Prova Concurso - Arquitetura - 2013-TRT-10-REGIAO-DF-E-TO-ANALISTA-JUDICIARIO-ARQUITETURA - CESPE - TRT - 2013

Prova - Arquitetura - 2013-TRT-10-REGIAO-DF-E-TO-ANALISTA-JUDICIARIO-ARQUITETURA - CESPE - TRT - 2013

Detalhes

Profissão: Arquitetura
Cargo: 2013-TRT-10-REGIAO-DF-E-TO-ANALISTA-JUDICIARIO-ARQUITETURA
Órgão: TRT
Banca: CESPE
Ano: 2013
Nível: Superior

Downloads dos Arquivos

prova.pdf
gabarito.pdf

Provas relacionadas

ARQUITETOEBSERH2018
ESPECIALISTA-PORTUARIO-ARQUITETURAEMAP2018
ARQUITETOPREFEITURA2018

Gabarito

cespe-2013-trt-10-regiao-df-e-to-analista-judiciario-arquitetura-gabarito.pdf-html.html

 

PODER JUDICIÁRIO

 

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO – TRT 10ª REGIÃO

 

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA

 

NOS CARGOS DE ANALISTA JUDICIÁRIO E DE TÉCNICO JUDICIÁRIO

Aplicação: 3/2/2013

51

52

53

54

55

56

57

58

59

60

61

62

63

64

65

66

67

68

69

70

C

C

E

E

E

E

C

E

E

C

X

E

C

C

C

C

E

E

E

C

71

72

73

74

75

76

77

78

79

80

81

82

83

84

85

86

87

88

89

90

C

C

C

E

C

E

E

E

E

C

C

C

C

C

E

E

C

E

C

E

91

92

93

94

95

96

97

98

99

100

101

102

103

104

105

106

107

108

109

110

C

C

E

C

E

E

C

C

C

C

C

E

E

E

E

C

E

E

C

C

111

112

113

114

115

116

117

118

119

120

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

C

C

E

E

C

E

E

C

E

C

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

TRT10R12_003_08

Item

Gabarito

Gabarito

Item

Item

Gabarito

GABARITOS OFICIAIS DEFINITIVOS

0

Obs.: ( X ) item anulado.

Gabarito

Item

Prova

cespe-2013-trt-10-regiao-df-e-to-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

||TRT10R12_003_08N337960||

CESPE/UnB – TRT 10.ª REGIÃO

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Considerando as determinações contidas nas NBRs 13531:1995

e 13532:1995, julgue os itens a seguir.

51

Das atividades técnicas do projeto de uma edificação, o projeto

básico constitui uma etapa opcional.

52

O estudo de viabilidade visa subsidiar a seleção e recomendar

alternativas para a concepção da edificação bem como de seus

elementos, instalações e componentes.

53

O organograma funcional, o memorial e a planilha relacional

— ambientes, usuários, atividades, equipamentos, mobiliário,

com suas respectivas características, exigências, dimensões e

quantidades — são documentos técnicos que integram o estudo

preliminar.

54

A etapa destinada à concepção e à representação do conjunto

de informações técnicas iniciais e aproximadas, necessárias à

compreensão da configuração da edificação denomina-se

pré-execução ou anteprojeto.

Com referência às várias maneiras de se representar objetos de

forma a criar a ilusão de espaços tridimensionais sobre superfícies

em duas dimensões, julgue os itens que se seguem.

55

As axonometrias incluem a dimetria, a trimetria e a

quadrimetria.

56

É possível traçar uma perspectiva trimétrica por meio de uma

malha de retas desenhadas a partir de ângulos de 30º.

57

Para uma perspectiva exata (ou cônica), são fundamentais os

três elementos: o observador, o objeto (observado) e o plano

de projeção (quadro).

30

º

225º

Figura I

Figura III

Figura II

Com base nas figuras acima, julgue os itens seguintes.

58

Entre as perspectivas mostradas nas figuras I, II e III, aquela

que coloca o observador muito acima da linha do horizonte,

permitindo que ele veja a vista superior do objeto, também

denominada voo de pássaro, é a mostrada na figura II.

59

As figuras I, II e III, representam, respectivamente, uma

perspectiva cavaleira (cilíndrica oblíqua), uma isometria

(cilíndrica ortogonal) e uma perspectiva cônica com um ponto

de fuga.

Considere as seguintes informações:

< um ponto P no espaço é determinado por três coordenadas:

z = altitude (relativa ao eixo Z), x = longitude (relativa ao

eixo X) e z = latitude (relativa ao eixo Y), indicando que

P = (x, y, z);

< a cota do ponto P é a distância desse ponto ao plano horizontal

de projeção;

< o afastamento, ou ordenada, do ponto P é a distância desse

ponto ao plano vertical de projeção;

< a abscissa do ponto P = (x, y, z) é a distância do ponto

Q = (x, 0, 0) à origem O = (0, 0, 0).

P1

P2

afastamento

P

abcissa

cota

LT

II

III

IV

Figura I

A

SV

II

III

IV

IV

AH

PH

I

D

B

C

G

H

E

F

Figura II

Com base nas informações e nas figuras I e II acima, julgue os itens

que se seguem, relativos a geometria descritiva.

60

A abscissa está relacionada ao eixo X e, portanto, à longitude,

enquanto que a cota está relacionada à altitude.

61

Considerando que o paralelepípedo mostrado na figura II seja

um cubo, no primeiro diedro, e que sua aresta meça 3 cm,

então, se a abcissa do ponto A for nula, isto é, se A = (0, 0, 0),

as coordenadas do vértice G serão (3, 3, 3).

 – 4 –

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

cespe-2013-trt-10-regiao-df-e-to-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

||TRT10R12_003_08N337960||

CESPE/UnB – TRT 10.ª REGIÃO

Tendo em vista que as três projeções usadas normalmente para

definir tecnicamente objetos mecânicos ou arquitetônicos são

representações utilizadas nas aplicações práticas da geometria

descritiva, julgue os itens subsecutivos.

62

No conjunto de figuras abaixo mostradas, todas relativas a um

mesmo projeto, a vista lateral está corretamente representada.

vista frontal

vista lateral

planta

63

As figuras I e II mostradas abaixo correspondem a projeções

no primeiro diedro.

Figura I

Figura II

Com base na NBR 10068:1987, julgue os próximos itens.

64

Quando for necessário um formato de papel fora dos padrões

estabelecidos na série A — A0, A1, A2, A3 e A4 —, devem

ser escolhidos formatos em que a largura ou o comprimento

corresponda a um múltiplo ou submúltiplo do formato padrão.

65

O formato básico para desenho técnico é o de um retângulo

de área igual a 1 m², em que os lados guardam entre si a

mesma relação que existe entre o lado de um quadrado e a

sua diagonal.

Com relação ao 

software Sketch-up, julgue o item abaixo.

66

O Sketch-up constrói, eletronicamente, perspectivas com três

pontos de fuga.

A respeito do disciplinamento do uso e parcelamento do solo

urbano, estabelecidos em legislação específica, e dos instrumentos

de gestão urbana, e considerando que o coeficiente de

aproveitamento de determinada área urbana é o quociente entre a

área edificável e a área do terreno, julgue os itens a seguir.

67

Em nenhuma hipótese, o direito de construir poderá ser

exercido acima do coeficiente de aproveitamento básico

definido no plano diretor.

68

Conforme a legislação atualmente em vigor, as áreas públicas

destinadas a circulação, equipamentos urbanos, espaços

comunitários e espaços livres em geral terá de ser superior

a 35% da gleba, salvo nos loteamentos destinados ao

uso industrial em que as áreas dos lotes forem superiores

a 15.000 m².

69

Segundo a lei pertinente, para o registro de propriedade de

lote, basta o compromisso de compra e venda, mesmo nos

loteamentos ou desmembramentos ainda não devidamente

regularizados pelo poder municipal. Com isso, as autoridades

responsáveis expressam a preocupação com a regularização

fundiária e a urbanização de áreas ocupadas por população de

baixa renda.

70

As cidades para as quais o plano diretor é obrigatório incluem

as que possuam mais de vinte mil habitantes, as que integrem

regiões metropolitanas e aglomerações urbanas e as que

possuam áreas de interesse turístico.

71

O coeficiente de aproveitamento de determinada área urbana

deverá ser definido pelo plano diretor, a partir da

proporcionalidade entre a infraestrutura existente e o aumento

de densidade esperado para a área.

 – 5 –

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

cespe-2013-trt-10-regiao-df-e-to-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

||TRT10R12_003_08N337960||

CESPE/UnB – TRT 10.ª REGIÃO

Considere as seguintes informações:

< curvas de nível de um terreno: são linhas de interseção do

terreno com planos paralelos ao solo e equidistantes;

< greide (grade): é a linha gráfica que acompanha o perfil do terreno;

d = declividade (em %) = [DN/DH] × 100, em que DN =
diferença de nível;

< DH = distância horizontal.

<

cotas

estacas

A

B

C

D

E

distância

co

ta

s

(m)

DH (m)

20

0.0

00

21

3.0

00

20

8.0

00

21

8.0

00

23

5.0

00

20

235
230
225
220
215
210
206
200

20

20

20

Considerando as informações acima, julgue os itens seguintes,
relativos a topografia e cartografia.

72

Na locação de rampas, um ponto do greide acima do ponto
correspondente no terreno indica um aterro.

73

Com base na definição de declividade, é correto afirmar que a
declividade do ponto A ao ponto E, mostrada na figura acima,
é igual a 43,75%.

74

De acordo com a equação da declividade mostrada acima,
é correto afirmar que, se DH for igual a 100 m e DN for igual
a 5 m, a declividade do greide indicará um corte no terreno
considerado.

75

Todos os pontos de uma curva de nível têm a mesma elevação,
ou cota.

76

Sabendo-se que o espaçamento entre as curvas de nível indica
a forma do relevo do terreno, é correto afirmar que quanto
maior for esse espaçamento, mais íngreme será o terreno.

77

A figura I abaixo mostra que existe uma compensação de terra,
enquanto que a figura II mostra que o volume de corte é maior
que o de aterro.

   

cota = 102,9m

cota = 101,7m

cota = 100,5m

A

B

C

1,2

V

1

V

2

V

3

V

4

V

5

Figura I

Figura II

Com relação a cartografia e georreferenciamento, julgue os
próximos itens.

78

As projeções relativas às figuras I e III mostradas abaixo são
cônicas, enquanto que a da figura II é cilíndrica.

 

Figura I

              

     

   

     

Figura II

   

                         

Figura III

 

79

Os mapas digitais podem assumir duas formas básicas: vetor e
grade. A primeira é formada por 

pixels (menor elemento da

imagem), e a segunda pode assumir a forma de pontos, linhas
ou polígonos.

80

O mapeamento sistemático do Brasil é feito na projeção UTM
(

universal transverse mercator), que se baseia em um sistema

de coordenadas planas, ou coordenadas cartesianas.

RASCUNHO

 – 6 –

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

cespe-2013-trt-10-regiao-df-e-to-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

||TRT10R12_003_08N337960||

CESPE/UnB – TRT 10.ª REGIÃO

Z

S

O

N

L

Sol

α

β

Abóbada celeste

Com base na figura acima, que ilustra uma abóboda celeste, julgue

os itens seguintes.

81

No projeto de proteção solar, o ângulo de sombra vertical α é

usado para determinar as dimensões dos 

brises horizontais.

82

A altura solar, o ângulo que o Sol faz com o plano horizontal,

é representada por α, enquanto β diz respeito ao azimute,

ângulo que a projeção solar faz com a direção norte.

83

O ponto da esfera celeste oposto ao zênite solar (Z)

denomina-se nadir.

Considerando a figura acima, que mostra o desempenho térmico do

vidro em relação à radiação solar, julgue os próximos itens.

84

Para que as proteções solares internas ― persianas e cortinas

― adquiram certa eficiência, é importante que as superfícies

viradas para o exterior sejam brancas ou muito claras. Assim,

boa parte da radiação solar incidente será devolvida para o

exterior, por reflexão.

85

A radiação incidente (I) é igual à soma da radiação transmitida

(T) e da radiação refletida (R), isto é, I = T + R.

setores

ambientes

% da

área
total

Î

recepção

P administração/controle de matéria-prima

P pré-higienização 

P estocagem (despensa seca, depósito de
material de limpeza, depósito de caixas,
câmaras frias)
P hall de entrada de funcionários 

P vestiários/sanitários de funcionários

20

Ï

cozinha

P pré-preparo

P cocção

P higienização de utensílios

P depósito de lixo

30

Ð

refeitório

P hall de entrada dos usuários

P salão de refeições (1,0 m² a
1,2 m²/pessoa)
P sanitários de usuários

40

Ñ

complementares

/eventuais

P bilheteria

P área para fornecimento de marmitex

P cozinha experimental

P circulações

10

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). Restaurantes
populares: roteiro de implantação,  2007 (com adaptações).

Com base nas informações apresentadas na tabela acima, julgue os

itens a seguir.

86

Os ambientes dos setores 

Î, Ï e Ñ, que correspondem a 60%

da área total do empreendimento, são destinados a atividades

meio, enquanto todos os ambientes do setor 

Рsão relacionados

a atividades fim.

87

Considere que a tabela em questão refere-se a um programa

genérico de necessidades destinado a regulamentar a

elaboração de projetos para a construção de restaurantes

populares no país. De acordo com essa tabela, para um

restaurante com capacidade para 385 pessoas sentadas, o salão

de refeições deve ter entre 385 m

2

 e 462 m².

88

De acordo com a tabela, 10% da área total do empreendimento

pode ser destinada às circulações principais e secundárias. 

89

O fluxograma genérico abaixo mostra a organização da cadeia

de produção de um restaurante industrial, com etapas que vão

da recepção dos alimentos à distribuição das refeições.

     

RECEPÇÃO/

PRÉ-HIGIENIZAÇÃO/

CONTROLE DE MATÉRIA PRIMA

ARMAZENAGEM

CÂMARAS FRIAS

ARMAZENAGEM

DESPENSA SECA

PRÉ-PREPARO

COCÇÃO

DISTRIBUIÇÃO

SALÃO DE REFEIÇÕES

LIXO

HIGIENIZAÇÃO DE

UTENSÍLIOS DA

COZINHA

HIGIENIZAÇÃO DE

UTENSÍLIOS DO

REFEITÓRIO

VEGETAIS CARNES

SUCOS E SOBREMESAS CEREAIS E MASSAS

 – 7 –

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

cespe-2013-trt-10-regiao-df-e-to-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

||TRT10R12_003_08N337960||

CESPE/UnB – TRT 10.ª REGIÃO

Tabela para os itens de 90 a 99

equipamentos/

instalações/elementos

recomendações

observações adicionais

gerais

reservatórios: superior
(40%) e inferior (60%) –
dimensionamento da
capacidade total

parâmetro:
28 L/refeição/ dia:
20 L água fria e 8 L
água quente

atendimento a todas
as demandas, inclusive
higienização de
ambientes,
equipamentos e
utensílios, e uso em
sanitários e vestiários

boiler

instalação sob o
reservatório superior
(castelo d’água) e
acima do nível da
cumeeira

fixação de placas
coletoras para
aquecimento solar no
telhado

para áreas de cocção

caldeirões

um ponto de água fria
para cada um

não interferência entre
os pontos hidráulicos

iluminação natural

proporção de um
quinto ou um quarto
da área do piso

mais a iluminação
artificial

iluminação artificial

lâmpadas:  
incandescentes –
150 W/4 m²;
fluorescentes –
40 W/4 m²

pé-direito máx. de
3,00 m

ventilação natural

aberturas: um décimo
da área do piso

aberturas altas

paredes

lisas, impermeáveis,
resistentes, de cores
claras

revestimento cerâmico:
peças que exijam menor
quantidade de rejuntes

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). Restaurantes
populares: roteiro de implantação, 2007 (com adaptações).

Com base nos dados contidos na tabela acima, julgue os itens
seguintes.

90

Os dados apresentados na tabela são suficientes para se
determinar a capacidade de armazenamento mínima do 

boiler

do restaurante.

91

O esquema de instalação do 

boiler, ilustrado abaixo, favorece

um sistema funcional por gravidade: a água vai do reservatório
para o 

boiler e deste para as colunas de distribuição sem a

utilização de bombas

reservatório

boiler

placas coletoras

92

Apesar de a radiação solar ser abundante no Brasil, a
desvantagem dos sistemas de aquecimento solar está
relacionada ao alto investimento inicial para a instalação das
placas coletoras e dos equipamentos de armazenamento da
água quente.

93

Devem provir do barrilete do reservatório superior do
restaurante tantas descidas individuais quantos forem os
caldeirões de cocção. Assim, para alimentar um restaurante
com cinco caldeirões, serão necessárias cinco colunas de água.

94

Considerando uma quantidade suficiente para dois dias de
consumo, é correto afirmar que o reservatório superior de um
restaurante popular que vá servir 1.120 refeições/dia deverá ter
capacidade para armazenar 25.088 L de água.

Considerando os dados da tabela anteriormente mostrada e a figura

acima, que mostra uma planta de uma cozinha industrial para

restaurante comunitário com 12 m de comprimento, 8 m de largura

e 3 m de pé-direito, julgue os itens subsecutivos.

95

Quanto maior for a quantidade de rejuntes, mais alto será o

custo da mão de obra para colocar o revestimento cerâmico nas

paredes.

96

Na cozinha mostrada na figura, janelas altas com um

comprimento correspondente à extensão das paredes maiores

e uma altura de 0,50 m serão suficientes para garantir tanto a

ventilação como a iluminação natural do ambiente.

97

Para a iluminação artificial da cozinha mostrada na figura,

serão necessárias 36 lâmpadas incandescentes de 100 W, ou 24

lâmpadas fluorescentes de 40 W.

98

Para revestir as paredes internas da cozinha mostrada na figura,

serão necessárias 750 peças cerâmicas de 0,40 m

2

.

99

O rodapé mostrado na figura I abaixo é mais adequado para

uma cozinha industrial que aquele mostrado na figura II, pois,

ao eliminar as quinas entre as paredes e o rodapé, reduz os

focos potenciais de proliferação de microrganismos.

Figura I: rodapé feito junto com o piso

Figura II: rodapé feito depois do piso

 – 8 –

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

cespe-2013-trt-10-regiao-df-e-to-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

||TRT10R12_003_08N337960||

CESPE/UnB – TRT 10.ª REGIÃO

Com referência à legislação profissional do arquiteto, julgue os

itens a seguir.

100

A Lei n.º 12.378/2010, mantendo o entendimento da Lei

n.º 5.194/1966, proíbe o uso da expressão “arquitetura e

urbanismo” em empresas que não possuam profissionais com

essa formação.

101

Uma das novidades trazidas pela Lei n.º 12.378/2010 é o

conceito de acervo técnico, que constituirá propriedade do

profissional arquiteto e urbanista, e será composto por todas as

atividades por ele desenvolvidas, resguardando-se a legislação

do direito autoral. 

102

De acordo com a Lei n.º 12.378/2010, comumente denominada

como Lei do CAU, ficarão isentos do pagamento da anuidade

os profissionais formados há mais de quarenta anos que

comprovarem o pleno exercício profissional durante o período.

Solução criativa que alia escada e rampa.

Internet: <www.greatbuildings.com>

A escada-rampa acima reproduzida e cotada atende à NBR 9050

nos itens: 5.14 sinalização tátil; 6.5 rampas e piso; 6.6 escadas

porque

103

a rampa dispõe de corrimãos, como recomendado no item 6.5.

104

os degraus estão nos parâmetros de medidas, como

recomendado no item 6.6.

105

cumpre as recomendações da NBR 9050 quanto à sinalização

podotátil.

106

o patamar está no padrão recomendado no item 6.5.

107

a inclinação da rampa está nos padrões do item 6.5.

Com relação a ventilação e exaustão, julgue os itens seguintes.

108

O exaustor eólico é um equipamento de exaustão mecânica.

109

Pode-se renovar o ar de um ambiente de forma não mecânica

mediante o efeito chaminé, desde que exista entrada de ar

inferior e saída superior.

esqueleto metálico

Considerando que, na racionalização da construção e às estruturas
de aço, a definição de um módulo implica que todos os
componentes, ou parte significativa deles, tenham suas dimensões
estabelecidas pela multiplicação ou fração de uma mesma unidade,
julgue os itens a seguir, referentes ao esqueleto metálico
representado na figura acima.

110

A estrutura inferior apresenta uma altura estática menor que a
cobertura, apesar de que receberá, da futura laje, uma carga
maior.

111

O módulo estrutural tem as medidas de 5,00 m × 10,00 m
eixo-a-eixo.

112

Um módulo de vedação possível deverá medir 1,25 m × 1,25 m
eixo-a-eixo.

113

A estrutura da cobertura é formada por uma treliça espacial em
que as diagonais trabalham à tração e as terças se apoiam nos
nós alternadamente.

RASCUNHO

 – 9 –

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

cespe-2013-trt-10-regiao-df-e-to-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

||TRT10R12_003_08N337960||

CESPE/UnB – TRT 10.ª REGIÃO

saída de emergência

Com referência ao esquema de uma saída de emergência ilustrada

na figura acima, retirada da NBR 9077/2001, e na qual as legendas

foram substituídas por números, julgue os itens que se seguem.

114

Os números 3 e 4 indicam os dutos de exaustão: dutos que

retiram a fumaça por sucção.

115

O número 1 indica a porta corta-fogo: conjunto de folha de

porta, marco e acessórios.

116

O número 2 indica escada não enclausurada:  escada que,

embora faça parte de uma rota de saída, se comunica

diretamente com os demais ambientes, possuindo portas

corta-fogo.

117

Os números 5 e 6 indicam antecâmaras: recinto que antecede

a caixa da escada, com ventilação natural garantida; e elevador

de emergência.

Considerando que os avanços na indústria de elevadores trouxeram

novidades que vão desde a economia de espaço até a

sustentabilidade, julgue o item subsequente.

118

Esses avanços eliminaram a necessidade da casa de máquinas,

economizando espaço e resolvendo um problema antigo da

volumetria dos edifícios.

Com referência a normas relacionadas a saúde e a segurança no

trabalho, julgue os próximos itens.

119

A NR-8, que trata de edificações, estabelece os requisitos

técnicos mínimos que devam ser observados nas edificações

para garantir segurança e conforto aos que nelas habitem.

120

A NR-17, que versa sobre ergonomia, estabelece que o alvo da

ergonomia é o desenvolvimento de bases científicas para a

adequação  das condições de trabalho às capacidades e

realidades da pessoa que trabalha.

 – 10 –

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

cespe-2013-trt-10-regiao-df-e-to-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

||TRT10R12_003_08N337960||

CESPE/UnB – TRT 10.ª REGIÃO

PROVA DISCURSIVA

Nesta prova, faça o que se pede, usando, caso deseje, o espaço para rascunho indicado no presente caderno. Em seguida, transcreva
o texto para a FOLHA DE TEXTO DEFINITIVO DA PROVA DISCURSIVA, no local apropriado, pois não serão avaliados
fragmentos de texto escritos em locais indevidos.

Qualquer fragmento de texto que ultrapassar a extensão máxima de linhas disponibilizadas será desconsiderado.

Na folha de texto definitivo, identifique-se apenas na primeira página, pois não será avaliado texto que tenha qualquer assinatura ou
marca identificadora fora do local apropriado.

Ao domínio do conteúdo serão atribuídos até 10,00 pontos, dos quais até 0,50 ponto será atribuído ao quesito apresentação e estrutura
textual (legibilidade, respeito às margens e indicação de parágrafos).

Burle Marx levou para o paisagismo o ideário da arte e arquitetura modernas ao rejeitar as flores

exóticas com que o país compunha seus jardins públicos e particulares e trazer para as praças a, antes
desprezada, vegetação nativa. Ele compôs jardins e praças como quem cria obras de arte, pensando na
topografia, no meio ambiente, na arquitetura e na plasticidade. O paisagista que fazia arte moderna com
matéria-prima viva — além de ser ceramista, gravurista, tapeceiro, designer de joias, pintor, músico —
deixou em Brasília as marcas de sua genialidade: alguns dos melhores exemplos de preservação e
manutenção são a Praça dos Cristais e os jardins internos e externos do Palácio do Itamaraty. "As estruturas
estão preservadas e apenas há uma ou outra espécie que foi trocada, mas é possível recuperar as originais",
avalia o paisagista Haruyosho Ono, 63 anos, que cuida da preservação da obra do artista. A Praça dos
Cristais foi restaurada pelo Quartel-General do Exército.

Internet:<www.correiobraziliense.com.br> (com adaptações).

A Praça dos Cristais — uma praça cívica de Burle Marx e Haruyosho Ono, localizada nas imediações

do Quartel-General do Exército, de autoria de Oscar Niemeyer — é assim denominada porque durante sua
construção, iniciada em 1965, Burle Max e seu assistente, o arquiteto e paisagista Haruyosho Ono, realizaram
uma viagem para a cidade de Cristalina, onde encontraram muitos cristais de rocha. Na oportunidade,
Roberto Burle Marx solicitou a Haruyosho que desenhasse as peças para o espelho d'água principal,
representando assim as riquezas existentes no Planalto Central.

Internet:<www.pmb.eb.mil.br> (com adaptações).

praça dos cristais

Quartel-General do Exército

concha do palanque
cívico

teatro Pedro Calmon

Figura I. Setor Militar Urbano em Brasília
(vista aérea do conjunto).

Figura II: Cristais. Ao fundo, Concha do
Palanque e Quartel-General do Exército.

Figura III: Cristais e Buritis.

Figura IV: Espelho d'água e Buritis.

 – 11 –

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

cespe-2013-trt-10-regiao-df-e-to-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

||TRT10R12_003_08N337960||

CESPE/UnB – TRT 10.ª REGIÃO

Considerando os textos apresentados, que têm caráter unicamente motivador, bem como as figuras que a eles se seguem, redija um texto

dissertativo sobre a Praça dos Cristais em Brasília, abordando, necessariamente, os seguintes aspectos:

< valorização das riquezas naturais e espécies vegetais nativas das regiões pela arquitetura; [valor: 3,50 pontos]
< importância de Burle Marx como paisagista e artista; [valor: 3,00 pontos]
< integração da arquitetura moderna com as artes na obra de Oscar Niemeyer. [valor: 3,00 pontos]

 – 12 –

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

cespe-2013-trt-10-regiao-df-e-to-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

||TRT10R12_003_08N337960||

CESPE/UnB – TRT 10.ª REGIÃO

R

ASCUNHO

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

 – 13 –

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

cespe-2013-trt-10-regiao-df-e-to-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura

Cargo 3: Analista Judiciário – Área: Apoio Especializado – Especialidade: Arquitetura