Prova Concurso - Pedagogia - 2014-TCE-PI-PEDAGOGO - FCC - TCE - 2014

Prova - Pedagogia - 2014-TCE-PI-PEDAGOGO - FCC - TCE - 2014

Detalhes

Profissão: Pedagogia
Cargo: 2014-TCE-PI-PEDAGOGO
Órgão: TCE
Banca: FCC
Ano: 2014
Nível: Superior

Downloads dos Arquivos

prova.pdf
gabarito.pdf

Provas relacionadas

PEDAGOGOUFPA2018
PEDAGOGOUNIFESSPA2018
PEDAGOGOEBSERH2018

Gabarito

fcc-2014-tce-pi-pedagogo-gabarito.pdf-html.html

 

Tribunal de Contas do Estado do Piauí 

Diversos Cargos 

 

Relação dos gabaritos 

 

Conhec. Gerais / Conhec. Espec. I 

Cargo ou opção A01 - ASSESSOR JURÍDICO 

Tipo gabarito 1 

 

Conhec. Gerais / Conhec. Espec. I 

Cargo ou opção B02 - AUDITOR FISCAL DE CONTROLE EXTERNO - ÁREA 

COMUM 

Tipo gabarito 1 

 

Conhec. Gerais / Conhec. Espec. I 

Cargo ou opção C03 - BIBLIOTECÁRIO 

Tipo gabarito 1 

 

 

001 - C 
002 - A
003 - A
004 - D
005 - B 
006 - E 
007 - C 
008 - C 
009 - B 
010 - D

 

011 - E 
012 - E 
013 - B 
014 - D
015 - B 
016 - A
017 - D
018 - A
019 - C 
020 - E 

 

021 - C 
022 - A
023 - A
024 - B 
025 - C 
026 - C 
027 - E 
028 - D
029 - D
030 - B 

 

031 - B 
032 - E 
033 - A 
034 - A 
035 - D 
036 - B 
037 - C 
038 - A 
039 - E 
040 - D 

 

041 - B 
042 - E 
043 - A
044 - D
045 - C 
046 - B 
047 - D
048 - D
049 - C 
050 - A

 

051 - D
052 - E 
053 - D
054 - B 
055 - E 
056 - A
057 - B 
058 - C 
059 - D
060 - B 

 

061 - C 
062 - E 
063 - A
064 - C 
065 - B 
066 - A
067 - B 
068 - E 
069 - C 
070 - D

 

071 - E 
072 - C 
073 - D
074 - A
075 - B 
076 - E 
077 - C 
078 - D
079 - A
080 - D

 

081 - A 
082 - C 
083 - A 
084 - D 
085 - D 
086 - C 
087 - C 
088 - A 
089 - E 
090 - E 

 

091 - A
092 - B 
093 - D
094 - D
095 - C 
096 - B 
097 - E 
098 - B 
099 - E 
100 - B 

 

001 - B 
002 - C 
003 - D
004 - C 
005 - A
006 - A
007 - B 
008 - E 
009 - D
010 - B 

 

011 - E 
012 - D
013 - A
014 - C 
015 - C 
016 - A
017 - D
018 - E 
019 - A
020 - B 

 

021 - C 
022 - B 
023 - B 
024 - D
025 - A
026 - B 
027 - E 
028 - D
029 - A
030 - C 

 

031 - C 
032 - B 
033 - C 
034 - B 
035 - A 
036 - D 
037 - E 
038 - D 
039 - C 
040 - E 

 

041 - A
042 - C 
043 - B 
044 - D
045 - A
046 - C 
047 - E 
048 - A
049 - E 
050 - E 

 

051 - B 
052 - C 
053 - D
054 - D
055 - C 
056 - B 
057 - E 
058 - C 
059 - D
060 - C 

 

061 - A
062 - D
063 - B 
064 - B 
065 - E 
066 - D
067 - C 
068 - A
069 - B 
070 - C 

 

071 - A
072 - D
073 - E 
074 - B 
075 - E 
076 - C 
077 - D
078 - A
079 - D
080 - C 

 

081 - D 
082 - A 
083 - B 
084 - E 
085 - A 
086 - B 
087 - C 
088 - D 
089 - C 
090 - E 

 

091 - A
092 - E 
093 - C 
094 - D
095 - D
096 - E 
097 - A
098 - B 
099 - C 
100 - B 

 

001 - C 
002 - E 
003 - B 
004 - D
005 - A
006 - B 
007 - E 
008 - C 
009 - D
010 - A

 

011 - E 
012 - B 
013 - C 
014 - A
015 - D
016 - E 
017 - C 
018 - A
019 - D
020 - B 

 

021 - A
022 - D
023 - B 
024 - E 
025 - C 
026 - C 
027 - A
028 - E 
029 - D
030 - A

 

031 - A
032 - E 
033 - D
034 - E 
035 - A
036 - C 
037 - C 
038 - E 
039 - B 
040 - B 

 

041 - A
042 - E 
043 - A
044 - C 
045 - D
046 - E 
047 - B 
048 - D
049 - B 
050 - C 

 

051 - A
052 - A
053 - D
054 - E 
055 - C 
056 - C 
057 - D
058 - B 
059 - E 
060 - B 

 

061 - D
062 - B 
063 - A
064 - A
065 - C 
066 - E 
067 - D
068 - E 
069 - B 
070 - C 

 

fcc-2014-tce-pi-pedagogo-gabarito.pdf-html.html

Conhec. Gerais / Conhec. Espec. I 

Cargo ou opção D04 - ENFERMEIRO 

Tipo gabarito 1 

 

Conhec. Gerais / Conhec. Espec. I 

Cargo ou opção E05 - JORNALISTA 

Tipo gabarito 1 

 

Conhec. Gerais / Conhec. Espec. I 

Cargo ou opção F06 - MÉDICO 

Tipo gabarito 1 

 

 

 

 

001 - C 
002 - E 
003 - B 
004 - D
005 - A
006 - B 
007 - E 
008 - C 
009 - D
010 - A

 

011 - E 
012 - B 
013 - C 
014 - A
015 - D
016 - E 
017 - C 
018 - A
019 - D
020 - B 

 

021 - A
022 - D
023 - B 
024 - E 
025 - C 
026 - C 
027 - A
028 - E 
029 - D
030 - A

 

031 - A
032 - D
033 - E 
034 - D
035 - E 
036 - A
037 - C 
038 - B 
039 - B 
040 - C 

 

041 - D
042 - A
043 - B 
044 - A
045 - E 
046 - D
047 - C 
048 - B 
049 - B 
050 - C 

 

051 - D
052 - B 
053 - A
054 - A
055 - B 
056 - D
057 - D
058 - E 
059 - E 
060 - C 

 

061 - C 
062 - C 
063 - A
064 - B 
065 - A
066 - D
067 - D
068 - E 
069 - B 
070 - E 

 

001 - C 
002 - E 
003 - B 
004 - D
005 - A
006 - B 
007 - E 
008 - C 
009 - D
010 - A

 

011 - E 
012 - B 
013 - C 
014 - A
015 - D
016 - E 
017 - C 
018 - A
019 - D
020 - B 

 

021 - A
022 - D
023 - B 
024 - E 
025 - C 
026 - C 
027 - A
028 - E 
029 - D
030 - A

 

031 - B 
032 - D
033 - E 
034 - C 
035 - A
036 - D
037 - B 
038 - E 
039 - C 
040 - A

 

041 - D
042 - B 
043 - E 
044 - C 
045 - A
046 - D
047 - B 
048 - C 
049 - B 
050 - C 

 

051 - B 
052 - A
053 - E 
054 - B 
055 - E 
056 - B 
057 - C 
058 - D
059 - D
060 - A

 

061 - D
062 - C 
063 - E 
064 - D
065 - E 
066 - C 
067 - A
068 - C 
069 - B 
070 - A

 

001 - C 
002 - E 
003 - B 
004 - D
005 - A
006 - B 
007 - E 
008 - C 
009 - D
010 - A

 

011 - E 
012 - B 
013 - C 
014 - A
015 - D
016 - E 
017 - C 
018 - A
019 - D
020 - B 

 

021 - A
022 - D
023 - B 
024 - E 
025 - C 
026 - C 
027 - A
028 - E 
029 - D
030 - A

 

031 - C 
032 - A
033 - A
034 - B 
035 - E 
036 - D
037 - A
038 - C 
039 - D
040 - B 

 

041 - D
042 - E 
043 - A
044 - E 
045 - C 
046 - C 
047 - B 
048 - A
049 - D
050 - D

 

051 - E 
052 - A
053 - B 
054 - C 
055 - A
056 - E 
057 - D
058 - B 
059 - C 
060 - B 

 

061 - B 
062 - A
063 - C 
064 - E 
065 - D
066 - A
067 - B 
068 - E 
069 - C 
070 - D

 

fcc-2014-tce-pi-pedagogo-gabarito.pdf-html.html

Conhec. Gerais / Conhec. Espec. I 

Cargo ou opção G07 - PEDAGOGO 

Tipo gabarito 1 

 

 

001 - C 
002 - E 
003 - B 
004 - D
005 - A
006 - B 
007 - E 
008 - C 
009 - D
010 - A

 

011 - E 
012 - B 
013 - C 
014 - A
015 - D
016 - E 
017 - C 
018 - A
019 - D
020 - B 

 

021 - A
022 - D
023 - B 
024 - E 
025 - C 
026 - C 
027 - A
028 - E 
029 - D
030 - A

 

031 - A
032 - A
033 - B 
034 - D
035 - D
036 - B 
037 - E 
038 - A
039 - B 
040 - E 

 

041 - A
042 - B 
043 - C 
044 - A
045 - D
046 - D
047 - E 
048 - C 
049 - C 
050 - B 

 

051 - C 
052 - E 
053 - C 
054 - A
055 - D
056 - D
057 - B 
058 - B 
059 - E 
060 - E 

 

061 - C 
062 - D
063 - D
064 - C 
065 - B 
066 - C 
067 - A
068 - D
069 - D
070 - E 

 

Prova

fcc-2014-tce-pi-pedagogo-prova.pdf-html.html

N do Caderno

o

N de Inscrição

o

ASSINATURA DO CANDIDATO

N do Documento

o

Nome do Candidato

Abril/2014

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO PIAUÍ

Pedagogo

Concurso Público para provimento de cargos de

P R O VA O B J E T I VA

Conhecimentos Gerais
Conhecimentos Específicos I

INSTRUÇÕES

VOCÊ DEVE

ATENÇÃO

- Verifique se este caderno:

- corresponde a sua opção de cargo.

- contém 70 questões, numeradas de 1 a 70.

Caso contrário, reclame ao fiscal da sala um outro caderno.

Não serão aceitas reclamações posteriores.

- Para cada questão existe apenas UMA resposta certa.

- Você deve ler cuidadosamente cada uma das questões e escolher a resposta certa.

- Essa resposta deve ser marcada na FOLHA DE RESPOSTAS que você recebeu.

- Procurar, na FOLHA DE RESPOSTAS, o número da questão que você está respondendo.

- Verificar no caderno de prova qual a letra (A,B,C,D,E) da resposta que você escolheu.

- Marcar essa letra na FOLHA DE RESPOSTAS, conforme o exemplo:

-

- Marque apenas uma letra para cada questão, mais de uma letra assinalada implicará anulação dessa questão.

- Responda a todas as questões.

- Não será permitida nenhuma espécie de consulta.

- A duração da prova é de 3 horas e 30 minutos, para responder a todas as questões e preencher a Folha de Respostas.

- Ao término da prova, chame o fiscal da sala e devolva todo o material recebido.

- Proibida a divulgação ou impressão parcial ou total da presente prova. Direitos Reservados.

Marque as respostas com caneta esferográfica de material transparente, de tinta preta ou azul. Não será permitido o

uso de lápis, lapiseira, marca-texto ou borracha durante a realização das provas.

A

C D E

Caderno de Prova ’G07’, Tipo 001

MODELO

0000000000000000

MODELO1

00001−0001−0001

fcc-2014-tce-pi-pedagogo-prova.pdf-html.html

 

TCEPI-Conhecimentos Gerais

3

 

 

CONHECIMENTOS GERAIS 

 

Português 

 

Instruções:  

Para responder às questões de números 1 a 8, con-
sidere o texto a seguir. 

 

 

Fundas canções 

 

“Existirmos, a que será que se destina?” 

 pergunta um 

verso de Caetano Veloso em sua bela canção “Cajuína”, nasci-

da numa visita a amigo em Teresina. Que faz numa canção po-

pular essa pergunta fundamental sobre o propósito mesmo da 

vida humana? 

 perguntarão aqueles que preferem separar 

bem as coisas, julgando que somente os gêneros “sérios” po-

dem querer dar conta das questões “sérias”. O preconceito está 

em não admitir que haja inteligência 

 e das fulgurantes, como a 

de Caetano Veloso 

 entre artistas populares. O fato é que a 

pergunta dessa canção, tão sintética e pungente, incide sobre o 

primeiro dos nossos enigmas: o da finalidade da nossa exis-

tência. 

Não seria difícil encontrarmos em nosso cancioneiro 

exemplos outros de pontos de reflexão essencial sobre nossa 

condição no mundo. Em “A vida é um moinho”, de Cartola, ou 

em “Esses moços”, de Lupicínio Rodrigues, ou ainda em “Juízo 

final”, de Nelson Cavaquinho, há agudos lampejos reflexivos, 

nascidos de experiências curtidas e assimiladas. Não se trata 

de “sabedoria popular”: é sabedoria mesmo, sem adjetivo, filtra-

da por espíritos sensíveis que encontraram na canção os meios 

para decantar a maturidade de suas emoções. Até mesmo 

numa marchinha de carnaval, como “A jardineira”, do 

Braguinha, perguntamos: “Ó jardineira, por que estás tão triste? 

Mas o que foi que te aconteceu?” 

 para saber que a tristeza 

dela vem da morte de uma camélia. Essa pequena tragédia, 

cantada enquanto se dança, mistura-se à alegria de todos e fun-

de no canto da vida o advento natural da morte: “Foi a camélia 

que caiu do galho, deu dois suspiros e depois morreu...” 

Mesmo em nosso folclore, compositores anônimos al-

cançaram um tom elevado na dicção aparentemente ingênua de 

uma cantiga de roda. Enquanto se brinca, canta-se: “Menina, 

minha menina / Faz favor de entrar na roda / Cante um verso 

bem bonito / Diga adeus e vá-se embora”. Não será essa uma 

expressão justa do sentido mesmo de nossa vida: entrar na ro-

da, dizer a que veio e ir-se embora? É o que cantam as alegres 

crianças de mãos dadas, muito antes de se preocuparem com a 

metafísica ou o destino da humanidade. 

(BARROSO, Silvino, inédito

1. 

O sentido essencial desse texto, considerado no conjunto 
e na perspectiva adotada pelo autor, está adequadamente 
expresso na seguinte formulação: 

 

(A)  é da natureza mesma da arte popular expressar, em 

linguagem rebuscada e hermética, os temas que 
perturbam os filósofos e costumam ecoar nos seus 
mais altos tratados. 

 
(B)  a canção popular encontra a justificativa mesma da 

sua existência no fato de responder em linguagem 
altissonante as questões que costumam afligir nossas 
vidas. 

 
(C)  muitas vezes ocorre que se encontre numa canção 

popular a expressão de uma grande sabedoria, nas-
cida e decantada a partir de uma funda experiência. 

 
(D)  os artistas populares habilitados a tratar dos mais 

profundos temas em suas canções não deixam de 
acusar a formação acadêmica que lhes dá respaldo. 

 
(E)  a sabedoria popular dispensa esse adjetivo toda vez 

que surpreendemos, na letra de uma canção, uma 
versão facilitada dos clássicos e folclóricos ditados. 

_________________________________________________________ 

 

2. 

Atente para as seguintes afirmações: 

 
 

I

.  No primeiro parágrafo, o autor estranha a presença 

de uma reflexão tão aguda, em tom conclusivo, na 
letra de compositor popular, que melhor faria se 
viesse a dar voz a questões menos complexas. 

 
 

II

.  No segundo parágrafo, os exemplos de canções 

elencados pelo autor do texto servem-lhe como ar-
gumento para contestar a relevância do questiona-
mento expresso no verso de Caetano Veloso, cita-
do no parágrafo anterior. 

 
 

III

.  No terceiro parágrafo, os versos de uma conhecida 

cantiga de roda são lembrados como exemplo do 
alcance trágico que se pode reconhecer nas pala-
vras que as crianças cantam enquanto brincam. 

 
 

Em relação ao texto, está correto o que se afirma em 

 

(A) 

I

II

 e 

III

(B) 

I

 e 

II

, apenas. 

(C) 

II

 e 

III

, apenas. 

(D) 

I

 e 

III

, apenas. 

(E) 

III

, apenas. 

_________________________________________________________ 

 

3. 

Considerando-se o contexto, traduz-se adequadamente o 
sentido de um segmento em: 

 

(A)  o preconceito está em não admitir (1

o

 parágrafo) 

= a 

razão alegada leva à inclusão 

 
(B)  agudos lampejos reflexivos (2

o

 parágrafo) 

= súbitas e 

cortantes reflexões 

 
(C)  experiências curtidas e assimiladas (2

o

 parágrafo) 

= vivências prazerosas e alienadas. 

 
(D)  filtrada por espíritos sensíveis (2

o

 parágrafo) 

= purifi-

cada por mentes pragmáticas 

 
(E)  dicção aparentemente ingênua (3

o

 parágrafo) 

= pro-

núncia supostamente engenhosa 

Caderno de Prova ’G07’, Tipo 001

fcc-2014-tce-pi-pedagogo-prova.pdf-html.html

 

TCEPI-Conhecimentos Gerais

3

 

4. 

Um dos recursos expressivos utilizados no texto consiste 
em 

 

(A)  repetir palavras com a finalidade de reforçar a quali-

ficação de um mesmo objeto, como em: somente os 
gêneros “sérios” podem querer dar conta das ques-
tões “sérias”.
 

 

(B)  repetir o sinal de aspas para indicar o emprego ina-

dequado de um vocábulo, como em “Esses moços” 
ou em “Juízo final”. 

 

(C)  aproximar expressões de sentido radicalmente an-

tagônico, como ocorre entre se preocuparem com a 
metafísica e o destino da humanidade

 

(D)  empregar a primeira pessoa do plural em pronomes 

e formas verbais, para incluir o leitor no discurso, 
como em: Não seria difícil encontrarmos em nosso 
cancioneiro exemplos outros de pontos de reflexão 
essencial sobre nossa condição no mundo.
 

 

(E)  estabelecer clara oposição de sentido entre ex-

pressões de uma mesma frase, como ocorre entre 
alcançaram um tom elevado e uma expressão justa 
do sentido mesmo de nossa vida.
 

_________________________________________________________ 

 

5. 

Está clara e correta a redação deste livre comentário so-
bre o texto. 

 

(A)  Há muito preconceito, pondera o autor, na manifes-

tação de juízos quanto ao alcance artístico e ao pa-
pel social que se reservam às canções populares. 

 

(B)  O cancioneiro popular é com frequência vítima de 

preconceitos, segundo o qual lhes cabe apenas de-
ter-se nos limites já lhe consignados. 

 

(C)  É comum e preconceituoso o entendimento de que o 

compositor popular, atendo-se à uma função que lhe 
é própria, não se arvore em temas de maior enver-
gadura. 

 

(D)  O conceito mesmo de inadequação não se aplicaria 

à arte, mesmo popular, quando esta se dispor a ven-
cer barreiras em prol de maior seriedade. 

 

(E)  Frequentemente surge o preconceito que o composi-

tor popular, uma vez despreparado para os altos te-
mas, deveria aboná-los à favor de sua própria arte. 

_________________________________________________________ 

 

6. 

As normas de concordância verbal estão plenamente res-
peitadas na frase: 

 

(A)  Revela-se, no cancioneiro de Caetano Veloso, quali-

dades artísticas dignas de figurarem entre as obras 
nas quais se empenharam nossos maiores poetas. 

 

(B)  É inegável que subsiste, em muitas das antigas mar-

chinhas de carnaval, um alto nível de execução poé-
tica, pela qual eram responsáveis nossos composi-
tores populares. 

 

(C)  O depoimento de uma experiência e a reflexão de-

purada que o artista dela depreendeu pode conviver 
bem numa mesma canção popular. 

 

(D)  Devem-se aos belos versos de tantas canções po-

pulares o fascínio que nos provocam os achados 
poéticos dos nossos inspirados compositores. 

 

(E)  Não haveria de faltar em nosso cancioneiro verda-

deiras pérolas de poesia, como aquelas referidas 
nas canções elencadas no texto. 

_________________________________________________________ 

 

7. 

Transpondo-se para a voz ativa a frase Aquele com-
positor teria sido brindado pelas mais inspiradas 
musas
, a forma verbal resultante será 

 

(A) brindariam. 
(B) teria 

brindado. 

(C) fora 

brindado. 

(D) brindaria. 
(E) teriam 

brindado. 

8. 

Quanto ao tempo e ao modo, todas as formas verbais en-
contram-se adequadamente articuladas na seguinte cons-
trução: 

 

(A)  Não será difícil encontrarmos em nosso cancioneiro 

outros exemplos que viessem a demonstrar a tese 
que defendamos. 

 

(B)  Fizéssemos uma ampla pesquisa e haveremos de 

encontrar inúmeros versos poéticos nas canções 
brasileiras. 

 

(C) Quando 

nos 

empenharmos em avaliar nossas can-

ções populares sem qualquer preconceito, surpreen-
der-nos-emos com a riqueza poética que delas ema-
nará. 

 

(D)  Caso tenha interesse em pesquisar o nosso folclore, 

o estudioso estrangeiro encontraria nele um belo re-
pertório de achados poéticos. 

 

(E)  A menos que desapareçam todos os preconceitos, 

sempre houve quem negasse poesia às nossas can-
ções populares. 

_________________________________________________________ 

 

Instruções:  

Para responder às questões de números 9 a 15, 
considere o texto a seguir. 

 
 

Pobres palavras 

 

Lendo um romance, tropecei na palavra inexorável. É 

uma das que mantenho desconhecidas, desde rapazola, quan-
do peguei gosto de ler. Desconhecida porque, mesmo já tendo 
lido  
inexorável muitas vezes, nunca quis saber o sentido. Pa-
rece uma palavra em desuso, dessas que ficam lá nos velhos 
armazéns da língua, coberta de poeira, até que alguém pega e 
coloca numa frase como uma roupa no varal. O leitor é quem 
recolhe essas roupas, uma por uma, menos as que, como 
inexorável, a gente não sabe o que é, deixa lá, para que volte 
sozinha ao armazém e fique lá mofando até que... 

Bem, desta vez fiquei com pena da pobre inexorável e fui 

ao dicionário. E inexorável é implacável. Eu já desconfiava 
disso, tantas vezes li que o destino é 
inexorável, e fiquei feliz 
porque o significado justifica a pompa da palavra. Porque a pri-
meira vez que fui ao dicionário desvendar uma palavra, foi uma 
inenarrável (olha outra pomposa aí) decepção. 

Era a palavra inconsútil. Em prosa e poesia, volta e meia 

lá vinha a inconsútil. Um dia, já na casa dos quarenta, a barba 
começando a grisalhar, não aguentei mais as décadas de igno-
rância e fui ao dicionário. E inconsútil é apenas “sem costura”. 
Tantos mantos inconsúteis e eu não conseguia ver algo em co-
mum entre eles para achar o sentido da palavra, e eram apenas 
mantos sem costura. Fiquei acabrunhado (esta nem pomposa, é 
atrapalhada mesmo).  

 

(PELLEGRINI, Domingos. Lições de gramática para quem 
gosta de literatura
. São Paulo: Panda Books, 2007, p. 40-41)  

 
 
9. 

Depreende-se corretamente da leitura do texto que, para o 
autor,  

 

(A)  o aspecto sonoro das palavras não permite que se 

façam suposições acerca de seu sentido. 

 

(B)  o dicionário é um armazém de decepções, tal como 

lhe pareceu no caso do termo inexorável

 

(C) palavras 

como 

inconsútil apenas confirmam, no di-

cionário, a significação que já era previsível. 

 

(D)  o dicionário pode frustrar a quem atribuía a uma pa-

lavra a grandiosidade que o sentido não confirma. 

 

(E) palavras 

como 

acabrunhado podem atrair um leitor 

pela mesma razão que ocorre com inexorável

Caderno de Prova ’G07’, Tipo 001

fcc-2014-tce-pi-pedagogo-prova.pdf-html.html

 

TCEPI-Conhecimentos Gerais

3

 

10.  Atente para as seguintes afirmações: 

 
 

I

.  Para o autor do texto, o desuso a que se condenam 

muitas palavras é comparável a um depósito de 
coisas inúteis, que só voltam a ter valor quando 
alguém as investiga e lhes reconhece a utilidade. 

 
 

II

.  Muitas vezes roçamos o real sentido de uma pala-

vra pelo contexto em que surge, pelas expressões 
em que foi empregada, como no caso de destino 
inexorável.
 

 
 

III

.  A frustração sentida pelo autor quando pesquisou o 

vocábulo inconsútil deveu-se ao fato de que a pom-
pa dessa palavra não correspondia à trivialidade de 
seu sentido. 

 
 

Em relação ao texto, está correto o que se afirma em 

 

(A) 

I

II

 e 

III

(B) 

I

 e 

II

, apenas. 

(C) 

I

 e 

III

, apenas. 

(D) 

II

 e 

III

, apenas. 

(E) 

II

, apenas. 

_________________________________________________________ 

 

11.  Atente para estes três emparelhamentos de frases: 

 
 

I

.  É uma das que mantenho desconhecidas desde ra-

pazola.  

 

  Quando rapazinho, dei por desconhecidas palavras 

como essa. 

 
 

II

. (...) 

fiquei feliz porque o significado justifica a pom-

pa da palavra.  

 

  (...) fez-me feliz o fato de a solenidade da palavra 

legitimar-se no seu sentido. 

 
 

III

. (...) 

não aguentei mais as décadas de ignorância. 

(...) tornou-se inócuo para mim ignorar aquelas 
décadas. 

 
 

Considerando-se o contexto, há equivalência de sentido 
entre as frases emparelhadas em 

 

(A) 

I

II

 e 

III

(B) 

I

 e 

II

, apenas. 

(C) 

I

 e 

III

, apenas. 

(D) 

II

 e 

III

, apenas. 

(E) 

II

, apenas. 

_________________________________________________________ 

 

12. É 

preciso 

CORRIGIR a má estruturação da seguinte frase: 

 

(A)  Há palavras que caem em desuso e levam o leitor a 

consultar um dicionário, caso queira conhecer seu 
sentido e empregá-las com propriedade. 

 
(B)  A fim de empregar uma palavra com propriedade, 

caso se desconheça seu sentido por desuso, para 
tanto é preciso consultar um dicionário. 

 
(C)  Há de consultar o dicionário quem, diante de uma 

palavra que caiu em desuso, queira dela se valer 
respeitando seu sentido.  

 
(D)  A consulta a um dicionário é necessária quando, no 

caso de uma palavra raramente empregada, deseja-
mos certificar-nos de sua significação. 

 
(E)  Para lançarmos mão de uma palavra de raro uso, é 

preciso consultar um dicionário, evitando, assim, que 
seja empregada inadequadamente. 

13.  Está inteiramente correta a pontuação da seguinte frase: 
 

(A)  Por vezes uma palavra como inexorável, pode levar-

nos ao dicionário, quando se confirma de certo 
modo o significado de que suspeitávamos. 

 
(B)  Ao consultar no dicionário o verbete inconsútil con-

fessa-nos o autor, que se decepcionou, pois não 
imaginava que a palavra se referisse a algo tão pro-
saico. 

 
(C)  Muitas palavras inteiramente desconhecidas podem, 

eventualmente, ter seu sentido indicado pela força 
do contexto, mas tal não ocorreu com o termo in-
consútil

 
(D)  Há em qualquer língua, expressões tão gastas, que 

mesmo um ou outro termo que as integra, pode pa-
recer-nos familiar e sabido, pela força da repetição. 

 
(E)  Provavelmente ao ler a expressão mantos inconsú-

teis imaginou o autor, que ao contrário do que, de 
fato, significa o termo, parecia apontar para uma al-
tura mística. 

_________________________________________________________ 

 

14.  Atente para a seguinte frase:  
 
 

O autor pesquisou palavras ...... sentido não tinha co-

nhecimento, ainda que ...... suspeitasse, tal como ocorreu 

com a palavra inexorável, ....... passou a utilizar em seus 

textos. 

 
 

Preenchem corretamente as lacunas dessa frase, na or-
dem dada: 

 

(A) de 

cujo 

− dele  − da 

qual 

(B) cujo 

− lhe  − da 

qual 

(C) do 

qual 

− dele  − onde 

(D)  em que o 

− o 

− com 

qual 

(E) de 

onde 

− lhe  − de 

que 

_________________________________________________________ 

 

15.  Quanto ao uso da norma-padrão da língua portuguesa, a 

frase plenamente correta é: 

 

(A)  Se alguém supor que pode adivinhar os significados 

das palavras, provavelmente surpreender-se-ão ao 
consultar um dicionário. 

 

(B)  O autor havia decepcionado-se com o sentido de in-

consútil, não imaginando que de tal palavra pro-
viesse tão banais informações. 

 

(C)  Muita gente intue o sentido de uma palavra a partir 

da sonoridade, quando tão mais simples seria dei-
xarem que os dicionários o esclarecessem. 

 

(D)  Se um escritor se abstivesse de consultar o dicio-

nário, acabaria por incorrer em equívocos que muito 
prejuízo acarretariam ao seu texto. 

 

(E)  Espera-se que as crônicas de um bom escritor nun-

ca se ressintem da falta de objetividade, pautando-
se pelo rigor que aos dicionários competem garantir.  

Caderno de Prova ’G07’, Tipo 001

fcc-2014-tce-pi-pedagogo-prova.pdf-html.html

 

TCEPI-Conhecimentos Gerais

3

 

 

Fundamentos de Direito Constitucional 

 

16.  Em certo processo, foi determinado pelo M.M. juiz a busca 

e apreensão judicial de um veículo que se encontra no in-
terior da residência de Camila. Considerando que o veí-
culo é de seu namorado, Feliciano, no tocante à violação 
de domicílio legal, sem o consentimento do morador, tra-
tando-se de determinação judicial, o oficial de justiça que 
cumprirá o mandado 

 

(A)  somente poderá adentrar na residência de Camila 

com o consentimento de Feliciano, em razão da pro-
teção à dignidade familiar prevista na Constituição 
Federal. 

 

(B)  poderá adentrar na residência, sem o consentimento 

de Camila, em quaisquer horários seja durante o dia 
ou durante a noite. 

 

(C)  não poderá adentrar na residência, em qualquer ho-

rário, sem o consentimento de Camila, uma vez que 
a Constituição Federal protege a inviolabilidade do-
miciliar. 

 

(D)  poderá adentrar na residência, sem o consentimento 

de Camila, somente entre as 6 e 22 horas. 

 

(E)  poderá adentrar na residência, sem o consentimento 

de Camila, porém somente durante o dia. 

_________________________________________________________ 

 

17.  Considere as seguintes hipóteses: a Lei “A” exige autori-

zação do Estado mediante ato administrativo vinculado 
para a fundação de sindicato, bem como a obrigatoriedade 
dos sindicatos apresentarem semestralmente relatório por-
menorizado da administração interna, contendo os princi-
pais atos de gestão. Neste caso, a Lei “A” 

 

(A)  afronta a Constituição Federal, uma vez que lei não 

poderá exigir autorização do Estado para a fundação 
de sindicato, ressalvado o registro no órgão compe-
tente, porém permite ao Poder Público a interferên-
cia e a intervenção na organização sindical. 

 

(B)  afronta a Constituição Federal, uma vez que a lei po-

derá exigir autorização do Estado para a fundação 
de sindicato, mas é vedada ao Poder Público a inter-
ferência e a intervenção na organização sindical. 

 

(C)  afronta a Constituição Federal, uma vez que lei não 

poderá exigir autorização do Estado para a fundação 
de sindicato, ressalvado o registro no órgão compe-
tente, bem como é vedada ao Poder Público a inter-
ferência e a intervenção na organização sindical. 

 

(D)  não afronta a Constituição Federal, uma vez que a 

lei poderá exigir autorização do Estado para a fun-
dação de sindicato, bem como o Poder Público po-
derá interferir na organização sindical. 

 

(E)  só afronta a Constituição Federal quando prevê a 

apresentação semestral de relatório de administra-
ção, uma vez que o referido relatório deverá ser 
apresentado anualmente, segundo preconizado na 
Carta Magna a respeito da organização sindical. 

18.  A nomeação de Ministro do Supremo Tribunal Federal é 

competência 

 

(A)  privativa do Presidente da República após aprova-

ção pelo Senado Federal. 

 
(B)  exclusiva do Presidente da República após aprova-

ção pelo Tribunal de Contas da União. 

 
(C)  privativa do Presidente da República após aprova-

ção pelo Congresso Nacional. 

 
(D)  privativa do Senado Federal após aprovação pelo 

Presidente da República. 

 
(E)  exclusiva do Tribunal de Contas da União após apro-

vação pelo Presidente da República. 

_________________________________________________________ 

 

19.  O Presidente da República será submetido a julgamento 

perante o Supremo Tribunal Federal, nas infrações penais 
comuns e perante o Senado Federal, nos crimes de res-
ponsabilidade. De acordo com a Constituição Federal, 

 

(A)  em ambos os casos a acusação contra o Presidente 

da República obrigatoriamente terá sido admitida por 
no mínimo um terço da Câmara dos Deputados. 

 
(B)  em ambos os casos a acusação contra o Presidente 

da República obrigatoriamente terá sido admitida por 
dois terços do Congresso Nacional. 

 
(C)  no primeiro caso a acusação contra o Presidente da 

República obrigatoriamente terá sido admitida por 
um terço da Câmara dos Deputados e no segundo 
por um terço do Congresso Nacional. 

 
(D)  em ambos os casos a acusação contra o Presidente 

da República obrigatoriamente terá sido admitida  
por dois terços da Câmara dos Deputados. 

 
(E)  no primeiro caso a acusação contra o Presidente da 

República obrigatoriamente terá sido admitida por 
um terço da Câmara dos Deputados e no segundo 
por dois terços do Congresso Nacional. 

_________________________________________________________ 

 

Fundamentos de Direito Civil 

 

20.  Leda e Lindoval são casados e possuem dois filhos gê-

meos: Marcos e Margarido. Hoje, já homens com trinta 
anos de idade, começaram a preocupar seus pais. Marcos 
é pródigo e está consumindo seu próprio patrimônio em 
razão de seus gastos desenfreados; Margarido está en-
frentando problemas com o álcool, caracterizando a figura 
do ébrio habitual. De acordo com o Código Civil brasileiro, 
em regra, 

 

(A)  os gêmeos Marcos e Margarido são absolutamente 

incapazes de exercer pessoalmente os atos da vida 
civil. 

 
(B)  os gêmeos Marcos e Margarido são incapazes, rela-

tivamente a certos atos, ou a maneira de os exercer. 

 
(C)  apenas Marcos é absolutamente incapaz de exercer 

pessoalmente os atos da vida civil. 

 
(D)  apenas Margarido é absolutamente incapaz de exer-

cer pessoalmente os atos da vida civil. 

 
(E)  apenas Marcos é relativamente incapaz para exercer 

alguns atos previamente mencionados na legislação 
civil. 

Caderno de Prova ’G07’, Tipo 001

fcc-2014-tce-pi-pedagogo-prova.pdf-html.html

 

TCEPI-Conhecimentos Gerais

3

 

21.  Marcelo é biólogo, pesquisador de espécies da fauna na-

tiva não possui residência habitual, em razão da sua pro-
fissão. Atualmente, Marcelo realiza pesquisas na cidade de 
Teresina, seus pais e esposa residem em São Paulo, ca-
pital, e suas últimas pesquisas ocorreram em Santos 

− SP e 

Gramado 

− RS, nesta ordem. Neste caso, de acordo com o 

Código Civil brasileiro, ter-se-á por domicílio de Marcelo 

 

(A)  o lugar em que ele for encontrado. 
 
(B)  a cidade de Teresina, apenas. 
 
(C)  a cidade de São Paulo, apenas. 
 
(D)  as cidades de Teresina ou Santos, apenas. 
 
(E)  as cidades de Teresina, Santos ou Gramado. 

_________________________________________________________ 

 

22. Considere: 

 
 

I

. Dinheiro. 

 

II

.  Sacos de Arroz. 

 

III

.  Dois kilos de banana prata. 

 

IV

.  Quadro do Pintor “X” já falecido. 

 
 

De acordo com o Código Civil brasileiro, são considerados 
bens fungíveis os indicados APENAS em 

 

(A) 

I

II

 e 

IV

 
(B) 

II

 e 

III

 
(C) 

I

 e 

IV

 
(D) 

I

II

 e 

III

 
(E) 

III

 e 

IV

_________________________________________________________ 

 

23. Considere: 

 

 
 

I

.  O empregador e os atos praticados por seus em-

pregados no exercício do trabalho que lhes com-
petir ou em razão dele. 

 
 

II

.  Os donos de hotéis e os atos praticados pelos seus 

hóspedes. 

 
 

De acordo com o Código Civil brasileiro, em se tratando 
de reparação civil, nas hipóteses 

I

 e 

II

 

(A)  ambos respondem pelos atos praticados pelos ter-

ceiros ali referidos, desde que haja culpa de sua par-
te. 

 
(B)  ambos respondem pelos atos praticados pelos ter-

ceiros ali referidos, independentemente da existên-
cia de culpa de sua parte. 

 
(C)  somente os donos de hotéis respondem pelos atos 

de seus hóspedes independentemente da existên-
cia de culpa de sua parte. 

 
(D)  somente o empregador responde pelos atos de seus 

empregados independentemente da existência de 
culpa de sua parte. 

 
(E)  ambos não respondem pelos atos praticados pelos 

terceiros ali referidos, existindo ou não culpa de sua 
parte. 

 

Fundamentos de Direito Administrativo 

 

24.  Uma determinada empresa pública ao rescindir unilateral-

mente o contrato de trabalho com um de seus emprega-
dos públicos assim o fez sem indicar qualquer fundamento 
de fato e de direito para sua decisão. O ato em questão 
evidencia violação ao princípio administrativo 

 

(A) do 

controle. 

 

(B) da 

eficiência. 

 

(C) da 

publicidade. 

 

(D)  da presunção de legitimidade. 
 

(E) da 

motivação. 

_________________________________________________________ 

 

25.  Marcus, servidor público do Tribunal de Contas do Estado 

do Piauí, praticou ato administrativo vinculado. Dez dias 
após a prática do ato, o servidor constata grave ilegali-
dade na finalidade do aludido ato administrativo. Em razão 
do exposto, Marcus 

 

(A)  deve revogar o ato. 
 

(B)  deve, obrigatoriamente, socorrer-se do Judiciário para 

anular o ato. 

 

(C)  deve anular o ato. 
 

(D)  pode optar por anular ou revogar o ato. 
 

(E)  deve socorrer-se do Poder Judiciário para revogar o 

ato. 

_________________________________________________________ 

 

26.  Marta, interessada em participar de uma licitação na mo-

dalidade convite, manifestou seu interesse em participar 
do certame 48 horas antes do prazo para a apresentação 
das propostas. Nos termos da Lei n

o

 8.666/93, Marta 

 

(A)  não pode participar do certame, em razão de ter 

transcorrido o prazo previsto em lei para manifestar 
seu interesse.  

 

(B)  pode participar do certame, independentemente de 

ser cadastrada ou não. 

 

(C)  pode participar do certame, desde que seja cadas-

trada na correspondente especialidade. 

 

(D)  não pode participar do certame, pois apenas os lici-

tantes convidados estão aptos à licitação na moda-
lidade convite. 

 

(E)  pode participar do certame, pois pode manifestar 

seu interesse até doze horas da apresentação das 
propostas, não sendo necessário o preenchimento 
de qualquer outro requisito.  

Caderno de Prova ’G07’, Tipo 001

fcc-2014-tce-pi-pedagogo-prova.pdf-html.html

 

TCEPI-Conhecimentos Gerais

3

 

 

Legislação Aplicável ao TCE/PI e ao Servidor Público Estadual 

 

27.  Esteves, servidor público do Tribunal de Contas do Estado do Piauí, foi acometido por séria doença e necessita de licença para 

tratamento de saúde. Cumpre salientar que o servidor está na residência de sua irmã, sendo que a moléstia o impede de lo-
comover-se. Nos termos da Lei Complementar Estadual n

o

 13/94, a licença para tratamento de saúde será concedida ao ser-

vidor, a pedido ou de ofício, com base em perícia oficial. Na hipótese narrada, caso inexista médico do órgão oficial no local on-
de se encontra Esteves,  

 

(A)  será aceito atestado passado por médico particular, homologado pela junta médica.  

 
(B)  o servidor deverá procurar ajuda para se locomover, de modo a ser inspecionado por médico do órgão oficial. 

 
(C)  o servidor deverá aguardar que médico do órgão oficial chegue até o local onde ele se encontra. 

 
(D)  será aceito atestado passado por médico particular, não sendo necessária homologação da junta médica. 

 
(E)  será concedida a licença e, posteriormente, feita a perícia oficial, que servirá como mera ratificação, haja vista a situação 

excepcional em que se encontra o servidor. 

 
 
28.  Sobre o Tribunal de Contas do Estado do Piauí, considere: 

 

 

I

.  A antiguidade do Conselheiro será determinada, sucessivamente: pela idade; pela posse e pela nomeação. 

 

 

II

.  Uma das prerrogativas dos Conselheiros consiste em não se sujeitar à notificação ou intimação para comparecimento, 

salvo se expedida por autoridade judicial competente. 

 

 

III

.  É vedado aos Conselheiros do Tribunal de Contas do Estado exercer cargo de direção em associação de classe, ainda 

que sem remuneração.  

 

 

IV

.  É vedado aos Conselheiros do Tribunal de Contas do Estado dedicar-se à atividade político-partidária.  

 

 

Nos termos da Lei Orgânica do Tribunal de Contas do Estado do Piauí (Lei n

o

 5.888/09), está correto o que se afirma APENAS 

em 

 

(A) 

II

III

 e 

IV

(B) 

I

II

 e 

III

(C) 

I

 e 

III

(D) 

I

 e 

IV

(E) 

II

 e 

IV

 
 
29.  O representante legal da Empresa XYZ, que possui contrato com o Estado do Piauí destinado à construção de obra pública, foi 

chamado pelo Tribunal de Contas do Estado para uma audiência, tendo em vista a constatação de irregularidade na economi-
cidade do contrato. Não sendo sanada a irregularidade, o Tribunal de Contas fixou prazo para a adoção das providências ne-
cessárias ao exato cumprimento da lei, o que também não foi cumprido pela empresa. Diante do exposto e nos termos da Lei 
Estadual n

o

 5.888/09, o TCE-PI 

 

(A)  comunicará o fato ao Poder Executivo, e, caso este não suste a execução do contrato em sessenta dias, o próprio Tribunal 

decidirá a respeito da sustação da execução do contrato. 

 
(B)  sustará imediatamente a execução do contrato. 

 
(C)  deverá comunicar o fato ao Poder Executivo, a quem compete exclusivamente sustar a execução do contrato. 

 
(D)  comunicará o fato ao Poder Legislativo, e, caso este não suste a execução do contrato em noventa dias, o próprio Tribunal 

decidirá a respeito da sustação da execução do contrato. 

 
(E)  rescindirá imediatamente o contrato administrativo. 

 
 
30.  Demetrius, agente público, foi condenado definitivamente pelo Tribunal de Contas do Estado do Piauí em processo de julgamento 

de contas de gestão à elevada multa, por suposta atuação dolosa causadora de prejuízo ao erário. Passado um ano da con-
denação definitiva, Demetrius descobre a falsidade do documento que fundamentou sua condenação. Nos termos da Lei Estadual 
n

o

 5.888/09, é cabível 

 

(A)  a revisão, que deve ser interposta uma vez, por escrito, e no prazo de até dois anos da decisão transitada em julgado. 

 
(B)  a reconsideração, que deve ser interposta uma vez, por escrito, e no prazo de trinta dias do conhecimento da falsidade. 

 
(C)  o pedido de reexame, que deve ser interposto uma vez, por escrito, e no prazo de até cinco anos da decisão transitada em 

julgado. 

 
(D)  o pedido de reexame, que deve ser interposto uma vez, por escrito, e no prazo de trinta dias do conhecimento da falsidade. 

 
(E)  o agravo, que deve ser interposto uma vez, por escrito, e no prazo de cinco dias do conhecimento da falsidade. 

Caderno de Prova ’G07’, Tipo 001

fcc-2014-tce-pi-pedagogo-prova.pdf-html.html

 

 

TCEPI-Pedagogo-CE 

I

-G07

 

 

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 

I

 

 

31.  Ao considerar a educação como um ato pedagógico e 

também político, é correto afirmar que um traço marcante, 
nas teorias críticas atuais, é  

 

(A)  a valorização da pessoa do educando enquanto apren-

diz e como ser histórico, político e social. 

 
(B)  o desenvolvimento de técnicas capazes de treinar o 

aprendiz para sua função no mercado de trabalho. 

 
(C)  a transversalidade de temas que possibilitam supe-

rar as dinâmicas próprias das disciplinas. 

 
(D)  a compreensão dos limites de aprendizagem geneti-

camente determinados em cada indivíduo.  

 
(E)  o conhecimento incorporado pelos educandos de 

forma cumulativa por meio da transmissão científica 
e planejada dos conteúdos. 

_________________________________________________________ 

 

32. No 

Século 

XVIII

, a Revolução Francesa trouxe o lema 

igualdade, liberdade e fraternidade e uma teoria educacio-
nal considerada revolucionária para a época, pois afirma-
va os direitos do indivíduo, apoiava-se no humanismo 
igualitário e indicava que o processo civilizatório deveria 
ser universal. 

 

Passados mais de 200 anos dos ideais da Revolução 
Francesa e dos períodos históricos que a sucederam, 
constata-se que 

 

(A)  a exclusão escolar permanece e a uma grande parte 

da população ainda é negado o direito à educação. 

 
(B)  não é possível a transmissão de conhecimentos de 

forma contextualizada. 

 
(C)  não é possível se conseguir organizar a escola co-

mo espaço de saber para todos. 

 
(D)  é comum a organização escolar baseada na integra-

ção entre teoria e prática. 

 
(E)  há avanço das áreas científicas no compartilhamen-

to dos saberes desenvolvidos, em diferentes am-
bientes. 

_________________________________________________________ 

 

33.  Ao examinar o acesso à educação em vários períodos his-

tóricos, as teorias críticas atentam para o fato de que a es-
cola 

 

(A)  deve cumprir seu papel de oferecer uma educação 

de qualidade aos alunos capazes e intelectualmente 
prontos para assimilar os conhecimentos ensinados. 

 
(B)  tanto pode servir para a construção da cidadania co-

mo prática libertadora, como para as práticas de do-
minação, visando à reprodução da sociedade vi-
gente. 

 
(C)  precisa definir os objetivos a serem alcançados de 

acordo com a capacidade cognitiva de cada grupo 
social a ser atendido. 

 
(D)  deve ser espaço de exercício de disciplina e de de-

senvolvimento do autocontrole, para formar indiví-
duos capazes de seguirem as regras coletivas de 
sua comunidade. 

 
(E)  tem como objetivo fazer com que os alunos reco-

nheçam seu espaço na sociedade, de acordo com 
sua inserção no mercado de trabalho. 

34.  Quando se discute que o paradigma da inclusão não é es-

pecífico para alunos com deficiência, apresentando um 
resgate histórico do igual direito de todos à educação de 
qualidade, são feitas objeções no entendimento deste con-
ceito. 

 

Parece que já está condicionada a ideia de que a inclusão é 
para alunos da educação especial passarem das classes e 
escolas especiais para as turmas do ensino regular. 

 

 

Este raciocínio, muitas vezes, 

 

(A)  não permite discutir amplamente as causas das vá-

rias deficiências existentes. 

 

(B)  privilegia a discussão de uma determinada deficiên-

cia em relação a outra. 

 

(C)  não possibilita sensibilizar o professor para as ne-

cessidades dos alunos deficientes. 

 

(D)  dificulta a discussão sobre outras formas de exclu-

são como a que sofrem os alunos de educação de 
jovens e adultos. 

 

(E)  impede a discussão mais profunda do processo de 

exclusão que as crianças deficientes visuais e audi-
tivas sofrem em sala de aula. 

_________________________________________________________ 

 

35.  Embora haja diferenças marcantes nas teorias de aprendi-

zagem de Piaget e Vygotsky, há também aspectos a res-
peito dos quais o pensamento desses dois autores é bas-
tante semelhante, tais como: 

 

 

I

.  ambos são interacionistas: postulam a importância 

da relação entre indivíduo e ambiente na constru-
ção dos processos psicológicos. 

 

 

II

.  nas duas abordagens, o indivíduo é ativo em seu 

próprio processo de desenvolvimento: nem está su-
jeito apenas a mecanismos de maturação, nem sub-
metido passivamente a imposições do ambiente. 

 

 

III

.  os dois autores partem do princípio de que o com-

portamento do indivíduo deve ser modelado pelo 
paradigma de estímulo e resposta. 

 

 

IV

.  um e outro consideram que o aparecimento da ca-

pacidade de representação simbólica, evidenciado 
particularmente pela aquisição da linguagem, mar-
ca um salto qualitativo no processo de desenvol-
vimento humano. 

 

 

Está correto o que se afirma APENAS em 

 

(A) 

I

 e 

IV

(B) 

II

 e 

III

(C) 

I

II

 e 

III

(D) 

I

II

 e 

IV

(E) 

II

III

 e 

IV

_________________________________________________________ 

 

36.  Com base na concepção piagetiana de aprendizagem, 

conclui-se que cabe ao professor  

 

(A)  planejar as atividades intelectivas em conformidade 

com o ano escolar dos alunos. 

 

(B)  criar situações que estimulem o aluno a pensar, pes-

quisar, estudar e analisar a questão a ele apresen-
tada. 

 

(C)  escolher os conteúdos e organizar materiais didáticos 

de acordo com os diversos interesses dos alunos. 

 

(D)  elaborar uma rotina de estudo para que o aluno con-

quiste sua autonomia de pensamento. 

 

(E)  ensinar primeiramente os conteúdos mais simples 

para gradativamente chegar aos mais complexos. 

Caderno de Prova ’G07’, Tipo 001

fcc-2014-tce-pi-pedagogo-prova.pdf-html.html

 

 

TCEPI-Pedagogo-CE 

I

-G07

 

37.  Um professor foi convidado para ministrar um curso de in-

glês para os funcionários de uma empresa. Em seu con-
trato de trabalho estava prevista remuneração para a reali-
zação de aulas, a produção própria de uma apostila, o 
planejamento e a preparação das aulas. 

 

Transcorridos 5 dias de aulas, o coordenador do curso per-
cebeu que alguns textos da apostila elaborada pelo pro-
fessor eram cópia literal de outra publicação encontrada na 
Internet.  

 

Considerando os fatos, o coordenador conversou com o 
professor e afastou-o do curso, levando o caso para ser 
analisado pelo Departamento Jurídico da empresa. 

 

 

Esta resolução está 

 

(A)  incorreta, pois punições como esta são formas auto-

ritárias de se lidar com a questão. 

 

(B)  correta, pois é a partir de punições exemplares que 

se consegue manter a ordem numa empresa. 

 

(C)  incorreta, pois a internet é considerada um veículo 

de divulgação de informações que pode e deve dis-
ponibilizar recursos para os professores. 

 

(D)  equivocada, tendo em vista que a obrigação do pro-

fessor é ministrar aula e não produzir material para 
suas aulas. 

 

(E)  correta, pois, eticamente, a cópia sem a devida citação 

ou autorização do autor da obra é uma fraude, con-
trariando a Lei de Direitos Autorais (Lei n

o

 9.610/98). 

_________________________________________________________ 

 

38.  É preciso reconhecer a inclusão curricular do tema “ética” 

em projetos pedagógicos de várias escolas. Entretanto, se 
como cidadãos (ou mesmo usuários), temos experimen-
tado o hábito de avaliar certas práticas sociais e profissio-
nais a que estamos ligados no dia a dia, não se pode dizer 
que o mesmo venha ocorrendo explicitamente e com a 
mesma frequência quando colocamos a educação esco-
lar em pauta.
  

 

 

Em conformidade com o exposto, é correto afirmar que 

 

(A)  raras são as vezes em que a discussão ética é pre-

senciada de modo explícito no campo pedagógico, 
principalmente entre os pares escolares. 

 

(B)  depois da Lei de Diretrizes e Bases da Educação 

Nacional incluir este tema como conteúdo obrigatório, 
a discussão ficou mais frequente nas escolas. 

 

(C)  ética se pratica, não se discute. 

 

(D)  a discussão deste tema nas reuniões pedagógicas, 

no Brasil, já se tornou uma prática comum. 

 

(E)  esse tema só aparece quando problemas disciplina-

res graves são identificados nas escolas. 

_________________________________________________________ 

 

39.  A cidadania se dá com a participação eficiente e criativa 

no contexto social, o exercício concreto de direitos e deve-
res 
[...] O conceito de cidadania se estende a todos indiví-
duos na sociedade, sem discriminação de raça, gênero, 
idade, credo religioso 
[...]  

 

 

De acordo com as ideias acima, cidadania exige 

 

(A)  o cumprimento das determinações legais da Consti-

tuição do país, por parte de todos os membros de 
uma sociedade, indistintamente. 

 

(B)  consciência de pertença a uma comunidade e tam-

bém de responsabilidade partilhada, tendo em vista 
a vida em comum. 

 

(C)  obediência às regras coletivas de cada comunidade, 

de acordo com a regulamentação jurídica formal. 

 

(D)  compromisso do indivíduo frente às necessidades de 

seu grupo social, desconsiderando as suas necessi-
dades. 

 

(E)  compreensão de seus deveres junto a todos os 

membros de sua comunidade. 

40.  Segundo Paulo Freire, uma das tarefas essenciais da es-

cola, como centro de produção sistemática de conheci-
mento, é trabalhar criticamente a inteligibilidade das coi-
sas e dos fatos e a sua comunicabilidade
.  

 

 

Diante disso, é correto afirmar que a educação deve  

 

(A)  propiciar um ensino baseado nas experiências cien-

tíficas das pessoas aprendentes. 

 

(B)  valorizar a sociedade do conhecimento que se ba-

seia nas ciências humanas. 

 

(C)  enfrentar o desafio de ensinar informações de forma 

mnemônica, a fim de conseguir que o aluno com-
preenda o conhecimento científico. 

 

(D)  alicerçar-se nos conhecimentos prévios dos alunos, 

para tentar motivá-los a aprender os conhecimentos 
científicos transmitidos pela escola.  

 

(E)  criar as condições para que o educando vá assumin-

do o papel de sujeito da produção de sua inteligên-
cia do mundo. 

_________________________________________________________ 

 

41.  Em objeção a uma escola uniforme, Howard Gardner 

afirma que 

 

(A)  nem todas as pessoas têm os mesmos interesses e 

habilidades; nem todos aprendem da mesma manei-
ra. 

 

(B)  as habilidades mentais/intelectivas são determinan-

tes para o sucesso profissional de uma pessoa. 

 

(C)  sem o desenvolvimento do pensamento lógico-mate-

mático, o ser humano não consegue se desenvolver 
integralmente. 

 

(D)  a inteligência espacial comanda a organização men-

tal do indivíduo, pois é ela que possibilita a com-
preensão global do mundo. 

 

(E)  o professor, para saber se seu aluno é ou não inte-

ligente, pode submetê-lo a testes de aptidão escolar. 

_________________________________________________________ 

 

42.  Para Ausubel, a aprendizagem significativa ocorre quando a 

 

(A)  informação a ser ensinada for trabalhada interdis-

ciplinarmente de forma planejada por todos pro-
fessores.  

 

(B)  nova informação fixar-se em conceitos relevantes 

preexistentes na estrutura cognitiva de quem aprende. 

 

(C)  nova informação é armazenada de forma aleatória 

pelo aluno. 

 

(D)  informação é adquirida de forma lúdica e mnemônica. 

 

(E)  informação ensinada já tenha sido apresentada e/ou 

discutida anteriormente. 

_________________________________________________________ 

 

43.  No que se refere ao direito à alfabetização, existe um longo 

caminho a percorrer: organismos das Nações Unidas esti-
mam que há ainda cerca de 100 milhões de crianças e ado-
lescentes que não têm acesso a escolas e 771 milhões de 
jovens e adultos, em todo o mundo, analfabetos. 

 

 Estes 

dados 

 

(A)  comprovam a desqualificação dos sistemas de ensi-

no público dos países em desenvolvimento. 

 

(B)  evidenciam a falta de compromisso político dos pro-

fessores das várias redes de ensino público no país. 

 

(C)  configuram, à luz da visão universalista e das insti-

tuições internacionais de justiça, violação dos direi-
tos humanos.  

 

(D)  internacionais caracterizam a visão economicista da 

educação, que se preocupa fundamentalmente com 
a educação profissional. 

 

(E)  indicam que os cursos de formação de professores 

não apresentam qualidade de ensino na preparação 
de seu alunado para a profissão do magistério. 

Caderno de Prova ’G07’, Tipo 001

fcc-2014-tce-pi-pedagogo-prova.pdf-html.html

 

 

10 

TCEPI-Pedagogo-CE 

I

-G07

 

44.  Considere as asserções abaixo. 

 

 

I

.  A maioria dos jovens e adultos pouco escolarizados 

se responsabiliza individualmente por não saber ler 
e escrever. 

 

PORQUE 

 

 

II

.  Os jovens ou adultos analfabetos ignoram como se 

dá o processo de exclusão social na sociedade bra-
sileira. 

 

 

É correto afirmar que 

 

(A)  a primeira e a segunda afirmações são verdadeiras. 

 

(B)  a primeira e a segunda afirmações são falsas. 

 

(C)  a primeira é falsa e a segunda é verdadeira. 

 

(D)  a primeira é verdadeira e a segunda é falsa. 

 

(E)  as duas asserções são verdadeiras, mas a segunda 

não justifica a primeira. 

_________________________________________________________ 

 

45.  Ao falarmos em sujeitos socioculturais, diversidade ética e 

cultural e escola, estamos dando visibilidade ao fato de 
que professores, alunos e pais vivenciam diferentes pro-
cessos na sua relação com o mundo do trabalho, nas re-
lações sociais e no ambiente escolar. 

 

 

Levar em conta a ação dos sujeitos socioculturais no es-
paço escolar 

 

(A)  possibilita a organização curricular por meio de objeti-

vos pré-definidos oportunizando diferentes experiên-
cias ético-culturais. 

 

(B)  comprova a existência de um projeto político peda-

gógico elaborado coletivamente nas escolas públicas. 

 

(C)  configura a existência da participação coletiva dos 

vários agentes da comunidade escolar. 

 

(D)  representa o reconhecimento de que também os alu-

nos são mais do que sujeitos de aprendizagem, são 
portadores e produtores de cultura. 

 

(E)  constitui a concretização de uma gestão democrática. 

_________________________________________________________ 

 

46.  A cultura escolar está impregnada de uma complexidade 

de conflitos provenientes das diferentes referências de 
identidades construídas pelos sujeitos nas relações so-
ciais e no processo cultural. 

 

 

Por isso, aos educadores que optam pelo diálogo entre es-
cola/sociedade/cultura não se pode imputar a acusação de 
abandonarem a discussão sobre as funções sociais da es-
cola e a relação entre Educação e Trabalho. Pelo contrário, 
o que se busca é, a partir de temáticas tão importantes 
como é o caso da questão racial, contribuir para o aprofun-
damento e a ampliação da produção teórica educacional. 

 

 

Desta forma, estes educadores estarão 

 

(A)  contribuindo para minimizar a falta de embasamento 

teórico do professor e demais especialistas da educa-
ção. 

 

(B)  ensinando como diferentes grupos de alunos podem 

se adequar à cultura do outro. 

 

(C)  proporcionando uma educação escolar eficiente e 

efetiva, pois ao mercado de trabalho interessa tão 
somente a formação escolar. 

 

(D)  colocando a discussão sobre a educação escolar no 

campo dos direitos sociais. 

 

(E)  apresentando alternativas para superar o precon-

ceito e a discriminação racial na sociedade. 

47.  Nos dias atuais, o campo de ação das políticas públicas 

em educação encontra, entre suas forças, a forte presen-
ça de setores privados relacionados ao mercado educa-
cional. Neste cenário, acirram-se os conflitos em relação à 
concepção do papel da educação e, deste embate, saem 
fortalecidos os 

 

(A)  alunos e as próprias famílias, mais conscientes e 

atuantes, na busca de um projeto de educação mais 
condizente com as necessidades do mundo moderno. 

 

(B)  projetos de inclusão social e escolar, tendo em vista a 

formação plena do aluno, tanto no domínio do conhe-
cimento, quanto em questões de formação cidadã. 

 

(C)  sindicatos e associações de professores que perse-

guem a manutenção de políticas públicas que possam 
garantir acesso e permanência no ensino gratuito e de 
qualidade reconhecida. 

 

(D)  professores que podem atuar de forma autônoma, 

considerando os valores éticos, a responsabilidade 
social própria da profissão e o compromisso com a 
qualidade do ensino. 

 

(E)  ideais de eficiência na gestão, cujo modelo requer 

padronização das ações pedagógicas e do próprio 
currículo, com sistemas de aferição de resultados e 
de recompensas. 

_________________________________________________________ 

 

48.  A educação profissional se organiza de maneira a inte-

grar-se às diferentes formas de educação, ao trabalho e 
ao desenvolvimento tecnológico. Pode ser desenvolvida 
em articulação com o ensino regular ou por meio de es-
tratégias de educação continuada em instituições espe-
cializadas ou no ambiente de trabalho. No caso da edu-
cação continuada, 

 

(A)  o acesso ao mercado de trabalho fica vinculado à 

conclusão de cursos regulares, mediante compro-
vação pelo histórico escolar. 

 

(B)  os certificados, mesmo registrados, têm validade res-

trita a determinadas empresas e em âmbito regional. 

 

(C)  considera-se a experiência do aluno e a certificação 

do conhecimento adquirido permite que o trabalha-
dor continue a estudar e aperfeiçoar-se. 

 

(D)  por se tratar de educação de jovens e adultos, a 

avaliação no processo deve se restringir à observa-
ção das atividades dos alunos. 

 

(E)  há restrições legais, em termos de carga horária, 

conteúdo programático e qualificação dos professo-
res instrutores, bem como da validação de cursos. 

_________________________________________________________ 

 

49.  Na sala de aula, as relações entre professores, alunos e 

conhecimentos se concretizam e, a aula, enquanto espa-
ço/tempo do ensino, do estudo e da aprendizagem, torna-
se o objeto da didática, interligando as dimensões linguís-
tica, pessoal e cognitiva dessas relações. No que diz res-
peito ao aspecto cognitivo, 

 

(A)  pode-se dizer que ele é o motor das ações esco-

lares, importando pouco o contexto social, político e 
econômico em que se encontram seus atores. 

 

(B)  pode-se dizer que ele é irrelevante na discussão di-

dática, uma vez que a aprendizagem se dá, basica-
mente pela experiência do dia a dia. 

 

(C)  vale salientar a relevância desta dimensão, conside-

rando que, ao lado de assumir a função socializadora, 
a escola deve propiciar a todos, o acesso ao saber. 

 

(D)  a escola deve assumir, na modernidade, que o que 

vale em educação é o diálogo, independentemente 
do conteúdo que veicula, posto assim em segundo 
plano. 

 

(E)  a escola precisa desvencilhar-se da pretensão de 

acesso ao saber, considerando as tecnologias edu-
cacionais que propiciam, de forma mais dinâmica, o 
acesso ao conhecimento. 

Caderno de Prova ’G07’, Tipo 001

fcc-2014-tce-pi-pedagogo-prova.pdf-html.html

 

 

TCEPI-Pedagogo-CE 

I

-G07

 

11 

50.  A tecnologia sempre esteve presente na sala de aula, au-

xiliando direta ou indiretamente o trabalho do professor, 
sua comunicação didática, em busca da aprendizagem. 
Foi assim desde o giz e a lousa, o retroprojetor, o vídeo, o 
mimeógrafo, o computador, a xerocópia, entre outros.  

 

 

Não seria diferente hoje, quando se pode contar com re-
cursos da informática, ampliando, diversificando e agili-
zando a comunicação e a disponibilidade, em rede, de 
conteúdos escolares, acadêmicos e sociais. Neste con-
texto, nada mais esperado que a escola e o professor 

 

(A)  reservem o uso da tecnologia para as ações com-

plementares, fora da sala de aula, tentando evitar o 
simples recorta e cola. 

 

(B)  utilizem a tecnologia disponível, em prol de uma 

aprendizagem autônoma e significativa, ultrapassan-
do a simples repetição do saber. 

 

(C)  indiquem o uso da tecnologia apenas para as situa-

ções de pesquisa, em que o aluno tem mais liber-
dade de escolher os temas de estudo. 

 

(D)  evitem as novas tecnologias para não haja disper-

são e, em consequência, os alunos não consigam 
dominar todo o conteúdo ensinado. 

 

(E)  submetam-se às novas tecnologias, deixando de la-

do o potencial criativo do professor e do aluno, em 
busca da qualidade da aprendizagem. 

_________________________________________________________ 

 

51.  Em 1973, Lauro de Oliveira Lima afirmou que “o novo no-

me do ensino é pesquisa”. Quarenta anos são passados e 
ainda estamos em busca deste ideal. Sem dúvida, todos 
nós aceitamos e partilhamos esta ideia, mas sentimos gran-
de dificuldade para praticá-la no cotidiano escolar. Isto de-
penderia do desenvolvimento, desde a educação básica, 

 

(A)  de condições de busca e obtenção de aportes finan-

ceiros, em vista dos custos para a realização da pes-
quisa escolar. 

 

(B)  de um conhecimento profundo acerca dos valores 

científicos e éticos, além do conhecimento da própria 
metodologia de pesquisa. 

 

(C)  de uma atitude científica, promotora da ultrapassa-

gem do conhecimento do método científico, transfor-
mando-se em prática pedagógica. 

 

(D)  da ampliação de laboratórios e bibliotecas escolares 

de forma que pudessem substituir as salas de aula 
na realização do ensino. 

 

(E)  de currículos flexíveis, não padronizados, desatre-

lados de avaliações nacionais e internacionais. 

_________________________________________________________ 

 

52.  Com relação à pesquisa situada no âmago do fazer peda-

gógico, constituindo-se em fundamento do ensino e mola 
propulsora do aprender, observa-se que ela é realizada na 
educação formal, ainda de maneira assistemática, pontual. 
O que se pretende na escola, no entanto, é uma mudança 
de paradigma que se daria 

 

(A)  pela eliminação dos saberes emanados das diversas 

disciplinas escolares, tendo o currículo como eixo 
norteador, as experiências dos alunos, acompanha-
das pelo professor. 

 

(B)  naturalmente, no decorrer dos processos escolares, 

tendo em vista a curiosidade natural dos alunos e o 
domínio das habilidades de ler e escrever. 

 

(C)  por pressão da sociedade que exige um ensino que 

promova o pensamento criativo e divergente para as 
diversas camadas da sociedade, sem discriminação. 

 

(D)  mediante pressão dos sistemas escolares para atender 

às metas de inclusão social e escolar, bem como às 
demandas avaliativas das diversas instâncias oficiais. 

 

(E)  pelo deslocamento radical da concepção de apren-

der de modo receptivo para o construído e, enquanto 
tal, preocupação e diretriz explícita no projeto peda-
gógico de cada escola e curso. 

53.  Para a prática da avaliação da aprendizagem, deverão ser 

coletados os dados que lhe sejam essenciais, relevantes e 
significativos

.

 

 

 

Dentro desta lógica, os dados essenciais e relevantes são 

 

(A)  os mais atuais, uma vez que o ensino moderno pre-

cisa perseguir as últimas informações divulgadas. 

 

(B)  os encontrados nos livros didáticos e nas apostilhas 

utilizadas, porque são a base do ensino e da apren-
dizagem. 

 

(C)  aqueles definidos no projeto pedagógico da escola e 

os efetivamente trabalhados e previstos nos planos 
de ensino dos professores. 

 

(D)  aqueles revelados nas diversas provas dos concur-

sos públicos, já que os alunos se preparam para o 
trabalho. 

 

(E)  os que representam a experiência dos alunos, consi-

derando que é a realidade que fundamenta a apren-
dizagem. 

_________________________________________________________ 

 

54.  A avaliação da aprendizagem, enquanto processo investi-

gativo, tem como objeto de conhecimento, a aprendiza-
gem escolar. É com ela que está envolvida, tendo em vista 
detectar fatores que a impulsionam e fatores que a 
comprometem. Concebida assim, a avaliação se relacio-
na, obrigatoriamente, com a otimização dos resultados.  

 

 

Desta feita, este processo que coleta e analisa dados dos 
alunos, 

 

(A)  completa-se quando o diagnóstico da realidade, em 

termos de aprendizagem, é seguido de intervenção 
pedagógica. 

 

(B)  finaliza quando expressa, em notas, os resultados obti-

dos pelos alunos, assumindo sua função somativa. 

 

(C)  é contínuo, diário, observa e acompanha o desenvolvi-

mento do aluno, sem pressão, sem critérios impostos. 

 

(D)  encerra-se no diagnóstico porque é esta a sua fun-

ção primordial, ser formativa. 

 

(E)  preocupa-se sobremaneira com o processual, é qua-

litativo, dinâmico, importando pouco os resultados. 

_________________________________________________________ 

 

55.  Leia as afirmações abaixo, extraídas do filme Matrix e do 

livro de Fernão Capelo Gaivota. 

 

Eu luto Jiu-jitsu ...(Neo) 

Mostre-me!    (Morfeu) 

 

Nada sabes até provares. Voa!   (Instrutor) 

 

 

As ideias acima apontam para um saber construído pelo 
aprendiz que, continuamente, apropria-se do conheci-
mento, seja na escola ou fora dela. As referidas ideias 
sugerem que 

 

(A)  os saberes escolares são construídos de forma inde-

pendente, assim, não há interligação entre os conteú-
dos conceituais, procedimentais e atitudinais, respecti-
vamente, orientados ao saber, saber-fazer e saber ser. 

 

(B)  a competência formada na escola diz respeito direta-

mente aos conteúdos procedimentais que consti-
tuem a base do saber-fazer técnico e produtivo, 
assim devendo ser avaliada. 

 

(C)  os saberes escolares são difusos e influenciados 

pela subjetividade; dependem, basicamente, dos 
conteúdos atitudinais, acontecem independente-
mente do que se planeja e como se avalia. 

 

(D)  o conhecimento construído pelo aluno, individual e 

subjetivamente, é melhor avaliado quando traduzido 
em ações. Em função disso, deve constituir objeto 
do planejamento e da avaliação escolares. 

 

(E)  a competência escolar é teórico-prática, dependendo 

mais da aprendizagem de conceitos que nem sem-
pre podem ser traduzidos em ações, devendo assim 
ser planejada com antecedência. 

Caderno de Prova ’G07’, Tipo 001

fcc-2014-tce-pi-pedagogo-prova.pdf-html.html

 

 

12 

TCEPI-Pedagogo-CE 

I

-G07

 

56.  O documento oficial pelo qual as escolas e os cursos mos-

tram suas finalidades, suas concepções educacionais, 
suas intenções, escolhas e orientações metodológicas, 
constitui o 

 

(A)  projeto pedagógico realizado a partir das demandas 

da sociedade, com divulgação interna para não se 
criar falsas expectativas para a comunidade, as fa-
mílias e aos próprios alunos. 

 

(B)  projeto pedagógico que deve ser concebido e sis-

tematizado por equipes técnicas de planejamento e, 
após sua aprovação pelos gestores, divulgado à co-
munidade escolar. 

 

(C)  plano estratégico das ações escolares, realizado em 

vista do diagnóstico das dificuldades identificadas e, 
por esta razão, deve ser divulgado de forma restrita. 

 

(D)  projeto pedagógico construído coletivamente, para 

que todos se sintam atores e autores e, em conse-
quência, as dimensões curriculares, nele propostas, 
possam ser concretizadas. 

 

(E)  projeto de ação escolar, baseado nos limites e possi-

bilidades da comunidade e, enquanto não for execu-
tado, precisa ser reservado ao conhecimento das au-
toridades educacionais, para não haver desestímulo. 

_________________________________________________________ 

 

57.  Com relação à avaliação da aprendizagem, realizada pelo 

professor e, assumindo, assim seu caráter heteroavaliativo, 
entende-se que ela atinge sua grande finalidade quando 
oferece aos alunos, condições de conhecer suas possibili-
dades e seus limites, além de lhes fornecer elementos para 
a autorreflexão. Deste modo, pode-se perceber que o valor 
intrínseco da heteroavaliação está centrado 

 

(A)  no encaminhamento para a autoavaliação, o que se 

torna possível pela crítica e pela premiação. 

 

(B)  na condução para a autoavaliação, o que se con-

segue por meio do feedback e da mediação. 

 

(C)  no direcionamento para a conscientização dos pon-

tos fracos que resultam em insucesso escolar. 

 

(D)  na orientação para a autoavaliação, com aceitação 

tácita das dificuldades, consideradas normais. 

 

(E)  na busca de entender o processo de autoconheci-

mento e autoestima do aluno. 

_________________________________________________________ 

 

58.  Os docentes, na atualidade, sofrem influência de fatores 

sociais diversos que têm provocado neles, uma crise de 
identidade associada à autodepreciação pessoal e pro-
fissional, resultando em um processo de desajuste, no que 
diz respeito ao significado do seu trabalho. Entre esses fa-
tores, convém salientar: 

 

 

I

.  o aumento das exigências profissionais, a visível 

desvalorização do seu trabalho, sem a contrapar-
tida de políticas de adaptação, sobretudo nos pro-
gramas de formação dos professores. 

 

 

II

.  a massificação do ensino e o aumento das respon-

sabilidades docentes que afetam as condições de tra-
balho e evidenciam a carência de recursos materiais. 

 

 

III

.  a prática diária do professor que sofre influência do 

contexto determinado em que trabalha, desde as 
reformas, os regimentos, os horários, a organização 
espaçotemporal, até os programas e os livros di-
dáticos, deixando pouco espaço à autonomia. 

 

 

IV

.  a autonomia didático-pedagógica do professor, cha-

mado a usar seu conhecimento e sua criatividade, na 
gestão do ensino e na resolução dos problemas 
diários. 

 

 

Está correto o relacionado APENAS em 

 

(A) 

II

III

 e 

IV

(B) 

I

II

 e 

III

(C) 

I

 e 

IV

(D) 

I

 e 

II

(E) 

III

 e 

IV

59.  A qualidade da intervenção do professor, os materiais di-

dáticos, os horários, a organização das classes, a seleção 
de conteúdos e atividades concorrem para que o caminho 
seja percorrido com sucesso.
  

 

 

Os elementos aqui apresentados são constituintes do 
currículo de diversos cursos e precisam garantir o su-
cesso para todos os alunos. Pensando nesta direção, o 
currículo 

 

(A)  tem como fundamento as necessidades sociais que 

apontam ao sucesso e não as teorias e o conhe-
cimento atrelado às disciplinas. 

 

(B)  tem precedência, mas deve se isentar de propor 

objetivos que correspondam ao sucesso esperado 
para todos. 

 

(C)  pode prescindir da intervenção do professor, consi-

derando que a base do sucesso está na infraes-
trutura escolar. 

 

(D)  precisa cuidar do treinamento das habilidades de 

responder as questões de provas, como garantia de 
sucesso individual e escolar. 

 

(E)  tem precedência e precisa delimitar o que é essen-

cial para ensinar e aprender, deixando espaço à 
diversidade nos diferentes contextos. 

_________________________________________________________ 

 

60.  A evasão escolar constitui preocupação para o gestor lo-

cal, para os sistemas de ensino e para a sociedade como 
um todo, que se afasta dos mínimos desejados de edu-
cação para todos. Para evitá-la, é necessário que a escola 
inclua, entre as suas responsabilidades, 

 

(A)  a moderação nos processos avaliativos e a adoção 

da promoção automaticamente, de forma que todos 
possam atingir níveis de aprovação e fiquem satis-
feitos. 

 

(B)  o controle efetivo da permanência do aluno, permi-

tindo seu desligamento apenas em situações espe-
ciais. 

 

(C)  a distribuição de recompensas para garantir o acesso 

e a permanência dos alunos na escola. 

 

(D)  a moderação nos critérios para o acesso de forma 

que as salas fiquem sempre cheias e a evasão na-
tural não prejudique a escola. 

 

(E)  o combate ao bullying e à discriminação, de qual-

quer ordem, além do cuidado com a apreciação e 
autoestima de cada um aluno, em particular. 

_________________________________________________________ 

 

61.  As afirmações a seguir referem-se ao princípio da auto-

nomia na capacitação do aluno. Analise a sua veracidade 
e se existe relação entre elas. 

 

 

A autonomia, nas Diretrizes Curriculares Nacionais, é apre-
sentada como capacidade a ser desenvolvida pelos alunos 
e como princípio orientador das práticas pedagógicas  

 

PORQUE 

 

 

O aluno, para refletir, participar e assumir responsabilida-
des, necessita inserir-se em um processo pedagógico, 
cuja opção metodológica, priorize estas ações e o con-
sidere construtor do próprio conhecimento. 

 

(A)  A primeira afirmação é verdadeira, a segunda é falsa 

e não a justifica. 

 

(B)  As duas afirmações são falsas, não havendo rela-

ção entre elas. 

 

(C)  As duas afirmações são verdadeiras e a segunda 

justifica a primeira. 

 

(D)  As duas afirmações são verdadeiras, entretanto a 

segunda não justifica a primeira. 

 

(E)  A primeira afirmação é falsa, a segunda é verdadeira 

e não estão relacionadas. 

Caderno de Prova ’G07’, Tipo 001

fcc-2014-tce-pi-pedagogo-prova.pdf-html.html

 

 

TCEPI-Pedagogo-CE 

I

-G07

 

13 

62.  Considere as afirmativas abaixo, enquanto propostas para 

superar as críticas ao caráter apenas instrumental e neu-
tro da didática. 

 

 

I

.  Sua perspectiva fundamental assume a multidimen-

sionalidade do processo de ensinoaprendizagem e 
coloca a articulação das três dimensões: técnica, 
humana e política, no centro configurador de sua 
temática. 

 

 

II

.  Procura partir da análise da prática pedagógica 

concreta e de seus determinantes. 

 

 

III

.  Tem na competência técnica a melhor direção para 

um ensino de qualidade.  

 

 

IV

.  Contextualiza a prática pedagógica e procura re-

pensar as dimensões técnica e humana, sempre si-
tuando-as. 

 

 

V

.  Analisa as diferentes metodologias explicitando 

seus pressupostos, o contexto em que foram gera-
das, a visão de homem, de sociedade, de conheci-
mento e de educação que veiculam. 

 

 

Está correto o que se afirma APENAS em 

 

(A) 

I

III

 e 

V

(B) 

II

III

 e 

IV

(C) 

II

III

 e 

V

(D) 

I

II

IV

 e 

V

(E) 

I

III

IV

 e 

V

_________________________________________________________ 

 

63.  O predomínio do caráter intelectual corresponde às etapas 

em que a ênfase está na elaboração do real e no conhe-
cimento do mundo físico. A dominância do caráter afetivo 
e, consequentemente, das relações com o mundo huma-
no, correspondem às etapas que se prestam à construção 
do eu. 

 

 Diante 

disso, 

Wallon 

 

(A)  concebe o desenvolvimento afetivo como uma estru-

tura de apoio para que possa haver o desenvolvi-
mento intelectual do ser humano. 

 

(B)  indica o desenvolvimento do pensamento concreto e 

a aquisição da linguagem como elementos funda-
mentais para a organização afetiva de uma pessoa. 

 

(C)  defende que sem o desenvolvimento afetivo, a 

pessoa não adquire a capacidade plena de realizar o 
pensamento abstrato. 

 

(D)  vê o desenvolvimento da pessoa como uma constru-

ção progressiva em que se sucedem fases com pre-
dominância alternadamente afetiva e cognitiva. 

 

(E)  defende uma concepção dialética para o desenvol-

vimento de pessoas jovens e adultas que não pude-
ram vivenciar sua afetividade quando era criança. 

_________________________________________________________ 

 

64.  Segundo a Lei de Diretrizes e Bases (LDB n

o

 9394/96), a 

educação, dever da família e do Estado, inspirada nos 
princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade hu-
mana, tem por finalidade 

 

 

I

.  o pleno desenvolvimento do educando; seu preparo 

para o exercício da cidadania e sua qualificação 
para o trabalho. 

 

 

II

.  o desenvolvimento integral das habilidades do edu-

cando: aprender a conhecer, aprender a fazer, 
aprender a viver e aprender a ser.  

 

 

III

.  o desenvolvimento intelectual do educando e a ma-

turação gradativa de suas etapas emocionais. 

 

 

Está correto o que se afirma APENAS em 

 

(A) 

III

(B) 

I

 e 

II

(C) 

I

(D) 

II

 e 

III

(E) 

I

II

 e 

III

65.  Diretamente ligada à certificação está a vontade de domi-

nar os saberes escolares na expectativa de que esse do-
mínio permita a ascensão social, seja pela possibilidade 
de aprovação em concurso público ou teste para preenchi-
mento de vagas de melhores empregos, seja pela vontade 
de alcançar e cursar o ensino superior
 [...]  

 

De qualquer modo existe, por parte do aluno de educação 
de jovens e adultos, um desejo de saber, cuja criticidade 
pode ser maior ou menor em razão das experiências da 
pessoa e do tipo de programa em que ela se inserir. 

 

 

Outra forte razão para a procura de programas de amplia-
ção de escolaridade é a 

 

(A)  empregabilidade exigida pela sociedade de consu-

mo. 

 

(B)  busca do reconhecimento social e da afirmação da 

autoestima. 

 

(C)  necessidade de especialização para inserção no 

mercado informal. 

 

(D)  grande demanda por trabalhadores que dominam 

múltiplas habilidades. 

 

(E)  oferta da bolsa de estudo a partir do ensino médio. 

_________________________________________________________ 

 

66.  Dentre outras, são condições para uma escola democrá-

tica: 

 

 

I

.  O livre fluxo das ideias, independentemente de sua 

popularidade, que permite às pessoas estarem tão 
bem informadas quanto possível. 

 

 

II

.  O uso da reflexão e da análise crítica para avaliar 

ideias, problemas e políticas. 

 

 

III

.  Preocupação com a dignidade e os direitos dos in-

divíduos e das minorias. 

 

 

IV

.  A organização de instituições sociais para promover 

e ampliar o modo de vida democrático. 

 

 

Está correto o que se afirma em 

 

(A) 

I

II

 e 

IV

, apenas. 

(B) 

I

III

 e 

IV

, apenas. 

(C) 

I

II

III

 e 

IV

(D) 

II

 e 

III

, apenas. 

(E) 

III

 e 

IV

, apenas. 

_________________________________________________________ 

 

67.  A Lei n

o

 9.394/96, estabelece que a educação básica po-

derá organizar-se em séries anuais, períodos semestrais, 
ciclos, alternância regular de períodos de estudos, grupos 
não-seriados, com base na idade, na competência e em 
outros critérios, ou por forma diversa de organização
 [...] 

 

 

Contribuindo para o acesso e a permanência dos alunos 
na escola, o Art. 23 desta Lei propõe que se considere 

 

(A)  as diferentes características regionais das escolas e 

a adequação ao processo de aprendizagem dos alu-
nos. 

 

(B)  as dificuldades cognitivas dos alunos com baixo ren-

dimento escolar, garantindo assistência psicológica 
pelo Programa Saúde da Família. 

 

(C)  o multiculturalismo existente na escola e a recupe-

ração paralela para a aquisição dos conhecimentos 
não ensinados por alguns povos. 

 

(D)  as diferenças de ensino nas redes públicas, ofere-

cendo formação aos professores para o aperfeiçoa-
mento de um núcleo comum. 

 

(E)  a defasagem de aprendizagem dos alunos das es-

colas públicas, requerendo auxílio dos pais no incen-
tivo aos estudos. 

Caderno de Prova ’G07’, Tipo 001

fcc-2014-tce-pi-pedagogo-prova.pdf-html.html

 

 

14 

TCEPI-Pedagogo-CE 

I

-G07

 

68.  Em relação à gestão democrática do ensino público na edu-

cação básica, a Lei de Diretrizes e Bases (Lei n

o

 9.394/96) 

e o Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei n

o

 8.069/90) 

preveem: 

 
 

I

.  participação dos docentes na elaboração do projeto 

pedagógico da escola. 

 
 

II

.  definição do material didático da escola pelos espe-

cialistas das secretarias de educação. 

 
 

III

.  participação das comunidades escolar e local em 

conselhos escolares ou equivalentes. 

 
 

IV

.  ciência do processo pedagógico, bem como partici-

pação da definição das propostas educacionais, 
como direito dos pais ou responsáveis. 

 
 

Está correto o que se afirma APENAS em 

 

(A) 

I

 e 

II

(B) 

I

 e 

III

(C) 

II

 e 

IV

(D) 

I

III

 e 

IV

(E) 

II

III

 e 

IV

_________________________________________________________ 

 

69.  A Emenda Constitucional n

o

 59/2009 estabeleceu que o 

dever do Estado com a educação terá efetivado mediante 

 

(A)  a organização da educação básica em ensino fun-

damental e ensino médio. 

 
(B)  o oferecimento de vagas ao ensino fundamental a 

partir dos 6 (seis) anos de idade. 

 
(C)  a obrigatoriedade, por parte dos pais, em matricular 

seus filhos a partir dos 7 (sete) anos de idade. 

 
(D)  a garantia de educação básica obrigatória e gratuita 

dos 4 (quatro) aos 17 (dezessete) anos de idade. 

 
(E)  a gratuidade da educação infantil ao ensino superior. 

_________________________________________________________ 

 

70.  Em relação à educação, o Estatuto da Criança e do Ado-

lescente (ECA) estabelece que são direitos da criança e 
do adolescente: 

 
 

I

.  igualdade de condições para o acesso e perma-

nência na escola. 

 
 

II

.  direito de ser respeitado por seus educadores. 

 
 

III

.  direito de contestar critérios avaliativos, podendo 

recorrer às instâncias escolares superiores. 

 
 

IV

.  direito de organização e participação em entidades 

estudantis. 

 
 

V

.  acesso à escola pública e gratuita próxima de sua 

residência. 

 

 

Está correto o que se afirma em 

 

(A) 

I

II

 e 

V

, apenas. 

(B) 

I

III

IV

 e 

V

, apenas. 

(C) 

I

II

III

 e 

IV

, apenas. 

(D) 

II

III

IV

 e 

V

, apenas. 

(E) 

I

II

III

IV

 e 

V

Caderno de Prova ’G07’, Tipo 001