Prova Concurso - Administração - 2015-PETROBRAS-PROFISSIONAL-JUNIOR-ADMINISTRACAO - CESGRANRIO - PETROBRAS - 2015

Prova - Administração - 2015-PETROBRAS-PROFISSIONAL-JUNIOR-ADMINISTRACAO - CESGRANRIO - PETROBRAS - 2015

Detalhes

Profissão: Administração
Cargo: 2015-PETROBRAS-PROFISSIONAL-JUNIOR-ADMINISTRACAO
Órgão: PETROBRAS
Banca: CESGRANRIO
Ano: 2015
Nível: Superior

Downloads dos Arquivos

prova.pdf
gabarito.pdf

Provas relacionadas

AGENTE-ADMINISTRATIVO-PREVIDENCIARIOCONCURSOS2018
ASSISTENTE-DE-ADMINISTRACAOFUNPAPA2018
AUXILIAR-DE-ADMINISTRACAOFUNPAPA2018

Gabarito

cesgranrio-2015-petrobras-profissional-junior-administracao-gabarito.pdf-html.html

BR DISTRIBUIDORA

 

 PROVAS NÍVEL SUPERIOR - REALIZADAS EM 08/03/2015 

ALTERADO EM 25/03/2015

 

 

PROVAS  6 a 19  –  NÍVEL SUPERIOR 

 

CONHECIMENTOS BÁSICOS

 

LÍNGUA PORTUGUESA II

 

1 -  D 

2 -  A 3 

C 4 -  D 5 

6 -  E 7 

C 8 -  A 9 

D 10 -  E 

LÍNGUA INGLESA

 

11 -  A 

12 -  B 13 

D 14 -  B 15 

16 -  E 17 

E 18 -  A 19 

A 20 -  D 

INFORMÁTICA II

 

21 -  B 

22 -  A 23 

E 24 -  C 25 

 

 

 

 
 

 

 

 

 
 

 

 

 
 

 

 

 
 

 

 

 
 

 

 

 
 

 

 

 
 

 

 

 
 

 

cesgranrio-2015-petrobras-profissional-junior-administracao-gabarito.pdf-html.html

BR DISTRIBUIDORA

 

 PROVAS NÍVEL SUPERIOR - REALIZADAS EM 08/03/2015 

ALTERADO EM 25/03/2015

 

 
 

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 

PROVA 6 

PROVA 7 

PROVA 8 

PROVA 9 

PROVA 10 

PROFISSIONAL JÚNIOR 

FORMAÇÃO - ADMINISTRAÇÃO

 

PROFISSIONAL JÚNIOR 

FORMAÇÃO – CIÊNCIAS 

CONTÁBEIS

 

PROFISSIONAL JÚNIOR 

FORMAÇÃO – COMUNICAÇÃO / 

RELAÇÕES PÚBLICAS

 

PROFISSIONAL JÚNIOR 

FORMAÇÃO – DIREITO

 

PROFISSIONAL JÚNIOR 

FORMAÇÃO – ENGENHARIA 

DE MEIO AMBIENTE

 

26 -  C 

26 -  E 

26 -  B 

26 -  D 

26 -  C 

27 -  A 

27 -  D 

27 -  C 

27 -  E 

27 -  E 

28 -  D 

28 -  B 

28 -  B 

28 -  E 

28 -  C 

29 -  C 

29 -  B 

29 -  C 

29 -  C 

29 -  E 

30 -  D 

30 -  C 

30 -  A 

30 -  A 

30 -  B 

31 -  A 

31 -  B 

31 -  D 

31 -  A 

31 -  A 

32 -  E 

32 -  A 

32 -  E 

32 -  B 

32 -  C 

33 -  E 

33 -  D 

33 -  C 

33 -  C 

33 -  E 

34 -  C 

34 -  E 

34 -  A 

34 -  D 

34 -  D 

35 -  A 

35 -  A 

35 -  A 

35 -  D 

35 -  C 

36 -  B 

36 -  C 

36 -  A 

36 -  E 

36 -  C 

37 -  B 

37 -  C 

37 -  E 

37 -  C 

37 -  B 

38 -  B 

38 -  E 

38 -  D 

38 -  B 

38 -  E 

39 -  E 

39 -  C 

39 -  A 

39 -  A 

39 -  B 

40 -  D 

40 -  B 

40 -  C 

40 -  D 

40 -  E 

41 -  C 

41 -  D 

41 -  B 

41 -  B 

41 -  B 

42 -  C 

42 -  D 

42 -  A 

42 -  D 

42 -  A 

43 -  C 

43 -  E 

43 -  B 

43 -  B 

43 -  D 

44 -  D 

44 -  B 

44 -  B 

44 -  C 

44 -  A 

45 -  C 

45 -  E 

45 -  C 

45 -  A 

45 -  C 

46 -  E 

46 -  E 

46 -  D 

46 -  D 

46 -  B 

47 -  E 

47 -  B 

47 -  B 

47 -  B 

47 -  D 

48 -  D 

48 -  E 

48 -  B 

48 -  C 

48 -  B 

49 -  E 

49 -  A 

49 -  C 

49 -  E 

49 -  A 

50 -  B 

50 -  C 

50 -  D 

50 -  D 

50 -  A 

51 -  A 

51 -  C 

51 -  C 

51 -  C 

51 -  E 

52 -  A 

52 -  D 

52 -  A 

52 -  E 

52 -  E 

53 -  A 

53 -  A 

53 -  B 

53 -  B 

53 -  B 

54 -  B 

54 -  C 

54 -  D 

54 -  B 

54 -  C 

55 -  C 

55 -  D 

55 -  D 

55 -  A 

55 -  D 

56 -  B 

56 -  D 

56 -  A 

56 -  B 

56 -  D 

57 -  D 

57 -  A 

57 -  E 

57 -  A 

57 -  B 

58 -  C 

58 -  A 

58 -  C 

58 -  E 

58 -  E 

59 -  C 

59 -  B 

59 -  E 

59 -  A 

59 -  E 

60 -  B 

60 -  D 

60 -  E 

60 -  A 

60 -  A 

61 -  D 

61 -  C 

61 -  A 

61 -  E 

61 -  A 

62 -  B 

62 -  C 

62 -  B 

62 -  D 

62 -  C 

63 -  B 

63 -  D 

63 -  C 

63 -  C 

63 -  E 

64 -  E 

64 -  B 

64 -  C 

64 -  C 

64 -  A 

65 -  A 

65 -  A 

65 -  A 

65 -  B 

65 -  B 

66 -  D 

66 -  B 

66 -  A 

66 -  A 

66 -  C 

67 -  E 

67 -  E 

67 -  D 

67 -  C 

67 -  C 

68 -  B 

68 -  A 

68 -  E 

68 -  E 

68 -  E 

69 -  C 

69 -  C 

69 -  B 

69 -  D 

69 -  D 

70 -  B 

70 -  A 

70 -  E 

70 -  A 

70 -  D 

 

cesgranrio-2015-petrobras-profissional-junior-administracao-gabarito.pdf-html.html

BR DISTRIBUIDORA

 

 PROVAS NÍVEL SUPERIOR - REALIZADAS EM 08/03/2015 

ALTERADO EM 25/03/2015

 

 

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 

PROVA 11 

PROVA 12 

PROVA 13 

PROVA 14 

PROVA 15 

PROFISSIONAL JÚNIOR 

FORMAÇÃO – ENGENHARIA 

DE PRODUÇÃO

 

PROFISSIONAL JÚNIOR 

FORMAÇÃO – ENGENHARIA 

DE SEGURANÇA DO TRABALHO

 

PROFISSIONAL JÚNIOR 

FORMAÇÃO – ENGENHARIA 

ELÉTRICA

 

PROFISSIONAL JÚNIOR 

FORMAÇÃO – ENGENHARIA 

MECÂNICA

 

PROFISSIONAL JÚNIOR 

FORMAÇÃO – PSICOLOGIA

 

26 -  ANULADA 

26 -  B 

26 -  D 

26 -  C 

26 -  A 

27 -  C 

27 -  E 

27 -  D 

27 -  D 

27 -  E 

28 -  D 

28 -  D 

28 -  E 

28 -  A 

28 -  D 

29 -  A 

29 -  E 

29 -  B 

29 -  C 

29 -  E 

30 -  B 

30 -  C 

30 -  C 

30 -  B 

30 -  A 

31 -  B 

31 -  D 

31 -  A 

31 -  C 

31 -  D 

32 -  E 

32 -  D 

32 -  B 

32 -  A 

32 -  C 

33 -  B 

33 -  E 

33 -  C 

33 -  A 

33 -  A 

34 -  E 

34 -  B 

34 -  A 

34 -  E 

34 -  B 

35 -  D 

35 -  C 

35 -  E 

35 -  A 

35 -  E 

36 -  A 

36 -  A 

36 -  D 

36 -  E 

36 -  D 

37 -  C 

37 -  B 

37 -  A 

37 -  D 

37 -  E 

38 -  ANULADA 

38 -  E 

38 -  D 

38 -  B 

38 -  B 

39 -

 

ANULADA

 

39 -  C 

39 -  C 

39 -  B 

39 -  E 

40 -  C 

40 -  B 

40 -  E 

40 -  E 

40 -  C 

41 -  B 

41 -  A 

41 -  B 

41 -  C 

41 -  B 

42 -  A 

42 -  C 

42 -  E 

42 -  C 

42 -  E 

43 -  C 

43 -  A 

43 -  B 

43 -  E 

43 -  A 

44 -  D 

44 -  E 

44 -  B 

44 -  B 

44 -  C 

45 -

 

ANULADA

 

45 -  C 

45 -  E 

45 -  C 

45 -  C 

46 -  B 

46 -  D 

46 -  C 

46 -  ANULADA 

46 -  D 

47 -  E 

47 -  D 

47 -  D 

47 -  B 

47 -  D 

48 -  B 

48 -  A 

48 -  D 

48 -  D 

48 -  C 

49 -  C 

49 -  A 

49 -  E 

49 -  C 

49 -  B 

50 -  B 

50 -  D 

50 -  A 

50 -  A 

50 -  B 

51 -  A 

51 -  A 

51 -  D 

51 -  E 

51 -  D 

52 -  C 

52 -  E 

52 -  A 

52 -  D 

52 -  B 

53 -  B 

53 -  E 

53 -  E 

53 -  A 

53 -  C 

54 -  B 

54 -  A 

54 -  E 

54 -  C 

54 -  A 

55 -  D 

55 -  E 

55 -  A 

55 -  B 

55 -  B 

56 -  C 

56 -  B 

56 -  C 

56 -  D 

56 -  D 

57 -  B 

57 -  D 

57 -  A 

57 -  B 

57 -  C 

58 -  A 

58 -  D 

58 -  C 

58 -  D 

58 -  E 

59 -  B 

59 -  C 

59 -  D 

59 -  E 

59 -  B 

60 -  C 

60 -  B 

60 -  B 

60 -  C 

60 -  D 

61 -  E 

61 -  A 

61 -  D 

61 -  E 

61 -  E 

62 -  C 

62 -  E 

62 -  D 

62 -  E 

62 -  B 

63 -  A 

63 -  C 

63 -  E 

63 -  C 

63 -  B 

64 -  D 

64 -  B 

64 -  E 

64 -  D 

64 -  A 

65 -  D 

65 -  A 

65 -  A 

65 -  B 

65 -  D 

66 -  B 

66 -  C 

66 -  A 

66 -  D 

66 -  E 

67 -  E 

67 -  C 

67 -  C 

67 -  D 

67 -  A 

68 -  A 

68 -  D 

68 -  B 

68 -  A 

68 -  A 

69 -  B 

69 -  B 

69 -  C 

69 -  E 

69 -  C 

70 -  A 

70 -  E 

70 -  D 

70 -  B 

70 -  A 

 

 

cesgranrio-2015-petrobras-profissional-junior-administracao-gabarito.pdf-html.html

BR DISTRIBUIDORA

 

 PROVAS NÍVEL SUPERIOR - REALIZADAS EM 08/03/2015 

ALTERADO EM 25/03/2015

 

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 

PROVA 16 

PROVA 17 

PROVA 18 

PROVA 19 

PROFISSIONAL JÚNIOR 

FORMAÇÃO – SERVIÇO SOCIAL

 

PROFISSIONAL JÚNIOR 

ÊNFASE EM AUTOMAÇÃO

 

PROFISSIONAL JÚNIOR 

ÊNFASE EM VENDAS 

A GRANDES CONSUMIDORES

 

PROFISSIONAL JÚNIOR 

ÊNFASE EM VENDAS 

A REDE AUTOMOTIVA

 

26 -  B 

26 -  C 

26 -  C 

26 -  C 

27 -  B 

27 -  D 

27 -  B 

27 -  B 

28 -  C 

28 -  E 

28 -  E 

28 -  E 

29 -  D 

29 -  B 

29 -  B 

29 -  B 

30 -  B 

30 -  A 

30 -  A 

30 -  A 

31 -  A 

31 -  C 

31 -  D 

31 -  D 

32 -  D 

32 -  ANULADA 

32 -  A 

32 -  A 

33 -  D 

33 -  B 

33 -  B 

33 -  B 

34 -  B 

34 -  C 

34 -  C 

34 -  C 

35 -  A 

35 -  E 

35 -  E 

35 -  E 

36 -  B 

36 -  D 

36 -  E 

36 -  E 

37 -  A 

37 -  E 

37 -  C 

37 -  C 

38 -  A 

38 -  C 

38 -  D 

38 -  D 

39 -  A 

39 -  E 

39 -  B 

39 -  B 

40 -  C 

40 -  A 

40 -  D 

40 -  D 

41 -  C 

41 -  B 

41 -  D 

41 -  D 

42 -  D 

42 -  B 

42 -  E 

42 -  E 

43 -  E 

43 -  A 

43 -  E 

43 -  C 

44 -  A 

44 -  D 

44 -  C 

44 -  B 

45 -  D 

45 -  A 

45 -  D 

45 -  B 

46 -  C 

46 -  C 

46 -  A 

46 -  E 

47 -  C 

47 -  D 

47 -  A 

47 -  E 

48 -  D 

48 -  E 

48 -  D 

48 -  A 

49 -  D 

49 -  E 

49 -  B 

49 -  C 

50 -  C 

50 -  D 

50 -  C 

50 -  B 

51 -  D 

51 -  B 

51 -  B 

51 -  C 

52 -  A 

52 -  E 

52 -  C 

52 -  B 

53 -  D 

53 -  B 

53 -  B 

53 -  A 

54 -  E 

54 -  A 

54 -  D 

54 -  A 

55 -  E 

55 -  A 

55 -  A 

55 -  E 

56 -  E 

56 -  E 

56 -  E 

56 -  D 

57 -  D 

57 -  E 

57 -  E 

57 -  C 

58 -  C 

58 -  E 

58 -  E 

58 -  A 

59 -  E 

59 -  C 

59 -  B 

59 -  B 

60 -  E 

60 -  D 

60 -  D 

60 -  C 

61 -  A 

61 -  C 

61 -  C 

61 -  D 

62 -  A 

62 -  D 

62 -  B 

62 -  A 

63 -  A 

63 -  D 

63 -  E 

63 -  A 

64 -  E 

64 -  A 

64 -  A 

64 -  E 

65 -  A 

65 -  B 

65 -  A 

65 -  C 

66 -  B 

66 -  B 

66 -  D 

66 -  A 

67 -  E 

67 -  B 

67 -  E 

67 -  A 

68 -  B 

68 -  E 

68 -  C 

68 -  D 

69 -  B 

69 -  C 

69 -  D 

69 -  B 

70 -  D 

70 -  A 

70 -  B 

70 -  B 

 

Prova

cesgranrio-2015-petrobras-profissional-junior-administracao-prova.pdf-html.html

LEIA  ATENTAMENTE  AS  INSTRUÇÕES  ABAIXO.

01 -

  O candidato recebeu do fiscal o seguinte material:

a)

 este CADERNO DE QUESTÕES, com o enunciado das 70 (setenta) questões objetivas, sem repetição ou falha, com a 

seguinte distribuição:

CONHECIMENTOS BÁSICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

LÍNGUA PORTUGUESA II

LÍNGUA INGLESA

INFORMÁTICA II

Questões

Pontuação

Questões

Pontuação

Questões

Pontuação

Questões

Pontuação

1 a 10

1,0 cada

11 a 20

1,0 cada

21 a 25

1,0 cada

26 a 70

1,0 cada

Total: 25,0 pontos

Total: 45,0 pontos

Total: 70,0 pontos

b)

  CARTÃO-RESPOSTA destinado às respostas das questões objetivas formuladas nas provas. 

02 -

  O candidato deve verificar se este material está em ordem e se o seu nome e número de inscrição conferem com os que 

aparecem no CARTÃO-RESPOSTA. Caso não esteja nessas condições, o fato deve ser IMEDIATAMENTE notificado ao 
fiscal.

03 -

  Após a conferência, o candidato deverá assinar, no espaço próprio do CARTÃO-RESPOSTA, com caneta esferográfica de 

tinta preta, fabricada em material transparente

.

04 -

 No CARTÃO-RESPOSTA, a marcação das letras correspondentes às respostas certas deve ser feita cobrindo a letra e 

preenchendo todo o espaço compreendido pelos círculos, com caneta esferográfica de tinta preta, fabricada em material 
transparente

, de forma contínua e densa. A leitura ótica do CARTÃO-RESPOSTA é sensível a marcas escuras, portanto, 

os campos de marcação devem ser preenchidos completamente, sem deixar claros.

Exemplo:  

05 -

  O candidato deve ter muito cuidado com o CARTÃO-RESPOSTA, para não o DOBRAR, AMASSAR ou MANCHAR. O 

CARTÃO-RESPOSTA

 SOMENTE poderá ser substituído se, no ato da entrega ao candidato, já estiver danificado em suas 

margens superior e/ou inferior - DELIMITADOR DE RECONHECIMENTO PARA LEITURA ÓTICA.

06  

-

  Para cada uma das questões objetivas, são apresentadas 5 alternativas classificadas com as letras (A), (B), (C), (D) e (E); só 

uma responde adequadamente ao quesito proposto. O candidato só deve assinalar UMA RESPOSTA: a marcação em mais 

de uma alternativa anula a questão, MESMO QUE UMA DAS RESPOSTAS ESTEJA CORRETA.

07 -

  As questões objetivas são identificadas pelo número que se situa acima de seu enunciado. 

08  

-

  SERÁ ELIMINADO deste Processo Seletivo Público o candidato que:

a)

  se utilizar, durante a realização das provas, de aparelhos sonoros, fonográficos, de comunicação ou de registro, ele-

trônicos ou não, tais como agendas, relógios não analógicos, notebook, transmissor de dados e mensagens, máquina 
fotográfica, telefones celulares, pagers, microcomputadores portáteis e/ou similares;

b)

  se ausentar da sala em que se realizam as provas levando consigo o CADERNO DE QUESTÕES e/ou o CARTÃO-RESPOSTA;

c)

  se recusar a entregar o CADERNO DE QUESTÕES e/ou o CARTÃO-RESPOSTA, quando terminar o tempo estabelecido;

d)

  não assinar a LISTA DE PRESENÇA e/ou o CARTÃO-RESPOSTA.

Obs. 

O candidato só poderá ausentar-se do recinto das provas após 1 (uma) hora contada a partir do efetivo início das 
mesmas. Por motivos de segurança, o candidato NÃO PODERÁ LEVAR O CADERNO DE QUESTÕES, a qualquer 
momento. 

09 -

  O candidato deve reservar os 30 (trinta) minutos finais para marcar seu CARTÃO-RESPOSTA. Os rascunhos e as marca-

ções assinaladas no CADERNO DE QUESTÕES NÃO SERÃO LEVADOS EM CONTA.

10 -

  O candidato deve, ao terminar as provas, entregar ao fiscal o CADERNO DE QUESTÕES e o CARTÃO-RESPOSTA e 

ASSINAR A LISTA DE PRESENÇA.

11 -

  O TEMPO DISPONÍVEL PARA ESTAS PROVAS DE QUESTÕES OBJETIVAS É DE 4 (QUATRO) HORAS E 30 (TRINTA) 

MINUTOS,

 já incluído o tempo para marcação do seu CARTÃO-RESPOSTA, findo o qual o candidato deverá, obrigatoria-

mente, entregar o CARTÃO-RESPOSTA e o CADERNO DE QUESTÕES

.  

12 -

  As questões e os gabaritos das Provas Objetivas serão divulgados no primeiro dia útil após sua realização, no endereço 

eletrônico da FUNDAÇÃO CESGRANRIO (http://www.cesgranrio.org.br).

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO

EDITAL N

o

 1 - PETROBRAS 

DISTRIBUIDORA S. A. / PSP - 1/2014,

DE 12 DE DEZEMBRO DE 2014

PROFISSIONAL JÚNIOR

FORMAÇÃO – ADMINISTRAÇÃO

6

cesgranrio-2015-petrobras-profissional-junior-administracao-prova.pdf-html.html

PROFISSIONAL JÚNIOR / FORMAÇÃO
ADMINISTRAÇÃO

2

CONHECIMENTOS BÁSICOS

LÍNGUA PORTUGUESA II

Meu ideal seria escrever...

Meu ideal seria escrever uma história tão engra-

çada que aquela moça que está doente naquela casa 
cinzenta, quando lesse minha história no jornal, risse, 
risse tanto que chegasse a chorar e dissesse – “Ai, 
meu Deus, que história mais engraçada!”. E então a 
contasse para a cozinheira e telefonasse para duas 
ou três amigas para contar a história; e todos a quem 
ela contasse rissem muito e ficassem alegremente 
espantados de vê-la tão alegre. Ah, que minha histó-
ria fosse como um raio de sol, irresistivelmente louro, 
quente, vivo, em sua vida de moça reclusa, enlutada, 
doente. Que ela mesma ficasse admirada ouvindo o 
próprio riso, e depois repetisse para si própria – “Mas 
essa história é mesmo muito engraçada!”.

Que um casal que estivesse em casa mal-hu-

morado, o marido bastante aborrecido com a mulher, 
a mulher bastante irritada com o marido, que esse 
casal também fosse atingido pela minha história. O 
marido a leria e começaria a rir, o que aumentaria a 
irritação da mulher. Mas depois que esta, apesar de 
sua má vontade, tomasse conhecimento da história, 
ela também risse muito, e ficassem os dois rindo sem 
poder olhar um para o outro sem rir mais; e que um, 
ouvindo aquele riso do outro, se lembrasse do alegre 
tempo de namoro, e reencontrassem os dois a alegria 
perdida de estarem juntos.

Que, nas cadeias, nos hospitais, em todas as sa-

las de espera, a minha história chegasse – e tão fas-
cinantemente de graça, tão irresistível, tão colorida e 
tão pura que todos limpassem seu coração com lágri-
mas de alegria; que o comissário do distrito, depois 
de ler minha história, mandasse soltar aqueles bêba-
dos e também aquelas pobres mulheres colhidas na 
calçada e lhes dissesse – “Por favor, se comportem, 
que diabo! Eu não gosto de prender ninguém!”. E que 
assim todos tratassem melhor seus empregados, 
seus dependentes e seus semelhantes em alegre e 
espontânea homenagem à minha história.

E que ela aos poucos se espalhasse pelo mundo 

e fosse contada de mil maneiras, e fosse atribuída a 
um persa, na Nigéria, a um australiano, em Dublin, 
a um japonês, em Chicago – mas que em todas as 
línguas ela guardasse a sua frescura, a sua pureza, o 
seu encanto surpreendente; e que, no fundo de uma 
aldeia da China, um chinês muito pobre, muito sábio e 
muito velho dissesse: “Nunca ouvi uma história assim 
tão engraçada e tão boa em toda a minha vida; valeu 
a pena ter vivido até hoje para ouvi-la; essa história 

não pode ter sido inventada por nenhum homem, foi 
com certeza algum anjo tagarela que a contou aos 
ouvidos de um santo que dormia, e que ele pensou 
que já estivesse morto; sim, deve ser uma história do 
céu que se filtrou por acaso até nosso conhecimento; 
é divina”.

E, quando todos me perguntassem – “Mas de 

onde é que você tirou essa história?” –, eu responde-
ria que ela não é minha, que eu a ouvi por acaso na 
rua, de um desconhecido que a contava a outro des-
conhecido, e que por sinal começara a contar assim: 
“Ontem ouvi um sujeito contar uma história...”.

E eu esconderia completamente a humilde ver-

dade: que eu inventei toda a minha história em um 
só segundo, quando pensei na tristeza daquela moça 
que está doente, que sempre está doente e sempre 
está de luto e sozinha naquela pequena casa cinzen-
ta de meu bairro.

BRAGA, R. A traição das elegantes. Rio de Janeiro: Editora 
Sabiá, 1967. p. 91.

5

10

15

20

25

30

35

40

45

50

55

60

65

1

Conforme a leitura integral da crônica de Rubem Braga, 
seu ideal seria escrever uma história que 
(A) conduzisse o leitor a uma reflexão crítica sobre a situ-

ação política do país.

(B) desvelasse a incapacidade humana de lidar com 

questões mais subjetivas.

(C) evidenciasse em sua estrutura o próprio processo de 

produção que a originou.

(D) oferecesse alento àqueles que vivenciam experiên-

cias desagradáveis.

(E)  inflamasse no leitor o desejo de romper com discursos 

prontos sobre a vida.

2

O que o autor enuncia no primeiro período do primeiro pa-
rágrafo acerca da história que idealiza escrever se articula 
numa relação semântica de 
(A) causa e efeito
(B) dedução e indução
(C) suposição e explicação
(D) adição e alternância
(E) exposição e proporcionalidade

3

O tom hipotético presente no texto se intensifica por meio 
do uso de
(A) ponto e vírgula no quarto parágrafo
(B) partículas expletivas iniciando o segundo e o terceiro 

parágrafos

(C) verbos no futuro do pretérito e no imperfeito do sub-

juntivo

(D) 1

a

 pessoa do singular

(E) linguagem coloquial

cesgranrio-2015-petrobras-profissional-junior-administracao-prova.pdf-html.html

PROFISSIONAL JÚNIOR / FORMAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO

3

4

Em “Meu ideal seria escrever uma história tão engraçada 
que aquela moça que está doente naquela casa cinzen-
ta” (

. 1-3), os pronomes demonstrativos assinalados 

(A) marcam uma crítica implícita do autor.
(B) transpõem a narração a um passado recente.
(C) implicam ressignificação dos termos “moça” e “casa”.
(D) aproximam o leitor dos elementos da narrativa.
(E) apontam para a origem do processo narrativo.

5

Definido como uma crônica reflexiva, o texto apresenta 
diversas sequências tipológicas, dentre elas a descrição 
e a narração.
Apresentam-se como traços linguísticos dessas tipolo-
gias, respectivamente: 
(A) advérbios de lugar e predicativo do sujeito
(B) adjetivos e verbos de ação
(C) marcadores temporais e adjetivos
(D) verbos no passado e substantivos concretos
(E) conjunções adverbiais e discurso direto

6

Ao estabelecer uma comparação entre sua possível histó-
ria e um raio de sol (

. 10), o autor busca caracterizar sua 

escrita como 
(A) engajada
(B) inconstante
(C) desnecessária
(D) insólita
(E) vívida

7

No período “Ah, que minha história fosse como um raio 
de sol, irresistivelmente louro, quente, vivo, em sua vida 
de moça reclusa, enlutada, doente.” (

. 9-12), a interjeição 

em destaque apresenta o efeito expressivo de
(A) retificação
(B) espanto
(C) realce
(D) adversidade
(E) descontinuidade

8

No trecho “E eu esconderia completamente a humilde 
verdade: que eu inventei toda a minha história em um só 
segundo” (

. 61-63), os dois-pontos cumprem o papel de 

introduzir uma 
(A) explicação
(B) restrição
(C) concessão
(D) enumeração
(E) exclusão

9

A oração destacada em “e ficassem os dois rindo sem po-
der olhar um para o outro sem rir mais; e que um, ouvindo 
aquele riso do outro

, se lembrasse do alegre tempo de 

namoro” (

. 22-25) poderia ser reescrita, sem prejuízo à 

norma-padrão e à semântica do período, como
(A) para que ouvisse aquele riso do outro.
(B) porém ouça aquele riso do outro.
(C) de modo a ouvir aquele riso do outro.
(D) quando ouvisse aquele riso do outro.
(E) conquanto ouvisse aquele riso do outro.

10

Considerando-se a força simbólica do termo destacado 
em “quando pensei na tristeza daquela moça que está 
doente, que sempre está doente e sempre está de luto e 
sozinha naquela pequena casa cinzenta de meu bairro.” 
(

. 63-66), seria possível, respeitando sua função semân-

tica no contexto, substituí-lo por
(A) ultrapassada
(B) confusa
(C) velha
(D) turva
(E) triste

RASCUNHO

cesgranrio-2015-petrobras-profissional-junior-administracao-prova.pdf-html.html

PROFISSIONAL JÚNIOR / FORMAÇÃO
ADMINISTRAÇÃO

4

LÍNGUA INGLESA

Natural gas waits for its moment

Paul Stenquist

Cars and trucks powered by natural gas make up 

a significant portion of the vehicle fleet in many parts 
of the world. Iran has more than two million natural gas 
vehicles on the road. As of 2009, Argentina had more 
than 1.8 million in operation and almost 2,000 natural 
gas filling stations. Brazil was not far behind. Italy and 
Germany have substantial natural gas vehicle fleets. 
Is America next?

With natural gas in plentiful supply at bargain 

prices in the United States, issues that have limited its 
use in cars are being rethought, and its market share 
could increase, perhaps substantially.

According to Energy Department Price 

Information from July, natural gas offers economic 
advantages over gasoline and diesel fuels. If a 
gasoline-engine vehicle can take you 40 miles on 
one gallon, the same vehicle running on compressed 
natural gas can do it for about $1.50 less at today’s 
prices. To that savings add lower maintenance costs. 
A study of New York City cabs running on natural 
gas found that oil changes need not be as frequent 
because of the clean burn of the fuel, and exhaust-
system parts last longer because natural gas is less 
corrosive than other fuels.

Today, those economic benefits are nullified by 

the initial cost of a natural gas vehicle — 20 to 30 
percent more than a comparable gasoline-engine 
vehicle. But were production to increase significantly, 
economies of scale would bring prices down. In an 
interview by phone, Jon Coleman, fleet sustainability 
manager at the Ford Motor Company, said that given 
sufficient volume, the selling price of natural gas 
vehicles could be comparable to that of conventional 
vehicles.

It may be years before the economic benefits 

of natural gas vehicles can be realized, but the 
environmental benefits appear to be immediate. 
According to the Energy Department’s website, natural 
gas vehicles have smaller carbon footprints than 
gasoline or diesel automobiles, even when taking into 
account the natural gas production process, which 
releases carbon-rich methane into the atmosphere. 

The United States government appears to favor 

natural gas as a motor vehicle fuel. To promote the 
production of vehicles with fewer carbon emissions, it 
has allowed automakers to count certain vehicle types 
more than once when calculating their Corporate 
Average Fuel Economy, under regulations mandating 
a fleet average of 54.5 miles per gallon by 2025.
Plug-in hybrids and natural gas vehicles can be 
counted 1.6 times under the CAFE standards, and 
electric vehicles can be counted twice.

Adapting natural gas as a vehicle fuel introduces 

engineering challenges. While the fuel burns clean, it 
is less energy dense than gasoline, so if it is burned 
in an engine designed to run on conventional fuel, 
performance and efficiency are degraded.

But since natural gas has an octane rating of 130, 

compared with 93 for the best gasoline, an engine 
designed for it can run with very high cylinder pressure, 
which would cause a regular gasoline engine to knock 
from premature ignition. More cylinder pressure yields 
more power, and thus the energy-density advantage 
of gasoline can be nullified.[...]

Until the pressurized fuel tanks of natural gas 

vehicles can be easily and quickly refueled, the fleet 
cannot grow substantially. The number of commercial 
refueling stations for compressed natural gas has been 
increasing at a rate of 16 percent yearly, the Energy 
Department says. And, while the total is still small, 
advances in refueling equipment should increase 
the rate of expansion. Much of the infrastructure is 
already in place: America has millions of miles of 
natural gas pipeline. Connecting that network to 
refueling equipment is not difficult.

Although commercial refueling stations will be 

necessary to support a substantial fleet of natural gas 
vehicles, home refueling may be the magic bullet that 
makes the vehicles practical. Electric vehicles depend 
largely on home charging and most have less than half 
the range of a fully fueled natural gas vehicle. Some 
compressed natural gas home refueling products are 
available, but they can cost as much as $5,000.

Seeking to change that, the Energy Department 

has awarded grants to a number of companies in an 
effort to develop affordable home-refueling equipment. 

[...]

Available at: <http://www.nytimes.com/2013/10/30/au-
tomobiles/natural-gas-waits-for-its-moment.html?page
wanted=all&module=Search&mabReward=relbias%3A
r%2C%7B%222%22%3A%22RI%3A18%22%7D>.
Retrieved on: Sept 3

rd

, 2014. Adapted.

5

10

15

20

25

30

35

40

45

50

55

60

65

70

75

80

85

11

The main purpose of the text is to
(A) defend the use of natural gas as a vehicle fuel.
(B) compare the use of natural gas vehicles in different 

countries.

(C) establish the technical aspects of the use of natural 

gas vehicles.

(D) analyze the immediate economic advantages of 

natural gas vehicles.

(E) highlight environmental protection advantages of 

natural gas vehicles in the long run.

cesgranrio-2015-petrobras-profissional-junior-administracao-prova.pdf-html.html

PROFISSIONAL JÚNIOR / FORMAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO

5

12

In the statement “As of 2009, Argentina had more than 
1.8 million in operation and almost 2,000 natural gas filling 
stations” (lines 4-6), the expression as of  means: 
(A) In 2009
(B) Since 2009
(C) Around 2009
(D) Before 2009 
(E) Comparing to 2009

13

According to the paragraph limited by lines 13-24 in the 
text, one can infer that  
(A) gasoline is as expensive as diesel in New York City.
(B) a car running on natural gas will pay $1.50 on one 

gallon of the fuel.

(C) every car running on natural gas will afford to save 

$3.00 on a 60-mile drive.

(D) the cost of oil changes can improve savings in natural 

gas-fueled vehicles. 

(E) natural gas cannot be associated with corrosion in 

car’s exhaust-system parts.

14

The sentence of the text “But were production to increase 
significantly, economies of scale would bring prices down” 
(lines 28-29) has the same meaning as:  
(A) Economies of scale would reduce production and 

prices significantly. 

(B) Economies of scale would be one of the conditions for 

the decrease of prices. 

(C) Production would increase unless economies of scale 

brought prices down. 

(D) Production would increase significantly if economies 

of scale didn’t bring the prices down. 

(E) Prices would not go down although the production 

increased. 

15

In the 5

th

 paragraph, limited by lines 35-42 in the text, the 

author defends the idea that 
(A) economic and environmental benefits of natural 

gas vehicles are both immediate results of smaller 
footprints than those of gasoline or diesel automobiles. 

(B) economic benefits of natural gas vehicles are not as 

considerable as the environmental benefits because 
of the cost of the natural gas production process. 

(C) natural gas vehicles produce smaller footprints than 

those of gasoline or diesel automobiles because they 
bring more environmental benefits. 

(D) environmental benefits of natural gas vehicles are 

remarkable despite the carbon-rich methane released 
into the atmosphere in the production process.

(E) environmental benefits of natural gas vehicles are not 

as considerable as the economic benefits because of 
the cost of the carbon-rich methane released into the 
atmosphere in the production process.

16

The modal verb may in the fragment of the text “It may be 
years before the economic benefits of natural gas vehicles 
can be realized” (lines 35-36) is associated with the idea of  
(A) permission
(B) obligation
(C) certainty
(D) inference
(E) probability

17

According to the 6

th

 paragraph in the text (lines 43-52), 

one of the Corporate Average Fuel Economy goals for the 
fleet in the United States is average 54.5 miles per gallon
(A) in 2025 
(B) prior 2025 
(C) around 2025
(D) sometime before 2025
(E) not later than 2025

18 

The personal pronoun it in “so if it is burned in an engine 
designed to run on conventional fuel” (lines 55-56) refers to  
(A) natural gas
(B) degrading fuel
(C) unconventional fuel 
(D) 93-octane rating fuel 
(E) more energy-dense fuel

19

According to the 9

th

 paragraph in the text (lines 65-75), 

refueling stations in the United States  
(A) should go through an increase at their rate of 

expansion. 

(B) require pipeline infrastructure that has been growing 

16% every year.

(C) do not rely on infrastructure available for their 

expansion. 

(D) cannot grow substantially because of miles of natural 

gas pipeline. 

(E) cannot be expanded through the country because of 

their potential damage against nature.

20

In the sentence of the text “Although commercial refueling 
stations will be necessary to support a substantial fleet of 
natural gas vehicles, home refueling may be the magic 
bullet that makes the vehicles practical” (lines 76-79), the 
word although implies facts that are 
(A) simultaneous  
(B) sequential
(C) alternate 
(D) opposing
(E) proportional

cesgranrio-2015-petrobras-profissional-junior-administracao-prova.pdf-html.html

PROFISSIONAL JÚNIOR / FORMAÇÃO
ADMINISTRAÇÃO

6

INFORMÁTICA II

21

A célula H4 do trecho de planilha Excel 2010 (português), 
apresentado abaixo, foi preenchida com a expressão ma-
temática 

=SE(H1>5;SE(G3=14;G4;G1);SE(H2<5;G3;G2))

Qual é o resultado apresentado na célula H4?
(A) 14
(B) 55
(C) 66
(D) 73
(E) #NAME

22

A navegação na internet utiliza aplicativos denominados 
navegadores (browsers).
Em alguns deles, como no Chrome, há uma lista denomi-
nada HISTÓRICO que armazena os
(A) endereços dos sites visitados pelo usuário, automati-

camente.

(B) endereços dos sites visitados pelo usuário, por acio-

namento das teclas Ctrl+D.

(C) endereços de destinatários aos quais se enviam co-

municados, notas, credenciais ou brindes, com o pro-
pósito de incentivar a publicação de determinada in-
formação. 

(D) dados coletados por uma ferramenta gerenciável que 

proporciona a troca de mensagens via e-mail.

(E) dados coletados por um serviço on-line que sugere 

outros sites pelos quais o usuário talvez tenha interes-
se, com base nos sites visitados com frequência.

23

Baseada nas melhores práticas para segurança da infor-
mação, uma instituição governamental visa à melhor ges-
tão dos seus ativos e classificação das informações.
Três dentre os critérios mínimos aceitáveis para atingir 
esse objetivo são:
(A) integridade, sigilo e amplitude
(B) recorrência, disponibilidade e transparência
(C) área de gestão, nível hierárquico e autorização
(D) disponibilidade, restrição de acesso e integração
(E) confidencialidade, criticidade e prazo de retenção

24

Considere o trecho da planilha construída no aplicativo 
Excel 2010 (Português), apresentada abaixo, no qual a 
fórmula 

=B1*(1+B2)^B3 

foi digitada na célula B4.

O usuário da planilha também deseja calcular a quantidade 
necessária de meses para obter um Valor futuro do investi-
mento de R$ 30.000,00. Para fazer isso, pretende usar um 
recurso disponível entre as funcionalidades do Excel, que 
altera o valor lançado na célula B4, mas não por lançamen-
to direto nessa célula. Opta, então, por calcular, automati-
camente, um novo valor para a célula B3.
Qual é a funcionalidade do Excel 2010 (Português), que 
faz esse cálculo, automaticamente, mantendo a fórmula 
que está na célula B4? 
(A) Filtro
(B) Validar dados
(C) Atingir meta
(D) Rastrear precedentes
(E) Avaliar fórmula

25

Considere as afirmações a respeito de organização e ge-
renciamento de informações, arquivos, pastas e progra-
mas apresentados a seguir.
I  -  Arquivos de imagens JPEG quando compactados 

sofrem uma redução de aproximadamente 80% do 
tamanho da coleção original de imagens. 

II  -  Se houver mais de um programa no computador ca-

paz de abrir um tipo de arquivo, um programa será 
defi nido como o padrão pelo sistema ou usuário.

III  -  Bibliotecas são repositórios que contêm fi sicamente 

arquivos que estão na mesma estrutura hierárquica 
de diretórios.

Estão corretas APENAS as afirmações
(A) I
(B) II
(C) III
(D) I e II
(E) II e III

cesgranrio-2015-petrobras-profissional-junior-administracao-prova.pdf-html.html

7

PROFISSIONAL JÚNIOR / FORMAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

26

Uma entidade tem $ 320.000 de ativo total ao final de um exercício, no qual obteve lucro de $ 25.000. 
Se essa entidade tem 55% de participação do capital de terceiros, o seu patrimônio líquido ao final do exercício é 
(A) $   25.000,00 
(B) $ 119.000,00 
(C) $ 144.000,00 
(D) $ 176.000,00 
(E) $ 295.000,00

27

De acordo com as normas de Contabilidade vigentes no Brasil, um terreno adquirido por uma entidade e mantido para 
valorização é classificado no Balanço Patrimonial como 
(A) investimento 
(B) ativo circulante
(C) ativo imobilizado
(D) ativo realizável a longo prazo
(E) ativo não circulante mantido para venda

28

Na nomenclatura de Contabilidade de Custos, uma das classificações, que leva em conta a relação entre o valor total de 
um custo e o volume de atividade em uma unidade de tempo, segrega os custos e as despesas em fixos ou variáveis. 
Considerando-se os conceitos de custos e despesas fixas e variáveis, um exemplo de custo variável é
(A) aluguel
(B) conta telefônica da fábrica
(C) mão de obra indireta
(D) material direto
(E) propaganda

29

Uma indústria fabrica cinco produtos distintos, cujos custos e preços de venda no último mês estão descritos no Quadro 
abaixo.  

Produto

Custo direto variável

Custo indireto variável 

Preço de venda

Volume de vendas (unid)

CIS

             750,00 

              120,00 

        1.450,00 

30

GIS

          1.100,00 

              180,00 

        1.810,00 

35

KIS

             900,00 

              100,00 

        1.640,00 

25

MIS

             840,00 

              130,00 

        1.520,00 

30

XIS

             800,00 

                80,00 

        1.390,00 

40

Caso a empresa decida descontinuar um dos produtos e utilize o critério da margem de contribuição total, o produto que 
deve ser descontinuado é 
(A) CIS
(B) GIS
(C) KIS
(D) MIS
(E) XIS

cesgranrio-2015-petrobras-profissional-junior-administracao-prova.pdf-html.html

PROFISSIONAL JÚNIOR / FORMAÇÃO
ADMINISTRAÇÃO

8

30

Atualmente existe um consenso, no ambiente empresa-
rial, de que o diferencial da empresa está intimamente 
ligado ao elemento humano, um fator crítico de sucesso.
As organizações procuram estabelecer estratégias que 
evidenciem sua preocupação com o desenvolvimento de 
seu pessoal, o reconhecimento relativo ao seu desempe-
nho, dentre outras. As estratégias de recursos humanos e 
as estratégias da organização, de maneira geral, devem 
estar correlacionadas. 
Isso ocorre porque a área de recursos humanos deve
(A)  estabelecer as diretrizes e a estrutura da organização, 

para que os empregados possam estabelecer seus 
planos de desenvolvimento profissional.

(B) estruturar primeiramente as estratégias da sua área 

para que, posteriormente, as estratégias organizacio-
nais sejam estabelecidas.

(C) estabelecer as metas e os objetivos para o planeja-

mento estratégico organizacional, em função dos re-
cursos humanos disponíveis.

(D) atuar como parceira estratégica da organização, en-

contrando meios consistentes para contribuir com o 
seu sucesso.

(E) indicar equipes das diversas áreas da empresa para 

que estas possam implantar as estratégias por ela de-
finidas.

31

Um dirigente de uma empresa está preocupado com seu 
papel na empresa e com os resultados apresentados, que 
têm piorado bastante nos últimos meses. Isso tem feito 
com que ele se questione a respeito de seu estilo de li-
derança.
Para resolver esse problema e melhorar o desempenho 
de sua organização, ele contratou um consultor que o 
orientou a adotar um estilo de liderança apoiador, cujas 
características são: 
(A) ter preocupação com o bem-estar de seus subordi-

nados, sendo aberto e acessível a eles, tratando-os 
como iguais.

(B) enfatizar a obediência às regras, às metas de desem-

penho e padrões de comportamento conforme esta-
belecido.

(C) encorajar as discussões em grupo, não consultando 

os subordinados para tomar as decisões, porém per-
mitindo que os subordinados deem suas sugestões e 
opiniões.

(D) fixar as diretrizes para os subordinados sem a partici-

pação destes, providenciando as técnicas e orienta-
ção para a execução das tarefas.

(E) dar liberdade completa aos subordinados para as de-

cisões do grupo ou mesmo individuais, com a partici-
pação mínima do líder.

32

Uma empresa do setor agroindustrial, visando a aumen-
tar a produtividade de seus empregados, resolveu adotar 
alguns programas institucionais para melhorar a sua rela-
ção com eles. Um dos programas utilizados pela empre-
sa, para atingir esse objetivo, foi o programa “Reuniões 
com a Presidência e Direção”, em que o presidente e a 
direção da empresa respondiam a perguntas feitas direta-
mente pelos funcionários.
Esse tipo de programa tem como objetivo, na relação da 
empresa com seus empregados, estabelecer a
(A) demissão voluntária
(B) avaliação de desempenho
(C) competição entre os empregados
(D) estrutura de poder
(E) comunicação ascendente

33

Uma empresa que atua prestando assessoria a outras 
empresas constatou que precisava fazer a gestão de de-
sempenho de seus empregados tendo em vista que era 
necessário que estes estivessem bem treinados nas ati-
vidades realizadas e que se capacitassem cada vez mais 
para acompanhar os planos de expansão da empresa. 
Assim, decidiu iniciar  um programa de avaliação dos em-
pregados.
Para que possa surtir os efeitos positivos esperados pela 
organização, é necessário que esse programa 
(A) seja elaborado pelos próprios empregados que defini-

rão quais os critérios e parâmetros pelos quais serão 
avaliados.

(B) tenha seus critérios e parâmetros conhecidos somen-

te pelos superiores hierárquicos porque a avaliação 
de desempenho é confidencial.

(C) realize a avaliação pontualmente quando houver al-

guma reclamação em relação ao desempenho do em-
pregado.

(D) contemple apenas os aspectos técnicos referentes às 

atividades realizadas pelos empregados.

(E) esteja alinhado aos objetivos e metas, ao direciona-

mento estratégico, missão e princípios existentes na 
empresa.

34

Uma empresa de projetos tem várias atividades que são 
compartilhadas por diversas áreas nas quais as equipes 
dos projetos utilizam as mesmas pessoas que pertencem 
aos setores funcionais. Isso significa que muitos dos ser-
viços, atividades ou funções são compartilhados por di-
ferentes áreas. Embora essa estrutura exija um nível de 
confiança mútua, ela possibilita maior versatilidade e oti-
mização dos recursos humanos.
A estrutura organizacional utilizada por essa empresa, 
considerando-se as características apresentadas, é a
(A) funcional
(B) departamental
(C) matricial
(D) linear - staff
(E) divisional

cesgranrio-2015-petrobras-profissional-junior-administracao-prova.pdf-html.html

PROFISSIONAL JÚNIOR / FORMAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO

9

35

Uma empresa do setor de tecnologia está buscando um 
profissional que esteja atualizado com as novas tendên-
cias do e-commerce e que conheça bem as melhores prá-
ticas em tecnologia estratégica aplicada a esse tipo de ne-
gócio. O profissional a ser recrutado deverá, nos últimos 
três anos, ter trabalhado em empresas que prestam servi-
ços no setor de comércio eletrônico, fazendo assessoria.
Assim, a empresa, para atingir seu objetivo, deverá utili-
zar o recrutamento 
(A) externo, que possibilita a entrada de novas formas de 

pensar na organização, permitindo ampliar as compe-
tências já existentes.

(B) misto, que possibilita o aproveitamento das compe-

tências existentes na empresa, sendo um tipo de re-
crutamento mais rápido.

(C) via headhunter, que preenche a vaga existente com 

base no perfil dos colaboradores da própria empre-
sa, efetuando o treinamento do profissional de acordo 
com a necessidade.

(D) interno, que, embora tenha um custo maior do que os 

demais tipos de recrutamento,  possibilita a motivação 
dos colaboradores.  

(E) eRecruitment, que utiliza a intranet e possibilita que 

todas as áreas da empresa tomem conhecimento da 
vaga, motivando os colaboradores da empresa, já que 
não divulga a vaga existente ao público externo.

36

Uma empresa do setor automotivo está estruturando um 
plano de benefícios para seus empregados, visando a 
estimular o maior comprometimento no desempenho de 
suas funções e aumentando, assim, a produtividade.
Os benefícios se caracterizam do seguinte modo:
(A) constituem-se em meios pelos quais os empregados 

possam satisfazer as suas necessidades pessoais, e 
são estritamente  de natureza legal.

(B) podem ser classificados como legais ou espontâneos 

e representam uma forma de remuneração indireta.

(C) abrangem os fatores assistenciais, visando a prover 

aos empregados condições de lazer, higiene mental e 
qualidade de vida.

(D) visam a aumentar a rotatividade de pessoal e o ab-

senteísmo, que são fatores fundamentais na produti-
vidade da empresa.

(E) devem ser totalmente financiados pela empresa, já 

que passam a fazer parte da remuneração direta do 
empregado.

37

Uma empresa do setor de serviços pretende adotar al-

gumas práticas gerenciais visando à motivação de seus 

empregados.
Uma boa prática para motivar os empregados é
(A) ter horário de trabalho fixo, estabelecido pelos supe-

riores hierárquicos, porque isso faz com que o empre-

gado saiba exatamente o horário de seu expediente.

(B)  propor novos desafios nas atividades realizadas pelos 

empregados, porque isso demonstra a confiança da 

empresa em sua capacidade. 

(C) definir equipes de trabalho, considerando os aspectos 

técnicos e ignorando os aspectos das afinidades, por-

que, dessa forma, os empregados sabem que todos 

são igualmente capazes.

(D) mudar constantemente prioridades, porque isso esti-

mula o empregado a estar sempre atento às novas 

formas de trabalho.

(E) estabelecer atividades rotineiras, porque estas pro-

porcionam maior segurança aos empregados.

38

No cenário econômico atual, as organizações precisam 

ter diferenciais em relação aos seus concorrentes. Para 

que os diferenciais competitivos sejam desenvolvidos, as 

organizações procuram desenvolver suas competências 

essenciais ao negócio.
As competências essenciais constituem-se no(a)
(A)  processo educacional de curto prazo, aplicado de ma-

neira sistemática e organizada para que os emprega-

dos possam executar as atividades que exigem espe-

cialização. 

(B) conjunto de conhecimentos, habilidades, tecnologias, 

sistemas físicos, gerenciais e valores que geram um 

diferencial competitivo para as organizações.

(C) novo modelo de seleção de pessoal que visa a iden-

tificar os melhores profissionais no mercado, dentro 

do seu setor de atuação para desenvolver práticas de 

gestão mais eficientes. 

(D) intensificação da eficiência administrativa, estabele-

cendo-se princípios e funções específicos, visando à 

padronização de procedimentos nos  moldes do setor 

de atuação. 

(E) formação de talentos que se ocupa da especialização 

e do aperfeiçoamento dos procedimentos, sem consi-

derar os aspectos psicossociais, conforme a aborda-

gem mecanicista.

39

O ambiente organizacional exige que as empresas apren-

dam rapidamente e que esse processo seja contínuo, de 

tal forma que a empresa possa desenvolver e reforçar a 

sua capacidade de desenvolver seu próprio futuro.
Existem alguns componentes básicos que caracterizam 

as organizações de aprendizagem dentre os quais se en-

contra o(a)
(A) sistema fechado

(B) trabalho individualizado 

(C) concepção burocrática 

(D) abordagem mecanicista

(E) visão partilhada construída pela equipe

RASCUNHO

cesgranrio-2015-petrobras-profissional-junior-administracao-prova.pdf-html.html

PROFISSIONAL JÚNIOR / FORMAÇÃO
ADMINISTRAÇÃO

10

40

Dois alunos do curso de Administração estavam conver-
sando sobre os aspectos da cultura organizacional da ins-
tituição de ensino na qual estudam. O primeiro disse que 
a cultura organizacional consiste no conjunto de valores e 
crenças compartilhados entre o nível estratégico da orga-
nização e afirmou que os empregados dos demais níveis 
organizacionais, por estarem em posição de subordinação,  
não apresentam aspectos culturais para serem comparti-
lhados na empresa. O segundo aluno explicou que a cul-
tura organizacional abrange, além das normas formais, um 
conjunto de regras implícitas, que vinculam as atitudes to-
madas pelos indivíduos na organização e que essa cultura 
envolve também um conjunto de pressupostos psicosso-
ciais.
De acordo com o exposto acima, a análise da conversa 
entre os dois alunos permite afirmar que 
(A) ambos os alunos estão corretos em suas explicações 

sobre a cultura organizacional.

(B) ambos os alunos estão errados em suas explicações 

sobre a cultura organizacional.

(C) somente o primeiro aluno está correto na sua afirma-

ção sobre o que constitui a cultura organizacional.

(D) somente o segundo aluno está correto em sua expli-

cação sobre os elementos que constituem a cultura 
organizacional.

(E) somente o segundo aluno está errado em sua expli-

cação sobre os elementos que constituem a cultura 
organizacional.

41

Uma empresa está organizando as informações para ini-
ciar seu planejamento estratégico para os próximos cinco 
anos. O consultor que orienta a organização nesse pro-
cesso estabeleceu alguns elementos fundamentais que 
devem ser identificados para a elaboração do planeja-
mento estratégico. Na primeira reunião com a equipe da 
empresa, o consultor solicitou que fossem identificadas as 
ameaças de novos entrantes.
Essas ameaças consistem no(a)
(A) estabelecimento do teto de preços imposto no mer-

cado que limita o potencial do setor, havendo maior 
competição por clientes, em função do número maior 
de empresas.

(B) domínio no mercado de poucas empresas fornecedo-

ras que competem por diferenciação de seus produtos 
e de sua qualidade, provocando o aumento da compe-
tição por clientes. 

(C) grau de competitividade do mercado que é avaliado 

com base na capacidade de as empresas entrarem no 
mesmo mercado e concorrerem por clientes. 

(D) desempenho das empresas de um setor através da 

elevação dos preços ou da redução da qualidade, 
ocasionando um aumento na concorrência. 

(E) capacidade de os clientes forçarem os preços para 

baixo, exigindo melhor qualidade e jogando os con-
correntes uns contra os outros, ameaçando a compe-
titividade da empresa.

42

O ambiente organizacional constitui-se de vários 
elementos em função das relações estabelecidas pela 
empresa com o ambiente em que atua. Dessa forma, 
pode-se  subdividir esse ambiente, sob uma perspectiva 
mais geral, em três partes distintas, quais sejam:
(A) a estrutura organizacional, que representa os níveis 

hierárquicos existentes na organização; os recursos 
humanos, que se constituem na força de trabalho que 
executa as atividades operacionais; e a tecnologia 
que a empresa utiliza nos seus processos produtivos 
e em seus sistemas gerenciais.

(B) os níveis hierárquicos, que definem o poder decisó-

rio e o grau de autonomia dos empregados; o corpo 
gerencial, que é quem executa o plano estratégico da 
empresa, atuando como elemento motivador da for-
ça de trabalho; e a tecnologia, que representa o ma-
quinário e equipamentos utilizados pela empresa em 
seus processos produtivos.

(C) o ambiente interno, que inclui os fatores que sofrem 

um controle mais interno e direto da organização; o 
ambiente das tarefas, que se constitui nos fatores que 
interagem diretamente com a organização; e o am-
biente externo, que inclui  os fatores que podem in-
fluenciar as decisões estratégicas da organização.

(D) os fornecedores, que representam os insumos do 

processo produtivo da organização;  os clientes que 
adquirem as saídas do processamento realizado, es-
tabelecendo a relação da empresa com o mercado; e  
os concorrentes que representam o ambiente macro-
econômico no qual a empresa atua.

(E) a dimensão social, que representa o mercado no qual 

a empresa opera; a dimensão tecnológica, que abran-
ge os métodos de trabalho e maquinário e equipa-
mentos utilizados pela empresa em seus processos 
produtivos; e a dimensão legal, que é o fator de restri-
ção para a operação da empresa.

RASCUNHO

cesgranrio-2015-petrobras-profissional-junior-administracao-prova.pdf-html.html

PROFISSIONAL JÚNIOR / FORMAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO

11

43

Uma empresa do setor de energia, que deseja ampliar a 
sua participação no mercado, precisa identificar suas for-
ças, fraquezas, oportunidades, ameaças e concorrentes 
que existem e que se constituem em desafios que deve-
rão ser aproveitados ou enfrentados pela empresa, em 
função de seu objetivo.
Um desses tipos de desafios está adequadamente descri-
to da seguinte forma:
(A)  as oportunidades são elementos do microambiente no 

qual a empresa atua e se refere às suas competên-
cias.

(B) as forças se referem ao mercado e aos seus atores, 

que se constituem em elementos que pressionam a 
empresa.

(C) as ameaças são os aspectos externos negativos que 

podem pôr em risco a vantagem competitiva da em-
presa.

(D) as fraquezas se referem às empresas que atuam no 

mesmo setor e mercado, mas que não são concorren-
tes dessa empresa do setor de energia. 

(E) os concorrentes são as empresas dos diversos seto-

res da economia que apresentam as melhores práti-
cas do mercado.

44

Uma empresa do setor de alimentação oferece ao mer-
cado diversos produtos, porém tem observado que, nos 
últimos anos, o consumidor tem alterado seu padrão de 
consumo, buscando adotar uma postura mais consciente, 
em relação aos produtos que adquire, agregando à dieta 
alimentos mais saudáveis e incluindo produtos com me-
nor conteúdo de gorduras e calorias. Para aproveitar essa 
oportunidade e conseguir maior fatia de mercado, a em-
presa decidiu segmentar o mercado.
Essa segmentação de mercado tem como objetivo
(A) reduzir o número de produtos ofertados ao mercado, 

restringindo o público-alvo, visando a aumentar o pre-
ço dos produtos. 

(B) identificar as características principais dos produtos 

comercializados pela empresa para limitar sua atua-
ção no mercado.

(C) classificar os tipos de produtos que são produzidos 

pela empresa para determinar a missão e os objetivos 
da organização que são divulgados no mercado.

(D) subdividir o mercado maior em grupos menores, cha-

mados de segmentos, que se tornam os mercados-
-alvo. 

(E) dar subsídios para que, após essa segmentação, seja 

feita uma pesquisa de mercado visando à identifica-
ção do público-alvo dos produtos ofertados pela em-
presa.

45

Uma empresa, preocupada em conquistar maior fatia de 
mercado, contratou um consultor para elaborar sua es-
tratégia de marketing. Ele disse que seria necessário ela-
borar um plano de ação  para que a empresa pudesse 
alcançar o sucesso desejado. Ele também orientou a or-
ganização no que se relaciona à necessidade de compre-
ender o ambiente mercadológico em que a empresa está 
inserida.
Nessa orientação, o consultor explicou a necessidade de 
utilizar um conjunto de ferramentas para que a empresa 
possa alcançar seus objetivos de marketing.
Constitui-se uma ferramenta de marketing
(A) 2 C – Competência e Competitividade
(B) 3 M – Mercado, Marca e Mix de Marketing
(C) 4 P – Produto, Preço, Promoção e Praça
(D) 5 S – StrategySalesSupportStrengths e Supply
(E) 5W2H – WhatWhyWhereWhenWhoHow e How 

much

46

O setor de serviços hoje tem grande representatividade 
no mercado de trabalho e também na economia de muitos 
países. O processo de produção de um serviço é caracte-
rizado como aberto porque tem um alto grau de interação 
com os clientes. Além disso, ele apresenta algumas ca-
racterísticas que o diferenciam de produto.
Constitui-se em característica do serviço a seguinte pro-
priedade:
(A)  intangibilidade, que é a padronização de processos na 

prestação de serviços de tal forma que o cliente possa 
perceber a uniformização no seu atendimento.

(B) inseparabilidade, que é a mensuração do desempe-

nho com pesquisa com clientes e utilização de canais 
de sugestões e reclamações, unindo a empresa e o 
cliente.

(C) variabilidade, que é a utilização de ferramental, para 

mostrar a seus clientes que seus serviços são de qua-
lidade, acrescentando evidências físicas a suas ofer-
tas abstratas. 

(D)  personalização, uma vez que os funcionários que 

prestam os serviços se mostram satisfeitos no aten-
dimento aos clientes, possibilitando a continuidade no 
pós-venda. 

(E) perecibilidade, uma vez que não podem ser armaze-

nados para venda ou uso posterior.

RASCUNHO

cesgranrio-2015-petrobras-profissional-junior-administracao-prova.pdf-html.html

PROFISSIONAL JÚNIOR / FORMAÇÃO
ADMINISTRAÇÃO

12

47

Uma empresa do setor automobilístico pretende aumen-
tar a sua participação no mercado, em 10% nos próximos 
5 anos e, para isso, fez um levantamento referente aos 
principais problemas existentes na relação da empresa 
com os seus clientes.
Para ajudar nesse processo, a empresa implantou um 
CRM cujo objetivo primordial é
(A) fazer uma análise do poder de compra do cliente e do 

crescimento do mercado consumidor.

(B) estabelecer a correlação de causa e efeito relativa a 

reclamações dos clientes.

(C) melhorar os processos relativos à área comercial, 

desde a fase do planejamento de vendas.

(D) intensificar a comercialização dos produtos da empre-

sa através do comércio eletrônico.

(E) buscar a satisfação total do cliente visando à anteci-

pação de suas necessidades e desejos.

48

Uma empresa do setor industrial quer melhorar sua ima-
gem no mercado e, para isso, estabeleceu algumas dire-
trizes que visam a mostrar aos seus clientes e ao público, 
em geral, seu compromisso com a sociedade e com a pre-
servação do planeta.
Para que a empresa possa mostrar ao público seu com-
promisso com a responsabilidade social, ela deverá ado-
tar, dentre outras, a seguinte ação:
(A)  utilizar recursos não renováveis em detrimento dos re-

cursos renováveis em seu processo produtivo.

(B) respeitar a diversidade humana e cultural dos colabo-

radores somente no país em que deseja melhorar sua 
imagem.

(C) desconsiderar a inserção das comunidades locais nas 

atividades da empresa, preservando a sua cultura.  

(D) promover princípios do trabalho decente e da não dis-

criminação em suas operações e nas relações com os 
públicos de interesse.

(E) admitir, no seu corpo de funcionários, menores que 

estejam em situação de risco, para que possam sus-
tentar-se.

49

As empresas adotam várias práticas corporativas que 
buscam melhorar o relacionamento com seus emprega-
dos, o aumento da sua eficiência e a competitividade, 
dentre outros objetivos. 
Uma dessas práticas, especificamente, tem como objetivo 
estimular o ambiente interno da organização, promovendo 
maior comprometimento de todos e o fortalecimento dos 
laços internos.
Essa prática é o(a)
(A) Responsabilidade social
(B) Governança corporativa
(C) Gerenciamento de qualidade
(D) Geração de valor
(E) Endomarketing

50

Um profissional recém-contratado para a área de mate-
riais de uma empresa do setor industrial mecânico, tem 
como primeira atividade estabelecer a classificação dos 
materiais existentes na empresa. Ele sabe que existem 
várias formas de classificação de materiais e que esta 
deve ser feita de acordo com a similaridade das caracte-
rísticas dos produtos.
Estão classificados adequadamente os seguintes ma-
teriais: 
(A) Produtos acabados   — são os materiais que não de-

vem existir em estoque e para os quais não existem 
critérios de ressuprimento automático.

(B) Materiais de importância operacional — são os mate-

riais imprescindíveis ao funcionamento da empresa.

(C) Materiais de estoque — são materiais de demanda 

imprevisível para os quais não são definidos parâme-
tros para o ressuprimento automático.

(D) Materiais de não estoque — são materiais que estão 

sendo processados ao longo do processo produtivo 
da empresa.

(E) Materiais críticos — são os materiais que poderão 

ser recondicionados, fabricados internamente ou 
comprados. 

51

As empresas de diferentes portes se utilizam de sistemas 
de informações gerenciais (SIG), com o objetivo de me-
lhorar a qualidade de suas decisões.
Um SIG é um(a)
(A) sistema que tem como objetivo gerar informações 

para a resolução dos problemas organizacionais e a 
preparação da empresa para aumentar a sua compe-
titividade no mercado.

(B)  sistema operacional que tem como objetivo centralizar 

as informações no nível institucional da organização. 

(C) sistema formado pelas informações do mercado e 

aquelas de natureza comercial da empresa, visando a 
decisões que assegurem a variabilidade da eficiência 
da empresa.

(D) ferramenta gerencial, com base na tecnologia da in-

formação, que permite a empresa controlar as variá-
veis do mercado no seu processo decisório.

(E) plataforma tecnológica que propicia a extração de re-

latórios para acompanhar o processo produtivo e as 
vendas da empresa.

RASCUNHO

cesgranrio-2015-petrobras-profissional-junior-administracao-prova.pdf-html.html

PROFISSIONAL JÚNIOR / FORMAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO

13

52

Uma empresa do setor de varejo quer executar o seu pla-
no de vendas, que foi elaborado com base no planeja-
mento realizado pelo diretor de vendas.
Para a elaboração desse plano de vendas, foi necessário 
avaliar o potencial de mercado, que é 
(A) a capacidade do mercado, de determinada área geo-

gráfica ou de um ramo de atividade, em absorver um 
determinado produto ou serviço.

(B) a divisão do mercado em grupos de clientes com ne-

cessidades e preferências semelhantes, permitindo 
determinar o volume de vendas.

(C) o recolhimento de informações a respeito do mercado 

em que a empresa atua, dos concorrentes e dos for-
necedores. 

(D) um  processo de análise e identificação de grupos de 

clientes com necessidades e preferências homogêneas.

(E) uma análise microeconômica referente à lealdade à 

marca, que fixa o mercado em que a empresa atuará.

53

Uma empresa que atua no mercado varejista implemen-
tou um sistema de gestão da qualidade visando à melho-
ria de seus processos. Para verificar se as rotinas desse 
sistema foram efetivamente implementadas e estão sendo 
realizadas segundo as políticas definidas, a empresa ado-
tou uma ferramenta de gestão que é baseada na criação 
de equipes que farão a verificação in loco dos registros 
das atividades efetuadas referentes aos diversos proces-
sos da organização, segundo parâmetros estabelecidos 
previamente. 
Nesse contexto, a ferramenta de gestão utilizada pela em-
presa para atingir seu objetivo é a(o)
(A) auditoria interna
(B) sistema de comunicação interna
(C) diagrama de Ishikawa
(D) brainstorming
(E) diagrama de causa e efeito

54

Uma empresa do setor de tecnologia da informação tem 
muitos clientes e está em franca expansão de seus ne-
gócios. Buscando otimizar seus recursos, decidiu operar 
segundo os princípios do gerenciamento de projetos, con-
siderando cada um de seus contratos como um projeto.
Um projeto caracteriza-se por ser um
(A)  evento de conclusão de cada etapa de um conjunto de 

atividades.

(B) evento temporário com um objetivo predeterminado e 

bem definido.

(C) conjunto de processos, documentos e regras para o 

desenvolvimento do trabalho.

(D) conjunto de tarefas rotineiras de operação normal da 

empresa.

(E)  conjunto de documentos, protótipos e intangíveis rela-

cionados a uma atividade.

55

Seja f : 

R* → R a função definida por 

 

2

x

x 1

f x

x

 

O gráfico da função f possui uma única assíntota oblíqua, 
que é a reta cuja equação é
(A) y = x 

  

(B) y = 

x  

(C) y = x + 1 

 

(D) y = 

x 1  

(E) y = 2x + 1   

56

A estabilidade de um determinado processo industrial é 
avaliada a partir de um índice N, que é um número real 
positivo. O processo é considerado estável se, e somente 
se, 3 ≤ log

(N) ≤ 4. O processo é dito instável se, e so-

mente se, o mesmo não for estável.
Dessa forma, o referido processo industrial é considerado 
instável

 se, e somente se, o índice N pertence ao conjunto

(A) 

 

,9

12,





  

(B) 

  

0,27

81,



   

 
(C) 

  

0,9

12,



(D) 

 

9,12

(E) 

27,81

57

Seja f : 

R → R a função periódica definida por f(x) = sen(x), 

cujo gráfico é apresentado a seguir.

3

4

2

1

1

2

3

4

x

1

1 y

O período T de uma função periódica g é o menor nú-
mero real, estritamente positivo, para o qual se tem
g(x) = g(x + T), 

x R.

O período da função g: 

R → R definida por g(x) = |f(x)| é 

(A) 4

   

(B) 3

   

(C) 2

   

(D) 

   

(E) 

2

   

cesgranrio-2015-petrobras-profissional-junior-administracao-prova.pdf-html.html

PROFISSIONAL JÚNIOR / FORMAÇÃO
ADMINISTRAÇÃO

14

58

Uma matriz A

4x4

, para a qual a

ij

 indica o termo que ocupa 

a linha i e a coluna j, deverá ser montada, de tal forma 
que:

•  a

ij

 = 0 ou 1, 

i,j = 1,2,3,4; 

•  a

ii

 = 0, 

i = 1,2,3,4;

•  a

ij

 = a

ji

,

 

i,j = 1,2,3,4.

De quantas maneiras distintas se pode montar a matriz 
A

4x4

, de modo que todas as condições sejam satisfeitas?

(A) 4096
(B) 128
(C) 64
(D) 24
(E) 12

59

Considere a

n

 e b

n

 os termos gerais de duas progressões 

geométricas, cujas razões são 4 e 

1
2

, respectivamente.

Tem-se, portanto, que c

n

 = a

n

 . b

n

 é o termo geral de uma 

progressão geométrica cuja razão é igual a

(A) 8

(B) 

9
2

  

 

(C) 2

(D) 

1
2

 

(E) 

1

8

  

 

60

O Gráfico abaixo representa o box-plot construído a partir 
dos três quartis da distribuição de uma variável de inte-
resse.

30

47

83,5

164

296

0                          100                          200                        300

A análise dos dados oferecidos pelo Gráfico permite a se-
guinte conclusão acerca de sua distribuição:
(A) A distribuição é assimétrica negativa 
(B) 25% dos dados se situam entre 164 e 296.
(C) A amplitude interquartílica dos dados é 266.
(D) A mediana é superior à média.
(E) A mediana dos dados é 164.

61

Numa amostra de quatro obervações, a média é 4, a me-
diana é 3, a moda é 2, e a amplitude total é 6. 
O valor da variância amostral é dado por
(A)   2
(B)   4
(C)   6
(D)   8
(E) 10

62

Dois eventos independentes A e B são tais que P(A) = 2p, 
P(B) = 3p e P(AUB) = 4p com p>0. 
A probabilidade de que os eventos A e B ocorram conco-
mitantemente é dada por
(A)  0 
(B) 1/6 
(C) 1/4 
(D) 1/3 
(E) 1/2

63

Um gestor deparou com a necessidade de calcular o valor 
presente de uma série perpétua de fluxos de caixa. Ele 
não sabia se calcularia considerando um fluxo constante 
ou com uma taxa de crescimento de 0,5% ao período. 
A taxa de desconto a ser utilizada no cálculo é de 1% 
ao período. Sendo assim, a razão entre o resultado do 
cálculo do valor presente da série com crescimento e do 
valor presente da série constante é igual a
(A) 1
(B) 2
(C) 3
(D) 4
(E) 5

64

Um profissional realizou a análise de viabilidade econômi-
co-financeira de um projeto de investimento que apresen-
ta fluxo de caixa inicial negativo e todos os demais fluxos 
de caixa, futuros, positivos. Ele encontrou os seguintes re-
sultados: Taxa Interna de Retorno (TIR) = 25% a.a.; Taxa 
Interna de Retorno Modificada (MTIR) = 17% a.a. 
Os resultados encontrados foram diferentes, porque ele
(A)  acertou ao considerar uma taxa de desconto igual em 

ambos os cálculos.

(B)  aplicou a MTIR quando não poderia tê-lo feito.
(C)  errou na conta efetuada, pois TIR = MTIR para esse 

tipo de fluxo.

(D)  usou um custo de capital diferente em cada um dos 

cálculos.

(E)  utilizou uma taxa de reinvestimento menor que a TIR.

cesgranrio-2015-petrobras-profissional-junior-administracao-prova.pdf-html.html

PROFISSIONAL JÚNIOR / FORMAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO

15

65

Na análise de demonstrações financeiras, cálculos 
como o do EBIT (LAJI ou LAJIR em português), do 
EBITDA (LAJIDA em português) e do NOPAT (LOLAI em 
português) são realizados com o intuito de conhecer, de 
forma mais aprofundada, a situação econômico-financeira 
de uma empresa.
Dessa forma, o EBITDA poderá ser
(A) impactado pelos impostos sobre vendas 
(B) impactado pelas despesas de juros 
(C) impactado pela amortização 
(D) menor que o NOPAT 
(E) menor que o EBIT

66

Uma empresa apresenta um prazo médio de rotação de 
estoques (PMRE) positivo de 30 dias, ciclo operacional 
(CO) positivo de 50 dias, e ciclo financeiro (CF) positivo 
de 10 dias. A empresa espera que, praticando um prazo 
médio de pagamento de compras (PMPC) maior, sua 
gestão financeira de curto prazo gerará valor para ela. 
Ao aumentar seu PMPC atual em 50%, a empresa terá 
um ciclo financeiro
(A)  positivo de 5 dias, o que é bom financeiramente para 

a empresa. 

(B)  positivo de 5 dias, o que é ruim financeiramente para 

a empresa. 

(C)  positivo de 10 dias, o que é bom financeiramente para 

a empresa. 

(D)  negativo de 10 dias, o que é bom financeiramente 

para a empresa. 

(E)  negativo de 5 dias, o que é ruim financeiramente para 

a empresa. 

67

O grau de alavancagem total (GAT), com o qual uma em-
presa atua em seu mercado, é influenciado por determi-
nadas estruturas de custos. 
Para encontrar o GAT de uma empresa, a relação entre 
o Grau de Alavancagem Operacional (GAO) e o Grau de 
Alavancagem Financeira (GAF) é 
(A)  aditiva, referindo-se à estrutura financeira da empresa.
(B)  aditiva, mostrando o aumento do risco total para a em-

presa. 

(C)  aditiva, evidenciando a elevação dos custos fixos da 

empresa.

(D)  multiplicativa, retratando a variação do lucro líquido da 

empresa.

(E)  

multiplicativa, apresentando uma medida de risco 
para a empresa.

68

No âmbito empresarial, umas das principais saídas resul-
tantes do processo de orçamento empresarial são os pla-
nos orçamentários gerados. 
O plano que, por regra, direciona a construção dos 
demais planos e um exemplo de setor onde as empresas 
integrantes fugirão a essa regra são, respectivamente,
(A) plano de custos indiretos de produção; setor de varejo
(B) plano de vendas; setor de petróleo
(C) plano de mão de obra direta; setor governamental
(D) plano de materiais; setor de construção
(E) plano de despesas comerciais; setor de mineração

69

A abordagem orçamentária beyond budgeting é relativa-
mente recente e vai de encontro à abordagem orçamen-
tária tradicional das empresas. 
Uma característica marcante da abordagem beyond 
budgeting

 é

(A)  apresentar metas inflexíveis.  
(B)  relacionar remuneração de executivos com atingimento 

de metas.

(C)  gerar confiança no provimento de recursos quando 

necessários.

(D)  desestimular equipes a assumirem riscos.   
(E)  possuir um processo decisório centralizado.

70

As empresas, ao captarem recursos financeiros de 
terceiros, obrigam-se a respeitar o sistema de amortização 
financeiro contratado. Sob condições de prazo, taxa de 
juros e valor emprestado iguais, os sistemas Francês, 
SAC, Misto e Americano apresentam uma característica 
comum.
Essa característica é a seguinte: 
(A) a amortização aumenta na mesma velocidade.
(B) a primeira parcela contém o mesmo valor de juros.
(C) as prestações são constantes.
(D) as prestações são decrescentes.
(E) o saldo devedor reduz na mesma velocidade.

 

RASCUNHO