Prova Concurso - Arquitetura - 2013-CNJ-ANALISTA-JUDICIARIO-ARQUITETURA - CESPE - CNJ - 2013

Prova - Arquitetura - 2013-CNJ-ANALISTA-JUDICIARIO-ARQUITETURA - CESPE - CNJ - 2013

Detalhes

Profissão: Arquitetura
Cargo: 2013-CNJ-ANALISTA-JUDICIARIO-ARQUITETURA
Órgão: CNJ
Banca: CESPE
Ano: 2013
Nível: Superior

Downloads dos Arquivos

prova.pdf
gabarito.pdf

Provas relacionadas

ARQUITETOEBSERH2018
ESPECIALISTA-PORTUARIO-ARQUITETURAEMAP2018
ARQUITETOPREFEITURA2018

Gabarito

cespe-2013-cnj-analista-judiciario-arquitetura-gabarito.pdf-html.html

 

Conselho Nacional de Justiça

 

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS VAGOS DE ANALISTA JUDICIÁRIO E DE TÉCNICO

JUDICIÁRIO E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA

Aplicação: 17/2/2013

51

52

53

54

55

56

57

58

59

60

61

62

63

64

65

66

67

68

69

70

C

C

C

E

E

C

C

C

C

C

E

C

C

E

E

C

C

E

C

C

71

72

73

74

75

76

77

78

79

80

81

82

83

84

85

86

87

88

89

90

C

E

C

E

E

E

E

C

C

C

C

E

E

X

C

E

E

E

E

C

91

92

93

94

95

96

97

98

99

100

101

102

103

104

105

106

107

108

109

110

C

E

E

C

C

C

E

E

E

C

E

E

C

E

C

E

E

E

C

E

111

112

113

114

115

116

117

118

119

120

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

C

C

C

C

E

C

E

C

C

E

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

Obs.: ( X ) item anulado.

Item

Gabarito

Item

Gabarito

Cargo 6: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialiadade: Arquitetura

0

GABARITOS OFICIAIS DEFINITIVOS

0

Item

Gabarito

Gabarito

Item

CNJ13_006_24

Prova

cespe-2013-cnj-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

||CNJ13_006_24N161996||

CESPE/UnB – CNJ

PROVA OBJETIVA P

2

 – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Acerca de geometria descritiva, julgue os itens seguintes.

51

A épura representa as projeções que definem determinada
figura.

52

O encontro entre duas retas paralelas é um elemento impróprio
em geometria descritiva. 

V1V – linha de verdadeira grandeza
LC – linha de chão
AB – linha do horizonte

Considerando a figura acima, que mostra um esboço de perspectiva

em desenvolvimento, e os aspectos de perspectivas e de

representação gráfica dos projetos de arquitetura, julgue os itens

subsequentes.

53

A distância entre a linha do horizonte e a linha de chão,

corresponde à altura do observador. 

54

Nesse sistema de representação, se houver coincidência entre

os segmentos AB e LC, tem-se uma representação gráfica

ortogonal.

55

Em uma perspectiva com dois pontos de fuga, a altura das

figuras humanas representadas não pode ultrapassar a linha do

horizonte (segmento AB), independentemente da distância a

que estejam do plano do quadro. 

56

Se a distância entre o chamado plano do quadro e o ponto onde

se situa o observador for muito pequena, haverá distorção do

objeto representado. 

Um projeto de arquitetura é constituído por várias etapas, entre as

quais é possível destacar o estudo de viabilidade, o estudo

preliminar, o anteprojeto, entre outros. Com relação a esse assunto,

julgue os itens de 57 a 64.

57

Os documentos produzidos no desenvolvimento de um projeto

de edificação que forem rejeitados pelo contratante deverão ser

reelaborados por seu autor e submetidos a nova avaliação. O

contratante deverá formalizar, na entrega da etapa final, a

aceitação dos documentos técnicos desenvolvidos ao longo do

projeto.

58

No anteprojeto devem ser apresentados elementos necessários

ao inter-relacionamento das atividades técnicas envolvidas e

suficientes para estimar prazo dos serviços implicados. 

59

O SketchUp apresenta ferramentas que auxiliam na

representação gráfica do projeto e na elaboração de desenhos

que se assemelham a croquis.

60

De acordo com os termos definidos pela NBR 10.647

empregados em desenho técnico, as vistas ortográficas são

desenhos projetivos que apresentam figuras resultantes de

projeções ortogonais do objeto sobre um ou mais planos. 

61

Nas versões mais recentes do AutoCAD, são utilizados como

parâmetros os elementos que definem uma edificação, como,

por exemplo, sua estrutura, do que resulta um modelo

tridimensional.

62

A informática aplicada à arquitetura gerou novos paradigmas

e metodologias de projeto, como a verificação de desempenho

e a fabricação digital.

63

A representação de vistas ortográficas na etapa de estudos

pode ser complementada por meio de texturas aplicadas à mão

livre, em que os condicionantes são explicitados em favor do

desenvolvimento de etapas posteriores.

64

É comum o uso de cores em um detalhamento para

representação de cortes de duas ou mais peças de materiais

diferentes. Já as hachuras, em inclinações diferentes, são

empregadas em seções distintas do mesmo material.

A respeito de fundações, estruturas e demais aspectos técnicos de

projetos em edificações, julgue os próximos itens.

65

As casas de máquinas devem possuir aberturas que

possibilitem ventilação cruzada natural, evitando a umidade e

o surgimento de gases nocivos que prejudiquem o desempenho

das máquinas ali instaladas.

66

Os aspectos que devem ser contemplados em um projeto de

interiores incluem o aproveitamento dos materiais em suas

dimensões de fabricação e a facilidade de manutenção e

conservação desses materiais. 

67

Se uma área contiver vegetação autóctone ou em regime de

proteção, o projeto de paisagismo deverá contemplar a análise

fisiográfica do terreno, bem como a delimitação de áreas a

serem preservadas.

68

A sapata associada é um tipo de fundação rasa comum a vários

pilares ou pontos de descarregamento distribuídos, cujos

centros, em planta, estão situados no mesmo alinhamento. 

69

O impedimento a deformações impostas ao sistema estrutural

gera esforços denominados coações.

70

Os eletrodos de terra dispensam para o solo as correntes

elétricas. Geralmente, são constituídos por uma haste única ou

por uma malha condutivamente ligada.

71

O Manual de Obras Públicas fornece elementos que orientam

os procedimentos para fiscalização e perícia de diferentes

atividades envolvidas em uma obra.

 – 5 –

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

cespe-2013-cnj-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

||CNJ13_006_24N161996||

CESPE/UnB – CNJ

No que se refere aos programas de necessidades e especificações

em projetos de arquitetura, julgue os itens que se seguem. 

72

No projeto específico de uma cobertura, são admitidas

soluções descritivas no caderno de encargos, uma vez que

nesse tipo de serviço são especificados materiais, elementos e

acabamentos industriais.

73

No programa de necessidades estão descritas não apenas as

entidades a serem instaladas em uma edificação, mas também

sua estrutura organizacional, no que concerne a usuários,

equipamentos e fluxos de funcionamento.

Acerca de sistemas de fundação e estruturas, julgue os itens

seguintes.

74

Em uma viga mista que tenha ligação solidária de perfis

metálicos com laje de concreto armado, sendo essa ligação

unida por meio de conectores soldados na aba superior dessa

viga, os esforços de cisalhamento serão absorvidos

integralmente por esses conectores.

75

No sistema de ancoragem injetada, a calda ou argamassa de

cimento deve possuir comprimento máximo que resista à

compressão dos esforços provenientes do empuxo de terra. 

O profissional especialista em ergonomia contribui tanto para o

planejamento, a elaboração de projetos e a avaliação de tarefas

quanto para postos de trabalho, produtos, ambientes e sistemas,

tornando-os compatíveis com as necessidades, habilidades e

limitações dos usuários. Acerca do aspecto ergonômico no ambiente

de trabalho, julgue os itens a seguir.

76

Postos de trabalho projetados com restrição de espaço exigem

do usuário movimentos precisos e rápidos; nesses ambientes,

geralmente o indivíduo comete menos erros durante a execução

de suas tarefas. 

77

Ao fazer uso de um assento, que deve, em geral, ser projetado

de forma a comprimir a parte posterior das coxas, o usuário

deve ter como apoios principais as duas partes do corpo: os pés

e as nádegas.

78

Recomenda-se que o plano de digitação — que deve ter fáceis

mecanismos de ajuste — esteja alinhado com a altura dos

cotovelos ou até três centímetros abaixo dela. Dessa forma, é

possível se assegurar a digitação com os punhos em posição

mais confortável, evitando-se compressões e estiramentos das

estruturas articulares. 

A Norma Regulamentadora 17 estabelece parâmetros que permitem

a adaptação das condições de trabalho às características

psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar-lhes

o máximo de conforto e segurança, tendo em vista um desempenho

eficiente. Considerando o disposto nessa norma, julgue os itens que

se seguem.

79

A partir da análise ergonômica de atividades em que, para

realizar as próprias tarefas, a pessoa tenha de estar sentada, se

poderá exigir suporte para os pés que se adapte ao

comprimento das pernas do trabalhador.

80

Nos locais de trabalho onde sejam executadas atividades que

exijam esforço intelectual e atenção constante, tais como salas

de controle, laboratórios, escritórios e salas de

desenvolvimento ou análise de projetos, recomendam-se, entre

outras, as seguintes condições de conforto: índice de

temperatura efetiva entre 20 

o

C e 23 

o

C e umidade relativa do

ar não inferior a 40%.

Considerando as determinações acerca do piso tátil de alerta

contidas na NBR 9050/2004, julgue os próximos itens.

81

Obstáculos suspensos entre 0,60 m e 2,10 m de altura do piso

acabado e que tenham o volume maior na parte superior do que

na base devem ser sinalizados com piso tátil de alerta. A

superfície a ser sinalizada deve exceder em 0,60 m a projeção

do obstáculo, em toda a superfície ou somente no perímetro

desta.

82

O piso tátil de alerta, cuja função é sinalizar situações que

envolvam risco de segurança, pode ser cromodiferenciado ou

estar associado a uma faixa de cor contrastante, podendo,

ainda, ter a mesma tonalidade do piso adjacente.

Com base na legislação pertinente à da acessibilidade das pessoas

com deficiência ou com mobilidade reduzida, julgue os itens

subsequentes.

83

No caso de construção, ampliação ou reforma de edifícios

públicos ou privados destinados ao uso coletivo, pelo menos

dois dos acessos ao interior da edificação deverão estar livres

de barreiras arquitetônicas e de obstáculos que impeçam ou

dificultem a acessibilidade de pessoa com deficiência ou com

mobilidade reduzida.

84

Em todas as áreas de estacionamento de veículos localizadas

em vias ou em espaços públicos, deverão ser reservadas vagas

próximas dos acessos de circulação de pedestres, devidamente

sinalizadas, para veículos que transportem pessoas com

deficiência ou com dificuldade de locomoção. Essas vagas

deverão ser em número equivalente a dois por cento do total,

garantida, no mínimo, uma vaga, devidamente sinalizada e com

as especificações técnicas de desenho e traçado de acordo com

as normas técnicas em vigor.

 – 6 –

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

cespe-2013-cnj-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

||CNJ13_006_24N161996||

CESPE/UnB – CNJ

À luz do disposto na NBR 9.050, julgue os itens a seguir, relativos

aos critérios e parâmetros técnicos que deverão ser observados no

projeto, na construção e instalação de edificações, espaços,

mobiliário e equipamentos urbanos ou na adaptação destes às

condições de acessibilidade.

85

Recomenda-se que os corrimãos tenham largura entre 3,0 cm

e 4,5 cm, não tenham arestas vivas e estejam afastados, no

mínimo, 4,0 cm da parede, possibilitem boa empunhadura e

deslizamento e sejam, preferencialmente, de seção circular.

86

Em edificações e em equipamentos urbanos já edificados e nos

quais a adequação dos corredores à norma em pauta não seja

possível, devem ser implantados bolsões de retorno com

dimensões que permitam a manobra completa de uma cadeira

de rodas (180°), sendo obrigatório, no mínimo, um bolsão a

cada 20,00 m. Nesse caso, a largura mínima de corredor em

rota acessível deverá ser de 1,00 m.

87

Para rampas ou escadas com largura inferior a 2,60 m, a

instalação de corrimão intermediário será facultativa.

88

As entradas e áreas de serviço ou de acesso restrito, como

casas de máquinas, barriletes, passagens de uso técnico e

outras, devem ser acessíveis.

89

Todo degrau ou escada deve ter sinalização visual com, no

mínimo, 0,05 m de largura, na borda do piso, em cor

contrastante com a do acabamento. Essa sinalização, que deve

ter, no mínimo, 0,45 m de extensão, pode estar restrita à

projeção dos corrimãos laterais. 

90

Caso, em rotas acessíveis, não seja possível evitar desníveis,

estes devem ser tratados da seguinte forma: desníveis de até

5 mm no piso não necessitam de tratamento especial; desníveis

superiores a 5 mm e de até 15 mm devem ser tratados em

forma de rampa, com inclinação máxima de 1:2 (50%); já

desníveis superiores a 15 mm devem ser considerados como

degraus.

Terminadas as estruturas, lajes e vedações de uma edificação,

iniciam-se os serviços de acabamento e revestimento. Com relação

à correção das medidas de fiscalização referentes a pisos de

cerâmica, paredes e forros, julgue os itens de 91 a 93.

91

Na aplicação do piso de cerâmica, é necessário verificar, entre

outros fatores, se as tubulações das instalações embutidas no

piso foram bem colocadas; se os pontos de níveis para guiar o

espalhamento da argamassa foram bem colocados; e se, antes

da aplicação do piso, a cerâmica foi imersa em água limpa até

saturação.

92

Durante o revestimento em argamassa, o prumo e o esquadro

da superfície emboçada devem ser verificados, e os pontos de

água, esgoto e gás para ligação dos aparelhos sanitários,

identificados. Se, durante a execução do revestimento,

aparecerem fissuras na argamassa, deve-se aumentar a

quantidade de cimento no traço e trocar os agregados.

93

Na execução de forros de gesso, deve-se inspecionar, entre

outros tópicos, a execução de todas as instalações que ficarão

no espaço acima do forro. Além disso, devem-se retirar os

restos de sisal e gesso dos tirantes e verificar a existência de

junta seca entre as placas e as paredes, que é obrigatória.

No que se refere ao cronograma físico-financeiro de uma obra,

julgue o item seguinte.

94

Em um cronograma físico-financeiro realizado por meio do

diagrama de barras (diagrama de Gantt), as tarefas a serem

realizadas são enumeradas na coluna da esquerda e a duração

de cada uma delas é lançada em barras horizontais,

posicionadas de acordo com as respectivas datas de realização.

Os custos unitários correspondem às colunas, e o custo da

obra, à soma total dos valores.

A obra passa por três fases básicas: inicial, com

movimentos de terra, contenções e fundações; intermediária, com

estrutura, alvenaria e instalações; e final, com revestimento e

acabamento da obra. O canteiro de obras é a fábrica que produz o

edifício e impede a ociosidade de equipamentos e mão de obra,

diminuindo os tempos de deslocamento e racionalizando as

atividades. Os elementos do canteiro de obras (programa) podem

estar ligados à produção, ou podem servir de suporte para a

produção ou de apoio administrativo.

Silvio Melhado e Mércia Barros. Canteiro de obras: elementos
de projeto.  São Paulo:  EDUSP, 2001 (com adaptações).

Tendo como referência o texto acima, julgue os itens subsequentes,

considerando os elementos que compõem uma obra.

95

As centrais de concreto, o preparo de armaduras e a produção

de formas são elementos ligados à produção, nos quais não se

incluem os estoques, a ferramentaria e os almoxarifados.

96

O arranjo do espaço físico deve ter por objetivo a organização

da fábrica para otimizar o fluxo de materiais e mão de obra.

 – 7 –

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

cespe-2013-cnj-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

||CNJ13_006_24N161996||

CESPE/UnB – CNJ

Ainda em relação aos elementos que compõem uma obra, julgue o
item abaixo.

97

O apoio administrativo inclui setores como escritório técnico,
escritório administrativo, recepção da obra e laboratório de
ensaios.

Figura I                     Figura II                       Figura III

A fase inicial de uma obra engloba movimentos de terra, contenções
e fundações. As opções de fundações incluem as superficiais
(diretas) e as profundas (indiretas), como ilustrado em alguns
exemplos nas figuras acima. Acerca desse assunto, julgue os itens
subsecutivos.

98

A figura II representa uma fundação direta em radier.

99

A figura III ilustra o processo de concretagem de um tubulão,
definido como fundação profunda. Esse processo é utilizado
para cargas mais altas e para casos em que as camadas mais
resistentes do solo se encontram mais abaixo da superfície.

100

Para dimensionar uma fundação em blocos (figura I), o
primeiro passo é calcular as cargas na estrutura. Assim,
determina-se a força F axial no pilar. Se forem consideradas
somente as cargas verticais, a área S da base do bloco será
obtida a partir da fórmula F/S 

# fsolo, na qual fsolo representa

a tensão admissível do solo. 

Na fase intermediária de uma obra, entre os serviços de estrutura
estão as lajes, que podem ser de diversos tipos, como nervuradas,
planas e maciças, ou pré-fabricadas.

A figura acima ilustra um esqueleto estrutural com dois níveis e
uma cobertura. Considerando essas informações, julgue os itens de
101 a 106.

101

Para o dimensionamento dos blocos de fundação, as cargas
consideradas serão resultado da somatória do peso próprio e
das cargas dos dois níveis úteis mais a carga da cobertura.

102

Quando o vão é pequeno, são recomendadas as lajes
nervuradas. As maciças, mais resistentes, são adequadas para
os vãos maiores. Um exemplo de laje mista é o steel deck.

103

O esqueleto estrutural mostrado na figura acima está apoiado
em fundações rasas tipo sapatas; os pilares e vigas são de
concreto armado ou de aço, e as lajes são de concreto.

104

O sistema conhecido como laje pré-fabricada substituiu o
isopor pela cerâmica para obter, com vantagens econômicas,
um produto equivalente a uma laje maciça.

105

O esqueleto da figura pode ser revestido com esquadrias piso
a teto, também chamadas de pele de vidro. Trata-se da fixação
de quadros de alumínio com o vidro encaixado por fora,
deixando as estruturas pelo lado de dentro.

106

A armação de uma laje de cobertura deve ser reforçada para
combater a retração e a consequente infiltração.

A figura acima ilustra um esqueleto estrutural com cotas de eixo a
eixo.No que se refere a pisos, revestimentos e levantamento de
quantitativos, relativos à figura acima, julgue os itens subsequentes. 

107

Considere que na fachada principal da figura, o pórtico de
entrada ficou localizado no pano do vão de 3,00 m × 3,50 m no
térreo e mereceu um tratamento diferenciado metálico. Nesse
caso, nos demais panos da fachada principal, desprezando-se
as espessuras de vigas e os pilares, foram orçados mais de
70,00 m² de esquadria piso a teto.

108

Se, no ambiente a ser construído sobre a laje A, for utilizada
uma esquadria do piso ao teto na fachada principal, então, para
se revestir apenas um lado das demais paredes, descontada uma
porta com bandeira — medindo 1,00 m × 3,50 m — em uma
delas, desprezando-se as espessuras das paredes, será
necessário mais de 1,50 m³ de argamassa para reboco com
espessura de 2,5 cm.

RASCUNHO

 – 8 –

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

cespe-2013-cnj-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

||CNJ13_006_24N161996||

CESPE/UnB – CNJ

Com relação às normas técnicas da ABNT (NBRs), julgue os itens

seguintes.

109

O projeto final deve permitir a execução completa do edifício,

com seus componentes totalmente definidos, respeitando todas

as normas e exigências técnicas.

110

A ABNT NBR 12721 trata da acessibilidade a edificações,

mobiliário, espaços e equipamentos urbanos.

111

A ABNT NBR 15575 — Edificações habitacionais:

desempenho — contém requisitos para os sistemas estruturais;

de vedações verticais internas e externas; e de coberturas.

Julgue os itens a seguir, acerca dos programas de computador que

auxiliam arquitetos e engenheiros em suas práticas diárias.

112

O BIM (Building Information Model) tem como objetivo

acompanhar o edifício desde as primeiras ideias até além da

inauguração. As adaptações pós-uso e até uma eventual

demolição devem ser monitoradas pelas informações

integradas do BIM.

113

O software Autodesk Revit foi desenvolvido especificamente

para a modelagem de informação da construção BIM. Assim,

qualquer alteração de tempo e de lugar reflete automaticamente

em todo o projeto.

114

O ArchiCAD, software integrado ao sistema BIM, elabora

projetos por meio de construção de um edifício virtual e, por

isso, é considerado mais que 3D. Ele é 5D: possui os três

eixos, X, Y, Z, e mais T e Q, que correspondem,

respectivamente, ao tempo real de acompanhamento da obra e

fornecimento de orçamento e quantitativos.

115

O 3D Max é um programa de modelagem tridimensional, que

permite renderização de imagens e animações. Como

integrante do sistema BIM, o 3D Max é usado, entre muitas

aplicações, na produção de maquetes eletrônicas e na criação

de qualquer mundo virtual.

Acerca do planejamento e da gestão estratégica no âmbito do Poder

Judiciário, regidos pela Resolução n.º 70/2009, julgue os próximos

itens.

116

O planejamento estratégico do Conselho Nacional de Justiça

deve conter, pelo menos, um indicador de resultado para cada

objetivo estratégico, além das metas de curto, médio e longo

prazo associadas a esses indicadores.

117

No âmbito do Poder Judiciário, o tema eficiência operacional

tem o objetivo estratégico de fomentar a interação e a troca de

experiências entre tribunais no plano nacional e no

internacional.

Julgue os itens seguintes, com relação ao planejamento, à execução

e ao monitoramento de obras do Poder Judiciário, considerando os

parâmetros e orientações para precificação e elaboração de editais

regidos pela Resolução n.º 114/2010 e suas alterações.

118

As obras de grande porte relativas a um tribunal devem ser

levadas ao conhecimento do Conselho Nacional de Justiça,

após a aprovação pelo respectivo tribunal ou conselho.

119

No plano de obras pertinente a um tribunal devem constar

indicadores de prioridade para cada obra prevista no plano,

sendo a interligação com os meios de transporte públicos um

dos critérios de pontuação e de ponderação.

120

Considere que determinado tribunal tenha elaborado um edital

para a realização de obra de engenharia. Nessa situação

hipotética, deverá haver, no edital referido, previsão de que

todos os licitantes realizem a vistoria técnica do local da obra

na mesma data e horário, no intuito de garantir a isonomia de

tratamento.

 – 9 –

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

cespe-2013-cnj-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

||CNJ13_006_24N161996||

CESPE/UnB – CNJ

PROVA DISCURSIVA

Nesta prova, faça o que se pede, usando, caso deseje, os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva
os textos para o CADERNO DE TEXTOS DEFINITIVOS DA PROVA DISCURSIVA, nos locais apropriados, pois não será
avaliado fragmento de texto escrito em local indevido.

Tanto na questão quanto na dissertação, qualquer fragmento de texto além da extensão máxima de linhas disponibilizadas será
desconsiderado. Será também desconsiderado o texto que não for escrito na folha de texto definitivo correspondente.

No caderno de textos definitivos, identifique-se apenas no cabeçalho da primeira página, pois não será avaliado texto que tenha
qualquer assinatura ou marca identificadora fora do local apropriado.

Ao domínio do conteúdo serão atribuídos, para a questão, até 30,00 pontos, dos quais até 1,50 ponto será atribuído ao quesito
apresentação e estrutura textual (legibilidade, respeito às margens e indicação de parágrafos) — e, para a dissertação, até 40,00
pontos, dos quais até 2,00 pontos serão atribuídos ao referido quesito.

QUESTÃO

A construção civil é o segmento que mais consome matérias-primas e recursos naturais no planeta,

o terceiro maior responsável pela emissão de gases de efeito estufa e o setor que utiliza mais de 40% da

energia consumida mundialmente, caso se considere nesse segmento a cadeia que une fabricantes de

materiais a usuários finais.

Atualmente, um objetivo central de grande parte dos projetos de construção civil, principalmente na

esfera pública, é complementar as obras com custos mínimos. Em outra direção, a construção sustentável

estimula uma revisão do conceito de custos, levando em conta as variáveis ecológica, cultural e social, bem

como o período de vida útil do empreendimento.

A gestão adequada de todos os aspectos de planejamento, construção e uso pode reduzir fortemente

o custo de uma edificação ao longo de sua vida útil, sem que sejam necessários mais investimentos no

processo inicial de projeto e construção. Ademais, o Estado, por meio de projetistas e executores, tem

grande capacidade de criar novos parâmetros de mercado, tornando produtos e serviços sustentáveis cada

vez mais economicamente acessíveis, dada a escala das compras e contratações para obras públicas.

Manual de obras públicas sustentáveis. Internet: <www.agenda21comperj.com.br> (com adaptações).

Considerando o texto acima, que tem caráter unicamente motivador, apresente dois procedimentos de projeto que possibilitem a diminuição

de impactos em obras públicas quanto à construção e ao uso de energia. Ao elaborar seu texto, aborde, necessariamente, os seguintes

aspectos:

< procedimento de desenhos de interiores de edifícios e projetos complementares; [valor: 9,50 pontos]
< materiais e uso adequados; [valor: 12,00 pontos]
< relações entre espaços interiores e uso de energia. [valor: 7,00 pontos]

 – 10 –

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

cespe-2013-cnj-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

||CNJ13_006_24N161996||

CESPE/UnB – CNJ

R

ASCUNHO 

 

Q

UESTÃO

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

 – 11 –

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

cespe-2013-cnj-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

||CNJ13_006_24N161996||

CESPE/UnB – CNJ

DISSERTAÇÃO

Figura I

Figura II

Existem diversas maneiras de representar um objeto espacial sobre um plano 2D; algumas são mais

próximas da realidade, outras são simplificações para facilitar o desenho. A maneira mais realista é a

perspectiva cônica — técnica de representação desenvolvida há poucos séculos na história da humanidade.

As formas simplificadas incluem isometria, dimetrias, trimetrias, cavaleira, militar, vista-de-pássaro e outras.

O SketchUp (

sketch = croqui), um programa de computador, facilitou a representação rápida e simplificada

de objetos 3D em um plano, tendo o plano 2D passado da folha de papel para a tela do computador. A figura

I, acima, mostra um cubo representado de quatro maneiras diversas. O corredor ilustrado na figura II

corresponde à imagem de uma perspectiva com um ponto de fuga.

Considerando que o texto e as imagens acima têm caráter unicamente motivador, redija um texto dissertativo acerca das diversas maneiras

de representar um objeto. Ao elaborar seu texto, aborde, necessariamente, os seguintes aspectos:

< formas de representação, desde o croqui intuitivo, à mão livre, até o desenho à máquina e o SketchUp; [valor: 12,00 pontos]
< perspectiva exata com LH (linha do horizonte) e fuga(s) e isometria; [valor: 9,00 pontos]
< origens históricas da representação racional em perspectiva; [valor: 9,00 pontos]
< significado da maquete eletrônica nesse contexto.  [valor: 8,00 pontos]

 – 12 –

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

cespe-2013-cnj-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

||CNJ13_006_24N161996||

CESPE/UnB – CNJ

R

ASCUNHO 

 

D

ISSERTAÇÃO

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

 – 13 –

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

cespe-2013-cnj-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

cespe-2013-cnj-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura 

Caderno de questões - Tipo I - Cargo 6: Analista Judiciário - Área: Apoio Especializado - Especialidade: Arquitetura