Prova Concurso - Arquitetura - 2014-TRF-1-REGIAO-ANALISTA-JUDICIARIO-ARQUITETURA - FCC - TRF - 2014

Prova - Arquitetura - 2014-TRF-1-REGIAO-ANALISTA-JUDICIARIO-ARQUITETURA - FCC - TRF - 2014

Detalhes

Profissão: Arquitetura
Cargo: 2014-TRF-1-REGIAO-ANALISTA-JUDICIARIO-ARQUITETURA
Órgão: TRF
Banca: FCC
Ano: 2014
Nível: Superior

Downloads dos Arquivos

prova.pdf
gabarito.pdf

Provas relacionadas

ARQUITETOEBSERH2018
ESPECIALISTA-PORTUARIO-ARQUITETURAEMAP2018
ARQUITETOPREFEITURA2018

Gabarito

fcc-2014-trf-1-regiao-analista-judiciario-arquitetura-gabarito.pdf-html.html

 

Tribunal Regional Federal da 1ª Região 

Analista e Técnico Judiciário 

 

Relação dos gabaritos 

 

CONHEC. GERAIS/CONHEC. ESPECÍFICOS/REDAÇÃO 

Cargo ou opção A - AN JUD - ÁREA APOIO ESPEC - ESPEC BIBLIOTECONOMIA 

Tipo gabarito 1

 

 

CONHEC. GERAIS/CONHEC. ESPECÍFICOS/REDAÇÃO 

Cargo ou opção B - AN JUD - ÁREA APOIO ESPEC-ESPEC MED/CLÍNICA GERAL 

Tipo gabarito 1 

 

CONHEC. GERAIS/CONHEC. ESPECÍFICOS/REDAÇÃO 

Cargo ou opção C - AN JUD - ÁREA APOIO ESPEC - ESPEC ODONTOLOGIA 

Tipo gabarito 1 

 

 

 

 

 

001 - E 
002 - B 
003 - C
004 - A 
005 - C
006 - C
007 - D
008 - E 
009 - C
010 - B 

 

011 - E 
012 - A 
013 - A 
014 - D
015 - C
016 - E 
017 - C
018 - B 
019 - B 
020 - D

 

021 - E 
022 - D 
023 - A 
024 - C 
025 - E 
026 - B 
027 - B 
028 - D 
029 - A 
030 - B 

 

031 - E 
032 - B 
033 - C
034 - D
035 - C
036 - A 
037 - D
038 - E 
039 - A 
040 - C

 

041 - B 
042 - D 
043 - A 
044 - B 
045 - A 
046 - C 
047 - E 
048 - E 
049 - A 
050 - D 

 

051 - C
052 - D
053 - A 
054 - E 
055 - B 
056 - C
057 - A 
058 - C
059 - E 
060 - B 

 

001 - E 
002 - B 
003 - C
004 - A 
005 - C
006 - C
007 - D
008 - E 
009 - C
010 - B 

 

011 - E 
012 - A 
013 - A 
014 - D
015 - C
016 - E 
017 - C
018 - B 
019 - B 
020 - D

 

021 - D 
022 - E 
023 - A 
024 - C 
025 - D 
026 - E 
027 - B 
028 - B 
029 - C 
030 - A 

 

031 - D
032 - B 
033 - C
034 - A 
035 - E 
036 - B 
037 - D
038 - A 
039 - A 
040 - C

 

041 - D 
042 - E 
043 - B 
044 - C 
045 - A 
046 - C 
047 - E 
048 - B 
049 - E 
050 - A 

 

051 - C
052 - D
053 - D
054 - B 
055 - A 
056 - E 
057 - A 
058 - D
059 - C
060 - B 

 

001 - E 
002 - B 
003 - C
004 - A 
005 - C
006 - C
007 - D
008 - E 
009 - C
010 - B 

 

011 - E 
012 - A 
013 - A 
014 - D
015 - C
016 - E 
017 - C
018 - B 
019 - B 
020 - D

 

021 - E 
022 - A 
023 - E 
024 - D 
025 - E 
026 - C 
027 - B 
028 - A 
029 - B 
030 - D 

 

031 - C
032 - B 
033 - D
034 - D
035 - D
036 - C
037 - A 
038 - B 
039 - A 
040 - C

 

041 - C 
042 - B 
043 - C 
044 - E 
045 - E 
046 - A 
047 - B 
048 - C 
049 - D 
050 - C 

 

051 - E 
052 - C
053 - A 
054 - A 
055 - A 
056 - D
057 - E 
058 - B 
059 - D
060 - B 

 

fcc-2014-trf-1-regiao-analista-judiciario-arquitetura-gabarito.pdf-html.html

CONHEC. GERAIS/CONHEC. ESPECÍFICOS/REDAÇÃO 

Cargo ou opção D - AN JUD - ÁREA APOIO ESPEC - ESPEC INFORMÁTICA 

Tipo gabarito 1 

 

CONHEC. GERAIS/CONHEC. ESPECÍFICOS/REDAÇÃO 

Cargo ou opção E - AN JUD - ÁREA APOIO ESPEC - ESPEC ENGENHARIA CIVIL 

Tipo gabarito 1 

 

CONHEC. GERAIS/CONHEC. ESPECÍFICOS/REDAÇÃO 

Cargo ou opção F - AN JUD - ÁREA APOIO ESPEC - ESPEC ARQUITETURA 

Tipo gabarito 1 

 

CONHEC. GERAIS/CONHEC. ESPECÍFICOS/ESTUDO DE CASO 

Cargo ou opção G - TÉC JUD - ÁREA APOIO ESPEC - ESPEC INFORMÁTICA 

Tipo gabarito 1 

 

001 - E 
002 - B 
003 - C
004 - A 
005 - C
006 - C
007 - D
008 - E 
009 - C
010 - B 

 

011 - E 
012 - A 
013 - A 
014 - D
015 - C
016 - C
017 - E 
018 - A 
019 - D
020 - C

 

021 - B 
022 - C 
023 - E 
024 - A 
025 - E 
026 - B 
027 - C 
028 - B 
029 - A 
030 - A 

 

031 - E 
032 - D
033 - C
034 - E 
035 - C
036 - C
037 - D
038 - E 
039 - B 
040 - D

 

041 - A 
042 - A 
043 - E 
044 - C 
045 - D 
046 - D 
047 - B 
048 - C 
049 - B 
050 - A 

 

051 - E 
052 - D
053 - E 
054 - D
055 - E 
056 - B 
057 - C
058 - A 
059 - A 
060 - B 

 

001 - E 
002 - B 
003 - C
004 - A 
005 - C
006 - C
007 - D
008 - E 
009 - C
010 - B 

 

011 - E 
012 - A 
013 - A 
014 - D
015 - C
016 - E 
017 - C
018 - B 
019 - B 
020 - D

 

021 - D 
022 - A 
023 - C 
024 - E 
025 - E 
026 - D 
027 - B 
028 - A 
029 - B 
030 - E 

 

031 - C
032 - C
033 - B 
034 - D
035 - B 
036 - D
037 - C
038 - A 
039 - A 
040 - E 

 

041 - A 
042 - B 
043 - A 
044 - C 
045 - B 
046 - E 
047 - D 
048 - A 
049 - D 
050 - B 

 

051 - E 
052 - A 
053 - C
054 - E 
055 - D
056 - E 
057 - C
058 - D
059 - B 
060 - C

 

001 - E 
002 - B 
003 - C
004 - A 
005 - C
006 - C
007 - D
008 - E 
009 - C
010 - B 

 

011 - E 
012 - A 
013 - A 
014 - D
015 - C
016 - E 
017 - C
018 - B 
019 - B 
020 - D

 

021 - C 
022 - A 
023 - C 
024 - B 
025 - E 
026 - D 
027 - D 
028 - A 
029 - E 
030 - B 

 

031 - A 
032 - A 
033 - D
034 - E 
035 - E 
036 - A 
037 - D
038 - A 
039 - B 
040 - C

 

041 - A 
042 - E 
043 - B 
044 - A 
045 - C 
046 - D 
047 - E 
048 - A 
049 - D 
050 - C 

 

051 - B 
052 - B 
053 - A 
054 - E 
055 - E 
056 - C
057 - D
058 - C
059 - D
060 - B 

 

001 - B 
002 - A 
003 - E 
004 - B 
005 - C
006 - D
007 - E 
008 - A 
009 - A 
010 - C

 

011 - B 
012 - E 
013 - D
014 - E 
015 - C
016 - C
017 - D
018 - B 
019 - D
020 - A 

 

021 - C
022 - E 
023 - B 
024 - D
025 - A 
026 - C
027 - B 
028 - A 
029 - C
030 - A 

 

031 - D 
032 - B 
033 - A 
034 - E 
035 - E 
036 - D 
037 - B 
038 - B 
039 - D 
040 - A 

 

041 - B 
042 - E 
043 - C
044 - D
045 - E 
046 - A 
047 - B 
048 - B 
049 - C
050 - A 

 

Prova

fcc-2014-trf-1-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

N do Caderno

o

N de Inscrição

o

ASSINATURA DO CANDIDATO

N do Documento

o

Nome do Candidato

P R O V A

A

C D E

Agosto/2014

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 1 REGIÃO

a

Analista Judiciário - Área Apoio Especializado

Especialidade Arquitetura

Concurso Público para provimento de cargos de

Conhecimentos Gerais
Conhecimentos Específicos
Redação

INSTRUÇÕES

VOCÊ DEVE

ATENÇÃO

- Verifique se este caderno:

- corresponde a sua opção de cargo.

- contém 60 questões, numeradas de 1 a 60.

- contém a proposta e o espaço para o rascunho da Prova de Redação.

Caso contrário, solicite ao fiscal da sala um outro caderno.

Não serão aceitas reclamações posteriores.

- Para cada questão existe apenas UMA resposta certa.

- Você deve ler cuidadosamente cada uma das questões e escolher a resposta certa.

- Essa resposta deve ser marcada na FOLHA DE RESPOSTAS que você recebeu.

- Procurar, na FOLHA DE RESPOSTAS, o número da questão que você está respondendo.

- Verificar no caderno de prova qual a letra (A,B,C,D,E) da resposta que você escolheu.

- Marcar essa letra na FOLHA DE RESPOSTAS, conforme o exemplo:

- Ler o que se pede na Prova de Redação e utilizar, se necessário, o espaço para rascunho.

- Marque as respostas com caneta esferográfica de material transparente de tinta preta ou azul. Não será permitido o

uso de lápis, lapiseira, marca-texto ou borracha durante a realização das provas.

- Marque apenas uma letra para cada questão, mais de uma letra assinalada implicará anulação dessa questão.

- Responda a todas as questões.

- Não será permitida qualquer espécie de consulta, nem o uso de máquina calculadora.

- Em hipótese alguma o rascunho da Prova de Redação será corrigido.

- Você deverá transcrever a redação, a tinta, na folha apropriada.

- A duração da prova é de 4 horas e 30 minutos para responder a todas as questões objetivas, preencher a Folha de

Respostas e fazer a Prova de Redação (rascunho e transcrição).

- Ao término da prova, chame o fiscal da sala e devolva todo o material recebido.

- Proibida a divulgação ou impressão parcial ou total da presente prova. Direitos Reservados.

Caderno de Prova ’F’, Tipo 001

MODELO

0000000000000000

MODELO1

00001−0001−0001

fcc-2014-trf-1-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

TRF1R-Conhecimentos Gerais

1

 

 

CONHECIMENTOS GERAIS 

 

Língua Portuguesa 

 
Atenção:  Considere o texto abaixo para responder às 

questões de números 1 a 4. 

 
 

DEPOIMENTO 

 

Fernando Morais (jornalista) 

 

O que mais me surpreendia, na Ouro Preto da infância, 

não era o ouro dos altares das igrejas. Nem o casario português 

recortado contra a montanha. Isso eu tinha de sobra na minha 

própria cidade, Mariana, a uma légua dali. O espantoso em 

Ouro Preto era o Grande Hotel 

 um prédio limpo, reto, liso, um 

monólito branco que contrastava com o barroco sem violentá-lo. 

Era “o Hotel do Niemeyer”, diziam. Deslumbrado com a 

construção, eu acreditava que seu criador (que supunha 

chamar-se “Nei Maia”) fosse mineiro 

 um marianense, quem 

sabe? 

A suspeita aumentou quando, ainda de calças curtas, 

mudei-me para Belo Horizonte. Era tanto Niemeyer que ele só 

podia mesmo ser mineiro. No bairro de Santo Antônio ficava o 

Colégio Estadual (a caixa d’água era o lápis, o prédio das 

classes tinha a forma de uma régua, o auditório era um mata-

borrão). Numa das pontas da vetusta Praça da Liberdade, 

Niemeyer fez pousar suavemente uma escultura de vinte 

andares de discos brancos superpostos, um edifício de 

apartamentos cujo nome não me vem à memória. E, claro, tinha 

a Pampulha: o cassino, a casa do baile, mas principalmente a 

igreja. 

Com o tempo cresceram as calças e a barba, e saí 

batendo perna pelo mundo. E não parei de ver Niemeyer. Vi na 

França, na Itália, em Israel, na Argélia, nos Estados Unidos, na 

Alemanha. Tanto Niemeyer espalhado pelo planeta aumentou 

minha confusão sobre sua verdadeira origem. E hoje, quase 

meio século depois do alumbramento produzido pela visão do 

“Hotel do Nei Maia”, continuo sem saber onde ele nasceu. 

Mesmo tendo visto um papel que prova que foi na Rua Passos 

Manuel número 26, no Rio de Janeiro, estou convencido de que 

lá pode ter nascido o corpo dele. A alma de Oscar Niemeyer, 

não tenham dúvidas, é mineira. 

(Adaptado de: MORAIS, Fernando. Depoimento. In: SCHARLACH, 

Cecília (coord.). Niemeyer 90 anos: poemas testemunhos car-
tas
. São Paulo: Fundação Memorial da América Latina, 1998. p. 29) 

1. O 

sentido 

das 

palavras 

surpreendia e espantoso (ambas 

do primeiro parágrafo) é posteriormente retomado no texto 
pela palavra: 
 

(A) suspeita. 
 

(B) vetusta. 
 

(C) suavemente. 
 

(D) memória. 
 

(E) alumbramento. 

_________________________________________________________ 

 

2. 

No contexto do texto, o autor utiliza os pronomes seu (no 
primeiro parágrafo) e sua (no último) para se referir, 
respectivamente, a: 
 

(A)  Nei Maia e Oscar Niemeyer. 
 

(B)  Grande Hotel e Oscar Niemeyer. 
 

(C)  Ouro Preto e Hotel do Nei Maia. 
 

(D)  Mariana e Rua Passos Manuel. 
 

(E)  Hotel do Niemeyer e Rio de Janeiro. 

_________________________________________________________ 

 

3.  A afirmação do último parágrafo E não parei de ver 

Niemeyer, no contexto do texto, permite a pressuposição 
de que autor 
 

(A)  manteve contato pessoal com o arquiteto no exterior. 
 

(B)  revisitou o hotel construído pelo arquiteto em 

Mariana. 

 

(C)  encontrou diversas obras do arquiteto em suas 

viagens. 

 

(D)  comprovou em documentos a origem mineira do 

arquiteto. 

 

(E)  divulgou a beleza da obra do arquiteto no exterior. 

_________________________________________________________ 

 

4. 

No último parágrafo, as aspas são utilizadas para destacar o 
 

(A)  nome indevido que na infância o jornalista atribuía 

ao criador do prédio. 

 

(B)  apelido com que o arquiteto era conhecido em sua 

terra de origem. 

 

(C)  modo correto de se pronunciar o sobrenome do 

arquiteto. 

 

(D)  título do papel que prova o local de nascimento do 

jornalista. 

 

(E)  jeito correto de escrever o nome do hotel cinquenta 

anos antes. 

 

Caderno de Prova ’F’, Tipo 001

fcc-2014-trf-1-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

TRF1R-Conhecimentos Gerais

1

 

Atenção: 

Considere o texto abaixo para responder às ques-
tões de números 5 a 8. 

 

O LIVRO 

 

Jorge Luis Borges (escritor) 

 

Dos diversos instrumentos utilizados pelo homem, o mais 

espetacular é, sem dúvida, o livro. Os demais são extensões de 

seu corpo. O microscópio, o telescópio, são extensões de sua 

visão; o telefone é a extensão de sua voz; em seguida, temos o 

arado e a espada, extensões de seu braço. O livro, porém, é 

outra coisa: o livro é uma extensão da memória e da 

imaginação. 

Dediquei parte de minha vida às letras, e creio que uma 

forma de felicidade é a leitura. Outra forma de felicidade 

 

menor 

 é a criação poética, ou o que chamamos de criação, 

mistura de esquecimento e lembrança do que lemos. 

Devemos tanto às letras. Sempre reli mais do que li. 

Creio que reler é mais importante do que ler, embora para se 

reler seja necessário já haver lido. Tenho esse culto pelo livro. É 

possível que eu o diga de um modo que provavelmente pareça 

patético. E não quero que seja patético; quero que seja uma 

confidência que faço a cada um de vocês; não a todos, mas a 

cada um, porque “todos” é uma abstração, enquanto “cada um” 

é algo verdadeiro. 

Continuo imaginando não ser cego; continuo comprando 

livros; continuo enchendo minha casa de livros. Há poucos dias 

fui presenteado com uma edição de 1966 da Enciclopédia 

Brockhaus. Senti sua presença em minha casa 

 eu a senti 

como uma espécie de felicidade. Ali estavam os vinte e tantos 

volumes com uma letra gótica que não posso ler, com mapas e 

gravuras que não posso ver. E, no entanto, o livro estava ali. Eu 

sentia como que uma gravitação amistosa partindo do livro. 

Penso que o livro é uma felicidade de que dispomos, nós, os 

homens. 

(Adaptado de: BORGES, Jorge Luis. Cinco visões pessoais.  
4. ed. Trad. de Maria Rosinda R. da Silva. Brasília: UnB, 2002. 
p. 13 e 19) 

 
 
5. 

No terceiro parágrafo, Borges justifica e reforça o motivo 
que o levou a dizer cada um, em vez de todos. No 
contexto, a diferença entre as duas expressões (cada um 
todos) reside no contraste de sentido, respectivamente, 
entre: 
 
(A)  totalidade inclusiva e totalidade exclusiva. 

(B) negação 

afirmação. 

(C) particularização 

generalização. 

(D)  omissão de pessoa e presença de pessoa. 

(E)  nenhuma coisa e alguma coisa. 

6. No 

período 

É possível que eu o diga de um modo que 

provavelmente  pareça patético, o autor utiliza os verbos 
dizer e parecer no presente do subjuntivo. Encontram-se 
estes mesmos tempo e modo verbais em: 
 
(A)  é a criação poética, ou o que chamamos de criação
 
 
(B)  mistura de esquecimento e lembrança do que lemos
 
 
(C)  quero que seja uma confidência
 
 
(D)  com uma letra gótica que não posso ler
 
 
(E)  uma felicidade de que dispomos

_________________________________________________________ 

 

7. Nos 

trechos 

O livro, porém, é outra coisa (do primeiro 

parágrafo) e reler é mais importante do que ler, embora 
para se reler seja necessário já haver lido
 (do terceiro), as 
conjunções, no contexto dos parágrafos, estabelecem, 
respectivamente, relação de 
 
(A) causa 

condição. 

 
 
(B) consequência 

finalidade. 

 
 
(C)  adição e temporalidade. 
 
 
(D) oposição 

concessão. 

 
 
(E) proporção 

contraste. 

_________________________________________________________ 

 

8. 

As alternativas apresentam trechos da entrevista que foi 
concedida por Jorge Luis Borges, em julho de 1985, ao 
jornalista Roberto D’Ávila. Borges morreria um ano depois. 
O trecho da entrevista que pode ser diretamente rela-
cionado com as informações autobiográficas dadas no 
texto indicado para a leitura é: 
 
(A)  O fracasso e o sucesso são impostores. Ninguém 

fracassa tanto como imagina. Ninguém tem tanto 
sucesso como imagina. Além disso, o que importa o 
sucesso e o fracasso?

 
 
(B)  Quando publico um livro, não sei se teve êxito, se 

está vendendo. O que disse a crítica. Meus amigos 
sabem que não devem falar do que escrevo

 
 
(C)  Nunca li um jornal na vida. Pra que lê-los? É tudo 

bobagem. Só falam de viagens de presidentes, con-
gressos de escritores, partidas de futebol

 
 
(D)  Nasci aqui no centro de Buenos Aires: Rua 

Tucumán, quatro ou cinco quadras daqui. Toda a 
Buenos Aires era de casas baixas com terraços, 
pátios, campainhas manuais

 
 
(E)  Continuo a adquirir livros porque gosto de estar 

rodeado por eles. Como quando era menino, já que 
minhas primeiras lembranças são de livros e acho 
que minhas últimas o serão também
.

Caderno de Prova ’F’, Tipo 001

fcc-2014-trf-1-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

TRF1R-Conhecimentos Gerais

1

 

Atenção: 

Considere o texto abaixo para responder às ques-
tões de números 9 a 11. 

 
 

QUANDO A CRASE MUDA O SENTIDO 

 

Muitos deixariam de ver a crase como bicho-papão se 

pensassem nela como uma ferramenta para evitar ambiguidade 

nas frases. 

 

Luiz Costa Pereira Junior 

 

O emprego da crase costuma desconcertar muita gente. 

A ponto de ter gerado um balaio de frases inflamadas ou 

espirituosas de uma turma renomada. O poeta Ferreira Gullar, 

por exemplo, é autor da sentença “A crase não foi feita para 

humilhar ninguém”, marco da tolerância gramatical ao acento 

gráfico. O escritor Moacyr Scliar discorda, em uma deliciosa 

crônica “Tropeçando nos acentos”, e afirma que a crase foi feita, 

sim, para humilhar as pessoas; e o humorista Millôr Fernandes, 

de forma irônica e jocosa, é taxativo: “ela não existe no Brasil”. 

O assunto é tão candente que, em 2005, o deputado 

João Herrmann Neto propôs abolir esse acento do português do 

Brasil por meio do projeto de lei 5.154, pois o considerava “sinal 

obsoleto, que o povo já fez morrer”. Bombardeado, na ocasião, 

por gramáticos e linguistas que o acusavam de querer abolir um 

fato sintático como quem revoga a lei da gravidade, Herrmann 

logo desistiu do projeto. 

A grande utilidade do acento de crase no a, entretanto, 

que faz com que seja descabida a proposta de sua extinção por 

decreto ou falta de uso, é: crase é, antes de mais nada, um 

imperativo de clareza. Não raro, a ambiguidade se dissolve com 

a crase 

 em outras, só o contexto resolve o impasse. Exemplos 

de casos em que a crase retira a dúvida de sentido de uma 

frase, lembrados por Celso Pedro Luft no hoje clássico 

Decifrando a crase: cheirar a gasolina X cheirar à gasolina; a 

moça correu as cortinas X a moça correu às cortinas; o homem 

pinta a máquina X o homem pinta à máquina; referia-se a outra 

mulher X referia-se à outra mulher. 

O contexto até se encarregaria, diz o autor, de 

esclarecer a mensagem; um usuário do idioma mais atento intui 

um acento necessário, garantido pelo contexto em que a 

mensagem se insere. A falta de clareza, por vezes, ocorre na 

fala, não tanto na escrita. Exemplos de dúvida fonética, 

sugeridos por Francisco Platão Savioli: “A noite chegou”; “ela 

cheira a rosa”; “a polícia recebeu a bala”. Sem o sinal diacrítico, 

construções como essas serão sempre ambíguas. Nesse 

sentido, a crase pode ser antes um problema de leitura do que 

prioritariamente de escrita. 

(Adaptado de: PEREIRA Jr., Luiz Costa. Revista Língua portu-
guesa
, ano 4, n. 48. São Paulo: Segmento, outubro de 2009.  
p. 36-38) 

9. 

Logo na abertura do texto, o autor destaca a importância 
da crase como uma ferramenta para evitar ambiguidade 
nas frases
. Ideia semelhante é reafirmada no trecho: 
 
(A)  O emprego da crase costuma desconcertar muita 

gente

 
 
(B)  sinal obsoleto, que o povo já fez morrer
 
 
(C)  crase é, antes de mais nada, um imperativo de cla-

reza

 
 
(D)  só o contexto resolve o impasse
 
 
(E)  A falta de clareza, por vezes, ocorre na fala

_________________________________________________________ 

 

10.  Acerca dos exemplos utilizados nos dois últimos parágra-

fos para ilustrar o papel da crase na clareza e na organi-
zação das ideias de um texto, é correto afirmar: 
 
(A) quando 

se 

escreve 

cheirar a gasolina, o sentido do 

verbo é de “feder” ou “ter cheiro de”. 

 

 
(B) em 

a polícia recebeu a bala, afirma-se que a polícia 

foi vitimada pelo tiro. 

 

 
(C) na 

frase 

À noite chegou, “noite” assume função de 

sujeito do verbo chegar. 

 

 
(D) no trecho a moça correu as cortinas, o verbo 

assume o sentido de “seguir em direção a”. 

 

 
(E) em 

o homem pinta à máquina, diz-se que o objeto 

que está sendo pintado é a máquina. 

_________________________________________________________ 

 

11.  A melhor explicação para o uso da vírgula, na frase do 

último parágrafo “Nesse sentido, a crase pode ser antes 
um problema de leitura do que prioritariamente de escrita”, 
é: 
 
(A)  “As orações coordenadas aditivas ligadas pela 

conjunção e devem ser separadas por vírgula se os 
sujeitos forem diferentes. Se o sujeito for o mesmo, 
não há o uso da vírgula, presume-se”. 

 

 
(B)  “As orações adverbiais, desenvolvidas ou reduzidas, 

podem iniciar o período, findá-lo ou interpor-se na 
oração principal. Quase sempre aparecem separa-
das ou isoladas por vírgula”. 

 

 
(C)  “O vocativo é um termo relacionado com a função 

fática da linguagem; como regra, isola-se por 
vírgula”. 

 

 
(D)  “A datação que se segue a nomes de documentos, 

periódicos, atos normativos, locais etc., como regra 
geral, separa-se ou isola-se por vírgula”. 

 

 
(E)  “É comum vir isolado por vírgula o vocábulo ou 

expressão com valor retificativo ou explanatório, 
embora, às vezes, possa aparecer sem esse sinal 
de pontuação”. 

 

Caderno de Prova ’F’, Tipo 001

fcc-2014-trf-1-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

TRF1R-Conhecimentos Gerais

1

 

Atenção: 

Considere o texto abaixo para responder às ques-
tões de números 12 a 14. 

 

 

ANTES QUE O CÉU CAIA 

 

Líder indígena brasileiro mais conhecido no mundo, o 

ianomâmi Davi Kopenawa lança livro e participa da FLIP 
enquanto relata o medo dos efeitos das mudanças climáticas 
sobre a Terra. 

Leão Serva 

 
 

Davi Kopenawa está triste. “A cobra grande está 

devorando o mundo”, ele diz. Em todo lugar, os homens 
semeiam destruição, esquentam o planeta e mudam o clima: 
até mesmo o lugar onde vive, a Terra Indígena Yanomâmi, que 
ocupa 96 km

2

 em Roraima e no Amazonas, na fronteira entre 

Brasil e Venezuela, vem sofrendo sinais estranhos. O céu pode 
cair a qualquer momento. Será o fim. Por isso, nem as muitas 
homenagens que recebe em todo o mundo aplacam sua 
angústia. 

Ele decidiu escrever um livro para contar a sabedoria 

dos xamãs de seu povo, a criação do mundo, seus elementos e 
espíritos. Gravou 15 fitas em que narrou também sua própria 
trajetória. “Não adianta só os brancos escreverem os livros 
deles. Eu queria escrever para os não indígenas não acharem 
que índio não sabe nada.” 

A obra foi lançada em 2010, na França (ed. Plon), e no 

ano passado, nos EUA, pela editora da universidade Harvard. 
Com o nome “A Queda do Céu”, está sendo traduzido para o 
português pela Companhia das Letras. No fim de julho, Davi vai 
participar da Feira Literária de Paraty/FLIP, mas a versão em 
português ainda não estará pronta. O lançamento está previsto 
para o ano que vem. 

O livro explica os espíritos chamados “xapiris”, que os 

ianomâmis creem serem os únicos capazes de cuidar das 
pessoas e das coisas. “Xapiri é o médico do índio. E também 
ajuda quando tem muita chuva ou está quente. O branco está 
preocupado que não chove mais em alguns lugares e em outros 
tem muita chuva. Ele ajuda a nossa terra a não ficar triste.” 

Nascido em 1956, Davi logo cedo foi identificado como 

um possível xamã, pois seus sonhos eram frequentados por 
espíritos. Xamã, ou pajé, é a referência espiritual de uma 
sociedade tribal. Os ianomâmis acreditam que os xamãs 
recebem dos espíritos chamados “xapiris” a capacidade de cura 
dos doentes. Davi descreve assim sua vocação: “Quando eu 
era pequeno, costumava ver em sonhos seres assustadores. 
Não sabia o que me atrapalhava o sono, mas já eram os xapiris 
que vinham a mim”. Quando jovem, recebeu a formação 
tradicional de pajé.  

Com cerca de 40 mil pessoas (entre Brasil e Venezuela), 

em todo o mundo os ianomâmis são o povo indígena mais 
populoso a viver de forma tradicional em floresta. Poucos falam 
português. Davi logo se tornou seu porta-voz. 

(Adaptado de: SERVA, Leão. Revista Serafina. Número 75. 
São Paulo: Folha de S. Paulo, julho de 2014, p. 18-19) 

12.  Considerando as informações do texto, é correto afirmar 

sobre o autor e o livro apresentados na reportagem: 
 
(A)  tendo recebido quando jovem a formação necessária 

para se tornar pajé, o autor de “A Queda do Céu” 
explica no livro as funções dos espíritos xapiris 
segundo seu povo, os ianomâmis. 

 
(B)  originalmente escrito em português, o livro de Davi 

Kopenawa vem acompanhado de 15 fitas, nas quais 
o autor relata em língua nativa indígena histórias 
mitológicas do seu povo. 

 
(C)  lançado no exterior, durante a FLIP, “A Queda do Céu” 

motivou muitas homenagens a Davi Kopenawa, líder 
indígena brasileiro que já viveu na França e nos 
Estados Unidos. 

 
(D)  destinado aos não indígenas, o livro de Davi Kopenawa 

busca orientar leitores com problemas de saúde 
ocasionados pela ação predatória do homem branco 
sobre o meio ambiente. 

 
(E)  narrando sua própria trajetória de porta-voz dos 

costumes de uma sociedade tribal tradicional, o 
autor de “A Queda no Céu” foi homenageado em 
Paraty por cerca de 40 mil pessoas. 

_________________________________________________________ 

 

13.  Sobre a flexão de alguns verbos utilizados no texto são 

feitas as seguintes afirmações: 

 
 

I

. Em Os ianomâmis acreditam que os xamãs 

recebem dos espíritos chamados xapiris, o verbo 
“receber” está no plural porque concorda com o 
sujeito cujos núcleos são “ianomâmis” e “xamãs”. 

 
 

II

. Em 

E também ajuda quando tem muita chuva ou 

está quente, o verbo “ajudar” concorda com o 
sujeito elíptico “xapiri”. 

 
 

III

. Em 

O céu pode cair a qualquer momento, o verbo 

“poder” concorda em número com “céu”, sujeito 
simples no singular. 

 
 

Está correto o que se afirma APENAS em 
 
(A) 

II

 e 

III

(B) 

I

 e 

III

(C) 

I

 e 

II

(D) 

I

(E) 

III

_________________________________________________________ 

 

14. No 

período 

O livro explica os espíritos chamados ‘xapiris’, 

que os ianomâmis creem serem os únicos capazes de 
cuidar das pessoas e das coisas
 (quarto parágrafo), a 
palavra grifada tem a função de pronome relativo, reto-
mando um termo anterior. Do mesmo modo como ocorre 
em: 
 
(A)  Os ianomâmis acreditam que os xamãs recebem dos 

espíritos chamados “xapiris” a capacidade de cura

 
(B)  Eu queria escrever para os não indígenas não 

acharem que índio não sabe nada

 
(C)  O branco está preocupado que não chove mais em 

alguns lugares

 
(D)  Gravou 15 fitas em que narrou também sua própria 

trajetória

(E)  Não sabia o que me atrapalhava o sono

Caderno de Prova ’F’, Tipo 001

fcc-2014-trf-1-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

TRF1R-Conhecimentos Gerais

1

 

15.  Considere a tirinha reproduzida abaixo. 

 

 

 

(Revista Língua Portuguesa, ano 4, n. 46. São Paulo: Segmento, agosto de 2009, p.7) 

 

 

Seguindo-se a regra determinada pelo novo acordo ortográfico, tal como referida no primeiro quadrinho, também deixaria de 
receber o acento agudo a palavra: 

 

(A) Tatuí. 
(B) graúdo. 
(C) baiúca. 
(D) cafeína. 
(E) Piauí. 

 

 

Noções de Informática 

 

16. Considere: 

 

 Multa regularmente aplicada não deve ser suspensa pelo Judiciário  

 20/06/14 

16:15 

 

    Crédito: Imagem da web 

 

Multa aplicada com fundamento em fatos comprovados, que não demonstra 

ter sido estabelecida com gravidade exagerada e fixada de acordo com permissão 

de lei, não pode ser suspensa por via judicial. Com esta decisão, a 6

a

 Turma do 

TRF da 1

a

 Região assim decidiu a respeito de multa aplicada pela Agência Nacio-

nal do Petróleo 

 ANP. 

(Disponível em: Portal do Tribunal Regional Federal da 1

a

 Região)

 

 

 

Considerando que o texto da notícia foi digitado e formatado no MS-Word 2007 em português, é INCORRETO afirmar que: 

 

(A)  o espaço de 1,25 cm à esquerda na primeira linha do parágrafo iniciado pela palavra Multa foi obtido selecionando-se o 

parágrafo, clicando com o botão direito do mouse, selecionando  a opção Parágrafo 

→ Especial:  Primeira linha → Por: 

1,25 cm. 

 

(B)  a linha horizontal abaixo do título da notícia foi obtida selecionando-se o título e selecionando-se Borda Inferior no grupo 

Parágrafo da guia Início. 

 

(C)  considerando que a imagem obtida da web já estava salva em um arquivo, esta foi inserida a partir da guia Inserir, 

clicando-se no ícone Imagem do grupo Ilustrações. 

 

(D)  o espaço de 1,5 cm entre as linhas do parágrafo iniciado pela palavra Multa foi obtido a partir da guia Início, clicando-se 

em Espaçamento entre linhas no grupo Parágrafo. 

 

(E)  a data e a hora inseridas logo abaixo do título da notícia foram obtidas a partir da guia Referências, clicando-se no ícone 

Inserir Data e Hora do grupo Gravar e Inserir Campos. 

 

 

17.  Ana trabalha no Tribunal e precisa criar uma fórmula em uma planilha Excel que, a partir dos valores listados abaixo, retorne 

uma letra que corresponde a um conceito utilizado internamente no Tribunal. 

 

SE valor for

ENTÃO retorna

Maior do que 89 

De 80 a 89 

De 70 a 79 

Menor do que 70 

 

 

Considerando que há um valor inteiro entre 0 e 100 armazenado na célula A2 de uma planilha sendo editada por Ana no MS-
Excel 2007 em português, a fórmula correta que verifica o valor em A2 e retorna a letra de acordo com a classificação acima é: 

 

(A)  =SE(A2>89;"A"); SE(A2>79;"B"); SE(A2>69;"C"); SE(A2<70;"F"); 
(B)  =SE(A2>89 ENTÃO "A";SE(A2>79 ENTÃO "B";SE(A2>69 ENTÃO "C";SENÃO"F"))) 
(C) =SE(A2>89;"A";SE(A2>79;"B";SE(A2>69;"C";"F"))) 
(D) =SE(A2<70;"F");SE(A2<79;"C");SE(A2<89;"B";"A"); 
(E) =SE(A2<70);"F";SE(A2<79);"C";SE(A2<89);"B";SENÃO"A"; 

 

Caderno de Prova ’F’, Tipo 001

fcc-2014-trf-1-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

TRF1R-Conhecimentos Gerais

1

 

18.  Um usuário de computador está incomodado com seus navegadores para Internet. Ele já utilizou o Internet Explorer, o Mozilla 

Firefox e o Google Chrome, no entanto, todos eles apresentam um  arranjo padrão que não lhe agrada na barra de ferramentas, 
nos menus e atalhos. Existem recursos que ele usa o tempo todo e não estão presentes na tela dos navegadores. Para adequar 
suas preferências utilizando os navegadores citados, o usuário poderia customizar preferências de sites, criando uma lista de 
favoritos em qualquer um dos navegadores, 
 
(A)  sem a necessidade de instalar qualquer complemento no navegador padrão; porém, a customização da barra de 

ferramentas do navegador não é possível em nenhum dos navegadores citados. 

 

(B)  bem como poderia customizar a barra de ferramentas dos navegadores para exibirem somente os atalhos às funções 

desejadas, sem a necessidade de instalar qualquer complemento no navegador padrão. 

 

(C)  sem a necessidade de instalar qualquer complemento no navegador padrão; porém, a customização da barra de 

ferramentas do navegador só é possível com a instalação de um complemento específico no navegador, que no caso do 
Google Chrome é o Tiny Menu. 

 

(D)  o que requer a instalação de um complemento específico, no caso do Internet Explorer, o Personal Menu. Já a 

customização da barra de ferramentas do navegador pode ser realizada com recursos nativos dos navegadores. 

 

(E)  o que requer a instalação de um complemento específico, no caso do Internet Explorer, o Personal Menu. Já a 

customização da barra de ferramentas do navegador requer a instalação de outro complemento específico no navegador, 
que no caso do Google Chrome é o Tiny Menu. 

 
 
19.  Um usuário de computador ingressou em um site de jogos e acessou um jogo disponível online. Assim que o usuário acessou o 

jogo, um aviso surgiu na tela do seu computador indagando se ele permitiria ou não que o aplicativo da internet (jogo) acessasse 
os dados do seu computador e o usuário permitiu. Assim que o jogo foi iniciado, o computador do usuário foi infectado com um 
vírus de forma perceptível. 

 

A infecção por vírus poderia ter sido evitada 
 
(A)  se o usuário tivesse um sistema de firewall, mesmo diante do fato do usuário ter autorizado o acesso aos dados da sua 

máquina. 

 

(B)  se o usuário tivesse um antivírus que poderia tê-lo alertado sobre o perigo de um software baixado da internet e impedido 

sua execução. 

 

(C)  com a configuração de navegação via proxy, mesmo que o site de jogos tivesse navegação liberada. 

 

(D)  com a adoção de anti-spyware que impediria que qualquer malware fosse instalado independentemente da atualização de 

listas de malware

 

(E)  com a instalação do protocolo SSL no computador pessoal do usuário, independente da adoção de SSL no servidor de jogos. 

 
 
20.  Certo dia, Laura percebeu que uma série de arquivos que ela havia apagado haviam retornado às pastas do seu computador, 

que possuía o Windows 7 em português instalado. Conversando com as pessoas da sua casa descobriu que o seu irmão 
Rubens havia encontrado arquivos na Lixeira do Windows e restaurado todos eles. 

 

Para evitar esse tipo de ocorrência, considerando que Laura nunca se arrepende após ter excluído um arquivo, ela poderia 
excluir definitivamente arquivos do seu computador 

 

(A)  eliminando os dados da Lixeira do Windows. Para isso, com a configuração padrão do mouse no Windows, Laura deve 

posicionar o mouse sobre o ícone da lixeira na área de trabalho do Windows, pressionar o botão esquerdo apenas uma 
vez e selecionar a opção Esvaziar Lixeira. Uma mensagem de confirmação da exclusão permanente será exibida, 
devendo-se, em seguida, selecionar a opção Sim da mensagem para eliminar definitivamente os arquivos, evitando a 
possibilidade da sua recuperação via Lixeira

 

(B)  eliminando os dados da Lixeira do Windows. Para isso, com a configuração padrão do mouse no Windows, Laura deve 

posicionar o mouse sobre o ícone da lixeira na área de trabalho do Windows, pressionar o botão esquerdo apenas uma vez e 
selecionar a opção Abrir. Em seguida, deve selecionar todos os arquivos, pressionar o botão direito do mouse e selecionar 
Esvaziar Lixeira. Uma mensagem de confirmação da exclusão permanente será exibida, devendo-se em seguida selecionar a 
opção Sim da mensagem para eliminar definitivamente os arquivos, evitando a possibilidade da sua recuperação via Lixeira

 

(C)  eliminando os dados da Lixeira do Windows. Para isso, com a configuração padrão do mouse no Windows, Laura deve 

posicionar o mouse sobre o ícone da lixeira na área de trabalho do Windows, pressionar o botão direito apenas uma vez e 
selecionar a opção Abrir. Em seguida, deve selecionar um dos arquivos, pressionar o botão da esquerda do mouse e selecionar 
Excluir para eliminar definitivamente todos os arquivos na Lixeira, evitando a possibilidade da sua recuperação. 

 

(D) configurando 

Lixeira do Windows para não reter arquivos. Para isso, com a configuração padrão do mouse no Windows, 

Laura deve posicionar o mouse sobre o ícone da Lixeira na área de trabalho do Windows, pressionar o botão direito do 
mouse e selecionar a opção Propriedades. Na janela de Propriedades, Laura deve selecionar a opção de Não mover 
arquivos para a Lixeira. Remover arquivos imediatamente quando excluídos 
e em seguida selecionar Ok

 

(E)  excluindo o arquivo desejado sem dar a opção de recuperação futura. Para isso, com a configuração padrão do mouse no 

Windows, Laura deve posicionar o mouse sobre o arquivo que deseja excluir permanentemente, pressionar o botão direito 
apenas uma vez e selecionar a opção Limpar Permanentemente. Uma mensagem de confirmação da exclusão 
permanente será exibida, devendo-se em seguida selecionar a opção Sim da mensagem para eliminar definitivamente o 
arquivo, evitando a possibilidade da sua recuperação via Lixeira

Caderno de Prova ’F’, Tipo 001

fcc-2014-trf-1-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

TRF1R-An.Jud.-Arquitetura-F

 

 

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 

 

21.  Dentre os produtos básicos previstos em um projeto de arquitetura inclui-se a planta de situação, que representa a implantação 

da obra no terreno indicando, 

 

(A)  prioritariamente, acessos, posição e orientação da edificação principal, recuos e afastamentos, cotas e níveis principais, e 

excluindo quadro geral de áreas (totais, por setor, pavimento e/ou bloco, úteis e/ou construídas, incompatíveis, conforme o 
caso). 

 
(B)  em especial, a edificação, acessos, áreas livres e demais elementos arquitetônicos, cotas gerais e níveis de assentamento, 

desconsiderando as áreas non aedificandi e servidões, bem como a discriminação das áreas totais e/ou parciais, úteis e/ou 
construídas. 

 
(C)  em especial, acessos, posição e orientação da edificação principal, recuos e afastamentos, cotas e níveis principais, área 

non aedificandi e servidões, e quadro geral de áreas (totais, por setor, pavimento e/ou bloco, útil e/ou construída, conforme 
a necessidade). 

 
(D)  necessariamente, o quadro de áreas, os acessos, recuos, afastamentos, cotas, níveis e orientação da edificação principal, 

excetuando os demais elementos arquitetônicos, tais como: estacionamentos, piscinas, quadras esportivas, castelos 
d’água. 

 
(E)  necessariamente, acessos, recuos, cotas de nível, o quadro de áreas e a compartimentação interna da edificação indican-

do, em especial, a localização, inter-relacionamento e pré-dimensionamento de ambientes, circulações (verticais e hori-
zontais). 

 
 
22.  Um cálculo simplificado para definir a quantidade de luminárias necessárias para obter um bom desempenho luminotécnico deve 

considerar, conforme a NBR-5413, além da iluminância necessária no ambiente, 

 

(A)  as dimensões e pé-direito do ambiente, o tipo de luminária e a altura da suspensão, a altura dos planos de trabalho, as 

refletâncias do teto, parede e piso. 

 
(B)  as dimensões e pé-direito do ambiente, a dimensão das luminárias, a altura dos planos de trabalho e o índice de 

depreciação das lâmpadas.  

 
(C)  o formato e pé-direito do ambiente, o lay-out do mobiliário, os fatores de perdas luminosas, as refletâncias do teto, parede 

e piso. 

 
(D)  o formato e pé-direito do ambiente, o tipo de luminária e a altura da suspensão, a altura do plano de trabalho e os fatores 

de perdas luminosas. 

 
(E)  a área e pé-direito do ambiente, o lay-out do mobiliário, a altura do plano de trabalho e os fatores de perdas luminosas. 

 
 
23.  A NBR-10152 fixa as condições exigíveis para a aceitação do ruído num determinado recinto de uma edificação conforme a fi-

nalidade mais característica de utilização do recinto. Analise a listagem em que se apresentam tipos de recintos, e um intervalo 
de valores em dB(A).  

 

Auditórios para palestras (sem ocupação)  ........................ 30-40 
Bibliotecas  ......................................................................... 35-45 
Escritórios  .......................................................................... 45-55 
Salas de espera  ................................................................. 40-50 

 
 

O intervalo a que se refere a listagem acima corresponde aos níveis de 

 

(A) pressão 

sonora 

interferente. 

(B) pressão 

sonora 

oscilante. 

(C)  ruído ambiente de conforto e aceitável. 
(D)  ruído ambiente adequado e inadequado. 
(E)  ruído ambiente com picos de energia acústica. 

 
 
24.  O tempo de reverberação do som em um ambiente fechado depende 
 

(A)  dos ângulos dos raios incidentes e refletidos em uma mesma superfície independente de sua natureza. 
(B)  do volume do recinto, do tipo, forma e número de superfícies e da capacidade de absorção sonora do ambiente. 
(C)  do volume do recinto, do índice de mascaramento da fonte sonora e da capacidade de refração sonora do ambiente. 
(D)  do pé-direito do recinto, da pressão sonora da fonte emissora e da direção do raio refletido. 
(E)  da área do recinto, do nível de pressão sonora da fonte e da velocidade de propagação do som no ambiente. 

Caderno de Prova ’F’, Tipo 001

fcc-2014-trf-1-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

TRF1R-An.Jud.-Arquitetura-F

 

25.  A peça indispensável para a execução de uma obra é o cronograma físico-financeiro, que  

 

(A)  tem o objetivo de apresentar os desembolsos no decorrer do tempo de execução proposto pelo projeto, prevendo o tempo 

total para a execução da obra, excluídos os dias sem produção. 

 
(B)  consiste na apresentação dos desembolsos no decorrer da execução da obra, estabelecendo a duração dessa execução, 

portanto a elaboração do projeto não exerce qualquer influência para a definição dos prazos de execução. 

 
(C)  a morosidade da entrega da obra é especialmente prejudicial para a administração pública, por implicar necessariamente a 

consumação de ilegalidade e obtenção de vantagem indevida por parte da empresa contratada para a execução da obra. 

 
(D)  no julgamento das propostas, a administração pública deve zelar para que o cronograma físico-financeiro esteja compa-

tível com o projeto básico, para evitar a prorrogação contratual e a decorrente reivindicação de aditivos contratuais por 
parte da empresa contratada para a execução. 

 
(E)  tem um prazo muito reduzido e onera a obra pela adoção de turnos ininterruptos de trabalho da empresa contratada, dado 

que o custo da mão de obra noturna é pelo menos 70% maior que a hora normal trabalhada. 

 
 
26.  Foram observadas falhas na fiscalização de obra, com relação à execução de serviços de imprimadura betuminosa impermeabi-

lizante. Indique a alternativa que corresponda a um desses casos frequentes e que devem ser evitados para preservar a quali-
dade na execução dos serviços. 

 

(A)  Antes de iniciar a distribuição do material betuminoso, foram medidas e comparadas entre si as vazões dos bicos de barra 

de distribuição, de forma a apresentarem uniformidade de aspersão. 

 
(B)  A distribuição do material betuminoso foi iniciada somente quando atingida a temperatura necessária à obtenção de visco-

sidade dentro do veículo distribuidor. 

 
(C)  Durante as operações de distribuição do material betuminoso, os serviços foram sustados durante a chuva, para evitar que 

os agregados estivessem molhados.  

 
(D)  A distribuição do material betuminoso foi feita com regador tipo bico de pato por ser o modo mais apropriado quando a su-

perfície não permitir a utilização de barra de distribuição. 

 
(E)  No emprego de asfaltos diluídos ou emulsões, o início de cada operação de material betuminoso foi condicionado à cura 

do material aplicado na camada anterior. 

 
 
27.  O nível de desempenho do concreto de qualquer estrutura é avaliado, basicamente, pela distância existente entre dois parâme-

tros definidos em norma, sendo eles o estado limite de serviço (ELS) e o estado limite último (ELU). 

 

 

A respeito desses dois parâmetros é correto afirmar: 

 

(A)  A redução da proximidade entre esses dois parâmetros é desaconselhável para atender aos coeficientes de segurança. 

 
(B)  Quanto mais próximos os valores referentes a esses dois parâmetros, menor é a probabilidade que a superestrutura entre 

em colapso. 

 
(C)  Quanto mais distantes os valores referentes a esses dois parâmetros, maior é a probabilidade de que a superestrutura 

entre em colapso. 

 
(D)  A proximidade entre esses dois parâmetros indica que a superestrutura tende a um nível crítico de deterioração e de-

sempenho. 

 
(E)  A diferença entre esses dois parâmetros deve ser reduzida para se obter um aumento do coeficiente de segurança. 

 
 
28.  Analise as afirmações abaixo com o objetivo de identificar os fatores fundamentais para se obter uma recuperação de excelên-

cia, aumentando-se os coeficientes de segurança. 

 

 

I

.  Partir de um laudo técnico abrangente, detalhado e bem fundamentado que estabeleça um diagnóstico da patologia apre-

sentada, seguida da discriminação dos procedimentos de recuperação e dos materiais a serem empregados. 

 

 

II

.  Contar com uma equipe heterogênea de modo a reunir tanto profissionais bem capacitados e experientes, quanto pro-

fissionais sem experiência para serem testados e treinados.  

 

 

III

.  Utilizar materiais e técnicas previamente testados de acordo com as metodologias de tratamento discriminadas no laudo 

técnico para que se possa recuperar o nível de desempenho e durabilidade da estrutura comprometida. 

 

 

IV

.  Selecionar materiais e insumos de diversos fabricantes com o objetivo de ampliar o espectro dos testes e da experimen-

tação na aplicação dos materiais e técnicas e assim garantir a excelência da recuperação.  

 

 

Está correto o que se afirma APENAS em 

 

(A) 

I

 e 

III

(B) 

I

II

 e 

IV

(C) 

II

 e 

III

(D) 

II

III

 e 

IV

(E) 

I

 e 

IV

Caderno de Prova ’F’, Tipo 001

fcc-2014-trf-1-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

10 

TRF1R-An.Jud.-Arquitetura-F

 

29.  O estudo de viabilidade será desenvolvido para formular as diretrizes da solução construtiva que melhor atenda ao programa ar-

quitetônico e à legislação pertinente. Objetiva trazer subsídios à elaboração dos anteprojetos em busca da proposta mais ade-
quada para atender os requisitos estabelecidos pelo programa arquitetônico e superar eventuais limitações do terreno. Devem 
ser indicados no estudo de viabilidade:  

 

(A)  estudos e desenhos da solução arquitetônica, locação preferencial do edifício no terreno, planilhas detalhadas dos custos 

de projeto e obra, relatório que descreva e avalie as alternativas escolhidas. 

 

(B)  estudo preliminar da solução arquitetônica, impacto ambiental do empreendimento, sondagem do solo, estimativa de custo 

do projeto e da obra, de acordo com os requisitos estabelecidos. 

 

(C)  estudo preliminar da solução arquitetônica, implantação e orientação do edifício, planilha de custos do empreendimento e 

relatório que descreva potencialidades do terreno e avalie as alternativas escolhidas. 

 

(D)  diretrizes para a solução arquitetônica, locação preferencial do edifício no terreno, impacto ambiental do empreendimento, 

estimativa da obra a ser executada, anteprojeto que garanta a viabilidade, acompanhado de memorial descritivo dos re-
quisitos estabelecidos. 

 

(E)  diretrizes para a solução arquitetônica, melhor locação em função do solo ou demais elementos técnicos, estimativa de 

custo preliminar do empreendimento, estudos e desenhos que garantam a viabilidade, relatório que descreva e avalie as 
alternativas escolhidas. 

 
 
30.  De acordo com a NBR-5.674:2012, que dispõe sobre a manutenção de edificações, na organização da gestão do sistema de 

manutenção, os diferentes tipos necessários de manutenção são:  

 

(A)  rotineira, urgente e prioritária. 
 
(B)  rotineira, corretiva e preventiva. 
 
(C)  permanente, cíclica e corretiva. 
 
(D)  corretiva, urgente e preventiva. 
 
(E)  contínua, preventiva e prioritária.  

 
 
31.  Segundo a Lei n

o

 8.666/1993, que institui normas para licitações e contratos da Administração pública, estão entre as condições 

indispensáveis para que obras e serviços sejam licitados a existência de  

 

(A)  previsão de recursos orçamentários que assegurem o pagamento das obrigações decorrentes de obras ou serviços a se-

rem executados no exercício financeiro em curso, de acordo com o respectivo cronograma. 

 

(B)  projeto executivo e orçamento detalhado, ambos analisados pela autoridade competente e disponíveis para exame dos 

interessados, em participar do processo licitatório. 

 

(C)  projeto básico e orçamento sumário em planilhas que apresentem a composição dos principais custos unitários, de acordo 

com o respectivo cronograma. 

 

(D)  estudo e orçamento preliminares analisados pela autoridade competente e disponíveis para exame dos interessados em 

participar do processo licitatório. 

 

(E)  inclusão de fornecimento de materiais e recursos sem previsão de quantidades desde que os quantitativos correspondam 

às previsões presumíveis com base nos produtos apresentados no projeto básico. 

 
 
32.  A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes 

− CIPA visa a segurança e saúde do trabalhador no seu ambiente de serviço. 

Quanto ao tipo as CIPA classificam-se em 

 

(A)  centralizada, por canteiro e provisória. 
 
(B)  centralizada, por canteiro e permanente. 
 
(C)  centralizada, por setor e provisória. 
 
(D)  por canteiro, por setor e permanente. 
 
(E)  por canteiro, por tarefa e provisória. 

Caderno de Prova ’F’, Tipo 001

fcc-2014-trf-1-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

TRF1R-An.Jud.-Arquitetura-F

 

11 

33.  De acordo com as regras estabelecidas pela Resolução n

o

 52, que aprova o Código de Ética e Disciplina do Conselho de Arqui-

tetura e Urbanismo do Brasil 

− CAU/BR, o arquiteto e urbanista deve 

 

(A)  exercer, manter e defender as prerrogativas da profissão liberal, orientando suas decisões profissionais pela prevalência 

das considerações artísticas, técnicas e científicas do cliente que o contrata. 

 

(B)  defender sua opinião, em qualquer campo da atuação profissional, fundamentando-a na observância do princípio da me-

lhor qualidade, e rejeitando imposições que possam comprometer os seus valores pessoais de conduta ética. 

 

(C)  assumir todas as responsabilidades profissionais, técnicas e legais que exacerbam os limites de suas atribuições, habili-

dades e competências, bem como de seus colaboradores, em seus respectivos campos de atuação. 

 

(D)  responsabilizar-se pelas tarefas ou trabalhos executados por seus auxiliares, equipes, ou sociedades profissionais que es-

tiverem sob sua administração ou direção, e assegurar que atuem em conformidade com os melhores métodos e técnicas.  

 

(E)  comprovar o conhecimento das disciplinas do campo específico, no caso de ser responsável por atividade docente, não 

sendo necessário ter executado atividades profissionais relativas às disciplinas lecionadas. 

 
 
34.  De acordo com a Resolução n

o

 17 do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil 

− CAU/BR, ficam sujeitos ao Registro de 

Responsabilidade Técnica 

− RRT, quando executados por arquitetos e urbanistas, as construções, edificações, obras e serviços 

 

(A)  do patrimônio histórico cultural e artístico, arquitetônico, urbanístico, paisagístico, restauro, práticas de projeto, vistoria e 

memória de cálculos de reforço estrutural, para reutilização, reabilitação, conservação, restauro e valorização de edifica-
ções, conjuntos e cidades. 

 

(B)  do planejamento urbano e regional, planejamento físico-territorial, planos de intervenção no espaço urbano, metropolitano 

e regional fundamentados nos sistemas de infraestrutura, mecânica dos solos, saneamento básico e ambiental, sistema 
viário, e desenho urbano.  

 

(C)  de arquitetura paisagística, concepção e execução de projetos para espaços externos, livres e abertos, privados ou públi-

cos, como parques e praças, considerados isoladamente ou áreas de mananciais, dentro de várias escalas, inclusive a 
territorial. 

 

(D)  da tecnologia e resistência dos materiais, dos elementos e produtos de construção, patologias e recuperações, dos siste-

mas construtivos e condução de equipe de instalação, montagem, operação, reparo ou manutenção de instalações e equi-
pamentos referentes à arquitetura. 

 

(E)  de topografia, elaboração e interpretação de levantamentos topográficos cadastrais para a realização de projetos de arqui-

tetura, de urbanismo e de paisagismo, foto-interpretação, leitura, interpretação e análise de dados e informações topográ-
ficas e sensoriamento remoto. 

 
 
35.  A Resolução n

o

 21 do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil 

− CAU/BR contém anexo o glossário dos termos referen-

tes às atividades e atribuições profissionais previstas para fins de Registro de Responsabilidade Técnica 

− RRT. Dentre os ter-

mos elencados no glossário está o Estudo de Impacto Ambiental 

− EIA. O EIA é um estudo realizado para 

 

(A)  o diagnóstico ambiental da área de influência do projeto e deverá incluir a análise dos impactos ambientais previstos e de 

suas alternativas, bem como a análise técnica e econômico-financeira do projeto arquitetônico, urbanístico ou paisagístico. 

 

(B)  o licenciamento de atividades que, direta ou indiretamente, afetam o meio ambiente ou que são potencialmente poluidoras 

e deverá incluir a definição de medidas mitigadoras e a elaboração de um programa de acompanhamento e monitoramento 
desses impactos. 

 

(C)  a indicação de determinada área de interesse quanto aos aspectos físicos, ambientais e legais, que se constituem condi-

cionantes, impedimentos e/ou limitações em relação ao empreendimento ou projeto que se pretende instalar. 

 

(D)  a definição dos efeitos positivos e negativos de um empreendimento quanto à condições materiais, equipamentos, ou 

técnicas de execução serem empregados em uma obra ou serviço técnico de paisagismo e urbanismo. 

 

(E)  a obtenção de licença ambiental dos equipamentos utilizados pelo trabalhador e de uso individual, destinados à proteção 

contra riscos capazes de ameaçar a sua segurança e a sua saúde no ambiente de trabalho.  

 
 
36.  A Lei n

o

 8.666/93 

− que institui normas para licitações e contratos da Administração pública − define como “execução indireta” 

aquela que o órgão ou entidade contrata com terceiros. Dos regimes de execução indireta assegurados pela lei, o que está 
corretamente definido é: 

 

(A)  empreitada por preço unitário 

− quando se contrata a execução da obra ou do serviço por preço certo de unidades deter-

minadas. 

 
(B)  empreitada por preço global 

− quando se contrata um empreendimento compreendendo todas as etapas das obras, servi-

ços e instalações necessárias, sob inteira responsabilidade da contratada até a sua entrega ao contratante em condições 
de entrada em operação. 

 
(C) tarefa 

− quando se calcula o salário pelo serviço executado, com ou sem fornecimento de materiais. 

 
(D) empreitada 

simples 

− quando se ajusta mão de obra para pequenos trabalhos por preço certo, com ou sem fornecimento 

de materiais. 

 
(E) empreitada 

integral 

− quando se contrata a execução da obra ou do serviço por preço certo e total. 

Caderno de Prova ’F’, Tipo 001

fcc-2014-trf-1-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

12 

TRF1R-An.Jud.-Arquitetura-F

 

37.  Programa de necessidades, memorial justificativo, discriminação técnica, especificação, lista de materiais e orçamento são as 

peças escritas que, juntamente com as peças gráficas, compõem os elementos básicos do projeto. Das peças escritas, o que 
está corretamente definido é: 

 

(A) Discriminação 

Técnica 

− descreve de forma precisa, completa e ordenada os materiais de construção a serem utilizados, 

indica os locais onde estes materiais devem ser aplicados e determina as técnicas exigidas para o seu emprego. 

 
(B) Especificação 

−  tem como objetivo fixar as características, condições ou requisitos exigíveis para matérias-primas, produ-

tos semifabricados, industriais e demais elementos da construção, bem como o levantamento quantitativo de cada material 
especificado. 

 
(C) Memorial 

Justificativo 

− deve evidenciar o atendimento às condições estabelecidas no programa de necessidades sempre 

que incompatível com o partido arquitetônico adotado na etapa do estudo preliminar. 

 
(D)  Programa de Necessidades 

− deve conter o levantamento das informações necessárias ao projeto, os setores e suas liga-

ções, necessidades de área, características gerais e requisitos especiais, posturas municipais, códigos e normas pertinen-
tes. 

 
(E) Orçamento 

− tem como objetivo estabelecer custos e preços dos materiais e serviços a serem executados e estabelece a 

relação de materiais, equipamentos e serviços, excetuando os valores dos insumos e dos encargos sociais necessários à 
execução. 

 
 
38.  As modificações no espaço das edificações em decorrência de novas necessidades de uso podem ser melhor atendidas em fun-

ção da flexibilidade que o projeto possibilita. Nesse sentido, em um edifício são características importantes: 

 

(A)  plantas modularmente coordenadas, divisórias internas removíveis, fixação das áreas molhadas. 
(B)  formas geométricas regulares, paredes autoportantes, instalações embutidas na alvenaria. 
(C)  racionalização da estrutura, vãos de médio porte, pátios como reserva de áreas. 
(D)  estrutura metálica, plantas com várias tipologias, separação da área úmida em relação à seca. 
(E)  sistemas pré-fabricados, formas laminares, torre de circulação central. 

 
 
39.  Na construção, 75% das patologias são decorrentes de problemas relacionados com as instalações hidráulicas prediais. É dessa 

circunstância que deriva a maior atenção e cuidados necessários na elaboração do projeto, na execução e no uso de material 
adequado. O projeto arquitetônico deve considerar: 

 
 

I

.  Espaços livres para a passagem de tubulações, no sentido horizontal (forros e dutos horizontais) e vertical (pontos e 

shafts) que facilitam a execução da obra e a operação das instalações. 

 
 

II

.  No caso de sistema de shaft visitável, a utilização de tampa de fechamento feita, em geral, com duas placas de gesso, re-

vestidas por filme acrílico em ambas as faces, para esconder a tubulação. 

 
 

III

.  No caso de dutos e shafts, que as tubulações recobertas sejam fixadas ou posicionadas por meio de peças que permitam 

a livre movimentação e facilitem a manutenção. 

 
 

IV

.  Sempre que possível, como uma opção de racionalização, a adoção de shafts de prumada individualizados para cada 

conjunto hidráulico: sanitários, área de serviços e cozinha.  

 
 

Está correto o que se afirma APENAS em 

 

(A) 

II

 e 

IV

(B) 

I

III

 e 

IV

(C) 

III

(D) 

I

 e 

IV

(E) 

II

 
 
40.  O Decreto Federal n

o

 7.983/13 tem por finalidade padronizar a metodologia para elaboração do orçamento de referência e esta-

belecer parâmetros para o controle da aplicação dos recursos oriundos dos orçamentos da União. De acordo com o Decreto: 

 

(A)  Os órgãos e entidades da Administração pública federal somente poderão adotar especificidades locais ou de projeto na 

elaboração das composições de custo unitário, quando solicitadas por profissional habilitado. 

 
(B)  Os critérios de aceitabilidade de preços, incluindo a diferença percentual entre o valor global dos serviços e o preço global 

de referência, deverá apresentar anotação de responsabilidade técnica. 

 
(C)  A anotação de responsabilidade técnica pelas planilhas orçamentárias deverá constar do projeto que integrar o edital de 

licitação, inclusive de suas eventuais alterações. 

 
(D)  O custo global de referência de obras e serviços de engenharia, assim como dos serviços e obras de infraestrutura de 

transporte, será obtido a partir da ponderação entre os custos unitários previstos pelo Sinapi e pelo Sicro. 

 
(E)  O preço global de referência será o resultante do custo global de referência acrescido do valor correspondente ao BDI, 

sempre que comprovada a taxa de risco, seguro e garantia do empreendimento. 

Caderno de Prova ’F’, Tipo 001

fcc-2014-trf-1-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

TRF1R-An.Jud.-Arquitetura-F

 

13 

41.  Segundo a NBR-13351 

− que fixa as atividades técnicas de projetos de arquitetura e de engenharia exigíveis para a construção 

de edificações 

− a etapa de desenvolvimento do projeto de arquitetura “destinada à determinação das exigências de caráter 

prescritivo ou de desempenho a serem satisfeitas pela edificação a ser concebida” chama-se  

 

(A)  Programa de Necessidades 

− PN. 

(B) Estudo 

Preliminar 

− EP. 

(C) Levantamento 

− LV. 

(D)  Estudo de Viabilidade 

− EV. 

(E) Anteprojeto 

− AP. 

 
 
42.  Textura, dimensionamento, contraste de cor dos textos e das figuras são premissas importantes para que informações visuais 

sejam perceptíveis por pessoas com baixa visão. A atenção da sinalização, nesses casos, deve recair sobre  

 

(A)  os textos e as figuras foscos, o fundo com acabamento brilhante com média reflexão, mantendo-se o contraste. 

 

(B)  as características como a iluminação do ambiente, o contraste e a pureza da cor, únicos parâmetros a influenciar na legi-

bilidade da informação.  

 

(C)  a utilização de cor contrastante de 90% a 100% nas combinações claro sobre escuro ou escuro sobre claro. 

 

(D)  a utilização de texto ou figura translúcida sobre fundo de cor contrastante de 60% a 100%, quando for necessária a 

adaptação a pouca luz pelo observador. 

 

(E)  a utilização de texto e figura translúcidos, fundo de cor contrastante, e uso de luz branca, quando a sinalização for re-

troiluminada. 

 
 
43.  A aceitação ou rejeição de documentos técnicos referentes a cada etapa do projeto de edificação são dependentes da correta 

avaliação técnica do contratante, realizada a partir de um conjunto de orientações. Após a avaliação técnica, 

 

(A)  os documentos técnicos do projeto (desenhos, textos) que forem rejeitados, total ou parcialmente, somente podem ser re-

vistos ou alterados por profissional credenciado na área, respeitado o prazo estipulado pelo contratante, e necessaria-
mente submetidos à nova avaliação. 

 

(B)  a aceitação, pelo contratante, dos documentos técnicos do projeto produzidos em cada etapa da elaboração dos projetos 

de edificação, elementos, instalações e componentes, é condição indispensável para que se inicie a elaboração dos refe-
rentes à etapa subsequente.  

 

(C)  as sequências das etapas das atividades técnicas e dos eventos de elaboração do projeto devem ser predeterminadas e 

representadas, sendo indispensáveis os fluxogramas que registrem os custos, a duração e as intercorrências. 

 

(D)  as avaliações do contratante devem ser feitas em conformidade com o contrato assinado entre as partes, obedecendo ri-

gorosamente as condições nele definidas como exequíveis, para os casos em que não é prevista legislação vigente. 

 

(E)  o contratante deve formalizar a aceitação dos documentos técnicos correspondentes à etapa em questão. Por isso mes-

mo, a aceitação dos documentos técnicos produzidos em cada atividade técnica específica do projeto vincula-se à avalia-
ção das demais atividades. 

 
 
44. A 

NBR-12721/07 

− que trata da avaliação de custos unitários de construção para incorporação imobiliária e outras disposições 

para condomínios edilícios 

− prevê critérios para determinação e cálculo de áreas. A “área da superfície limitada pela linha que 

contorna a dependência coberta, excluídas as áreas não edificadas, passando pelas projeções: a) das faces externas das pa-
redes externas da edificação; b) das faces externas, em relação à área coberta considerada, das paredes que a separam de 
dependências de uso comum, no caso de ser ela própria de uso privativo; c) das faces externas, em relação à área coberta 
considerada, no caso de ser ela própria de uso comum; d) dos eixos das paredes divisórias de dependências contíguas, se 
forem ambas de uso comum ou ambas de uso privativo; e e) de projeção de arestas externas do elemento de cobertura quando 
não for limitada por parede” chama-se área 

 

(A) coberta. 
(B) equivalente. 
(C)  real de uso comum. 
(D)  real privativa da unidade autônoma. 
(E)  real do pavimento. 

 
 
45.  No Levantamento de dados para arquitetura 

− LV-ARQ devem ser produzidas informações técnicas com os registros de vistorias 

no local da futura edificação. Tais registros incluem uma grande quantidade de dados entre os quais: 

 

(A)  terreno destinado à edificação, leis municipais de parcelamento de solo e de zoneamento, serviços públicos, companhias 

concessionárias, levantamento topográfico e cadastral, volumes de corte e aterro, sondagem. 

 

(B)  terreno destinado à edificação, orientação Norte-Sul, diferença ou alterações ocorridas após o levantamento topográfico e 

cadastral, volumes de corte e aterro previstos (quando houver), sondagem, vias públicas, perfis e calçadas. 

 

(C)  terreno destinado à edificação, vizinhança, orientação Norte-Sul, direção e sentido dos ventos dominantes, leis municipais 

de parcelamento de solo e de zoneamento, serviços públicos e outras informações relevantes.  

 

(D)  levantamento topográfico e cadastral precedente às alterações ocorridas no curso do tempo, edificações existentes no 

terreno (a demolir ou não), área de construção, número de pavimentos, uso atual, características arquitetônicas e constru-
tivas. 

 

(E)  levantamento topográfico, volumes de corte e aterro, sondagem do solo com especificação dos índices de estanqueidade e 

valores higrométricos, leis municipais de parcelamento do solo e zoneamento. 

Caderno de Prova ’F’, Tipo 001

fcc-2014-trf-1-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

14 

TRF1R-An.Jud.-Arquitetura-F

 

46.  Considere a figura abaixo. 

50

0

50

0

52

0

540

55

0

55

0

540

520

500

50

0

5

00

5

20

1

2

3

 

 
 

É correto afirmar: 

 

(A)  as curvas de nível estão demarcadas com intervalos de 20 em 20 metros. 
(B)  o ponto 2 assinala um trecho com declive mais forte. 
(C)  a curva mestra está assinalada com o ponto 1. 
(D)  o ponto 3 indica um riacho. 
(E)  as curvas de nível estão incompletas. 

 
 
47.  Para atividades que exigem solicitação intelectual e atenção constantes, exercidas em locais de trabalho como escritórios, salas 

de desenvolvimento ou análise de projetos e laboratórios, são recomendadas as seguintes condições de conforto, dentre outras: 

 

(A)  níveis de ruído de acordo com o estabelecido na NBR-10152, umidade relativa do ar não inferior a 30 (trinta) por cento e 

índice de temperatura efetiva entre 20 

°C (vinte) e 25 °C (vinte e cinco graus centígrados). 

 
(B)  níveis de ruído de acordo com o estabelecido na NBR-10152, índice de temperatura efetiva entre 22 

°C (vinte e dois) e 

24 

°C (vinte e quatro graus centígrados) e velocidade do ar não superior a 0,75 m/s. 

 
(C)  índice de temperatura efetiva entre 20 

°C (vinte) e 25 °C (vinte e cinco graus centígrados); velocidade do ar não superior a 

0,65 m/s; umidade relativa do ar não inferior a 40 (quarenta) por cento. 

 
(D)  índice de temperatura efetiva entre 22 

°C (vinte) e 24 °C (vinte e cinco graus centígrados); velocidade do ar não superior a 

0,65 m/s; umidade relativa do ar não inferior a 40 (quarenta) por cento. 

 
(E)  índice de temperatura efetiva entre 20 

°C (vinte) e 23 °C (vinte e três graus centígrados); velocidade do ar não superior a 

0,75 m/s; umidade relativa do ar não inferior a 40 (quarenta) por cento. 

 
 
48.  Segundo a NR 17 

−  que visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características 

psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente 

− o 

mobiliário dos postos de trabalho devem atender aos seguintes requisitos mínimos: 

 

(A)  ter altura e características da superfície de trabalho compatíveis com o tipo de atividade, com a distância requerida dos 

olhos ao campo de trabalho e com a altura do assento. 

 
(B)  ter como campo de trabalho um plano horizontal a 0,75 m (setenta e cinco centímetros) do piso. 
 
(C)  ter como campo de trabalho um plano horizontal a 0,72 m (setenta e dois centímetros) do piso.  
 
(D)  ter assentos dotados de apoio em 04 (quatro) pés, com rodízios cuja resistência evite deslocamentos involuntários e que 

não comprometam a estabilidade do assento. 

 
(E)  ter assentos com altura da superfície superior ajustável, em relação ao piso, entre 30 (trinta) e 45 (quarenta e cinco) centí-

metros e largura de, no mínimo, 35 (trinta e cinco) centímetros. 

Caderno de Prova ’F’, Tipo 001

www.pciconcursos.com.br

fcc-2014-trf-1-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

TRF1R-An.Jud.-Arquitetura-F

 

15 

49.  São estabelecidos parâmetros, por norma, que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisioló-

gicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente, e 

 

(A)  para o trabalho manual sentado, a superfície de trabalho deve ter altura e inclinação compatíveis com o tipo de atividade e 

com a altura do trabalhador, mantendo-se invariável a distância dos olhos ao campo de trabalho. 

 
(B)  os assentos utilizados nos postos de trabalho devem atender, entre outros, aos seguintes requisitos de conforto: altura 

ajustável à estatura do trabalhador e à natureza da função exercida; encosto reto e firme para proteção da região lombar. 

 
(C)  o trabalhador designado para o transporte manual de cargas pesadas deve receber treinamento quanto aos métodos de 

trabalho a serem utilizados, visando proteger sua saúde, excetuando-se quando já for portador de atestado médico. 

 
(D)  há condições de conforto recomendadas para níveis de ruído, velocidade do ar, umidade relativa do ar e índice de tem-

peratura efetiva, para locais de trabalho onde são executadas atividades que exijam solicitação intelectual e atenção cons-
tantes. 

 
(E)  quando trabalhadores jovens forem designados para o transporte manual de cargas, o peso máximo destas cargas deverá 

ser nitidamente inferior àquele admitido para homens e mulheres adultos, para o não comprometimento da sua saúde. 

 
 
50.  Para a aprovação, licenciamento ou emissão de certificado de conclusão de projeto arquitetônico ou urbanístico deverá ser ates-

tado o atendimento às regras de acessibilidade previstas nas normas técnicas de acessibilidade da ABNT, na legislação espe-
cífica e no Decreto n

o

 5.296/2004. Integra tais documentos a seguinte recomendação:  

 

(A)  Nas intervenções em vias e logradouros públicos, o Poder Público e as empresas concessionárias responsáveis pela exe-

cução das obras e dos serviços garantirão a circulação segura das pessoas em geral, e em especial, daquelas portadoras 
de deficiência, por meio de percurso protegido com largura mínima de 1,10 m. 

 
(B)  A urbanização das vias, praças, dos logradouros, parques e demais espaços de uso público devem atender exigências que 

incluem a construção de calçadas assim como o seu rebaixamento com rampa acessível, para a circulação de pedestres, à 
exceção das situações preexistentes comprovadamente consolidadas.  

 
(C)  A construção, ampliação ou reforma de edificações de uso público deve garantir, pelo menos, um dos acessos ao seu in-

terior, com comunicação com todas as suas dependências e serviços, livre de todo tipo de barreiras e de obstáculos que 
impeçam ou dificultem a sua acessibilidade. 

 
(D)  Nas edificações de uso público a serem construídas, os sanitários destinados à utilização por pessoa portadora de defi-

ciência ou com mobilidade reduzida serão distribuídos na razão de, no mínimo, uma cabine em cada pavimento da edifi-
cação, preferencialmente com entrada independente dos sanitários coletivos. 

 
(E)  Na instalação de elevadores novos ou na troca dos já existentes, em edificação de uso público ou de uso coletivo, pelo 

menos um deles deverá ter cabine com 1,00 m de largura mínima de acesso, de modo a garantir o acesso e a movimen-
tação de pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida. 

 
 
51.  Abóbadas podem ser construídas seguindo a geometria decalcada sobre catenárias. O desenho de uma curva catenária pode 

ser obtido por um cabo ou corrente que, preso pelas duas extremidades, possua massa uniformemente distribuída e esteja su-
jeito à ação somente de seu peso próprio. Se uma corda se estabiliza comodamente aos esforços de tração segundo essa geo-
metria, o mesmo deve ocorrer ao contrário, com abóbadas, quando se utilizam materiais resistentes à 

 

(A) tração 

simples. 

(B) compressão 

simples. 

(C) flexão. 
(D) torção. 
(E)  compressão e tração. 

 
 
52.  Em referência às obras no poder judiciário, integra os parâmetros a serem utilizados para medição e pagamento dos serviços 

executados a seguinte orientação: 

 

(A)  para medição e pagamento são considerados os serviços e obras efetivamente executados pelo contratado, incluídas as 

modificações de pequeno porte realizadas em obra que mantenham a qualidade do resultado previsto no contrato. 

 
(B)  a medição de serviços e obras tem por base relatórios periódicos elaborados pelo contratado que registra os levantamen-

tos, cálculos e gráficos necessários à discriminação e determinação das quantidades dos serviços efetivamente executa-
dos. 

 
(C)  como critérios de medição devem ser consideradas as planilhas que fazem parte do contrato, com a inclusão da discrimi-

nação e quantificação dos serviços e obras, e dos critérios de pagamento, acrescentada a planilha das alterações em obra 
que foram aceitas na medição. 

 
(D)  as diferenças e irregularidades verificadas durante a medição, realizada pela área de controle interno, devem ser registra-

das em planilha específica, assim como o prazo acordado para a regularização.  

 
(E)  durante a medição, as diferenças verificadas em relação às especificações técnicas dos materiais somente poderão ser 

aceitas se corresponderem à qualidade, garantia e desempenho dos materiais discriminados no contrato.  

Caderno de Prova ’F’, Tipo 001

fcc-2014-trf-1-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

16 

TRF1R-An.Jud.-Arquitetura-F

 

53.  A maioria dos pacotes de CAD de alto nível oferece macros ou linguagens de programação que permitem aos usuários 

personalizar seus próprios sistemas. O AutoCAD possui o AutoLISP, que é uma versão reduzida da linguagem de inteligência 
artificial LISP. Um programa em AutoLISP é, em síntese, 

 

(A)  um conjunto de comandos do AutoCAD que pode ajudar o usuário a construir seus próprios recursos.  
 
(B)  um modelo mais exato de curvas Spline, permitindo maior controle sobre sua forma. 
 
(C)  um sistema destinado à criação e exibição de vistas múltiplas do Model Space
 
(D)  uma variável de sistema utilizada para ajuste do ambiente de trabalho do AutoCAD. 
 
(E)  uma técnica de controle de como os nomes Xref são manipulados quando reunidos em um arquivo aninhado.  

 
 
54.  O plantio de vegetação em vias públicas além de colaborar para a amenização do clima acrescenta valor estético ao lugar. Pro-

blemas gerados pela escolha da vegetação urbana, assim como os benefícios dela advindos, são comuns às diversas cidades 
brasileiras, como as imagens abaixo exemplificam.  

 

 

 
 
 

É correto afirmar que 
 
(A)  o ponto de locação da árvore deve manter uma distância mínima da metade de sua copa adulta, de quaisquer obstáculos, 

tais como postes, bancas de jornal, telefones públicos e edificações, exceto quando forem implantadas em esquinas, si-
tuação em que devem estar centralizadas. 

 

(B)  na escolha da vegetação, deve ser considerado o porte adequado e privilegiar mudas de rápido crescimento, resistentes a 

pragas e doenças. A distância entre os pontos de locação das mudas deve permitir a sobreposição das copas adultas, 
para maior área de sombreamento. 

 

(C)  nos passeios em vias públicas é necessário especificar espécies arbóreas nativas, com sistema de raízes adventícias ou 

tabulares para evitar o comprometimento do piso da calçada, adaptação às qualidades do solo, porte adequado às ca-
racterísticas de cada local e à paisagem da região.  

 

(D)  a obstrução da sinalização de interesse público e a interferência com a infraestrutura instalada, tanto aérea como subterrâ-

nea, podem ser evitadas por meio dos cuidados durante a formação da copa para condução da mesma, e com as podas 
adequadas da árvore adulta.  

 

(E)  as árvores de médio porte poderão ser especificadas em calçadas mais largas, respeitando-se o livre trânsito de pedes-

tres, ou em canteiros centrais. Em calçadas estreitas e onde exista fiação aérea deve-se implantar árvores de menor porte, 
para a prevenção de acidentes e transtornos à mobilidade. 

Caderno de Prova ’F’, Tipo 001

fcc-2014-trf-1-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

TRF1R-An.Jud.-Arquitetura-F

 

17 

55.  Observe o sistema estrutural na figura abaixo.  

 

 

 

É correto afirmar que se trata de  

 

(A)  viga contínua, redução dos vãos externos e esforços máximos uniformemente distribuídos nos vãos centrais. 
(B)  sistema composto de pórticos biarticulados, balanços nas extremidades e distribuição homogênea dos esforços. 
(C)  vigas contínuas com extremos em balanço e distribuição igual dos esforços nos três vão centrais.  
(D)  sistema composto por cinco pórticos biarticulados e um semipórtico em cada extremidade. 
(E)  viga contínua com balanços nos extremos e distribuição uniforme dos esforços em cada vão. 

 

 

56.  O AutoCAD permite que arquivos de desenho sejam inseridos como referência externa em outros arquivos de forma semelhante 

à inserção de blocos. A respeito dos arquivos Xref, é correto o que consta apenas em: 

 

(A)  Como os arquivos com referência externa não podem ser atualizados com tanta facilidade, é mais difícil dividir o trabalho 

entre várias pessoas em ambientes de grupo ou em redes. 

 

(B)  Como as referências cruzadas fazem parte do banco de dados do arquivo de desenho, estes arquivos compostos resultam 

grandes e pesados. 

 

(C) Arquivos 

Xref permitem que se use um único arquivo em múltiplos desenhos para economizar tempo e evitar redundân-

cias. 

 

(D)  Referências externas podem ser aninhadas. Quando isso é indesejável, é possível usar a opção Attachment da caixa de 

diálogo External Reference

 

(E)  Referências externas não devem ser aninhadas para que se evite redundâncias indesejáveis como a multiplicação de 

layers ou sobreposição de entidades repetidas. 

 

 

57.  As figuras abaixo correspondem à vista, à planta do térreo e à cobertura da Escola Estadual Centro, projeto do escritório 

F. Petracco Arquitetos. O volume da edificação é composto por duas estruturas, uma de concreto e outra metálica. 

 

 

 

Em relação à concepção estrutural é correto afirmar que 

 

(A)  se trata de sistema estrutural misto: elementos pré-moldados de concreto, concreto moldado in loco e estrutura metálica 

em arco abatido.  

 

(B)  a estrutura de concreto é formada por uma sequência de nervuras paralelas, cada uma delas diretamente apoiada sobre 

os pilares. 

 

(C)  a cobertura da quadra é formada por treliça espacial assimétrica e vigas de alma cheia, apoiada na sequência de pórticos 

em concreto, à esquerda. 

 

(D)  a cobertura de concreto é formada por uma viga central, da qual partem nervuras, e está apoiada em três pilares de 

concreto. 

 

(E)  a cobertura metálica é um exemplo de sistema que associa arco com dupla curvatura e vigas metálicas de alma cheia. 

Caderno de Prova ’F’, Tipo 001

fcc-2014-trf-1-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

18 

TRF1R-An.Jud.-Arquitetura-F

 

58.  A NBR-15.575, enquanto Norma de desempenho, busca atender às exigências dos usuários e refere-se especificamente a siste-

mas que compõem edificações habitacionais, independentemente dos seus materiais constituintes e do sistema construtivo utili-
zado, e 

 

(A)  o objetivo, de modo diferente das normas prescritivas, é estabelecer requisitos fundamentais com base no uso consagrado 

de produtos ou procedimentos, buscando o atendimento às exigências dos usuários. 

 

(B)  o foco da norma está nas exigências dos usuários para o edifício habitacional e seus sistemas, considerando para tal o 

comportamento em uso e a prescrição atualizada de como os sistemas são construídos. 

 

(C)  a forma de estabelecimento do desempenho é comum e internacionalmente pensada por meio da definição de requisitos, 

critérios e métodos de avaliação, os quais sempre permitem a mensuração clara do seu cumprimento. 

 

(D)  a norma explora conceitos que, face à sua natureza conflitante relativamente aos critérios de medições, são aplicáveis 

somente com base nas condições do meio físico e da execução do empreendimento. 

 

(E)  as normas de desempenho traduzem as exigências dos usuários em termos de requisitos e critérios, o que permite orientar 

soluções tecnicamente adequadas e, por isso, podem substituir as normas prescritivas. 

 
 
59.  Segundo a NBR-9050 

− que trata da acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos − as  medidas 

necessárias, em metros, da área para manobra de cadeiras de rodas sem deslocamentos, considerando rotações de 90

°, são: 

 

(A)  0,80 × 1,20. 
 

(B)  1,50 × 1,20. 
 

(C) 

φ de 1,50. 

 

(D)  1,20 × 1,20. 
 

(E)  1,90 × 1,50. 

 
 
60.  Segundo a Resolução n

o

 114/2010, do Conselho Nacional de Justiça 

− que dispõe sobre o planejamento, a execução e o 

monitoramento de obras no poder judiciário 

− são requisitos para realização das obras:  

 
 

I

.  A disponibilidade de terreno em condição regular. 

 

 

II

.  A existência dos projetos básico e executivo. 

 

 

III

.  A existência do projeto básico apenas. 

 

 

IV

.  O valor estimado da obra. 

 
 

Está correto o que se afirma APENAS em 

 

(A) 

I

III

 e 

IV

 

(B) 

I

II

 e 

IV

 

(C) 

I

 e 

IV

 

(D) 

II

 e 

III

 

(E) 

I

 e 

III

Caderno de Prova ’F’, Tipo 001

fcc-2014-trf-1-regiao-analista-judiciario-arquitetura-prova.pdf-html.html

 

 

TRF1R-An.Jud.-Arquitetura-F

 

19 

 

REDAÇÃO 

 

Atenção: 

−  Deverão ser rigorosamente observados os limites mínimo de 20 linhas e máximo de 30 linhas. 

−  Conforme Edital do Concurso, será atribuída nota ZERO à Prova de  Redação, na Folha Definitiva, que: a) fugir à modalidade de texto solicitada 

e/ou ao tema proposto; b) apresentar textos sob forma não articulada verbalmente (apenas com desenhos, números e palavras soltas ou em 

versos) ou qualquer fragmento de texto escrito fora do local apropriado; c) for assinada fora do local apropriado; d) apresentar qualquer sinal 

que, de alguma forma, possibilite a identificação do candidato; e) for escrita a lápis, em parte ou em sua totalidade; f) estiver em branco;  

g) apresentar letra ilegível e/ou incompreensível. 

−  Em hipótese alguma o rascunho elaborado pelo candidato será considerado na correção da Prova de Redação. 

 

 

Em entrevista recente, o filósofo francês Alain Badiou explicou sua afirmação de que “a ecologia é o ópio do povo”, 

feita anteriormente. Segundo ele, “a ecologia é hoje um misticismo que não teme assumir tonalidades catastrofistas. Com o 
declínio das religiões históricas, a ecologia, com o acento que ela coloca em questões como ‘a preservação da natureza’, ou 
mesmo de uma relação perdida do homem com esta mesma natureza, parece-me uma nova forma de messianismo. Eu não 
me preocupo exatamente com o destino da natureza, preocupo-me com o destino dos homens. É essa preocupação que 
deveria pautar nossas ações atuais”. 

(Folha de S.Paulo, 6/7/14, com adaptações) 

 

Desenvolva um texto dissertativo-argumentativo, sobre as questões que Alain Badiou discute acima. Justifique seu 

ponto de vista. 

  

  

 

Caderno de Prova ’F’, Tipo 001