Prova Concurso - Engenharia - 2015-PREFEITURA-DE-SAO-LUIS-MA-AUDITOR-DE-CONTROLE-INTERNO-ENGENHARIA-CIVIL - FCC - PREFEITURA - 2015

Prova - Engenharia - 2015-PREFEITURA-DE-SAO-LUIS-MA-AUDITOR-DE-CONTROLE-INTERNO-ENGENHARIA-CIVIL - FCC - PREFEITURA - 2015

Detalhes

Profissão: Engenharia
Cargo: 2015-PREFEITURA-DE-SAO-LUIS-MA-AUDITOR-DE-CONTROLE-INTERNO-ENGENHARIA-CIVIL
Órgão: PREFEITURA
Banca: FCC
Ano: 2015
Nível: Superior

Downloads dos Arquivos

prova.pdf
gabarito.pdf

Provas relacionadas

ENGENHEIRO-NUCLEARAMAZUL2018
ENGENHEIRO-AREA-MECANICAUFPA2018
ENGENHEIRO-ENGENHARIA-MECANICAUFPA2018

Gabarito

fcc-2015-prefeitura-de-sao-luis-ma-auditor-de-controle-interno-engenharia-civil-gabarito.pdf-html.html

 

Prefeitura Municipal de São Luís 

Auditor de Controle Interno 

 

Relação dos gabaritos 

 

Conhec. Gerais / Conhec. Específicos 

Cargo ou opção A01 - AUD. DE CONT. INTERNO - ÁREA DE ABRANGÊNCIA 

GERAL 

Tipo gabarito 1 

 

Conhec. Gerais / Conhec. Específicos 

Cargo ou opção B02 - AUD. DE CONT. INTERNO - ÁREA DE TEC. DA INF. 

(TI) 

Tipo gabarito 1 

 

Conhec. Gerais / Conhec. Específicos 

Cargo ou opção C03 - AUD. DE CONT. INTERNO - ÁREA ENGENHARIA 

CIVIL 

Tipo gabarito 1 

 

 

001 - D
002 - A
003 - D
004 - C 
005 - B 
006 - C 
007 - E 
008 - D
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - C 
013 - E 
014 - E 
015 - B 
016 - A
017 - C 
018 - A
019 - B 
020 - B 

 

021 - C 
022 - D
023 - A
024 - A
025 - D
026 - C 
027 - E 
028 - C 
029 - E 
030 - B 

 

031 - A 
032 - B 
033 - E 
034 - E 
035 - A 
036 - D 
037 - D 
038 - C 
039 - C 
040 - E 

 

041 - A
042 - D
043 - B 
044 - E 
045 - D
046 - B 
047 - A
048 - C 
049 - E 
050 - A

 

051 - C 
052 - A
053 - B 
054 - D
055 - B 
056 - A
057 - C 
058 - E 
059 - B 
060 - C 

 

061 - A
062 - D
063 - B 
064 - A
065 - D
066 - D
067 - A
068 - E 
069 - D
070 - E 

 

071 - E 
072 - C 
073 - A
074 - A
075 - C 
076 - A
077 - C 
078 - D
079 - E 
080 - B 

 

081 - C 
082 - E 
083 - D 
084 - B 
085 - C 
086 - E 
087 - D 
088 - E 
089 - B 
090 - A 

 

091 - C 
092 - E 
093 - B 
094 - D
095 - A
096 - C 
097 - B 
098 - B 
099 - E 
100 - D

 

001 - D
002 - A
003 - D
004 - C 
005 - B 
006 - C 
007 - E 
008 - D
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - C 
013 - E 
014 - E 
015 - B 
016 - A
017 - C 
018 - A
019 - B 
020 - B 

 

021 - C 
022 - D
023 - A
024 - A
025 - D
026 - C 
027 - E 
028 - C 
029 - E 
030 - B 

 

031 - A 
032 - B 
033 - E 
034 - E 
035 - A 
036 - D 
037 - D 
038 - C 
039 - C 
040 - E 

 

041 - A
042 - D
043 - B 
044 - E 
045 - D
046 - B 
047 - A
048 - C 
049 - E 
050 - A

 

051 - C 
052 - A
053 - B 
054 - D
055 - B 
056 - A
057 - C 
058 - E 
059 - B 
060 - C 

 

061 - A
062 - D
063 - B 
064 - A
065 - D
066 - E 
067 - C 
068 - A
069 - A
070 - C 

 

071 - A
072 - B 
073 - E 
074 - B 
075 - C 
076 - A
077 - C 
078 - C 
079 - E 
080 - D

 

081 - B 
082 - B 
083 - D 
084 - C 
085 - A 
086 - E 
087 - C 
088 - D 
089 - E 
090 - B 

 

091 - D
092 - A
093 - E 
094 - A
095 - D
096 - E 
097 - C 
098 - B 
099 - D
100 - E 

 

001 - D
002 - A
003 - D
004 - C 
005 - B 
006 - C 
007 - E 
008 - D
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - C 
013 - E 
014 - E 
015 - B 
016 - A
017 - C 
018 - A
019 - B 
020 - B 

 

021 - C 
022 - D
023 - A
024 - A
025 - D
026 - C 
027 - E 
028 - C 
029 - E 
030 - B 

 

031 - A 
032 - B 
033 - E 
034 - E 
035 - A 
036 - D 
037 - D 
038 - C 
039 - C 
040 - E 

 

041 - A
042 - D
043 - B 
044 - E 
045 - D
046 - B 
047 - A
048 - C 
049 - E 
050 - A

 

051 - C 
052 - A
053 - B 
054 - D
055 - B 
056 - A
057 - C 
058 - E 
059 - B 
060 - C 

 

061 - A
062 - D
063 - B 
064 - A
065 - D
066 - E 
067 - C 
068 - A
069 - A
070 - C 

 

071 - A
072 - B 
073 - E 
074 - B 
075 - C 
076 - A
077 - E 
078 - C 
079 - A
080 - E 

 

081 - B 
082 - B 
083 - D 
084 - A 
085 - C 
086 - E 
087 - A 
088 - E 
089 - A 
090 - D 

 

091 - B 
092 - D
093 - C 
094 - B 
095 - D
096 - C 
097 - C 
098 - D
099 - B 
100 - E 

 

fcc-2015-prefeitura-de-sao-luis-ma-auditor-de-controle-interno-engenharia-civil-gabarito.pdf-html.html

Conhec. Gerais / Conhec. Específicos 

Cargo ou opção D04 - AUD. DE CONT. INTERNO - ÁREA ENGENHARIA 

ELÉTRICA 

Tipo gabarito 1 

 

001 - D
002 - A
003 - D
004 - C 
005 - B 
006 - C 
007 - E 
008 - D
009 - B 
010 - C 

 

011 - D
012 - C 
013 - E 
014 - E 
015 - B 
016 - A
017 - C 
018 - A
019 - B 
020 - B 

 

021 - C 
022 - D
023 - A
024 - A
025 - D
026 - C 
027 - E 
028 - C 
029 - E 
030 - B 

 

031 - A 
032 - B 
033 - E 
034 - E 
035 - A 
036 - D 
037 - D 
038 - C 
039 - C 
040 - E 

 

041 - A
042 - D
043 - B 
044 - E 
045 - D
046 - B 
047 - A
048 - C 
049 - E 
050 - A

 

051 - C 
052 - A
053 - B 
054 - D
055 - B 
056 - A
057 - C 
058 - E 
059 - B 
060 - C 

 

061 - A
062 - D
063 - B 
064 - A
065 - D
066 - E 
067 - C 
068 - A
069 - A
070 - C 

 

071 - A
072 - B 
073 - E 
074 - B 
075 - C 
076 - D
077 - A
078 - C 
079 - D
080 - B 

 

081 - E 
082 - D 
083 - A 
084 - C 
085 - E 
086 - B 
087 - C 
088 - A 
089 - B 
090 - E 

 

091 - C 
092 - D
093 - B 
094 - D
095 - A
096 - E 
097 - B 
098 - A
099 - C 
100 - E 

 

Prova

fcc-2015-prefeitura-de-sao-luis-ma-auditor-de-controle-interno-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

N do Caderno

o

N de Inscrição

o

ASSINATURA DO CANDIDATO

N do Documento

o

Nome do Candidato

Auditor de Controle Interno

Área de Engenharia Civil

Julho/2015

INSTRUÇÕES

VOCÊ DEVE

ATENÇÃO

- Verifique se este caderno:

- corresponde a sua opção de cargo.

- contém 100 questões, numeradas de 1 a 100.

Caso contrário, reclame ao fiscal da sala um outro caderno.

- Não serão aceitas reclamações posteriores.

- Para cada questão existe apenas UMA resposta certa.

- Você deve ler cuidadosamente cada uma das questões e escolher a resposta certa.

- Essa resposta deve ser marcada na FOLHA DE RESPOSTAS que você recebeu.

- Procurar, na FOLHA DE RESPOSTAS, o número da questão que você está respondendo.

- Verificar no caderno de prova qual a letra (A,B,C,D,E) da resposta que você escolheu.

- Marcar essa letra na FOLHA DE RESPOSTAS, conforme o exemplo:

- Marque as respostas com caneta esferográfica de material transparente de tinta preta ou azul. Não será permitido o

uso de lápis, lapiseira, marca-texto ou borracha.

- Marque apenas uma letra para cada questão, mais de uma letra assinalada implicará anulação dessa questão.

- Responda a todas as questões.

- Não será permitida qualquer espécie de consulta, nem a utilização de livros, códigos, manuais, impressos ou

quaisquer anotações.

- A duração da prova é de 4 horas e 30 minutos, para responder a todas as questões e preencher a Folha de Respostas.

- Ao término da prova, chame o fiscal da sala e devolva todo o material recebido.

- Proibida a divulgação ou impressão parcial ou total da presente prova. Direitos Reservados.

A

C D E

PREFEITURA DE SÃO LUÍS - MA
CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

Concurso Público para provimento de cargos de

P R O V A

Conhecimentos Gerais
Conhecimentos Específicos

Caderno de Prova ’C03’, Tipo 001

MODELO

0000000000000000

TIPO−001

00001−0001−0001

fcc-2015-prefeitura-de-sao-luis-ma-auditor-de-controle-interno-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

PMSLA-Conhec.Gerais

1

 

 

CONHECIMENTOS GERAIS 

 

Língua Portuguesa 

 

Atenção:    As questões de números 1 a 5 referem-se ao texto 

que segue. 

 


 
 
 

 
 
 
 
10 
 
 
 
 
15 
 
 
 
 
20 
 
 
 
 
25 
 
 
 
 

Pretende-se discutir aqui alguns aspectos da 

obra de Gilberto Freyre focalizando seu livro de estreia, 
Casa-grande 

& senzala, cuja publicação em 1933 le-

vanta questões até hoje importantes para o entendi-
mento do passado brasileiro. 

Cabe observar, antes de prosseguir, que o de-

bate intelectual sobre os destinos do país estava, na-
quele momento, profundamente marcado pelo tema da 
mestiçagem. Mas a mestiçagem, isto é, o contato sexual 
entre grupos étnicos distintos, costumava ser apresen-
tada como um problema: ora implicava esterilidade 

 

biológica e cultural 

, inviabilizando assim o desenvolvi-

mento nacional, ora retardava o completo domínio da 
raça branca, dificultando o acesso do Brasil aos valores 
da civilização ocidental. 

O enorme impacto produzido pelo surgimento da 

obra, que aprofundava a contribuição pioneira de alguns 
outros autores como Manuel Quirino, Lima Barreto e 
Manoel Bomfim, concorreu para alterar essa avaliação, 
ao enfatizar não só o valor específico das influências 
indígenas e africanas, como também a dignidade da 
híbrida e instável articulação de tradições que teria 
caracterizado a colonização portuguesa. Isso só foi 
possível, segundo o próprio Gilberto, pelo seu vínculo 
com a antropologia americana e com a orientação 
relativista de Franz Boas 

 ele obteve um título de 

mestre em Columbia, em 1922 

 que lhe teria permitido 

separar a noção de raça da de cultura e conferir a esta 
última primazia na análise da vida social.  

(ARAÚJO, Ricardo Benzaquen de. "Chuvas de verão. 
'Antagonismos em equilíbrio' em Casa-grande 

& 

senzala de Gilberto Freyre. In: Um enigma chamado 
Brasil: 29 intérpretes e um país. André Botelho e Lilia 
Moritz Schwarcz (oganizadores). São Paulo: Com-
panhia das Letras, 2009, p. 200)

 

 

 

1. 

Em seu texto, Benzaquen de Araújo  

 

(A)  descreve as particularidades do trabalho de Freyre 

que justificam o fato de Casa-grande 

& senzala ser 

considerada obra precursora do olhar otimista sobre 
o contato de grupos étnicos distintos. 

 
(B)  deixa claro que Gilberto Freyre, em sua obra de es-

treia, apresentou os conceitos que determinariam 
sua produção posterior acerca da história da coloni-
zação portuguesa. 

 
(C)  defende que o estudo da organização e do funciona-

mento das sociedades humanas, na época da publi-
cação da primeira obra de Freyre, se baseava em 
significado errôneo da palavra "mestiçagem". 

 
(D)  mostra que Freyre cooperou para que o papel da 

miscigenação de raças e culturas fosse revisto, o 
que implicaria um olhar inovador sobre o Brasil. 

 
(E)  atribui ao autor de Casa-grande 

& senzala o mérito 

de, com pensamento consistente, trazer à discussão 
o tema da mestiçagem na conformação do futuro do 
Brasil. 

2. 

No segundo parágrafo, 

 

(A)  o comentário feito insere a publicação de Casa- 

-grande 

& senzala em seu contexto cultural, fator 

relevante para a valoração da obra de Gilberto Freyre. 

 
(B)  tem-se observação cujo valor de verdade depende 

de ser anunciada naquele exato momento, antes de 
(o autor) prosseguir.  

 
(C)  apresentam-se duas formas de compreensão da 

mestiçagem, ambas entendidas como problemas de 
idêntica magnitude: imobilizavam o avanço econômi-
co do Brasil. 

 
(D) as formas inviabilizando e dificultando exprimem 

ideia de tempo, sem outra possibilidade de sentido. 

 
(E) a 

palavra 

profundamente, ao significar "intensa e du-

radouramente", indica que os intelectuais eram im-
permeáveis a outros temas. 

_________________________________________________________ 

 

3. 

Associam-se corretamente um segmento do texto e o tre-
cho que ele retoma, precisamente demarcado, em:  

 

(A)  (linhas 7 e 8) naquele momento / do passado brasi-

leiro. 

 
(B) (linha 

17) 

que / impacto. 

 
(C) (linha 

19) 

essa avaliação / o acesso do Brasil aos 

valores da civilização ocidental. 

 
(D) (linha 

22) 

que / a híbrida e instável articulação de 

tradições. 

 
(E) (linha 

23) 

Isso / a colonização portuguesa. 

_________________________________________________________ 

 

4. 

Indique a afirmação legitimada pelo texto, e, quando for o 
caso, pela norma-padrão. 

 

(A)  Outra redação que mantém fidelidade ao conteúdo 

expresso em levanta questões até hoje importantes 
para o entendimento do passado brasileiro
 (linhas 3 
a 5) é esta: "levanta questões que hoje são consi-
deradas importantes para o entendimento do passa-
do brasileiro". 

 
(B) Em Cabe observar, antes de prosseguir, que o de-

bate intelectual [...] estava [...] profundamente mar-
cado pelo tema da mestiçagem
 (linhas 6 a 9), a reti-
rada da vírgula depois da palavra observar não pro-
duz erro. 

 
(C) A 

palavra 

Mas (linha 9) introduz uma circunstância li-

mitadora à declaração feita na frase anterior 

− o te-

ma marcava profundamente o debate intelectual, po-
rém não era tratado de forma abrangente, pois a 
mestiçagem  costumava ser apresentada como um 
problema
.  

 
(D) A 

forma 

Cabe observar (linha 6) indica, mais do que 

uma conveniência, uma obrigatoriedade. 

 
(E)  Transpondo a frase o debate intelectual [...] estava, 

naquele momento, profundamente marcado pelo tema 
da mestiçagem
 (linhas 6 a 9) para a voz ativa, a 
forma verbal a ser produzida é "marcou".  

Caderno de Prova ’C03’, Tipo 001

fcc-2015-prefeitura-de-sao-luis-ma-auditor-de-controle-interno-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

PMSLA-Conhec.Gerais

1

 

5. 

Afirma-se com correção:  

 

(A) A 

frase 

ele obteve um título de mestre em Columbia, 

em 1922 (linhas 26 e 27) contém uma ambiguidade, 
que seria eliminada pela substituição de "ele" por "o 
estudioso das sociedades humanas". 

 

(B) Em 

segundo o próprio Gilberto (linha 24), a palavra 

em negrito tem valor demonstrativo, reforçando a 
identidade citada. 

 

(C)  A forma verbal em que teria caracterizado a coloni-

zação portuguesa (linhas 22 e 23) indica que o fato 
constitui uma possibilidade, mas considerada pouco 
provável. 

 

(D)  A palavra destacada em alguns outros autores como 

Manuel Quirino, Lima Barreto e Manoel Bomfim 
(linhas 17 a 19) instaura um cotejo. 

 

(E) A 

articulação de tradições é vista como híbrida e ins-

tável  (linha 22), palavras que exprimem, respectiva-
mente, um traço que Araújo julga menos positivo e 
um que ele julga mais positivo. 

_________________________________________________________ 

 

6. 

Considerada a norma-padrão, a frase em que a concor-
dância está correta é: 

 

(A)  Serão incluídos quaisquer que, nesta primeira etapa, 

for os desenhos que receberem dos jurados mais de 
três votos a favor. 

 
(B)  Todos conhecemos atitudes fácil de tomar, mas di-

fícil de ser sustentadas, por isso é bom que sempre 
as avaliemos antes, para saber o que vão exigir de 
nós. 

 
(C)  Segundo o que se lê no contrato, a maioria das pro-

vidências de que dependem várias etapas dos proje-
tos é do conhecimento de todos. 

 
(D)  Nenhum dos integrantes das comissões negarão es-

clarecimentos se esses forem solicitados no formato 
adequado. 

 
(E)  Nem sempre as exigências das empresas contratan-

tes de estagiários são coincidente com o que os jo-
vens recém-formados têm a oferecer.  

_________________________________________________________ 

 

7. Considere 

trecho 

abaixo 

− adaptado de Gramática de 

usos do português, de Maria Helena de Moura Neves 
(São Paulo: Edtora UNESP, 2000, p. 628 e 633), e o que 
se tem em 

I

II

 e 

III

 

 A 

preposição 

com funciona no sistema de transitividade, 

isto é, introduz complemento; pode introduzir, por exem-
plo, complemento de verbo ou de adjetivo. 

 

 

I

.  Depois das devidas explicações, o cliente concor-

dou com os advogados / a preposição com introduz 
complemento de verbo. 

 
 

II

.  Identificou-se desde o primeiro momento com os 

ideais do grupo / a preposição com introduz com-
plemento de adjetivo. 

 

 

III

.  Triste com a situação, procurou os amigos para es-

clarecer os fatos. / a preposição com introduz com-
plemento de adjetivo. 

 

 

Está correto o que se afirma em: 

 

(A) 

I

, apenas. 

(B) 

I

II

 e 

III

(C) 

I

 e 

II

, apenas. 

(D) 

II

, apenas. 

(E) 

I

 e 

III

, apenas. 

8. 

A redação que está clara e, segundo a norma-padrão, 
correta, é a seguinte: 

 

(A)  O rapaz era o testemunha mais esperado, porque 

sabia quem era o lider do grupo de arruaceiros, mas, 
temeroso, absteve-se de dar detalhes do caso. 

 
(B)  Ia interromper o candidato para dizer que suas fra-

ses eram recheadas de lugar-comuns, mas sua ami-
ga interveio a tempo de impedir-lhe.  

 
(C)  Não existirá críticas que atinjam à totalidade das vo-

luntárias, pois as queixas dizem respeito à uma ou 
outra situação específica, nada além disso. 

 
(D)  O que ele requereu foi a revisão dos valores devidos 

àquele antigo funcionário, e, como nenhuma dispo-
sição conhecida obstrui essa revisão, ele está con-
fiante.  

 
(E)  O meu desejo é que tudo continui às mil maravilhas, 

e isso ocorrerá se, juntos, recaptularem seus pro-
pósitos e se dispuserem a manter a lealdade uns 
aos outros. 

_________________________________________________________ 

 

Direito Constitucional 

 

9. 

Considera-se dogmática a Constituição 

 

(A)  não escrita, resultante de formação histórica e cultu-

ral que sedimenta as normas fundamentais de orga-
nização de um determinado Estado. 

 
(B)  escrita, elaborada por um órgão constituinte e que 

sistematiza as ideias fundamentais da teoria política 
e do Direito predominantes em determinado mo-
mento histórico. 

 
(C)  que se origina de um órgão constituinte, composto 

de representantes do povo eleitos especificamente 
para elaborá-la, podendo ser escrita ou não escrita. 

 
(D)  que traz as normas constitucionais escritas ou costu-

meiras, que regulam a estrutura do Estado, a organi-
zação de seus órgãos e os direitos fundamentais. 

 
(E)  que pode ser livremente modificada pelo legislador 

segundo o mesmo processo de elaboração das leis 
ordinárias. 

_________________________________________________________ 

 

10.  A inconstitucionalidade de determinada Lei Federal pode 

ser reconhecida pelo 

 

(A)  Supremo Tribunal Federal e pelo Conselho Nacional 

de Justiça, por intermédio de controle concentrado ou 
incidental de constitucionalidade. 

 
(B)  Superior Tribunal de Justiça e pelo Supremo Tribu-

nal Federal, por intermédio de controle concentrado 
ou incidental de constitucionalidade. 

 
(C)  Supremo Tribunal Federal, por intermédio de con-

trole concentrado ou incidental, ou por qualquer Ór-
gão Jurisdicional, através do controle incidental. 

 
(D)  Supremo Tribunal Federal, por intermédio do con-

trole incidental, ou pelo Superior Tribunal de Justiça, 
através do controle concentrado. 

 
(E)  Órgão Supremo do Tribunal de Justiça ou do Tri-

bunal Regional Federal, pelo controle concentrado, 
sujeitando-se a decisão a reexame necessário por 
parte do Supremo Tribunal Federal.  

Caderno de Prova ’C03’, Tipo 001

fcc-2015-prefeitura-de-sao-luis-ma-auditor-de-controle-interno-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

PMSLA-Conhec.Gerais

1

 

11.  Entende-se por poder constituinte decorrente aquele que 
 

(A)  define as competências e os limites conferidos ao le-

gislador constituinte nacional, eleito pelo voto popu-
lar. 

 
(B)  advém de processos revolucionários, que geram a 

ruptura da Constituição vigente e impõem a elabora-
ção de novo texto, harmônico com os objetivos da 
revolução. 

 
(C)  confere ao legislador nacional poder limitado de re-

forma do texto constitucional vigente, condicionando-o 
ao respeito às cláusulas pétreas. 

 
(D)  advém do pacto federativo, conferindo aos Estados- 

-membros o poder de auto-organização, por meio da 
elaboração de textos constitucionais próprios. 

 
(E)  confere ao legislador constituinte o dever de revisão 

do texto constitucional originário, após o decurso de 
certo espaço de tempo.  

_________________________________________________________ 

 

12.  As contas apresentadas pelo Tribunal de Justiça relativas 

a determinado exercício orçamentário estão sujeitas ao 
controle: 

 

(A)  Interno, exercido nas esferas administrativa e jurisdi-

cional, sendo que em ambas o órgão pode proceder 
de ofício. 

 
(B)  Interno, exercido na esfera administrativa sempre 

mediante provocação, e externo, exercido pelo Po-
der Legislativo com o auxílio do Tribunal de Contas. 

 
(C)  Interno, exercido na esfera administrativa; externo, 

exercido pelo Poder Legislativo com o auxílio do 
Tribunal de Contas; e jurisdicional, este dependente 
de provocação. 

 
(D)  Interno, na esfera jurisdicional, podendo o Tribunal 

de Justiça agir de ofício, vedando-se o controle ex-
terno em face do princípio da separação dos Po-
deres do Estado. 

 
(E)  Interno, exercido na esfera administrativa, e externo, 

exercido pelos Poderes Legislativo e Executivo com 
o auxílio do Tribunal de Contas. 

_________________________________________________________ 

 

13.  NÃO é vedado pela Constituição Federal aos Magistrados 

exercer 

 

(A)  a Advocacia, desde que se encontre em disponibili-

dade. 

 
(B)  a Advocacia no juízo ou tribunal do qual se afastou 

antes de decorridos dois anos do afastamento do 
cargo na hipótese de demissão a bem do serviço pú-
blico. 

 
(C)  uma função de magistério, desde que se encontre 

em disponibilidade. 

 
(D)  função de consultoria a órgãos públicos, desde que 

reconhecida a relevância social da questão. 

 
(E)  uma função de magistério, em instituição pública ou 

privada, esteja no exercício da função ou em dispo-
nibilidade. 

14.  Em relação à Emenda Constitucional, nos termos da Cons-

tituição Federal é correto afirmar que exige quórum legis-
lativo de maioria 

 

(A)  de dois terços, devendo ser aprovada por ambas as 

Casas do Congresso Nacional em duas votações em 
cada qual, cabendo ao Presidente do Senado pro-
mulgá-la para que entre em vigor. 

 
(B)  de três quintos, devendo ser aprovada por ambas as 

Casas do Congresso Nacional em votação única em 
cada qual, cabendo às Mesas da Câmara e do Se-
nado promulgá-la para que entre em vigor. 

 
(C)  de dois terços, devendo ser aprovada por ambas as 

Casas do Congresso Nacional em duas votações em 
cada qual antes de ser remetida à sanção do Presi-
dente da República, quando entrará em vigor. 

 
(D)  absoluta, devendo ser aprovada por ambas as Ca-

sas do Congresso Nacional em votação única em 
cada qual antes de ser remetida à sanção do Presi-
dente da República, quando entrará em vigor. 

 
(E)  de três quintos, devendo ser aprovada por ambas as 

Casas do Congresso Nacional em duas votações em 
cada qual, cabendo às Mesas da Câmara e do Se-
nado promulgá-la para que entre em vigor. 

_________________________________________________________ 

 

 

Direito Administrativo 

 

15.  Para a construção de um porto organizado de cargas em 

região com relevantes características ambientais, a empre-
sa estatal responsável pela exploração do serviço público 
apresentou, perante o órgão ambiental competente, pedido 
de licenciamento. Após a expedição da Licença Prévia, 
cumpriu a empresa o necessário para obtenção da Licença 
de Instalação, que, expedida, autorizou o início das obras, 
precedida de licitação. Iniciadas as obras, o Ministério Pú-
blico ingressou com Ação Civil Pública, invocando nulidades 
no processo de licenciamento, em especial no que se refere 
ao ponto de lançamento do esgoto da obra. Foi deferida a li-
minar, determinando a suspensão das obras e a nulidade 
do processo de licenciamento, com inauguração de novo 
procedimento para as correções necessárias no projeto. No 
que concerne ao caso concreto descrito, a empresa estatal  

 

(A)  pode questionar judicialmente a decisão, tendo em 

vista que uma vez expedidas as licenças, que se 
consubstanciam em atos administrativos, o Poder 
Judiciário não pode suspendê-los ou anulá-los.  

 
(B)  pode questionar a decisão judicial, tendo em vista 

que não acarretaria prejuízos promover as correções 
no mesmo processo de licenciamento, aproveitando 
os atos e providências que não contivessem vícios.  

 
(C)  deve impugnar a decisão judicial, tendo em vista que 

o Judiciário exacerbou os limites do controle que 
exerce sobre a função administrativa, âmbito em que 
tramita o processo de licenciamento ambiental. 

 
(D)  deve suspender as obras e reiniciar o processo de 

licenciamento tendo em vista que é vedado o apro-
veitamento de atos em processo administrativo em 
que tenha sido identificado algum vício ou irregu-
laridade.  

 
(E)  pode ignorar a decisão judicial caso, concomitante-

mente, providencie administrativamente as corre-
ções necessárias no processo de licenciamento, ten-
do em vista que o poder de polícia administrativa 
não se submete a controle judicial quando não ca-
racterizar limitação a direitos individuais. 

Caderno de Prova ’C03’, Tipo 001

fcc-2015-prefeitura-de-sao-luis-ma-auditor-de-controle-interno-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

PMSLA-Conhec.Gerais

1

 

16.  A Secretaria de Educação de determinado Município desenvolveu um programa de disponibilização, nos finais de semana, das 

instalações escolares externas, em especial para a prática de atividades esportivas e culturais. Durante um jogo de futebol rea-
lizado em uma dessas ocasiões, um dos alunos que estava participando da partida, chocou-se contra a trave do gol, que estava 
solta e tombou, atingindo na cabeça outro aluno que estava próximo. Em razão do acidente, o aluno ficou seriamente machu-
cado, sofrendo sequelas. Em decorrência do acidente, 

 
(A)  o Município poderá ser responsabilizado extracontratualmente, tendo em vista que a voluntariedade do comparecimento a 

escola não afasta a responsabilidade objetiva do ente público no caso descrito, em que um equipamento da área esportiva 
deu causa a danos em um aluno. 

 
(B)  a família do aluno acidentado poderá ser responsabilizada pelos danos materiais causados aos equipamentos da escola, 

tendo em vista que a utilização do espaço nos finais de semana pelos alunos descaracteriza a responsabilidade objetiva 
do Estado.  

 
(C)  o Município poderá ser subjetivamente responsabilizado, caso se comprove culpa dos agentes públicos presentes no esta-

belecimento de ensino no momento do acidente, tendo em vista que a utilização do espaço nos finais de semana des-
caracteriza a responsabilidade objetiva do Estado. 

 
(D)  a família do aluno acidentado poderá acionar judicialmente a família do aluno que se chocou contra a trave do gol, provo-

cando o acidente tendo em vista que durante os finais de semana a escola pública equipara-se aos estabelecimentos 
privados para fins de responsabilidade extracontratual. 

 
(E)  o Município responde objetivamente pelos danos causados ao aluno acidentado, tendo em vista que, em se tratando de 

custódia escolar, incide a teoria do risco integral, independentemente do ente público ou seus agentes terem dado causa 
ao acidente. 

 
 
17.  Uma empresa estatal precisa atualizar seus sistemas operacionais de controle de processos e ativos, posto que aqueles atual-

mente em uso não vem respondendo bem às necessidades do negócio. Os dirigentes da estatal, diante da traumática experiên-
cia com os sistemas em utilização, contratados mediante licitação realizada por meio da Lei n

o

 8.666/1993, pelo critério do menor 

preço, identificaram as melhores empresas no mercado na execução dos serviços pretendidos. Realizaram, então, uma pes-
quisa de preços para identificar a empresa, dentre as melhores pesquisadas, que apresentaria menor custo para implementação 
da tarefa. Como o resultado apontou uma outra empresa estatal, ainda que de outra esfera de governo, entenderam por firmar 
um convênio, estruturando a realização das atividades como cooperação entre pessoas jurídicas integrantes da Administração 
pública. A remuneração pelos serviços ficou travestida de custo operacional e houve transferência de mão de obra, assumindo 
uma empresa estatal a remuneração dos empregados originalmente da outra. A solução encontrada: 
 
(A)  é viável exclusivamente em razão de se tratarem de dois entes públicos, tendo em vista que os convênios com entidades 

privadas dependeriam de autorização legislativa e licitação. 

 
(B)  é viável no que concerne à transferência de mão de obra, vedada a remuneração pelos serviços prestados, de modo que o 

custo operacional deve ser reduzido desse montante. 

 
(C)  não pode ser acatada, tendo em vista que a natureza contratual do ajuste não pode ser substituída pela forma de con-

vênio, ainda que se tratem de entes integrantes da Administração pública e que haja mútua colaboração entre eles. 

 
(D)  não pode ser acatada porque o caso é hipótese típica de consórcio público, na medida em que os dois entes integram a 

Administração pública e há serviço público atrelado, com correspondente remuneração. 

 
(E)  pode ser acatada, desde que o plano de trabalho traga o cronograma de remuneração, a ser paga pela empresa beneficiá-

ria dos serviços, assim como o valor dos salários dos empregados. 

 
 
18.  Dentre as modalidades de licitação passíveis de serem manejadas pela Administração pública, o pregão vem se mostrando uma 

alternativa célere, que possibilita relevantes economias para o erário público. No entanto, em razão de seu procedimento 
diferenciado, alguns objetos não se enquadram no conceito que autoriza a utilização do pregão. Outros objetos, embora 
pareçam complexos, podem se adequar aos requisitos exigidos pela Lei n

o

 10.520/2002. Como exemplo, pode-se citar 

 
(A)  a contratação de serviço de avaliação de terrenos de propriedade de um ente público, para futura edificação de unidades 

prisionais, com elaboração de planta e memorial descritivo. 

 
(B)  a construção e operação de um laboratório de análises clínicas e imagens para atendimento da população carente, remu-

nerando-se pelo número de atendimentos. 

 
(C)  o desenvolvimento de uma vacina contra uma variação do vírus de gripe, mediante remuneração por meio de patrocínio da 

iniciativa privada, mais especificamente, da indústria farmacêutica. 

 
(D)  a contratação de serviços de gestão social para conjuntos habitacionais de baixa renda, fixando-se a remuneração de 

acordo com o desempenho e cumprimento das metas estabelecidas em contrato. 

 
(E)  a venda de material de informática que tenha sido substituído por equipamentos mais novos, de modo a minizar os custos 

de aquisição de novas máquinas.  

Caderno de Prova ’C03’, Tipo 001

fcc-2015-prefeitura-de-sao-luis-ma-auditor-de-controle-interno-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

PMSLA-Conhec.Gerais

1

 

19.  Quando Maria Sylvia Zanella di Pietro afirma “ser correta a 

afirmação de que todo serviço público visa atender a 
necessidades públicas, mas nem toda atividade de inte-
resse público é serviço público”, pode-se concluir que  
 
(A)  as atividades de interesse público, quando presta-

das por particulares, não são predicadas como ser-
viço público, que somente guardam esse conceito 
quando remanescem sob execução direta da Admi-
nistração pública. 

 
(B)  a atuação da Administração pública visa o atendi-

mento direto ou indireto das necessidades públicas, 
mas a qualificação de determinada atividade como 
serviço público depende de expressa previsão legal. 

 
(C)  para qualificação como serviço público, uma ativida-

de deve apresentar determinadas características, 
tais como indelegabilidade, regime jurídico de direito 
público e gratuidade. 

 
(D)  a determinação do que vem a ser serviço público 

depende de escolha discricionária da Administração 
pública, o que permite a atualização conforme as 
mudanças na sociedade, ainda que as alterações le-
gislativas no mesmo sentido sejam providenciadas 
posteriormente. 

 
(E)  a submissão a regime jurídico de direito público reti-

ra da prestação do serviço público o caráter lucra-
tivo, embora ele possa ser remunerado, vigorando o 
princípio da modicidade tarifária. 

_________________________________________________________ 

 

20.  Foi celebrado um contrato de concessão patrocinada entre 

determinado Município e o consórcio vencedor da licitação 
para exploração do modal viário de transporte coletivo de 
passageiros. Houve, no decorrer da execução contratual, 
uma relevante obra pública que não estava considerada 
na modelagem econômica da concessão patrocinada e 
que ensejou desproporcional aumento na arrecadação por 
parte da concessionária, ensejando reequilíbrio econômi-
co-financeiro em favor do Estado, mediante repasse de 
parte do valor arrecadado a maior com a tarifa imposta. O 
administrador público, no entanto, empregou os recursos 
em outros programas de governo, além de utilizar para 
fins de custeio de despesas de viagens pessoais o res-
tante que sobejou a arrecadação originalmente estabele-
cida. Essa prática 
 
(A)  não pode ser considerada irregular ou ilegal, tendo 

em vista que esse montante não seria contabilizado 
na conta da concessão, pois a concessionária não 
sofreu qualquer impacto negativo em sua arrecada-
ção. 

 
(B)  pode, sem prejuízo de eventual tipificação penal, 

constituir ato de improbidade na modalidade que 
causa prejuízo ao erário público. 

 
(C)  deve ser combatida por meio de controle judicial, 

tendo em vista que excede atuação do controle 
administrativo, esfera em que o autor do ato exerce 
suas funções. 

 
(D)  depende de prévio exame do Legislativo, que detém 

a exclusividade para apuração de atos de improbi-
dade, determinando às autoridades competentes, 
em caso de identificação de responsabilidade, a 
adoção das providências cabíveis.  

 
(E)  não se enquadra como ato de improbidade, pois au-

sente o dolo do administrador, que pretendia conferir 
maior eficiência à sua gestão, por meio da otimiza-
ção do emprego dos recursos públicos.  

 

Direito Tributário 

 

21.  Considere as seguintes ocorrências tributárias hipotéticas 

no ano de 2013. 

 

 

A União, por meio de lei ordinária, criou mais uma alíquota 
para tributar o Imposto de Renda, no percentual de 35%, e 
publicou essa lei em 18 de dezembro de 2013. 

 

 

Por meio de decreto do Poder Executivo, publicado em 
10 de junho de 2013, a União também aumentou a alí-
quota do IPI de determinados produtos, de 10% para 20%. 

 

 

Um Estado brasileiro aumentou a alíquota do ITCMD, nas 
transmissões causa mortis, de 5% para 6%, e publicou a 
respectiva lei ordinária em 10 de setembro de 2013. 

 

 

Um Município brasileiro aumentou a base de cálculo do 
IPTU, mediante atualização da tabela de valores venais 
dos imóveis, e publicou essa lei ordinária em 11 de no-
vembro de 2013. 

 

 

Considerando especificamente os princípios constitucio-
nais da anterioridade e da noventena (anterioridade 
nonagesimal), é correto afirmar que a cobrança majorada 
do IR, do IPI, do ITCMD e do IPTU poderá ser feita, res-
pectivamente, a partir do dia: 

 

(A)  19 de março de 2014; 09 de setembro de 2013; 

10 de dezembro de 2013; 10 de fevereiro de 2014. 

 

(B)  19 de março de 2014; 1

o

 de janeiro de 2014; 10 de 

dezembro de 2013; 1

o

 de janeiro de 2014. 

 

(C) 1

o

 de janeiro de 2014; 09 de setembro de 2013; 

1

o

 de janeiro de 2014; 1

o

 de janeiro de 2014. 

 

(D) 1

o

 de janeiro de 2014; 1

o

 de janeiro de 2014; 1

o

 de 

janeiro de 2014; 10 de fevereiro de 2014. 

 

(E)  19 de março de 2014; 1

o

 de janeiro de 2014; 1

o

 de 

janeiro de 2014; 10 de fevereiro de 2014. 

_________________________________________________________ 

 

22.  De acordo com a Constituição Federal, exceto na etapa de 

replicação industrial de mídias ópticas de leitura a laser, é 
vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos 
Municípios instituir impostos sobre 

 

(A)  videofonogramas musicais produzidos no Mercosul, 

contendo obras musicais ou literomusicais de au-
tores brasileiros. 

 
 
(B)  obras em geral, interpretadas por artistas brasileiros, 

excluídos os suportes materiais ou arquivos digitais 
que os contenham. 

 
 
(C)  fonogramas e videofonogramas musicais produzidos 

no Brasil contendo obras musicais ou literomusicais 
de autores brasileiros, ou de autores estrangeiros 
residentes no Brasil, há, pelo menos, dois anos. 

 
 
(D)  fonogramas musicais produzidos no Brasil contendo 

obras musicais de autores brasileiros. 

 
 
(E)  obras em geral, compostas no Brasil, interpretadas 

por artistas brasileiros ou por artistas estrangeiros 
residentes no Brasil há, pelo menos, dois anos, ex-
cluídos os suportes materiais ou arquivos digitais 
que os contenham. 

Caderno de Prova ’C03’, Tipo 001

fcc-2015-prefeitura-de-sao-luis-ma-auditor-de-controle-interno-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

PMSLA-Conhec.Gerais

1

 

23.  De acordo com a Constituição Federal, compete à União 

instituir impostos sobre 

 

(A)  grandes fortunas, nos termos de lei complementar; 

operações de crédito, câmbio e seguro, ou relativas 
a títulos ou valores mobiliários; propriedade territorial 
rural. 

 

(B)  importação de produtos estrangeiros; propriedade 

predial e territorial urbana; renda e proventos de 
qualquer natureza. 

 

(C)  produtos industrializados; transmissão “causa mortis” 

e doação, de quaisquer bens ou direitos; grandes 
fortunas, nos termos de lei complementar. 

 

(D)  exportação, para o exterior, de produtos nacionais 

ou nacionalizados; propriedade de veículos automo-
tores; operações de crédito, câmbio e seguro, ou 
relativas a títulos ou valores mobiliários. 

 

(E)  propriedade territorial rural; transmissão “inter vivos”, 

a qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis; 
exportação, para o exterior, de produtos nacionais 
ou nacionalizados. 

_________________________________________________________ 

 

24.  O Código Tributário Nacional criou um conjunto extenso 

de regras atinentes à responsabilidade tributária. De acor-
do com as regras do CTN, 

 

(A)  a atribuição de responsabilidade a terceira pessoa 

não impede a atribuição de responsabilidade em ca-
ráter supletivo ao contribuinte. 

 
(B)  a atribuição de responsabilidade a terceira pessoa 

exclui, em definitivo, a responsabilidade do contri-
buinte. 

 
(C)  o terceiro, a quem a responsabilidade pelo crédito 

tributário for atribuída, não pode ser pessoa vin-
culada ao fato gerador da respectiva obrigação. 

 
(D)  somente lei complementar federal pode atribuir, de 

modo expresso, a responsabilidade pelo crédito tri-
butário a terceira pessoa. 

 
(E)  a atribuição de responsabilidade a terceira pessoa 

pode ser feita de modo implícito, vedada essa possi-
bilidade quando se tratar de responsabilidade por 
infrações. 

_________________________________________________________ 

 

25.  A sujeição ativa e a sujeição passiva representam os dois 

pólos do critério subjetivo da relação obrigacional tribu-
tária. De acordo com o Código Tributário Nacional, o sujei-
to passivo da obrigação principal é 

 

 

I

.  designado responsável, quando, sem revestir a 

condição de contribuinte, sua obrigação decorra de 
disposição expressa da legislação tributária. 

 

 

II

.  a pessoa natural (física) ou jurídica, de direito pú-

blico ou privado, obrigada ao pagamento de tributo. 

 

 

III

.  designado contribuinte, quando tenha relação pes-

soal e direta com a situação que constitua o 
respectivo fato gerador. 

 

 

IV

.  a pessoa natural (física) ou jurídica, de direito pri-

vado, obrigada ao pagamento de penalidade pecu-
niária. 

 

 

Está correto o que se afirma em 

 

(A) 

I

II

 e 

III

, apenas. 

(B) 

I

II

III

 e 

IV

(C) 

I

III

 e 

IV

, apenas. 

(D) 

II

III

 e 

IV

, apenas. 

(E) 

III

 e 

IV

, apenas. 

26.  A interpretação da definição legal do fato gerador é ma-

téria que não foi tratada no capítulo que cuida da In-
terpretação e Integração da Legislação Tributária, mas no 
capítulo que trata do fato gerador. De acordo com o CTN, 
essa interpretação deve ser feita abstraindo-se 

 
 

I

.  dos efeitos dos fatos efetivamente ocorridos. 

 
 

II

.  da natureza do seu objeto. 

 
 

III

.  da validade jurídica dos atos efetivamente pra-

ticados pelos contribuintes, responsáveis, ou ter-
ceiros. 

 
 

IV

.  da natureza dos seus efeitos. 

 
 

Está correto o que se afirma em 

 

(A) 

I

, apenas. 

(B) 

I

 e 

II

, apenas. 

(C) 

I

II

III

 e 

IV

(D) 

II

 e 

IV

, apenas. 

(E) 

III

, apenas. 

_________________________________________________________ 

 

 

Direito Previdenciário 

 

27.  No tocante a contagem recíproca de tempo de contribui-

ção, considere: 

 
 

I

.  A contagem recíproca do tempo de contribuição é 

feita em relação às contribuições efetuadas e não 
em relação à filiação. 

 
 

II

.  É necessária carência de no mínimo 60 contribui-

ções para que o segurado tenha direito de com-
putar para fins de concessão dos benefícios do Re-
gime Geral de Previdência Social, o tempo prestado 
à Administração pública federal direta ou indireta. 

 
 

III

.  O tempo de contribuição no serviço público não po-

de ser contado com o da atividade privada se forem 
concomitantes. Não sendo possível, também, a 
contagem em dobro do tempo de contribuição, co-
mo ocorre por exemplo com o tempo de licença-
prêmio. 

 
 

Está correto o que se afirma APENAS em 

 

(A) 

II

(B) 

I

 e 

II

(C) 

II

 e 

III

(D) 

I

(E) 

I

 e 

III

_________________________________________________________ 

 

28.  Considere as seguintes vantagens: 
 
 

I

.  Diárias para viagens. 

 

II

.  Ajuda de custo em razão de mudança de sede. 

 

III

. Auxílio-alimentação. 

 

IV

.  Gratificação de Raio-X. 

 
 

De acordo com a Lei n

o

 10.887/2004, NÃO incluem como 

base de contribuição para a manutenção do regime pró-
prio de previdência social as vantagens indicadas em  

 

(A) 

II

III

 e 

IV

, apenas. 

(B) 

I

II

 e 

III

, apenas. 

(C) 

I

II

III

 e 

IV

(D) 

I

III

 e 

IV

, apenas. 

(E) 

I

 e 

II

, apenas. 

Caderno de Prova ’C03’, Tipo 001

fcc-2015-prefeitura-de-sao-luis-ma-auditor-de-controle-interno-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

PMSLA-Conhec.Gerais

1

 

29.  Gabriela é servidora pública efetiva da União. Este ano ela 

completou cinquenta e cinco anos de idade e trinta e 
três anos de contribuição. Neste caso, tratando-se de apo-
sentadoria integral, Gabriela 

 

(A)  poderá se aposentar voluntariamente, desde que 

cumprido tempo mínimo de quinze anos de efetivo 
exercício no serviço público e dez anos no cargo 
efetivo em que se dará a aposentadoria. 

 

(B)  não poderá se aposentar voluntariamente ainda, uma 

vez que não completou trinta e cinco anos de contri-
buição. 

 

(C)  não poderá se aposentar voluntariamente ainda, uma 

vez que não completou sessenta anos de idade. 

 

(D)  poderá se aposentar voluntariamente, desde que 

cumprido tempo mínimo de dez anos de efetivo 
exercício no serviço público, bem como no cargo 
efetivo em que se dará a aposentadoria. 

 

(E)  poderá se aposentar voluntariamente, desde que 

cumprido tempo mínimo de dez anos de efetivo 
exercício no serviço público e cinco anos no cargo 
efetivo em que se dará a aposentadoria. 

_________________________________________________________ 

 

30.  De acordo com a Constituição Federal, a saúde é direito 

de todos e dever do Estado. No tocante aos princípios 
constitucionais da Seguridade Social, na Saúde há 

 

(A)  Universalidade da cobertura. 
(B)  Universalidade de atendimento. 
(C)  Distributividade na prestação de serviços. 
(D)  Distributividade na prestação de benefícios. 
(E)  Seletividade na prestação de benefícios ou serviços.  

_________________________________________________________ 

 

31.  O auxilio reclusão 

 

(A)  não é devido se o recluso estiver em gozo de au-

xílio-doença. 

 

(B)  é devido na hipótese do recluso que recebe abono 

de permanência em serviço. 

 

(C)  é devido na hipótese do recluso que está em gozo 

de aposentadoria. 

 

(D)  é devido nas mesmas condições do salário-família. 

 

(E)  será mantido independentemente da apresentação 

de declaração de permanência na condição de pre-
sidiário. 

_________________________________________________________ 

 

32.  O professor que comprove exclusivamente tempo de efe-

tivo exercício das funções de magistério no ensino funda-
mental  

 

(A)  terá apenas o requisito de idade reduzido em três 

anos, em relação a aposentadoria integral voluntária. 

 

(B)  terá os requisitos de idade e de tempo de contribui-

ção reduzidos em cinco anos, em relação a aposen-
tadoria integral voluntária. 

 

(C)  não terá qualquer redução do tempo de contribuição 

ou requisito de idade uma vez que a redução so-
mente ocorre para professores da educação infantil. 

 
(D)  terá os requisitos de idade e de tempo de contribui-

ção reduzidos em três anos, em relação a aposenta-
doria integral voluntária. 

 
(E)  não terá qualquer redução do tempo de contribuição 

ou requisito de idade uma vez que a redução so-
mente ocorre para professores que comprovem o 
trabalho na função de magistério cumulada com 
outra função pública efetiva. 

 

Direito Penal 

 

33.  Salvius é advogado e ficou sabendo que o Juiz de Direito 

de uma pequena Comarca do interior tinha sido promovido. 
Compareceu ao fórum e apresentou-se ao Escrivão e 
demais funcionários como sendo o Magistrado designado 
para assumir a Comarca. Despachou todo o expediente e, 
valendo-se de guia de levantamento por ele mesmo 
emitida, sacou R$ 20.000,00 da agência bancária do fórum 
e, em seguida, abandonou o local. Nesse caso, Salvius co-
meteu crime de 

 

(A)  peculato mediante erro de outrem. 
(B) peculato. 
(C)  usurpação de função pública e de peculato. 
(D) exploração 

de 

prestígio. 

(E)  usurpação de função pública qualificada. 

_________________________________________________________ 

 

34.  O crime de 

 

(A)  desobediência configura-se com a fuga, sem violên-

cia, diante da voz de prisão. 

 

(B)  condescendência criminosa é um delito omissivo 

próprio e admite a forma tentada. 

 

(C)  concussão consuma-se no momento em que ocorre 

a percepção da vantagem indevida. 

 

(D)  peculato só ocorre com a apropriação de dinheiro e 

não de outro bem móvel de que o funcionário público 
tinha a posse em razão do cargo. 

 

(E)  violação de sigilo funcional pode ser cometido por 

funcionário público aposentado. 

_________________________________________________________ 

 

35.  A respeito do crime de dispensa irregular de licitação, con-

sidere: 

 

 

I

.  A prévia instauração de inquérito policial é impres-

cindível para a propositura da ação penal pública 
pelo Ministério Público. 

 

 

II

.  Na forma culposa, a pena será de multa de até 2% 

do valor do prejuízo causado ao erário. 

 

 

III

.  É penalmente irrelevante a conduta formal de al-

guém que desatende as formalidades da licitação 
quando não há consequência patrimonial para o ór-
gão público. 

 

 

Está correto o que se afirma APENAS em 

 

(A) 

III

(B) 

II

(C) 

I

 e 

II

(D) 

I

 e 

III

(E) 

II

 e 

III

_________________________________________________________ 

 

36.  Petrus fez afirmação falsa em processo criminal. Todavia, 

a sentença não levou em conta o seu depoimento por es-
tar em descordo com o conjunto probatório colhido. Nesse 
caso, Petrus 

 

(A)  responderá pelo crime de falso testemunho na forma 

privilegiada, com redução de pena de 1 a 2 terços. 

 

(B)  não responderá pelo crime de falso testemunho por 

não ter o depoimento influído na decisão da causa. 

 

(C)  não responderá por crime de falso testemunho por 

se tratar de processo criminal. 

 

(D)  responderá pelo crime de falso testemunho em seu 

tipo fundamental. 

 

(E)  só responderá pelo crime de falso testemunho se a 

sentença for absolutória. 

Caderno de Prova ’C03’, Tipo 001

fcc-2015-prefeitura-de-sao-luis-ma-auditor-de-controle-interno-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

PMSLA-Conhec.Gerais

1

 

37.  João subtraiu valores em dinheiro do caixa da repartição 

pública em que trabalhava. José, após a prática do delito, 
a pedido de João, escondeu o dinheiro no cofre de sua 
empresa, para tornar seguro o proveito do crime por este 
cometido. Nesse caso, José responderá pelo crime de 

 

(A) peculato 

culposo. 

 
(B) peculato 

doloso. 

 
(C) favorecimento 

pessoal. 

 
(D) favorecimento 

real. 

 
(E) fraude 

processual. 

_________________________________________________________ 

 

38.  O crime de Inscrição de Despesas Não Empenhadas em 

Restos a pagar 

 

(A)  é punível na forma culposa, com pena reduzida. 

 
(B) admite 

tentativa. 

 
(C)  é de mera conduta. 

 
(D)  só se consuma com a efetiva inscrição da despesa. 

 
(E)  só se consuma com a ocorrência de efetivo prejuízo 

para o Estado. 

_________________________________________________________ 

 

 

Legislação 

 

39.  O ordenamento jurídico brasileiro estabelece que o contro-

le interno de cada esfera de poder deve auxiliar o Legisla-
tivo no exercício do controle externo. No caso da Prefei-
tura de São Luís do Maranhão, o órgão que tem como fi-
nalidade definida em lei auxiliar o controle externo em sua 
missão institucional é  

 

(A)  a Secretaria de Negócios Jurídicos. 

 
(B)  a Procuradoria Geral do Município. 

 
(C)  a Controladoria Geral do Município. 

 
(D)  a Secretaria de Finanças. 

 
(E)  o Gabinete do Prefeito.  

_________________________________________________________ 

 

40.  Considere as seguintes hipóteses: 
 
 

I

.  ordenador de despesa de órgão da administração 

indireta do Município de São Luís. 

 
 

II

.  encarregado do almoxarifado da Câmara Municipal 

de São Luís. 

 
 

III

.  agente arrecadador de receita do Município de São 

Luís. 

 
 

Desses casos, estão sujeitos aos exames realizados pelos 
Auditores Internos do Município de São Luís os atos das 
pessoas indicadas em 

 

(A) 

I

, apenas. 

 
(B) 

I

 e 

II

, apenas. 

 
(C) 

I

II

 e 

III

 
(D) 

III

, apenas. 

 
(E) 

I

 e 

III

, apenas. 

41.  Sobre o estágio probatório a que está sujeito o servidor 

público do Município de São Luís do Maranhão, é correto 
afirmar que 

 

(A)  será exonerado o servidor que receber dois concei-

tos de desempenho regular. 

 

(B)  o parecer conclusivo deve ser emitido após a segun-

da avaliação do servidor. 

 

(C)  ausências legais de até 60 dias não suspendem o 

estágio probatório. 

 

(D)  no caso de parecer contrário à permanência do ser-

vidor, a apresentação de defesa pode ser escrita ou 
oral. 

 

(E)  o servidor poderá ser nomeado para o exercício de 

cargo em comissão, mas não ser cedido. 

_________________________________________________________ 

 

42.  Sobre a interpretação e integração da legislação tributária, 

nos termos do Código Tributário do Município de São Luís 
do Maranhão, é correto afirmar que 

 

(A)  a utilização da equidade precede a da analogia. 

 

(B)  o emprego da analogia não poderá resultar na dis-

pensa do pagamento do tributo devido. 

 

(C)  no caso de ausência de previsão expressa, na apli-

cação da legislação tributária somente são admissí-
veis interpretação por analogia ou equidade. 

 

(D)  disposições sobre exclusão do crédito tributário de-

vem ser interpretadas literalmente. 

 

(E)  disposições sobre suspensão do crédito tributário 

devem ser interpretadas da maneira mais favorável 
ao infrator. 

_________________________________________________________ 

 

43.  Sobre os bens do município, nos termos da Lei Orgânica 

do Município de São Luís do Maranhão, é correto afirmar 
que 

 

(A)  não podem ser objeto de doação. 

 

(B)  é vedada, a qualquer título, a alienação ou cessões 

de bens do patrimônio municipal, no período de 
seis meses anteriores à eleição, até o término do 
mandato do Prefeito. 

 

(C)  a concessão administrativa de bens do município de-

penderá de lei e de prévio procedimento licitatório 
em qualquer situação. 

 

(D)  a permissão é instituto destinado aos bens de uso 

comum ou dominial, não cabendo aos de uso es-
pecial. 

 

(E)  as rendas provenientes da prestação de serviços 

pelo município são consideradas bens do município, 
salvo se houver destinação diferente prevista em lei. 

_________________________________________________________ 

 

44.  Nos termos do Estatuto do Servidor Público de São Luís 

do Maranhão, será aplicada a pena de demissão à infra-
ção:  

 

(A)  Ausentar-se do serviço durante o expediente, sem 

prévia autorização escrita do chefe imediato. 

 

(B)  Recusar fé a documentos públicos. 

 

(C)  Promover manifestação de apreço ou desapreço no 

ambiente de trabalho. 

 

(D)  Opor resistência injustificada ao andamento de do-

cumento ou processo ou execução de serviço. 

 

(E)  Proceder de forma desidiosa assim entendida a falta 

do dever de diligência no cumprimento de suas atri-
buições. 

Caderno de Prova ’C03’, Tipo 001

fcc-2015-prefeitura-de-sao-luis-ma-auditor-de-controle-interno-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

10 

PMSLA-Conhec.Gerais

1

 

 

Administração Financeira e Orçamentária 

 

45.  Na lei orçamentária, para o exercício de 2015, de determi-

nado Município da região nordeste, entre outras, consta a 
previsão de arrecadação de impostos inscritos na dívida 
ativa, no valor de R$ 2.680.000,00. Com relação ao deta-
lhamento das Categorias Econômicas das Receitas Orça-
mentárias, a arrecadação de impostos inscritos na dívida 
ativa é classificada na Origem de receita 

 

(A) tributária. 
 
(B) transferências 

correntes. 

 
(C) capital. 
 
(D) outras 

receitas 

correntes. 

 
(E) patrimonial. 

_________________________________________________________ 

 

Atenção:   Para responder às questões de números 46 e 47 

considere as informações abaixo relativas à execu-
ção orçamentária de uma despesa aprovada no or-
çamento de determinada entidade do setor público. 

 

 

Para o exercício de 2014, a dotação orçamentária fixada 

para as despesas com conservação e manutenção de logra-
douros públicos era de R$ 290.000,00. Durante o exercício de 
2014, foram realizadas as seguintes transações na referida do-
tação orçamentária: 
 
 

Total empenhado para a despesa ................     390.000,00 

 
 

Abertura de crédito suplementar por exces- 

so de arrecadação .........................................     110.000,00 

 
 

Liquidação da despesa empenhada .............     210.000,00 

 
 

Cancelamento  (anulação)  do  empenho  da 

 despesa 

.......................................................... 

    60.000,00 

 
 

Pagamento da despesa empenhada ..............   190.000,00 

 
 
46.  O montante total inscrito em restos a pagar processado e 

não processado ao final do exercício de 2014 foi de 

 

(A) 200.000,00. 
 
(B) 140.000,00. 
 
(C) 130.000,00. 
 
(D) 20.000,00. 
 
(E) 120.000,00. 

_________________________________________________________ 

 

47.  Ao final do exercício de 2014 a execução orçamentária 

apresentou uma economia orçamentária no valor de 

 

(A) 70.000,00. 
 
(B) 10.000,00. 
 
(C) 100.000,00. 
 
(D) 90.000,00. 
 
(E) 80.000,00. 

48.  O município de Jardim Verde encaminhou a proposta or-

çamentária para o exercício de 2015, ao Poder Legislativo, 
prevendo receitas e fixando despesas orçamentárias no 
valor de R$ 98.500.000,00. Após a análise da proposta or-
çamentária, pretende o Poder Legislativo proceder à 
reestimativa de algumas receitas. Segundo a Lei Com-
plementar n

o

 101/2000 a reestimativa de receita só será 

admitida se 

 

(A)  compatível com o plano plurianual e com a lei de di-

retrizes orçamentárias. 

 
(B)  houver concessão de incentivo ou benefício de natu-

reza tributária da qual decorra renúncia de receita. 

 
(C)  comprovado erro ou omissão de ordem técnica ou 

legal. 

 
(D)  houver aperfeiçoamento de ação governamental que 

acarrete aumento da despesa. 

 
(E)  comprovado que o montante da despesa de pessoal 

está acima do limite máximo estabelecido na referida 
Lei.  

_________________________________________________________ 

 

49.  Segundo a Constituição Federal, as diretrizes, objetivos e 

metas da Administração pública para as despesas de capi-
tal e outras delas decorrentes e para as relativas aos pro-
gramas de duração continuada serão estabelecidas na lei 

 

(A)  de diretrizes orçamentárias, cujo projeto será enca-

minhado ao Congresso Nacional até 15 de abril de 
cada ano. 

 
(B)  orçamentária anual, com vigência de 12 meses, a 

partir de 1

o

 de janeiro de cada ano. 

 
(C)  do plano plurianual, para vigência até o final do se-

gundo exercício financeiro do mandato presidencial 
subsequente. 

 
(D)  de diretrizes orçamentárias, com vigência de 12 me-

ses, passando a vigorar a partir de 1

o

 de julho de 

cada ano. 

 
(E)  do plano plurianual, de 4 anos o período de vigên-

cia, passando a vigorar a partir do segundo ano de 
mandato presidencial. 

_________________________________________________________ 

 

50.  A classificação funcional busca informar basicamente em 

que área de despesa a ação governamental será realiza-
da. Considerando que a classificação funcional é repre-
sentada por cinco dígitos, é correto afirmar que os 

 

(A)  dois primeiros relativos às funções e os três últimos 

às subfunções. 

 
(B)  três primeiros relativos ao projeto e os dois últimos 

ao elemento de despesa. 

 
(C)  dois primeiros relativos ao órgão orçamentário e os 

três últimos à unidade orçamentária. 

 

(D)  três primeiros relativos às funções e os dois últimos 

às subfunções. 

 

(E)  dois primeiros relativos ao programa e os três últi-

mos à ação de governo. 

Caderno de Prova ’C03’, Tipo 001

fcc-2015-prefeitura-de-sao-luis-ma-auditor-de-controle-interno-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

PMSLA-ACI-Engenharia Civil-C03-CE

 

11 

 

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 

 

Auditoria Governamental 

 

51.  Um Auditor de Controle Interno foi incumbido de realizar o 

exame das contratações realizadas num determinado pe-
ríodo. Para tanto, recebeu a orientação de que registrasse 
as informações coletadas com abrangência e grau de deta-
lhes suficientes para proporcionar a compreensão do plane-
jamento, da natureza, da oportunidade e da extensão dos 
procedimentos aplicados de Auditoria Interna. Para o aten-
dimento a essa orientação, as informações coletadas de-
vem ser registradas em documentos denominados 

 

(A)  planilhas de controle. 

(B)  demonstrativos de achados de auditoria. 

(C)  papéis de trabalho. 

(D)  bloco de anotações de auditoria. 

(E) registros 

de 

evidências. 

_________________________________________________________ 

 

52.  Considere os fatores abaixo. 
 
 

I

.  Conhecimento detalhado da política e dos instru-

mentos de gestão de riscos da entidade. 

 
 

II

.  Existência de entidades associadas, filiais e partes 

relacionadas que estejam no âmbito dos trabalhos 
de Auditoria Interna. 

 
 

III

.  O conhecimento do resultado e das providências to-

madas em relação a trabalhos anteriores, seme-
lhantes e relacionados.  

 
 

Esses fatores são relevantes na execução dos trabalhos 
de auditoria, especificamente para a fase de  

 

(A) planejamento. 

(B) comunicação 

de 

resultados. 

(C)  testes de auditoria. 

(D)  especificação de resultados. 

(E)  detalhamento de achados de auditoria. 

_________________________________________________________ 

 

53.  Durante os trabalhos de auditoria, um Auditor de Controle 

Interno necessitou fazer testes de observância para garantir 
a razoável segurança de que os controles internos estabe-
lecidos pela administração estão em efetivo funcionamen-
to. Os testes foram realizados para os seguintes casos: 

 
 

I

.  Verificação de registros. 

 
 

II

.  Acompanhamento de procedimentos quando da 

sua execução. 

 
 

III

.  Verificação de ativos tangíveis. 

 
 

Os testes realizados para esses casos são denominados, 
respectivamente, 

 

(A)  inspeção, observação e investigação. 

(B)  inspeção, observação e inspeção. 

(C)  observação, observação e investigação. 

(D)  investigação, inspeção e investigação. 

(E)  observação, inspeção e inspeção. 

54.  Ainda no planejamento de uma Auditoria, um Auditor de 

Controle Interno se deparou com a possibilidade de não 
atingir, de forma satisfatória, os objetivos dos trabalhos, 
podendo emitir uma opinião inadequada, tendo por base a 
verificação de eventuais limitações ao alcance dos proce-
dimentos de Auditoria Interna, a serem aplicados, consi-
derando o volume ou a complexidade das transações e 
das operações. Esse aspecto, nos termos da NBC TI 01, é 
conceituado como 

 

(A) falha 

de 

auditoria. 

(B) falha 

do 

auditor. 

(C)  eventos alheios à vontade do auditor. 
(D) riscos 

de 

auditoria. 

(E) falha 

de 

amostragem. 

_________________________________________________________ 

 

55.  Ao conduzir a auditoria de demonstrações contábeis, o 

Auditor Interno deve obter segurança de que essas de-
monstrações, como um todo, estão livres de distorção re-
levante, possibilitando que expresse sua opinião, principal-
mente se as demonstrações foram elaboradas em confor-
midade com a estrutura de relatório financeiro aplicável. 
Para esse tipo de problema, a NBC TA 200 orienta que o 
auditor busque, inicialmente, uma segurança  

 

(A) total. 
(B) razoável. 
(C) mínima. 
(D) máxima. 
(E) média. 

_________________________________________________________ 

 

56.  Nos termos das NBC TAs, as medidas da qualidade e da 

quantidade da evidência são, respectivamente, 

 

(A) suficiência 

adequação. 

(B) suficiência 

abrangência. 

(C) adequação 

abrangência. 

(D) adequação 

plausibilidade. 

(E)  plausibilidade e adequação. 

_________________________________________________________ 

 

57.  Após a conferência dos cálculos referentes às demonstra-

ções contábeis, o Auditor de Controle Interno verificou di-
ferença tanto nos valores como nas classificações de uma 
demonstração contábil relatada se comparada com a exi-
gida. Essa diferença é denominada 

 

(A)  grau de erro. 
(B)  risco de auditoria. 
(C) distorção. 
(D)  margem de erro. 
(E)  erro de relevância. 

_________________________________________________________ 

 

58.  Durante os trabalhos de auditoria, o auditor deve reduzir os 

riscos de ignorar circunstâncias não usuais e extrair con-
clusões baseadas nas evidências de auditoria. Esses obje-
tivos podem ser alcançados, respectivamente, por meio  

 

(A)  do quadro de investigação atualizado e ferramenta 

de feedback

 
(B)  do planejamento de auditoria e agrupamento de 

achados de auditoria. 

 
(C)  da análise de relevância e análise lógica das evidên-

cias de auditoria. 

 
(D)  dos riscos de auditoria e riscos de detecção. 
 
(E)  do ceticismo profissional e julgamento profissional. 

Caderno de Prova ’C03’, Tipo 001

fcc-2015-prefeitura-de-sao-luis-ma-auditor-de-controle-interno-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

12 

PMSLA-ACI-Engenharia Civil-C03-CE

 

59.  Considere as hipóteses abaixo. 
 
 

I

.  O Auditor Interno pode não atender um requisito re-

levante de uma norma. 

 
 

II

.  O Auditor Interno pode executar procedimentos adi-

cionais referentes a fatos ocorridos após a data do 
relatório de auditoria. 

 
 

III

.  O Auditor Interno deve documentar inconsistências 

em relação a sua conclusão final, referentes a 
assuntos significativos. 

 
 

Nos termos da NBC TA 230, está correto o que se afirma 
em 

 

(A) 

III

, apenas. 

(B) 

I

II

 e 

III

(C) 

II

 e 

III

, apenas. 

(D) 

II

, apenas. 

(E) 

I

 e 

III

, apenas. 

_________________________________________________________ 

 

60.  Considere os itens abaixo. 
 
 

I

.  O objetivo do Auditor Interno é preparar documen-

tação que forneça registro suficiente do embasa-
mento do seu relatório. 

 
 

II

.  Arquivo de auditoria compreende o registro de pro-

cedimentos de auditoria executados, da evidência 
de auditoria relevante obtida e conclusões alcança-
das pelo auditor. 

 
 

III

.  A documentação de auditoria pode substituir os re-

gistros contábeis da entidade.  

 
 

Sobre a documentação de auditoria, está correto o que se 
afirma em 

 

(A) 

I

 e 

II

, apenas. 

(B) 

II

, apenas. 

(C) 

I

, apenas. 

(D) 

I

II

 e 

III

(E) 

II

 e 

III

, apenas. 

_________________________________________________________ 

 

61.  Nos termos da NBC TA 240, fraude é o ato intencional de 

um ou mais indivíduos da administração, dos responsáveis 
pela governança, empregados ou terceiros, que envolva 
dolo para obtenção de vantagem injusta ou ilegal. Os even-
tos ou condições que indiquem incentivo ou pressão para a 
ocorrência da fraude são denominados 

 

(A)  fatores de risco. 
(B)  elementos de associação. 
(C) aspectos 

condicionantes. 

(D) facilitadores. 
(E) causadores. 

_________________________________________________________ 

 

62.  O Auditor Interno deve identificar os riscos de distorção re-

levantes decorrentes de fraude no nível das demonstra-
ções contábeis e tratá-los como riscos significativos. Nos 
termos da NBC TA 240, a determinação de quais tendên-
cias e variações específicas podem indicar esse tipo de 
risco é obtida por meio  

 

(A) do 

planejamento. 

(B)  dos papéis de trabalho. 
(C)  dos achados de auditoria. 
(D)  do julgamento profissional. 
(E)  das evidências de auditoria. 

63.  Considere as hipóteses abaixo. 

 
 

I

.  A entidade não toma a ação apropriada com refe-

rência a uma fraude, considerada pelo auditor como 
necessária nas circunstâncias, mesmo no caso em 
que a fraude não é relevante para as demonstra-
ções contábeis. 

 
 

II

.  A consideração do auditor dos riscos de distorção 

relevante decorrente de fraude e dos resultados da 
auditoria indica risco significativo de fraude relevan-
te e generalizada. 

 
 

III

.  O auditor tem preocupação significativa quanto à 

competência ou integridade da administração ou 
dos responsáveis pela governança. 

 
 

Constitui circunstância excepcional que pode surgir e colo-
car em dúvida a capacidade do auditor, deixando-o sem 
condições de continuar os trabalhos, o indicado em  

 

(A) 

I

, apenas. 

(B) 

I

II

 e 

III

(C) 

I

 e 

III

, apenas. 

(D) 

II

 e 

III

, apenas. 

(E) 

II

, apenas. 

_________________________________________________________ 

 

64.  Um dos elementos essenciais que compõem a rotina do 

Auditor Interno são os riscos de auditoria, que devem ser 
tratados na fase de planejamento. Uma das ferramentas 
de controle interno mais modernas no trato desse tipo de 
risco é denominada 

 

(A) modelo 

COSO. 

(B)  comparativo de riscos. 
(C) auditoria 

de 

riscos. 

(D)  estratégia de antecipação de riscos. 
(E) auditoria 

de 

resultado. 

_________________________________________________________ 

 

65.  Nos termos das normas da INTOSAI, o processo integra-

do efetuado pela direção e corpo de funcionários, estrutu-
rado para enfrentar os riscos e fornecer razoável seguran-
ça de que na consecução da missão da entidade serão al-
cançados objetivos como cumprimento das leis e regula-
mentos aplicáveis é denominado 

 

(A) controle 

público. 

(B)  accountability
(C) auditoria 

pública. 

(D) controle 

interno. 

(E) fiscalização 

pública. 

_________________________________________________________ 

 

Contabilidade Pública 

 

66.  A Lei Orçamentária Anual  

 

(A)  deve conter as receitas orçamentárias classificadas 

por funções e subfunções. 

 
(B)  pode conter autorização para abertura de créditos 

suplementares e especiais. 

 
(C)  deve conter cronograma de execução mensal de de-

sembolso. 

 
(D)  deve conter disposições sobre o equilíbrio entre re-

ceitas e despesas. 

 
(E)  pode conter autorização para contratação de opera-

ções de crédito por antecipação de receita, nos ter-
mos da lei. 

Caderno de Prova ’C03’, Tipo 001

fcc-2015-prefeitura-de-sao-luis-ma-auditor-de-controle-interno-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

PMSLA-ACI-Engenharia Civil-C03-CE

 

13 

67.  O reconhecimento de passivos contingentes pela contabilidade gera lançamentos contábeis em contas de natureza 

 

(A) orçamentária, 

apenas. 

 
(B) patrimonial, 

apenas. 

 
(C)  de controle, apenas. 

 
(D)  orçamentária e patrimonial, apenas. 

 
(E)  patrimonial e de controle, apenas. 

 
 
68.  Uma transação que provoca uma variação patrimonial qualitativa decorrente da execução do orçamento é 

 

(A)  o pagamento a fornecedores de material de consumo após a liquidação da despesa. 
 
(B)  o empenho da despesa com pessoal e encargos classificada como despesa corrente. 
 
(C)  o recebimento de valores provenientes da venda de serviços concomitante com a prestação do serviço. 
 
(D)  a depreciação do ativo imobilizado. 
 
(E)  a devolução de um depósito caução. 

 
 
69.  Considere as informações extraídas do sistema de contabilidade de uma entidade pública municipal referente ao mês de maio 

de X1: 

 

−  Liquidação da despesa com Material de Consumo entregue pelo fornecedor em 15/05/X1, no valor de R$ 20.000,00, para 

pagamento em junho de X1. 

 

−  Lançamento e Arrecadação de Taxas no valor de R$ 600.000,00. 

 

−  Pagamento de Despesa com Pessoal que atua na manutenção das atividades governamentais no valor de R$ 160.000,00. A 

liquidação da despesa ocorreu em abril de X1. 

 

−  Distribuição gratuita de material no valor de R$ 34.000,00. 

 

−  Prestação de Serviços no valor de R$ 50.000,00 para recebimento em junho de X1. 

 

−  Reconhecimento da Depreciação do Ativo Imobilizado no valor de R$ 64.000,00. 

 

−  Reconhecimento do aumento da Dívida Fundada em R$ 3.000,00, decorrente de variação cambial. 

 

 

Com base nessas informações, em maio de X1 e em reais, o saldo do ativo total foi aumentado em  

 

(A) 412.000,00. 
 
(B) 409.000,00. 
 
(C) 572.000,00. 
 
(D) 396.000,00. 
 
(E) 362.000,00. 

 
 
70.  Considere os dados, a seguir, extraídos das demonstrações contábeis consolidadas do Município Alfa referentes a X1: 

 

Receita Lançada:  .................................................................................................................   R$ 4.200.000,00 
Receita Arrecadada:  ............................................................................................................   R$ 4.120.000,00 
Despesa Empenhada:  .........................................................................................................   R$ 4.230.000,00 
Despesa Liquidada:  .............................................................................................................   R$ 4.180.000,00 
Inscrição de Restos a Pagar referentes a X1: ......................................................................   R$    550.000,00 
Recebimento de Depósito Caução:  .....................................................................................   R$    145.000,00 
Pagamento de Restos a Pagar:  ...........................................................................................   R$    420.000,00 

 

 

Considerando estas informações, o resultado financeiro do exercício de X1 apurado com base no Balanço Financeiro referente a 
X1 foi, em reais, 

 
(A)  positivo em 215.000,00. 

 
(B)  negativo em 95.000,00. 

 
(C)  positivo em 165.000,00. 

 
(D)  negativo em 125.000,00. 

 
(E)  positivo em 245.000,00. 

Caderno de Prova ’C03’, Tipo 001

fcc-2015-prefeitura-de-sao-luis-ma-auditor-de-controle-interno-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

14 

PMSLA-ACI-Engenharia Civil-C03-CE

 

 

Controle Interno e Externo 

 

71.  Um Auditor de Controle Interno da Prefeitura Municipal de São Luís do Maranhão foi destacado para atuar em matérias relacio-

nadas às ações que propiciam o alcance dos objetivos da Prefeitura. Nos termos da NBC T 16, esse tipo de controle interno é 
classificado como 

 

(A) operacional. 
 
(B) finalístico. 
 
(C) contábil. 
 
(D) normativo. 
 
(E) administrativo. 

 
 
72.  A Lei n

o

 4.320/64 estabelece regras para o controle da execução orçamentária, tanto sob o enfoque do Controle Interno, como 

do Controle Externo. Sobre esse controle da execução orçamentária é correto afirmar que 

 

(A)  não compreende a legalidade dos atos de que resultem extinção de direitos e obrigações. 
 
(B)  a verificação da legalidade dos atos de execução orçamentária será prévia, concomitante e subsequente. 
 
(C)  é vedada a tomada de contas dos responsáveis por bens e valores públicos referente a período inferior a um ano.  
 
(D)  a exata observância dos limites das cotas trimestrais atribuídas a cada unidade orçamentária deve ser feita por setor di-

verso do serviço de contabilidade, em respeito ao princípio da segregação de funções. 

 
(E)  o cumprimento do programa de trabalho expresso em termos monetários deve ser feito necessariamente pelo órgão in-

cumbido da proposta orçamentária. 

 
 
73.  Nos termos regidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal, a despesa e a assunção de compromissos serão registradas segundo 

o regime de competência e a apuração do resultado dos fluxos financeiros será feita pelo regime de caixa. Essa apuração rela-
cionada ao fluxo financeiro é feita em caráter 

 

(A) provisório. 
 
(B) suplementar. 
 
(C) informativo. 
 
(D) de 

orientação. 

 
(E) complementar. 

 
 
74.  Nos termos do Regimento Interno do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão, a competência para emissão do parecer pré-

vio relativo às contas que o Prefeito Municipal de São Luís do Maranhão presta anualmente é  

 

(A)  do Presidente do Tribunal. 
 
(B) da 

Câmara. 

 
(C) do 

Corregedor. 

 
(D) do 

Plenário. 

 
(E) do 

Conselheiro. 

 

 
 
75.  Nos termos da Lei Orgânica do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão, as contas de governo do Prefeito Municipal de São 

Luís do Maranhão, após o trânsito em julgado e acompanhadas do parecer prévio, devem ser encaminhadas  

 

(A)  à Prefeitura Municipal de São Luís do Maranhão. 
 
(B)  ao Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão. 
 
(C)  à Câmara Municipal de São Luís do Maranhão. 
 
(D)  ao Ministério Público junto ao Tribunal de Contas do Estado do Maranhão. 
 
(E)  ao Ministério Público do Estado do Maranhão. 

Caderno de Prova ’C03’, Tipo 001

fcc-2015-prefeitura-de-sao-luis-ma-auditor-de-controle-interno-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

PMSLA-ACI-Engenharia Civil-C03-CE

 

15 

 

Conhecimentos de Engenharia 

 

76.  Para o planejamento do revestimento com azulejos das paredes de uma obra constituídas de alvenarias de blocos vazados de 

concreto simples, devem ser executadas juntas de movimentação longitudinais e/ou transversais, em paredes internas com área 
igual ou maior que X m

2

, ou sempre que a extensão do lado for maior que Y m. Os valores de X e Y são, respectivamente, 

 

(A)  32  e  8. 
(B)  28  e  7. 
(C)  22  e  5. 
(D)  24  e  6. 
(E)  26  e  6. 

 
 
77.  Para o projeto e execução de alvenarias sem função estrutural de componentes cerâmicos em obras com estrutura de concreto 

armado a alvenaria deve ser interrompida abaixo das vigas ou lajes. Para garantir o perfeito travamento entre a alvenaria e a 
estrutura, a quantidade mínima de dias que se deve aguardar para preencher esse espaço é 

 

(A) 5. 
(B) 3. 
(C) 4. 
(D) 2. 
(E) 7. 

 
 
78.  Considere o diagrama de massa abaixo. 

 

A

B

Ponto de mínimo

Linha de distribuição

a

b

c

d

 

 

 

Para o trecho total do diagrama o custo de transporte do trecho A-B é, em reais, 

 

(A) 860,00. 
(B) 13.400,00. 
(C) 8.600,00. 
(D) 1.340,00. 
(E) 86.000,00. 

 
 
79.  Considere os pilares P1 e P2 abaixo. 
 

220 cm

P  (30 cm x 80 cm):

CARGA 2000 kN

1

P  (30 cm x 50 cm):

2

CARGA 1800 kN

 

 
 

Considerando taxa admissível do solo de 0,5 MPa e a proposta de fundação para os pilares P1 e P2 em tubulão a céu aberto, a 
área necessária para base de cada tubulão é, em m

2

, respectivamente 

 

(A)  4,0  e  3,6. 
(B)  2,6  e  1,6. 
(C)  0,4  e  0,4. 
(D)  2,4  e  1,5. 
(E)  2,0  e  1,8. 

Dados: 

 
Área de a: 40 cm

2

 

Área de b: 22 cm

2

 (área de transporte gratuito) 

Área de c: 26 cm

2

 (área de transporte gratuito) 

Área de d: 46 cm

2

 

Escala horizontal: 1 cm: 50 m 
Escala vertical: 1 cm: 100 m

3

 

Custo do transporte: R$ 0,20/m

3

 

. dam (decâmetro) 

Caderno de Prova ’C03’, Tipo 001

fcc-2015-prefeitura-de-sao-luis-ma-auditor-de-controle-interno-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

16 

PMSLA-ACI-Engenharia Civil-C03-CE

 

80.  No projeto de uma treliça de madeira, cujas barras comprimidas tenham comprimento máximo de 60 cm, para que não seja ne-

cessário considerar redução de resistência à compressão devido ao processo de flambagem, o raio de giração em relação ao 
eixo de flambagem dessas barras, em centímetros, deve ser 

 

(A) 0,4. 
(B) 1,0. 
(C) 0,6. 
(D) 0,8. 
(E) 1,5. 

 
 
81.  Uma laje nervurada de concreto armado foi dimensionada com espaçamento entre as faces das nervuras de 120 cm. Se na 

mesa não for prevista a passagem de tubulações horizontais, a sua espessura mínima, em centímetros, é 

 

(A) 12. 
(B) 8. 
(C) 4. 
(D) 6. 
(E) 10. 

 
 
82.  O anidrido carbônico (CO

2

) presente na atmosfera quando transportado para dentro dos poros do concreto e a sua subsequente 

reação com o hidróxido de cálcio 

− existente na água do concreto −, causa 

 

(A)  o endurecimento do concreto tão rápido que poderá impedir o total enchimento e o acabamento das superfícies em dias de 

concretagem com temperatura ambiente elevada. 

 
(B)  a formação dos efeitos da carbonatação do concreto, com a redução de seu pH. 

 
(C)  o aumento do pH no concreto e o aumento da proteção contra a corrosão eletrolítica em peças estruturais próximas a 

correntes elétricas de alta tensão. 

 
(D)  o aumento do pH no concreto e o aumento da camada passivadora de proteção das armaduras de aço dentro das peças 

de concreto. 

 
(E)  a retração do concreto que cresce praticamente com o quadrado da aceleração do endurecimento. 

 
 
83.  O proprietário de uma residência desejoso de construir um salão de festa retangular com medidas internas de 12 m por 8 m, 

adendo à sua residência, contratou um engenheiro para realizar o planejamento e o orçamento da obra. Entre os itens anali-
sados deveria constar a previsão da carga mínima de iluminação, em VA, que resultou em 

 

(A) 1240. 
(B) 2460. 
(C) 1800. 
(D) 1420. 
(E) 1150. 

 
 
84.  O síndico de um prédio, preocupado com as atuais mudanças climáticas e a possível escassez de água, pediu a uma empresa 

de construção civil que instalasse uma caixa d’água reserva com capacidade de 9 000 litros no subsolo do prédio. Se área da 
seção transversal da tubulação de entrada de água fria da caixa d'água for 4 cm

2

, o tempo mínimo para enchê-la, em segundos, 

é 

 

(A) 7500. 
(B) 8600. 
(C) 6400. 
(D) 4200. 
(E) 5600. 

 
 
85.  No revestimento com pisos cerâmicos, junta de dessolidarização é a junta 

 

(A)  entre dois pisos cerâmicos adjacentes. 

 
(B)  intermediária, normalmente mais larga que as juntas de assentamento, projetada para aliviar tensões provocadas pela mo-

vimentação da laje e/ou próprio piso. 

 
(C)  do encontro do piso com obstáculos verticais tais como paredes ou pilares. 

 
(D)  destinada a promover a estanqueidade do piso, impedindo a ascenção da umidade do solo. 

 
(E)  intermediária destinada a promover a separação entre a base e a camada de assentamento. 

Caderno de Prova ’C03’, Tipo 001

fcc-2015-prefeitura-de-sao-luis-ma-auditor-de-controle-interno-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

PMSLA-ACI-Engenharia Civil-C03-CE

 

17 

86.  Eflorescências são manchas de sais precipitados na superfície ou em camadas superficiais dos revestimentos que, além de 

comprometerem o aspecto estético, contribuem para a desagregação do revestimento. Para que ocorram eflorescências são 
essenciais e devem existir, concomitantemente, a presença de 

 

(A)  areia grossa, água e calor para propiciar a migração da solução. 
(B)  carvão, água e calor para propiciar a migração da solução. 
(C)  mica, água e baixas temperaturas para propiciar a migração da solução. 
(D)  matéria orgânica em decomposição, água e calor para propiciar a migração da solução. 
(E)  sais solúveis, água e pressão hidrostática para propiciar a migração da solução. 

 
 
87.  O controle do processo de produção da cal hidratada é realizado pelos requisitos químicos (exigências químicas) e pelo requisito 

físico denominado 

 

(A) finura. 
(B) retenção 

de 

água. 

(C) estabilidade. 
(D) plasticidade 
(E)  índice de incorporação de areia. 

 
 
88.  Sobre as condições de proteção e cura de corpos de prova de concreto, se os corpos de prova forem ensaiados aos 28 dias, 

devem permanecer na obra pelo menos X dias. No caso de outras idades, devem permanecer na obra pelo menos durante Y 
partes da idade de ensaio. Os valores de X e Y são 

 

(A)  45 e duas quartas. 
(B)  30 e uma quarta. 
(C)  21 e duas quartas. 
(D)  35 e duas quartas. 
(E)  21 e três quartas. 

 
 
89.  Nos serviços de demolição de obras de construção civil, a remoção dos entulhos, por gravidade, deve ser feita em calhas fecha-

das confeccionadas em material resistente, fixadas à edificação em todos os pavimentos, com inclinação máxima de 

 

(A) 45

°. 

(B) 60

°. 

(C) 30

°. 

(D) 15

°. 

(E) 25

°. 

 
 
90.  Segundo a Lei n

o

 10.098/2000, os banheiros de uso público existentes ou a construir em parques, praças, jardins e espaços li-

vres públicos deverão atender às especificações das normas técnicas da ABNT, ser acessíveis e dispor, pelo menos, de 

 

(A)  três sanitários e um lavatório que atendam às especificações das normas técnicas da ABNT.  

(B)  dois sanitários e dois lavatórios que atendam às especificações das normas técnicas da ABNT. 

(C)  três sanitários e três lavatórios que atendam às especificações das normas técnicas da ABNT. 

(D)  um sanitário e um lavatório que atendam às especificações das normas técnicas da ABNT. 

(E)  quatro sanitários e dois lavatórios que atendam às especificações das normas técnicas da ABNT. 

 
 
91.  Uma edificação foi orçada com o custo direto de R$ 120.000,00. Para essa obra, prevê-se uma lucratividade de 15% sobre o 

preço de venda e o pagamento de 10% de impostos. O preço de venda desta obra, em reais, é 

 

(A) 128.000,00. 

(B) 160.000,00. 

(C) 142.000,00. 

(D) 136.000,00. 

(E) 150.000,00. 

Caderno de Prova ’C03’, Tipo 001

fcc-2015-prefeitura-de-sao-luis-ma-auditor-de-controle-interno-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

18 

PMSLA-ACI-Engenharia Civil-C03-CE

 

92.  Uma amostra indeformada de solo argiloso possui peso específico dos sólidos igual a 27 kN/m

3

 e índice de vazios igual a 0,50. 

Sabendo que seu teor de umidade era de 50% na data da coleta, o seu peso específico natural, em kN/m

3

, é 

 

(A) 13,50. 

 

(B) 18,00. 

 

(C) 12,00. 

 

(D) 27,00. 

 

(E) 40,50. 

 
 
93.  Considere a cortina de estacas prancha representada abaixo. 

 

N.A.

H

N.A.

RN

 

 

 

A vazão que percola pela fundação da cortina de estacas prancha é, em m

3

/s.m, 

 
(A) 1,5 

× 10

−10

 
(B) 3,0 

× 10

−6

 
(C) 3,0 

× 10

−5

 
(D) 1,5 

× 10

−5

 
(E) 3,0 

× 10

−10

 
 
94.  Sobre o emprego de materiais betuminosos em pavimentação, o asfalto diluído de cura rápida é o material resultante da 

 

(A)  diluição de alcatrão em um diluente médio tipo querosene. 
 
(B)  diluição de um cimento asfáltico de petróleo em um diluente médio tipo nafta.  
 
(C)  destilação não destrutiva da hulha, em estado sólido e diluído em água. 
 
(D)  dispersão de alcatrão em água, obtido com o auxílio de agente emulsificante, apresentando partículas carregadas eletrica-

mente. 

 
(E)  destilação destrutiva da hulha e acrescida de borracha em estado líquido. 

 
 
95.  Sobre a aplicação dos concretos asfálticos em pavimentos, a camada de nivelamento ou de “reperfilamento” é uma camada de 

 
(A)  reforço do subleito que utiliza concreto asfáltico com agregado-borracha, o que acontece, em geral, quando se faz a 

técnica denominada imprimação.  

 
(B)  capa asfáltica ou de rolamento, podendo inclusive ser o revestimento de uma base em concreto de cimento Portland.  
 
(C)  concreto asfáltico modificado com polímero como base de pavimentos perpétuos.  
 
(D)  ligação intermediária que tem por função um nivelamento da pista antes da aplicação do novo revestimento, o que acon-

tece, em geral quando se faz reforço em concreto asfáltico o popular “recapeamento”. 

 
(E)  separação entre o terreno de fundação do pavimento e o posicionamento da primeira camada do corpo de um pavimento, 

isto é, a sub-base. 

Dados: 

 

= 6 m  e  K = 10

−5

 cm/s 

Caderno de Prova ’C03’, Tipo 001

fcc-2015-prefeitura-de-sao-luis-ma-auditor-de-controle-interno-engenharia-civil-prova.pdf-html.html

 

PMSLA-ACI-Engenharia Civil-C03-CE

 

19 

96.  Nos trabalhos de pavimentação asfáltica, Tratamento Superficial Duplo 

− TSD é a camada de revestimento do pavimento cons-

tituída por duas aplicações de ligante asfáltico, cada uma coberta por camada de agregado mineral e submetida à compressão. 
O ligante asfáltico não deve ser distribuído quando a temperatura ambiente for 
 
(A)  inferior a 35 

°C, ou em dias de chuva intensa, ou quando a superfície que irá recebê-lo apresentar qualquer sinal de trin-

camento. 

 
(B) inferior 

20 

°C, ou em dias de chuva, ou quando a superfície que irá recebê-lo apresentar qualquer sinal de trincamento. 

 
(C)  inferior a 10 

°C, ou em dias de chuva, ou quando a superfície que irá recebê-lo apresentar qualquer sinal de excesso de 

umidade. 

 
(D) superior 

25 

°C, ou em extensos períodos de seca, ou quando a superfície que irá recebê-lo apresentar qualquer sinal de 

trincamento. 

 
(E)  superior a 35 

°C, ou em dias de chuva, ou quando a superfície que irá recebê-lo apresentar qualquer sinal de excesso de 

umidade. 

 
 
97.  Para o controle de enchentes de um rio, cujas águas provêm de uma bacia hidrográfica com área de 172,8 km

2

, registrou-se 

uma precipitação anual de 1460 mm e coeficiente de escoamento superficial de 0,20. A bacia hidrográfica contribuirá com uma 
vazão de água estimada em, m

3

/s, de 

 
(A) 1,8. 

 

(B) 2,2. 

 

(C) 1,6. 

 

(D) 1,5. 

 

(E) 1,3. 

 
 
98.  Em áreas não favorecidas por redes de esgotos públicos, torna-se obrigatório o uso de instalações necessárias para a depu-

ração biológica e bacteriana das águas residuárias. Uma das opções é a utilização de tanques sépticos, que devem ser insta-
lados afastados de construções, limites de terreno, sumidouros, valas de infiltração e ramal predial, a uma distância horizontal 
mínima de, em metros, 
 
(A) 3,0. 

 

(B) 1,0. 

 

(C) 2,4. 

 

(D) 1,5. 

 

(E) 3,6. 

 
 
99.  Segundo a Lei n

o

 12.305/2010, são obrigados a estruturar e implementar sistemas de logística reversa, mediante retorno dos 

produtos após o uso pelo consumidor, de forma independente do serviço público de limpeza urbana e de manejo dos resíduos 
sólidos, os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes de 
 
(A) ferragem 

para 

construção. 

 

(B) lâmpada 

fluorescente. 

 

(C) cimento 

portland. 

 

(D)  cerâmica para azulejo. 

 

(E) madeira 

serrada. 

 
 
100.  Segundo a Lei n

o

 11.445/2007, os reajustes de tarifas de serviços públicos de saneamento básico serão realizados observando-

se o intervalo mínimo de X meses, de acordo com as normas legais, regulamentares e contratuais. O valor de X é 
 
(A) 6. 

 

(B) 24. 

 

(C) 8. 

 

(D) 16. 

 

(E) 12. 

Caderno de Prova ’C03’, Tipo 001