Prova Concurso - Engenharia - 2014-TRF-3-REGIAO-ANALISTA-JUDICIARIO-ENGENHARIA-CIVIL - FCC - TRF - 2014

Prova - Engenharia - 2014-TRF-3-REGIAO-ANALISTA-JUDICIARIO-ENGENHARIA-CIVIL - FCC - TRF - 2014

Detalhes

Profissão: Engenharia
Cargo: 2014-TRF-3-REGIAO-ANALISTA-JUDICIARIO-ENGENHARIA-CIVIL
Órgão: TRF
Banca: FCC
Ano: 2014
Nível: Superior

Downloads dos Arquivos

prova.pdf
gabarito.pdf

Provas relacionadas

ENGENHEIRO-NUCLEARAMAZUL2018
ENGENHEIRO-AREA-MECANICAUFPA2018
ENGENHEIRO-ENGENHARIA-MECANICAUFPA2018

Gabarito

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-gabarito.pdf-html.html

001 - B

002 - A

003 - C

004 - C

005 - A

006 - D
007 - B

008 - B

009 - E

010 - D

011 - A

012 - E

013 - C

014 - E

015 - C

016 - B
017 - D

018 - E

019 - A

020 - C

021 - C

022 - A

023 - B

024 - A

025 - B

026 - A
027 - E

028 - B

029 - D

030 - C

031 - D

032 - D

033 - E

034 - B

035 - E

036 - C
037 - C

038 - E

039 - B

040 - A

041 - D

042 - D

043 - C

044 - E

045 - A

046 - E
047 - B

048 - C

049 - A

050 - E

Tribunal Regional Federal da 3ª Região

Analista e Técnico Judiciário

Relação dos gabaritos

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS/ESTUDO DE CASO
Cargo ou opção 01 - ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA
Tipo gabarito 1

001 - B

002 - A

003 - C

004 - C

005 - A

006 - D
007 - B

008 - B

009 - E

010 - D

011 - A

012 - E

013 - C

014 - E

015 - C

016 - B
017 - D

018 - E

019 - A

020 - C

021 - E

022 - D

023 - E

024 - E

025 - B

026 - A
027 - D

028 - A

029 - B

030 - A

031 - D

032 - A

033 - C

034 - B

035 - E

036 - A
037 - B

038 - D

039 - C

040 - C

041 - A

042 - C

043 - D

044 - D

045 - E

046 - B
047 - B

048 - C

049 - E

050 - A

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS/ESTUDO DE CASO
Cargo ou opção 02 - AN JUD - ÁREA JUD - ESP OF JUST AVALIADOR FEDERAL
Tipo gabarito 1

001 - B

002 - E

003 - B

004 - D

005 - A

006 - D
007 - C

008 - E

009 - A

010 - E

011 - C

012 - D

013 - A

014 - B

015 - C

016 - D
017 - E

018 - A

019 - B

020 - C

021 - B

022 - D

023 - A

024 - E

025 - C

026 - A
027 - E

028 - B

029 - D

030 - B

031 - E

032 - C

033 - A

034 - A

035 - D

036 - E
037 - C

038 - D

039 - A

040 - D

041 - B

042 - E

043 - D

044 - C

045 - A

046 - C
047 - E

048 - B

049 - D

050 - A

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS/ESTUDO DE CASO
Cargo ou opção 03 - AN JUD - ÁREA APOIO ESP - ESP ARQUIVOLOGIA
Tipo gabarito 1

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-gabarito.pdf-html.html

001 - B

002 - E

003 - B

004 - D

005 - A

006 - D
007 - C

008 - E

009 - A

010 - E

011 - C

012 - D

013 - A

014 - B

015 - C

016 - D
017 - E

018 - A

019 - B

020 - C

021 - C

022 - B

023 - D

024 - A

025 - E

026 - C
027 - E

028 - A

029 - D

030 - B

031 - D

032 - B

033 - E

034 - A

035 - E

036 - C
037 - C

038 - B

039 - D

040 - D

041 - A

042 - C

043 - E

044 - C

045 - B

046 - B
047 - E

048 - A

049 - D

050 - A

Tribunal Regional Federal da 3ª Região

Analista e Técnico Judiciário

Relação dos gabaritos

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS/ESTUDO DE CASO
Cargo ou opção 04 - AN JUD - ÁREA APOIO ESP - ESP BIBLIOTECONOMIA
Tipo gabarito 1

001 - B

002 - E

003 - B

004 - D

005 - A

006 - D
007 - C

008 - E

009 - A

010 - E

011 - C

012 - D

013 - A

014 - B

015 - C

016 - D
017 - E

018 - A

019 - B

020 - C

021 - C

022 - B

023 - D

024 - E

025 - B

026 - D
027 - E

028 - B

029 - A

030 - C

031 - A

032 - E

033 - A

034 - C

035 - C

036 - A
037 - B

038 - C

039 - E

040 - E

041 - D

042 - E

043 - B

044 - C

045 - D

046 - D
047 - B

048 - D

049 - A

050 - B

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS/ESTUDO DE CASO
Cargo ou opção 05 - AN JUD - ÁREA APOIO ESP - ESP CONTADORIA
Tipo gabarito 1

001 - B

002 - E

003 - B

004 - D

005 - A

006 - D
007 - C

008 - E

009 - A

010 - E

011 - C

012 - D

013 - A

014 - B

015 - C

016 - D
017 - E

018 - A

019 - B

020 - C

021 - D

022 - A

023 - B

024 - C

025 - D

026 - A
027 - E

028 - D

029 - A

030 - B

031 - D

032 - E

033 - B

034 - C

035 - E

036 - B
037 - C

038 - E

039 - A

040 - C

041 - B

042 - A

043 - E

044 - D

045 - B

046 - C
047 - D

048 - A

049 - C

050 - E

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS/ESTUDO DE CASO
Cargo ou opção 06 - AN JUD - ÁREA APOIO ESP - ESP ENGENHARIA (CIVIL)
Tipo gabarito 1

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-gabarito.pdf-html.html

001 - B

002 - E

003 - B

004 - D

005 - A

006 - D
007 - C

008 - E

009 - A

010 - E

011 - C

012 - D

013 - A

014 - B

015 - C

016 - D
017 - E

018 - A

019 - B

020 - C

021 - A

022 - E

023 - D

024 - A

025 - E

026 - C
027 - B

028 - C

029 - E

030 - D

031 - B

032 - C

033 - A

034 - B

035 - B

036 - C
037 - D

038 - C

039 - C

040 - A

041 - B

042 - D

043 - A

044 - E

045 - A

046 - D
047 - E

048 - C

049 - C

050 - B

Tribunal Regional Federal da 3ª Região

Analista e Técnico Judiciário

Relação dos gabaritos

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS/ESTUDO DE CASO
Cargo ou opção 07 - AN JUD - ÁREA APOIO ESP - ESP ENGENHARIA(MECÂNICA)
Tipo gabarito 1

001 - B

002 - E

003 - B

004 - D

005 - A

006 - D
007 - C

008 - E

009 - A

010 - E

011 - C

012 - D

013 - A

014 - B

015 - C

016 - D
017 - E

018 - A

019 - B

020 - C

021 - A

022 - E

023 - B

024 - E

025 - D

026 - B
027 - C

028 - A

029 - E

030 - C

031 - D

032 - B

033 - A

034 - C

035 - B

036 - E
037 - D

038 - C

039 - D

040 - A

041 - E

042 - D

043 - A

044 - B

045 - D

046 - B
047 - C

048 - A

049 - E

050 - C

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS/ESTUDO DE CASO
Cargo ou opção 08 - AN JUD - ÁREA APOIO ESP -ESP MEDICINA(CARDIOLOGIA)
Tipo gabarito 1

001 - B

002 - E

003 - B

004 - D

005 - A

006 - D
007 - C

008 - E

009 - A

010 - E

011 - C

012 - D

013 - A

014 - B

015 - C

016 - D
017 - E

018 - A

019 - B

020 - C

021 - A

022 - B

023 - E

024 - D

025 - E

026 - A
027 - E

028 - B

029 - C

030 - A

031 - E

032 - D

033 - B

034 - C

035 - D

036 - B
037 - D

038 - C

039 - A

040 - E

041 - C

042 - A

043 - C

044 - B

045 - D

046 - E
047 - A

048 - C

049 - B

050 - D

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS/ESTUDO DE CASO
Cargo ou opção 09 - AN JUD - ÁREA APOIO ESP - ESP MEDICINA (ORTOPEDIA)
Tipo gabarito 1

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-gabarito.pdf-html.html

001 - B

002 - E

003 - B

004 - D

005 - A

006 - D
007 - C

008 - E

009 - A

010 - E

011 - C

012 - D

013 - A

014 - B

015 - C

016 - D
017 - E

018 - A

019 - B

020 - C

021 - C

022 - E

023 - B

024 - E

025 - D

026 - B
027 - A

028 - E

029 - B

030 - C

031 - D

032 - C

033 - D

034 - E

035 - A

036 - C
037 - B

038 - D

039 - A

040 - A

041 - E

042 - B

043 - D

044 - B

045 - D

046 - A
047 - E

048 - C

049 - A

050 - C

Tribunal Regional Federal da 3ª Região

Analista e Técnico Judiciário

Relação dos gabaritos

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS/ESTUDO DE CASO
Cargo ou opção 10 - AN JUD - ÁREA APOIO ESP -ESP MEDICINA(PSIQUIATRIA)
Tipo gabarito 1

001 - B

002 - E

003 - B

004 - D

005 - A

006 - D
007 - C

008 - E

009 - A

010 - E

011 - C

012 - D

013 - A

014 - B

015 - C

016 - D
017 - E

018 - A

019 - B

020 - C

021 - D

022 - A

023 - C

024 - E

025 - B

026 - C
027 - B

028 - D

029 - D

030 - C

031 - C

032 - A

033 - A

034 - E

035 - C

036 - B
037 - B

038 - D

039 - E

040 - B

041 - A

042 - C

043 - D

044 - A

045 - E

046 - E
047 - D

048 - B

049 - C

050 - A

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS/ESTUDO DE CASO
Cargo ou opção 11 - AN JUD -ÁREA APOIO ESP-ESP PSICOLOGIA(DO TRABALHO)
Tipo gabarito 1

001 - B

002 - E

003 - B

004 - D

005 - A

006 - D
007 - C

008 - E

009 - A

010 - E

011 - C

012 - D

013 - A

014 - B

015 - C

016 - D
017 - E

018 - A

019 - B

020 - C

021 - A

022 - D

023 - B

024 - E

025 - D

026 - C
027 - B

028 - D

029 - E

030 - B

031 - E

032 - C

033 - C

034 - A

035 - A

036 - B
037 - A

038 - D

039 - E

040 - D

041 - D

042 - C

043 - A

044 - E

045 - A

046 - B
047 - E

048 - C

049 - B

050 - E

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS/ESTUDO DE CASO
Cargo ou opção 12 - AN JUD - ÁREA APOIO ESP - ESP SERVIÇO SOCIAL
Tipo gabarito 1

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-gabarito.pdf-html.html

001 - B

002 - E

003 - B

004 - D

005 - A

006 - D
007 - C

008 - E

009 - A

010 - E

011 - C

012 - D

013 - A

014 - B

015 - C

016 - D
017 - E

018 - A

019 - B

020 - C

021 - A

022 - A

023 - C

024 - E

025 - C

026 - E
027 - B

028 - B

029 - C

030 - B

031 - D

032 - C

033 - E

034 - E

035 - D

036 - A
037 - B

038 - D

039 - D

040 - D

041 - A

042 - D

043 - B

044 - C

045 - A

046 - A
047 - C

048 - E

049 - D

050 - B

Tribunal Regional Federal da 3ª Região

Analista e Técnico Judiciário

Relação dos gabaritos

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS/ESTUDO DE CASO
Cargo ou opção 13 - AN JUD - ÁREA APOIO ESP - ESP INFORMÁTICA
Tipo gabarito 1

001 - B

002 - E

003 - B

004 - D

005 - A

006 - D
007 - C

008 - E

009 - A

010 - E

011 - C

012 - D

013 - A

014 - B

015 - C

016 - D
017 - E

018 - A

019 - B

020 - C

021 - D

022 - A

023 - E

024 - C

025 - D

026 - A
027 - E

028 - D

029 - B

030 - D

031 - A

032 - B

033 - E

034 - C

035 - B

036 - C
037 - E

038 - A

039 - C

040 - E

041 - B

042 - A

043 - E

044 - D

045 - A

046 - A
047 - C

048 - E

049 - D

050 - B

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS/ESTUDO DE CASO
Cargo ou opção 14 - AN JUD - APOIO - ESP INFORMÁTICA(BANCO DE DADOS)
Tipo gabarito 1

001 - B

002 - E

003 - B

004 - D

005 - A

006 - D
007 - C

008 - E

009 - A

010 - E

011 - C

012 - D

013 - A

014 - B

015 - C

016 - D
017 - E

018 - A

019 - B

020 - C

021 - E

022 - B

023 - A

024 - E

025 - C

026 - D
027 - A

028 - B

029 - C

030 - D

031 - B

032 - D

033 - A

034 - E

035 - D

036 - B
037 - C

038 - E

039 - A

040 - C

041 - A

042 - E

043 - C

044 - B

045 - E

046 - A
047 - C

048 - E

049 - D

050 - B

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS/ESTUDO DE CASO
Cargo ou opção 15 - AN JUD - APOIO - ESP INFORMÁTICA(INFRAESTRUTURA)
Tipo gabarito 1

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-gabarito.pdf-html.html

001 - E

002 - A

003 - B

004 - E

005 - A

006 - A
007 - B

008 - E

009 - C

010 - B

011 - E

012 - C

013 - D

014 - D

015 - B

016 - A
017 - C

018 - D

019 - C

020 - D

021 - E

022 - B

023 - C

024 - A

025 - D

026 - C
027 - A

028 - B

029 - A

030 - D

031 - D

032 - E

033 - B

034 - D

035 - A

036 - A
037 - C

038 - E

039 - B

040 - A

041 - C

042 - E

043 - B

044 - A

045 - E

046 - C
047 - E

048 - D

049 - A

050 - A

Tribunal Regional Federal da 3ª Região

Analista e Técnico Judiciário

Relação dos gabaritos

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS/REDAÇÃO
Cargo ou opção 16 - TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA
Tipo gabarito 1

001 - C

002 - B

003 - A

004 - C

005 - E

006 - A
007 - D

008 - A

009 - D

010 - E

011 - B

012 - E

013 - A

014 - C

015 - D

016 - B
017 - D

018 - D

019 - A

020 - E

021 - A

022 - C

023 - D

024 - C

025 - E

026 - B
027 - D

028 - E

029 - D

030 - C

031 - A

032 - B

033 - D

034 - A

035 - E

036 - B
037 - C

038 - E

039 - A

040 - B

041 - C

042 - D

043 - B

044 - C

045 - E

046 - A
047 - B

048 - A

049 - E

050 - D

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS
Cargo ou opção 17 - TÉC JUD - ÁREA ADM - ESP SEGURANÇA E TRANSPORTE
Tipo gabarito 1

001 - C

002 - B

003 - A

004 - C

005 - E

006 - A
007 - D

008 - A

009 - D

010 - E

011 - B

012 - E

013 - A

014 - C

015 - D

016 - B
017 - D

018 - D

019 - A

020 - E

021 - D

022 - E

023 - B

024 - B

025 - A

026 - E
027 - B

028 - C

029 - D

030 - C

031 - D

032 - E

033 - C

034 - A

035 - C

036 - A
037 - B

038 - D

039 - E

040 - A

041 - E

042 - D

043 - A

044 - C

045 - E

046 - D
047 - B

048 - C

049 - B

050 - D

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS
Cargo ou opção 18 - TÉC JUD - ÁREA ADM - ESP TELECOM E ELETRICIDADE
Tipo gabarito 1

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-gabarito.pdf-html.html

001 - C

002 - B

003 - A

004 - C

005 - E

006 - A
007 - D

008 - A

009 - D

010 - E

011 - B

012 - E

013 - A

014 - C

015 - D

016 - B
017 - D

018 - D

019 - A

020 - E

021 - A

022 - B

023 - C

024 - E

025 - C

026 - B
027 - E

028 - D

029 - B

030 - D

031 - E

032 - D

033 - C

034 - E

035 - B

036 - C
037 - C

038 - A

039 - A

040 - C

041 - D

042 - D

043 - A

044 - B

045 - E

046 - D
047 - B

048 - A

049 - E

050 - A

Tribunal Regional Federal da 3ª Região

Analista e Técnico Judiciário

Relação dos gabaritos

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS
Cargo ou opção 19 - TÉC JUD - ÁREA APOIO ESP - ESP CONTABILIDADE
Tipo gabarito 1

001 - C

002 - B

003 - A

004 - C

005 - E

006 - A
007 - D

008 - A

009 - D

010 - E

011 - B

012 - E

013 - A

014 - C

015 - D

016 - B
017 - D

018 - D

019 - A

020 - E

021 - B

022 - C

023 - A

024 - D

025 - D

026 - C
027 - E

028 - B

029 - D

030 - C

031 - E

032 - B

033 - A

034 - C

035 - D

036 - E
037 - B

038 - A

039 - D

040 - E

041 - C

042 - D

043 - A

044 - A

045 - C

046 - B
047 - E

048 - B

049 - E

050 - A

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS
Cargo ou opção 20 - TÉC JUD - ÁREA APOIO ESP - ESP ENFERMAGEM
Tipo gabarito 1

001 - C

002 - B

003 - A

004 - C

005 - E

006 - A
007 - D

008 - A

009 - D

010 - E

011 - B

012 - E

013 - A

014 - C

015 - D

016 - B
017 - D

018 - D

019 - A

020 - E

021 - C

022 - A

023 - D

024 - A

025 - D

026 - B
027 - C

028 - E

029 - C

030 - A

031 - B

032 - E

033 - D

034 - E

035 - B

036 - C
037 - D

038 - A

039 - B

040 - E

041 - A

042 - D

043 - C

044 - D

045 - E

046 - C
047 - B

048 - E

049 - A

050 - D

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS/ESTUDO DE CASO
Cargo ou opção 21 - TÉC JUD - ÁREA APOIO ESP - ESP INFORMÁTICA
Tipo gabarito 1

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-gabarito.pdf-html.html

001 - C

002 - B

003 - A

004 - C

005 - E

006 - A
007 - D

008 - A

009 - D

010 - E

011 - B

012 - E

013 - A

014 - C

015 - D

016 - B
017 - D

018 - D

019 - A

020 - E

021 - C

022 - D

023 - A

024 - D

025 - B

026 - E
027 - A

028 - B

029 - D

030 - E

031 - B

032 - A

033 - E

034 - C

035 - D

036 - E
037 - B

038 - A

039 - A

040 - B

041 - C

042 - E

043 - D

044 - E

045 - A

046 - B
047 - D

048 - B

049 - A

050 - C

Tribunal Regional Federal da 3ª Região

Analista e Técnico Judiciário

Relação dos gabaritos

CONHEC GERAIS/CONHEC ESPECÍFICOS
Cargo ou opção 22 - TÉC JUD - ÁREA APOIO ESP - ESP SEG. DO TRABALHO
Tipo gabarito 1

Prova

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

N do Caderno

o

N de Inscrição

o

ASSINATURA DO CANDIDATO

N do Documento

o

Nome do Candidato

P R O V A

A

C D E

Janeiro/2014

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3 REGIÃO

a

Concurso Público para provimento de cargos de

Conhecimentos Gerais
Conhecimentos Específicos
Estudo de Caso

INSTRUÇÕES

VOCÊ DEVE

ATENÇÃO

- Verifique se este caderno:

- corresponde a sua opção de cargo.

- contém 50 questões, numeradas de 1 a 50.

- contém as propostas e o espaço para o rascunho dos Estudos de Caso.

Caso contrário, reclame ao fiscal da sala um outro caderno.

Não serão aceitas reclamações posteriores.

- Para cada questão existe apenas UMA resposta certa.

- Você deve ler cuidadosamente cada uma das questões e escolher a resposta certa.

- Essa resposta deve ser marcada na FOLHA DE RESPOSTAS que você recebeu.

- Procurar, na FOLHA DE RESPOSTAS, o número da questão que você está respondendo.

- Verificar no caderno de prova qual a letra (A,B,C,D,E) da resposta que você escolheu.

- Marcar essa letra na FOLHA DE RESPOSTAS, conforme o exemplo:

- Ler o que se pede na Prova de Estudo de Caso e utilizar, se necessário, o espaço para rascunho.

-

- Marque apenas uma letra para cada questão, mais de uma letra assinalada implicará anulação dessa questão.

- Responda a todas as questões.

- Não será permitida qualquer espécie de consulta, nem o uso de máquina calculadora.

- Em hipótese alguma o rascunho da Prova de Estudo de Caso será corrigido.

- Você deverá transcrever a Prova de Estudo de Caso, a tinta, no caderno apropriado.

- A duração da prova é de 4 horas e 30 minutos para responder a todas as questões objetivas, preencher a Folha de

Respostas, e fazer a Prova de Estudo de Caso (rascunho e transcrição) no caderno correspondente.

- Ao término da prova, chame o fiscal da sala e devolva todo o material recebido.

- Proibida a divulgação ou impressão parcial ou total da presente prova. Direitos Reservados.

Marque as respostas com caneta esferográfica de material transparente, de tinta preta ou azul. Não será permitido o uso de

lápis, lapiseira, marca-texto ou borracha durante a realização das provas.

Analista Judiciário - Área Apoio Especializado

Engenharia (Civil)

Caderno de Prova ’06’, Tipo 001

MODELO

0000000000000000

MODELO1

00001−0001−0001

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

 

TRF3R-Conhecimentos Gerais

2

 

 

CONHECIMENTOS GERAIS 

 

Português 

 

Atenção:    Para responder às questões de números 1 a 5, con-

sidere o texto abaixo. 

 
 

A dor, juntamente com a morte, é sem dúvida a expe-

riência humana mais bem repartida: nenhum privilegiado 

reivindica ignorância em relação a ela ou se vangloria de 

conhecê-la melhor que qualquer outro. Violência nascida no 

próprio âmago do indivíduo, ela dilacera sua presença e o 

esgota, dissolve-o no abismo que nele se abriu, esmaga-o no 

sentimento de um imediato sem nenhuma perspectiva. Rom- 

pe-se a evidência da relação do indivíduo consigo e com o 

mundo.  

A dor quebra a unidade vivida do homem, transparente 

para si mesmo enquanto goza de boa saúde, confiante em seus 

recursos, esquecido do enraizamento físico de sua existência, 

desde que nenhum obstáculo se interponha entre seus projetos 

e o mundo. De fato, na vida cotidiana o corpo se faz invisível, 

flexível; sua espessura é apagada pelas ritualidades sociais e 

pela repetição incansável de situações próximas umas das ou-

tras. Aliás, esse ocultar o corpo da atenção do indivíduo leva 

René Leriche a definir a saúde como “a vida no silêncio dos ór-

gãos”. Georges Canguilhem acrescenta que ela é um estado de 

“inconsciência em que o sujeito é de seu corpo”.  

(Adaptado de: BRETON, David Le. Antropologia da Dor, São 
Paulo, Editora Fap-Unifesp, 2013, p. 25-6)

 

 
 
1. 

Conforme o texto, a 

 

(A)  saúde, ao contrário da dor, torna o homem apto à 

percepção corporal, uma vez que não impõe barrei-
ras inflexíveis. 

 
(B)  dor, ao contrário da saúde, possibilita ao homem a 

tomada de consciência sobre seu próprio corpo. 

 
(C)  dor, como sintoma da doença, estabelece uma re-

lação de pertença entre corpo e sujeito. 

 
(D)  saúde, como estado de plenitude, torna perceptível a 

cisão entre corpo e sujeito. 

 
(E)  dor, diferentemente da saúde, leva ao ocultamento 

do sujeito frente a seu corpo. 

2. 

... 

esse ocultar o corpo da atenção do indivíduo... 

 

... definir a saúde como “a vida no silêncio dos órgãos”.   
(final do texto) 

 

 

Os segmentos acima expressam, respectivamente,  

 

(A) consequência 

finalidade. 

 
(B) condição 

necessidade. 

 
(C) consequência 

condição. 

 
(D) causa 

finalidade. 

 
(E) causa 

decorrência. 

_________________________________________________________ 

 

3. 

Os pronomes grifados nos segmentos ... enraizamento fí-
sico de
  sua existência, ... sua espessura é apagada... e  
...
 ela é um estado de inconsciência... (2

o

 parágrafo) refe-

rem-se, respectivamente, a: 

 

(A)  enraizamento físico, corpo e atenção do indivíduo. 
 
(B)  homem, corpo e saúde. 
 
(C)  dor, vida cotidiana e saúde. 
 
(D)  enraizamento físico, corpo e vida no silêncio. 
 
(E)  homem, vida cotidiana e saúde. 

_________________________________________________________ 

 

4. 

Violência nascida no próprio âmago do indivíduo, ela dila-
cera sua presença e o esgota, dissolve-o no abismo que 
nele se abriu, esmaga-o no sentimento de um imediato 
sem nenhuma perspectiva
.   (1

o

 parágrafo) 

 

 

Uma redação alternativa para a frase acima, em que se 
mantêm a correção e, em linhas gerais, o sentido original, 
está em: 

 

(A)  Violência que, ao nascer no próprio interior do indi-

víduo, de modo a dilacerar e esgotar sua presença, 
dissolve-se no abismo que nele foi aberto, esmagan-
do-lhe o sentimento de um imediato sem nenhuma 
expectativa de futuro. 

 
(B)  Ela, enquanto violência nascida em seu interior, dila-

cera a presença do indivíduo, em que pese seu es-
gotamento, dissolvendo-se no abismo que nele 
passou a existir, esmagando-se no sentimento de 
um momento sem nenhuma esperança. 

 
(C)  Violência nascida em cuja essência a presença do 

indivíduo é dilacerada, a ponto de esgotá-lo e de 
dissolvê-lo no abismo em que se configura, uma vez 
que o esmaga no sentimento de um presente ime-
diato sem perspectiva. 

 
(D)  Ela é violência que nasce no próprio cerne do in-

divíduo, de maneira a dilacerar sua presença e a es-
gotá-lo, a ponto de dissolvê-lo no abismo que nele 
passa a existir, esmagando-o no sentimento de um 
presente sem expectativa de futuro. 

 
(E)  Ela, como violência que nasce no interior do indiví-

duo, cuja presença dilacera e esgota, é dissolvida 
pelo abismo que nele se abriu, de tal modo que lhe 
esmaga o sentimento de um tempo presente sem 
esperança de futuro.   

Caderno de Prova ’06’, Tipo 001

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

 

TRF3R-Conhecimentos Gerais

2

 

5. 

Considere as frases abaixo. 

 

 

I

.  

Ao se suprimirem as vírgulas do trecho A dor, 
juntamente com a morte, é sem dúvida a experiência 
humana..., 
o verbo deverá ser flexionado no plural. 

 
 

II

.  

Na frase Georges Canguilhem acrescenta que ela é 
um estado de “inconsciência em que o sujeito é de 
seu corpo”
, pode-se acrescentar uma vírgula ime-
diatamente após inconsciência, sem prejuízo para a 
correção. 

 

 

III

.  

Na frase De fato, na vida cotidiana o corpo se faz 
invisível, flexível; sua espessura é apagada pelas ri-
tualidades sociais
..., o ponto e vírgula pode ser 
substituído, sem prejuízo para a correção e o sen-
tido original, por dois-pontos.  

 

 

Está correto o que se afirma APENAS em 

 

(A) 

II

 e 

III

 

(B) 

I

 e 

II

 

(C) 

I

 
(D) 

II

 
(E) 

I

 e 

III

_________________________________________________________ 

 

6. 

Em nossa cultura, ...... experiências ...... passamos soma-
se ...... dor, considerada como um elemento formador do 
caráter, contexto ...... pathos pode converter-se em éthos.   

 

 

Preenchem corretamente as lacunas da frase acima, na 
ordem dada: 

 

(A) às 

− porque 

− a − em 

que 

 
(B) às 

− pelas 

quais 

− à − de 

que 

 
(C) as 

− que 

− à −  com que  

 
(D) às 

− por 

que 

− a − no 

qual 

 
(E) as 

− por 

que 

− a − do 

qual 

_________________________________________________________ 

 

Atenção:  Para responder às questões de números 7 a 10, 

considere o texto abaixo. 

 

Menino do mato 

 

Eu queria usar palavras de ave para escrever. 
Onde a gente morava era um lugar imensamente e sem 
 

 

 

 

 

         [ nomeação. 

Ali a gente brincava de brincar com palavras 
tipo assim: Hoje eu vi uma formiga ajoelhada na pedra! 
A Mãe que ouvira a brincadeira falou: 
Já vem você com suas visões! 
Porque formigas nem têm joelhos ajoelháveis 
e nem há pedras de sacristias por aqui. 
Isso é traquinagem da sua imaginação. 
O menino tinha no olhar um silêncio de chão 
e na sua voz uma candura de Fontes. 
O Pai achava que a gente queria desver o mundo 
para encontrar nas palavras novas coisas de ver 
assim: eu via a manhã pousada sobre as margens do 
rio do mesmo modo que uma garça aberta na solidão 
de uma pedra. 
Eram novidades que os meninos criavam com as suas 
palavras. 

Assim Bernardo emendou nova criação: Eu hoje vi um 
sapo com olhar de árvore. 
Então era preciso desver o mundo para sair daquele 
lugar imensamente e sem lado. 
A gente queria encontrar imagens de aves abençoadas 
pela inocência. 
O que a gente aprendia naquele lugar era só ignorâncias 
para a gente bem entender a voz das águas e 
dos caracóis. 
A gente gostava das palavras quando elas perturbavam 
o sentido normal das ideias. 
Porque a gente também sabia que só os absurdos 
enriquecem a poesia. 

 

(BARROS, Manoel de, Menino do Mato, em Poesia Com-
pleta
, São Paulo, Leya, 2013, p. 417-8.) 

 

 

7. 

De acordo com o poema,  

 

(A)  os sentidos atribuídos às palavras pelo menino ade-

quavam-se, na verdade,  às ideias normais, que, por 
seu turno, iam constituindo sua compreensão de 
mundo. 

 
(B)  os absurdos, muito embora concernentes à poesia, 

eram compreendidos pela mãe como fruto da igno-
rância do menino.  

 
(C)  as visões a que a mãe se refere são, para o menino, 

alterações no sentido usual das ideias, com que 
reinventava o mundo que o cercava. 

 
(D)  as novidades que o mundo apresentava ao menino 

precisavam de palavras novas para serem descritas, 
pois a linguagem se mostrava pobre para a imen-
sidão de seu mundo. 

 
(E)  as imagens vistas pelo menino eram reflexo de sua 

imaginação, livre da linguagem de que fazia uso 
para  descrevê-las. 

_________________________________________________________ 

 

8. 

Considere as frases abaixo. 

 
 

I

. No 

verso 

O que a gente aprendia naquele lugar era 

só ignorâncias, o verbo destacado pode ser fle-
xionado no plural, sem prejuízo para a correção e o 
sentido original. 

 

 

II

.  Em seguida ao termo voz, no verso e na sua voz 

uma candura de Fontes, pode-se acrescentar uma 
vírgula, sem prejuízo para a correção e o sentido 
original. 

 

 

III

.  Sem que nenhuma outra alteração seja feita, no 

verso  e nem há pedras de sacristias por aqui, o 
verbo pode ser substituído por existe, mantendo-se 
a correção e o sentido original. 

 

 

Está correto o que se afirma APENAS em 

 
(A) 

II

 e 

III

 
(B) 

I

 e 

III

 
(C) 

II

 
(D) 

III

 
(E) 

I

 e 

II

Caderno de Prova ’06’, Tipo 001

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

 

TRF3R-Conhecimentos Gerais

2

 

9. 

Em uma redação em prosa, para um segmento do poema, 
a pontuação se mantém correta em: 

 

(A)  A Mãe, que tinha ouvido a brincadeira, falou: “Já 

vem você com suas visões!” Porque formigas nem 
têm joelhos ajoelháveis, nem há pedras de sacristias 
por aqui: “Isso é traquinagem da sua imaginação”.  

 
 
(B)  A Mãe que tinha ouvido a brincadeira, falou: 

− Já 

vem você com suas visões! Porque formigas nem 
têm joelhos ajoelháveis, nem há pedras de sacristias 
por aqui: 

− Isso é traquinagem da sua imaginação.  

 
 
(C)  A Mãe, que tinha ouvido a brincadeira falou: “Já vem 

você com suas visões!, porque formigas, nem têm 
joelhos ajoelháveis, nem há pedras de sacristias por 
aqui. Isso é traquinagem da sua imaginação”.  

 
 
(D)  A Mãe que tinha ouvido a brincadeira, falou: “Já 

vem, você com suas visões!”; porque formigas nem 
têm joelhos ajoelháveis e nem há pedras de 
sacristias por aqui. Isso é traquinagem da sua 
imaginação.  

 
 
(E)  A Mãe que, tinha ouvido a brincadeira, falou: “Já 

vem você com suas visões!” Porque formigas, nem 
têm joelhos ajoelháveis, nem há pedras de sacristias 
por aqui. “Isso, é traquinagem da sua imaginação”.  

_________________________________________________________ 

 

10.  A frase que admite transposição para a voz passiva está 

em: 

 

(A)  Isso é traquinagem da sua imaginação. 
 

 
(B)  ... nem há pedras de sacristias por aqui. 
 

 
(C)  Já vem você com suas visões! 
 

 
(D)  ... para sair daquele lugar imensamente e sem lado. 
 

 

(E)  ... para a gente bem entender a voz das águas e dos 

caracóis. 

_________________________________________________________ 

 

Raciocínio Lógico-Matemático 

 

11.  Diante, apenas, das premissas “Nenhum piloto é médico”, 

“Nenhum poeta é médico” e “Todos os astronautas são 
pilotos”, então é correto afirmar que 

 

(A)  algum astronauta é médico. 
 

 
(B)  todo poeta é astronauta. 
 

 
(C)  nenhum astronauta é médico. 
 

 
(D)  algum poeta não é astronauta. 
 

 
(E)  algum poeta é astronauta e algum piloto não é mé-

dico. 

12.  O dinheiro de Antônio é a quarta parte do de Bianca que, 

por sua vez, é 80% do dinheiro de Cláudia. Mexendo 
apenas no dinheiro de Antônio, um aumento de x% fará 
com que ele fique com o mesmo dinheiro que Cláudia tem. 
Nas condições dadas, x é igual a 

 

(A) 500. 
 
 
(B) 800. 
 
 
(C) 900. 
 
 
(D) 400. 
 
 
(E) 300. 

_________________________________________________________ 

 

13.  Um cofrinho possui apenas moedas de 25 centavos e 

moedas de 1 real, em um total de 50 moedas. Sabe-se 
que a diferença entre o total de moedas de 25 centavos e 
de 1 real do cofrinho, nessa ordem, é igual a 24 moedas. 
O total de moedas de maior valor monetário em relação ao 
total de moedas de menor valor monetário nesse cofrinho 
corresponde, em %, a, aproximadamente, 

 

(A) 35. 
 
 
(B) 42. 
 
 
(C) 28. 
 
 
(D) 32. 
 
 
(E) 44. 

_________________________________________________________ 

 

14.  Um tabuleiro de xadrez possui 64 casas. Se fosse possí-

vel colocar 1 grão de arroz na primeira casa, 4 grãos na 
segunda, 16 grãos na terceira, 64 grãos na quarta, 256 na 
quinta, e assim sucessivamente, o total de grãos de arroz 
que deveria ser colocado na 64

a

 casa desse tabuleiro 

seria igual a 

 

(A) 2

64

 
 

(B) 2

126

 
 
(C) 2

66

 
 

(D) 2

128

 
 
(E) 2

256

Caderno de Prova ’06’, Tipo 001

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

 

TRF3R-Conhecimentos Gerais

2

 

 

Noções de Direito Penal 

 

15.  No que concerne aos crimes contra o patrimônio,  
 

(A)  se o agente obteve vantagem ilícita, em prejuízo da 

vítima, mediante fraude, responderá pelo delito de 
extorsão. 

 

(B)  se, no crime de roubo, em razão da violência empre-

gada pelo agente, a vítima sofreu lesões corporais 
leves, a pena aumenta-se de um terço. 

 

(C)  se configura o crime de receptação mesmo se a 

coisa tiver sido adquirida pelo agente sabendo ser 
produto de crime não classificado como de natureza 
patrimonial. 

 

(D)  não comete infração penal quem se apropria de coi-

sa alheia vinda a seu poder por erro, caso fortuito ou 
força da natureza. 

 

(E)  o corte e a subtração de eucaliptos de propriedade 

alheia não configura, em tese, o crime de furto por 
não se tratar de bem móvel. 

_________________________________________________________ 

 

16.  A respeito dos Crimes contra a Administração pública, 

considere: 

 
 

I

.  Equipara-se a funcionário público quem trabalha 

para empresa prestadora de serviço contratada pa-
ra a execução de atividade típica da Administração 
pública. 

 

 

II

.  A pena será aumentada da terça parte quando os 

autores dos delitos forem ocupantes de cargos em 
comissão. 

 

 

III

.  Se o agente for ocupante de função de assessora-

mento de fundação instituída pelo poder público 
não terá, por esse motivo, a pena aumentada. 

 

 

Está correto o que se afirma APENAS em 

 

(A) 

II

 

(B) 

I

 e 

III

 

(C) 

II

 e 

III

 

(D) 

I

 e 

II

 

(E) 

III

 

_________________________________________________________ 

 

Noções de Direito Administrativo 

 

17.  Determinado órgão da Administração pública federal pre-

tende contratar, para evento cultural comemorativo aberto 
ao público, um profissional do setor artístico. De acordo 
com as disposições da Lei n

o

 8.666/93, referida contra-

tação 

 

(A)  deve, necessariamente, ser precedida de procedi-

mento licitatório. 

 

(B)  prescinde de prévio procedimento licitatório, se o 

valor da contratação for de até R$80.000,00 (oitenta 
mil reais). 

 

(C)  pode ser feita com dispensa de licitação desde que 

se trate de profissional de notória especialização. 

 

(D)  deve ser precedida de procedimento licitatório, me-

diante carta convite a, pelo menos, cinco pro-
fissionais consagrados pela crítica especializada. 

 

(E)  prescinde de licitação, que se afigura inexigível des-

de que o artista seja consagrado pela crítica espe-
cializada ou opinião pública. 

18.  Claudio, servidor público federal ocupante de cargo efeti-

vo, foi colocado em disponibilidade em face da extinção do 
órgão no qual estava lotado. Posteriormente, o Órgão 
Central do Sistema de Pessoal Civil determinou o imediato 
provimento, por Cláudio, de vaga aberta junto a outro ór-
gão da Administração pública federal. De acordo com as 
disposições da Lei n

o

 8.112/90, referida situação caracte-

riza 

 

(A)  aproveitamento, cabível desde que se trate de cargo 

com vencimentos e atribuições compatíveis com o 
anteriormente ocupado pelo servidor. 

 
(B)  recondução, obrigatória apenas se o servidor estiver 

em disponibilidade há menos de 5 (cinco) anos. 

 
(C)  reintegração, somente obrigatória em se tratando de 

órgão sucessor do extinto nas respectivas atribuições. 

 
(D)  reversão, facultativa para o servidor, que poderá 

optar por permanecer em disponibilidade, recebendo 
50% (cinquenta por cento) de seus vencimentos. 

 
(E)  redistribuição, obrigatória para o servidor, indepen-

dentemente dos vencimentos do novo cargo. 

_________________________________________________________ 

 

Noções de Direito Constitucional 

 

19.  A Constituição Federal de 1988, ao disciplinar o regime ju-

rídico do estrangeiro residente no país, estabeleceu que, 
quanto a eles, 

 

(A)  não se aplicam os direitos sociais conferidos aos tra-

balhadores urbanos. 

 
(B)  garante-se, como regra geral, a inviolabilidade do di-

reito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e 
à propriedade em condições idênticas aos brasi-
leiros. 

 
(C)  podem alistar-se como eleitores independentemente 

de naturalização, desde que residentes há mais de 
10 anos no país. 

 
(D)  não podem impetrar diretamente habeas corpus em 

caso de prisão, ainda que ilegal ou decorrente de 
abuso de poder. 

 
(E)  não podem invocar o direito de acesso à educação, 

mesmo no ensino fundamental, sendo mera faculda-
de da Administração pública, provê-lo, havendo ex-
cedente de vagas. 

_________________________________________________________ 

 

20.  A proibição de que determinado governo 

− de qualquer 

nível 

− ao exteriorizar em placas, anúncios, propaganda e 

outros meios de divulgação de suas obras, faça qualquer 
referência ao nome do Presidente, Governador ou Prefeito 
ou do Partido Político ou coligação pelo qual foi eleito é 
uma decorrência do princípio constitucional da 

 

(A) publicidade. 
 
(B) legalidade. 
 
(C) impessoalidade. 
 
(D) eficiência. 
 
(E) finalidade. 

Caderno de Prova ’06’, Tipo 001

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

TRF3R-An.Jud.-Eng.(Civil)-06

 

 

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 

 

21.  O IBGE está adotando um sistema geodésico de referência que será único na América Latina. Esse sistema tem por objetivo por 

fim em uma série de problemas originados na discrepância entre as coordenadas geográficas apresentadas pelo sistema GPS e 
aquelas encontradas nos mapas utilizados atualmente no continente. Também, será possível fazer uso direto da tecnologia 
GPS. Esse sistema é o 

 

(A) Chuá. 
(B) SAD 

69. 

(C) Córrego 

Alegre. 

(D) SIRGAS 

2000. 

(E) WGS 

84. 

 

 

22.  Considerando a finalidade do levantamento planialtimétrico e a densidade das informações a serem representadas, pode ser 

definida a classe do levantamento. Sobre as classes de levantamento, afirma-se: 

 

 

I

.  São determinadas em função do tipo de levantamento de áreas, cadastral ou planimétrica. 

 

 

II

.  Indicam a escala de apresentação do levantamento e a equidistância das curvas de nível. 

 

 

III

.  Independem da declividade do terreno a ser medido. 

 

 

IV

.  Indicam quais as visadas máximas possíveis.  

 

 

Está correto o que consta em 

 

(A) 

I

II

 e 

IV

, apenas. 

(B) 

I

II

 e 

III

, apenas. 

(C) 

II

 e 

III

, apenas. 

(D) 

I

 e 

IV

, apenas. 

(E) 

I

II

III

 e 

IV

 

 

23.  Em terraplenagem, a definição dos equipamentos a serem utilizados depende dos materiais que se pretende movimentar. Os 

materiais denominados de 1

a

 categoria consistem em 

 

(A)  rochas fragmentadas cuja extração depende de ripper
(B)  solos e todos os materiais que podem ser escavados por tratores escavo-transportadores de pneus. 
(C)  solos cuja extração depende de escarificador. 
(D)  materiais que dependem de desmonte prévio com escarificador e emprego descontínuo de explosivos de baixa potência. 
(E)  rochas sãs, incluindo os matacões maciços. 

 

 

24.  Com base no ensaio de compactação Proctor, são definidas três energias para manipulação do solo: normal, intermediária e 

modificada. O comportamento de um mesmo tipo de solo, submetido a ensaios nas três energias, é descrito da seguinte forma: 
aumento de energia, a umidade ótima 

 

(A)  não varia e a massa específica aparente seca máxima aumenta. 
(B)  aumenta e a massa específica aparente seca máxima diminui. 
(C)  diminui e a massa específica aparente seca máxima aumenta. 
(D)  e a massa específica aparente seca máxima não variam. 
(E)  diminui e a massa específica aparente seca máxima não varia. 

 

 

25.  Para a drenagem de vias, são implantados dispositivos para o controle das águas superficiais, subsuperficiais e profundas. Nos 

trechos de terraplenagem em corte, é comum a instalação de um dispositivo de drenagem com o objetivo de coletar as águas do 
lençol freático, que é 

 

(A) a 

sarjeta. 

(B)  a valeta de proteção de corte. 
(C)  o dreno raso longitudinal. 
(D)  o dreno longitudinal profundo. 
(E)  o bueiro de greide. 

 

 

26.  Sobre os solos e suas características, considere: 

 

 

I

.  O depósito sedimentar constituído por material transportado pela água corrente denomina-se aluvião. 

 

 

II

.  Areia com grãos de diâmetros compreendidos entre 0,20 mm e 0,60 mm denomina-se areia média. 

 

 

III

.  Argila sensível é a argila cuja resistência no estado natural é maior que no estado amolgado. 

 

 

IV

.  O processo de formação de solos típicos de climas quentes e úmidos, que se caracteriza pela concentração eluvial de 

óxidos e hidróxidos, principalmente, de alumínio e ferro denomina-se laterização. 

 

 

Está correto o que consta em 

 

(A) 

I

II

III

 e 

IV

(B) 

I

 e 

III

, apenas. 

(C) 

II

 e 

III

, apenas. 

(D) 

I

 e 

IV

, apenas. 

(E) 

II

 e 

IV

, apenas. 

 

Caderno de Prova ’06’, Tipo 001

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

TRF3R-An.Jud.-Eng.(Civil)-06

 

27.  Em laboratório, uma amostra de solo no estado natural com 90 cm

3

 de volume teve sua massa medida igual a 162 g. A amostra 

foi colocada em estufa e teve a massa novamente medida, agora igual a 135 g. O teor de umidade da amostra é igual a 
 
(A)    1,5%. 
(B)    8,3%. 
(C)    1,8%. 
(D) 16,6%. 
(E)     20%. 

 
 
28.  Em laboratório, duas amostras de solo são comparadas quanto à sua consistência. O solo A possui LL (Limite de Liquidez) igual 

a 71% e LP (Limite de Plasticidade) igual a 40%. O solo B possui LP igual a 21% e IP (Índice de Plasticidade) igual a 32%. Isto 
posto, é correto afirmar que 
 
(A)  o solo B na umidade de 30% apresenta comportamento líquido. 
(B)  o solo A na umidade de 30% apresenta comportamento plástico. 
(C)  ambos solos na umidade de 45%, o B será mais consistente. 
(D)  com ambos solos na umidade de 45%, o A será mais consistente. 
(E)  ambos solos na umidade de 45%, terão a mesma consistência. 

 
 
29.  Solos são misturas trifásicas compostas por frações sólida, líquida (água) e gasosa (ar). O estado do solo é decorrente da 

proporção em que essas três fases se apresentam, e isso irá determinar como ele vai se comportar. A porosidade do solo pode 
ser expressa pela relação entre 
 
(A)  o volume de vazios e o volume total do solo. 
(B)  a massa total do solo e a massa de água. 
(C)  o volume de água e o volume de sólidos. 
(D)  o volume de vazios e o volume de sólidos. 
(E)  a massa de sólidos e a massa de água. 

 
 
30.  Um solo pode ser considerado como um conjunto formado por partículas de diversos tamanhos. A medida do tamanho das 

partículas constituintes de um solo é feita por meio da granulometria e para representação dessa medida utiliza-se uma curva de 
distribuição granulométrica. Observe a figura. 

 

100%

90%

80%

70%

60%

50%

40%

30%

20%

10%

0%

0,001

0,01

0,1

1

10

Solo I

Solo II

Solo III

Diâmetro (mm)

% P

a

ss

a

da

 

 
 

As curvas granulométricas dos solos 

I

II

 e 

III

, apresentadas na figura, podem ser classificadas, respectivamente, como 

curvas 

 

(A)  uniforme, contínua e descontínua. 
(B)  descontínua, uniforme e contínua. 
(C)  uniforme, uniforme e contínua. 
(D)  descontínua, contínua e uniforme. 
(E)  descontínua, descontínua e contínua. 

 

Caderno de Prova ’06’, Tipo 001

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

TRF3R-An.Jud.-Eng.(Civil)-06

 

31.  Os solos que apresentam baixa capacidade de suporte devido à quantidade de água subterrânea são comumente conhecidos 

como “solos moles”. Solos com estas características apresentam 
 
(A)  alto índice de permeabilidade, baixa resistência ao cisalhamento e baixa deformabilidade. 

(B)  baixo índice de permeabilidade, alta resistência ao cisalhamento e alta deformabilidade. 

(C)  alto índice de permeabilidade, alta resistência ao cisalhamento e alta deformabilidade. 

(D)  baixo índice de permeabilidade, baixa resistência ao cisalhamento e alta deformabilidade. 

(E)  baixo índice de permeabilidade, baixa resistência ao cisalhamento e baixa deformabilidade. 

 
 
32.  A função principal da adição de gesso ao clínquer, no processo de produção do cimento Portland, é 

 
(A) aumentar 

durabilidade. 

(B) aumentar 

finura. 

(C)  alterar a permeabilidade. 

(D)  controlar o calor de hidratação. 

(E)  controlar o tempo de pega. 

 
 
33.  O cimento Portland de alto-forno é o aglomerante hidráulico obtido pela mistura homogênea de clínquer Portland e escória gra-

nulada de alto-forno, moídos em conjunto ou em separado. As classes correspondentes ao cimento Portland de alto-forno são: 
 
(A) CP 

IV

-25  e  CP 

IV

-32. 

(B) CP 

III

-25,  CP 

III

-32  e  CP 

III

-40. 

(C) CP 

II

-25  e  CP 

II

-32. 

(D) CP 

V

-25  e  CP 

V

-32. 

(E) CP 

IV

-25,  CP 

IV

-32  e  CP 

IV

-40. 

 
 
34.  Os tubulões, quando comparados a outros tipos de fundações profundas, apresentam algumas desvantagens, tais como: 

 
(A)  níveis de vibrações e ruído gerado durante as escavações. 
 
(B)  custos de mobilização e desmobilização de equipamentos. 
 
(C)  riscos de desmoronamento durante as escavações. 
 
(D)  possibilidades de alteração das dimensões durante a escavação para compensar condições de subsolo distintas das 

inicialmente previstas. 

 
(E)  escavações que podem atravessar solos com pedras e matacões. 

 
 
35.  Em uma edificação de pequeno porte foram projetados dispositivos de fundação do tipo sapata. Para suportar a carga de um 

pilar foi projetada uma sapata quadrada com 2 m de lado. Sabendo que a tensão admissível do solo é igual a 0,375 MPa, a 
carga máxima no pilar, em kN, deve ser igual a 
 
(A) 3000. 
(B) 1,5. 
(C) 150. 
(D) 3,0. 
(E) 1500. 

 

 

36.  Em uma edificação foi implantada uma viga em concreto armado com 18 cm de largura e 40 cm de altura. O momento de inércia 

desta viga é igual a 
 
(A) 96 

m

4

(B) 96000 

cm

4

(C) 32000 

cm

4

(D) 320 

m

4

(E) 960 

m

4

.  

Caderno de Prova ’06’, Tipo 001

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

TRF3R-An.Jud.-Eng.(Civil)-06

 

37. Considere 

figura: 

 

A

B

q = 18 kN/m

4 m

 

 
 

O momento fletor, distante 1 m do apoio A, em kN

.

m, será igual a 

 
(A) 36. 
(B) 18. 
(C) 27. 
(D) 72. 
(E)    9. 

 
 
38.  Em relação à alvenaria estrutural, considere: 
 
 

I

.  As paredes de alvenaria estrutural não utilizam pilares e vigas e, consequentemente, não possuem armações. 

 
 

II

.  As paredes são chamadas de portantes e distribuem as cargas uniformemente ao longo das fundações. 

 
 

III

.  A alvenaria estrutural é o conjunto de peças justapostas, coladas em sua interface por uma argamassa apropriada e pos-

sui como função vedar espaços, resistir a cargas oriundas da gravidade, isolar e proteger acusticamente os ambientes. 

 
 

IV

.  As vergas são vigas especiais sobre determinados vãos, como portas e janelas. 

 
 

Está correto o que se afirma em 
 
(A) 

I

II

III

 e 

IV

(B) 

I

 e 

IV

, apenas. 

(C) 

I

III

 e 

IV

, apenas. 

(D) 

II

 e 

III

, apenas. 

(E) 

II

III

 e 

IV

, apenas. 

 
 
39.  A instalação de barras sub-horizontais de aço ou de materiais resistentes à tração em um maciço de terra tem a finalidade de 

estabilizar taludes de corte ou de escavação, sendo que essas inserções funcionam de forma ativa ou passiva. Como exemplo 
de contenção com ancoragem passiva NÃO se pode citar 
 
(A) a 

cortina 

atirantada. 

(B) a 

terra 

armada. 

(C)  o solo grampeado. 
(D)  o solo reforçado com geossintéticos. 
(E)  o muro de gabiões. 

 
 
40. Considere 

afirmação: 

 
 

“As paredes-diafragma são painéis de concreto, geralmente armado, pré-fabricados ou moldados in loco com a função de 
contenção em escavações de subsolo. Os painéis são executados por meio do preenchimento de trincheiras escavadas com o 
uso contínuo de lama 

I

, cuja função é estabilizar as paredes de escavação e contrabalançar o empuxo causado pelo lençol 

freático no terreno. Para a escavação, é empregado o equipamento 

II

.” 

 
 As 

lacunas 

I

 e 

II

 são preenchidas, correta e respectivamente, por 

 
(A) montmorilonita 

− 

clam shell hidráulico 

(B) bentonítica 

− tipo 

retroescavadeira 

(C) bentonítica 

− 

clam shell hidráulico 

(D) montmorilonita 

− perfuratriz 

(E) de 

quartzo 

− 

clam shell hidráulico 

 

Caderno de Prova ’06’, Tipo 001

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

10 

TRF3R-An.Jud.-Eng.(Civil)-06

 

41.  Em uma estrutura de madeira de um telhado, o componente conhecido como cumeeira é a 

 
(A)  peça de madeira colocada horizontalmente e pregada sobre os caibros, atuando como apoio das telhas cerâmicas. 

(B)  aresta horizontal delimitada pelo encontro entre duas águas, geralmente localizada na parte mais alta do telhado. 

(C)  treliça de madeira que serve de apoio para a trama. 

(D)  aresta inclinada delimitada pelo encontro entre duas águas que formam um ângulo saliente. 

(E)  projeção do telhado para fora do alinhamento da parede da fachada. 

 
 
42.  Em relação às saídas de emergência em edifícios, considere: 
 
 

I

.  As saídas de emergência são dimensionadas em função da população da edificação. 

 
 

II

.  A descarga, parte da saída de emergência de uma edificação, que fica entre a escada e a via pública ou área externa em 

comunicação com a via pública, pode ser constituída por: corredor ou átrio enclausurado, área em pilotis ou corredor a 
céu aberto. 

 
 

III

.  Um prédio é classificado como de classe Z 

− edificações em que a propagação do fogo é fácil − quando tiver qualquer 

peça estrutural ou entrepiso combustível ou não resistente ao fogo e desprotegido. 

 
 

IV

.  A classe Y corresponde às edificações em que a propagação do fogo é difícil. 

 
 

Está correto o que consta em 
 
(A) 

I

 e 

II

, apenas. 

(B) 

III

 e 

IV

, apenas. 

(C) 

I

 e 

IV

, apenas. 

(D) 

II

 e 

III

, apenas. 

(E) 

I

II

III

 e 

IV

 
 
43.  Segundo a NBR 9050, para as dimensões referenciais são adotadas algumas siglas em relação aos parâmetros antropo-

métricos. A sigla M.R. refere-se 
 
(A)  ao módulo com roda. 

(B)  à mobilidade reduzida. 

(C)  à mobilidade por rodas. 

(D)  às manobras das rodas. 

(E)  ao módulo de referência. 

 
 
44.  A desagregação do concreto é um fenômeno que, normalmente, ocorre em conjunto com a fissuração. Entre as causas diretas 

da desagregação, NÃO é correto citar 
 
(A)  a calcinação do concreto. 
(B)  a movimentação das formas na concretagem. 
(C)  a corrosão das armaduras. 
(D)  a variação da temperatura na concretagem. 
(E)  o ataque biológico. 

 
 
45.  O projeto de pavimento em uma parada de ônibus na região central de uma grande metrópole foi elaborado com estrutura com 

revestimento em placas de concreto de cimento Portland. O pavimento foi concebido com juntas de retração com barras de aço 
de transferência de carga. A especificação do projeto exige um concreto com resistência característica à tração igual a 5,0 MPa. 
Desta forma, recomenda-se que a serragem das juntas ocorra 
 
(A)  entre 7 e 28 dias após a concretagem. 
(B)  entre 6 e 12 horas após a concretagem. 
(C)  até 2 horas a partir da concretagem. 
(D)  imediatamente após a concretagem. 
(E)  depois de 28 dias a partir da concretagem. 

 

Caderno de Prova ’06’, Tipo 001

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

TRF3R-An.Jud.-Eng.(Civil)-06

 

11 

46.  Em relação aos materiais utilizados para pavimentação, considere: 
 
 

I

.  Um solo com ISC 

− Índice de Suporte Califórnia igual a 25% e expansão igual a 0,3% pode ser utilizado como camada de 

sub-base do pavimento. 

 
 

II

.  Misturas de solo cimento somente podem ser utilizadas como camada de reforço do subleito. 

 
 

III

.  Brita graduada tratada com cimento, quando utilizada como sub-base, deve possuir teor de cimento de, no mínimo, 20% 

em volume. 

 
 

IV

.  Para ser utilizada como base de um pavimento, uma brita graduada simples deve possuir ISC superior a 80% e ex-

pansão inferior a 0,5%. 

 
 

Está correto o que consta em 
 
(A) 

II

 e 

IV

, apenas. 

(B) 

I

 e 

II

, apenas. 

(C) 

I

 e 

IV

, apenas. 

(D) 

III

 e 

IV

, apenas. 

(E) 

I

II

III

 e 

IV

 
 
47.  A implantação do PCMAT 

− Programa de Condições e Meio Ambiente no Trabalho, nos estabelecimentos é de responsabilidade 

do empregador. A elaboração e o cumprimento do PCMAT são obrigatórios nos estabelecimentos com um número mínimo de 
trabalhadores igual a 
 
(A) 50. 
(B) 15. 
(C) 10. 
(D) 20. 
(E) 25. 

 
 
48.  Para elaboração de um orçamento devem ser analisados os encargos sociais trabalhistas. O encargo social que NÃO deve ser 

considerado como complementar é 
 
(A) a 

licença-paternidade. 

(B)  o vale transporte. 
(C)  o vale refeição. 
(D) o 

uniforme. 

(E)  o plano de saúde. 

 
 
49.  Em um laudo de avaliação de imóvel do tipo simplificado, pode vir suprimido 

 
(A)  o objetivo da avaliação. 
(B)  a identificação do solicitante. 
(C)  a qualificação legal completa e assinatura do profissional responsável pela avaliação. 
(D)  o diagnóstico do mercado. 
(E)  a indicação dos métodos e procedimentos utilizados. 

 
 
50.  A elaboração e a implantação de um programa de manutenção nas edificações, além de ser importante para a segurança e 

qualidade de vida dos usuários, é essencial para a manutenção dos níveis de desempenho da vida útil da edificação. A gestão 
do programa de manutenção deve garantir evidências através de documentações. A NBR 5.674 recomenda o seguinte fluxo de 
documentação: 
 
(A)  Registro de contratação. Laudos. ART. 
(B)  Manual de operação, uso e manutenção. Laudos. Propostas. 
(C)  Programa de manutenção. Contratos. 
(D)  Programa de manutenção. Manual de operação, uso e manutenção. Registros de execução. 
(E)  Manual de operação, uso e manutenção. Programa de manutenção. Registros de contratação. Registros de execução.

Caderno de Prova ’06’, Tipo 001

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

12 

TRF3R-An.Jud.-Eng.(Civil)-06

 

 

 

 

 

 

ESTUDO DE CASO 

 
 
Instruções Gerais: 

Conforme Edital publicado, Capítulo VIII, item 7, será atribuída nota ZERO à Prova de Estudo de Caso que, no Caderno de Respostas Definitivo: 

a)  for assinada fora do local apropriado; 
b)  apresentar qualquer sinal que, de alguma forma, possibilite a identificação do candidato; 
c)  for escrita à lápis, em parte ou em sua totalidade; 
d) estiver 

em 

branco; 

e)  apresentar letra ilegível e/ou incompreensível. 
A Prova de Estudo de Caso terá caráter eliminatório e classificatório. Cada uma das questões será avaliada na escala de 0 (zero) a 100 (cem) pontos, 
considerando-se habilitado o candidato que tiver obtido, no conjunto das duas questões, média igual ou superior a 60 (sessenta). 
Deverão ser rigorosamente observados os limites de linhas do Caderno de Respostas Definitivo. 
Em hipótese alguma será considerada pela Banca Examinadora a redação escrita neste rascunho. 
Redija seu texto final no Caderno de Respostas Definitivo do Estudo de Caso. 

 

 

 
 
 
QUESTÃO 1 
O método PERT/CPM utiliza mecanismos gráficos que permitem o planejamento e controle de obras civis. A rede PERT/CPM permite 
determinar o caminho crítico da rede, bem como as folgas das atividades. Considere a rede apresentada para a reforma nas 
instalações de uma Vara Federal do interior de São Paulo. 
 
 
 

5

6

1

2

3

4

7

8

9

10

A

B

C

D

E

F

G

H

I

J

K

L

 

 

Atividades

Tempo de

Duração (dias)

A
B
C
D
E
F
G
H
I
J
K

L

8

18
14
10

5

12

8
7

12

15

12

4

 

 
 

N

O

Legenda:

Eventos

Atividades

A,B,...

 

 
 
 
 
 

Caderno de Prova ’06’, Tipo 001

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

TRF3R-An.Jud.-Eng.(Civil)-06

 

13 

 
 
 
 
 
 
Determine: 

 

 

a. 

A data mais cedo para a ocorrência do evento 10, em dias, sem considerar folgas ou eventos externos. 

 
 
 
b. 

O que ocorrerá em relação ao tempo máximo para a ocorrência do evento 9, caso ocorra um atraso na atividade J de 7 dias no 
seu início. Justifique. 

 
 
 
c. 

Em quantos dias o prazo mais cedo para a ocorrência do evento 9 será influenciado com o adiamento da atividade B em 2 dias. 
Justifique. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Caderno de Prova ’06’, Tipo 001

fcc-2014-trf-3-regiao-analista-judiciario-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

14 

TRF3R-An.Jud.-Eng.(Civil)-06

 

 
QUESTÃO 2 
Para um projeto de uma reforma em uma Subseção Judiciária no Mato Grosso do Sul, optou-se pelo estudo de um novo acesso, de 
500 m de comprimento. Após o estudo e a definição dos alinhamentos horizontal e vertical pretende-se detalhar o projeto de 
terraplenagem. Dado o perfil vertical da via, indicado na figura, determine: 
 

190

191

192

193

194

195

196

197

198

199

200

201

202

203

204

205

Co

ta

s

 (

m

)

0

1

2

3

4

5

6

7 8

9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25

Estacas

Terreno

Greide Projeto

 

 
a. 

Em metros, os comprimentos dos intervalos em corte e aterro. 

 

  

 

 

 
 
b. 

Sabendo-se que não há necessidade nem de empréstimo, nem de bota-fora, desenhe de forma esquemática (sem escala) o dia-
grama de massas correspondente ao perfil vertical da via no espaço indicado a seguir. Indique os títulos e as unidades do eixo 
das ordenadas. 

 

-5000

-4000

-3000

-2000

-1000

0

1000

2000

3000

4000

5000

Estacas

0

1

2 3 4

5 6 7

8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25

(     

  )

 

 
c. 

Determine as estacas correspondentes às cotas vermelhas. 

 

  

 

 

 

Caderno de Prova ’06’, Tipo 001