Prova Concurso - Arquitetura - 2013-AL-RN-ANALISTA-LEGISLATIVO-ARQUITETURA - FCC - AL - 2013

Prova - Arquitetura - 2013-AL-RN-ANALISTA-LEGISLATIVO-ARQUITETURA - FCC - AL - 2013

Detalhes

Profissão: Arquitetura
Cargo: 2013-AL-RN-ANALISTA-LEGISLATIVO-ARQUITETURA
Órgão: AL
Banca: FCC
Ano: 2013
Nível: Superior

Downloads dos Arquivos

prova.pdf
gabarito.pdf

Provas relacionadas

ARQUITETOEBSERH2018
ESPECIALISTA-PORTUARIO-ARQUITETURAEMAP2018
ARQUITETOPREFEITURA2018

Gabarito

fcc-2013-al-rn-analista-legislativo-arquitetura-gabarito.pdf-html.html

 

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Norte 

Analista Legislativo, Assessor Técnico do Controle Interno e Técnico Legislativo 

 

Relação dos gabaritos 

 

CONHEC. GERAIS/ CONHEC. ESPECÍFICOS/ REDAÇÃO 

Cargo ou opção A01 - ANALISTA LEGISLATIVO - ANALISTA LEGISLATIVO 

Tipo gabarito 1 

 

CONHEC. GERAIS/ CONHEC. ESPECÍFICOS/ REDAÇÃO 

Cargo ou opção B02 - ANALISTA LEGISLATIVO - ARQUITETURA 

Tipo gabarito 1 

 

CONHEC. GERAIS/ CONHEC. ESPECÍFICOS/ REDAÇÃO 

Cargo ou opção C03 - ANALISTA LEGISLATIVO - ANALISTA DE SISTEMA 

Tipo gabarito 1 

 

 

 

001 - D
002 - B 
003 - D
004 - C 
005 - D
006 - B 
007 - B 
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - C 
012 - A
013 - B 
014 - E 
015 - E 
016 - B 
017 - A
018 - A
019 - E 
020 - D

 

021 - E 
022 - E 
023 - A
024 - C 
025 - C 
026 - B 
027 - D
028 - D
029 - A
030 - B 

 

031 - A
032 - B 
033 - B 
034 - E 
035 - C 
036 - D
037 - B 
038 - E 
039 - C 
040 - D

 

041 - D
042 - B 
043 - B 
044 - D
045 - A
046 - E 
047 - C 
048 - A
049 - C 
050 - E 

 

051 - D
052 - E 
053 - C 
054 - E 
055 - A
056 - B 
057 - D
058 - C 
059 - A
060 - A

 

001 - D
002 - B 
003 - D
004 - C 
005 - D
006 - B 
007 - B 
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - D
014 - A
015 - A
016 - C 
017 - A
018 - B 
019 - E 
020 - E 

 

021 - B 
022 - A
023 - A
024 - E 
025 - D
026 - E 
027 - E 
028 - B 
029 - D
030 - A

 

031 - D
032 - A
033 - A
034 - E 
035 - D
036 - B 
037 - D
038 - E 
039 - B 
040 - C 

 

041 - C 
042 - A
043 - C 
044 - B 
045 - A
046 - E 
047 - A
048 - C 
049 - E 
050 - D

 

051 - B 
052 - B 
053 - D
054 - A
055 - D
056 - D
057 - C 
058 - B 
059 - E 
060 - C 

 

001 - D
002 - B 
003 - D
004 - C 
005 - D
006 - B 
007 - B 
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - D
014 - A
015 - A
016 - C 
017 - A
018 - B 
019 - E 
020 - E 

 

021 - B 
022 - A
023 - A
024 - E 
025 - D
026 - E 
027 - E 
028 - B 
029 - D
030 - A

 

031 - E 
032 - B 
033 - D
034 - B 
035 - C 
036 - D
037 - C 
038 - A
039 - D
040 - C 

 

041 - A
042 - E 
043 - A
044 - C 
045 - B 
046 - E 
047 - D
048 - D
049 - E 
050 - A

 

051 - B 
052 - B 
053 - C 
054 - A
055 - E 
056 - E 
057 - D
058 - A
059 - C 
060 - B 

 

fcc-2013-al-rn-analista-legislativo-arquitetura-gabarito.pdf-html.html

CONHEC. GERAIS/ CONHEC. ESPECÍFICOS/ REDAÇÃO 

Cargo ou opção D04 - ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA 

Tipo gabarito 1 

 

CONHEC. GERAIS/ CONHEC. ESPECÍFICOS/ REDAÇÃO 

Cargo ou opção E05 - ANALISTA LEGISLATIVO - ENFERMAGEM 

Tipo gabarito 1 

 

CONHEC. GERAIS/ CONHEC. ESPECÍFICOS/ REDAÇÃO 

Cargo ou opção F06 - ANALISTA LEGISLATIVO - ENGENHARIA CIVIL 

Tipo gabarito 1 

 

 

 

 

 

 

 

001 - D
002 - B 
003 - D
004 - C 
005 - D
006 - B 
007 - B 
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - D
014 - A
015 - A
016 - C 
017 - A
018 - B 
019 - E 
020 - E 

 

021 - B 
022 - A
023 - A
024 - E 
025 - D
026 - E 
027 - E 
028 - B 
029 - D
030 - A

 

031 - C 
032 - D
033 - C 
034 - A
035 - E 
036 - E 
037 - B 
038 - A
039 - E 
040 - C 

 

041 - D
042 - D
043 - A
044 - E 
045 - B 
046 - B 
047 - C 
048 - E 
049 - A
050 - D

 

051 - A
052 - D
053 - E 
054 - B 
055 - B 
056 - C 
057 - B 
058 - C 
059 - C 
060 - A

 

001 - D
002 - B 
003 - D
004 - C 
005 - D
006 - B 
007 - B 
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - D
014 - A
015 - A
016 - C 
017 - A
018 - B 
019 - E 
020 - E 

 

021 - B 
022 - A
023 - A
024 - E 
025 - D
026 - E 
027 - E 
028 - B 
029 - D
030 - A

 

031 - D
032 - A
033 - D
034 - A
035 - A
036 - C 
037 - C 
038 - B 
039 - E 
040 - E 

 

041 - C 
042 - E 
043 - C 
044 - B 
045 - B 
046 - D
047 - B 
048 - D
049 - D
050 - A

 

051 - E 
052 - D
053 - B 
054 - E 
055 - A
056 - C 
057 - A
058 - B 
059 - D
060 - C 

 

001 - D
002 - B 
003 - D
004 - C 
005 - D
006 - B 
007 - B 
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - D
014 - A
015 - A
016 - C 
017 - A
018 - B 
019 - E 
020 - E 

 

021 - B 
022 - A
023 - A
024 - E 
025 - D
026 - E 
027 - E 
028 - B 
029 - D
030 - A

 

031 - E 
032 - A
033 - A
034 - D
035 - B 
036 - D
037 - D
038 - B 
039 - B 
040 - E 

 

041 - E 
042 - C 
043 - C 
044 - A
045 - C 
046 - A
047 - E 
048 - B 
049 - D
050 - D

 

051 - B 
052 - A
053 - E 
054 - C 
055 - C 
056 - C 
057 - A
058 - D
059 - A
060 - B 

 

fcc-2013-al-rn-analista-legislativo-arquitetura-gabarito.pdf-html.html

CONHEC. GERAIS/ CONHEC. ESPECÍFICOS/ REDAÇÃO 

Cargo ou opção G07 - ANALISTA LEGISLATIVO - JORNALISMO 

Tipo gabarito 1 

 

CONHEC. GERAIS/ CONHEC. ESPECÍFICOS/ REDAÇÃO 

Cargo ou opção H08 - ANALISTA LEGISLATIVO - MEDICINA - CLÍNICA 

GERAL 

Tipo gabarito 1 

 

CONHEC. GERAIS/ CONHEC. ESPECÍFICOS/ REDAÇÃO 

Cargo ou opção I09 - ANALISTA LEGISLATIVO - PSICOLOGIA 

Tipo gabarito 1 

 

 

 

 

 

 

001 - D
002 - B 
003 - D
004 - C 
005 - D
006 - B 
007 - B 
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - D
014 - A
015 - A
016 - C 
017 - A
018 - B 
019 - E 
020 - E 

 

021 - B 
022 - A
023 - A
024 - E 
025 - D
026 - E 
027 - E 
028 - B 
029 - D
030 - A

 

031 - E 
032 - E 
033 - B 
034 - D
035 - B 
036 - E 
037 - A
038 - A
039 - C 
040 - A

 

041 - C 
042 - C 
043 - A
044 - D
045 - D
046 - B 
047 - D
048 - E 
049 - A
050 - A

 

051 - A
052 - C 
053 - C 
054 - B 
055 - E 
056 - C 
057 - B 
058 - D
059 - D
060 - C 

 

001 - D
002 - B 
003 - D
004 - C 
005 - D
006 - B 
007 - B 
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - D
014 - A
015 - A
016 - C 
017 - A
018 - B 
019 - E 
020 - E 

 

021 - B 
022 - A
023 - A
024 - E 
025 - D
026 - E 
027 - E 
028 - B 
029 - D
030 - A

 

031 - C 
032 - A
033 - D
034 - C 
035 - D
036 - E 
037 - A
038 - A
039 - B 
040 - E 

 

041 - D
042 - B 
043 - C 
044 - C 
045 - E 
046 - B 
047 - A
048 - E 
049 - C 
050 - B 

 

051 - D
052 - A
053 - A
054 - C 
055 - D
056 - B 
057 - E 
058 - D
059 - E 
060 - B 

 

001 - D
002 - B 
003 - D
004 - C 
005 - D
006 - B 
007 - B 
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - D
014 - A
015 - A
016 - C 
017 - A
018 - B 
019 - E 
020 - E 

 

021 - B 
022 - A
023 - A
024 - E 
025 - D
026 - E 
027 - E 
028 - B 
029 - D
030 - A

 

031 - C 
032 - E 
033 - A
034 - E 
035 - C 
036 - D
037 - B 
038 - C 
039 - A
040 - E 

 

041 - D
042 - B 
043 - B 
044 - D
045 - C 
046 - E 
047 - D
048 - A
049 - D
050 - B 

 

051 - E 
052 - D
053 - A
054 - C 
055 - A
056 - B 
057 - A
058 - B 
059 - E 
060 - C 

 

fcc-2013-al-rn-analista-legislativo-arquitetura-gabarito.pdf-html.html

CONHEC. GERAIS/ CONHEC. ESPECÍFICOS/ REDAÇÃO 

Cargo ou opção J10 - ASSESSORIA TÉCNICA DO CONTROLE INTERNO 

Tipo gabarito 1 

 

CONHEC. GERAIS/ CONHEC. ESPECÍFICOS/ REDAÇÃO 

Cargo ou opção K11 - TÉCNICO LEGISLATIVO - TÉCNICO LEGISLATIVO 

Tipo gabarito 1 

 

CONHEC. GERAIS/ CONHEC. ESPECÍFICOS/ ESTUDO DE CASO 

Cargo ou opção L12 - TÉCNICO LEGISLATIVO - OPERADOR DE SOM 

Tipo gabarito 1 

 

 

 

 

 

 

 

001 - B 
002 - E 
003 - C 
004 - C 
005 - E 
006 - D
007 - A
008 - B 
009 - D
010 - B 

 

011 - D
012 - C 
013 - A
014 - C 
015 - B 
016 - E 
017 - E 
018 - A
019 - A
020 - D

 

021 - A
022 - E 
023 - A
024 - D
025 - E 
026 - C 
027 - D
028 - B 
029 - A
030 - A

 

031 - E 
032 - A
033 - C 
034 - B 
035 - A
036 - C 
037 - C 
038 - E 
039 - C 
040 - E 

 

041 - D
042 - B 
043 - D
044 - C 
045 - D
046 - C 
047 - A
048 - B 
049 - D
050 - C 

 

051 - E 
052 - B 
053 - D
054 - A
055 - A
056 - C 
057 - E 
058 - C 
059 - E 
060 - B 

 

001 - A
002 - B 
003 - D
004 - B 
005 - B 
006 - C 
007 - E 
008 - D
009 - C 
010 - D

 

011 - A
012 - A
013 - D
014 - B 
015 - A
016 - E 
017 - E 
018 - C 
019 - E 
020 - D

 

021 - B 
022 - E 
023 - B 
024 - C 
025 - C 
026 - A
027 - C 
028 - A
029 - D
030 - D

 

031 - A
032 - E 
033 - D
034 - E 
035 - C 
036 - E 
037 - B 
038 - D
039 - C 
040 - C 

 

041 - A
042 - C 
043 - A
044 - E 
045 - D
046 - E 
047 - B 
048 - D
049 - A
050 - B 

 

051 - C 
052 - E 
053 - A
054 - B 
055 - B 
056 - B 
057 - D
058 - D
059 - C 
060 - A

 

001 - A
002 - E 
003 - D
004 - E 
005 - C 
006 - E 
007 - B 
008 - D
009 - E 
010 - B 

 

011 - D
012 - A
013 - C 
014 - E 
015 - A
016 - B 
017 - B 
018 - A
019 - B 
020 - D

 

021 - A
022 - B 
023 - D
024 - B 
025 - A
026 - A
027 - D
028 - B 
029 - E 
030 - B 

 

031 - D
032 - B 
033 - D
034 - C 
035 - B 
036 - A
037 - B 
038 - C 
039 - B 
040 - E 

 

041 - E 
042 - D
043 - C 
044 - A
045 - D
046 - C 
047 - B 
048 - E 
049 - B 
050 - A

 

051 - A
052 - E 
053 - D
054 - C 
055 - E 
056 - A
057 - C 
058 - E 
059 - A
060 - D

 

fcc-2013-al-rn-analista-legislativo-arquitetura-gabarito.pdf-html.html

CONHEC. GERAIS/ CONHEC. ESPECÍFICOS/ ESTUDO DE CASO 

Cargo ou opção M13 - TÉCNICO LEGISLATIVO - PROGRAMADOR 

Tipo gabarito 1 

 

CONHEC. GERAIS/ CONHEC. ESPECÍFICOS/ REDAÇÃO 

Cargo ou opção N14 - TÉCNICO LEGISLATIVO - TAQUIGRAFIA 

Tipo gabarito 1 

 

CONHEC. GERAIS/ CONHEC. ESPECÍFICOS/ ESTUDO DE CASO 

Cargo ou opção O15 - TÉCNICO LEGISLATIVO - TÉCNICO EM HARDWARE 

Tipo gabarito 1 

 

001 - A
002 - E 
003 - D
004 - E 
005 - C 
006 - E 
007 - B 
008 - D
009 - E 
010 - B 

 

011 - D
012 - A
013 - C 
014 - E 
015 - A
016 - B 
017 - B 
018 - A
019 - B 
020 - D

 

021 - A
022 - B 
023 - D
024 - B 
025 - A
026 - A
027 - D
028 - B 
029 - E 
030 - B 

 

031 - A
032 - C 
033 - A
034 - C 
035 - B 
036 - B 
037 - E 
038 - D
039 - A
040 - E 

 

041 - D
042 - B 
043 - E 
044 - E 
045 - A
046 - B 
047 - C 
048 - C 
049 - A
050 - D

 

051 - D
052 - B 
053 - D
054 - C 
055 - E 
056 - E 
057 - C 
058 - D
059 - C 
060 - A

 

001 - C 
002 - E 
003 - A
004 - B 
005 - B 
006 - A
007 - B 
008 - D
009 - B 
010 - B 

 

011 - C 
012 - E 
013 - D
014 - C 
015 - D
016 - A
017 - A
018 - D
019 - B 
020 - A

 

021 - E 
022 - E 
023 - C 
024 - E 
025 - D
026 - B 
027 - E 
028 - B 
029 - C 
030 - C 

 

031 - C 
032 - B 
033 - B 
034 - D
035 - E 
036 - D
037 - E 
038 - C 
039 - D
040 - C 

 

041 - A
042 - A
043 - E 
044 - E 
045 - C 
046 - A
047 - C 
048 - C 
049 - A
050 - E 

 

051 - E 
052 - A
053 - D
054 - B 
055 - A
056 - E 
057 - B 
058 - D
059 - B 
060 - B 

 

001 - A
002 - E 
003 - D
004 - E 
005 - C 
006 - E 
007 - B 
008 - D
009 - E 
010 - B 

 

011 - D
012 - A
013 - C 
014 - E 
015 - A
016 - B 
017 - B 
018 - A
019 - B 
020 - D

 

021 - A
022 - B 
023 - D
024 - B 
025 - A
026 - A
027 - D
028 - B 
029 - E 
030 - B 

 

031 - C 
032 - A
033 - E 
034 - C 
035 - A
036 - C 
037 - E 
038 - B 
039 - E 
040 - D

 

041 - B 
042 - D
043 - A
044 - C 
045 - A
046 - A
047 - B 
048 - B 
049 - E 
050 - D

 

051 - E 
052 - D
053 - A
054 - D
055 - B 
056 - D
057 - C 
058 - B 
059 - C 
060 - E 

 

Prova

fcc-2013-al-rn-analista-legislativo-arquitetura-prova.pdf-html.html

N do Caderno

o

N de Inscrição

o

ASSINATURA DO CANDIDATO

N do Documento

o

Nome do Candidato

P R O V A

A

C D E

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

Analista Legislativo

Habilitação Arquitetura

Concurso Público para provimento de cargos de

Conhecimentos Gerais
Conhecimentos Específicos
Discursiva - Redação

INSTRUÇÕES

VOCÊ DEVE

ATENÇÃO

- Verifique se este caderno:

- corresponde a sua opção de cargo.

- contém 60 questões, numeradas de 1 a 60.

- contém a proposta e o espaço para o rascunho da redação.

Caso contrário, reclame ao fiscal da sala um outro caderno.

Não serão aceitas reclamações posteriores.

- Para cada questão existe apenas UMA resposta certa.

- Você deve ler cuidadosamente cada uma das questões e escolher a resposta certa.

- Essa resposta deve ser marcada na FOLHA DE RESPOSTAS que você recebeu.

- Procurar, na FOLHA DE RESPOSTAS, o número da questão que você está respondendo.

- Verificar no caderno de prova qual a letra (A,B,C,D,E) da resposta que você escolheu.

- Marcar essa letra na FOLHA DE RESPOSTAS, conforme o exemplo:

- Ler o que se pede na Prova Discursiva - Redação e utilizar, se necessário, o espaço para rascunho.

- Marque as respostas primeiro a lápis e depois cubra com caneta esferográfica de material transparente de tinta preta.

- Marque apenas uma letra para cada questão, mais de uma letra assinalada implicará anulação dessa questão.

- Responda a todas as questões.

- Não será permitida qualquer espécie de consulta, nem o uso de máquina calculadora.

- Em hipótese alguma o rascunho da Prova Discursiva - Redação será corrigido.

- A duração da prova é de 4 horas e 30 minutos para responder a todas as questões objetivas, preencher a Folha de

Respostas, e fazer a Prova Discursiva - Redação (rascunho e transcrição) na folha correspondente.

- Ao término da prova, chame o fiscal da sala e devolva todo o material recebido.

- Proibida a divulgação ou impressão parcial ou total da presente prova. Direitos Reservados.

Setembro/2013

Caderno de Prova ’B02’, Tipo 001

MODELO

0000000000000000

MODELO1

00001−0001−0001

fcc-2013-al-rn-analista-legislativo-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

ALERN-Conhecimentos Gerais

3

 

 

CONHECIMENTOS GERAIS 

 

Língua Portuguesa 

 

Atenção:   O texto abaixo refere-se às questões de números 1 a 4. 

 

Código é poesia 

 

A expressão, usada como slogan pela plataforma 

Wordpress, é controversa. Comparar a nobre arte poética com a 
técnica da programação parece sacrilégio. 

Código é frio e calculado, precisa ser objetivo, não pode 

dar margem a interpretações. O que isso tem em comum com a 
artesania de palavras que compõe um verso? 

A relação entre as duas áreas tem origens medievais. 

Até o século 12 não se calculava com números na Europa. Para 
isso existiam os ábacos. Derivados do sistema romano, núme-
ros eram apenas um tipo de letra usada para registrar quantias. 

Entre as muitas invenções estão a Álgebra e os Algorit-

mos que, com equações algébricas, usam expressões para rea-
lizar operações. Também sintéticas, essas frases em línguas 
estranhas (SQL, JavaScript, HTML) têm sintaxe, ortografia e 
métricas precisas. 

A semelhança entre código e poesia vai além de sintaxe 

e frases curtas. Ambas têm propósito, sentido e estrutura. Por 
motivos diferentes, precisam ser elegantes e concisas. 

Bom código, como boa poesia, não "acontece" natural-

mente, nem pode ser gerado a partir de dicionários de rimas. 
Demanda disciplina, talento e trabalho duro. 

Algoritmos bem desenvolvidos, como poesias bem 

escritas, seguem fluxos naturais de ideias. Tudo neles parece 
estar no lugar correto, nada pode ser removido, cada linha 
emenda naturalmente na próxima. 

O fluxo de operações não é determinado pela estrutura 

gramatical, mas pela forma com que cada ideia se conecta à 
seguinte, complementando a anterior. Linhas de código, como 
versos, fazem referências cruzadas, em que cada parte ampli-
fica e sintetiza o que a antecedeu. 

Muitos preguiçosos autointitulados poetas apenas por 

serem capazes de rimar as palavras no fim de duas linhas se 
espantam porque ninguém suporta lê-los ou ouvi-los. Dode-
cassílabos, alexandrinos, heroicos ou redondilhas, poemas pre-
cisam de estrutura. Como eles, os novos programas compu-
tacionais e sonetos algorítmicos demandam estruturas e méto-
dos para serem devidamente apreciados. 

Programar websites e aplicativos é complexo, mas não é 

impossível, nem restrito a mentes brilhantes e especiais. Da 
mesma forma que todos podem escrever, todos podem progra-
mar. Com engenho e arte, novos talentos podem fazer o que 
Chico, Caetano e Gil fizeram com os versos da nossa música. 

Mas só se poderá cultivá-los quando o preconceito que 

se tem com relação aos desenvolvedores for substituído pela 
admiração que temos por quem garimpa a beleza oculta na 
última flor do Lácio. 

(Adaptado do texto de Luli Radfahrer, Folha de S. Paulo, Folha 
Tec, 29/07/2013) 

1. 

De acordo com o texto: 

 

(A)  não se deve comparar poesia e programação, por-

que é uma presunção, embora ambas tenham muito 
em comum: dependem de conhecimentos e esforços 
para atingir um bom resultado. 

 

(B)  é necessário que código e poesia, embora necessi-

tando de conhecimentos e esforços por parte do 
programador e do poeta, se construam com a sim-
plicidade das coisas naturais. 

 

(C)  há uma estrutura gramatical, uma sintaxe que ultra-

passa o uso de rimas e de receitas, que amplifica e 
sintetiza códigos e formas que devem ser seguidas 
para se atingir os objetivos. 

 

(D)  devem-se considerar as peculiaridades de cada uma 

das atividades, mas ambas têm em comum a difi-
culdade de um bom desenvolvimento de suas estru-
turas, de sua sintaxe. 

 

(E)  é necessário que os poemas que são construídos 

por mentes brilhantes e mesmo os programas com-
putacionais respeitem os códigos para que sejam 
frios, concisos e admiráveis. 

_________________________________________________________ 

 

2. 

De acordo com o texto, o autor pensa que 

 

(A)  os maus poetas não conhecem as regras de progra-

mação, por isso usam apenas rimas e faltam-lhes as 
conexões. 

 

(B)  os bons programadores e os bons poetas estabe-

lecem conexões entre ideias de maneira a torná-las 
complementares. 

 

(C)  os programadores sabem extrair de seus “sonetos” a 

artesania que os constrói e infundir-lhes fluxo apre-
ciável. 

 

(D)  os bons poetas são como bons programadores, sem-

pre atentos às possibilidades das rimas e dos có-
digos. 

 

(E)  os bons poetas, como os bons programadores, so-

frem com os preconceitos das pessoas que não 
sabem valorizá-los. 

_________________________________________________________ 

 

3. 

Conforme os dois últimos parágrafos do texto, 

 

(A)  fazer com engenho e arte significa admirar a beleza 

oculta da poesia, dos códigos e dos números. 

 

(B)  só serão reconhecidos os programadores que sou-

berem garimpar bem a última flor do Lácio. 

 

(C)  garimpar a última flor do Lácio é uma condição bási-

ca tanto para os que escrevem poesia como códi-
gos. 

 

(D)  é preciso que se reconheça o valor das atividades 

dos programadores tal como o dos compositores. 

 

(E)  não se podem

 

ter preconceitos com os que cultivam 

a beleza que se esconde na última flor do Lácio.

Caderno de Prova ’B02’, Tipo 001

fcc-2013-al-rn-analista-legislativo-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

ALERN-Conhecimentos Gerais

3

 

4. 

A frase que se encontra na voz passiva analítica é: 

 

(A)  Um bom código como uma boa poesia demandam 

disciplina, talento e trabalho duro. 

 
(B)  Até o século 12, não se calculava com números na 

Europa, mas existiam os ábacos. 

 
(C)  O fluxo de operações não é determinado nem mes-

mo pela estrutura gramatical. 

 
(D)  A expressão que se usa como slogan pela plata-

forma Wordpress é controversa. 

 
(E)  Muitos preguiçosos autointitulados poetas se espan-

tam, pois ninguém suporta lê-los. 

_________________________________________________________ 

 

Atenção:   O texto abaixo refere-se às questões de números 5 e 6. 
 

 

Quando os jornalistas são questionados, eles respondem 

de fato: “nenhuma pressão é feita sobre mim, escrevo o que 

quero”. E isso é verdade. Apenas deveríamos acrescentar que, 

se eles assumissem posições contrárias às normas dominantes, 

não escreveriam mais seus editoriais. Não se trata de uma 

regra absoluta, é claro. Eu mesmo sou publicado na mídia 

norte-americana. Os Estados Unidos não são um país tota-

litário. (...) Com certo exagero, nos países totalitários, o Estado 

decide a linha a ser seguida e todos se devem conformar. As 

sociedades democráticas funcionam de outra forma: a linha 

jamais é anunciada como tal; ela é subliminar. Realizamos, de 

certa forma, uma “lavagem cerebral em liberdade”. Na grande 

mídia, mesmo os debates mais apaixonados se situam na esfe-

ra dos parâmetros implicitamente consentidos – o que mantém 

na marginalidade muitos pontos de vista contrários. 

(Adaptado de: Revista Le Monde Diplomatique Brasil, ago. 
2007 

− texto de entrevista com Noam Chomsky) 

 

 

5. 

É correto afirmar que Chomsky considera que a mídia não 
é totalmente livre 

 

(A)  porque depende das tendências de cada jornalista. 
 
(B)  porque realiza uma “lavagem cerebral” na própria 

mídia. 

 
(C)  por desobedecer a parâmetros impostos pela demo-

cracia. 

 
(D)  por ter padrões que são subliminarmente consen-

tidos. 

 
(E)  porque ela serve de veículo às ideias democráti- 

cas. 

6. 

Quando os jornalistas são questionados, eles respon-
dem de fato: “nenhuma pressão é feita sobre mim, escre-
vo o que quero”. E isso é verdade. Apenas deveríamos 
acrescentar que, se eles assumissem posições contrárias 
às normas dominantes, não escreveriam mais seus edi-
toriais.
 

 
 

O texto acima, reescrito corretamente e de maneira a 
conservar sentido semelhante encontra-se em: 

 

(A)  Quando os jornalistas eram questionados, respon-

dem mesmo que nenhuma pressão era feita sobre 
eles, porque escreviam como que queriam. Afirma-
ção com a qual concordo, mas creio se deva acres-
centar que, caso eles assumam posições contrárias 
às normas dominantes, talvez não escrevessem 
mais seus editoriais. 

 
(B)  Ao serem questionados, os jornalistas respondem 

mesmo que nenhuma pressão é feita sobre eles, 
porque escrevem o que querem. Afirmação com a 
qual concordo, mas creio se devesse acrescentar 
que, caso eles assumissem posições contrárias às 
normas dominantes, não escreveriam mais seus 
editoriais. 

 
(C)  Ao serem questionados, os jornalistas responderam 

mesmo que nenhuma pressão era feita sobre eles, 
porque escrevem o que querem. Afirmação ver-
dadeira, por isso creio que eles deveriam acres-
centar que, assumindo posições contrárias às nor-
mas dominantes, continuariam a escreveriam seus 
editoriais. 

 
(D)  Quando os jornalistas foram questionados, respon-

deram mesmo que nenhuma pressão é feita sobre 
eles, porque escreviam como que queriam. Afir-
mação verdadeira, mas creio que eles devem acres-
centar que, ao assumir posições contrárias às nor-
mas dominantes, talvez não escrevessem mais seus 
editoriais. 

 
(E)  Quando os jornalistas forem questionados, respon-

dem mesmo que nenhuma pressão é feita sobre 
eles, porque escrevem como querem. Afirmação ver-
dadeira, mas creio que eles devem acrescentar que, 
ao assumir posições contrárias às normas domi-
nantes, talvez não escrevam mais seus editoriais. 

_________________________________________________________ 

 

7. 

Está correta a regência nominal e verbal em: 

 

(A)  O velho jornalista sempre aspirara aquele cargo, 

pois tinha de objetivo poder reestruturar a redação 
dos jornais impresso e on-line

 
(B)  Lembrou-se de que o amigo gostaria de ter realizado 

a nova programação, mas isso não lhe fora possível 
devido às suas condições de saúde. 

 
(C)  Teria sido necessário informar-lhe dos códigos de 

programação e das regras que regem o uso das 
rimas em língua portuguesa. 

 
(D)  O juiz isentou-lhe da culpa, uma vez que se cons-

tatou que ele não tivera participação nos aconte-
cimentos daquela tarde esportiva. 

 
(E)  Tivera muitas dúvidas em relação que profissão de-

veria seguir, mas descobriu, ao conhecer as lin-
guagens JAVA e HTML, que gostaria mesmo ser um 
programador.

Caderno de Prova ’B02’, Tipo 001

fcc-2013-al-rn-analista-legislativo-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

ALERN-Conhecimentos Gerais

3

 

8. 

O sinal da crase está corretamente empregado em: 
 
(A)  Chegando à cidade de seus avós, iriam dirigir-se a 

casa da família. A tarde fariam um passeio pela ci-
dade e voltariam a casa à noitinha. 

 
(B)  O avião chegou a Roma às 6h00, mas os passagei-

ros só desceram a terra às 6h30min. Alguns conti-
nuariam a viagem, pois iriam visitar à terra de seus 
antepassados. 

 
(C)  Deviam embarcar às 21h00, mas estavam atrasados 

por causa de um congestionamento que começara a 
900 m do desembarque. Assim, chegados à distân-
cia de 100 m desse local, seguiram a pé para não 
perderem a viagem. 

 
(D)  Uma carta dirigida à Sua Excelência, o juiz da co-

marca, foi entregue à secretária, pois havia vários 
lugares a conhecer e pessoas à visitar. 

 
(E)  Terminada a viagem, todos chegariam à casa satis-

feitos, após terem ido às compras para presentear 
seus familiares que os aguardavam à distância, em 
seus países. 

 
 
9. 

A pontuação está correta em: 
 
(A)  O áspero comentário, que se refere à notícia de que 

os parlamentares cancelaram seu encontro com o 
papa, foi realizado por uma pessoa descontente com 
o tratamento dado à saúde pública que assim se 
pronunciou: 

 

– Tem de cancelar mesmo! deem as verbas para as 
santas casas e hospitais públicos, nada de fazer 
média à custa de quem não tem como tratar da 
saúde, devido a hospitais sem leitos, sem médicos. 

 
(B)  O áspero comentário que se refere à notícia, de que 

os parlamentares cancelaram seu encontro com o 
papa, foi realizado por uma pessoa descontente, 
com o tratamento dado à saúde pública. Tem de 
cancelar mesmo, deem as verbas para as santas 
casas e hospitais públicos. Nada de fazer média à 
custa de quem não tem como tratar da saúde, 
devido a hospitais sem leitos, sem médicos. 

 
(C)  O áspero comentário, que se refere à notícia de que 

os parlamentares, cancelaram seu encontro com o 
papa, foi realizado por uma pessoa descontente, 
com o tratamento dado à saúde pública: 

 

– Tem de cancelar mesmo, deem as verbas para as 
santas casas e hospitais públicos. Nada de fazer 
média à custa de quem não tem, como tratar da 
saúde; devido a hospitais sem leitos, sem médicos. 

 
(D)  O áspero comentário que se refere, à notícia de que 

os parlamentares cancelaram seu encontro com o 
papa, foi realizado por uma pessoa descontente com 
o tratamento dado à saúde pública. 

 

– Tem de cancelar mesmo! deem as verbas para as 
santas casas e hospitais públicos, nada de fazer 
média à custa de quem não tem, como tratar da 
saúde, devido a hospitais sem leitos, sem médicos. 

 
(E)  O áspero comentário que se refere à notícia de que 

os parlamentares cancelaram, seu encontro com o 
papa foi realizado por uma pessoa descontente, com 
o tratamento dado à saúde pública: – “Tem de 
cancelar mesmo, deem as verbas para as santas 
casas e hospitais públicos, nada de fazer média, à 
custa de quem não tem como tratar da saúde, 
devido a hospitais sem leitos, sem médicos”. 

10.  O uso correto da concordância nominal e verbal está em: 

 

(A)  A surpresa é os prêmios e era preciso a coragem 

para descartar as grandes emoção e as lágrimas. 

 

(B)  Os falsos poetas perceberam que haviam muitas 

estruturas poéticas que ainda desconheciam. 

 

(C)  Aos poetas, foi-lhe penoso participar daquelas 

concentrações monstros na frente da academia. 

 

(D)  As artistas com seus trajes amarelo-laranja, haviam 

horas que aguardavam para se apresentarem. 

 

(E)  Eu mesma, na qualidade de defensora do meu cargo 

de programador, busco criatividade. 

_________________________________________________________ 

 

Atenção:  O texto abaixo refere-se às questões de números  

11 a 13. 

 
 

“Amazônia", neste início de milênio, é uma das palavras 

mais bem ou mal ditas no planeta Terra. Sobre ela pesam afir-
mações como "pulmão do mundo", "floresta tropical de maior 
biodiversidade do planeta", "inferno verde", "na Amazônia está 
quase um terço da água doce do mundo" etc. São razões 
suficientes para que se voltem, para essa região, olhares, rada-
res, cobiças e preocupações de povos, países, organizações 
mundiais, empresas e cientistas. A Amazônia é tema indispen-
sável desde as casernas mais nacionalistas até os pesquisa-
dores mais preocupados com o futuro do nosso planeta, que 
ainda tem uma escora nessa região. Diz-se até que o futuro terá 
que passar necessariamente pela Amazônia. 

Hoje, o avanço capitalista sobre a Amazônia é como 

uma fera, quase indomável. Motosserras e tratores fazem parte 
de programas oficiais de devastação. As grandes serrarias, que 
já exauriram o potencial madeireiro em outras regiões do 
mundo, agora seguem resolutas em direção à Amazônia, vesti-
das em peles de cordeiro, com o discurso da "explora-
ção/devastação sustentável", ostentando diplomas de "certifica-
ção verde" e com projetos de "autossustentabilidade" na Ama-
zônia. Quem vivenciou a devastação em décadas passadas tem 
razões de sobra para prever novas catástrofes ambientais. 

(Texto adaptado de: Egon Heck, Francisco Loebens e Priscila 
D. Carvalho. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/ 
v19n53/24091.pdf

 

 

11.  De acordo com o texto, a Amazônia é 

 

(A)  uma região, embora rica, um verdadeiro “inferno ver-

de”, que tem sido devastada por pesquisadores de 
todo o mundo. 

 

(B)  uma fera indomável que precisa ser vista e res-

peitada pelos capitalistas que a veem como um “pul-
mão do mundo”. 

 

(C)  tema da caserna, porque os militares nacionalistas 

têm-se preparado para defendê-la de cobiças e 
ataques externos. 

 

(D)  tema das grandes serrarias que, por necessidades 

de sua sustentabilidade, apresentam, à exaustão, 
projetos de preservação. 

 

(E)  uma região que, por todos os predicativos que lhe 

atribuem, deve merecer um olhar mais atento, para 
não ser exaurida. 

Caderno de Prova ’B02’, Tipo 001

fcc-2013-al-rn-analista-legislativo-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

ALERN-Conhecimentos Gerais

3

 

12.  A Amazônia é tema indispensável desde as casernas 

mais nacionalistas até os pesquisadores mais preocu-
pados com o futuro do nosso planeta, que ainda tem uma 
escora nessa região.
 

 

 

A frase em que a palavra escora mantém o mesmo sen-
tido do texto é: 

 

(A)  Os madeireiros se utilizam da retirada da madeira 

como  escora em uma exploração nada sustentável 
no desmate da floresta. 

 

(B)  Os povos da floresta utilizam-na como escora para 

suprir todas as suas necessidades: alimento, mora-
dia, vestimenta. 

 

(C)  Os índios usam mais de uma escora na construção 

de suas cabanas com o objetivo de torná-las mais 
fortes e imunes às tempestades. 

 

(D)  Os povos da floresta disputam com os madeirerios 

as  escoras disponíveis na mata para a construção 
de cercados. 

 

(E)  Os índios valem-se de galhos de pequenos arbustos 

como escora para melhor caminharem na floresta. 

_________________________________________________________ 

 

13.  As grandes serrarias, que já exauriram o potencial ma-

deireiro em outras regiões do mundo, agora seguem re-
solutas em direção à Amazônia, vestidas em peles de 
cordeiro.
 

 

 

O trecho reescrito, sem prejuízo do sentido e da correção, 
está em: 

 

(A)  As grandes serrarias, que já se fartaram do potencial 

madeireiro em outras regiões do mundo, agora, ves-

tidas em peles de cordeiro, observam com cuidado 
as potencialidades resolutas da Amazônia. 

 

(B)  As grandes serrarias, que já se fartaram do potencial 

madeireiro em outras regiões do mundo, neste mo-
mento, vestidas em peles de cordeiro, resolveram 
considerar cuidadosamente o potencial da Amazônia. 

 

(C)  Vestidas em peles de cordeiro, as grandes serrarias, 

que já extraíram o potencial madeireiro de outras re-

giões da Amazônia, agora resolveram observar com 
mais cuidado suas potencialidades. 

 

(D)  Vestidas em pele de cordeiro, as grandes serrarias 

que já esgotaram as possibilidades de extração ma-
deireira em outras regiões do mundo, voltam-se, 

agora, firmemente para o potencial da Amazônia. 

 

(E)  Vestidas em peles de cordeiro, as grandes serrarias, 

que já extraíram o potencial madeireiro de outras re-
giões, seguem, com determinação, agora que resol-

veram voltar com mais cuidado a Amazônia. 

_________________________________________________________ 

 

14.  A frase correta quanto à concordância nominal e verbal 

está em: 

 

(A)  Ostentando diplomas de “certificação verde”, os ma-

deireiros deixaram a ministra do Meio Ambiente 
meio apalermada. 

 

(B)  No passado, houveram muitos militares nacionalis-

tas preocupados com a devastação da região ama-
zônica. 

 

(C)  Ao meio dia e meio, os madeireiros reuniram-se com 

os representantes das tribos para que não vão existir 
novos conflitos. 

 

(D)  Já faziam vários meses que os madeireiros e os 

representantes do governo se reuniam em busca de 
soluções sustentáveis. 

 

(E)  Aqueles que vivenciaram a devastação da Amazônia 

nas décadas passadas tem razões para prever 
novas catástrofes ambientais. 

15.  A frase corretamente escrita, de acordo com as normas 

gramaticais da língua portuguesa, é: 
 
(A)  Neste início de século, as atividades extrativistas po-

dem ser ainda adequadas à sobrevivência dos po-
vos da floresta, desde que eles respeitem a sua 
biodiversidade, sem exaurirem seu potencial. 

 
 
(B)  Nos dias de hoje, as atividades de estração tanto da 

madeira quanto dos minérios deve ser efetuada com 
extrema cautela para que as novas gerações não 
sejam privadas das riquezas da floresta. 

 
 
(C)  Na atualidade, as políticas governamentais tem se 

voltado para a atualização de técnicas de exploração 
que respeitam os biomas; assim, as futuras gera-
ções poderão desfrutar das benesses da floresta. 

 
 
(D)  No momento atual, quando todos os olhares do 

mundo se voltam a floresta amazônica, pode-se ter 
certeza de que as futuras gerações poderão de usu-
fruir das benesses desse “pulmão do mundo”. 

 
 
(E)  Nestes dias tão conturbados, vários países voltam 

seus olhares cobiçosos a floresta amazônica, mas é 
inegável que ela pertence as nações em cujo ter-
ritório ela se encontra encravada. 

_________________________________________________________ 

 

 

Matemática e Raciocínio Lógico-Matemático 

 

16.  Na sequência (4; 11; 32; 95; . . .) a diferença entre o 6

o

 e o 

4

o

 termo é, nessa ordem, igual a 

 
(A) 280. 

 

 
(B) 637. 

 

 
(C) 756. 

 

 
(D) 189. 

 

 
(E) 567. 

_________________________________________________________ 

 

17.  Os três vendedores mais bem-sucedidos em uma loja rece-

berão um bônus, em dinheiro, diretamente proporcional ao 
seu desempenho com vendas. Eles venderam, respectiva-
mente, 63, 42 e 35 unidades de determinado produto. 
Sabe-se que o total do bônus a ser dividido entre os três é 
de R$ 3.220,00. A diferença, em reais, entre o maior e o 
menor valor recebido, nessa ordem, é igual a 
 
(A)     644,00. 
 
 
(B)     780,00. 
 
 
(C)     483,00. 
 
 
(D)     161,00. 
 
 
(E) 1.449,00. 

Caderno de Prova ’B02’, Tipo 001

fcc-2013-al-rn-analista-legislativo-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

ALERN-Conhecimentos Gerais

3

 

18.  Uma circunferência contém 11 marcas, cada uma delas no-

meada com uma letra do alfabeto, em sequência, a partir da 
letra A. Dois jogadores iniciam um jogo com as respectivas 
fichas sobre a marca da letra A. Cada um deles, em sua jo-
gada, sorteia um número em um dado comum (de 1 a 6), 
sendo que se o número sorteado for par ele avança, no 
sentido horário, o número de marcas indicada no dado, e se 
o número sorteado for ímpar ele avança, no sentido anti-
horário, o número de marcas indicada no dado. 

 
 

A

B

C

D

E

F

G

H

I

J

K

 

 
 

 

Nos seus sorteios, um dos jogadores sorteou os núme- 
ros: 4, 3, 2, 3, 6 e 5. O outro jogador sorteou os núme- 
ros 6, 6, 1, 4, 3 e 4. Após realizarem todos os movimentos 
das fichas, o maior número de marcas que estão entre as 
duas fichas é igual a 
 

(A) 9. 

 

 
(B) 6. 

 

 
(C) 8. 

 

 
(D) 7. 

 

 
(E) 5. 

_________________________________________________________ 

 

19.  O preço de uma mercadoria é controlado pelo governo. 

Durante um mês esse preço só pode ser reajustado em 
22%. Na primeira semana de um determinado mês, um 
comerciante reajustou o preço em 7%. Após cinco dias, o 
mesmo comerciante queria reajustar o preço novamente 
de forma a chegar ao limite permitido de reajuste no mês. 
O reajuste pretendido pelo comerciante é de aproximada-
mente 
 

(A) 15%. 
 
 

 

(B) 12%. 
 
 

 

(C) 19%. 
 
 

 
(D) 13%. 
 
 

 
(E) 14%. 

20.  Para  melhorar  sua logística de compras, um comerciante  
 
 

de  frutas  realizou  uma  enquete, com  540 pessoas, para  

 
 

identificar  as  preferências entre as frutas abacaxi, laranja  

 

 

e  mamão. Descobriu que  

4

3

  dessas pessoas não gosta-

vam  de abacaxi. Dentre os que gostavam de abacaxi,  

3

2

   

 

 

gostavam  também  de laranja e mamão simultaneamente.  

 
 

Os  demais  que  apreciavam abacaxi se distribuíam igual- 

 
 

mente em 3 grupos formados por aqueles que apreciavam  

 
 

apenas abacaxi ou abacaxi e laranja ou abacaxi e mamão.  

 
 

Do grupo maior,  daqueles  que não gostavam de abacaxi,  

 

 

foram  identificados  que  

5

3

  eram  apreciadores  tanto de  

 

 

mamão  como  de  laranja.  Desta  maneira, o comerciante  

 
 

identificou   que  o  número  de  pessoas  que  apreciavam  

 
 

apenas uma dessas três frutas é igual a 
 
 
(A) 243. 
 
 
(B) 105. 
 

 
(C) 135. 
 

 
(D) 162. 
 

 
(E) 177. 

_________________________________________________________ 

 

História do Rio Grande do Norte 

 

21.  O Hino do Estado do Rio Grande do Norte, oficializado em 

1957, faz referência a determinados fatos e personagens 
históricos. Considere as afirmativas abaixo. 

 

 

I

. Os 

versos 

Na vanguarda, na fúria da guerra / Já 

domaste o astuto holandês! evocam a expulsão dos 
holandeses, em 1654. 

 

 

II

. Os 

versos 

Foi de ti que o caminho encantado / Da 

Amazônia Caldeira encontrou evocam a expedição 
que, sob o comando de Francisco Caldeira Castelo 
Branco, partiu do Rio Grande em 1615 e chegou ao 
Pará. 

 

 

III

. Os 

versos 

Da conquista formaste a vanguarda, / 

Tua glória flutua em Belém! evocam o martírio do 
padre Miguelinho, preso e executado na cidade de 
Belém, sob a acusação de inconfidência. 

 

 

Está correto o que se afirma em 

 

(A) 

I

, apenas. 

 
(B) 

I

 e 

II

, apenas. 

 
(C) 

I

 e 

III

, apenas. 

 
(D) 

II

 e 

III

, apenas. 

 
(E) 

I

II

 e 

III

Caderno de Prova ’B02’, Tipo 001

fcc-2013-al-rn-analista-legislativo-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

ALERN-Conhecimentos Gerais

3

 

22.  O feriado estadual de 3 de outubro no Rio Grande do 

Norte corresponde à data 

 
(A)  do massacre de fiéis católicos, ocorrido em Uruaçu, 

comunidade de São Gonçalo do Amarante. 

 
(B)  da beatificação dos mortos na capela do Engenho 

de Cunhaú, município de Canguaretama. 

 
(C)  da invasão da capela do Engenho de Cunhaú por 

holandeses aliados a indígenas. 

 
(D)  do pacto de aliança firmado entre indígenas e colo-

nos portugueses contra os holandeses invasores. 

 
(E)  da conversão do indígena potiguar Poti ao cristia-

nismo, após suas ações contra a invasão holandesa. 

_________________________________________________________ 

 

23.  Derrotados nas revoltas do Rio de Janeiro, São Paulo e 

Rio Grande do Sul, os “tenentes” formaram a Coluna 
Prestes, que percorreu o Brasil levando mensagens contra 
as oligarquias, o coronelismo e o clientelismo eleitoral, 
entre outras. Em relação à presença da Coluna no Rio 
Grande do Norte, é correto afirmar: 
 
(A)  No município de São Miguel, em 1926, os integran-

tes da Coluna fizeram saques em casas comerciais, 
embora encontrassem resistência armada de cerca 
de vinte homens. 

 
(B)  Não houve, no Estado, qualquer confronto com os 

integrantes da Coluna, pois nas cidades por onde 
passaram receberam muitas adesões à causa que 
defendiam. 

 
(C)  A Coluna não entrou no Estado, pois sua meta era 

alcançar rapidamente a Bolívia, onde Luís Carlos 
Prestes havia se refugiado após sofrer intensa 
repressão. 

 
(D)  Os políticos potiguares não tomaram conhecimento 

das ações da Coluna e, portanto, não criaram gru-
pos de resistência para eventuais combates. 

 
(E)  A conquista do Rio Grande do Norte foi o principal 

alvo da Coluna, sobretudo depois de ter sido for-
temente rechaçada na Paraíba. 

_________________________________________________________ 

 

24.  A participação de mulheres em cargos executivos no Rio 

Grande do Norte é marcante, a exemplo de Wilma de 
Faria, prefeita da capital e governadora em duas gestões, 
e Rosalba Ciarlini, também governadora. Tal participação 
tem precedente histórico, pois a primeira mulher a assumir 
o cargo de prefeita eleita no Brasil foi a norte-rio-
grandense 

 

(A) Júnia 

Marise. 

 

(B) Celina 

Guimarães. 

 

 

(C)  Maria do Céu Pereira Fernandes.  

 

(D) Nísia 

Floresta. 

 

 

(E) Alzira 

Soriano. 

_________________________________________________________ 

 

25.  A Petrobras é responsável, no Rio Grande do Norte, pela 

produção de 

 

(A)  gasolina, querosene e gás natural. 

 

(B)  nafta petroquímica, óleo lubrificante e querosene. 

 

(C)  parafina, solvente e combustível de aviação. 

 

(D)  gás natural, gás liquefeito de petróleo e óleo diesel. 

 

(E)  óleo lubrificante, óleo diesel e nafta petroquímica. 

 

Legislação Institucional (Regimento Interno da Assembleia 

Legislativa do Estado do Rio Grande do Norte 

 ALERN) 

 

26.  Mediante requerimento de um deputado, o plenário da 

ALERN decidiu realizar homenagem a uma instituição de 
assistência social sem fins lucrativos que presta serviços 
aos municípios do Estado. Esse ato deverá ocorrer em 
sessão 

 
(A) preparatória. 
(B) extraordinária. 
(C) secreta. 
(D) ordinária. 
(E) solene. 

_________________________________________________________ 

 

27.  Um Deputado foi preso em flagrante pela prática de crime 

definido como inafiançável. É regra aplicável ao caso, 

 
(A)  a impossibilidade dessa prisão em razão da inviola-

bilidade penal dos Deputados. 

 

(B)  o prazo de uma semana para a manifestação do Ple-

nário da ALERN. 

 

(C)  a necessidade da remessa do auto de prisão à 

ALERN dentro de 48 horas. 

 

(D)  a impossibilidade da ocorrência dessa prisão após a 

expedição do diploma. 

 

(E)  o dever de ser facultado ao Deputado a realização 

da defesa por escrito ou oral em reuniões secretas. 

_________________________________________________________ 

 

 

Constituição do Estado do Rio Grande do Norte (CE/RN) 

 

28.  Nos termos da CE/RN, quem não receber, no prazo de 

dez dias, informações de seu interesse particular, de inte-
resse coletivo ou geral, requeridas aos órgãos públicos es-
taduais pode, não sendo hipótese de habeas data, exigi-
las judicialmente.  Nesse caso, o juiz, após ouvir quem de-
ve prestar essas informações, deverá decidir no prazo de 

 
(A)    2 dias. 
(B)    5 dias. 
(C) 10 

dias. 

(D) 15 

dias. 

(E) 30 

dias. 

_________________________________________________________ 

 

29.  A CE/RN estabelece as competências para a Organização 

do Estado e dos Poderes. Assim, fixar preços públicos e 
conferir condecorações e distinções honoríficas é compe-
tência privativa  
 
(A)  do Secretário de Estado. 
(B)  da Consultoria Geral do Estado. 
(C)  do Deputado Estadual. 
(D)  do Governador do Estado. 
(E)  do Vice-Governador do Estado. 

_________________________________________________________ 

 

30.  Algumas matérias, em razão de sua relevância, têm trami-

tação especificada na CE/RN. É o caso do Estatuto dos 
Servidores Públicos que depende de aprovação por 
 
(A) Lei 

Complementar. 

(B) Lei 

Ordinária. 

(C) Lei 

Delegada. 

(D) Decreto 

Legislativo. 

(E) Resolução 

Caderno de Prova ’B02’, Tipo 001

fcc-2013-al-rn-analista-legislativo-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

ALERN-An.Leg.Arquitetura-B02

 

 

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 

 

31.  Considere os esquemas abaixo. 

1

2

3

4

5

6

 

 

 

 

A respeito dos esquemas de estrutura de sustentação de cobertura em madeira acima representados, é correto afirmar que 

 

(A)  1 e 5 são compostos por escoras. 
(B)  2 e 5 são compostos por lanternim. 
(C)  3 e 6 são compostos por pendural. 
(D)  2 e 3 são compostos por empenas. 
(E)  1 e 6 são compostos por linha. 

 

 

32.  Considerando a natureza geométrica das estruturas contínuas ou espaciais, corresponde a uma superfície de dupla curvatura, 

em que as curvas principais se encontram em sentidos opostos: 

 

(A)  o paraboloide hiperbólico. 
(B)  o elipsoide de rotação. 
(C)  a abóbada cilíndrica. 
(D) a 

esfera. 

(E) a 

cúpula. 

 

 

33.  O conjunto de elementos que constituem uma estrutura de suporte provisória, em geral composta por peças acopladas e depois 

desmontadas, destinadas a suportar o peso de uma estrutura permanente de concreto durante sua execução, até que se torne 
autoportante, é chamado de 

 

(A) cimbramento. 
(B) concretagem. 
(C) desforma. 
(D) protensão. 
(E) selamento. 

 

 

34.  Considere as figuras abaixo. 

 

1

2

   

 

3

4

 

 

 

Os materiais mais utilizados em arquitetura, segundo a NBR 6492, correspondem respectivamente aos números 1, 2, 3 e 4: 

 

(A) mármore 

− madeira 

− concreto 

− vinil 

(B) argamassa 

− mármore 

− isolamento 

térmico 

− aço 

(C) concreto 

− vinil 

− argamassa 

− borracha 

(D) borracha 

− argamassa 

− concreto 

− compensado 

de 

madeira 

(E) madeira 

− compensado de madeira − aço 

− isolamento 

térmico 

Caderno de Prova ’B02’, Tipo 001

fcc-2013-al-rn-analista-legislativo-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

ALERN-An.Leg.Arquitetura-B02

 

35.  Conforme a NBR 9050, as medidas mínimas necessárias para a manobra de cadeira de rodas sem deslocamento para a rotação 

de 180° são: 

 

(A)  diâmetro de 1,20 m. 
(B) 1,20 

× 1,20 m. 

(C)  diâmetro de 1,50 m. 
(D) 1,50 

× 1,20 m. 

(E) 1,20 

× 1,20 m ou diâmetro de 1,50 m. 

 

 

36.  Considere a figura abaixo. 

25

30

 

 

 

Ela corresponde ao desenho topográfico de 

 

(A) corredor. 
(B) espigão. 
(C) talvegue 
(D) depressão. 
(E) colina. 

 

 

37.  Dentre os principais comandos de edição do programa de desenho AUTOCAD, o único que NÃO permite a seleção do objeto 

tão logo seja acionado é o comando 

 

(A)  mirror. 
(B)  move. 
(C)  copy. 
(D)  offset. 
(E) rotate. 

 

 

38.  Em relação aos bens tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no estado do Rio Grande do Norte, é 

correto afirmar que 

 

(A)  a maioria dos tombamentos ocorreu na década de 1970. 
(B)  apenas a Igreja Nossa Senhora do Rosário é tombada em Acari. 
(C)  o marco quinhentista, na praia de Touros, foi o primeiro bem tombado. 
(D)  entre 1980 e 1990, houve apenas três novos tombamentos. 
(E)  são três as edificações tombadas na cidade de Natal. 

 

 

39.  Entre os cinco tipos de elementos mais significativos identificados por Kevin Lynch em seu pioneiro estudo sobre a imagem das 

cidades, destacam-se como locais estratégicos significativos da estrutura e onde o observador pode entrar, seja como áreas de 
concentração de atividades ou convergência física do tecido urbano, seja como espaços centrais de regiões específicas, os 
chamados 

 

(A) marcos. 
(B) nós. 
(C) limites. 
(D) percursos. 
(E) setores. 

 

 

40.  Segundo a NBR 9077, as antecâmaras para ingressos nas escadas enclausuradas devem ter comprimento e pé-direito mínimos, 

respectivamente, de: 

 

(A) 2,00 

− 2,40 m. 

(B) 1,50 

− 2,30 m. 

(C) 1,80 

− 2,50 m. 

(D) 1,60 

− 2,80 m. 

(E) 2,40 

− 2,10 m. 

Caderno de Prova ’B02’, Tipo 001

fcc-2013-al-rn-analista-legislativo-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

10 

ALERN-An.Leg.Arquitetura-B02

 

41.  Visando maior aproveitamento dos ventos predominantes de uma determinada implantação, o que garantiria, neste caso, um 

maior conforto ambiental para o edifício, é válida a seguinte observação: 

 

(A)  Quando telas protetoras contra insetos forem utilizadas, as aberturas deverão ser dimensionadas de tal maneira que as 

áreas das janelas sejam reduzidas segundo a direção e a velocidade do vento incidente. 

 
(B)  A abertura de entrada de ar deverá estar alocada na zona de baixa pressão (fachada protegida do vento), enquanto a de 

saída se situará na zona de alta pressão (fachada que sofre a incidência do vento). 

 
(C)  O sistema de ventilação deverá ter necessariamente uma abertura de entrada de ar e uma de saída. 
 
(D)  A ventilação mais adequada é aquela na qual o fluxo de ar penetra na habitação pela área de serviço, saindo pelo espaço 

de estar e dormitórios. 

 
(E)  Quanto menor for o ângulo entre o plano de abertura de entrada de ar e a direção do vento, maior será o conforto. 

 
 
42.  O fenômeno caracterizado por manchas esbranquiçadas que aparecem na superfície pintada, devido à aplicação da tinta látex 

sobre o reboco úmido, é conhecido como 

 

(A) eflorescência. 
(B) desagregamento. 
(C) empolamento. 
(D) descascamento. 
(E) mofo. 

 
 
43.  Le Corbusier e Frank Lloyd Wright configuraram-se, respectivamente, como principais representantes das correntes do Movi-

mento Moderno conhecidas como 

 

(A)  international style e expressionismo. 
(B)  expressionismo e regionalismo. 
(C)  funcionalismo e organicismo. 
(D) organicismo 

international style. 

(E) regionalismo 

funcionalismo. 

 
 
44.  Configurando-se o programa AUTOCAD para se ter uma visualização das direções isométricas (Isometric Snap), é possível 

modificar interativamente a posição do cursor para uma das três posições-padrão (topo, esquerda e direita), pressionando a 
tecla de função 

 

(A) F9. 
(B) F5. 
(C) F10. 
(D) F11. 
(E) F2. 

 
 
45.  Considere a figura abaixo. 

1

LADRILHO

HIDRÁULICO

REJUNTE

2

3

4

5

 

 

 

No detalhe acima, de um piso de ladrilho hidráulico sulcado para calçada, correspondem respectivamente aos itens 1, 2, 3, 4 
e 5: 

 

(A)  argamassa de assentamento, terra apiloada, argamassa de regularização, brita e lastro de concreto. 
(B)  argamassa de assentamento, terra apiloada, lastro de concreto, brita e argamassa de regularização. 
(C)  argamassa de regularização, brita, lastro de concreto, terra apiloada e argamassa de assentamento. 
(D)  argamassa de regularização, brita, argamassa de assentamento, terra apiloada e lastro de concreto. 
(E)  lastro de concreto, argamassa de assentamento, terra apiloada, brita e argamassa de regularização. 

Caderno de Prova ’B02’, Tipo 001

fcc-2013-al-rn-analista-legislativo-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

ALERN-An.Leg.Arquitetura-B02

 

11 

46.  Considere as frases abaixo. 

 

 

I

.  A vista mais importante de uma peça deve ser utilizada como vista frontal ou principal. Geralmente esta vista representa a 

peça na sua posição de utilização. 

 

 

II

.  Não sendo possível ou conveniente representar uma ou mais vistas na posição determinada pelo método de projeção, 

pode-se localizá-las em outras posições, com exceção da vista principal. 

 

 

III

.  As peças simétricas não podem ser representadas por uma parte do todo, devendo ser em todos os casos desenhadas 

na sua totalidade. 

 

 

IV

.  Quando a localização de um plano de corte for clara, não há necessidade de indicação da sua posição e identificação. 

 

 

Segundo a NBR 10067/95 

− Princípios Gerais de Representação em Desenho Técnico, é correto o que se afirma APENAS em 

 

(A) 

I

III

 e 

IV

(B) 

II

III

 e 

IV

(C) 

I

 e 

II

(D) 

II

 e 

III

(E) 

I

II

 e 

IV

 

 
47.  Segundo a NBR 8403/84 

− Aplicação de Linhas em Desenhos, são aplicações para linha contínua larga, contínua estreita, 

tracejada larga e traço e ponto estreita, respectivamente: 

 

(A) contornos 

visíveis 

− linhas auxiliares 

−  contornos não visíveis  −  linhas de simetrias. 

(B)  linhas de simetrias 

− contornos visíveis 

− linhas auxiliares 

−  contornos não visíveis. 

(C) contornos 

visíveis 

− linhas auxiliares 

−  linhas de simetrias 

−  contornos não visíveis. 

(D)  linhas de simetrias 

− linhas auxiliares 

− contornos visíveis 

−  contornos não visíveis. 

(E) contornos 

visíveis 

−  contornos não visíveis  − linhas auxiliares 

−  linhas de simetrias. 

 

 

48.  Em uma determinada região rural com populações de baixa renda atingidas pela seca, a prefeitura decidiu contratar uma 

entidade privada sem fins lucrativos para a construção de uma cisterna para beneficiar a estas famílias com o acesso à água. 
Neste caso, a licitação da obra é 

 

(A)  indispensável, na modalidade tomada de preços. 
(B)  indispensável, na modalidade concorrência. 
(C)  dispensável em qualquer modalidade. 
(D)  dispensável, exceto na modalidade convite. 
(E)  indispensável, na modalidade concurso. 

 

 

49.  São grandezas fotométricas relativas à Iluminação natural: 

 

(A)  Contraste, Fluxo Luminoso e Temperatura de Cor. 
(B)  Luminância, Contraste e Fluxo Energético. 
(C)  Iluminância, Luminância e Temperatura de Cor. 
(D)  Luminância, Contraste e Fluxo Luminoso. 
(E)  Iluminância, Luminância e Contraste. 

 

 

50.  Considere os esquemas abaixo representados em planta. 

 

N

+

+

VENTO DOMINANTE

ESQUEMA 1 

 

 

N

VENTO DOMINANTE

+

+

+

ESQUEMA 2

 

 

 

Os esquemas 1 e 2 representam uma pequena construção térrea com três cômodos em distintas situações de implantação, 
edificada em localidade com clima tropical úmido. Com relação à orientação das construções ao sol e ao vento, é correto afirmar 
que 

 

(A)  o Esquema 1 resulta em superaquecimento nas manhãs e tardes, enquanto o Esquema 2 resulta em proteção da radiação 

solar, com prejuízo da ventilação natural. 

 

(B)  o Esquema 1 resulta em proteção da radiação solar, sem prejuízo da ventilação natural, enquanto o Esquema 2 resulta em 

superaquecimento nas manhãs e tardes. 

 

(C)  o Esquema 1 resulta em superaquecimento nas manhãs e tardes, enquanto o Esquema 2 resulta em proteção da radiação 

solar, sem prejuízo da ventilação natural. 

 

(D)  o Esquema 1 resulta em proteção da radiação solar, com prejuízo da ventilação natural, enquanto o Esquema 2 resulta em 

superaquecimento nas manhãs e tardes. 

 

(E)  os Esquemas 1 e 2 resultam em proteção da radiação solar, porém o Esquema 2 apresenta prejuízo da ventilação natural. 

Caderno de Prova ’B02’, Tipo 001

fcc-2013-al-rn-analista-legislativo-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

12 

ALERN-An.Leg.Arquitetura-B02

 

51.  Em instalações prediais de esgotos sanitários, tubulação que recebe efluentes de um ou mais tubos de queda ou ramais de 

esgoto; tubulação à qual têm acesso gases provenientes do coletor público ou dos dispositivos de tratamento; e tubulação que 
recebe esgoto diretamente de dispositivos de elevação mecânica correspondem, respectivamente, a 

 

(A) tubulação 

secundária 

− tubulação 

primária 

−  tubulação de recalque. 

(B) subcoletor 

− tubulação 

primária 

−  tubulação de recalque. 

(C) tubulação 

primária 

− tubulação 

secundária 

−  tubulação de recalque. 

(D)  tubulação de recalque 

− tubulação 

primária 

− subcoletor. 

(E) subcoletor 

−  tubulação de recalque  − tubulação primária. 

 
 
52.  Em instalações prediais de água fria, conjunto de tubulação que se origina no reservatório e do qual se derivam as colunas de 

distribuição; tubulação destinada a escoar os eventuais excessos de água dos reservatórios e das caixas de descarga; e ligação, 
permanente ou eventual, que possibilita a comunicação entre dois sistemas de abastecimento correspondem, respectivamen- 
te, a 

 

(A) ramal 

predial 

− barrilete 

− extravasor. 

(B) barrilete 

− extravasor 

− interconexão. 

(C) barrilete 

− ramal predial  − extravasor. 

(D) interconexão 

− ramal predial  − barrilete. 

(E) extravasor 

− interconexão  − ramal predial. 

 
 

53.  Em um sistema condicionador de ar com geração de frio autossuficiente, o ar-condicionado circula entre a sala e o 

I

, que 

reduz a temperatura do ar. O 

II

 é resfriado através da captação de ar do exterior, que circula e retorna a uma temperatura 

mais elevada. Os sistemas onde a troca de calor se dá pelo contato entre o gás evaporado e o ar entrando na serpentina são 

denominados de 

III

 . 

 
 

Preenchem corretamente as lacunas da frase acima: 

 

(A) condensador 

− evaporador  − expansão indireta. 

(B) evaporador 

− condensador  − expansão indireta. 

(C) condensador 

− evaporador  − expansão direta. 

(D) evaporador 

− condensador  − expansão direta. 

(E) evaporador 

− condensador  − sistema Split

 
 
54.  Em estruturas de concreto armado, fissuras paralelas à direção do esforço; fissuras perpendiculares à direção do esforço; e 

fissuras cujo traçado percorre todo o perímetro da peça, desenvolvendo-se em sentidos opostos de uma direção da peça são 
tipicamente provocadas por esforços, respectivamente, de 

 

(A) compressão 

− tração 

− torção. 

(B) tração 

− compressão  − flexão. 

(C) torção 

− flexão 

− tração. 

(D) compressão 

− flexão 

− torção. 

(E) flexão 

− torção 

− compressão. 

 
 
55.  Segundo a Norma Regulamentadora 6 

− Equipamentos de Proteção Individual − EPI, são responsa-bilidades do empregador e 

do empregado quanto ao equipamento de proteção individual, respectivamente, a sua 

 

(A) guarda 

− manutenção 

periódica. 

(B) guarda 

− conservação. 

(C) manutenção 

periódica 

− higienização. 

(D) higienização 

− conservação. 

(E) conservação 

− guarda. 

Caderno de Prova ’B02’, Tipo 001

fcc-2013-al-rn-analista-legislativo-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

ALERN-An.Leg.Arquitetura-B02

 

13 

56.  Um canteiro de obras para 25 trabalhadores não alojados possui instalações com as seguintes características: 
 
 

I

.  pé direito de 2,50 m. 

 

II

.  dois lavatórios, um vaso sanitário e um mictório. 

 

III

. três 

chuveiros. 

 

IV

. não 

possui 

ambulatório. 

 

V

. não 

possui 

lavanderia. 

 
 

Com relação à Norma Regulamentadora 18 

− Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção, as 

características descritas atendem 

 

(A)  à norma, exceto os itens 

IV

 e 

V

(B)  integralmente à norma. 
(C)  à norma, exceto o item 

IV

(D)  à norma, exceto o item 

II

(E)  à norma, exceto os itens 

II

 e 

V

 
 
57.  Segundo a Norma Brasileira para a Elaboração de Projetos de Edificações 

− Arquitetura: informações técnicas necessárias à 

concepção arquitetônica da edificação e aos serviços de obra dos ambientes, com distinção entre os ambientes a construir, a 
ampliar, a reduzir e a recuperar, entre outras; características, dimensões e serviços dos equipamentos e mobiliário, exigências 
ambientais e níveis de desempenho, entre outras, são informações técnicas a serem produzidas na etapa de projeto 

 

(A)  levantamento de dados. 
(B) estudo 

preliminar. 

(C)  programa de necessidades. 
(D)  estudo de viabilidade. 
(E) anteprojeto. 

 
 
58.  Sabendo que para uma determinada localidade em território nacional a intensidade pluviométrica para precipitação de 5 minutos 

em períodos de retorno de 1, 5 e 25 anos correspondem a 120, 156 e 180 milímetros por hora, a vazão de projeto em litros por 
minuto de uma cobertura plana de 9 

× 14 m, com alguma tolerância a empoçamento, é de 

 

(A) 252. 
(B) 327,6. 
(C) 378. 
(D) 196,56. 
(E) 151,2. 

 
 
59.  Em uma obra para uma edificação nova se faz necessário a construção de uma rampa de perfil retilíneo para vencer um 

desnível de 5,20 m. A rampa deve derivar perpendicularmente às áreas de circulação adjacentes existentes no seu início e 
término e ser dimensionada de modo a proporcionar acessibilidade universal conforme a norma brasileira: declividade máxima 
de 1:12, desníveis máximos de 80 cm para cada segmento de rampa, e patamares com dimensão longitudinal mínima de 
1,20 m. Considerar que as áreas de descanso não influirão no comprimento total. O local possui 70 metros lineares para a 
instalação da rampa. Portanto, é correto afirmar que 

 

(A)  é possível a instalação da rampa, e sobram 5,20 m além do comprimento mínimo admissível na norma. 
(B)  não é possível a instalação da rampa, pois faltam 80 cm para o comprimento mínimo admissível na norma. 
(C)  é possível a instalação da rampa, e sobram 40 cm além do comprimento mínimo admissível na norma. 
(D)  é possível a instalação da rampa, e sobram 6,40 m além do comprimento mínimo admissível na norma. 
(E)  não é possível a instalação da rampa, pois faltam 2,0 m para o comprimento mínimo admissível na norma. 

 
 
60.  Segundo a Norma Brasileira de Desempenho de Edificações Habitacionais, as exigências do usuário relativas à sustentabilidade 

são expressas pelos fatores: 

 

(A)  funcionalidade, acessibilidade e manutenibilidade. 
(B)  durabilidade, acessibilidade e impacto ambiental. 
(C)  durabilidade, manutenibilidade e impacto ambiental. 

(D)  impacto ambiental, durabilidade e funcionalidade. 
(E)  manutenibilidade, acessibilidade e funcionalidade. 

Caderno de Prova ’B02’, Tipo 001

fcc-2013-al-rn-analista-legislativo-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

14 

ALERN-An.Leg.Arquitetura-B02

 

 

DISCURSIVA-REDAÇÃO 

 

Atenção: 
−  Deverão ser rigorosamente observados os limites mínimo de 20 linhas e máximo de 30 linhas. 

−  Conforme Edital do Concurso, será atribuída nota ZERO à Prova Discursiva-Redação que for assinada, na folha de respostas definitiva, fora do 

campo de assinatura do candidato, apresentar qualquer sinal que, de alguma forma, possibilite a identificação do candidato. 

−  NÃO é necessária a colocação de Título na Prova Discursiva-Redação. 

−  Em hipótese alguma o rascunho elaborado pelo candidato será considerado na correção da Prova Discursiva-Redação. 

 

 

O desconhecimento de qualquer forma de convívio que não seja ditada por uma ética de fundo emotivo representa um 

aspecto da vida brasileira que raros estrangeiros chegam a penetrar com facilidade. E é tão característica, entre nós, essa 
maneira de ser, que não desaparece sequer nos tipos de atividade que devem alimentar-se normalmente da concorrência. 
Um negociante da Filadélfia manifestou certa vez a André Siegfried seu espanto ao verificar que, no Brasil como na 
Argentina, para conquistar um freguês tinha necessidade de fazer dele um amigo. 

(Adaptado de: Sérgio Buarque de Holanda, Raízes do Brasil, cap. V) 

 

No trecho acima, Sérgio Buarque de Holanda procura caracterizar o brasileiro como “homem cordial”. A partir dessa 

noção, escreva um texto dissertativo-argumentativo sobre o seguinte tema: 

O homem cordial e as relações de trabalho no Brasil 

  

 

Caderno de Prova ’B02’, Tipo 001