - C 
039 - A
040 - D

 

041 - C 
042 - D
043 - A
044 - B 
045 - A
046 - A
047 - C 
048 - D
049 - A
050 - C 

 

051 - B 
052 - A
053 - D
054 - C 
055 - A
056 - C 
057 - D
058 - B 
059 - D
060 - B 

 

fcc-2012-see-mg-professor-de-educacao-basica-anos-iniciais-do-ensino-fundamental-gabarito.pdf-html.html

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção D - ANE-IE-I-A-ANALISTA EDUCACIONAL-INSPEÇÃO ESCOLAR 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção E - EEB-I-A-ESPEC. EDUC. BÁSICA-ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção F - EEB-I-A-ESPEC. EDUC. BÁSICA-SUPERVISÃO PEDAGÓGICA 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção G - PEB-I-A-ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 

Tipo gabarito 1 

 

 

001 - A
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - C 
006 - D
007 - A
008 - B 
009 - D
010 - C 

 

011 - B 
012 - A
013 - B 
014 - D
015 - A
016 - D
017 - B 
018 - C 
019 - C 
020 - D

 

021 - A
022 - D
023 - C 
024 - C 
025 - B 
026 - D
027 - B 
028 - A
029 - C 
030 - A

 

031 - C 
032 - D
033 - B 
034 - B 
035 - A
036 - A
037 - C 
038 - A
039 - D
040 - C 

 

041 - C 
042 - D
043 - B 
044 - B 
045 - D
046 - C 
047 - A
048 - D
049 - C 
050 - B 

 

051 - C 
052 - D
053 - B 
054 - A
055 - B 
056 - A
057 - B 
058 - C 
059 - D
060 - A

 

001 - A
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - C 
006 - D
007 - A
008 - B 
009 - D
010 - C 

 

011 - B 
012 - A
013 - B 
014 - D
015 - A
016 - D
017 - B 
018 - C 
019 - C 
020 - D

 

021 - A
022 - D
023 - B 
024 - C 
025 - B 
026 - A
027 - B 
028 - C 
029 - D
030 - C 

 

031 - A
032 - B 
033 - C 
034 - D
035 - B 
036 - B 
037 - D
038 - A
039 - C 
040 - B 

 

041 - C 
042 - A
043 - B 
044 - D
045 - C 
046 - A
047 - B 
048 - D
049 - C 
050 - A

 

051 - C 
052 - A
053 - D
054 - B 
055 - D
056 - C 
057 - A
058 - B 
059 - A
060 - D

 

001 - A
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - C 
006 - D
007 - A
008 - B 
009 - D
010 - C 

 

011 - B 
012 - A
013 - B 
014 - D
015 - A
016 - D
017 - B 
018 - C 
019 - C 
020 - D

 

021 - A
022 - D
023 - B 
024 - C 
025 - B 
026 - A
027 - B 
028 - C 
029 - D
030 - C 

 

031 - A
032 - B 
033 - C 
034 - D
035 - B 
036 - B 
037 - D
038 - A
039 - C 
040 - B 

 

041 - C 
042 - A
043 - B 
044 - D
045 - C 
046 - A
047 - B 
048 - D
049 - C 
050 - A

 

051 - C 
052 - A
053 - D
054 - B 
055 - D
056 - C 
057 - A
058 - B 
059 - A
060 - D

 

001 - B 
002 - A
003 - D
004 - B 
005 - C 
006 - A
007 - D
008 - C 
009 - B 
010 - D

 

011 - A
012 - C 
013 - B 
014 - C 
015 - D
016 - D
017 - A
018 - B 
019 - C 
020 - B 

 

021 - A
022 - C 
023 - B 
024 - A
025 - D
026 - B 
027 - C 
028 - A
029 - D
030 - C 

 

031 - A
032 - D
033 - B 
034 - A
035 - B 
036 - D
037 - B 
038 - D
039 - C 
040 - C 

 

041 - B 
042 - B 
043 - D
044 - C 
045 - D
046 - A
047 - D
048 - A
049 - B 
050 - C 

 

051 - B 
052 - C 
053 - D
054 - A
055 - B 
056 - C 
057 - A
058 - C 
059 - D
060 - A

 

fcc-2012-see-mg-professor-de-educacao-basica-anos-iniciais-do-ensino-fundamental-gabarito.pdf-html.html

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção H - PEB-I-A-ARTE/ARTES 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção I - PEB-I-A-BIOLOGIA 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção J - PEB-I-A-EDUCAÇÃO FÍSICA 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção K - PEB-I-A-FILOSOFIA 

Tipo gabarito 1 

 

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - B 
022 - C 
023 - A
024 - B 
025 - A
026 - C 
027 - D
028 - D
029 - B 
030 - C 

 

031 - A
032 - D
033 - C 
034 - B 
035 - A
036 - C 
037 - C 
038 - B 
039 - A
040 - B 

 

041 - A
042 - D
043 - C 
044 - D
045 - A
046 - B 
047 - A
048 - D
049 - D
050 - A

 

051 - C 
052 - B 
053 - D
054 - C 
055 - C 
056 - B 
057 - D
058 - B 
059 - A
060 - D

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - D
022 - B 
023 - A
024 - C 
025 - B 
026 - A
027 - C 
028 - C 
029 - B 
030 - C 

 

031 - A
032 - B 
033 - D
034 - C 
035 - B 
036 - D
037 - D
038 - C 
039 - A
040 - D

 

041 - C 
042 - A
043 - D
044 - B 
045 - D
046 - A
047 - D
048 - B 
049 - D
050 - C 

 

051 - A
052 - C 
053 - A
054 - B 
055 - C 
056 - B 
057 - A
058 - C 
059 - B 
060 - D

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - D
022 - B 
023 - A
024 - D
025 - C 
026 - A
027 - C 
028 - B 
029 - A
030 - B 

 

031 - C 
032 - D
033 - A
034 - B 
035 - D
036 - C 
037 - A
038 - D
039 - C 
040 - B 

 

041 - B 
042 - A
043 - C 
044 - A
045 - D
046 - C 
047 - A
048 - D
049 - B 
050 - C 

 

051 - D
052 - B 
053 - D
054 - A
055 - B 
056 - A
057 - D
058 - B 
059 - C 
060 - B 

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - C 
022 - D
023 - B 
024 - C 
025 - A
026 - B 
027 - A
028 - D
029 - A
030 - B 

 

031 - D
032 - B 
033 - D
034 - A
035 - C 
036 - B 
037 - D
038 - A
039 - D
040 - C 

 

041 - B 
042 - A
043 - C 
044 - B 
045 - D
046 - A
047 - D
048 - B 
049 - B 
050 - C 

 

051 - A
052 - B 
053 - C 
054 - D
055 - C 
056 - A
057 - D
058 - B 
059 - A
060 - C 

 

fcc-2012-see-mg-professor-de-educacao-basica-anos-iniciais-do-ensino-fundamental-gabarito.pdf-html.html

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção L - PEB-I-A-FÍSICA 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção M - PEB-I-A-GEOGRAFIA 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção N - PEB-I-A-HISTÓRIA 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção O - PEB-I-A-LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA: ESPANHOL 

Tipo gabarito 1 

 

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - D
022 - A
023 - C 
024 - B 
025 - C 
026 - D
027 - C 
028 - B 
029 - D
030 - B 

 

031 - A
032 - B 
033 - A
034 - B 
035 - C 
036 - A
037 - D
038 - D
039 - C 
040 - A

 

041 - B 
042 - D
043 - C 
044 - A
045 - B 
046 - C 
047 - D
048 - A
049 - A
050 - C 

 

051 - D
052 - B 
053 - A
054 - B 
055 - D
056 - C 
057 - D
058 - B 
059 - A
060 - C 

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - B 
022 - D
023 - A
024 - D
025 - A
026 - A
027 - C 
028 - B 
029 - A
030 - C 

 

031 - B 
032 - D
033 - B 
034 - A
035 - B 
036 - D
037 - A
038 - C 
039 - D
040 - A

 

041 - D
042 - C 
043 - B 
044 - A
045 - D
046 - C 
047 - D
048 - C 
049 - B 
050 - D

 

051 - A
052 - B 
053 - C 
054 - B 
055 - C 
056 - D
057 - A
058 - D
059 - B 
060 - C 

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - B 
022 - C 
023 - B 
024 - D
025 - C 
026 - A
027 - D
028 - B 
029 - D
030 - C 

 

031 - A
032 - D
033 - B 
034 - A
035 - D
036 - A
037 - C 
038 - C 
039 - B 
040 - A

 

041 - A
042 - D
043 - A
044 - C 
045 - B 
046 - D
047 - C 
048 - A
049 - C 
050 - B 

 

051 - D
052 - B 
053 - A
054 - D
055 - B 
056 - C 
057 - B 
058 - C 
059 - A
060 - D

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - C 
022 - B 
023 - D
024 - A
025 - C 
026 - A
027 - D
028 - B 
029 - A
030 - C 

 

031 - D
032 - B 
033 - A
034 - B 
035 - C 
036 - C 
037 - B 
038 - D
039 - A
040 - C 

 

041 - D
042 - A
043 - D
044 - B 
045 - C 
046 - D
047 - C 
048 - C 
049 - D
050 - A

 

051 - B 
052 - B 
053 - D
054 - B 
055 - A
056 - A
057 - D
058 - B 
059 - A
060 - C 

 

fcc-2012-see-mg-professor-de-educacao-basica-anos-iniciais-do-ensino-fundamental-gabarito.pdf-html.html

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção P - PEB-I-A-LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA: INGLÊS 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção Q - PEB-I-A-LÍNGUA PORTUGUESA 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção R - PEB-I-A-MATEMÁTICA 

Tipo gabarito 1 

 

 

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção S - PEB-I-A-QUÍMICA 

Tipo gabarito 1 

 

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - D
022 - C 
023 - D
024 - A
025 - C 
026 - B 
027 - A
028 - B 
029 - C 
030 - D

 

031 - C 
032 - B 
033 - C 
034 - A
035 - D
036 - A
037 - B 
038 - C 
039 - D
040 - A

 

041 - B 
042 - C 
043 - A
044 - B 
045 - A
046 - D
047 - B 
048 - C 
049 - D
050 - D

 

051 - A
052 - D
053 - A
054 - C 
055 - C 
056 - B 
057 - A
058 - C 
059 - D
060 - B 

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - C 
022 - A
023 - D
024 - C 
025 - B 
026 - A
027 - C 
028 - C 
029 - B 
030 - D

 

031 - A
032 - D
033 - B 
034 - D
035 - C 
036 - A
037 - B 
038 - A
039 - D
040 - B 

 

041 - C 
042 - D
043 - A
044 - B 
045 - D
046 - B 
047 - C 
048 - A
049 - D
050 - C 

 

051 - D
052 - B 
053 - A
054 - C 
055 - B 
056 - C 
057 - C 
058 - A
059 - A
060 - B 

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - B 
022 - D
023 - A
024 - B 
025 - A
026 - B 
027 - C 
028 - D
029 - D
030 - C 

 

031 - B 
032 - C 
033 - A
034 - B 
035 - A
036 - B 
037 - D
038 - C 
039 - B 
040 - A

 

041 - C 
042 - A
043 - C 
044 - A
045 - D
046 - A
047 - D
048 - B 
049 - D
050 - C 

 

051 - B 
052 - C 
053 - B 
054 - C 
055 - A
056 - D
057 - C 
058 - D
059 - A
060 - D

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - D
022 - B 
023 - D
024 - A
025 - C 
026 - A
027 - D
028 - C 
029 - B 
030 - A

 

031 - B 
032 - C 
033 - B 
034 - C 
035 - D
036 - A
037 - D
038 - B 
039 - C 
040 - D

 

041 - A
042 - B 
043 - C 
044 - D
045 - A
046 - C 
047 - A
048 - B 
049 - D
050 - B 

 

051 - C 
052 - D
053 - A
054 - C 
055 - A
056 - B 
057 - A
058 - C 
059 - D
060 - B 

 

fcc-2012-see-mg-professor-de-educacao-basica-anos-iniciais-do-ensino-fundamental-gabarito.pdf-html.html

C. Gerais / C. Específicos 

Cargo ou opção T - PEB-I-A-SOCIOLOGIA 

Tipo gabarito 1 

 

 

001 - C 
002 - C 
003 - B 
004 - A
005 - D
006 - A
007 - D
008 - A
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - D
013 - C 
014 - A
015 - C 
016 - B 
017 - D
018 - C 
019 - B 
020 - A

 

021 - C 
022 - A
023 - B 
024 - D
025 - B 
026 - A
027 - D
028 - C 
029 - A
030 - D

 

031 - C 
032 - B 
033 - C 
034 - A
035 - D
036 - B 
037 - C 
038 - A
039 - D
040 - B 

 

041 - A
042 - C 
043 - D
044 - B 
045 - D
046 - A
047 - C 
048 - D
049 - B 
050 - A

 

051 - C 
052 - D
053 - D
054 - B 
055 - C 
056 - A
057 - B 
058 - C 
059 - B 
060 - A

 

Prova

fcc-2012-see-mg-professor-de-educacao-basica-anos-iniciais-do-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

N do Caderno

o

N de Inscrição

o

ASSINATURA DO CANDIDATO

N do Documento

o

Nome do Candidato

Março/2012

Professor de Educação Básica - PEB - Nível I - Grau A

Anos Iniciais do Ensino Fundamental

Concurso Público para provimento do cargo de

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG
E SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO - SEE

Conhecimentos Gerais
Conhecimentos Específicos

P R O V A

INSTRUÇÕES

VOCÊ DEVE

ATENÇÃO

- Verifique se este caderno:

- corresponde a sua opção de cargo.

- contém 60 questões, numeradas de 1 a 60.

Caso contrário, reclame ao fiscal da sala um outro caderno.

Não serão aceitas reclamações posteriores.

- Para cada questão existe apenas UMA resposta certa.

- Você deve ler cuidadosamente cada uma das questões e escolher a resposta certa.

- Essa resposta deve ser marcada na FOLHA DE RESPOSTAS que você recebeu.

- Procurar, na FOLHA DE RESPOSTAS, o número da questão que você está respondendo.

- Verificar no caderno de prova qual a letra (A,B,C,D) da resposta que você escolheu.

- Marcar essa letra na FOLHA DE RESPOSTAS, conforme o exemplo:

- Marque as respostas primeiro a lápis e depois cubra com caneta esferográfica de tinta preta.

- Marque apenas uma letra para cada questão, mais de uma letra assinalada implicará anulação dessa questão.

- Responda a todas as questões.

- Não será permitida qualquer espécie de consulta, nem o uso de máquina calculadora.

- A duração da prova é de 4 horas, para responder a todas as questões e preencher a Folha de Respostas.

- Ao término da prova, devolva este caderno de prova ao aplicador, juntamente com sua Folha de Respostas.

- Proibida a divulgação ou impressão parcial ou total da presente prova. Direitos Reservados.

A

C D

Caderno de Prova ’G’, Tipo 001

MODELO

0000000000000000

MODELO1

00001−0001−0001

fcc-2012-see-mg-professor-de-educacao-basica-anos-iniciais-do-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-Conhecimentos Gerais3

 

 

CONHECIMENTOS GERAIS 

 

Língua Portuguesa 

 

Atenção:    

As questões de números 1 a 6 baseiam-se no texto 
apresentado a seguir. 

 

Texto 

I

  

  O rádio, esse mistério 

 

Modéstia à parte, também tenho lá a minha experiência 

em rádio. Quando era menino, em Belo Horizonte, fui locutor do 
programa "Gurilândia" da Rádio Guarani. Não me pagavam 
nada, a Rádio Guarani não passando de pretexto para namorar 
uma menina que morava nas imediações. Mas ainda assim, 
bem que eu deitava no ar a minha eloquência cheia de efes e 
erres, como era moda na época. Quase me iniciei nas 
transmissões esportivas, incitado pelo saudoso Babaró, que era 
o grande mestre de então, mas não deu pé: eu não conseguia 
guardar o nome dos jogadores. 

Em compensação, minha irmã Berenice me estimulando 

a inspiração, usei e abusei do direito de escrever besteiras, 
mandando crônicas sobre assuntos radiofônicos para a revista 
"Carioca". "O que pensam os rádio-ouvintes" era o nome do 
concurso permanente. Com o quê, tornei-me entendido em 
Orlando Silva, Carmen Miranda, César Ladeira, Sílvio Caldas, 
Bando da Lua, Assis Valente, Ary Barroso, e tudo quanto era 
cantor, locutor ou compositor de sucesso naquele tempo. 

Rádio é mesmo uma coisa misteriosa. Começou fazendo 

sucesso na sala de visitas, acabou na cozinha. Cedeu lugar à 
televisão, que já vai pelo mesmo caminho. Ninguém que se 
preze 
[...] tem coragem de se dizer ouvinte de rádio 

 a não ser 

de pilha, colado ao ouvido, quando apanhado na rua em dia de 
futebol. Mas a verdade é que tem quem ouça. Ainda me lembro 
que Francisco Alves morreu num fim de semana, sem que a 
notícia de sua morte apanhasse nenhum jornal antes do 
enterro; bastou ser divulgada pelo rádio, e foi aquela apoteose 
que se viu. 

Todo mundo afirma que jamais ouve rádio, e põe a culpa 

no vizinho, embora reconhecendo que deve ter uma grande 
penetração, "principalmente no interior". Os ouvintes, é claro, 
são sempre os outros. 

Mas hoje estou pensando no mistério que é o rádio, 

porque de repente me ocorreu ter vivido uma experiência para 
cujas consequências não encontro a menor explicação, e que 
foram as de não ter consequência nenhuma. 

Todo mundo sabe que a BBC de Londres é uma das 

mais poderosas e bem organizadas estações radiofônicas do 
mundo.  
[...] Ao longo de dois anos e meio, chovesse ou 
nevasse, fizesse frio ou gelasse, compareci semanalmente aos 
estúdios do austero edifício da Bush House em Aldwich, para 
gravar uma crônica, transmitida toda terça-feira, exatamente às 
8 e 15 da noite, hora de Brasília, ou zero hora e quinze de 
quarta-feira, conforme o Big Ben. Eram em torno de 10 minutos 
de texto que eu recitava como Deus é servido, seguro de estar 
sendo ouvido por todo o Brasil, "principalmente no interior". E 
imaginava minha voz chegando a cada cidade, a cada fazenda, 
a cada lugarejo perdido na vastidão da pátria amada. 
[...] 

Pois bem 

 e aí está o mistério que me intriga: sei de 

fonte limpa que os programas da BBC têm no Brasil esses 
milhares de ouvintes. No entanto, nunca encontrei ninguém que 
me tivesse escutado: nem um comentário, uma palavra, uma 
carta, ainda que desfavorável 

 nada. A impressão é de que 

passei todo esse tempo falando literalmente para o éter, sem 
que nenhum ouvido humano me escutasse.
 [...] 

 

(Fernando Sabino. Deixa o Alfredo falar! Rio de 
Janeiro: Record, 6.ed. 1976. pp. 36-37) 

1. 

De acordo com o texto, o 

 

(A)  cronista cita o endereço do estúdio radiofônico, em 

Londres, onde gravava suas crônicas, para evitar a 
repetição da expressão a BBC de Londres

 
(B)  desenvolvimento permite entrever que o cronista 

conviveu com cantores famosos, sobre os quais 
tinha informações privilegiadas para transmitir aos 
leitores. 

 
(C)  rádio foi, certamente, e ainda o é, o meio de 

comunicação mais abrangente em todo o país, 
levando-se em conta a vastidão territorial e a 
precária formação dos brasileiros. 

 
(D)  título permanece sem explicação plausível, porque 

as lembranças do cronista passam a ser mais 
importantes à medida que o assunto se desenvolve. 

_________________________________________________________ 

 

2. 

Pois bem 

 e aí está o mistério que me intriga ...  (último 

parágrafo) 

 

Com a afirmativa acima, o autor aponta para a 

 

(A)  conclusão de que a transmissão de crônicas através 

das ondas do rádio era, na época, sujeita a múltiplas 
interferências, embora a BBC de Londres fosse uma 
das mais poderosas e bem organizadas estações 
radiofônicas do mundo. 

 
(B)  enorme aceitação do rádio, bastante popular na 

época, ainda que esse público não se declarasse 
ouvinte assíduo, pois todo mundo afirma que jamais 
ouve rádio, e põe a culpa no vizinho.
 

 
(C)  falta de explicação para o fato de que, embora sou-

besse que os programas da BBC eram acompa-
nhados por milhares de ouvintes, ele nunca rece-
bera qualquer manifestação de alguém que o tivesse 
escutado.
 

 
(D)  oposição entre a qualidade dos programas transmi-

tidos pela BBC de Londres e o despreparo dos 
locutores brasileiros, apesar da penetração do rádio, 
que chegava a cada cidade, a cada fazenda, a cada 
lugarejo perdido na vastidão da pátria amada

_________________________________________________________ 

 

3. 

Ninguém que se preze [...] tem coragem de se dizer 

ouvinte de rádio 

 a não ser de pilha, colado ao ouvido, 

quando apanhado na rua em dia de futebol.  (3

o

 parágrafo) 

 

A afirmativa acima vem justificar o que fica implícito a 
respeito 

 

(A)  da força do rádio, ouvido por um vasto público, fato 

que, entretanto, torna incompreensível a informação 
de que os ouvintes, é claro, são sempre os outros. 

 
(B)  da perda de popularidade do rádio, ao ser superado 

pela televisão, perda essa assinalada pelo fato de 
que, tendo começado por fazer sucesso na sala de 
visitas, acabou na cozinha.
 

 
(C)  da dúvida que cerca a veracidade das transmissões 

de rádio vindas do exterior, confirmada pela cons-
tatação de que Rádio é mesmo uma coisa miste-
riosa.
 

 
(D)  do acentuado desinteresse em torno das notícias 

transmitidas pelo rádio, apesar da ressalva Mas a 
verdade é que tem quem ouça.
 

Caderno de Prova ’G’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-professor-de-educacao-basica-anos-iniciais-do-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-Conhecimentos Gerais3

 

4. 

... mas não deu pé: eu não conseguia guardar o nome dos 
jogadores.   
(final do 1

o

 parágrafo) 

 
O segmento introduzido pelos dois-pontos constitui 

 
(A)  causa em relação à afirmativa anterior. 

 
(B)  condição imposta aos locutores dos programas de 

rádio. 

 
(C)  finalidade específica de uma transmissão esportiva. 

 
(D)  consequência dos fatos apontados anteriormente. 

_________________________________________________________ 

 

5. 

Mas ainda assim, bem que eu deitava no ar a minha 
eloquência cheia de efes e erres, como era moda na 
época.  
 (1

o

 parágrafo) 

 
É correto entender, a partir da afirmativa acima, que o 
cronista 

 
(A)  havia evidentemente conseguido transformar-se em 

famoso locutor de rádio. 

 
(B)  dificilmente conseguia ser claro em sua transmissão 

radiofônica. 

 
(C)  se preocupava com estilo mais elaborado, especial-

mente ao falar no rádio. 

 
(D)  geralmente se derramava em explicações longas e 

desnecessárias. 

_________________________________________________________ 

 

6. 

Quanto à repetição da expressão "principalmente no in-
terior"
, isolada por aspas, é correto afirmar que se trata de 

 
(A)  insistência desnecessária, a se considerarem os co-

mentários referentes à enorme popularidade atingida 
pelo rádio. 

 
(B)  recurso estilístico para realçar, com viés pejorativo, a 

pouca instrução dos ouvintes do rádio, na maioria, 
analfabetos. 

 
(C)  justificativa aceitável para o fato de o autor não ter 

sido reconhecido pelos ouvintes, na época, como um 
prestigiado cronista. 

 
(D)  ironia com relação ao bordão repetido por todos so-

bre a penetração do rádio como meio de comunica-
ção na época. 

_________________________________________________________ 

 

Atenção:   Para responder às questões de números 7 a 10, 

considere os dois textos seguintes e também o 
Texto 

I

 

Texto 

II

  

  A era do rádio e dos compositores 

 

Televisão, internet, telefone celular 

 esta é sem dúvida 

a era da comunicação. Estamos nela. É difícil para o homem do 

século 

XXI

 compreender o impacto do primeiro veículo de 

comunicação de massa do mundo, ainda na década de 1930: o 

rádio, que cumpriu um destacado papel social tanto na vida 

privada como na vida pública [...] 

O aparecimento do rádio mudou a relação dos indivíduos 

com a notícia, que passou a ser mais veloz e abrangente. 

Homens e mulheres, analfabetos e letrados, eram ouvintes das 

mesmas informações, compartilhando um repertório de ques-

tões a serem discutidas. O país ganhava mais uma fonte de 

integração nacional. 

(André Diniz. Almanaque do samba. Rio de Janeiro: Zahar, 
2006. p. 53) 

 

Texto 

III

 

 

A novidade da radiodifusão criou uma relação privile-

giada entre artista e público. Pela primeira vez na história, a arte 

do canto tinha uma massa crescente de ouvintes. Na verdade, 

grande parte dos cantores apareceu para o público através dos 

programas de calouros que agitaram a vida artística do rádio de 

1930 até meados da década de 1950. [...] 

Muitos foram os jovens que se apresentavam nos pro-

gramas sonhando ser famosos cantores de rádio, cortejados e 

admirados pelos fãs. Para eles, geralmente advindos das 

camadas mais simples da sociedade, mal-remunerados, repre-

sentantes de um país com grandes disparidades sociais, ser 

cantor de rádio representava, sobretudo, ascensão social. 

Poucos conseguiram um espaço no competitivo mercado. 

Pouquíssimos se tornaram ícones da voz. [...] 

A onipresença desses cantores na Era do Rádio ofuscou 

a participação de outros intérpretes do nosso cancioneiro. É 

como se as vozes de Francisco Alves, Mário Reis, Orlando 

Silva, Sílvio Caldas e Ciro Monteiro equacionassem a síncope, 

a bossa e a malandragem do samba urbano. Seus peculiares e 

diversificados estilos moldaram toda uma era. 

(André Diniz. Almanaque do samba. Rio de Janeiro: Zahar, 
2006, pp. 51-52) 

 
 
7. 

O país ganhava mais uma fonte de integração nacional.   
(final do Texto 

II

 

Entende-se a frase acima como 

 

(A)  conclusão coerente de toda a explanação apresen-

tada no texto. 

 
(B)  intencional incoerência entre essa afirmativa e o 

assunto desenvolvido. 

 
(C)  quebra de sentido lógico com o que vinha sendo 

afirmado anteriormente. 

 
(D)  argumento essencial para a defesa da opinião que 

vem sendo exposta. 

_________________________________________________________ 

 

8. 

Para eles, (...) ser cantor de rádio representava, sobre-

tudo, ascensão social.   (Texto 

III

, 2

o

 parágrafo) 

 
O sentido da afirmativa acima pode ser corretamente 
relacionado com a seguinte frase: 
 
(A)  Televisão, internet, telefone celular 

 esta é sem 

dúvida a era da comunicação. Estamos nela.   
(Texto 

II

 
(B)  ... o rádio, que cumpriu um destacado papel social 

tanto na vida privada como na vida pública.   (Texto 

II

 
(C)  A onipresença desses cantores na Era do Rádio 

ofuscou a participação de outros intérpretes do 
nosso cancioneiro.
   (Texto 

III

 
(D)  E imaginava minha voz chegando a cada cidade, a 

cada fazenda...  (Texto 

I

Caderno de Prova ’G’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-professor-de-educacao-basica-anos-iniciais-do-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-Conhecimentos Gerais3

 

9. 

Com base em cada um dos segmentos abaixo, está 
correto o que consta em: 
 

(A) ... 

usei e abusei do direito de escrever besteiras ...   

(Texto 

I

, 2

o

 parágrafo) 

 
A liberdade da linguagem coloquial e pouco respei-
tosa adotada pelo autor destoa da intenção literária 
que deve predominar na redação de uma crônica. 

 
 
(B)  ... porque de repente me ocorreu ter vivido uma 

experiência para cujas consequências não encontro 
a menor explicação, e que foram as de não ter con-
sequência nenhuma.   
(Texto 

I

, 5

o

 parágrafo) 

 
O autor atribui aos seus ouvintes, pelo fato de serem 
analfabetos em sua maioria, o pouco reconheci-
mento de seus méritos como locutor de rádio.  

 
 
(C)  O aparecimento do rádio mudou a relação dos 

indivíduos com a notícia, que passou a ser mais 
veloz e abrangente
.   (Texto 

II

, 2

o

 parágrafo) 

 
O pronome que dá origem a uma situação de ambi-
guidade, em razão de um equívoco na concor-
dância do verbo que o segue. 

 
 
(D) Poucos conseguiram um espaço no competitivo mer-

cado. Pouquíssimos se tornaram ícones da voz.   
(Texto 

III

,  2

o

 parágrafo) 

 
O emprego das formas grifadas acima indica uma 
gradação de sentido, resultante da flexão do adje-
tivo. 

_________________________________________________________ 

 

10.  Considerando o que dizem os três textos, a afirmativa 

correta é: 
 

(A)  A ideia central dos Textos 

I

 e 

III

 está focada no 

prestígio social de que gozavam os cantores do 
rádio neles citados, pelo enorme sucesso obtido 
junto ao público, tendo em vista a importância e o 
alcance das transmissões radiofônicas entre 1930 e 
1950, como informa o Texto 

II

 
 
(B) Os 

Textos 

II

 e 

III

 refletem intenção meramente 

informativa de seu autor a respeito do papel do 
rádio, enquanto o autor do Texto 

I

 busca tão-

somente despertar suas memórias como locutor, o 
que garantia sua sobrevivência longe do Brasil em 
razão do sucesso obtido junto aos ouvintes. 

 
 
(C)  A referência à repercussão da notícia da morte do 

cantor Francisco Alves, no Texto 

I

, vem confirmar a 

afirmativa constante do Texto 

II

 de que o rádio foi 

importante veículo de comunicação na época, bem 
como a constatação da fama desse cantor, como se 
lê no Texto 

III

 
 
(D)  A informação constante do Texto 

III

 de que pou-

cos cantores ficaram famosos, apesar dos com-
petitivos programas de calouros, não condiz com o 
comentário, no Texto 

II

, sobre a repercussão das 

notícias através do rádio, nem com a referência ao 
sucesso de cantores, constante do Texto 

I

 

Matemática 

 

11.  Um pai tem 34 anos e seus filhos 5, 6 e 8 anos. Daqui a 

8 anos a soma das idades dos 3 filhos menos a idade do 
pai será 
 
(A)    1. 
 
 
 
(B)    3. 
 
 
 
(C)    9. 
 
 
 
(D) 11. 

_________________________________________________________ 

 

12.  Um prédio recebe correspondência todos os dias ímpares 

do mês e a entrega do botijão de gás é feita nos dias 
múltiplos de 3. No mês de agosto essas entregas coin-
cidiram 
 
(A) 3 

vezes. 

 
 
 
(B) 4 

vezes. 

 
 
 
(C) 5 

vezes. 

 
 
 
(D) 6 

vezes. 

_________________________________________________________ 

 

13.  O quadrado e o retângulo da figura abaixo têm a mesma 

área.  

 
 

9 cm

(x + 4) cm

x cm

 

 
 

A medida do lado do quadrado vale 
 
 
(A) 10 

cm. 

 
 
 
(B) 12 

cm 

 
 
 
(C) 14 

cm 

 
 
 
(D) 16 

cm. 

Caderno de Prova ’G’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-professor-de-educacao-basica-anos-iniciais-do-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-Conhecimentos Gerais3

 

14.  João e Carlos, resolveram apostar na loteria esportiva, 

sendo que João entrou com R$ 120,00 e Carlos com 
R$ 

180,00. Ganharam um prêmio de R$ 

240.000,00. 

Então, está correto afirmar que a melhor maneira de ra- 
tear esse prêmio proporcionalmente ao que cada um 
apostou é 
 
(A)  R$ 180.000,00 para Carlos e R$ 60.000,00 para 

João. 

 
 
(B)  R$ 168.000,00 para Carlos e R$ 72.000,00 para 

João. 

 
 
(C)  R$ 144.000,00 para Carlos e R$ 96.000,00 para 

João. 

 
 
(D)  R$ 120.000,00 para Carlos e R$ 120.000,00 para 

João. 

_________________________________________________________ 

 

15.  A distribuição de salários de uma empresa é dada na 

tabela abaixo: 

 

 

Salário em R$ 

N

o

 de funcionários 

   700,00 

10 

1.000,00 

  4 

1.500,00 

  4 

4.000,00 

  1 

5.000,00 

  1 

 

 

Baseando-se na tabela acima, está correto afirmar que a 
porcentagem de funcionários que ganham abaixo do 
salário médio dessa empresa é 
 
(A) 20%. 
 
 
(B) 30%. 
 
 
(C) 40%. 
 
 
(D) 70%. 

_________________________________________________________ 

 

16.  Considere a reta numérica abaixo:  

 
 

-3

-2

-1

0

1

2

3

A

B

C

 

 

Pode-se afirmar que o valor da expressão 

C

A

B

C

+

 é um 

número 

 

(A) nulo. 
 
 
(B) decimal 

periódico. 

 
 
(C) positivo. 
 
 
(D) inteiro 

negativo. 

17.  Misturando 9 litros de água com 3 litros de suco concen-

trado, a porcentagem de água na mistura é de 
 
(A) 75%. 
 
 
(B) 60%. 
 
 
(C) 50%. 
 
 
(D) 45%. 

_________________________________________________________ 

 

18.  Antonio, Bruno e Celso disputaram uma corrida. Dadas as 

condições físicas e de preparo, Bruno tem o triplo de 
chances de vencer Antonio e Celso tem o quádruplo de 
chances de vencer Bruno. Dessa forma, a probabilidade 
de Bruno vencer é de 
 

(A) 

.

16

1

 

 

 

(B) 

.

16

3

 

 

 

(C)   .

4

3

 

 

 

(D)   .

8

3

 

_________________________________________________________ 

 

19.  Em uma festinha de aniversário, a mãe do aniversariante 

ia distribuir igualmente 120 docinhos entre as crianças. Na 
última hora apareceram mais 4 crianças, e ela precisou 
acrescentar mais 20 docinhos para serem distribuídos 
igualmente, de modo que cada uma recebesse a mesma 
quantidade que receberia antes. Dessa forma, o número 
de crianças que havia inicialmente na festa era de 
 
(A) 15. 
 
 
(B) 20. 
 
 
(C) 24. 
 
 
(D) 25. 

_________________________________________________________ 

 

20.  Nos pontos médios das medidas dos lados de um piso 

retangular de 6 m por 8 m, será inscrito um mosaico em 
forma de losango. O perímetro desse losango será 
evidenciado por uma moldura. O preço da moldura é de 
R$ 20,00 o metro linear. O valor total pago pela moldura 
será de 
 
(A) R$ 

800,00. 

 
 
(B) R$ 

400,00. 

 
 
(C) R$ 

200,00. 

 
 
(D) R$ 

100,00. 

Caderno de Prova ’G’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-professor-de-educacao-basica-anos-iniciais-do-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-PEB-Nível 

I

-Grau A-Anos Inic.Ens.Fundamental

 

 

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 

 

21.  A escola brasileira traz números alarmantes de alunos que não aprendem a ler e escrever no decorrer da escolaridade, como 

afirma o Plano Curricular de Minas Gerais. A esse respeito, está correto afirmar que a escola produz analfabetos funcionais, ou 
seja, alunos que 
 
(A)  dominam as habilidades de codificar e decodificar, mas não utilizam essas competências nas práticas sociais. 
(B)  dominam a leitura, mas têm dificuldade em codificar os sons da língua transformando em sinais gráficos. 
(C)  dominam a escrita, mas têm dificuldade em decodificar os sinais gráficos transformando em sons. 
(D)  não dominam a escrita convencional e têm muita dificuldade em decodificar os sinais gráficos. 

 
 
22.  No ano de 2003, a rede de ensino do Estado de Minas Gerais implementou o Ensino Fundamental de nove anos organizado em 

ciclos de aprendizagem. De acordo com diversos pesquisadores, o sistema de ciclos é positivo para o desenvolvimento da 
Alfabetização e do Letramento, pois promove a 
 
(A)  diminuição das taxas de reprovação nas turmas de alfabetização, resultando na economia e na redistribuição das verbas 

públicas educacionais. 

 
(B)  diluição das metas e objetivos de cada faixa etária ao longo do processo de escolarização, favorecendo um tempo maior 

aos alunos com dificuldade na área de Língua Portuguesa. 

 
(C)  revisão do sentido da escola e das práticas avaliativas, implicando mudanças nas concepções e práticas pedagógicas. 
 
(D)  permanência dos alunos no ambiente escolar até a conclusão do Ensino Médio, diminuindo consideravelmente as taxas de 

evasão. 

 
 
23.  De acordo com o Plano Curricular de Minas Gerais, as propostas de Alfabetização e Letramento são diferentes, porém 

complementares e indissociáveis, devendo ocorrer de maneira articulada e simultânea no cotidiano escolar. Nesse sentido, o 
professor deve desenvolver ações para 

 
 

I

.  Promover situações de Letramento para preparar o período da Alfabetização. 

 

II

.  Identificar as finalidades e funções da leitura de alguns textos a partir do exame de seus suportes. 

 

III

.  Conhecer as famílias silábicas, por intermédio da progressão do mais fácil para o mais difícil. 

 

IV

.  Fazer diferenciação entre as formas escritas e outras formas de expressão. 

 

V

.  Proporcionar contato com diferentes gêneros e suportes de textos. 

 

VI

.  Conhecer a orientação e o direcionamento da escrita da língua portuguesa. 

 

São ações que deixam mais clara a complementariedade entre a Alfabetização e o Letramento  
 
(A) 

I

II

III

 e 

IV

, apenas. 

(B) 

II

IV

V

 e 

VI

, apenas. 

(C) 

I

II

V

 e 

VI

, apenas. 

(D) 

III

IV

V

 e 

VI

, apenas. 

 
 
24.  Conforme as orientações da Secretaria Estadual de Educação do Estado Minas Gerais (SEE-MG), o professor pode interpretar 

as capacidades desenvolvidas pelas crianças de diferentes formas, mas existe um tipo de abordagem que deve orientar suas 
ações no que se refere ao trabalho com a leitura e a escrita. Nessa direção, as ações que o professor deve privilegiar em sua 
prática são:  
 
(A)  introduzir, retomar, trabalhar sistematicamente e consolidar no processo de aprendizagem dos alunos. 
(B)  transmitir, exercitar, avaliar e registrar os resultados dos alunos individualmente. 
(C)  aplicar, retomar e aprofundar os conteúdos trabalhados no coletivo cotidianamente. 
(D)  conhecer o que os alunos sabem para transmitir e sistematizar os conteúdos ao longo do ano letivo. 

 
 
25.  Ao organizar sua rotina do 1

o

 ano do Ensino Fundamental 

I

, a professora Andréa privilegia um tempo para as brincadeiras 

cantadas, como cantigas de roda, trava-línguas e rimas. O objetivo dessa professora é 
 
(A)  criar situações para o desenvolvimento da oralidade, pois muitas crianças demonstram dificuldade na pronúncia de 

algumas palavras. 

 
(B)  favorecer a interação das crianças, visto que há muitos problemas de relações entre os alunos no cotidiano escolar. 
 
(C)  favorecer a interação das crianças e a professora, visto que há muitos problemas disciplinares no cotidiano escolar. 
 
(D)  criar situações lúdicas para que as crianças operem com as sílabas, rimas e repetições de fonemas em uma frase ou 

palavra. 

Caderno de Prova ’G’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-professor-de-educacao-basica-anos-iniciais-do-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-PEB-Nível 

I

-Grau A-Anos Inic.Ens.Fundamental

 

26.  Uma das características fundamentais do professor alfabetizador para trabalhar a autoestima dos alunos é sua  

 
(A)  capacidade de avaliação e comparação dos resultados obtidos por cada um dos alunos para sua classificação. 
 
(B)  crença nas capacidades de aprendizagem de todos os seus alunos, independentemente de sua origem social e cultural. 
 
(C)  aptidão em reconhecer as habilidades já adquiridas pelos alunos e trabalhar com atividades conhecidas por eles. 
 
(D)  habilidade para comunicar os resultados das avaliações realizadas com seus alunos para as famílias. 

 
 
27.  De acordo com os materiais da SEE-MG, é importante a comunicação dos resultados das avaliações para os familiares e 

comunidade escolar. As competências que mais auxiliam neste processo são conhecer 
 
(A)  a comunidade e definir os limites de sua atuação no espaço escolar. 
 
(B)  a legislação, o funcionamento do sistema e aplicar seus princípios e normas. 
 
(C)  as famílias e viabilizar seu envolvimento na melhoria da educação. 
 
(D)  a legislação e o funcionamento da instituição escolar. 

 
 
28.  Os cinco padrões apresentados nos documentos orientadores do sistema educacional do Estado de Minas Gerais que explicitam 

as competências e habilidades a serem desenvolvidas pelos professores são: 
 
(A)  A criança e a aprendizagem nos anos iniciais; O ensino e a avaliação da aprendizagem; A sala de aula inclusiva; A escola 

e seu contexto social e legal; A responsabilidade e o desenvolvimento profissional. 

 
(B)  Aprender a conhecer; Aprender a fazer; Aprender a aprender; Aprender a ser; Aprender a conviver. 
 
(C)  Ciclo Inicial de Alfabetização; Alfabetizando; Preparando a escola e a sala de aula; Diagnosticando, Acompanhando e 

Avaliando. 

 
(D)  Diagnóstico; Planejamento; Aplicação; Avaliação e Socialização. 

 
 
29.  O quadro abaixo apresenta diferentes instrumentos e estratégias para a realização de processos avaliativos.  
 
 

Professor A 

Professor B 

Observação e registro 

Avaliações escritas 

Provas operatórias 

Provas orais 

Autoavaliação Provas 

operatórias 

Portifólio 

Provas de múltipla escolha 

 
 

Sobre a comparação entre as duas estratégias/instrumentos utilizados pelos diferentes professores, está correto afirmar que 
 
(A)  o professor A utiliza estratégia/instrumentos de difícil compreensão, aplicação e obtenção de resultados, enquanto o 

professor B utiliza estratégias avaliativas mais precisas, que facilitam a obtenção de dados referentes ao desenvolvimento 
dos alunos. 

 
(B)  o professor A privilegia estratégias de avaliação quantitativas para a classificação dos alunos, enquanto o professor B 

utiliza instrumentais que facilitam a obtenção de dados qualitativos referentes ao desenvolvimento dos alunos.  

 
(C)  as mesmas estratégias/instrumentos utilizados por ambos os professores convergem em suas estratégias, objetivos e 

resultados. 

 
(D)  o professor A utiliza estratégias/instrumentos diversificados de avaliação para garantir uma prática de avaliação 

continuada. Enquanto o Professor B privilegia estratégias de avaliação para a classificação dos alunos. 

 
 
30.  As dimensões/eixos do conhecimento que devem ser contemplados nos instrumentos avaliativos, para que os mesmos estejam 

de acordo com os atuais Parâmetros Curriculares Nacionais, são: 
 
(A)  diagnóstico, aplicação e avaliação. 

 
(B)  pré-silábico, silábico, silábico alfabético e alfabético. 

 
(C)  conceituais, procedimentais e atitudinais. 

 
(D)  sensório motor, pré-operatório, operatório concreto e operatório formal. 

Caderno de Prova ’G’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-professor-de-educacao-basica-anos-iniciais-do-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-PEB-Nível 

I

-Grau A-Anos Inic.Ens.Fundamental

 

31.  Para que o trabalho em grupo possa efetivamente contribuir para a aprendizagem dos alunos, é importante que o professor 

 
(A)  intervenha na composição dos grupos, evitando a escolha apenas por afinidades entre os alunos. 
 

(B)  garanta a realização de atividades coletivas extraclasse para que os alunos possam desenvolver tarefas. 
 

(C)  mantenha a composição dos grupos durante um longo período para que os alunos possam se habituar a trabalhar em 

conjunto. 

 

(D)  deixe que os próprios alunos escolham seu grupo para garantir o bom relacionamento entre os integrantes. 

 
 
32.  Marisa é professora do 1

o

 ano do Ensino Fundamental e acabou de realizar a avaliação diagnóstica dos alunos de sua sala. A 

partir desta atividade, a professora deverá 
 
(A)  remanejar os alunos com conhecimentos insuficientes para classes de reforço. 
 
(B)  arquivar os resultados obtidos e compará-los com avaliação a ser desenvolvida no final do ano letivo. 
 
(C)  classificar os alunos e dividi-los em dois grupos: dos avançados e dos que possuem dificuldades. 
 
(D)  planejar intervenções pedagógicas para atender as necessidades mapeadas pela avaliação diagnóstica. 

 
 
33.  A Resolução da SEE-MG n

o

 469/2003, em seus artigos 18 e 19, defende uma avaliação contínua e diagnóstica do processo de 

aprendizagem para garantir a Progressão Continuada dentro de cada Ciclo escolar. Neste sentido, ao final dos Ciclos o 
professor deve 
 
(A)  dar nota aos alunos e classificá-los em aptos e não aptos a passar de ano, para que possam ser garantidas as 

aprendizagens mínimas previstas no Ciclo. 

 
(B)  realizar avaliação global do desenvolvimento dos alunos em relação aos objetivos da Fase em que se encontram. 
 
(C)  aplicar instrumento de auto avaliação nos alunos para que eles possam refletir sobre o seu processo de aprendizagem. 
 
(D)  desenvolver reunião juntos aos pais/responsáveis para que eles avaliem, juntamente com o professor, os progressos de 

seus filhos. 

 
 
34.  Sandra é professora do 2

o

 ano do Ensino Fundamental e está enfrentando diversos conflitos de relacionamento entre os alunos 

no que diz respeito às regras de convivência. Para estabelecer um clima de respeito e colaboração entre os alunos, a ação mais 
adequada seria 
 
(A)  proporcionar um momento de discussão coletiva com os alunos para o estabelecimento de combinados a serem cumpridos 

pelo grupo. 

 
(B)  determinar regras para o bom convívio do grupo e estabelecer premiações e punições para os alunos que cumprirem ou 

não estas regras. 

 
(C)  reunir-se com os pais e explicitar os problemas que estão sendo enfrentados e exigir a colaboração dos mesmos para o 

enfrentamento das questões levantadas. 

 
(D)  conversar com a coordenadora para estabelecer procedimentos para sanção de alunos que descumpram as boas regras 

de convivência. 

 
 
35.  Nos documentos curriculares da SEE-MG que pautam a avaliação no estado, são determinados três níveis de desempenho para 

avaliação diagnóstica dos alunos. São eles: 
 
(A) Nível 

 conteúdos de fácil assimilação atingidos; Nível 2: conteúdos de média assimilação atingidos; Nível 3: conteúdos 

de difícil assimilação atingidos. 

 

(B) Nível 

 capacidades ainda não desenvolvidas; Nível 2: capacidades em desenvolvimento; Nível 3: capacidades já 

desenvolvidas pelos alunos. 

 

(C) Nível 

 conteúdos conceituais garantidos; Nível 2: conteúdos procedimentais garantidos; Nível 3: conteúdos atitudinais 

garantidos. 

 

(D) Nível 

 capacidades observáveis; Nível 2: capacidades implícitas; Nível 3: capacidades complexas. 

Caderno de Prova ’G’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-professor-de-educacao-basica-anos-iniciais-do-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-PEB-Nível 

I

-Grau A-Anos Inic.Ens.Fundamental

 

36.  Desenvolver a capacidade de resolução de problemas nos alunos é uma das finalidades importantes do ensino da Matemática, 

pois 
 
(A)  o aluno, a partir da resolução de problemas, é estimulado a pensar de forma individual, desenvolvendo assim habilidades 

como raciocínio e lógica. 

 
(B)  as soluções e respostas aos problemas colocados são precisas e facilitam o processo de avaliação e planejamento das 

atividades. 

 
(C)  como a resolução de problemas está diretamente relacionada à resolução de conflitos, essas atividades possibilitam o 

desenvolvimento da criatividade dos alunos. 

 
(D)  os professores, quando apoiam a sua prática pedagógica na resolução de problemas, contextualizam a aprendizagem e 

propiciam a aquisição de conhecimentos relevantes. 

 
 
37.  A contextualização do ensino da Matemática é uma importante estratégia para facilitar a aprendizagem dos alunos nesta área do 

conhecimento. Neste sentido, essa contextualização poderá ser desenvolvida pelos professores 
 
(A)  por meio de atividades variadas que repitam a aplicação direta dos conceitos matemáticos já trabalhados em sala de aula. 
 
(B)  a partir do trabalho sobre a história da matemática e da vinculação dos conteúdos com o cotidiano e as práticas sociais 

que envolvam esta área do conhecimento. 

 
(C)  por meio de atividades sistemáticas que reforcem a importância desta área do conhecimento para o desenvolvimento 

profissional e acadêmico dos alunos. 

 
(D)  a partir da realização de atividades extraclasse que possibilitem a relação dos conceitos apreendidos em sala de aula com 

mais autonomia. 

 
 
38.  O professor poderá proporcionar a interação dos alunos com textos característicos de diferentes áreas do conhecimento por 

meio  
 
(A)  da utilização de materiais didáticos escritos. 
(B)  da repetição da leitura de textos já conhecidos pelos alunos. 
(C)  de atividades lúdicas que estimulem a leitura. 
(D)  do desenvolvimento de projetos temáticos. 

 
 
39.  Uma matriz de referência pode conter conhecimentos e competências a serem desenvolvidos pelos alunos, com a finalidade de 

 
(A)  determinar estratégias parar o bom desenvolvimento das atividades. 
(B)  padronizar as práticas a serem desenvolvidas pelos professores. 
(C)  orientar a elaboração de estratégias ou questões de avaliação. 
(D)  impor condições para o desenvolvimento da avaliação. 

 
 
40.  Na perspectiva da organização do ensino por Ciclos de aprendizagem, o caráter assumido pelas práticas avaliativas deve ser 

 
(A) classificatório. 
(B) seletivo. 
(C) formativo. 
(D) diagnóstico. 

 
 
41.  Após a realização da avaliação diagnóstica de sua turma, a professora Carla descobriu que sua classe apresentava um perfil 

bem heterogêneo no que se referia às capacidades de leitura e escrita de seus alunos. A estratégia que mais poderia auxiliar no 
desenvolvimento dessas capacidades de todos os alunos de sua sala seria 
 
(A)  a aplicação de atividades individuais, que proporcionariam a adequação da atividade de acordo com o nível de cada um 

dos alunos. 

 
(B)  o desenvolvimento de tarefas em parceria, de forma que os alunos pudessem desenvolver atividades diversificadas e com 

maior autonomia. 

 
(C)  a realização de ditados e de constantes avaliações diagnósticas que possibilitariam o acompanhamento do 

desenvolvimento dos alunos. 

 
(D)  o desenvolvimento de atividades extra-classe que possibilitariam que os alunos pusessem em jogo seus conhecimentos 

sobre determinado tema. 

Caderno de Prova ’G’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-professor-de-educacao-basica-anos-iniciais-do-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

 

10 

SPGMG-PEB-Nível 

I

-Grau A-Anos Inic.Ens.Fundamental

 

42.  Considerando que a aprendizagem do alfabeto com suas 26 letras é um dos aspectos importantes no processo de ensino e 

aprendizagem, a proposta mais adequada para a prática de sala de aula é apresentar 

 
(A)  a letra “A” e seguir a sequência conforme os alunos se apropriem de cada letra, evitando o excesso de informações e 

possíveis confusões entre elas. 

 
(B)  as 26 letras, garantindo uma visão do conjunto de nosso alfabeto e, consequentemente, a compreensão do todo pelos 

alunos. 

 
(C)  o alfabeto em partes, começando pelas letras mais “fáceis” para, depois de sua aprendizagem, apresentar aquelas que 

podem gerar equívocos como, por exemplo “Z" e "S”. 

 
(D)  o conjunto de 26 letras somente quando os alunos forem alfabetizados e puderem apropriar-se da ordem alfabética e seu 

uso em nossa sociedade.  

 
 
43.  O analfabetismo no Brasil tem sido foco de estudos, estatísticas e análises há muitas décadas. A constatação de que a escola 

(que tem como uma de suas principais funções alfabetizar as crianças) vem produzindo analfabetos e analfabetos funcionais 
gerou um intenso debate nas escolas, nas universidades, nas secretarias de Educação, na imprensa etc. Hoje sabe-se que esse 
fracasso é decorrente 

 
(A)  da adoção do sistema de ciclos pautados pela progressão continuada desenvolvida por escolas e sistemas de ensino. 

 
(B)  da adoção do método silábico/fônico como estratégia didática de alfabetização e o desenvolvimento de práticas de ensino 

da linguagem escrita. 

 
(C)  da utilização de práticas de alfabetização fundamentadas na teoria construtivista de ensino e aprendizagem. 

 
(D)  de um conjunto de fatores sociais, econômicos, políticos, metodológicos e conceituais da escola e da sociedade brasileira 

em geral. 

 
 
44.  Um elemento importante do trabalho de alfabetização é a criação (na sala de aula e na escola como um todo) de um ambiente 

alfabetizador, tanto por parte do professor, quanto dos outros profissionais da instituição. Nesse sentido, o professor deve 

 
(A)  optar por materiais escritos produzidos para o uso escolar, como livros didáticos, uma vez que não precisam ser adaptados 

ou transformados para se adequarem aos alunos. 

 
(B)  adaptar materiais diversos de uso social em sua linguagem e formato para que se adequem à realidade dos alunos e sua 

capacidade de compreensão, evitando-se materiais complexos e muito extensos dentro da sala de aula. 

 
(C)  selecionar, além de materiais produzidos para o uso escolar, os diversos tipos de texto que circulam na sociedade, de 

preferência em seus suportes originais, cumprindo a mesma função que exercem fora da escola, desde que não sejam 
inadequados aos alunos. 

 
(D)  produzir com a equipe da escola materiais escritos para uso no processo de alfabetização, que considerem as 

características do ano de escolaridade, a realidade do grupo de alunos e os objetivos didáticos, evitando inadequações 
naquilo que é apresentado à classe. 

 
 
45.  O planejamento da organização do trabalho pedagógico envolve decisões sobre aspectos simples, porém fundamentais para a 

construção de uma rotina de atividades que possa efetivamente contribuir para a aprendizagem dos alunos. Sendo assim, a 
rotina planejada e realizada na escola deve ser 

 
(A)  variada, tanto em relação ao tempo de cada atividade desenvolvida, quanto ao conteúdo curricular e à forma de 

agrupamento das crianças para que não haja repetições e não se torne cansativa. 

 
(B)  sistemática e regular, garantindo-se tempo específico e fixo para as aulas diárias de alfabetização, com frequência prevista 

para que os alunos possam aprofundar seus conhecimentos para a aprendizagem da leitura e escrita.  

 
(C)  estabelecida dia a dia com as crianças, que são protagonistas no processo de aprendizagem, considerando-se sempre a 

realidade dos alunos, a bagagem que trazem de seu contexto e seus interesses. 

 
(D)  variada e sistemática de modo equilibrado, com diferentes formas de agrupamento das crianças, uso de materiais 

diversificados e interação com diversos conteúdos, capacidades e contextos. 

 
 
46.  O desenvolvimento psicomotor é 

 
(A)  uma importante dimensão da alfabetização, que deve ser observada pelo professor quando os alunos desenham ou 

escrevem, mas não representa um pré-requisito para a alfabetização propriamente dita.  

 
(B)  um pré-requisito fundamental para a aquisição da linguagem escrita e deve ser conquistado previamente à alfabetização 

propriamente dita, através de exercícios específicos de coordenação motora fina. 

 
(C)  um aspecto que fazia parte de concepções tradicionais que foram abandonadas ao longo do tempo e não interfere no 

processo de aquisição da linguagem escrita, pois adia de forma equivocada o contato com a escrita. 

 
(D)  um conteúdo e meta da área curricular de corpo/movimento/educação física que deve ser acompanhado pelo professor 

especialista sem ocupar o tempo dedicado à aprendizagem da linguagem escrita. 

Caderno de Prova ’G’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-professor-de-educacao-basica-anos-iniciais-do-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-PEB-Nível 

I

-Grau A-Anos Inic.Ens.Fundamental

 

11 

47.  O conceito de “zona de desenvolvimento proximal”, elaborado por Lev Vygotsky, refere-se à distância entre 

 
(A)  os saberes que o aprendiz possui, tanto “corretos” quanto “equivocados”, evidenciando a proximidade entre o saber 

consolidado e o saber erroneamente adquirido e que necessita de correção. 

 
(B)  o que um aluno já aprendeu em seu desenvolvimento comparativamente a um colega mais ou menos “competente”, 

evidenciando ao educador a proximidade entre os saberes dos diversos alunos. 

 
(C)  o que o aprendiz não sabe e aquilo que se pretende ensinar (meta de aprendizagem) pela mediação de outros mais 

“competentes” em relação a tal conhecimento, sejam eles adultos ou colegas. 

 
(D)  o que já se encontra consolidado no desenvolvimento da criança e os desempenhos possíveis ou as capacidades que ela 

costuma apresentar quando interage com  pessoas mais experientes. 

 
 
48.  O desenvolvimento da linguagem oral constitui um importante aspecto a ser trabalhado durante o ciclo inicial de alfabetização. 

Algumas das capacidades a serem atingidas pelo aluno,  são: 

 
 

I

.  planejar a fala em situações formais de comunicação. 

 

 

II

.  usar a língua falada em diferentes situações escolares, buscando empregar a variedade linguística adequada. 

 

 

III

.  realizar com pertinência tarefas cujo desenvolvimento dependa de escuta atenta e compreensão. 

 

 

IV

.  utilizar amplo vocabulário, pronunciando corretamente as palavras, inclusive aquelas consideradas “complexas”. 

 

Está correto o que consta APENAS em 
 
(A) 

I

II

 e 

III

 
(B) 

II

III

 e 

IV

 
(C) 

I

III

 e 

IV

 
(D) 

I

II

 e 

IV

 
 
49. Os 

Projetos Temáticos são uma boa forma de garantir a interdisciplinaridade no trabalho com os alunos porque supõem uma 

forma diferenciada de produção, apropriação e socialização de conhecimentos 
 
(A)  na qual os limites entre as áreas curriculares se tornam claros e relevantes. 
 
(B)  na qual os limites entre as áreas curriculares se tornam menos relevantes. 
 
(C)  que fica mais a cargo do professor. 
 
(D)  que fica mais a cargo dos alunos. 

 
 
50.  Um critério central na seleção de textos a serem usados com os alunos no ciclo inicial de alfabetização é a escolha de 

 
(A)  textos simples, de fácil estrutura e entendimento, utilizados com frequência pelos alunos no contexto de sala de aula. 
 
(B)  textos complexos, ainda não conhecidos pelas crianças, porém que possam ser utilizados em contextos sociais diversos. 
 
(C)  textos que envolvam palavras, vocabulário e sintaxe com os quais eles estejam familiarizados, ao lado de textos que 

apresentem novos desafios linguísticos. 

 
(D)  poucos textos, permitindo maior contato com palavras, frases e sílabas antes de propiciar contatos com os textos 

propriamente ditos. 

 
 
51.  A compreensão e valorização das funções sociais da escrita deve ter inicio  

 
(A)  somente a partir do Ensino Fundamental 

II

, quando os alunos já possuem um mínimo de conhecimento sobre a escrita. 

 
(B)  na chegada da criança à escola e continuar até o final de sua formação, o que facilita a aprendizagem da leitura e escrita. 
 
(C)  somente a partir do Ensino Médio, quando os alunos já possuem condições para compreensão deste tipo de relação com a 

escrita. 

 
(D)  na família das crianças, uma vez que é função dos pais introduzir a criança ao mundo letrado e incentivar o uso da escri- 

ta. 

Caderno de Prova ’G’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-professor-de-educacao-basica-anos-iniciais-do-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

 

12 

SPGMG-PEB-Nível 

I

-Grau A-Anos Inic.Ens.Fundamental

 

52.  Partindo do pressuposto de que as crianças podem produzir textos antes de saber ler e escrever convencionalmente, o 

professor deve 
 

(A)  ditar para as crianças, pausadamente, cada frase do texto. Em seguida, solicitar que façam uma cópia com letra legível do 

texto completo, garantindo a direcionalidade da escrita. Para finalizar, decidir com o grupo para quê e para quem se vai 
escrever e em que situação o texto será lido. 

 

(B)  definir a proposta do texto junto ao grupo, considerando para quê e para quem se vai escrever e em que situação o texto 

será lido. A partir dessa estrutura, o professor solicita que cada aluno escreva o seu texto individualmente e realiza 
intervenções retomando o planejamento para validar a sua importância. 

 

(C)  planejar a proposta do texto junto ao grupo, considerando para quê e para quem se vai escrever e em que situação o texto 

será lido. A partir dessa estrutura, parte-se para a escrita coletiva do texto, tendo o professor como escriba, realizando 
intervenções para validar o uso do planejamento. 

 

(D)  levar a proposta do texto, enfatizando para quê e para quem se vai escrever e em que situação o texto será lido. A partir 

desse planejamento feito pelo professor, parte-se para a escrita coletiva, tendo o professor como escriba realizando 
intervenções para validar o planejamento feito. 

 
 
53.  A professora Dora defende que todo cidadão, independentemente de sua posição social ou grau de escolaridade, está inserido 

em uma cultura letrada, pois realiza práticas que dependem da escrita, como: pegar ônibus, assinar cheque e outras. Partindo 
dessa perspectiva, a professora pretende favorecer possibilidades de integração e participação ativa dos alunos na cultura 
escrita. Para isso, propõe: 
 

 

I

.  experiência com diversos instrumentos para o registro escrito, como: lápis, canetas, cadernos e computadores. 

 

 

II

.  compreensão linear e global da língua escrita e a produção de inferências. 

 

 

III

.  contato com diferentes suportes de escrita, como: cartazes, livros, murais, folhetos, outdoors

 

 

IV

.  diferentes formas de aquisição e acesso aos textos, como: compra, empréstimo e troca de livros. 

 

 

V

.  conhecer os espaços de distribuição, manutenção e venda de material escrito, como: biblioteca, livraria, banca. 

 

São ações que validam a participação e a integração das crianças na cultura escrita as apresentadas APENAS em 
 

(A) 

I

II

 e 

IV

 
(B) 

I

II

 e 

III

 
(C) 

II

III

 e 

V

 
(D) 

I

III

 e 

IV

 
 
54.  O Plano Curricular de Minas Gerais ressalta a importância do trabalho com gêneros no decorrer do Ensino Fundamental 

I

, ou 

seja, utilizar diferentes tipos de 
 

(A)  textos, escritos ou falados, que circulam na sociedade e são reconhecidos com facilidade pelas pessoas. 
 

(B)  textos, escritos ou falados,  que circulam no ambiente acadêmico e são reconhecidos por professores e alunos do Ensino 

Fundamental. 

 

(C)  registros realizados no decorrer da história da humanidade (pictografias, garatujas, símbolos até chegar na base 

alfabética). 

 

(D)  registros que sofreram avanços significativos com as novas tecnologias, como a apresentação de livros via internet. 

 
 
55.  No Brasil há uma enorme variedade linguística com sotaques diferentes, palavras que fazem sentido somente para os 

moradores de determinada comunidade etc. Nessa perspectiva, o professor deve 
 

(A)  ensinar a forma correta de falar, ressaltando e cobrando diariamente dos alunos a pronúncia certa das palavras. 
 

(B)  respeitar a fala de cada integrante do grupo, explicando as diferentes pronúncias da língua. 
 

(C)  deixar esse aspecto de lado, uma vez que a pronúncia não interfere na forma escrita da palavra. 
 

(D)  exigir respeito à fala de cada integrante do grupo, por intermédio de atitudes e procedimentos éticos. 

Caderno de Prova ’G’, Tipo 001

fcc-2012-see-mg-professor-de-educacao-basica-anos-iniciais-do-ensino-fundamental-prova.pdf-html.html

 

SPGMG-PEB-Nível 

I

-Grau A-Anos Inic.Ens.Fundamental

 

13 

56.  O planejamento do trabalho de sala de aula propicia ao professor e à escola acompanhar, analisar e controlar os resultados do 

trabalho, favorecendo a aprendizagem dos alunos. Para realizar esse processo, o professor deve 
 
(A)  fazer, juntamente com seus alunos, o levantamento das metas a serem atingidas e os projetos a serem desenvolvidos 

durante o ano letivo com a intenção de proporcionar maior autonomia. 

 
(B)  definir individualmente as metas do trabalho e informar ao coordenador pedagógico as estratégias e atividades a serem 

desenvolvidas, assim como também sua forma de avaliação. 

 
(C)  estabelecer e compartilhar as metas a serem alcançadas, definir os meios para alcançar essas metas, escolher 

instrumentos para o registro das atividades e avaliar o que planejou e realizou. 

 
(D)  seguir as metas determinadas pelo MEC e definir como alcançá-las, produzir registros reflexivos para analisar as 

atividades e fazer uma autoavaliação com os alunos. 

 
 
57.  Para estimular a participação das famílias no ambiente escolar, a escola deve 

 
(A)  acolher as famílias para que todas sintam-se bem naquele ambiente e possam expor sua opinião e desenvolver reuniões 

para compartilhar o trabalho realizado na escola apresentando sugestões de como os pais podem dar suporte para seus 
filhos. 

 
(B)  planejar o acolhimento dos pais no início do ano e nas datas comemorativas e propiciar atendimentos em uma reunião 

semestral de pais para explicitar os problemas disciplinares ou dificuldades de aprendizagem dos alunos. 

 
(C)  realizar reuniões com as famílias no inicio e no final do ano letivo para informar as regras da escola e avaliar os avanços 

dos alunos, além de realizar o atendimento individual dos pais cujos filhos apresentam problemas na escola. 

 
(D)  estabelecer regras claras de convivência no espaço escolar apontando possibilidades e limites da participação dos pais na 

unidade e desenvolver um sistema de comunicação eficiente para que os pais estejam bem informados sobre os acon-
tecimentos da escola. 

 
 
58.  O erro ganha dimensão construtiva e formativa quando o professor realiza a 

 
(A)  correção com sinais de certo ou errado, sem apontar indicadores do que estava errado favorecendo a reorientação da 

aprendizagem dos alunos. 

 
(B)  correção com sinais de certo ou errado, evidenciando as respostas corretas do aluno com o intuito de elevar a sua 

autoestima e deixá-lo livre para escrever. 

 
(C)  elaboração de códigos ou legendas com o grupo visando sinalizar aspectos que merecem atenção em sua produção, além 

de evidenciar progressos e sugerir intervenções. 

 
(D)  elaboração de códigos ou legendas com o grupo visando sinalizar aspectos que merecem atenção em sua produção, além 

de frases que elevem a autoestima, como: Muito Bem! Parabéns! 

 
 
59.  Na organização de sua rotina, a professora Ana Lúcia dedica um tempo para o trabalho com o calendário junto ao grupo. Para 

cada dia, propõe uma situação diferente, como: descobrir quantos dias faltam para determinado evento da escola, marcar uma 
data importante, pesquisar quantos são os aniversariantes do mês, descobrir quantos dias tem a semana, o mês, o semestre 
etc. Essa atuação da professora é 
 
(A)  equivocada, pois as crianças precisam realizar todos os dias a mesma ação com o calendário para aprender a efetividade 

do seu uso. 

 
(B)  equivocada, pois as crianças não precisam da problematização do professor, visto que o calendário é trabalhado desde os 

3 anos de idade, diariamente. 

 
(C)  adequada, pois as crianças irão ter um contato sistemático com o calendário e aprender com as tentativas de erro e acerto. 
 
(D)  adequada, pois as crianças precisam resolver problemas com o uso do calendário e aprender sobre a função social desse 

instrumento. 

 
 
60.  Diante de uma concepção baseada na aprendizagem significativa dos conteúdos de Matemática, seu ensino deve garantir  

 
(A)  situações-problema ligadas às experiências cotidianas dos alunos. 

 
(B)  a sistematização dos conteúdos apreendidos para que os mesmos sejam úteis. 

 
(C)  que a assimilação do conhecimento por parte dos alunos ocorra de forma sistemática e constante. 

 
(D)  o trabalho em duplas para que os conhecimentos assimilados possam ser compartilhados. 

Caderno de Prova ’G’, Tipo 001