Prova Concurso - Arquitetura - 2015-FUB-ARQUITETO-E-URBANISTA - CESPE - FUB - 2015

Prova - Arquitetura - 2015-FUB-ARQUITETO-E-URBANISTA - CESPE - FUB - 2015

Detalhes

Profissão: Arquitetura
Cargo: 2015-FUB-ARQUITETO-E-URBANISTA
Órgão: FUB
Banca: CESPE
Ano: 2015
Nível: Superior

Downloads dos Arquivos

prova.pdf
gabarito.pdf

Provas relacionadas

ARQUITETOEBSERH2018
ESPECIALISTA-PORTUARIO-ARQUITETURAEMAP2018
ARQUITETOPREFEITURA2018

Gabarito

cespe-2015-fub-arquiteto-e-urbanista-gabarito.pdf-html.html

 

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

 

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO

Aplicação: 9/8/2015

51

52

53

54

55

56

57

58

59

60

61

62

63

64

65

66

67

68

69

70

E

C

E

C

E

E

C

E

E

C

E

C

C

E

C

E

C

C

E

C

71

72

73

74

75

76

77

78

79

80

81

82

83

84

85

86

87

88

89

90

E

C

C

E

C

C

C

C

E

E

C

E

E

E

E

E

C

C

E

C

91

92

93

94

95

96

97

98

99

100

101

102

103

104

105

106

107

108

109

110

C

E

E

C

E

C

E

C

C

E

E

C

E

C

C

E

E

C

C

E

111

112

113

114

115

116

117

118

119

120

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

E

C

C

E

E

C

E

C

C

E

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

GABARITOS OFICIAIS PRELIMINARES

Item

0

Item

Gabarito

Gabarito

Item

Gabarito

172FUB2015_003_01

Cargo 3: ARQUITETO E URBANISTA

Item

0

0

Gabarito

Prova

cespe-2015-fub-arquiteto-e-urbanista-prova.pdf-html.html

Cespe | Cebraspe – FUB2015 – Aplicação: 2015

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Acerca da história da arquitetura, que possibilita aos arquitetos
aumentarem o repertório de projeto e aprenderem mais sobre
linguagem arquitetônica, julgue os seguintes itens.

51

A famosa frase “Menos é mais” foi dita pelo modernista
Le Corbusier em seu manifesto “Ornamento é crime”, segundo
o qual a decoração da arquitetura eclética deveria dar espaço
a uma arquitetura mais pura e racional. 

52

A Basílica de São Pedro, na cidade do Vaticano, mostrada a
seguir, é exemplo de como grandes arquitetos, mesmo em
diferentes períodos históricos, podem respeitar o projeto de seu
antecessor e criar uma arquitetura com unidade e forte caráter
simbólico, entre os quais se destacam Michelangelo, que
contribuiu com a cúpula do edifício; posteriormente, Maderno,
responsável pelo acréscimo da nave e de nova fachada, e,
finalmente, Bernini, que projetou a famosa praça de São Pedro,
definindo melhor o acesso à Basílica.

   

53

As imagens representadas a seguir mostram o efeito
contrastante da malha medieval de Paris com a parte onde foi
aplicada a remodelação de Haussmann para a capital da
França, com a abertura de ruas mais amplas e de quadras mais
uniformizadas, como forma de facilitar e de valorizar desfiles
militares das tropas do imperador Napoleão III.

54

Andrea Palladio, arquiteto do período maneirista, projetou a
Villa Rotonda (figura I), que revolucionou o conceito de
residência, setorizando por andares os ambientes da casa, o que
influenciou outros famosos arquitetos, como Le Corbusier,
cujos pensamentos da máquina de morar se concretizaram na
Villa Savoye (figura II), ícone da arquitetura moderna mundial.

                          

55

Atuar sobre uma edificação de um patrimônio histórico com os
instrumentos técnicos atuais impossibilita que se confie que a
intervenção passará inadvertida, pela própria natureza dos
novos materiais. O pastiche nunca será solução satisfatória, já
que mostra a incapacidade de quem projeta.

Espaço livre

cespe-2015-fub-arquiteto-e-urbanista-prova.pdf-html.html

Cespe | Cebraspe – FUB2015 – Aplicação: 2015

A respeito de métodos e técnicas de desenho de uso comum pelos
arquitetos, julgue os itens subsecutivos.

56

O desenho técnico é representado na cor azul, mas, caso outras
cores sejam necessárias para melhor esclarecimento do
desenho, o significado delas deve ser mencionado em legenda.

57

Em relação à terminologia referente a métodos projetivos, a
linha de horizonte designa a intersecção entre o plano do
horizonte e o plano vertical de projeção, como também o lugar
geométrico dos pontos de fuga de todas as linhas retas
horizontais.

58

O estudo de viabilidade designa a etapa destinada à concepção
e à representação das informações técnicas provisórias de
detalhamento da edificação e de seus elementos, instalações e
componentes, necessárias ao inter-relacionamento das
atividades técnicas de projeto e suficientes à elaboração de
estimativas aproximadas de custos e de prazos dos serviços de
obra implicados.

59

Maquetes e perspectivas, obrigatórias na apresentação de um
projeto de arquitetura, devem ser anexadas e aprovadas junto
a outros documentos técnicos de representação do projeto,
como plantas, cortes, elevações e detalhamento.

60

Em perspectivas cônicas, o que é importante para ser
representado no desenho deve estar dentro do cone de visão,
cujo ângulo máximo é de 60 graus, para se evitar distorção
excessiva da perspectiva.

61

À semelhança das plantas baixas, o que se corta, a exemplo de
pisos, paredes, estrutura do telhado, é traçado com uma linha
fina, e o que está situado no plano de corte é visto em
elevação.

62

Elaborar croquis ou desenhar produz três jogos distintos de
imagens, que registram um processo temporal de percepção,
medida, avaliação, correção e reavaliações sucessivas: o
desenho que aparece no papel, a imagem visual registrada na
memória cerebral e uma memória muscular do ato de desenhar
em si.

63

Por meio dos recursos de animação do SketchUp, cuja
linguagem gráfica permite apresentações em vídeo ou
impressas em papel, é possível realizar um passeio virtual pelo
projeto, imprimir uma cena em perspectiva ou até fazer um
corte em escala.

64

No AutoCad, o paperspace é um espaço de desenho
tridimensional único, em que tudo é desenhado em tamanho
real, e o modelspace é uma área bidimensional análoga cujas
dimensões são de uma folha de papel, em leiautes individuais.

Em referência a planejamento e projeto de espaços urbanos, julgue
os próximos itens.

65

As alterações de uso do solo rural para fins urbanos
sujeitam-se, segundo previsão legal, a prévia audiência do
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA)
e, caso exista, do órgão metropolitano onde se localiza o
município, bem como a aprovação da prefeitura municipal ou
do governo do Distrito Federal, se for o caso.

66

É defeso por lei o parcelamento do solo em terrenos, com
declividade igual ou superior a 40% como também os
alagadiços, ainda que seja providenciado o escoamento prévio
de suas águas, visto que, em épocas de chuvas, esses locais
estarão sujeitos a inundações.

67

Para o licenciamento ambiental de projetos urbanísticos
superiores a cem hectares ou em áreas consideradas de
relevante interesse ambiental, conforme definição dos órgãos
municipais, estatais e distrital competentes, são obrigatórios o
estudo prévio de impacto ambiental (EIA) e o respectivo
relatório de impacto ambiental (RIMA).

68

O Plano Diretor, obrigatório para cidades com mais de
20 mil habitantes, deve delimitar áreas urbanas que poderão ser
edificadas e estabelecer parâmetros de parcelamento, uso e
ocupação do solo, como forma de promover a diversidade de
usos que possam contribuir para a geração de renda e emprego.

No que concerne a sistemas de infraestrutura urbana, julgue os itens
subsequentes.

69

Com vistas à organização do fluxo de uma cidade, as vias
coletoras permitem ligações intra-urbanas, com média ou alta
fluidez de tráfego, as vias arteriais recebem e distribuem o
tráfego entre as vias coletoras e as locais, e essas, por sua vez,
apresentam baixa fluidez de tráfego e pouca acessibilidade,
conforme sua restrita integração com o uso e a integração do
solo.

70

Enquanto no sistema viário radial (figura I) se tem clara
diferenciação hierárquica entre as vias que se ramificam, no
sistema viário em malha (figura II) o tráfego flui melhor, pois
oferece maiores opções de caminhos para o motorista.

                figura I                                                  figura II

71

Em um subsistema de drenagem pluvial, os bueiros ou bocas
de lobo são os canais situados entre a guia e a pista, destinados
a coletar e a conduzir as águas de escoamento superficial até os
pontos de coleta; as sarjetas designam as estruturas destinadas
à captação das águas superficiais transportadas pelos bueiros;
os poços de visita são os condutos destinados ao transporte das
águas captadas nas bocas coletoras até os pontos de
lançamento; e as galerias são câmaras situadas em pontos
previamente definidos, que se destinam à inspeção e à limpeza
dos condutos subterrâneos.

72

Fossa séptica refere-se a uma unidade econômica de tratamento
primário de esgoto doméstico, em que são feitas a separação e
a transformação físico-química da matéria sólida contida no
esgoto, indicada, pela simplicidade de execução, para a zona
rural ou para residências isoladas.

73

Em geral, em um subsistema de abastecimento de água de dada
cidade, a captação, de preferência, é externa ao meio urbano,
em locais com água relativamente pura; a adução consiste em
levar a água do ponto onde é colhida até a estação de
tratamento, onde é feita a filtragem e a desinfecção da água; a
água tratada vai para um reservatório, que, se for localizado em
ponto mais alto que a cidade, segue uma distribuição por
gravidade.

cespe-2015-fub-arquiteto-e-urbanista-prova.pdf-html.html

Cespe | Cebraspe – FUB2015 – Aplicação: 2015

No que se refere a noções de desenho topográfico, julgue os itens
seguintes.

74

Curvas de nível muito espaçadas indicam acentuadas
inclinações, e curvas de nível com espaçamento próximo
indicam terrenos suavemente inclinados e relativamente
planos.

75

O intervalo entre as curvas de nível é determinado pela escala
do desenho, pelo tamanho do terreno e pela natureza da
topografia.

76

Em terreno acidentado ou inclinado, o levantamento
planimétrico é insuficiente para seu conhecimento, sendo
necessário medir, no levantamento altimétrico, o relevo e a
variação de alturas, que devem ser representados por meio de
curvas de nível.

77

Curvas de nível, que representam mudanças na topografia em
desenhos ortográficos em planta por linhas de elevação
comum, nunca se cruzam e coincidem-se apenas quando
indicam uma superfície vertical.

figura I

figura II

dimensionamento de rampas

inclinação admissível em
cada segmento de rampa

i %

desníveis

máximos de

cada segmento

de rampa 

h m

número máximo de

segmentos de

rampa

5,00 (1:20)

1,50

sem limite

5,00 (1:20) < i # 6,25 (1:16)

1,00

sem limite

6,25 (1:16) < i # 8,33 (1:12)

0,80

15

As rampas devem ter inclinação de acordo com os limites

estabelecidos na tabela apresentada. Para inclinação entre 6,25% e
8,33%, devem ser previstas áreas de descanso nos patamares, a cada
50 m de percurso.

Com base nas figuras I e II, na tabela e nas orientações da
NBR 9050 de acessibilidade, julgue os itens a seguir.

78

Com uma inclinação de 8,33% (1:12), para cada 50 m de
percurso sem patamar, de acordo com o previsto na referida
norma, o desnível seria de quase 5 m.

79

Situação hipotética: Considere que o nível +3,00 de uma

construção corresponda às medidas h constantes na “vista
lateral” da NBR 9050 e o nível ±0,00 corresponda à linha de

terra do desenho. Considere, ainda, uma inclinação

de i = 10,00% na rampa e os patamares em planta com 1,50 m,
à mesma maneira do desenho. Assertiva: Nessa situação, a

medida total da rampa será de 18,00 m. 

As praças têm a função de convívio social e geralmente

contêm, entre outros, canteiros e bancos. Os pátios são sempre

pavimentados, definidos a partir de uma igreja ou de outro elemento

arquitetônico expressivo. Os largos são definidos a partir de um

equipamento geralmente comercial, como um mercado público. Os

parques, em geral, apresentam componentes da paisagem natural —

vegetação, topografia. 

Alguns chamam o paisagismo criado por Roberto Burle

Marx na Avenida Atlântica de "a maior obra de arte a céu aberto do

Rio". Os calçadões de pedras portuguesas são, apesar da origem

lusitana, grandes símbolos do Rio de Janeiro. 

Internet: <

http://reverbe.net> (com adaptações).

                               figura I                                        figura II

I n t e r n e t :   < h t t p : / / w w w . m a c m o v e i s g y n . c o m . b r > ,

<http://conradopaisagismo.com.br>, <http://oglobo.globo.com>.

A figura I apresenta uma foto do calçadão da Avenida

Atlântica, de autoria do paisagista e artista plástico Roberto Burle

Marx, de 1974, e a figura II mostra uma foto do calçadão

tradicional de Copacabana.

Com base nos textos e nas figuras, julgue os itens subsequentes,

relativos a paisagismo.

80

O calçadão de Copacabana, elemento paisagístico pavimentado

com pedras portuguesas, pode ser classificado na categoria de

“pátio”, de acordo com as definições apresentadas.

81

Tanto a pedra portuguesa quanto o desenho do calçadão

tradicional têm origem em Portugal. Burle Marx apenas

adaptou o desenho para o calçadão tradicional de Copacabana

e, para o calçadão da Avenida Atlântica, criou um desenho

abstrato sem repetição de formas.

cespe-2015-fub-arquiteto-e-urbanista-prova.pdf-html.html

Cespe | Cebraspe – FUB2015 – Aplicação: 2015

Acerca de programa de necessidades/fluxograma, julgue o próximo

item.

82

A fase inicial da elaboração de um projeto de arquitetura

requer os seguintes insumos, na ordem apresentada:

organograma, fluxograma e programa de necessidades.

          figura I                      figura II                      figura III

Internet: <http://www.greatbuildings.com>,<http://dicionarioportugues.org>.

A figura I apresenta a imagem do Crown Hall (1956), em

Chicago, Illinois, de Mies van der Rohe; a figura II mostra o templo

dórico Teseion (450 a.C.) e a figura III apresenta um desenho do

detalhe do frontão com indicação dos tríglifos.

De acordo com as figuras apresentadas, julgue os próximos itens,

relativos à modulação e à racionalização da construção.

83

Mies van der Rohe, para a proposta da fachada do Crown Hall,
utiliza a mesma modulação do templo grego, de forma que o

módulo estrutural, dado pela distância entre as vigas da

cobertura, está subdividido em seis módulos de vedação, que

disciplinam a esquadria.

84

Um templo grego apresenta uma ordem rígida de medidas, eixo

a eixo, de todas as colunas, que, subdivididas em

2 submódulos, determinam o ritmo dos tríglifos.

             figura I                          figura II                  figura III

I n t e r n e t :   < w w w . a e c w e b . c o m . b r > ,

<www.cassolprefabricados.com.br>, <http://piniweb.pini.com.br>.

Com relação a concreto, aço e pré-moldados e com base nas figuras

apresentadas, julgue os itens seguintes.

85

Na figura II, o perfil metálico “I” está apoiado em um console

incorporado ao pilar de concreto.

86

A figura I mostra uma pilha com lajes nervuradas

pré-moldadas. 

87

Conforme se observa na figura III, a fixação da viga no pilar

metálico prescinde de console, uma vez que a ligação é feita

com parafusos ou rebites.

Espaço livre

cespe-2015-fub-arquiteto-e-urbanista-prova.pdf-html.html

Cespe | Cebraspe – FUB2015 – Aplicação: 2015

Legendas
1 e 2: salas de aula com projeções; 3 e 4: laboratórios; 5: sala de aula com projeções; 6: laboratório; 7: biologia

Ernst Neufert. Espaços especiais em escolas: uma planta de leiaute para aulas e laboratórios de ciências.

In: Arte de Projetar em Arquitetura. Tradução. Ed. São Paulo, Gustavo Gili do Brasil, 1976, p. 219.

Considere que, na planta apresentada, o norte esteja inserido à planta de um edifício localizado no hemisfério sul, latitude de Brasília. Com
relação às informações apresentadas, julgue os itens seguintes, acerca de divisão espacial e leiaute dos ambientes, iluminação natural,
programas complexos e insolação (brises).

88

Para proteger a fachada da sala 7 (biologia), é recomendado um brise vertical.

89

A organização dos fluxos se dá por meio de circulação central bastante larga, acessada por duas entradas em um pavimento térreo.

90

As salas 1, 2 e 5 são destinadas a aulas; no entanto, somente a sala 2 apresenta iluminação natural adequada.

91

O laboratório 4, de química, apresenta bancadas com estantes para reagentes, já o 3, de física, e o 7, de biologia, são compostos por
bancadas simples.

92

A planta ilustrada, de salas de aula e laboratórios de ciências, resulta de um programa complexo, com salas de funções diversas e
sofisticadas.

93

Recomenda-se um brise horizontal para proteger a parte do prédio reservada à física e à química (1, 2 e 3) nas últimas horas do dia.
Na parte do prédio reservada à biologia (5 e 6), o sol bate pela manhã.

Em relação à ergonomia, julgue os itens a seguir.

94

É mais recomendável o uso de uma mesa de 85 cm de altura do

que de uma de 70 cm, pois as pessoas altas podem sofrer de

dor nas costas durante a execução de trabalhos em mesas mais

baixas.

95

A medida recomendada por diversos autores para altura de

mesa de trabalho é, com pequenas variações, em torno

de 85 cm.

96

Para utilização de teclado de computador, é preciso tomar

cuidados especiais com a altura das mesas, que são diferentes

das de escritórios tradicionais. A medida M do desenho abaixo,

própria para uso de teclado, deve ficar em torno de 70 cm.

Espaço livre

cespe-2015-fub-arquiteto-e-urbanista-prova.pdf-html.html

Cespe | Cebraspe – FUB2015 – Aplicação: 2015

Internet: <http://www.gaisma.com>. 

Com base na carta da latitude de Brasília apresentada, julgue os
itens subsequentes no que se refere ao uso da carta solar. 

97

A linha AD corresponde ao solstício de verão e a linha CF ao
de inverno; ambos ocorrem em dezembro e maio,
respectivamente.

98

A linha BE representa o equinócio, que ocorre duas vezes por
ano e corresponde ao período do ano em que noite e dia têm a
mesma duração.

                  figura I                                        figura II

Internet: <http://www.metalica.com.br>.

Com base nas figuras apresentadas, julgue os itens a seguir,
relativos a noções básicas de acústica.

99

Para garantir o isolamento acústico, as paredes devem ser
suficientemente pesadas, pois, quanto maior for a massa, mais
dificilmente entrarão em vibração.

100

O sistema massa-mola-massa, ilustrado na figura II, propicia o
isolamento acústico por meio de um colchão de ar entre duas
chapas de gesso. Para estruturar o conjunto, introduzem-se
distanciadores de lã de vidro, que mantêm as chapas afastadas.

101

A figura I ilustra uma fonte sonora que, ao encontrar uma
parede (=massa), sofre reverberação no próprio ambiente (A),
sofre absorção pela parede (B) e é transmitida para o ambiente
contíguo (C).

Acerca da curva de visibilidade em auditórios, julgue o seguinte
item.

102

A distância das fileiras da plateia em relação ao ponto de
referência no palco é crescente. Quanto maior a distância,
menor fica o ângulo de visão ao se aplicar uma altura constante
de 

.15 cm entre a cabeça da frente e o olho do espectador de

trás. O resultado dessa construção geométrica é um perfil da
plateia curvo, e não reto.

Acerca de revestimentos de auditórios, julgue o item a seguir.

103

Materiais fonorrefletores são aqueles que apresentam valores
de absorção próximos a 1,00 e têm características de serem
impermeáveis e terem grande resistência à passagem do ar
(pouca porosidade), como, por exemplo, pedras e azulejos. Já
os materiais fonoabsorventes são aqueles com coeficiente de
absorção próximo a zero. Esses materiais são divididos em
porosos, painéis e ressoadores.

Para o sucesso de um empreendimento,

compatibilizando-se um projeto arquitetônico com projetos
complementares a ele vinculados, constata-se a imperatividade de
os projetos complementares serem, pelo menos medianamente,
entendidos pelo arquiteto diretamente envolvido.

Com referência a esse assunto, julgue os itens seguintes, relativos
a leitura e intepretação de projetos complementares para
edificações.

104

O desenho a seguir mostra uma sapata de concreto que dá
suporte à barra chata metálica, que, por sua vez, dá sustentação
ao pilar de madeira no qual é possível observar a projeção de
alvenaria.

105

A figura seguinte ilustra um interruptor intermediário com
lâmpada acesa.

106

O símbolo a seguir representa um T com saída para cima.

cespe-2015-fub-arquiteto-e-urbanista-prova.pdf-html.html

Cespe | Cebraspe – FUB2015 – Aplicação: 2015

O partido arquitetônico, ainda que bem empregado, pode se mostrar
inócuo, e até perigoso, caso normas e legislações de segurança
sejam negligenciadas. De acordo com o disposto nas normas
técnicas e na legislação referentes a prevenção contra incêndios e
a saídas de emergência, julgue os itens que se seguem.

107

Lanço de escada é a sucessão de degraus e seus patamares
entre dois pavimentos.

108

As saídas de emergência e o uso limitado de materiais que
produzam elementos nocivos sob a ação do calor ou do fogo,
constituem proteções passivas contra incêndio e pânico.

A respeito de elevadores, julgue o próximo item.

109

Na figura seguinte, que ilustra o esquema básico de
posicionamento dos componentes de um elevador para projetos
de edifícios com casa de máquinas, os componentes indicados
com os numerais 1 e 2 representam, respectivamente, a
máquina de tração e o limitador de velocidade.

O sistema de proteção contra descargas atmosféricas (SPDA),
também conhecido como para-raios, protege os edifícios atraindo
as descargas elétricas atmosféricas para as suas pontas
e desviando-as para o solo. Com relação aos SPDAs, julgue o item
subsequente.

110

O raio, que se origina no ponto onde o campo elétrico é mais
intenso, realiza trajetória vertical no espaço e sempre atinge os
captores instalados no topo das respectivas edificações.

A correta execução dos detalhes construtivos é fundamental para se
evitar o desperdício de materiais além de concretizar o que foi
idealizado pelo autor do projeto. Com relação a esse tema, julgue
os itens que se seguem, relativos ao detalhamento de projetos.

111

Na figura mostrada, os nomes das peças do telhado indicadas
pelos numerais 1, 2 e 3 são, respectivamente, contrafrechal,
terça e viga de cumeeira.

Internet: <www.cec.com.br>.

112

Na prancha destinada a projetos de detalhamento, o quadro
geral dos acabamentos é de uso facultativo do projetista.

113

A forma do assentamento do revestimento cerâmico mostrado
na figura é denominada assentamento em escama.

As figuras apresentadas mostram partes importantes do projeto de
detalhamento e dimensionamento de uma escada: vistas do
corrimão e detalhe do corte. Com referência às figuras, julgue o
seguinte item.

114

A largura A do corrimão, indicada na vista lateral, deve ser de,
no mínimo, 6 cm.

Espaço livre

cespe-2015-fub-arquiteto-e-urbanista-prova.pdf-html.html

Cespe | Cebraspe – FUB2015 – Aplicação: 2015

O sucesso ou o fracasso de uma obra está diretamente ligado ao
planejamento do canteiro de obras, assim como às acomodações e
mobilidades dos seus operários. Julgue o item a seguir, no que
tange ao alojamento em um canteiro de obras.

115

O alojamento deve ser desinsetizado e desratizado a cada
noventa dias por equipe especializada e contratada para tal fim.

A profissão de arquiteto e urbanista está submetida à legislação
própria, observado o disposto no art. 5.º, XIII, da Constituição
Federal de 1988. Um conjunto de normas orienta e fiscaliza o
exercício da profissão de arquiteto e urbanista, o zelo pela fiel
observância dos princípios de ética e a disciplina da classe em todo
o território nacional, bem como o constante esforço pelo
aperfeiçoamento do exercício da profissão. Acerca dos instrumentos
legais usados no regulamento da profissão de arquiteto e urbanista,
julgue os próximos itens.

116

As built é uma expressão em inglês que se refere à revisão do
projeto conforme executado, para fins de regularidade junto
aos órgãos públicos, ou também para sua atualização e
manutenção ao término da construção, fabricação ou
montagem da obra.

117

Alterações em trabalho de autoria de arquiteto e urbanista,
tanto no projeto quanto na obra dele resultante, somente
poderão ser feitas mediante consentimento, por escrito, da
pessoa natural, titular dos direitos autorais, independentemente
de quaisquer acordos firmados, para que, assim, o autor tenha
ciência e possa autorizar as mudanças propostas.

Como em outros projetos, os símbolos utilizados em projetos de
telefonia servem para estabelecer padrões de representação a serem
seguidos por projetistas e construtores na elaboração de projetos, na
execução de serviços e nas vistorias das tubulações. Acerca dos
símbolos utilizados nos projetos de telefonia, julgue o item
subsecutivo.

118

O símbolo a seguir representa uma caixa de saída ou de
passagem para fios, na parede, a 1,30 cm do centro ao piso.

A respeito de projetos para climatizar o ar em edificações, julgue o
item a seguir.

119

Define-se amortecedor de calor o meio ou o ambiente
destinado a absorver ou dissipar o calor indesejado.

As propriedades da cerâmica, muito usada nas coberturas de
prédios atuais, dão a esse material várias possibilidades de
aplicação na arquitetura. Acerca das várias aplicações e
especificações da cerâmica, julgue o item subsequente.

120

Taipa é um tipo de argila cozida, dura, de coloração
marrom-avermelhada quando não vitrificada, usada para
revestimentos e ornatos arquitetônicos, bem como para feitura
de materiais de construção e objetos como esculturas ou vasos.

Espaço livre