Prova Concurso - Arquitetura - 2013-MPE-MA-ANALISTA-MINISTERIAL-ARQUITETURA - FCC - MPE - 2013

Prova - Arquitetura - 2013-MPE-MA-ANALISTA-MINISTERIAL-ARQUITETURA - FCC - MPE - 2013

Detalhes

Profissão: Arquitetura
Cargo: 2013-MPE-MA-ANALISTA-MINISTERIAL-ARQUITETURA
Órgão: MPE
Banca: FCC
Ano: 2013
Nível: Superior

Downloads dos Arquivos

prova.pdf
gabarito.pdf

Provas relacionadas

ARQUITETOEBSERH2018
ESPECIALISTA-PORTUARIO-ARQUITETURAEMAP2018
ARQUITETOPREFEITURA2018

Gabarito

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-gabarito.pdf-html.html

 

Ministério Público do Estado do Maranhão 

Analista e Técnico Ministerial 

  

Relação dos gabaritos 

 

CONHEC. GERAIS/CONHEC.ESPECÍFICOS/DISCURSIVA-REDAÇÃO 

Cargo ou opção A01 - ANALISTA MINISTERIAL - ADMINISTRATIVO 

Tipo gabarito 1 

 

 

CONHEC. GERAIS/CONHEC.ESPECÍFICOS/DISCURSIVA-REDAÇÃO 

Cargo ou opção B02 - ANALISTA MINISTERIAL - ADMINISTRADOR 

Tipo gabarito 1 

 

 

CONHEC. GERAIS/CONHEC.ESPECÍFICOS/DISCURSIVA-REDAÇÃO 

Cargo ou opção C03 - ANALISTA MINISTERIAL - PROCESSUAL/DIREITO 

Tipo gabarito 1 

 

 

001 - D
002 - C 
003 - E 
004 - B 
005 - A
006 - B 
007 - D
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - C 
014 - D
015 - A
016 - B 
017 - C 
018 - A
019 - E 
020 - D

 

021 - A
022 - C 
023 - E 
024 - D
025 - A
026 - B 
027 - B 
028 - C 
029 - E 
030 - C 

 

031 - D
032 - A
033 - D
034 - B 
035 - C 
036 - E 
037 - A
038 - D
039 - B 
040 - D

 

041 - E 
042 - E 
043 - D
044 - D
045 - B 
046 - A
047 - B 
048 - D
049 - A
050 - B 

 

051 - B 
052 - D
053 - A
054 - C 
055 - A
056 - E 
057 - C 
058 - A
059 - C 
060 - B 

 

001 - D
002 - C 
003 - E 
004 - B 
005 - A
006 - B 
007 - D
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - C 
014 - D
015 - A
016 - B 
017 - C 
018 - A
019 - E 
020 - D

 

021 - D
022 - A
023 - B 
024 - B 
025 - E 
026 - C 
027 - A
028 - E 
029 - D
030 - B 

 

031 - C 
032 - B 
033 - C 
034 - D
035 - B 
036 - A
037 - C 
038 - C 
039 - D
040 - E 

 

041 - A
042 - D
043 - B 
044 - C 
045 - D
046 - A
047 - B 
048 - E 
049 - D
050 - E 

 

051 - A
052 - B 
053 - D
054 - C 
055 - A
056 - E 
057 - D
058 - C 
059 - E 
060 - B 

 

001 - D
002 - C 
003 - E 
004 - B 
005 - A
006 - B 
007 - D
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - C 
014 - D
015 - A
016 - B 
017 - C 
018 - A
019 - E 
020 - D

 

021 - A
022 - D
023 - A
024 - B 
025 - E 
026 - C 
027 - B 
028 - D
029 - D
030 - C 

 

031 - E 
032 - D
033 - A
034 - E 
035 - C 
036 - A
037 - B 
038 - E 
039 - C 
040 - B 

 

041 - B 
042 - B 
043 - C 
044 - A
045 - E 
046 - A
047 - C 
048 - D
049 - B 
050 - D

 

051 - A
052 - E 
053 - C 
054 - C 
055 - B 
056 - E 
057 - D
058 - A
059 - B 
060 - D

 

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-gabarito.pdf-html.html

CONHEC. GERAIS/CONHEC.ESPECÍFICOS/DISCURSIVA-REDAÇÃO 

Cargo ou opção D04 - ANALISTA MINISTERIAL - ARQUITETO 

Tipo gabarito 1 

 

 

CONHEC. GERAIS/CONHEC.ESPECÍFICOS/DISCURSIVA-REDAÇÃO 

Cargo ou opção E05 - ANALISTA MINISTERIAL - ASSISTENTE SOCIAL 

Tipo gabarito 1 

 

 

CONHEC. GERAIS/CONHEC.ESPECÍFICOS/DISCURSIVA-REDAÇÃO 

Cargo ou opção F06 - ANALISTA MINISTERIAL - COMUNIC. 

SOCIAL/JORNALISMO 

Tipo gabarito 1 

 

 

 

 

 

 

001 - D
002 - C 
003 - E 
004 - B 
005 - A
006 - B 
007 - D
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - C 
014 - D
015 - A
016 - B 
017 - C 
018 - A
019 - E 
020 - D

 

021 - E 
022 - B 
023 - A
024 - D
025 - B 
026 - C 
027 - E 
028 - A
029 - D
030 - A

 

031 - B 
032 - D
033 - D
034 - C 
035 - C 
036 - E 
037 - B 
038 - A
039 - A
040 - C 

 

041 - E 
042 - B 
043 - A
044 - D
045 - E 
046 - C 
047 - A
048 - A
049 - B 
050 - D

 

051 - C 
052 - E 
053 - B 
054 - C 
055 - E 
056 - D
057 - C 
058 - B 
059 - D
060 - A

 

001 - D
002 - C 
003 - E 
004 - B 
005 - A
006 - B 
007 - D
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - C 
014 - D
015 - A
016 - B 
017 - C 
018 - A
019 - E 
020 - D

 

021 - B 
022 - D
023 - A
024 - D
025 - B 
026 - A
027 - D
028 - D
029 - C 
030 - C 

 

031 - A
032 - E 
033 - B 
034 - A
035 - C 
036 - E 
037 - C 
038 - D
039 - A
040 - E 

 

041 - E 
042 - C 
043 - E 
044 - D
045 - A
046 - C 
047 - B 
048 - E 
049 - B 
050 - B 

 

051 - A
052 - D
053 - C 
054 - D
055 - A
056 - D
057 - A
058 - E 
059 - C 
060 - B 

 

001 - D
002 - C 
003 - E 
004 - B 
005 - A
006 - B 
007 - D
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - C 
014 - D
015 - A
016 - B 
017 - C 
018 - A
019 - E 
020 - D

 

021 - E 
022 - C 
023 - A
024 - A
025 - D
026 - E 
027 - E 
028 - A
029 - C 
030 - B 

 

031 - E 
032 - A
033 - D
034 - D
035 - A
036 - C 
037 - B 
038 - E 
039 - B 
040 - B 

 

041 - C 
042 - E 
043 - E 
044 - C 
045 - D
046 - A
047 - B 
048 - C 
049 - A
050 - C 

 

051 - D
052 - C 
053 - B 
054 - C 
055 - D
056 - B 
057 - D
058 - A
059 - E 
060 - E 

 

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-gabarito.pdf-html.html

CONHEC. GERAIS/CONHEC.ESPECÍFICOS/DISCURSIVA-REDAÇÃO 

Cargo ou opção G07 - ANALISTA MINISTERIAL - CONTADOR 

Tipo gabarito 1 

 

 

CONHEC. GERAIS/CONHEC.ESPECÍFICOS/DISCURSIVA-REDAÇÃO 

Cargo ou opção H08 - ANALISTA MINISTERIAL - ENGENHARIA CIVIL 

Tipo gabarito 1 

 

 

CONHEC. GERAIS/CONHEC.ESPECÍFICOS/DISCURSIVA-REDAÇÃO 

Cargo ou opção I09 - ANALISTA MINISTERIAL - ENGENHARIA ELÉTRICA 

Tipo gabarito 1 

 

 

 

 

 

 

 

001 - D
002 - C 
003 - E 
004 - B 
005 - A
006 - B 
007 - D
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - C 
014 - D
015 - A
016 - B 
017 - C 
018 - A
019 - E 
020 - D

 

021 - C 
022 - A
023 - E 
024 - B 
025 - E 
026 - A
027 - D
028 - D
029 - A
030 - C 

 

031 - A
032 - B 
033 - E 
034 - C 
035 - B 
036 - E 
037 - A
038 - D
039 - D
040 - C 

 

041 - B 
042 - B 
043 - B 
044 - A
045 - E 
046 - D
047 - C 
048 - C 
049 - C 
050 - E 

 

051 - D
052 - A
053 - D
054 - E 
055 - C 
056 - B 
057 - A
058 - D
059 - E 
060 - B 

 

001 - D
002 - C 
003 - E 
004 - B 
005 - A
006 - B 
007 - D
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - C 
014 - D
015 - A
016 - B 
017 - C 
018 - A
019 - E 
020 - D

 

021 - A
022 - B 
023 - D
024 - B 
025 - C 
026 - D
027 - B 
028 - E 
029 - A
030 - C 

 

031 - B 
032 - D
033 - C 
034 - E 
035 - A
036 - A
037 - C 
038 - B 
039 - C 
040 - A

 

041 - E 
042 - B 
043 - C 
044 - E 
045 - A
046 - A
047 - E 
048 - D
049 - E 
050 - D

 

051 - D
052 - C 
053 - B 
054 - E 
055 - C 
056 - E 
057 - D
058 - A
059 - D
060 - B 

 

001 - D
002 - C 
003 - E 
004 - B 
005 - A
006 - B 
007 - D
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - C 
014 - D
015 - A
016 - B 
017 - C 
018 - A
019 - E 
020 - D

 

021 - C 
022 - D
023 - A
024 - C 
025 - B 
026 - E 
027 - D
028 - B 
029 - E 
030 - A

 

031 - D
032 - A
033 - C 
034 - E 
035 - C 
036 - D
037 - B 
038 - A
039 - E 
040 - B 

 

041 - D
042 - C 
043 - A
044 - E 
045 - D
046 - C 
047 - A
048 - E 
049 - B 
050 - C 

 

051 - D
052 - B 
053 - A
054 - B 
055 - C 
056 - E 
057 - B 
058 - D
059 - D
060 - A

 

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-gabarito.pdf-html.html

CONHEC. GERAIS/CONHEC.ESPECÍFICOS/DISCURSIVA-REDAÇÃO 

Cargo ou opção J10 - ANALISTA MINISTERIAL - PSICÓLOGO 

Tipo gabarito 1 

 

 

CONHEC. GERAIS/CONHEC.ESPECÍFICOS/DISCURSIVA-REDAÇÃO 

Cargo ou opção K11 - ANALISTA MINISTERIAL - BANCO DE DADOS 

Tipo gabarito 1 

 

 

CONHEC. GERAIS/CONHEC.ESPECÍFICOS/DISCURSIVA-REDAÇÃO 

Cargo ou opção L12 - ANALISTA MINISTERIAL - REDE E 

INFRAESTRUTURA 

Tipo gabarito 1 

 

 

 

 

 

 

 

001 - D
002 - C 
003 - E 
004 - B 
005 - A
006 - B 
007 - D
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - C 
014 - D
015 - A
016 - B 
017 - C 
018 - A
019 - E 
020 - D

 

021 - B 
022 - A
023 - C 
024 - B 
025 - E 
026 - D
027 - C 
028 - A
029 - D
030 - D

 

031 - B 
032 - C 
033 - E 
034 - E 
035 - A
036 - C 
037 - D
038 - A
039 - E 
040 - B 

 

041 - C 
042 - A
043 - E 
044 - D
045 - A
046 - A
047 - B 
048 - A
049 - D
050 - B 

 

051 - E 
052 - E 
053 - A
054 - C 
055 - B 
056 - D
057 - A
058 - B 
059 - E 
060 - D

 

001 - D
002 - C 
003 - E 
004 - B 
005 - A
006 - B 
007 - D
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - C 
014 - D
015 - A
016 - B 
017 - C 
018 - A
019 - E 
020 - D

 

021 - D
022 - E 
023 - C 
024 - A
025 - D
026 - A
027 - B 
028 - C 
029 - E 
030 - A

 

031 - B 
032 - E 
033 - C 
034 - A
035 - D
036 - B 
037 - D
038 - E 
039 - A
040 - C 

 

041 - A
042 - D
043 - C 
044 - B 
045 - D
046 - E 
047 - C 
048 - B 
049 - A
050 - D

 

051 - D
052 - E 
053 - A
054 - B 
055 - A
056 - E 
057 - E 
058 - B 
059 - C 
060 - D

 

001 - D
002 - C 
003 - E 
004 - B 
005 - A
006 - B 
007 - D
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - C 
014 - D
015 - A
016 - B 
017 - C 
018 - A
019 - E 
020 - D

 

021 - D
022 - E 
023 - C 
024 - A
025 - D
026 - A
027 - B 
028 - C 
029 - E 
030 - A

 

031 - D
032 - E 
033 - A
034 - A
035 - C 
036 - D
037 - B 
038 - E 
039 - C 
040 - B 

 

041 - E 
042 - A
043 - D
044 - B 
045 - B 
046 - A
047 - C 
048 - E 
049 - B 
050 - D

 

051 - D
052 - A
053 - C 
054 - E 
055 - C 
056 - A
057 - B 
058 - D
059 - E 
060 - C 

 

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-gabarito.pdf-html.html

CONHEC. GERAIS/CONHEC.ESPECÍFICOS/DISCURSIVA-REDAÇÃO 

Cargo ou opção M13 - ANALISTA MINISTERIAL - SEGURANÇA DA 

INFORMAÇÃO 

Tipo gabarito 1 

 

 

CONHEC. GERAIS/CONHEC.ESPECÍFICOS/DISCURSIVA-REDAÇÃO 

Cargo ou opção N14 - ANALISTA MINISTERIAL - AN. E DESENV. DE 

SISTEMAS 

Tipo gabarito 1 

 

 

CONHEC. GERAIS/CONHEC.ESPECÍFICOS/DISCURSIVA-REDAÇÃO 

Cargo ou opção O15 - ANALISTA MINISTERIAL - TESTE E QUALID. DE 

SOFTWARE 

Tipo gabarito 1 

 

 

 

 

 

001 - D
002 - C 
003 - E 
004 - B 
005 - A
006 - B 
007 - D
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - C 
014 - D
015 - A
016 - B 
017 - C 
018 - A
019 - E 
020 - D

 

021 - D
022 - E 
023 - C 
024 - A
025 - D
026 - A
027 - B 
028 - C 
029 - E 
030 - A

 

031 - A
032 - C 
033 - A
034 - D
035 - C 
036 - D
037 - E 
038 - B 
039 - E 
040 - B 

 

041 - A
042 - B 
043 - E 
044 - E 
045 - B 
046 - C 
047 - A
048 - D
049 - D
050 - A

 

051 - B 
052 - E 
053 - C 
054 - A
055 - D
056 - C 
057 - C 
058 - B 
059 - E 
060 - D

 

001 - D
002 - C 
003 - E 
004 - B 
005 - A
006 - B 
007 - D
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - C 
014 - D
015 - A
016 - B 
017 - C 
018 - A
019 - E 
020 - D

 

021 - D
022 - E 
023 - C 
024 - A
025 - D
026 - A
027 - B 
028 - C 
029 - E 
030 - A

 

031 - D
032 - B 
033 - C 
034 - D
035 - E 
036 - A
037 - B 
038 - E 
039 - A
040 - C 

 

041 - A
042 - D
043 - B 
044 - E 
045 - C 
046 - C 
047 - B 
048 - A
049 - D
050 - C 

 

051 - A
052 - E 
053 - B 
054 - A
055 - C 
056 - D
057 - E 
058 - B 
059 - D
060 - E 

 

001 - D
002 - C 
003 - E 
004 - B 
005 - A
006 - B 
007 - D
008 - C 
009 - A
010 - E 

 

011 - E 
012 - B 
013 - C 
014 - D
015 - A
016 - B 
017 - C 
018 - A
019 - E 
020 - D

 

021 - D
022 - E 
023 - C 
024 - A
025 - D
026 - A
027 - B 
028 - C 
029 - E 
030 - A

 

031 - D
032 - B 
033 - C 
034 - D
035 - E 
036 - A
037 - B 
038 - E 
039 - A
040 - C 

 

041 - A
042 - D
043 - B 
044 - E 
045 - C 
046 - B 
047 - A
048 - E 
049 - C 
050 - D

 

051 - D
052 - B 
053 - E 
054 - C 
055 - E 
056 - A
057 - C 
058 - A
059 - D
060 - B 

 

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-gabarito.pdf-html.html

CONHEC. GERAIS/CONHEC.ESPECÍFICOS 

Cargo ou opção P16 - TÉCNICO MINISTERIAL - ADMINISTRATIVO 

Tipo gabarito 1 

 

 

CONHEC. GERAIS/CONHEC.ESPECÍFICOS 

Cargo ou opção Q17 - TÉCNICO MINISTERIAL - EXECUÇÃO DE 

MANDADOS 

Tipo gabarito 1 

 

 

CONHEC. GERAIS/CONHEC.ESPECÍFICOS 

Cargo ou opção R18 - TÉCNICO MINISTERIAL - EDIFICAÇÕES 

Tipo gabarito 1 

 

 

 

 

 

 

 

001 - B 
002 - D
003 - A
004 - B 
005 - A
006 - D
007 - E 
008 - C 
009 - E 
010 - C 

 

011 - C 
012 - D
013 - D
014 - A
015 - E 
016 - A
017 - E 
018 - B 
019 - C 
020 - D

 

021 - E 
022 - A
023 - A
024 - C 
025 - B 
026 - D
027 - E 
028 - B 
029 - D
030 - C 

 

031 - A
032 - E 
033 - E 
034 - B 
035 - A
036 - C 
037 - E 
038 - B 
039 - D
040 - C 

 

041 - A
042 - C 
043 - C 
044 - E 
045 - B 
046 - D
047 - D
048 - A
049 - B 
050 - C 

 

051 - A
052 - D
053 - B 
054 - E 
055 - C 
056 - E 
057 - A
058 - B 
059 - D
060 - C 

 

001 - B 
002 - D
003 - A
004 - B 
005 - A
006 - D
007 - E 
008 - C 
009 - E 
010 - C 

 

011 - C 
012 - D
013 - D
014 - A
015 - E 
016 - A
017 - E 
018 - B 
019 - C 
020 - D

 

021 - A
022 - E 
023 - C 
024 - B 
025 - D
026 - C 
027 - A
028 - E 
029 - B 
030 - D

 

031 - A
032 - D
033 - A
034 - C 
035 - B 
036 - E 
037 - B 
038 - D
039 - E 
040 - C 

 

041 - B 
042 - E 
043 - C 
044 - C 
045 - A
046 - B 
047 - E 
048 - D
049 - D
050 - A

 

051 - A
052 - C 
053 - B 
054 - E 
055 - C 
056 - A
057 - D
058 - B 
059 - D
060 - E 

 

001 - B 
002 - D
003 - A
004 - B 
005 - A
006 - D
007 - E 
008 - C 
009 - E 
010 - C 

 

011 - C 
012 - D
013 - D
014 - A
015 - E 
016 - A
017 - E 
018 - B 
019 - C 
020 - D

 

021 - C 
022 - A
023 - E 
024 - D
025 - A
026 - B 
027 - E 
028 - C 
029 - D
030 - A

 

031 - B 
032 - E 
033 - B 
034 - D
035 - C 
036 - C 
037 - D
038 - B 
039 - E 
040 - A

 

041 - D
042 - C 
043 - A
044 - B 
045 - B 
046 - D
047 - E 
048 - E 
049 - C 
050 - A

 

051 - A
052 - C 
053 - D
054 - A
055 - E 
056 - B 
057 - D
058 - C 
059 - E 
060 - B 

 

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-gabarito.pdf-html.html

CONHEC. GERAIS/CONHEC.ESPECÍFICOS 

Cargo ou opção S19 - TÉCNICO MINISTERIAL - TECNOLOGIA DA 

INFORMAÇÃO 

Tipo gabarito 1 

 

 

CONHEC. GERAIS/CONHEC.ESPECÍFICOS 

Cargo ou opção T20 - TÉCNICO MINISTERIAL - REDE E INFRAESTRUTURA 

Tipo gabarito 1 

 

 

CONHEC. GERAIS/CONHEC.ESPECÍFICOS 

Cargo ou opção U21 - TÉCNICO MINISTERIAL - SAÚDE 

Tipo gabarito 1 

 

 

 

 

 

 

001 - B 
002 - D
003 - A
004 - B 
005 - A
006 - D
007 - E 
008 - C 
009 - E 
010 - C 

 

011 - C 
012 - D
013 - D
014 - A
015 - E 
016 - A
017 - E 
018 - B 
019 - C 
020 - D

 

021 - E 
022 - C 
023 - B 
024 - B 
025 - A
026 - D
027 - A
028 - C 
029 - D
030 - E 

 

031 - A
032 - B 
033 - E 
034 - C 
035 - D
036 - A
037 - E 
038 - D
039 - B 
040 - C 

 

041 - C 
042 - E 
043 - A
044 - A
045 - B 
046 - A
047 - D
048 - B 
049 - C 
050 - E 

 

051 - D
052 - E 
053 - D
054 - B 
055 - C 
056 - C 
057 - E 
058 - D
059 - B 
060 - A

 

001 - B 
002 - D
003 - A
004 - B 
005 - A
006 - D
007 - E 
008 - C 
009 - E 
010 - C 

 

011 - C 
012 - D
013 - D
014 - A
015 - E 
016 - A
017 - E 
018 - B 
019 - C 
020 - D

 

021 - D
022 - A
023 - A
024 - C 
025 - C 
026 - B 
027 - D
028 - E 
029 - C 
030 - E 

 

031 - E 
032 - D
033 - C 
034 - A
035 - B 
036 - D
037 - A
038 - B 
039 - E 
040 - B 

 

041 - E 
042 - C 
043 - D
044 - C 
045 - A
046 - B 
047 - D
048 - A
049 - C 
050 - B 

 

051 - E 
052 - B 
053 - A
054 - D
055 - B 
056 - C 
057 - A
058 - C 
059 - E 
060 - E 

 

001 - B 
002 - D
003 - A
004 - B 
005 - A
006 - D
007 - E 
008 - C 
009 - E 
010 - C 

 

011 - C 
012 - D
013 - D
014 - A
015 - E 
016 - A
017 - E 
018 - B 
019 - C 
020 - D

 

021 - A
022 - C 
023 - B 
024 - E 
025 - A
026 - D
027 - C 
028 - E 
029 - B 
030 - A

 

031 - D
032 - D
033 - B 
034 - C 
035 - B 
036 - E 
037 - A
038 - C 
039 - D
040 - A

 

041 - E 
042 - C 
043 - B 
044 - D
045 - A
046 - A
047 - D
048 - C 
049 - E 
050 - B 

 

051 - A
052 - C 
053 - E 
054 - B 
055 - D
056 - A
057 - E 
058 - C 
059 - D
060 - B 

 

Prova

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-prova.pdf-html.html

N do Caderno

o

N de Inscrição

o

ASSINATURA DO CANDIDATO

N do Documento

o

Nome do Candidato

P R O V A

A

C D E

Junho/2013

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO MARANHÃO

Analista Ministerial

Arquiteto

Concurso Público para provimento de cargos de

Conhecimentos Gerais
Conhecimentos Específicos
Discursiva - Redação

INSTRUÇÕES

VOCÊ DEVE

ATENÇÃO

- Verifique se este caderno:

- corresponde a sua opção de cargo.

- contém 60 questões, numeradas de 1 a 60.

- contém a proposta e o espaço para o rascunho da redação.

Caso contrário, reclame ao fiscal da sala um outro caderno.

Não serão aceitas reclamações posteriores.

- Para cada questão existe apenas UMA resposta certa.

- Você deve ler cuidadosamente cada uma das questões e escolher a resposta certa.

- Essa resposta deve ser marcada na FOLHA DE RESPOSTAS que você recebeu.

- Procurar, na FOLHA DE RESPOSTAS, o número da questão que você está respondendo.

- Verificar no caderno de prova qual a letra (A,B,C,D,E) da resposta que você escolheu.

- Marcar essa letra na FOLHA DE RESPOSTAS, conforme o exemplo:

- Ler o que se pede na Prova Discursiva - Redação e utilizar, se necessário, o espaço para rascunho.

- Marque as respostas primeiro a lápis e depois cubra com caneta esferográfica de material transparente de tinta preta.

- Marque apenas uma letra para cada questão, mais de uma letra assinalada implicará anulação dessa questão.

- Responda a todas as questões.

- Não será permitida qualquer espécie de consulta, nem o uso de máquina calculadora.

- Em hipótese alguma o rascunho da Prova Discursiva - Redação será corrigido.

- A duração da prova é de 4 horas para responder a todas as questões objetivas, preencher a Folha de Respostas, fazer

a Prova de Redação e transcrever na Folha de Respostas correspondente.

- Ao término da prova, chame o fiscal da sala e devolva todo o material recebido.

- Proibida a divulgação ou impressão parcial ou total da presente prova. Direitos Reservados.

Caderno de Prova ’D04’, Tipo 001

MODELO

0000000000000000

MODELO1

00001−0001−0001

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

MPEMA-Conhecimentos Gerais

1

 

 

CONHECIMENTOS GERAIS 

 

Língua Portuguesa 

 

Atenção:   Considere o texto abaixo para responder às ques-

tões de números 1 a 10. 

  

Juventudes 

 

Pois se ainda ontem eu era jovem, conforme me as-

seguravam, asseguro-lhes que ainda hoje minha juventude não 
acabou. Se viesse a acabar, estaria tão velho que não saberia 
disso 

 o que significa que serei eternamente jovem. Preciso 

acrescentar: nada tenho de especial, todos os jovens da minha 
idade (isto é, acima dos 60) sabem disso. Não adianta os es-
pelhos (por que se espalham por toda parte?) pretenderem 
mostrar o contrário, jogar-nos na cara nossa imagem envelhe-
cida. Nós sabemos que eles mentem, sabemos que não têm 
como refletir nosso espírito 

 daí se vingarem, refletindo tão so-

mente o que aparece. 

Vou mais longe: não é que não envelheçamos, com es-

sa mania que tem o tempo de nunca parar; na verdade, quanto 
mais anos vivemos, mais remoçamos. Alguns vivem até recu-
perar de vez 

 para nunca mais largar dela 

 a liberdade da in-

fância. Enquanto lá não chego (esperando chegar), vou remo-
çando, remoçando, a ponto dos jovens de dezenove anos me 
pedirem mais moderação, mais compostura. Toda vez que fa-
zem isso, surpreendo, no fundo de seus olhos, uma inveja inco-
mensurável: inveja da minha adolescência verdadeira. 

É verdade que a natureza, que tem lá seus caprichos, 

gosta de brincar com nossa juventude de sexagenários. Ela faz, 
por exemplo, o chão parecer mais longe: custa-nos chegar a 
ele, para apanhar aquela moedinha. Brinca, ainda, com nosso 
senso de equilíbrio: um volteio mais rápido do corpo e parece 
que a Terra subitamente acelerou a rotação. E já não podemos 
saltar imitando um saci, sobre os quadrados marcados a giz na 
calçada das brincadeiras: mesmo duas pernas mostram-se in-
suficientes para retomar o equilíbrio. 

Enfim: valha esta mensagem para todos os jovens que 

ainda acreditam na velhice. Bobagem, meus amiguinhos: a ve-
lhice não chega nunca, é mais uma ilusão da juventude. Não 
adianta o corpo insistir em dar todos os sinais de mau funciona-
mento, inútil insistirem as bactérias em corromper nossos teci-
dos, inútil os olhos perderem a luz de dentro e a luz de fora: 
morremos sempre jovens, espantados por morrer, atônitos com 
essa insistência caprichosa e absurda da natureza, de vir ceifar 
nossa vida exatamente quando desfrutamos do esplendor de 
nossa juventude mais madura.  

(Adamastor Rugendas, inédito

 
 
1. 

Mostrando-se convicto de seu próprio conceito de juven-
tude, o autor do texto deseja demonstrar que a velhice  

 

(A)  existe apenas quando tomamos consciência de sua 

chegada, o que costuma ocorrer com os primeiros 
sinais da decrepitude física. 

 

(B)  somente atinge nosso espírito quando tomamos co-

nhecimento dela pela implacável imagem de nós 
mesmos que os espelhos fornecem. 

 

(C)  chega primeiro para aqueles que, quando jovens, 

não se preparam para enfrentar todos os limites e 
dissabores dos últimos anos da vida. 

 

(D)  efetivamente nunca chega, pois o espírito é imune a 

ela e não acusa em si mesmo as carências e as 
restrições físicas que chegam com o tempo. 

 

(E)  de fato inexiste para aquele que, mesmo se sentindo 

velho e acabado, consegue transmitir aos outros 

uma imagem de jovialidade. 

2. 

Atente para as seguintes afirmações: 

 
 

I

.  Para o autor do texto, uma evidência de que a ve-

lhice não é ilusória está no fato de que os jovens 
fingem não temê-la e de que os velhos simulam 
não acreditar nela, sabendo ambos o quanto o tem-
po é implacável. 

 
 

II

.  No segundo parágrafo, o autor retrata-se do exa-

gero que cometeu no parágrafo anterior, onde afir-
mou minha juventude não acabou, e no terceiro pa-
rágrafo confessará que não é pouco penoso ser um 
sexagenário. 

 
 

III

.  Ao longo do texto, o autor promove uma desvincu-

lação entre o corpo e o espírito, de modo que um 
sexagenário possa sentir-se intimamente jovem. 

 
 

Em relação ao texto, está correto SOMENTE o que se 
afirma em 

 

(A) 

I

 

(B) 

II

 
(C) 

III

 

(D) 

I

 e 

II

 

(E) 

II

 e 

III

_________________________________________________________ 

 

3.  Considerando-se o contexto, traduz-se com correção e 

coerência o sentido do seguinte segmento: 

 

(A)  Pois se ainda ontem eu era jovem (1

o

 parágra-

fo) 

= mesmo que ontem eu fosse moço 

 

(B)  não têm como refletir nosso espírito (1

o

 pará-

grafo) 

= não podem espiritualizar nossa imagem 

 
(C)  até recuperar de vez (2

o

 parágrafo) 

= afim de se rea-

bilitar inteiramente 

 
(D)  uma inveja incomensurável (2

o

 parágrafo) 

= um  an-

seio irretratável 

 
(E)  desfrutamos do esplendor (4

o

 parágrafo) 

= usufruí-

mos a magnificência 

_________________________________________________________ 

 

4. 

Está clara e correta a redação deste livre comentário so-
bre o texto: 

 

(A)  Os espelhos, do ponto de vista das pessoas velhas, 

não existem se não para mostrá-las os traços inde-
sejáveis de seus rostos, já que o espírito lhes per-
manece jovem. 

 
(B)  Para o autor do texto, o espírito das pessoas não en-

velhece: com o correr dos anos, elas passam a se 
sentir mais e mais jovens. 

 
(C)  É de se confessar que a velhice trás, de fato, alguns 

resquícios de enfraquecimento, haja visto os dese-
quilíbrios corporais e sua cada vez menor elastici-
dade. 

 
(D)  O autor chega ao displante de considerar a velhice 

uma mera ilusão da juventude; parece-lhe, até mes-
mo, que os sexagenários são mais adolescentes que 
os mesmos. 

 
(E)  Há alguns velhinhos, de fato, em cujos trejeitos os 

fazem assemelhados a crianças, razão pela qual o 
autor considera a possibilidade de um contínuo re-
moçamento. 

Caderno de Prova ’D04’, Tipo 001

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

MPEMA-Conhecimentos Gerais

1

 

5. 

Considerando-se as normas de concordância verbal, há 
uma irregularidade na frase: 

 

(A)  Não deveriam preocupar aos mais velhos, na opi-

nião do autor do texto, a expectativa de que os mui-
tos anos já vividos acarretam a decrepitude do es-
pírito. 

 

(B)  Falando dos sexagenários, assegura-nos o autor 

que seu espírito não envelhece, que podem mesmo 
senti-lo rejuvenescido sob mais de um aspecto. 

 

(C)  Que os desequilíbrios do corpo ou a falta de agili-

dade não pareçam aos mais velhos o indício de um 
pleno envelhecimento, pois o espírito não acusa tais 
fraquezas. 

 

(D)  Não sei o quanto surpreenderá aos jovens o fervor 

com que o autor se vale de argumentos para con-
siderar que os anos de velhice efetivamente nunca 
chegam. 

 

(E)  Ao contrário dos mais jovens, a quem surpreende- 

rão as ideias do autor, agradará aos mais velhos 
aboná-las como inteiramente naturais. 

_________________________________________________________ 

 

6. 

Está plenamente adequada a correlação entre tempos e 
modos verbais na frase: 

 

(A)  Se a natureza não fosse tão caprichosa, seria bom 

que possamos ainda brincar nos jogos de calçada, 
com os quais tanto nos animáramos quando pe-
quenos. 

 

(B)  Quanto mais vivermos, mais remoçaremos, e um 

dia teremos chegado ao desfrute da liberdade de 
que gozávamos quando crianças. 

 

(C)  Se o chão parece mais longe agora, dever-se-á isso 

ao fato de que nosso corpo começasse a se res-
sentir dos limites que nos impõem os muitos anos de 
vida. 

 

(D)  Esperemos que esta mensagem viesse a contribuir 

para que todos os jovens que acreditassem na ve-
lhice possam mudar de opinião. 

 

(E)  Melhor será se a morte não tivesse a má ideia de vir 

interromper nossa vida justamente quando estiver-
mos desfrutando do esplendor da última juventude. 

_________________________________________________________ 

 

7.  Está plenamente adequada a pontuação da seguinte 

frase: 

 

(A)  O autor do texto sem dispensar o humor, defende 

um ponto de vista curioso, segundo o qual a velhice, 
normalmente uma idade temida, e estigmatizada, 
não passa de mais uma ilusão da juventude. 

 

(B)  O autor do texto, sem dispensar o humor defende 

um ponto de vista curioso, segundo o qual a velhice 
normalmente, uma idade temida e estigmatizada 
não passa de mais uma ilusão, da juventude.  

 

(C)  O autor do texto, sem dispensar o humor defende 

um ponto de vista, curioso, segundo o qual a velhice, 
normalmente uma idade, temida e estigmatizada, 
não passa de mais uma ilusão da juventude.  

 

(D)  O autor do texto, sem dispensar o humor, defende 

um ponto de vista curioso, segundo o qual a velhice, 
normalmente uma idade temida e estigmatizada, 
não passa de mais uma ilusão da juventude. 

 

(E)  O autor do texto, sem dispensar o humor, defende 

um ponto de vista curioso, segundo o qual, a velhice 
normalmente uma idade temida e estigmatizada, 
não passa de mais uma ilusão da juventude. 

8.  Está plenamente adequado o emprego de ambos os 

segmentos sublinhados em: 

 

 

I

.  Os anos da velhice, em cujo peso ninguém desa-

credita, parecem ao autor tão ou mais amenos 
quanto os da juventude. 

 

 

II

.  O preço do passar dos anos, paga-lhe o corpo com 

os limites e carências de que passa a acusar, mas 
o espírito segue inabalável. 

 

 

III

.  A despeito da má fama de que a velhice é vítima, 

vivê-la bem é preferível a aproveitar mal a moci-
dade.  

 

 

Atende ao enunciado SOMENTE o que está em 

 

(A) 

I

(B) 

II

(C) 

III

(D) 

I

 e 

II

(E) 

II

 e 

III

_________________________________________________________ 

 

9. 

Ambas as frases admitem transposição para a voz 
passiva em: 

 

(A)  Não renego a mal afamada velhice    e    Alguém 

invejará os velhos? 

 

(B)  Vou mais longe que você  e  A natureza tem seus 

caprichos. 

 

(C)  O tempo brinca com a juventude  e  O passar dos 

anos não lhe fez mal. 

 

(D)  Que os jovens acreditem em mim    e    Sinto-me 

mais moço do que ele. 

 

(E)  A natureza não nos poupa  e  O espírito segue 

confiante. 

_________________________________________________________ 

 

10. O mau emprego do elemento sublinhado torna 

incoerente a seguinte frase: 

 

(A)  Conquanto não tema a velhice, o autor não deixa de 

reconhecer os agravos físicos da idade. 

 

(B)  Ele não teme a velhice, por mais que tantos se po-

nham a execrá-la. 

 

(C)  Não obstante a decrepitude do corpo, o espírito 

ainda desfruta de todo o seu vigor. 

 

(D)  Ele vê a velhice com simpatia, porquanto não sentiu 

envelhecer o espírito. 

 

(E)  Louvo a velhice, a despeito de alguns verem nela 

algumas benesses. 

_________________________________________________________ 

 

Matemática e Raciocínio Lógico 

 

11.  Um motor funciona durante 3 horas consecutivas com 1 li-

tro do combustível A, e 2,5 horas consecutivas com 1 litro 
do combustível B. Admita que esse motor funcione com 
qualquer mistura dos combustíveis A e B, e sempre com 
rendimento diretamente proporcional ao tempo de funcio-
namento com cada combustível quando utilizado isolada-
mente. O tempo de funcionamento desse motor com uma 
mistura de 500 mL de combustível A e 500 mL de com-
bustível B será de 2 horas e 
 
(A) 42 

minutos. 

 
(B) 52 

minutos. 

 
(C) 48 

minutos. 

 
(D) 40 

minutos. 

 
(E) 45 

minutos. 

Caderno de Prova ’D04’, Tipo 001

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

MPEMA-Conhecimentos Gerais

1

 

12.  O número 40 é dividido em três parcelas positivas. A maior 

das três parcelas deixa resto 4 na divisão por 8. A parcela 
de valor intermediário deixa resto 1 na divisão por 8. Nas 
condições dadas, a menor das três parcelas é igual a 
 
(A) 4 

 
(B) 3 

 
(C) 2 

 
(D) 5 

 
(E) 1 

_________________________________________________________ 

 

13.  Álvaro assumiu uma dívida de x reais em janeiro. Em fe-

vereiro ele pagou 3/5 dessa dívida. Em março, pagou 
metade do que ainda devia e, em abril, quitou a dívida, 
tendo de acrescentar ao pagamento 20% de juros sobre o 
valor da dívida que havia assumido em janeiro. Se o valor 
total pago por Álvaro em abril para quitar sua dívida (in-
cluindo os juros) foi de R$ 1.280,00, então x é igual a 
 
(A) R$ 

3.150,00 

 
(B) R$ 

2.820,00 

 
(C) R$ 

3.200,00 

 
(D) R$ 

3.300,00 

 
(E) R$ 

3.050,00 

_________________________________________________________ 

 

14.  Em uma folha quadrada de papel, foram traçadas 3 linhas 

paralelas a um dos lados da folha e outras 3 linhas per-
pendiculares às linhas já traçadas de forma a surgirem 
16 pequenos quadrados idênticos em seu interior. Algu-
mas fichas serão colocadas nos pequenos quadrados de 
acordo com a seguinte regra: 

 
−  não se pode colocar mais de uma ficha em cada pe-

queno quadrado; 

 

−  não se pode colocar mais do que três fichas em cada 

linha, coluna ou diagonal da folha de papel. 

 

 

Nas condições dadas, o número máximo de fichas que se 
pode colocar sobre a folha quadrada de papel é 
 
(A) 10 
 
(B) 11 
 
(C)    9 
 
(D) 12 
 
(E)    8 

_________________________________________________________ 

 

15.  O recipiente A possui 10 litros de água, e o recipiente B 

está vazio. A água pode ser transferida do recipiente A 
para o B (e do B para o A) livremente apenas com o uso 
de duas canecas, com capacidades de 3 e 5 litros. O nú-
mero mínimo de transferências de água entre os reci-
pientes até que o recipiente B fique com 4 litros de água é 

 

(A) quatro. 

 

(B) seis. 
 
(C) cinco. 
 
(D) três. 
 
(E) dois. 

 

Legislação (Estatuto do Ministério Público do 

Estado do Maranhão) 

 

16.  Os recursos próprios originários de taxa de inscrição, para 

os concursos públicos promovidos pela Procuradoria-Geral 
de Justiça do Estado do Maranhão, serão utilizados para 

 

(A)  aprimoramento dos concursos públicos realizados 

pelo Governo do Estado do Maranhão. 

 

(B)  programas vinculados à finalidade da Instituição, ve-

dada outra destinação. 

 

(C)  fundo de despesa estadual criado para a contra-

tação de estagiários para o Governo do Estado do 
Maranhão. 

 

(D)  financiamento de projetos do Governo do Estado re-

lacionados a carreiras de Estado. 

 

(E)  cobertura de custos de processos administrativos 

que envolvam servidores e membros do Ministério 
Público. 

_________________________________________________________ 

 

17.  Sobre o Procurador-Geral de Justiça é correto afirmar que 

 

(A)  é nomeado pelo Governador do Estado para man-

dato de um ano. 

 

(B)  é vedada a sua recondução para mais um período 

de mandato. 

 

(C)  sua destituição deverá ser precedida de autorização 

de um terço dos membros da Assembleia Legislati-
va. 

 

(D)  a ele compete presidir o processo eleitoral interno 

para a escolha dos Subprocuradores-Gerais de Jus-
tiça para assuntos jurídicos e administrativos. 

 

(E)  poderá ter em seu gabinete membros do Ministério 

Público da mais alta evidência ou com mais de cin-
co anos de carreira. 

_________________________________________________________ 

 

18.  Conforme disposto na Lei Complementar n

o

 13/91, consi-

dera-se órgão de execução do Ministério Público 

 

(A)  o Promotor de Justiça Substituto. 
(B)  o Corregedor-Geral de Justiça. 
(C)  a Ouvidoria do Ministério Público. 
(D)  a Escola Superior do Ministério Público. 
(E)  o Centro de Apoio Operacional. 

_________________________________________________________ 

 

19.  Para os fins da Lei n

o

 9.784/99, é denominada unidade de 

atuação dotada de personalidade jurídica  

 

(A) o 

órgão. 

(B) a 

autoridade. 

(C)  o Ministério Público. 
(D)  a Câmara de Recurso do Processo Administrativo. 
(E) a 

entidade. 

_________________________________________________________ 

 

20.  Nos termos do Estatuto dos Servidores Públicos Civis do 

Estado do Maranhão, 

 

(A)  a prestação de serviços gratuitos é facultada aos 

servidores. 

 

(B)  cargo público é aquele criado por lei para provimento 

efetivo e não comissionado. 

 

(C)  a investidura em cargo público ocorrerá com a en-

trada em exercício. 

 

(D)  a investidura em cargo público imprescinde apro-

vação prévia em concurso público, ressalvados os 
casos de nomeação para cargos de livre nomeação 
e exoneração. 

 

(E)  o concurso público será válido por dois anos a con-

tar da publicação do resultado final. 

Caderno de Prova ’D04’, Tipo 001

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

MPEMA-An. Min.-Arquiteto-D04

 

 
 

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 

 
 

21.  Assinale corretamente a fase de processo de projeto arquitetônico e seu conteúdo correspondente, baseado na NBR 13531. 

 

(A)  Estudo Preliminar: Destinado à representação das informações técnicas da edificação e de seus elementos, instalações e 

componentes, ainda não completas ou definitivas, mas consideradas compatíveis com os projetos básicos das atividades 
técnicas necessárias e suficientes à licitação (contratação) dos serviços de obra correspondentes. 

 

(B)  Levantamento de Dados: Destinado à determinação das exigências de caráter prescritivo ou de desempenho (neces-

sidades e expectativas dos usuários) a serem satisfeitas pela edificação a ser concebida. 

 

(C)  Programa de Necessidades: Destinado ao levantamento de informações de referência que representem as condições 

preexistentes, de interesse para instruir a elaboração do projeto. 

 

(D)  Projeto Básico: Destinado à concepção e à representação do conjunto de informações técnicas iniciais e aproximadas, ne-

cessárias à compreensão da configuração da edificação, podendo incluir alternativas. 

 

(E)  Estudo de Viabilidade: Destinado à elaboração de análise e avaliações para seleção e recomendação de alternativas para 

a concepção de edificações e de seus elementos, instalações e componentes. 

 
 
22.  Tipo de cronograma físico onde as etapas de serviços são determinadas por retas inclinadas em relação ao eixo x (tempo), e ao 

eixo y (quantidades), onde o ângulo em relação ao eixo x determina a velocidade de execução dos serviços. É, 
preferencialmente, indicado quando o projeto é de natureza repetitiva. Trata-se do 
 

(A) Gráfico 

Grantt. 

 

(B) Gráfico 

LOB 

(Line Of Balance). 

 

(C)  Diagrama PERT | CPM (Program Evaluation And Reviem Tecnique 

 Critical Path Method). 

 

(D) PDM 

(Precedence Diagraming Method). 

 

(E)  MS Project (Aplicativo da Microsoft). 

 
 
23.  Fluxograma com as Etapas e Procedimentos e seus conteúdos, a serem realizados na execução de uma obra pública: 

 

Etapas / Procedimentos 

Conteúdo das etapas / Procedimentos 

1. Fase 

contratual 

A.  Projeto básico; Projeto executivo; Recursos orçamentários e Edital de 

licitação. 

2.  Fase posterior à contratação  B.  Programa de necessidades; Estudos de viabilidade e Anteprojeto. 

3.  Fase externa da licitação 

C.  Operação e Manutenção. 

4.  Fase preliminar à licitação 

D.  Contrato; Fiscalização da Obra e Recebimento da obra. 

5.  Fase interna da licitação 

E.  Publicação do edital de licitação; Comissão de licitação; Recebimento de 

propostas; Procedimento da licitação. 

 

 

A ordem sequencial, correta e respectivamente, está APENAS em 
 

(A) 

I

 (4,B);  

II

 (5, A);  

III

 (3, E);  

IV

 (1, D)  e  

V

 (2, C). 

 

(B) 

I

 (5, A);  

II

 (2, D);  

III

 (3, C);  

IV

 (1, E)  e  

V

 (4, B). 

 

(C) 

I

 (5,C);  

II

 (4, E);  

III

 (1, A);  

IV

 (2, B)  e  

V

 (3, D). 

 

(D) 

I

 (2, E);  

II

 (3, C);  

III

 (4, A);  

IV

 (1, B)  e  

V

 (5, D). 

 

(E) 

I

 (1,D);  

II

 (2, E);  

III

 (5, C);  

IV

 (3, A)  e  

V

 (4, B). 

Caderno de Prova ’D04’, Tipo 001

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

MPEMA-An. Min.-Arquiteto-D04

 

24.  Para a locação de um edifício, os eixos referenciais são indispensáveis à materialização do gabarito.  
 
 Sendo: 
 

1.  Elementos estruturais 

Pilares, paredes e cortinas. 

2. Eixos 

auxiliares 

Marcos topográficos; alinhamento das ruas lindeiras (guias e sarjetas); postes 
de iluminação; muros limítrofes etc. 

3.  Projeto de fundações 

Blocos, estacas, sapatas, vigas, baldrames etc. 

4.  Projeto de demolições 

Escavações; contenções e drenagem. 

5.  Projeto do movimento de terra 

Volume bruto de corte e aterro; área de corte e aterro; remoção de camada 
vegetal no corte e no aterro; coeficientes de compactação; volume final de 
corte e de aterro e bota-fora (m

3

). 

6.  Projeto de formas 

Parte do projeto estrutural e de suas partes integrantes. 

 
 

Está correto o que consta APENAS em 
 
(A)  2, 3, 4, 5. 
(B)  1, 2, 3, 5. 
(C)  2, 4, 5, 6. 
(D)  1, 2, 3, 6. 
(E)  1, 3, 4, 5. 

 
 
25.  Em análise a um Levantamento Planialtimétrico, a cota do primeiro ponto é de 469,35 m e a cota do segundo ponto é 474,13 m, 

sendo a distância horizontal entre eles de 335,27 m. Pode-se afirmar, corretamente, que o terreno 

 

(A)  é longitudinal, com relevo levemente ondulado, onde a declividade está entre 3 a 6% e considerada moderada. 
 
(B)  tem relevo plano, onde a declividade é inferior a 3% e considerada fraca. 
 
(C)  é transversal, com relevo levemente acidentado, onde a declividade está entre 5 a 10% ou 5 e 10 m.  
 
(D)  tem relevo plano, com desníveis iguais ou maiores a 5 m, onde a declividade é igual ou superior a 5% e, portanto, consi-

derada moderada. 

 
(E)  tem relevo levemente ondulado, onde a declividade é igual ou superior a 3% e considerada moderada. 

 
 
26.  Dispositivos que compõem a central do sistema de alarme contra fogo, fumaça e gases são 

 
(A)  esguichos de água e de espuma. 
(B)  escadas enclausuradas à prova de fumaça. 
(C)  detectores termovelocimétricos e detectores térmicos. 
(D) extintores. 
(E)  Sistemas de Proteção Contra Descargas Atmosféricas (SPDA). 

 
 
27.  De acordo com a NBR 6492/1994 

− Representação de projetos de arquitetura, quanto à etapa de processo de projeto e ele-

mentos que a constituem, considere: 

 

Simbologias de representação gráfica (conforme a norma); curvas de nível existentes e projetadas, além de eventual sistema de 

coordenadas referenciais; indicação do norte; vias de acesso ao conjunto, arruamento e logradouros adjacentes com os respec-
tivos equipamentos urbanos; indicação das áreas a serem edificadas; denominação dos diversos edifícios ou blocos; constru-
ções existentes, demolições ou remoções futuras, áreas 
non aedificandi; escalas; notas gerais, desenhos de referência e ca-
rimbo. 

 
 

A afirmação acima refere-se ao 

 

(A) projeto 

executivo 

− Detalhes construtivos gerais. 

(B) anteprojeto 

− Planta. 

(C) anteprojeto 

− Planta de locação. 

(D) projeto 

executivo 

− Planta de teto refletivo. 

(E) estudo 

preliminar 

− Planta de situação. 

Caderno de Prova ’D04’, Tipo 001

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

MPEMA-An. Min.-Arquiteto-D04

 

28.  A execução de sondagens de simples reconhecimento de solos, com SPT (Standard Penetration Test), regulamentadas pela 

ABNT NBR 6484/2001, tem como objetivo 

 

(A)  a determinação dos tipos de solo em suas profundidades de ocorrência; a posição do nível d´água e os índices de re-

sistência à penetração (N) a cada metro. 

 
(B)  a descrição dos solos grossos; a posição do nível d´água e os índices de resistência à penetração (N) a cada metro. 
 
(C)  a definição dos solos orgânicos; o índice de resistência à penetração e a posição do nível d´água. 
 
(D)  a plasticidade das camadas; os valores dos índices de resistência à penetração e a posição do nível d´água. 
 
(E)  o índice de ocorrência dos solos moles; a resistência das camadas e a posição do nível d´água. 

 
 
29.  A madeira na construção, por ser material orgânico, está sujeita ao ataque de outros organismos vivos que dela necessitam para 

sua sobrevivência. Os maiores degradadores são fungos e bactérias que causam apodrecimento do material.  

 
 

São tratamentos de preservação aprovados pela Associação Brasileira de Preservadores da Madeira (ABPM), com EXCEÇÃO 
aos processos 
 
(A)  de impregnação em autoclaves. 
 
(B)  de imersão das peças em reservativos. 
 
(C)  de impregnação com penetração mais ou menos profunda, de todo alburno, obtida pelo aproveitamento da pressão atmos-

férica, hidráulica, capilar ou osmótica. 

 
(D)  que determinam impregnação nos tecidos lenhosos da madeira, com resinas e plásticos ou pinturas com tintas e enverni-

zadores. 

 
(E)  de tratamento prévio das peças que consiste na secagem em um teor adequado de umidade, remoção das cascas e 

cortiças e da seiva.  

 
 
30.  As formas de um edifício implicam diretamente na escolha dos materiais. 
 

Características dos materiais: 
 

  I

.  Apresenta relativa fraqueza sob tração e flexão. 

 II

.  Resistente à compressão e, aproximadamente, 20 vezes menos resistente à tração e flexão. 

III

.  Suporta forças de tração, flexão e compressão. 

 IV

.  Suporta compressão e flexão eficientemente. 

  V

.  Resistente à tração, mas não suporta compressão ou flexão. 

 
 

Formas: 
 

(1)

(2)

(3)

 

 
 

 

Para apoiar uma massa que exerce determinada carga sobre o apoio, o modelo (material 

+ forma) está correto, e respecti-

vamente, 
 
(A)  no Tijolo (

II

 e 2). 

(B)  no Ferro (

I

 e 3). 

(C)  no Aço na forma de seção “

I

” (

V

 e 2). 

(D)  no Compósito de aço e concreto (

III

 e 1). 

(E)  na Madeira (

IV

 e 3). 

Caderno de Prova ’D04’, Tipo 001

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

MPEMA-An. Min.-Arquiteto-D04

 

31.  Construções em terrenos com desníveis exigem cuidados especiais com as águas de chuva. Pode-se afirmar corretamente que 

em declividade 

 

(A)  contínua, a construção de escadarias hidráulicas sem colchão de água deve considerar a aplicação de revestimento 

antiderrapante e de corrimão para uso humano. 

 

(B)  continua, a construção de rampas deve considerar a vazão e a velocidade das águas de chuva para definição de 

revestimentos e dispositivos de amortecimento no trecho final da rampa. 

 

(C)  descontínua, a construção de escadarias hidráulicas com colchão de água terá a função do vertedor de soleira espessa.  

 

(D)  descontínua, com alta vazão e velocidade de águas de chuva, a construção de rampas deve considerar, como material de 

revestimento, a cobertura vegetal. 

 

(E)  contínua, com alta vazão e velocidade de águas de chuva, a construção de escadas hidráulicas sem colchão terá a função 

do vertedor de soleira delgada.  

 
 
32.  Defina um sistema predial de água fria, considerando que a disponibilidade é intermitente e sujeita a interrupções sistemáticas: 

 

(A)  direto com bomba 

− se o sistema público tiver vazão maior do que a de pico do sistema de distribuição, porém a pressão 

disponível no terminal for maior ou igual à pressão nos pontos de consumo do sistema de distribuição. 

 
(B) direto 

− se o sistema público tiver vazão menor do que a de pico do sistema de distribuição e a pressão disponível no 

terminal, for maior ou igual à pressão nos pontos de consumo do sistema de distribuição. 

 
(C)  indireto com reservatório superior e inferior (RI 

+ RS) − se o sistema público tiver vazão maior ou igual à vazão do pico do 

sistema de distribuição, e a pressão disponível no ponto terminal também for maior ou igual à pressão mínima necessária 
nos pontos de consumo do sistema de distribuição. 

 
(D)  indireto com bombeamento com reservatório superior e inferior (RI 

+ RS) − se o sistema público tiver vazão menor que a 

do pico do sistema de distribuição e a pressão disponível no ponto terminal também for menor que a pressão nos pontos 
de consumo do sistema de distribuição. 

 
(E)  indireto com reservatório inferior e tanque de pressão (RI 

+ TP) − se o sistema público tiver vazão menor do que a de pico 

do sistema de distribuição e a pressão disponível no terminal for maior que a pressão nos pontos de consumo do sistema 
de distribuição. 

 
 
33.  A elaboração do projeto arquitetônico procede sequencialmente com os complementares, para posterior compatibilização. Pode-

se afirmar corretamente que, 

 

(A)  após o detalhamento do projeto arquitetônico, os projetos executivos complementares serão elaborados e confeccionados, 

procedendo-se na seguinte ordem: estruturas em concreto armado, de aço ou madeira; instalações hidrossanitárias, 
instalações elétricas e demais projetos executivos de instalações prediais. 

 

(B)  antes da confecção do anteprojeto de arquitetura, os projetos básicos complementares serão elaborados, procedendo-se 

inicialmente ao básico estrutural, às instalações hidrossanitárias e elétricas e, posteriormente, a combate a incêndio, 
climatização por sistemas de ar condicionado e transporte vertical (elevadores). 

 

(C)  durante a confecção do projeto executivo de arquitetura, os projetos básicos complementares serão compatibilizados, 

procedendo-se, concomitantemente, aos executivos estruturais e às instalações prediais. 

 

(D)  após a confecção do anteprojeto de arquitetura, os anteprojetos complementares serão elaborados, procedendo-se inicial-

mente ao anteprojeto estrutural e, posteriormente, aos demais anteprojetos de instalações prediais.  

 

(E)  antes da confecção do anteprojeto de arquitetura, os projetos básicos complementares serão elaborados, procedendo-se 

inicialmente às estruturas em concreto armado, em aço ou de madeira e, posteriormente, às instalações hidrossanitárias e 
elétricas e demais projetos de instalações prediais. 

 
 
34.  A luz natural caracteriza-se pela grande mutabilidade não somente em termos de quantidade, mas também de aparência, cor e 

projeção no espaço. Em um ambiente de trabalho, para as funções laborativas, considere: 

 

 

I

.  O uso de fechamentos transitórios nas aberturas controla o ofuscamento direto. 

 

 

II

.  O nível de iluminância (lux), fixado pela Norma NBR 5413, deve ter seus valores, mínimos e máximos, entre 300  

e 750 lux, respectivamente, independente da disponibilidade e qualidade da luz natural. 

 

 

III

.  Economia de energia é sempre um parâmetro desejável, porém, o aproveitamento de fontes naturais torna-se inviável em 

ambientes de trabalho.  

 

 

IV

.  Os contrastes excessivos e a relação claro-escuro, luz e sombra são muitas vezes absolutamente desejados. 

 

 

V

.  Os níveis mínimos de iluminação normatizados são considerados altos, mas não dispensam fontes naturais.  

 

 

Está correto o que se afirma APENAS em 

 

(A) 

II

III

 e 

IV

(B) 

III

IV

 e 

V

(C) 

I

II

 e 

V

(D) 

I

III

 e 

V

(E) 

I

II

 e 

IV

Caderno de Prova ’D04’, Tipo 001

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

MPEMA-An. Min.-Arquiteto-D04

 

35.  Para a execução de um projeto luminotécnico, considere a ABNT NBR 5413/1992 

− Iluminância de interiores e a 

ABNT NBR 5382/1985 

− Verificação da iluminância de interiores. 

 

Em uma superfície horizontal a ...... m do piso, para obtenção das condições de iluminância apropriadas ao trabalho visual que 
será executado, a média de iluminância não deverá ser inferior a ......% em qualquer ponto do plano, e no restante do ambiente a 
iluminância não deverá ser inferior a ...... da adotada para o campo de trabalho. 

 

 

Complete correta, e respectivamente, as lacunas: 

 

(A) 0,65 

 

−  60  −  5/10 

(B) 0,74 

 

−  75  −  8/10 

(C) 0,75 

 

−  70  −  1/10 

(D) 0,82 

 

−  80  −  2/10 

(E) 0,78 

 

−  65  −  4/10 

 
 
36.  As aberturas para ventilação devem ser dimensionadas e posicionadas de modo a proporcionar um fluxo de ar adequado ao 

recinto.  

 

Sobre a ação dos ventos, em um edifício em meio urbano, é correto afirmar que 

 

(A)  internamente máquinas, equipamentos e a exposição à radiação solar irão elevar as temperaturas, tornando-as equi-

valentes ao ambiente externo, mantendo as pressões constantes.  

 

(B)  a diferença de pressões exercidas pelo ar sobre um edifício pode ser causada pela forma do próprio edifício e pelas 

edificações do entorno, que criam diferenças nas pressões externas pelo calor produzido dentro dos edifícios. 

 

(C)  a ventilação natural do edifício pode ser proporcionada também pelo chamado efeito chaminé, que utiliza o ar da parte 

superior das coberturas dos edifícios, onde as pressões são constantes.  

 

(D)  o efeito da ação dos ventos é regulado, principalmente, pela organização interna dos ambientes, considerando-se 

máquinas e equipamentos produtores de calor e o calor produzido pela presença humana.  

 

(E)  o fluxo de ar que entra ou sai do edifício depende da pressão entre os ambientes e da resistência oferecida pelas abertu-

ras, barreiras físicas internas e externas e demais implicações relativas à incidência do vento. 

 
 
37.  Sobre as atividades descritas, conforme a NR 18 

− Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção, é 

correto afirmar: 

 

(A)  Escavações, Fundações e Desmonte de Rochas: Os materiais retirados da escavação devem ser depositados a uma dis-

tância superior ao dobro da profundidade, medida a partir da borda do talude. Os serviços de escavação, fundação e des-
monte de rochas são de responsabilidade técnica do arquiteto da obra. 

 

(B)  Demolição: A remoção dos entulhos, por gravidade, deve ser feita em calhas fechadas de material resistente, com inclina-

ção máxima de 45

° fixadas à edificação em todos os pavimentos. No ponto de descarga da calha deve existir dispositivo 

de fechamento. 

 

(C)  Demolição e Retenção de Entulhos: Durante a execução de serviços de demolição, devem ser instaladas, no máximo, a 

4 pavimentos abaixo do que será demolido, plataformas de retenção de entulhos, com dimensão mínima de 2,50 m e incli-
nação de 45

°, em todo o perímetro da obra. 

 

(D)  Desmonte de Rochas: Na operação de desmonte de rocha a fogo, fogacho ou mista, deve haver um blaster (galpão de ar-

mazenamento) para armazenamento, preparação das cargas, carregamento das minas, ordem de fogo, detonação e 
retirada das que não explodiram, destinação adequada das sobras de explosivos e pelos dispositivos elétricos necessários 
às detonações. 

 

(E)  Escavações: Para elaboração do projeto e execução das escavações a céu aberto, serão observadas as condições exi-

gidas na NR 6 

− Equipamento de Proteção Individual − EPI e na NR 16 − Atividades e Operações Perigosas. 

 
 
38.  Os sistemas que compõem os edifícios, como as instalações hidrossanitárias, as estruturas, paredes, pisos, coberturas, caixi-

lhos e demais partes, devem atender, obrigatoriamente, a um nível de desempenho mínimo ao longo de uma vida útil. 

 

 

Quanto às características técnicas, estéticas e ecológicas dos materiais, é INCORRETO afirmar: 

 

(A)  Poliuretano (PU): é utilizado na forma de espuma expansiva para preenchimento de espaços, como espuma sólida para 

isolante acústico e térmico e em forma sólida para chapas, entre outros usos. Tem baixo potencial de reciclagem, bom de-
sempenho estrutural, flexibilidade e quando não combinado com retardantes, apresenta baixa toxicidade e inflamabilidade. 

 

(B)  Silicones: são utilizados para isolamentos de fios e cabos elétricos, para vedações e como adesivos. As peças resultantes 

têm resistência relativamente baixa. O potencial de reciclagem é baixo. É quimicamente estável, com boas propriedades 
elétricas e suporta uma faixa de temperatura excepcional. 

 

(C)  Polivinilcloreto (PVC): é utilizado em tubos, perfis, assoalhos, janelas, isolamentos de fios elétricos, entre outros. É um 

material resistente à corrosão, resiliente e com alto potencial de reciclagem. Tem boas propriedades como vedação contra 
gases atmosféricos, mas pouca resistência a alguns solventes. 

 

(D)  Fenólicos: são utilizados em quadros de distribuição elétrica, tomadas e interruptores, entre outros. Também utilizados 

como espuma em painéis de construção, apresentam baixo potencial de reciclagem. São rígidos, quimicamente estáveis, 
com boas propriedades elétricas e resistentes ao fogo. 

 

(E)  Poliamida (PA), náilon: é utilizado em equipamentos elétricos, tubulações e conexões hidráulicas, entre outros, e como fi-

bras de aramida em cabos, cordas, vestimentas de proteção etc. Tem médio potencial de reciclagem. Tem propriedades 
para uso em amplas faixas de temperatura, mas pouca resistência a ácidos agentes oxidantes e solventes. 

Caderno de Prova ’D04’, Tipo 001

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

10 

MPEMA-An. Min.-Arquiteto-D04

 

39.  Existe uma estreita relação entre conforto ambiental e consumo de energia que está presente 

 
(A)  na utilização dos sistemas de condicionamento ambiental artificial e na iluminação artificial. Conceber projetos de arquite-

tura com eficiência energética implica na utilização de sistemas mecânicos e elétricos mais eficientes e compatibilizados 
com a disponibilidade do potencial natural da região. 

 
 
(B)  no emprego de sistemas sustentáveis. Projetos de arquitetura que apresentem soluções para lidar com as condições geo-

lógicas locais (vegetação, corpos d´água e rochas afloradas), contribuem para a conservação ambiental. 

 
 
(C)  nos projetos arquitetônicos com adesão de estratégias passivas de climatização, o que implica em uma exposição do am-

biente interno às condições ambientais externas, gerando problemas de conforto luminoso. 

 
 
(D)  nas técnicas de treinamento e condicionamento dos usuários do edifício para obtenção de valores ótimos no conforto am-

biental (ergonômico, térmico, luminoso e acústico). 

 
 
(E)  no emprego de materiais, como as placas fotovoltaicas e as placas solares, que contribuem para a eficiência energética 

em projetos arquitetônicos que apresentem vidros, quebra-sóis, cobogós, brises, claraboias e shed´s

 
 
40. A 

NR 

18 

− Condições e meio ambiente de trabalho na indústria da construção, estabelece a elaboração do “Programa de Con-

dições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção 

− PCMT”. Desta forma, está correto afirmar que é 

 
(A)  obrigatória a elaboração e o cumprimento do PCMAT nos estabelecimentos que contemplem os aspectos da NR 18, ou-

tros complementares de segurança e também as exigências contidas na NR 6 

− Equipamento de Proteção In-

dividual 

− EPI. Entre os documentos que integram a PCMAT, deverá constar um cronograma de implantação das medidas 

preventivas definidas no PCMAT e o layout inicial do canteiro de obras, que contemple, inclusive, previsão de 
dimensionamento da área de vivência. 

 
 
(B)  facultativa a elaboração e o cumprimento do PCMAT nos estabelecimentos, com 20 trabalhadores ou mais, que con-

templem os aspectos da NR 18, outros complementares de segurança e também as exigências contidas na NR 8 

− Edi-

ficações. Entre os documentos que integram a PCMAT, deverão constar projeto de execução das proteções coletivas em 
conformidade com as etapas de execução da obra e a especificação técnica das proteções coletivas e individuais a serem 
utilizadas. 

 
 
(C)  obrigatória a elaboração e o cumprimento do PCMAT nos estabelecimentos, com 20 trabalhadores ou mais, que contem-

plem os aspectos da NR 18, outros complementares de segurança e também as exigências contidas na NR 9 

− Programa 

de Prevenção e Riscos Ambientais. Entre os documentos que integram a PCMAT, deverá constar um cronograma de 
implantação das medidas preventivas definidas no PCMAT.  

 
 
(D)  facultativa a elaboração e o cumprimento do PCMAT nos estabelecimentos que contemplem os aspectos da NR 18, outros 

complementares de segurança e também as exigências contidas na NR 16 

− Atividades e Operações Perigosas. Entre os 

documentos que integram a PCMAT, deverão constar um projeto e cronograma com as atividades ou operações perigosas 
executadas com explosivos. 

 
 
(E)  obrigatória a elaboração e o cumprimento do PCMAT nos alojamentos, com 20 trabalhadores ou mais, que contemplem os 

aspectos da NR 18 e outros complementares de segurança. Entre os documentos que integram a PCMAT, deverá constar 
layout inicial do canteiro de obras que contemple, inclusive, previsão de dimensionamento da área de vivência. 

 
 
41.  A NR 17 

− Ergonomia, estabelece parâmetros que permitem 

 
(A)  melhorar as condições do ambiente de trabalho para o trabalhador, incorporando inovações tecnológicas. 
 
 
(B)  condicionar o trabalhador ao ritmo do trabalho e das suas características organizacionais, por meio da melhoria nos as-

pectos físicos.  

 
 
(C)  adequar o ritmo do trabalho ao trabalhador, por meio da adoção de estratégias organizacionais. 
 
 
(D)  reduzir os riscos psicopatológicos inerentes às atividades do trabalho, adequando os aspectos físicos aos emocionais. 
 
 
(E)  adaptar as condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar desem-

penho eficiente. 

Caderno de Prova ’D04’, Tipo 001

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

MPEMA-An. Min.-Arquiteto-D04

 

11 

42.  Considerando a NR 17 

− Ergonomia, quanto às decisões de projeto para os ambientes de trabalho em locais com clima quente e 

úmido, é correto afirmar que as aberturas 

 

(A)  podem ser pequenas, de modo a proteger de excessiva radiação solar direta. A inércia elevada nos ambientes, para 

amortecer o calor recebido e promover um atraso na transmissão através dos vedos, até que a temperatura externa esteja 
menos quente. O índice de temperatura efetiva deve permanecer entre 18

° e 20°; não é requerida ventilação natural e a 

umidade relativa do ar não inferior a 30%. 

 
(B)  devem ser suficientes para promover ventilação nos horários do dia em que a temperatura externa estiver menos elevada. 

Proteção nas aberturas da radiação solar direta, sem criar barreiras físicas para o vento. O índice de temperatura efetiva 
deve permanecer entre 20

° e 23°; a velocidade do ar não superior a 0,75 m/s e a umidade relativa do ar não inferior a 40%. 

 
(C)  devem permitir ora a ventilação cruzada e intensa, ora o fechamento hermético para barrar ventos mais gelados. Quanto à 

radiação solar, devem ser pensadas com a mesma flexibilidade. O índice de temperatura efetiva deve permanecer entre 
20

° e 22°; a velocidade do ar não superior a 0,50 m/s e a umidade relativa do ar não inferior a 35%. 

 
(D)  devem ser suficientes e sem barreiras físicas para promover ventilação cruzada e radiação solar direta nos ambientes. A 

inércia deve ser de média a leve, para não dificultar a retirada do calor interno. O índice de temperatura efetiva deve per-
manecer entre 20

° e 22°; a velocidade do ar não superior a 0,50 m/s e a umidade relativa do ar não inferior a 35%. 

 
(E)  devem permitir ora a ventilação cruzada e intensa, ora o fechamento hermético para barrar ventos mais gelados. A inércia 

deve ser de média a leve, para não dificultar a retirada do calor interno. O índice de temperatura efetiva deve permanecer 
entre 18

° e 20°; não é requerida ventilação natural e a umidade relativa do ar não inferior a 30%. 

 
 
43.  A ABNT NBR 9050:2004 

− Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos, determina que os balcões 

de vendas ou serviços devem ser acessíveis a P.C.R., devendo estar localizados em rotas acessíveis. 

 

 

 

Área de aproximação: Uma parte da superfície do balcão, com extensão de, no mínimo, ...... m, deve ter altura de, no máximo, 
...... m do piso. Deve ser garantido um M.R. posicionado para a aproximação ...... ao balcão.  

 

 

 

Quando for prevista a aproximação ...... , o balcão deve possuir altura livre inferior de, no mínimo, ...... m do piso e profundidade 
livre inferior de, no mínimo, ...... m. Deve ser garantido um M.R., posicionado para a aproximação ...... ao balcão, podendo 
avançar sob o balcão até, no máximo, ...... m. 

 

Vista Lateral

Vista Superior

Módulo de
referência

 

 

 

 

Preenchem correta, e respectivamente, as lacunas: 

 

(A) 0,90 

− 0,90  − frontal  − frontal  − 0,73 − 0,30 − frontal  − 0,30 

(B) 0,75 

− 0,75  − lateral  − lateral  − 0,65 − 0,25 − lateral  − 0,25 

(C) 0,80 

− 0,80  − frontal  − lateral  − 0,50 − 0,30 − frontal  − 0,30 

(D) 0,65 

− 0,65  − lateral  − frontal  − 0,45 − 0,25 − lateral  − 0,25 

(E) 0,68 

− 0,68  − frontal  − frontal  − 0,35 − 0,35 − lateral  − 0,35 

 
 
44.  De acordo com ABNT NBR 9050:2004 

− Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos, é correto 

afirmar que 

 

(A)  o percurso entre o estacionamento de veículos e a entrada principal deve compor uma rota acessível. Quando da impra-

ticabilidade, fica dispensado a previsão de vagas de estacionamento exclusivas para pessoas com deficiência.  

 
(B)  as rotas de fuga e as saídas de emergência devem ser sinalizadas. Nas escadas que interligam os diversos pavimentos, 

inclusive, nas de emergência, junto à escada, deve haver, prioritariamente, sinalização visual.  

 
(C)  a largura das rampas (L) deve ser estabelecida de acordo com o fluxo da população fixa do edifício. A largura livre máxima 

recomendável para as rampas em rotas acessíveis é de 1,50 m, sendo o mínimo admissível 1,20 m.  

 
(D)  em edificações e equipamentos urbanos existentes, onde a adequação dos corredores seja impraticável, devem ser im-

plantados bolsões de retorno com dimensões que permitam a manobra completa de uma cadeira de rodas (180

°). 

 
(E)  os corrimãos laterais não devem prolongar-se antes do início e após o término da rampa ou escada, de modo a não inter-

ferir nas áreas de circulação ou prejudicar a vazão. 

 

 Sendo: 
 P.C.R. 

− Pessoa em cadeira de rodas 

 M.R. 

− Módulo de referência 

Caderno de Prova ’D04’, Tipo 001

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

12 

MPEMA-An. Min.-Arquiteto-D04

 

45.  Sobre a terminologia e sua respectiva definição, é correto afirmar: 

 
(A)  City Marketing: Soluções para a produção e composição da forma urbana, e sua sobreposição com a infraestrutura dos 

elementos estruturantes da cidade, nos seus aspectos físicos e humanos. 

 
(B)  Gentrification: Adaptação das cidades ao contexto global, com a articulação de projetos urbanos pontuais, localizados de 

forma que os seus efeitos transcendam as áreas de intervenções, tanto no que diz respeito aos aspectos socioeconômi-
cos, como físico-espaciais. 

 
(C)  Strategic Planning: Revitalização dos corações centrais e históricos das cidades, com a consequente expulsão das popu-

lações mais carentes, resultando na revalorização imobiliária desses espaços.  

 
(D)  Urban Design: Conjunto de intervenções e medidas, coordenadas pelo poder público municipal, com a finalidade de trans-

formação de áreas urbanas contando com a participação dos proprietários, moradores, usuários permanentes e inves-
tidores privados. 

 
(E)  Brownfields: Áreas com instalações industriais e comerciais abandonadas, ociosas ou subutilizadas com passivo am-

biental, onde a revitalização será possível após a remediação de solo. 

 
 
46.  Instrumentos do Estatuto da Cidade: 
 

1.  Consiste na possibilidade do Município estabelecer relação entre a área edificável e a área do terreno, a partir da qual a 

autorização para construir passaria a ser precificada e tributada. 

 

2.  Confere ao poder público municipal, preferência para a compra de imóvel urbano, respeitado seu valor no mercado imo-

biliário, e antes que o imóvel de interesse do município seja comercializado entre particulares. 

 
 Trata-se 

 

 

(A)  da Transferência do Direito de Construir e Operações Urbanas Consorciadas. 
(B)  do Direito de Superfície e Desapropriação com Pagamento em Títulos da Dívida Pública. 
(C)  da Outorga Onerosa do Direito de Construir e Direito de Preempção. 
(D)  da Usucapião Especial de Imóvel Urbano e Contribuição de Melhoria. 
(E)  do Parcelamento, Edificação ou Utilização Compulsórios e Zonas Especiais de Interesse Social. 

 
 
47.  Um escritório aberto ou panorâmico abriga grande número de estações de trabalho, que podem ser separadas por divisórias (de 

diferentes alturas e materiais), que oferecem determinado nível de isolamento acústico.  

 

Situações: 

 

1.  Divisórias de altura parcial, onde a energia sonora é transmitida através do teto, piso e paredes de fechamento da área.  
 
2.  Divisórias de meia altura, onde a energia sonora é transmitida através da própria divisória, por cima, por baixo, pelos lados da 

peça e também pelo teto, piso e paredes de fechamento da área.  

 
3.  Divisórias com altura do piso ao teto, onde a energia sonora é transmitida pelos tetos rígidos de placas de gesso e luminárias 

com lentes planas. 

 
 

Fenômenos: 
 

  I

. Difração. 

 II

. Reflexão. 

III

.  Difração e reflexão. 

 IV

. Refração. 

 
 

A correlação entre as situações e seus fenômenos sonoros e suas correções materiais está correta em 

 

(A) 2-

III

 

− Proteção das superfícies verticais e horizontais com espumas de poliéster de células abertas ou fibras cerâmicas 

e de vidro, tecidos e carpetes, atenuará o fenômeno sonoro. 

 
(B) 1-

IV

 

− Proteção das paredes com materiais leves, fibrosos ou porosos, aplacará o fenômeno sonoro. 

 
(C) 3-

II

 

− Proteção das paredes e pisos com concreto e chumbo, atenuará o fenômeno sonoro. 

 
(D) 2-

I

 

− Proteção das superfícies verticais com espumas de poliéster de células abertas e das horizontais, com tecidos e 

carpetes, reverberará o fenômeno sonoro. 

 
(E) 1-

IV

 

− Proteção das superfícies verticais e das horizontais com tecidos e carpetes, ecoará o fenômeno sonoro. 

Caderno de Prova ’D04’, Tipo 001

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

MPEMA-An. Min.-Arquiteto-D04

 

13 

48.  Modalidades do procedimento licitatório para obras e serviços de engenharia, conforme a legislação (Lei n

o

 8.666/93  e  Lei 

n

o

 10.520/02). 

 

Das modalidades: 
 
1.  É a modalidade que a administração se utiliza para aquisições de obras de grande porte, sendo 30 dias para o tipo menor 

preço e 45 dias para o tipo melhor técnica, ou técnica e preço. 

 

2.  É a modalidade restrita aos interessados, previamente cadastrados, sendo 15 dias para o tipo menor preço e 30 dias o tipo 

melhor técnica, ou técnica e preço. 

 

3.  É a modalidade para cadastrados e interessados não cadastrados, que terão até 24h, antes da data de licitação, para inscri-

ção. Sendo, 5 dias úteis, contados a partir da expedição ou ainda, efetiva disponibilidade do edital. 

 

4.  Aquisição de bens e serviços comuns, onde a disputa pelo fornecimento se dá através de sessão pública, por meio de pro-

postas e lances, para a classificação e habilitação do licitante que ofertou o menor preço. Sendo 8 dias contados da publi-
cação do edital. 

 

5.  Modalidade de licitação do tipo menor preço realizar-se-á, quando a disputa pelo fornecimento de bens ou serviços comuns, 

será por meio de propostas e lances, em meio eletrônico. 

 

Tipos e valores: 

 

  I

. Pregão eletrônico. 

 II

. Convite. 

III

.  Tomada de preço. 

 IV

. Concorrência. 

  V

. Pregão Presencial. 

 
 

A correta associação está em 

 

(A) 1-

IV

 (acima de R$ 1.500.000,00). 

 2-

III

 (de R$ 150.000,01 a R$ 1.500.000,00). 

 3-

II

 (de R$ 15.000,01 até R$ 150.000,00). 

 4-

V

 (qualquer valor). 

 5-

I

 (qualquer valor). 

 
 
(B) 1-

IV

 (de R$ 150.000,01 a R$ 1.500.000,00). 

 2-

III

 (de R$ 15.000,01 até R$ 150.000,00). 

 3-

V

 (de R$ 150.000,01 a R$ 1.500.000,00). 

 4-

II

 (qualquer valor). 

 5-

I

 (de R$ 15.000,01 até R$ 150.000,00). 

 
 
(C) 1-

V

 (qualquer valor). 

 2-

IV

 (de R$ 150.000,01 a R$ 1.500.000,00). 

 3-

II

 (de R$ 15.000,01 até R$ 150.000,00). 

 4-

I

 (qualquer valor). 

 5-

III

 (qualquer valor). 

 
 
(D) 1-

I

 (acima de R$ 1.500.000,00). 

 2-

II

 (de R$ 150.000,01 a R$ 1.500.000,00). 

 3-

III

 (de R$ 15.000,01 até R$ 150.000,00). 

 4-

IV

 (qualquer valor). 

 5-

V

 (qualquer valor). 

 
 
(E) 1-

II

 (qualquer valor). 

 2-

V

 (de R$ 15.000,01 até R$ 150.000,00). 

 3-

IV

 (qualquer valor). 

 4-

III

 (de R$ 150.000,01 a R$ 1.500.000,00). 

 5-

I

 (qualquer valor). 

Caderno de Prova ’D04’, Tipo 001

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

14 

MPEMA-An. Min.-Arquiteto-D04

 

49.  Uma obra licitada, em sua execução, teve um aumento das quantidades no volume de escavação e terraplanagem inicialmente 

previstas no contrato, que levaram à necessidade de mais prazos para completar a execução. De acordo com a Lei n

o

 8.666/93, 

§ 1

o

, alínea 

IV

, art. 57

o

, é correto afirmar que 

 

(A)  os prazos de início de etapas de execução, de conclusão e de entrega não admitem prorrogação, devendo ser executados 

fielmente pelas partes, de acordo com as cláusulas contratuais. 

 
(B)  os prazos de início de etapas de execução, de conclusão e de entrega admitem prorrogação, em caso de aumento das 

quantidades, desde que mantidas as demais cláusulas do contrato e assegurada a manutenção do seu equilíbrio eco-
nômico-financeiro. 

 
(C)  o prazo de início da etapa de execução admite prorrogação, apenas nos casos de superveniência de fato excepcional ou 

imprevisível, desde que mantidas as demais cláusulas do contrato e assegurada a manutenção do seu equilíbrio 
econômico-financeiro. 

 
(D)  o prazo de início da etapa de execução admite prorrogação, apenas nos casos de alteração do projeto ou das especifica-

ções pela administração, desde que mantidas as demais cláusulas do contrato e assegurada a manutenção do seu equi-
líbrio econômico-financeiro. 

 
(E)  os prazos de conclusão e de entrega admitem prorrogação, apenas nos casos de impedimento por ato de terceiro, desde 

que mantidas as demais cláusulas do contrato e assegurada a manutenção do seu equilíbrio econômico-financeiro. 

 
 
50.  Na Composição de Custos encontramos insumos necessários à execução de um determinado serviço de engenharia, com seus 

respectivos consumos por unidade produzida. A composição nos permite avaliar o gasto de um determinado material ou mão de 
obra, para uma quantidade específica de serviço. 

 
 

Composição de Custo de uma forma convencional 12 mm: 

 

(A)  Tábua; Pontalete; Madeira Compensada 12 mm; Pregos e Desmoldante. 
(B)  Servente; Carpinteiro; Tábua; Pontalete; Madeira Compensada 12 mm; Pregos e Desmoldante. 
(C)  Carpinteiro; Madeira Compensada 12 mm e Pregos. 
(D)  Servente; Carpinteiro; Tábua; Pontalete; Madeira Compensada 12 mm; Pregos; Desmoldante e Leis Sociais. 
(E)  Servente, Carpinteiro e Leis Sociais. 

 
 
51.  São componentes do Custo Indireto, os seguintes serviços: 

 

(A)  Despesas com vistorias técnicas. 
(B)  Encargos sociais básicos e obrigatórios. 
(C)  Instalação do canteiro e acompanhamento de obras. 
(D)  Reconhecimento de firmas e autenticações. 
(E)  Despesas com Acervos Técnicos. 

 
 
52.  Faça o dimensionamento de equipe, necessário para a execução de: 

 

− 10.000 

m

2

 de alvenaria de tijolo furado 1/2 vez, em seis meses. 

−    6.000 m

2

 de azulejo (20 × 20) em argamassa, em oito meses. 

 
 Sendo: 

 

− Pedreiro 

= 0.52 h/m

2

, servente 

= 0.40 h/m

2

 

− Azulejista 

= 0.40 h/m

2

, servente 

= 0.40 h/m

2

 

 
 

Utilize 44h por semana, sendo 4,28 semanas no mês. 

 
 

Está correto o que se afirma em 

 

(A)  Alvenaria:   7 pedreiros e 6 serventes 

− Azulejo: 5 Azulejistas e 5 Serventes. 

(B)  Alvenaria:   8 pedreiros e 6 serventes 

− Azulejo: 2 Azulejistas e 2 Serventes. 

(C)  Alvenaria:   6 pedreiros e 5 serventes 

− Azulejo: 4 Azulejistas e 3 Serventes. 

(D)  Alvenaria:   5 pedreiros e 4 serventes 

− Azulejo: 3 Azulejistas e 2 Serventes. 

(E)  Alvenaria: 10 pedreiros e 8 serventes 

− Azulejo: 4 Azulejistas e 4 Serventes. 

 
 
53.  O processo de escovação, com solução de água e ácido muriático, em estruturas de concreto é uma solução simples para resol-

ver a seguinte patologia:  

 

(A)  cavitação em decorrência do ataque por sulfato. 
(B)  eflorescência em decorrência da hidrólise e lixiviação dos componentes da pasta de cimento endurecido. 
(C)  delaminação causada pela selação do concreto. 
(D)  desgaste superficial devido à abrasão. 
(E)  fissuras capilares em decorrência da fase plástica do concreto. 

Caderno de Prova ’D04’, Tipo 001

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

MPEMA-An. Min.-Arquiteto-D04

 

15 

54.  Determinada área do terreno que será edificado foi contaminada por um antigo posto de combustível que havia no local.  

 

 Dados: 

 

Classes de qualidade dos solos, segundo a concentração de substâncias químicas (Resolução n

o

 420, 2009, CONAMA): 

 

Classe 1:  Solos que apresentam concentrações de substâncias químicas menores ou iguais ao VRQ (Valores de Referência de Qualidade). 

 

Classe 2:  Solos que apresentam concentrações de, pelo menos, uma substância química maior do que o VRQ (Valores de Referência de 

Qualidade) e menor e ou igual ao VP (Valor de Prevenção). 

 

Classe 3:  Solos que apresentam concentrações de, pelo menos, uma substância química maior que o VP (Valor de Prevenção) e menor ou 

igual ao VI (Valor de Investigação). 

 

Classe 4:  Solos que apresentam concentrações de, pelo menos, uma substância química maior que o VI (Valor de Investigação). 

 
 

O procedimento a ser adotado, de acordo com a Resolução n

o

 420, do CONAMA, admitindo-se que a contaminação por 

 

(A)  chumbo, foi classificada como Classe 3, requer a Extração multifásica, conforme definido pelo órgão competente. 

 

(B)  metais pesados, foi classificada como Classe 4, requer ações de Biorremediação, conforme definido pelo órgão com-

petente. 

 

(C)  hidrocarbonetos, foi classificada como Classe 2, requer ações preventivas de controle, conforme definido pelo órgão com-

petente. 

 

(D)  solventes, foi classificada como Classe 1, requer a Oxidação, conforme definido pelo órgão competente. 

 

(E)  cianeto de sódio, foi classificada como Classe 1, requer a Extração de vapores (SVE), conforme definido pelo órgão 

competente. 

 
 
55.  Tecnologia computacional que proporciona desenho de duas e três dimensões e ainda, permite organizar em um mesmo arquivo 

eletrônico, um banco de dados de toda a obra facilitando e integrando esforços colaborativos entre os profissionais: 

 

(A) IPD 

(Integrated Project Delivery) ou desenvolvimento de projetos integrados. 

 

(B) CAD 

(Computer-Aided Design) ou desenho assistido por computador. 

 

(C) CAD-CAM 

(Computer-Aided Design 

 Computer Aided Manufacturing) ou desenho assistido por computador e fabricação 

assistida por computador. 

 

(D) CAM 

(Computer Aided Manufacturing) ou fabricação assistida por computador. 

 

(E) BIM 

(Building Information Modeling) ou Modelagem de Informações para a construção. 

 
 
56.  Sobre a preservação do patrimônio histórico e cultural nacional, é correto afirmar: 

 

(A)  O IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), que foi criado pelo Decreto-Lei n

o

 25, de 30 de novembro 

de 1937, é uma autarquia privada vinculada ao Ministério da Cultura, responsável por preservar a diversidade das 
contribuições dos diferentes elementos que compõem a sociedade brasileira e seus ecossistemas.  

 

(B)  As ações das autoridades nacionais avançam em tornar o patrimônio arquitetônico indutor de geração de renda, moradia, 

agregação social e afirmação da identidade das cidades históricas. Os investimentos contribuem para o desenvolvimento 
urbano e regional das localidades. 

 

(C)  A Lei de Incentivo à Cultura (Lei n

o

 8.313/91), se refere ao tombamento, estudos de impacto ambiental, transferência do di-

reito de construir e a desapropriação, dentre outros. 

 

(D)  A principal assistência da UNESCO é na forma de monitoramento, que consiste no acompanhamento do estado de con-

servação dos bens inscritos na Lista do Patrimônio. As análises verificam as condições físicas dos edifícios e também as 
atividades de turismo, orientando e recomendando as melhores práticas. 

 

(E)  A Lei n

o

 10.257/2001, permite por meio da utilização de instrumentos de renúncia fiscal, como o mecenato, estimular a 

maior participação da iniciativa privada e das empresas estatais. 

 
 

57.  Nos Estados Unidos, em localidades onde foi adotado o Programa de Transferable of Development Rights (TDR) para proteção 

dos bens históricos, o poder público exerce trabalho conjunto com a comunidade residente para determinar quais áreas na ci-
dade serão destinadas ao desenvolvimento e quais serão preservadas. O modo de operar desse instrumento assemelha-se à 
ferramenta brasileira Transferência do direito de construir

 

 

A Lei brasileira n

o

 10.257/2001, Seção 

XI

 

− Da transferência do direito de construir, autoriza o proprietário de imóvel a exercer 

em outro local o direito de construir, para a proteção dos bens históricos e também, nos casos de: 

 

 

I

.  Implementação de unidades de conservação. 

 

 

II

.  Implantação de equipamentos urbanos e comunitários. 

 

 

III

.  Criação de espaços públicos de lazer e áreas verdes. 

 

 

IV

.  Servir a programas de regularização fundiária, urbanização de áreas ocupadas por população de baixa renda e habitação 

de interesse social. 

 

 

Está correto o que se afirma APENAS em 

 

(A) 

I

 e 

II

(B) 

I

 e 

III

(C) 

II

 e 

IV

(D) 

III

 e 

IV

(E) 

II

 e 

III

Caderno de Prova ’D04’, Tipo 001

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

16 

MPEMA-An. Min.-Arquiteto-D04

 

58.  São Luís, MA, foi tombada pela ONU (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) como Patrimô-

nio Cultural da Humanidade em 1997. Possui importante acervo arquitetônico colonial, onde predominam as fachadas revestidas 
por azulejos portugueses. 

 

 

O Brasil possui condições climáticas muito favoráveis ao uso de revestimentos cerâmicos nas fachadas. O clima, predominan-
temente, tropical e chuvoso torna esta opção interessante pelos aspectos de desempenho e durabilidade.  

 
 

Assinale a alternativa correta. 

 
(A)  Segundo a ABNT NBR 13.755/1996, em fachadas devem ser executadas juntas de movimentação horizontais, espaçadas, 

no máximo, a cada 2 m ou a cada pé direito, na região do encunhamento da alvenaria.  

 
(B)  A ABNT NBR 13.755/1996 recomenda executar juntas de dessolidarização no perímetro da área revestida, nos cantos ver-

ticais, nas mudanças de direção do plano do revestimento, nas mudanças dos materiais que compõe a estrutura suporte, 
no encontro do revestimento com pisos, forros, colunas, vigas ou com outro tipo de revestimento. 

 
(C)  Os revestimentos cerâmicos tradicionais trabalham aderidos sobre bases e substratos e especialmente travados  

pelo rejuntamento de base epóxi, e por isso, podem ser denominados de aderidos estáveis, conforme a 
ABNT NBR 13.816/1997 e a ABNT NBR 13.755/1996.  

 
(D)  O chapisco aumenta a permeabilidade do substrato para absorver água da camada de regularização, além de piorar a 

aderência da camada de revestimento e diminuir a ancoragem do emboço à base. Não é considerado, portanto, uma boa 
opção para base para aplicação de revestimento hidráulico, segundo a ABNT NBR 13.755/1996.  

 
(E)  A ABNT NBR 13.749/1996 trata das recomendações sobre resistência de aderência. No ensaio de arrancamento, pelo 

menos, 2 dos 6 corpos ensaiados devem apresentar resultados iguais ou superiores a 0,30 MPA.  

 
 
59.  No autoCAD 2013, quando criamos duas viewports no Layout e atribuímos as escalas 1:100 e 1:50, respectivamente, as cotas e 

os textos dos desenhos criados no Model Space seguirão as escalas das viewports. O correto na formatação da prancha de de-
senho é que 

 

(A)  apenas os textos estejam na mesma escala das viewports e a propriedade denominada Dimension Style permitirá imprimir 

ou mostrar as cotas no papel na altura correta. 

 
(B)  cotas e textos estejam na mesma escala das viewports
 
(C)  apenas as cotas estejam na mesma escala das viewports e a propriedade denominada Text Style permitirá imprimir ou 

mostrar os textos no papel na altura correta. 

 
(D)  cotas e textos tenham o mesmo padrão de altura e a propriedade denominada Annotative permitirá imprimir ou mostrar os 

objetos no papel no tamanho correto. 

 
(E)  a escala dos objetos anotativos (textos e cotas), estejam na escala corrente dos viewports e editadas através da variável 

Paper Text Heigth

 
 
60.  A área gráfica do autoCAD é um plano cartesiano X,Y,Z e usa o sistema de coordenadas para determinar os pontos na tela. Ao 

definir os pontos por coordenadas consegue-se maior precisão e rapidez.  

 

 

Absolutas Relativas

Polares

0,0 0,0 0,0 
0,90 @0,90 

@90

<90 

70,90 @70,0 @70<0 

70,200 @0,110 @110<90 

160,200 @90,0  @90<0 

160,0 

@0,

−200 @200<270 

0,0 

@

−160,0 @160<180 

 

 

 

As coordenadas absolutas, relativas e polares no quadro acima, descrevem segundo a NBR 9050/2004 

− Acessibilidade à edifi-

cações, mobiliários, espaços e equipamentos urbanos: 
 
(A)  uma área de manobra para deslocamento de 90

° de cadeira de rodas. 

 
(B)  um módulo de referência (MR) para deslocamento em linha reta de pessoas em cadeiras de rodas. 
 
(C)  uma área de manobra, sem deslocamento, para rotação de 180

° de cadeira de rodas. 

 
(D)  uma área de manobra, sem deslocamento, para rotação de 90

° de cadeira de rodas. 

 
(E)  dimensões referenciais para deslocamento de pessoas em pé, com muletas. 

Caderno de Prova ’D04’, Tipo 001

fcc-2013-mpe-ma-analista-ministerial-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

MPEMA-An. Min.-Arquiteto-D04

 

17 

 

Discursiva 

 Redação 

 

Atenção: 

−  Na Prova Discursiva − Redação, deverão ser rigorosamente observados os limites mínimo de 20 (vinte) linhas 

e máximo de 30 (trinta) linhas, sob pena de perda de pontos a serem atribuídos à Redação. 

−  Em hipótese alguma o rascunho elaborado pelo candidato será considerado na correção da Prova 

Discursiva 

− Redação pela Banca Examinadora. 

 
 

 

Numa acepção mais ampla, patrimônio público é o conjunto de bens e direitos que pertencem não a um 

determinado indivíduo ou entidade, mas a todos os cidadãos, para os quais o Estado e a Administração 
existem. 

(Garcia, Mônica Nicida. Patrimônio público. In: Escola Superior do Ministério Público da União. Dicionário de direitos 
humanos
. Disponível em: 

<http://www.esmpu.gov.br/dicionario/tiki-index.php>. Adaptação) 

 
 

Com base no que se afirma acima, redija um texto dissertativo-argumentativo a respeito do seguinte tema: 

 

O Ministério Público e a defesa do patrimônio comum 

 
 

 

 

 

Caderno de Prova ’D04’, Tipo 001